Bate-papo com André de Leones | Digestivo Cultural

busca | avançada
65269 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Núcleo de Artes Cênicas (NAC) divulga temporada de estreia do espetáculo Ilhas Tropicais
>>> Sesc Belenzinho encerra a mostra Verso Livre com Bruna Lucchesi no show Berros e Poesia
>>> Estônia: programa de visto de startup facilita expansão de negócios na Europa
>>> Água de Vintém no Sesc 24 de Maio
>>> Wanderléa canta choros no Sesc 24 de Maio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Do Manhattan Connection ao Saia Justa
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> A evolução da nova democracia brasileira
>>> Sobre o preço dos livros 1/2
>>> Sobre Jobs e Da Vinci
>>> Bom Bril: de volta na sua TV
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> De volta às férias I
>>> 21º de Mozart: Pollini e Muti
Mais Recentes
>>> Proporção Ecológica, Uma: Razão, Proporção, Regra De Três E Porcentagem de Luzia Faraco Ramos pela Ática (2002)
>>> O Planeta Eu de Liliana Iacocca pela Ática (2011)
>>> Qual E O Seu Norte? de Silvana Salerno pela Companhia Das Letrinhas (2012)
>>> Os Incríveis Seres Fantásticos de Samir Meserani pela Ftd (1997)
>>> Judy Moody Salva O Mundo de Megan Mcdonald pela Salamandra (2005)
>>> Kingdom Hearts - Coleção Definitiva Vol. 1 de Disney pela Abril (2018)
>>> O Ladrão De Órgãos E Outras Lendas Urbanas de Carmen Lucia Campos pela Panda Books (2013)
>>> Terra: Chaves Pleiadianas Para A Biblioteca Viva de Barbara Marciniak pela Ground (1997)
>>> 12 Estratégias de Marketing Digital que toda empresa precisa conhecer de Wsi pela Above (2014)
>>> Segredos Da Mente Milionaria - Secrets Of The Millionaire Mind: Mastering The Inner Game Of Wealth de T. Harv Eker pela Sextante (2006)
>>> O Canto Da Praça de Ana Maria Machado pela Ática (2002)
>>> A Organização da Igreja de Stanley G. A. Luff pela Renes (1969)
>>> O Espírito das Artes Marciais de Roque Severino pela Icone (2010)
>>> Breve História Da Igreja No Brasil. de Maurilio Cesar De Lima pela Restauro (2024)
>>> Núcleo de Dramaturgia - Vol. 2 de British Concil pela Sesi (2012)
>>> O Livro Apócrifo do Macaco Chinês de Kingston Maxine Hong pela Rocco (1991)
>>> Como Falar Dragonês de Cressida Cowell pela Intrinseca (2010)
>>> O Futuro Da Internet: Em Direção A Uma Ciberdemocracia Planetaria de André Lemos pela Paulus (2010)
>>> Diario De Uma Garota Nada Popular - Vol. 2 de Rachel Reneé Russell pela Verus (2017)
>>> Inteligencia Emocional. de Daniel Goleman pela Objetiva (1995)
>>> Politica para nao ser idiota de Mario Sergio Cortella, Renato Janine Ribeiro pela Papirus (2012)
>>> A Biologia da Crença de Bruce H. Lipton pela Butterfly (2007)
>>> Quem Roubou O Meu Futuro? - Coleção Entre Linhas de Sylvia Orthof pela Atual (2004)
>>> O Livro Do Ator de Flavio De Souza pela Companhia Das Letrinhas (2001)
>>> O Diário (nem Sempre) Secreto De Pedro de Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual (2009)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 19/12/2008
Bate-papo com André de Leones
+ de 7500 Acessos

"Há uma idéia corrente de que não se pode elogiar ninguém publicamente, de que isso soa como 'troca de favores' ou coisa parecida. Eu elogio os autores de que gosto, de cujos livros eu gosto, mesmo que considere esses mesmos autores uns completos idiotas. Em outras palavras: muito embora eu me considere amigo de algumas das pessoas, quando cito seus nomes, estou me referindo aos seus livros e só. Elogio livros, não pessoas. A cretinice do meio literário brasileiro é tão acachapante que vive confundindo essas coisas..."

