Coetzee, um escritor inventivo | Digestivo Cultural

busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
>>> Conheça Carácolis (parte 1)
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> Mob Flash
>>> A Geração Paissandu
>>> História de um papagaio de papel
>>> Saleté S.A.
Mais Recentes
>>> Borderliners de Peter Hoeg pela Harvill Secker (1996)
>>> O Calcanhar da Memória de Luís Pimentel pela Bertrand Brasil (2004)
>>> Luluzinha Teen e Sua Turma N° 18 - o Rapto da Guitarra de N/d pela Pixel (2010)
>>> Biologia Volume 2 - Funções Vitais, Embriologia, Genética de José Luís Soares pela Scipione
>>> The Original Rogets International Thesaurus de Robert L. Chapman (edit.) pela Harper Collins (1992)
>>> A Interpretação do Antigo Testamento de Rolf P Knierim pela Editeo
>>> O Reino de Deus de George V. Pixley pela Edições Paulinas (1986)
>>> Godplayer de Robin Cook pela Signet (1984)
>>> Biologia Hoje - Volume 2 - Seres Vivos de Sérgio Linhares e Fernando Gewandsznajder pela Ática
>>> Besog Fra Brasilien de Eça de Queiroz pela Aschehoug
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Um Amor Imortal de Gordon Glasco pela Record (1983)
>>> Vagabond - N° 23 de Takehiko Inoue pela Conrad
>>> A Busca de Roberto Ferreira Santos pela Livre Expressão (2014)
>>> Lord Jim de Joseph Conrad pela Abril Cultural (1980)
>>> Otherwise - Engaged de Suzanne Finnamore pela Alfred A. Knopf (1999)
>>> Descobrindo a Alegria de Viver de Salle Merrill Redfield pela Sextante (2000)
>>> Manual Prático de Desenvolvimento da Memória de Charles Lucien de Liévre pela Madras (2001)
>>> Tarot Tavaglione : the Stairs of Gold Tarot de Giorgio M. S. Tavaglione pela N/d (1997)
>>> Estrela do Perigo de Marion Zimmer Bradley pela Imago
>>> A Garota do Calendário: Julho de Audrey Carlan pela Verus (2016)
>>> Vôo Cego de Júlio Emílio Braz pela Zeus (2003)
>>> Minha 1ª Biblioteca - Larousse Animais 2 de Adriana de Oliveira Silva pela Larousse (2007)
>>> The Kitchen Gods Wife de Amy Tan pela Harper Collins (1989)
>>> Plantas e Flores Guia Completo para a Jardinagem Dentro e Fora de Casa de N/d pela Abril Cultural (1977)
BLOG >>> Posts

Quarta-feira, 1/8/2007
Coetzee, um escritor inventivo

+ de 2000 Acessos

Slow man (Penguin, 2006, 266 págs.) é o livro mais auto-centrado de J. M. Coetzee. Foi publicado agora no Brasil pela Cia. das Letras (Homem lento, 280 págs., tradução de José Rubens Siqueira). Seria preciso reler para fazer um comentário mais aprofundado. Mas de primeira dá para perceber que - embora obras anteriores do sul-africano já tenham abordado o processo de criação, a relação do escritor com seus personagens e com seu meio (Foe, ainda não traduzido por aqui, que tem Daniel Defoe e Robson Crusoé como protagonistas; O mestre de Petersburgo, sobre Dostoiévski; Elizabeth Costello, um romance-ensaio) - esse mais novo romance não apenas discute a criação literária, como o faz por meio de uma atmosfera kafkiana, ao trazer à cena Elizabeth Costello, alter ego de Coetzee e co-autora e co-participante do enredo que se desenrola ante nossos olhos. Ela terá longas conversas com Paul Rayment, o personagem central. (Por isso, não procede a observação que Marina Monzillo fez na IstoÉ, de que o leitor pode sentir falta de diálogo.)

Rayment sofreu um violento acidente enquanto andava em sua bicicleta numa bonita manhã australiana, e como conseqüência teve uma perna amputada. Desespera-se, não vê mais sentido na vida. Em seguida, apaixona-se pela enfermeira que lhe presta serviços em casa, uma imigrante croata, casada e com três filhos. Tenta se agarrar a essa forma bastante peculiar de amor como um motor para continuar vivendo. Nessa esfera do livro, são discutidas questões como velhice, morte e amor não retribuído.

Quando Elizabeth Costello irrompe em cena, como que saída do nada, ela passará a discutir com Rayment, entre outras coisas, a estrita relação do escritor com suas criaturas. Rayment repetidas vezes lhe pergunta por que ela foi se ocupar logo dele, por que foi escolher um sujeito tão normal, com uma vida tão sem emoção, como personagem de um livro. Ao que Costello, enigmática e furtivamente, sempre responde que as coisas são assim porque têm que ser, Rayment a escolhera assim como ela o havia escolhido, e uma vez que começara a se ocupar dele, tinha que levar o processo até o fim, por mais inconcluso que este viesse a ser.

Essa seria uma história banal nas mãos de quase qualquer outro escritor contemporâneo, mas quem já freqüentou outras páginas de Coetzee sabe o que esperar de Slow man - não a santificação do escritor, da literatura, não a redenção dos personagens por meio de ações bondosas; mas desilusão, a exposição de personagens de procedimento deplorável (mas que sabem ser amáveis, em outros momentos), a desmistificação do processo literário, feito por indivíduos tão cheios de defeitos e fracassos quanto seus piores personagens.

Por último, há que se notar que uma atmosfera kafkiana tampouco é nova na obra de Coetzee. À espera dos bárbaros pode ser encarado como uma homenagem (e que homenagem!) ao autor de Na colônia penal. Para não mencionar uma dívida do sul-africano com Kafka já no título do seu Vida e época de Michael K. Apenas, novamente, essa característica chega ao limite em Slow man, que se não é o melhor romance de Coetzee, certamente é, ao lado de Foe, sua obra mais original.


Postado por Daniel Lopes
Em 1/8/2007 às 10h40


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Temporada 2016 do Mozarteum de Eugenia Zerbini
02. Ubaldo no Digestivo de Julio Daio Borges
03. O compositor e a imperatriz de Eugenia Zerbini
04. Laís Bodanzky #EuMaior de Julio Daio Borges
05. Martha Argerich e o Rach 3 de Julio Daio Borges


Mais Daniel Lopes no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Manual Prático para Elaboração de Monografias
Ana Cristina da Faria
Usjt
(2005)



A Força do Um
André Trigueiro
Infinda
(2019)



Ansiedade Sob Controle
Lourdes Possatto
Lúmen
(2006)



Problemas Agrário-camponeses do Brasil
M. Vinhas
Civilização Brasileira
(1968)



O Peido que a nêga deu
José Costa Leite
Não informado



Guia Sesc Brasil 2004
Sesc
Sesc
(2004)



Conecte História - Volume 2 - Caderno de Estudos
Ronaldo Vainfas e Outros.
Saraiva
(2018)



Migrações: da Perda da Terra à Exclusão Social
Ana Valim
Atual
(1996)



Movimentos Culturais de Juventude
Antonio Carlos Brandão
Moderna
(1991)



Produção Científica, Técnica e Artística
Puc
Puc
(1998)





busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês