Se bem me lembro | Blog de João Luiz Peçanha Couto

busca | avançada
57428 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zé Guilherme recebe o pianista Matheus Ferreira na série EntreMeios
>>> Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos
>>> Lançamento do Mini Doc Tempo dell'Anima
>>> Cinema in Concert com João Carlos Martins une o cinema à música sinfônica em espetáculo audiovisual
>>> Editora Unesp lança 20 livros para download gratuito
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hiperbóreo nos trópicos: a poesia de Oleg Almeida
>>> Imagens do Grande Sertão de Guimarães Rosa
>>> A derrota do Marketing Político
>>> Jorge Drexler, no Bourbon Street, em 2009
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Eu me pergunto para onde vai a imprensa...
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Filmes de saiote
>>> Aerosmith no Morumbi
Mais Recentes
>>> As máscaras de Deus - Volume 1 - Mitologia primitiva de Joseph Campbell pela Palas Athena (2010)
>>> Pulsão - Tempo Psicanalítico Nº 25 de Sociedade de Psicanálise Iracy Doyle pela Spid (1991)
>>> Educação Biocêntrica: um movimento de construção dialógica de Ruth Cavalcante; Cezar Wagner; Fatima Diógenes; Cristiane Arraes; Cássia Regina pela Cdh (2007)
>>> Mamória de minhas putas tristes de Gabriel Garcia Marques pela Record (2007)
>>> Emmanuel Levinas: Um estudo sobre a ética da alteridade de Abimael Francisco do Nascimento pela Brazil Publishing (2020)
>>> Coleção folha grandes vozes Tom Jobim - Wave nº 5 de Folha de São Paulo pela Mediafashion (2012)
>>> A Colonização - uma Mancha no Espaço de Felippe Siciliano pela Multifoco (2017)
>>> Uma História do Capitalismo: das origens até a primeira guerra mundial de Osvaldo Coggiola pela Brazil Publishing (2020)
>>> A questão social e a cidadania no neocapitalismo de Evandro Prestes Guerreiro pela Brazil Publishing (2020)
>>> Coleção folha grandes vozes Dean Martin nº 24 de Folha de São Paulo pela Mediafashion (2012)
>>> Fortaleza Avançada - Uma Mancha no Espaço II de Felippe Siciliano pela Anthology (2017)
>>> Um dia: vinte anos, duas pessoas de David Nicholls pela Intrínseca (2011)
>>> A Coragem de Ser Imperfeito de Brené Brown pela Sextante (Gmt) (2016)
>>> O Que Eu Sei de Verdade de Oprah Winfrey pela Sextante (2014)
>>> O Mundo Pós-Americano de Fareed Zakaria pela Companhia das Letras (2008)
>>> Brasileiro Baiano Pobre - uma Conspiração de Esforço, Carisma e Sorte de Carlito ( Carlos Alves da Silva ) pela Sextante (2005)
>>> Coleção folha grandes vozes Anita Ó Day de Folha de São Paulo pela Mediafashion (2012)
>>> Revisões sistemáticas da literatura: guia prático de Graziela de Luca Canto pela Brazil Publishing (2020)
>>> Falsa Submissão de Laura Reese pela Record (2013)
>>> Coleção folha grandes vozes Tom canta Vinicius / The composer of Desafinado Plays de Folha de São Paulo pela Mediafashion (2012)
>>> Cultura Rj - Caminhos Cheios de Bossa ... de Vários Autores pela Daidorim (2014)
>>> Aos 75 Anos Paris-roma a Pé de Henri Le Boursicaud pela Perpétuo Socorro (1997)
>>> Santo Daime: Estudos sobre simbolismo, doutrina e povo Juramidam de Gilberto Gregorim pela Cone (1991)
>>> As fronteiras da república: historia e política entre os Macuxi no vale do rio Branco de Paulo Santilli pela Nhii/usp - Fapesp (1994)
>>> Nós, mulheres - Volume 6 de Silvia Bruno Securato pela Oficina do livro (2007)
>>> A Outra História do Mensalão de Paulo Moura Leite pela Geração Editorial (2013)
>>> A Sutil Arte de Ligar o [email protected] de Mark Manson pela Intrinseca (2017)
>>> Loucos e Degenerados Uma Genealogia da Psiquiatria Ampliada de Sandra Caponi pela Fiocruz (2012)
>>> Superadas 1 de Maitena pela Rocco (2005)
>>> Xamanismo no Brasil: Novas Perspectivas de E. Jean Matteson Langdon pela Ufsc (1996)
>>> Mensalão de Merval Pereira pela Record (2013)
>>> Introdução ao Pensamento Complexo de Edgar Morin pela Sulina (2020)
>>> Histórias de Esther de Peter Orner pela Best Seller (2002)
>>> Memórias Sanuma: Espaço e tempo em uma sociedade Yanomami de Alcida Rita Ramos pela Unb (1990)
>>> Quem mexeu no meu queijo ? de Spencer Johnson, M.D. pela Record (2002)
>>> Cuidar, controlar, curar: ensaios históricos sobre saúde e doença na América de Gilberto Hochman; Diego Armus pela Fiocruz (2004)
>>> Mercadão de Madureira: Caminhos de Comércio de Ronaldo Luiz Martins pela Igpl Comunicação e Marketing (2009)
>>> Os Quatro Ventos: a Odisséia de um Xamã na Floresta Amazônica de Alberto Villoldo pela Ágora (1997)
>>> Belas e Comoventes Histórias de Oswaldo Iório pela Eme (2013)
>>> Urutópiag . A Religião dos Pajés e dos Espíritos da Selva de Yaguarê Yamã pela Ibrasa (2005)
>>> A crise dos 29 de Julie Tilsner pela M. Books (2003)
>>> 1ª Cartilha Tukano de Casimiro Beksta pela Seduc/AM (1984)
>>> Por que os homem fazem sexo e as mulheres fazem amor ? de Allan e Barbara Pease pela Sextante (2000)
>>> Ética e Moral: a Busca dos Fundamentos de Leonardo Boff pela Vozes (2003)
>>> Educação escolar indígena o rio negro: relatos de experiências e lições aprendidas de Flora Dias Cabalzar pela Isa (2012)
>>> Jesuítas e Selvagens: A negociação da Fé no encontro catequético-ritual americano-tupi (séc. XVI-XVII) de Adone Agnolin pela Humanitas (2007)
>>> Intervenções de carreira ao longo da vida: perspectivas e desafios de Iúri Novaes Luna e Valéria De Bettio Mattos pela Brazil Publishing (2020)
>>> Guia da mulher superior de Jo Hallack / Nina Lemos / Raq Affonso pela Record (2001)
>>> A hora da estrela de Clarice Lispector pela Rocco (1977)
>>> Matrix - Bem Vindo ao Deserto do Real de William Irwin pela Madras (2003)
BLOGS >>> Posts

