Bate-papo com André de Leones | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 19/12/2008
Bate-papo com André de Leones

+ de 6600 Acessos

"Há uma idéia corrente de que não se pode elogiar ninguém publicamente, de que isso soa como 'troca de favores' ou coisa parecida. Eu elogio os autores de que gosto, de cujos livros eu gosto, mesmo que considere esses mesmos autores uns completos idiotas. Em outras palavras: muito embora eu me considere amigo de algumas das pessoas, quando cito seus nomes, estou me referindo aos seus livros e só. Elogio livros, não pessoas. A cretinice do meio literário brasileiro é tão acachapante que vive confundindo essas coisas..."

1. André: tendo sido criado em Silvânia, no interior de Goiás, e vivendo agora em Goiânia, o que você diria para os escritores brasileiros chorões que — para "acontecer" — acreditam que têm de vir ao eixo Rio-São Paulo?

Eu passo uns poucos dias por semana em Goiânia. A rigor, eu resido em Silvânia. Minhas correspondências vêm todas para cá. Eu voto aqui. O que eu diria aos chorões que querem se mudar para o eixo Rio-São Paulo a fim de que algo "aconteça"? Fiquem onde estão e parem de escrever.

2. Eu entendo que o Prêmio Sesc de Literatura — para o seu romance Hoje está um dia morto (Record, 2006) — foi um divisor de águas na sua carreira. Conte um pouco — até para os escrevinhadores de plantão — como chegou até lá e o que aconteceu depois.

Eu vivia e trabalhava (como professor de Química) em Silvânia. Escrevi esse romance a partir de um projeto fracassado de roteiro de cinema (eu fizera um curso de cinema anos antes). Entendi que aquele projeto de roteiro poderia render um bom romance e segui em frente. Quando terminei de escrevê-lo, um amigo chamado Aldair Aires (um escritor daqui de Goiás, infelizmente já falecido) me falou sobre o Prêmio SESC de Literatura, o qual eu sequer conhecia.

O Prêmio SESC é maravilhoso para autores inéditos na medida em que a premiação é o lançamento e distribuição do livro pela editora Record. Além disso, os autores vencedores fazem uma turnê de lançamento pelo Brasil. Venci o prêmio, tive o meu primeiro romance lançado por uma grande editora (chegou à 2ª edição) e a Record aceitou publicar o meu segundo livro, de contos, o recém-lançado Paz na terra entre os monstros. Em resumo, posso dizer que o Prêmio SESC me deu uma carreira. Mesmo em se tratando de Brasil, não creio que seja pouco.

3. A gente brincou, na noite do seu último lançamento, que tiraram sarro de você quando, escolhido pelo projeto Amores Expressos, veio parar logo em São Paulo... Gostou da experiência do blog (existencial)? E o livro, será que vê finalmente a luz do dia em 2009?

Eu fiquei um pouco chateado com isso de curtirem com a minha cara por ser o único autor com destino doméstico, mas depois pensei o óbvio: não é o destino que definirá a qualidade da obra. O romance que originalmente escrevi para o Amores Expressos, Como desaparecer completamente, é uma das melhores coisas que já fiz. Trabalhei nele feito louco e tenho muito orgulho dele.

Por outro lado, aconteceu uma coisa muito chata em relação à Companhia das Letras. A editora não teve transparência com os escritores. Dizendo claramente: a Companhia das Letras não agiu profissionalmente com os autores do projeto, na medida em que demorou mais de um ano (no meu caso, pelo menos) para dizer se publicaria o livro ou não (eles tinham, por contrato, o direito de não publicar alguns dos livros). E o que é pior: não recebi deles a notícia de que o meu livro não seria publicado. Aliás, eu jamais recebi sequer um telefonema ou e-mail de alguém da Companhia das Letras. É o oposto do tratamento que recebo da minha editora, a Record, que sempre fala comigo diretamente, sem rodeios e da maneira mais polida possível. Assim, Como desaparecer completamente deverá sair pela Record (ou não; quem sabe?) sem, obviamente, qualquer alusão ao projeto Amores Expressos. Tudo o que sei é: esse livro será publicado, ainda que em capítulos no meu blog.

4. Você também me contou dos inúmeros originais que te encaminham por e-mail — e, para o meu total espanto, você confessou que lê e ainda envia feedbacks (!). Tem mesmo esperança de encontrar uma pepita de ouro em meio a tanto cascalho?