1. André: tendo sido criado em Silvânia, no interior de Goiás, e vivendo agora em Goiânia, o que você diria para os escritores brasileiros chorões que — para "acontecer" — acreditam que têm de vir ao eixo Rio-São Paulo?

Eu passo uns poucos dias por semana em Goiânia. A rigor, eu resido em Silvânia. Minhas correspondências vêm todas para cá. Eu voto aqui. O que eu diria aos chorões que querem se mudar para o eixo Rio-São Paulo a fim de que algo "aconteça"? Fiquem onde estão e parem de escrever.

2. Eu entendo que o Prêmio Sesc de Literatura — para o seu romance Hoje está um dia morto (Record, 2006) — foi um divisor de águas na sua carreira. Conte um pouco — até para os escrevinhadores de plantão — como chegou até lá e o que aconteceu depois.

Eu vivia e trabalhava (como professor de Química) em Silvânia. Escrevi esse romance a partir de um projeto fracassado de roteiro de cinema (eu fizera um curso de cinema anos antes). Entendi que aquele projeto de roteiro poderia render um bom romance e segui em frente. Quando terminei de escrevê-lo, um amigo chamado Aldair Aires (um escritor daqui de Goiás, infelizmente já falecido) me falou sobre o Prêmio SESC de Literatura, o qual eu sequer conhecia.

O Prêmio SESC é maravilhoso para autores inéditos na medida em que a premiação é o lançamento e distribuição do livro pela editora Record. Além disso, os autores vencedores fazem uma turnê de lançamento pelo Brasil. Venci o prêmio, tive o meu primeiro romance lançado por uma grande editora (chegou à 2ª edição) e a Record aceitou publicar o meu segundo livro, de contos, o recém-lançado Paz na terra entre os monstros. Em resumo, posso dizer que o Prêmio SESC me deu uma carreira. Mesmo em se tratando de Brasil, não creio que seja pouco.

3. A gente brincou, na noite do seu último lançamento, que tiraram sarro de você quando, escolhido pelo projeto Amores Expressos, veio parar logo em São Paulo... Gostou da experiência do blog (existencial)? E o livro, será que vê finalmente a luz do dia em 2009?

Eu fiquei um pouco chateado com isso de curtirem com a minha cara por ser o único autor com destino doméstico, mas depois pensei o óbvio: não é o destino que definirá a qualidade da obra. O romance que originalmente escrevi para o Amores Expressos, Como desaparecer completamente, é uma das melhores coisas que já fiz. Trabalhei nele feito louco e tenho muito orgulho dele.

Por outro lado, aconteceu uma coisa muito chata em relação à Companhia das Letras. A editora não teve transparência com os escritores. Dizendo claramente: a Companhia das Letras não agiu profissionalmente com os autores do projeto, na medida em que demorou mais de um ano (no meu caso, pelo menos) para dizer se publicaria o livro ou não (eles tinham, por contrato, o direito de não publicar alguns dos livros). E o que é pior: não recebi deles a notícia de que o meu livro não seria publicado. Aliás, eu jamais recebi sequer um telefonema ou e-mail de alguém da Companhia das Letras. É o oposto do tratamento que recebo da minha editora, a Record, que sempre fala comigo diretamente, sem rodeios e da maneira mais polida possível. Assim, Como desaparecer completamente deverá sair pela Record (ou não; quem sabe?) sem, obviamente, qualquer alusão ao projeto Amores Expressos. Tudo o que sei é: esse livro será publicado, ainda que em capítulos no meu blog.

4. Você também me contou dos inúmeros originais que te encaminham por e-mail — e, para o meu total espanto, você confessou que lê e ainda envia feedbacks (!). Tem mesmo esperança de encontrar uma pepita de ouro em meio a tanto cascalho?

Confesso não ter tido mais tempo para fazer esse trabalho. Atualmente, para ganhar a vida, encaro um monte de revisões e algumas palestras, bate-papos em feiras e bienais, coisas desse tipo. Mas, sim, quando eu lia o que me mandavam, tinha esperança de encontrar coisas boas. Aqui e ali, até encontrava, mas eram sempre textos que ainda precisavam ser trabalhados, lapidados. E eu, claro, dizia isso aos autores. Eles nem sempre gostavam (risos). Mas era só a minha opinião.