Sexta-feira, 6/3/2015
Se bem me lembro
João Luiz Peçanha Couto

+ de 700 Acessos

Foi Ecléa Bosi quem afirmou que uma lembrança é um diamante bruto que precisa ser lapidado pelo espírito. Então, o que significa a memória, sobretudo quando se encontra com a literatura? Que outras significações o gesto de sacar algo do passado pode ter? O passado de fato "passou", ou persiste no meu presente? Sempre me questionei a respeito da função que os suportes da memória desempenham na estrutura de uma narrativa. A resposta primeira sempre rondava o comum: meu testemunho, eu faço o que quiser com ele. Minha experiência vira minha ficção. Mas: até que ponto isso de fato se confirma?

Pensei, para "fazer o fio terra" com alguma obra literária, em falar brevemente de um romance do martinicano Patrick Chamoiseau: Texaco (Edição esgotada no Brasil, mas que ainda pode ser encontrada na Estante Virtual, por exemplo).

A trama? Vamos a ela. Texaco, na cidade de Fort-de-France, na Martinica, é uma favela erguida por invasão nas terras da companhia petrolífera de mesmo nome. Sua fundadora chamava-se Marie-Sophie Laborieux. Filha de Esternome Laborieux, um ex-escravo, Marie-Sophie, em sua conversa com o autor ("marcador de palavras", segundo designação da própria), vai misturando suas memórias com as de seu pai, tendo como pano de fundo a história da Martinica e, sobretudo, a história daqueles que perderam a História - os que habitam a base da pirâmide social.

Uma pergunta que não pretendo responder aqui, mas trago-a à guiza de provocação: a memória é verdade? Ou seja, aquilo de que me lembro pode ser tido como verdadeiro? O que, portanto, Marie-Sophie fala ou escreve, a partir de suas lembranças, é real? Provavelmente não (inteiramente). Mas se faço esta pergunta, referindo-me às memórias de Marie-Sophie, posso estendê-la: o que está grafado nos livros de História é verdadeiro? Ah, podem dizer alguns, claro que sim, pois tudo aquilo foi retirado de fontes primárias, documentos oficiais, atas. Então, insisto, você afirmaria que o que foi grafado por um escrivão de cartório ou assessor político é exatamente a verdade? Eu não poria minha mão no fogo por isso.

A obra trata das longas conversas gravadas entre Marie-Sophie e o marcador de palavras. Nessas conversas, a protagonista-narradora conta para o marcador (que ela por vezes chama de Oiseau de Cham, uma brincadeira com o sobrenome "Chamoiseau") não apenas a história da fundação de Texaco, mas as histórias contadas a ela por seu pai, mescladas com anotações de dezenas de diários que ela escreveu ao longo de meio século. Um trabalho de reconstrução da memória individual (de Marie-Sophie e de Esternome)? Da memória da Martinica? Da memória dos chamados povos "da diáspora"?

A memória aqui entra como um instrumento corretivo da História: por meio dos rastros (ah, Benjamin...) deixados por seus percursantes, a história contradiscursiva (a micro-história, reino das pequenas coisas, das pobres epopeias e dos personagens apequenados) ergue um contraponto à História oficial, mais preocupada em "glorificar os feitos das camadas dominantes de uma época", conforme texto da professora Zilá Bernd. Assim, Texaco propõe uma correção histórica por meio da memória, das rememorações e dos esquecimentos (sim, porque para termos memória de épocas passadas temos que esquecer de outras tantas).


Dizendo assim, pode parecer que a obra se aproxima mais de um tratado sociológico do que de uma peça literária, o que é uma inverdade. Escrita em creole, mescla do francês canônico com um sem-número de línguas diaspóricas, Texaco é um livro de trechos belíssimos em que a língua da norma (que Blanchot chamava de "linguagem comum") é transgredida até seus limites, metaforizando uma realidade de precariedades em série e, portanto, poetizando o que para alguns seria "impoetizável". Verdades ou mentiras: lembranças. Memória não é apenas História: é estética.



Postado por João Luiz Peçanha Couto
Em 6/3/2015 às 11h13


Mais Blog de João Luiz Peçanha Couto
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OURO PRETO TAMBÉM PARA CRIANÇAS
MARIA ZÉLIA DAMÁSIO TRINDADE
FUNDAÇÃO DE ARTE DE OURO PRETO
(1972)
R$ 5,88



HUGO EIRAS FURQUIM WERNECK - CIDADÃO DAS GERAIS
MARIA DA PENHA M. F. WERNECK
DO AUTOR
(2014)
R$ 9,00



LEO E AS CAIXAS DE MÚSICA
RICARDO PRADO
CASA DA PALAVRA
(2010)
R$ 5,90



FAÇA ACONTECER - MULHERES, TRABALHO E A VONTADE DE LIDERAR
SHERYL SANDBERG
COMPANHIA DAS LETRAS
(2013)
R$ 25,00



JESUS O AMOR DE MINHA VIDA
DEE BRESTIN
MOTIVA
(2005)
R$ 11,90



LA COMEDIE HUMAINE BALZAC
EUGENIE GRANDET, URSULE MIROUET
LE MONDE, GARNIER
(2008)
R$ 50,00



VADEMECUM DEL TEST DE RORSCHACH
EWALD BOHM (CAPA DURA)
MORATA (MADRID)
(1972)
R$ 14,28



EL CID
LUIZ ANTONIO AGUIAR
MELHORAMENTOS
(2010)
R$ 6,70



ROUBADA AMERICANA
LUIZ ANTÔNIO CABRAL INÁCIO
DO AUTOR
(2003)
R$ 12,00



VENTANA AL ESPANOL3
ROBERTA AMENDOLA / EDITORA SANTILLANA
SANTILLANA
(2016)
R$ 40,00





busca | avançada
57428 visitas/dia
2,1 milhões/mês