Confesso não ter tido mais tempo para fazer esse trabalho. Atualmente, para ganhar a vida, encaro um monte de revisões e algumas palestras, bate-papos em feiras e bienais, coisas desse tipo. Mas, sim, quando eu lia o que me mandavam, tinha esperança de encontrar coisas boas. Aqui e ali, até encontrava, mas eram sempre textos que ainda precisavam ser trabalhados, lapidados. E eu, claro, dizia isso aos autores. Eles nem sempre gostavam (risos). Mas era só a minha opinião.

5. Em relação ao seu atual blog, você gosta de fabular no dia-a-dia e até criou situações embaraçosas para pessoas próximas. Eu tive a impressão, lendo seu Paz na terra entre os monstros, de que você literalmente vive no mundo da sua ficção. É isso mesmo?

Não sou tão maluco assim (risos). Tampouco me lembro de ter criado situações embaraçosas para pessoas próximas (se isso aconteceu, não me recordo ou não fiquei sabendo do embaraço alheio). Agora, acho bacana contar coisas que acontecem no meu cotidiano de um jeito diferente, fabulando, inventando, exagerando ou até mesmo "mentindo", isto é, ficcionalizando. Não diria que vivo no mundo da minha ficção, mas penso nela quase que o tempo todo. Eu sentimentalizo e, depois, racionalizo as coisas que acontecem comigo para que, se for o caso, possa transformá-las em ficção. Mas, sempre, o que mais me interessa nesse processo é pensar sobre a maneira por meio da qual construirei ou reconstruirei essas histórias, literariamente falando. A estrutura, o modo como as diversas partes de uma narrativa podem ser articuladas e, claro, o resultado disso tudo é o que há de mais instigante para mim enquanto escritor.

6. A gente falou em situações-limite, no Digestivo, e os Leitores se desdobraram em relatos fantásticos. Senti que, no seu caso, o sexo é uma experiência-limite, assim como as diferenças de idade, os relacionamentos que findam e a (óbvia) morte — a sua literatura se alimenta sempre de extremos assim?

Posso dizer que sim, mas algo está mudando. O romance Como desaparecer completamente se alimenta de todas essas coisas, também, mas busquei nele uma mudança de registro, um reconstruir-se que não existia antes e, arrisco a dizer, até mesmo algum otimismo. O desfecho dele é a coisa mais "feliz" que já escrevi, e afirmo isso sem ironia. Quero muito que as pessoas leiam esse livro, e logo.

7. Você escreveu, recentemente, o que chamou de um "ensaio", sobre os seus contemporâneos. A Geração 90, que ficou bastante queimada, hoje foge do rótulo, como o diabo da cruz — você se identifica com algum grupo, nem que seja esse, de "contemporâneos" mesmo?

Acho que foi mais uma diatribe o que escrevi no blog, e menos sobre os meus colegas escritores (embora cite alguns) e mais sobre a forma como, especialmente na blogosfera, impera uma boçalidade e uma agressividade enormes em relação aos autores contemporâneos. Adoro o blog do Sérgio Rodrigues, por exemplo, mas é incrível como ele é mal freqüentado, com aquelas caixas de comentários muitas vezes repletas de coisas torpes, raivosas, frustradas.

Também fiquei impressionado com o que, algumas vezes, fizeram da tal Copa de Literatura. A Copa é uma idéia bacana, mas foi, aqui e ali, quase que implodida por uma série de bate-bocas nem sempre produtivos, instigantes ou sequer inteligentes.

Curto alguns caras da Geração 90, como o Fernando Bonassi. Acho Subúrbio um livro muito bom. Não sei se Michel Laub se "enquadra" (não sei se alguém se "enquadra", aliás) nesse rótulo de "Geração 90", mas gosto de todos os livros dele. Música anterior foi um livro importante para mim na medida em que, quando do lançamento dele, eu engatinhava com os meus primeiros rascunhos e o Laub exibia uma simplicidade aparente, uma fuga de toda e qualquer obviedade ou apelação, um cuidado com a escrita que eu até hoje persigo.

Agora, eu não me identifico com ninguém, estilisticamente falando, mas aprecio muito as literaturas de Adriana Lisboa, Carola Saavedra, Flávio Izhaki, Wesley Peres, Lúcia Bettencourt, Luiz Ruffato, Maira Parula, Simone Campos, Marcelo Moutinho, Bruna Beber e muitos outros, só para ficar nos meus contemporâneos (e nos que lembrei agora, de imediato).