5. Em relação ao seu atual blog, você gosta de fabular no dia-a-dia e até criou situações embaraçosas para pessoas próximas. Eu tive a impressão, lendo seu Paz na terra entre os monstros, de que você literalmente vive no mundo da sua ficção. É isso mesmo?

Não sou tão maluco assim (risos). Tampouco me lembro de ter criado situações embaraçosas para pessoas próximas (se isso aconteceu, não me recordo ou não fiquei sabendo do embaraço alheio). Agora, acho bacana contar coisas que acontecem no meu cotidiano de um jeito diferente, fabulando, inventando, exagerando ou até mesmo "mentindo", isto é, ficcionalizando. Não diria que vivo no mundo da minha ficção, mas penso nela quase que o tempo todo. Eu sentimentalizo e, depois, racionalizo as coisas que acontecem comigo para que, se for o caso, possa transformá-las em ficção. Mas, sempre, o que mais me interessa nesse processo é pensar sobre a maneira por meio da qual construirei ou reconstruirei essas histórias, literariamente falando. A estrutura, o modo como as diversas partes de uma narrativa podem ser articuladas e, claro, o resultado disso tudo é o que há de mais instigante para mim enquanto escritor.

6. A gente falou em situações-limite, no Digestivo, e os Leitores se desdobraram em relatos fantásticos. Senti que, no seu caso, o sexo é uma experiência-limite, assim como as diferenças de idade, os relacionamentos que findam e a (óbvia) morte — a sua literatura se alimenta sempre de extremos assim?

Posso dizer que sim, mas algo está mudando. O romance Como desaparecer completamente se alimenta de todas essas coisas, também, mas busquei nele uma mudança de registro, um reconstruir-se que não existia antes e, arrisco a dizer, até mesmo algum otimismo. O desfecho dele é a coisa mais "feliz" que já escrevi, e afirmo isso sem ironia. Quero muito que as pessoas leiam esse livro, e logo.

7. Você escreveu, recentemente, o que chamou de um "ensaio", sobre os seus contemporâneos. A Geração 90, que ficou bastante queimada, hoje foge do rótulo, como o diabo da cruz — você se identifica com algum grupo, nem que seja esse, de "contemporâneos" mesmo?

Acho que foi mais uma diatribe o que escrevi no blog, e menos sobre os meus colegas escritores (embora cite alguns) e mais sobre a forma como, especialmente na blogosfera, impera uma boçalidade e uma agressividade enormes em relação aos autores contemporâneos. Adoro o blog do Sérgio Rodrigues, por exemplo, mas é incrível como ele é mal freqüentado, com aquelas caixas de comentários muitas vezes repletas de coisas torpes, raivosas, frustradas.

Também fiquei impressionado com o que, algumas vezes, fizeram da tal Copa de Literatura. A Copa é uma idéia bacana, mas foi, aqui e ali, quase que implodida por uma série de bate-bocas nem sempre produtivos, instigantes ou sequer inteligentes.

Curto alguns caras da Geração 90, como o Fernando Bonassi. Acho Subúrbio um livro muito bom. Não sei se Michel Laub se "enquadra" (não sei se alguém se "enquadra", aliás) nesse rótulo de "Geração 90", mas gosto de todos os livros dele. Música anterior foi um livro importante para mim na medida em que, quando do lançamento dele, eu engatinhava com os meus primeiros rascunhos e o Laub exibia uma simplicidade aparente, uma fuga de toda e qualquer obviedade ou apelação, um cuidado com a escrita que eu até hoje persigo.

Agora, eu não me identifico com ninguém, estilisticamente falando, mas aprecio muito as literaturas de Adriana Lisboa, Carola Saavedra, Flávio Izhaki, Wesley Peres, Lúcia Bettencourt, Luiz Ruffato, Maira Parula, Simone Campos, Marcelo Moutinho, Bruna Beber e muitos outros, só para ficar nos meus contemporâneos (e nos que lembrei agora, de imediato).

Há uma idéia corrente de que não se pode elogiar ninguém publicamente, de que isso soa como "troca de créditos" ou coisa parecida. Eu elogio os autores de que gosto, de cujos livros eu gosto, mesmo que considere esses mesmos autores uns completos idiotas. Em outras palavras, muito embora eu me considere amigo de algumas das pessoas citadas acima, quando cito seus nomes estou me referindo aos seus livros, e só. Elogio livros, não pessoas. A cretinice do meio literário brasileiro é tão acachapante que vive confundindo essas coisas.

8. E por falar, num certo sentido, em avaliações críticas, como sente a recepção à sua obra — é satisfatória, é o que você esperava, é surpreendente? Ou você não se importa tanto com esse tipo de coisa?

Eu me importo, e muito. Quem diz não ser afetado por críticas negativas é mentiroso. Agora, eu procuro separar: há as críticas negativas dignas, que foram escritas com cuidado e merecem ser lidas com atenção, e há críticas negativas que não passam de ataques rasteiros e muitas vezes pessoais. Ambas doem um bocado, é claro, mas eu procuro me ater ao "melhor dentro do pior". Se vou desenvolver um tumor por conta disso, não sei. Quanto à recepção aos meus livros como um todo, o primeiro recebeu críticas muito boas e uma ou duas negativas. Considero isso bastante satisfatório. Já o segundo acabou de ser lançado e, portanto, ainda é bastante cedo para avaliar.

9. O Daniel Galera falou, até numa entrevista aqui, que, no Brasil, faltam mais leitores, para "fazer a roda [do mercado editorial] rodar". Você tem alguma carência como escritor ou gostaria de fazer alguma sugestão nesse sentido?

O sistema educacional brasileiro está falido. O número de leitores de Dostoiévski, Pynchon e Montale não irá aumentar (irá diminuir) caso não haja uma revolução no ensino e caso toda essa porcariada de auto-ajuda utilizada por alguns professores em suas "didáticas" não seja extirpada das escolas. Conheço uma formanda em Letras que não conhece (nem "ouviu falar" de) Sebald, Joyce e Faulkner, mas "adora" (sic) Augusto Cury. Não, as coisas não vão melhorar.

Sugestões: eu promovo rodas de leituras e visito salas de aulas, falo sobre meus colegas contemporâneos, leio textos de Maira Parula, Wesley Peres, Bruna Beber, do próprio Galera, tento mostrar para eles que literatura não é só mais um troço chato que cai na joça do vestibular. Mas a maioria desses alunos com quem falo está "vencida", é apática.

A gente faz o que pode. Nós, escritores brasileiros contemporâneos com um pingo de decência, fazemos o que podemos. Inclusive, e sobretudo, continuando a escrever.

Para ir além
Blog de André de Leones


Postado por Julio Daio Borges
Em 19/12/2008 às 07h56

Quem leu este, também leu esse(s):
01. 3 de Janeiro #digestivo10anos de Julio Daio Borges
02. Lula: My man is Dilma de Julio Daio Borges
03. Blogue e consiga um estágio de Julio Daio Borges
04. Rolam as Pedras de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Aprendendo Física 3
Barbara Valentin
Scipione
(1996)



Coleção Os Melhores de Suspense 2 Livros Anjo da Morte Maratona da Morte
Robert Black; William Goldman
Nova Cultural
(1991)



Livro Infanto Juvenis A Fábrica de Doces
Júnia La Scala; Arnaldo Rodrigues
Ftd
(2010)



O Tempo em Gêneros 418
José Luís Landeira
Salesiana
(2008)



Questões do coração
Emily Giffin
Novo Conceito
(2020)



Encontre Deus na Cabana
Randal Rauser
Planeta
(2009)



O Baú de Abravanel - Uma Cronica de Sete Séculos Ate Silvio Santos
Alberto Dines
Companhia das Letras
(1990)



Tutela Específica dos Direitos
Guilherme Puchalski Teixeira
Livraria do Advogado
(2011)



Erótica e Velhice: Perspectivas do Ocidente - Vol IV
Ricardo Jacub
Vetor
(2007)



Livro Filosofia Ética e Competência Filosofia Questões da Nossa época Volume 7
Terezinha Azeredo Rios
Cortez
(2010)





busca | avançada
65269 visitas/dia
2,0 milhão/mês