Há uma idéia corrente de que não se pode elogiar ninguém publicamente, de que isso soa como "troca de créditos" ou coisa parecida. Eu elogio os autores de que gosto, de cujos livros eu gosto, mesmo que considere esses mesmos autores uns completos idiotas. Em outras palavras, muito embora eu me considere amigo de algumas das pessoas citadas acima, quando cito seus nomes estou me referindo aos seus livros, e só. Elogio livros, não pessoas. A cretinice do meio literário brasileiro é tão acachapante que vive confundindo essas coisas.

8. E por falar, num certo sentido, em avaliações críticas, como sente a recepção à sua obra — é satisfatória, é o que você esperava, é surpreendente? Ou você não se importa tanto com esse tipo de coisa?

Eu me importo, e muito. Quem diz não ser afetado por críticas negativas é mentiroso. Agora, eu procuro separar: há as críticas negativas dignas, que foram escritas com cuidado e merecem ser lidas com atenção, e há críticas negativas que não passam de ataques rasteiros e muitas vezes pessoais. Ambas doem um bocado, é claro, mas eu procuro me ater ao "melhor dentro do pior". Se vou desenvolver um tumor por conta disso, não sei. Quanto à recepção aos meus livros como um todo, o primeiro recebeu críticas muito boas e uma ou duas negativas. Considero isso bastante satisfatório. Já o segundo acabou de ser lançado e, portanto, ainda é bastante cedo para avaliar.

9. O Daniel Galera falou, até numa entrevista aqui, que, no Brasil, faltam mais leitores, para "fazer a roda [do mercado editorial] rodar". Você tem alguma carência como escritor ou gostaria de fazer alguma sugestão nesse sentido?

O sistema educacional brasileiro está falido. O número de leitores de Dostoiévski, Pynchon e Montale não irá aumentar (irá diminuir) caso não haja uma revolução no ensino e caso toda essa porcariada de auto-ajuda utilizada por alguns professores em suas "didáticas" não seja extirpada das escolas. Conheço uma formanda em Letras que não conhece (nem "ouviu falar" de) Sebald, Joyce e Faulkner, mas "adora" (sic) Augusto Cury. Não, as coisas não vão melhorar.

Sugestões: eu promovo rodas de leituras e visito salas de aulas, falo sobre meus colegas contemporâneos, leio textos de Maira Parula, Wesley Peres, Bruna Beber, do próprio Galera, tento mostrar para eles que literatura não é só mais um troço chato que cai na joça do vestibular. Mas a maioria desses alunos com quem falo está "vencida", é apática.

A gente faz o que pode. Nós, escritores brasileiros contemporâneos com um pingo de decência, fazemos o que podemos. Inclusive, e sobretudo, continuando a escrever.

Para ir além
Blog de André de Leones


Postado por Julio Daio Borges
Em 19/12/2008 às 07h56


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Elon Musk Code Conference 2016 de Julio Daio Borges
02. Psiu Poético 30 anos de Ana Elisa Ribeiro
03. Sonia Regina Rocha Rodrigues de Julio Daio Borges
04. Renato Alessandro dos Santos de Julio Daio Borges
05. Mirian de Carvalho de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ONDE ESTIVESTE ADÃO?
HEINRICH BOLL
EXPRESSÃO E CULTURA
(1973)
R$ 10,00



GUIA DE CONVERSAÇÃO INGLÊS
HUNTER BOOKS (ORG)
HUNTER
(2014)
R$ 20,00



SEM MEDO DE TER MEDO
TITO PAES DE BARROS NETO
CASA DO PSICOLOGO
(2000)
R$ 90,00



RICK E A GIRAFA
CARLOS DRUMOND DE ANDRADE
ÁTICA
(2012)
R$ 5,00



É TUDO VERDADE - ITS ALL TRUE 2001
AMIR LABAKI (ORG.)
CCBB
(2001)
R$ 8,11



CARNAVAL E SAMBA EM EVOLUÇÃO NA CIDADE DE SÃO PAULO
MARIA APPARECIDA URBANO
PLÊIADE
(2006)
R$ 23,00



UM MEDO POR DEMAIS INTELIGENTE, AUTOBIOGRAFIAS PESSOAIS
AMERICO LINDEZA DIOGO E ROSA SIL MONTEIRO
ANGELUS NOVUS
(1994)
R$ 33,07



CAVERNA DOS MONSTROS
STELLA CARR
MELHORAMENTOS
(1993)
R$ 5,00



JOGOS E BRINCADEIRAS
VARIOS
VOZES
(2018)
R$ 26,95



DA GORDURA À FORMOSURA EM QUALQUER IDADE
SARÍ HARRAR ALISA BAUMAN
PLÁTANO
(2000)
R$ 77,00





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês