Publicidade e formação política | Blog do Carvalhal

busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Balé de repertório, D. Quixote estará no Teatro Alfa dia 27/1
>>> Show de Zé Guilherme no Teatro da Rotina marca lançamento do EP ZÉ
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Na minha opinião...
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> Torce, retorce, procuro, mas não vejo...
>>> Lambidinha
>>> Lambidinha
>>> 12 tipos de cliente do revisor de textos
>>> A Grande História da Evolução, de Richard Dawkins
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> PETITE FLEUR
Mais Recentes
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1999)
>>> Por Amor de Nossos Filhos - de Dietmar Rost pela Paulinas (1985)
>>> O jogo do anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Objetiva (2011)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Os 100 Segredos dos Bons Relacionamentos de Davd Niven pela Sextante (2003)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Apologia de Sócrates-Banquete-Platão de Platão pela Martin Claret (2008)
>>> Manual de Direito Penal volume 3 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Motivação e Sucesso de Walter Sandro pela Wgs Group (1990)
>>> Manual de Direito Penal volume 2 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Cigarros Coleção Doutor Drauzio Varella de Drauzio Varella pela Gold (2009)
>>> Teoria Geral da Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano pela Atlas (2000)
>>> Matemática Financeira de João Carlos dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Contabilidade de Gisele Zanardi P Wagner Luiz V Willian F dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Elementos de Direito Constitucional de Michel Temer pela Revista Dos Tribunais (1983)
>>> Solanin 2 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket (2006)
>>> Niño y adolescentes creciente en contextos de pobreza de Irene Rizzini, Maria Helena Zamora e Ricardo Fletes Corona pela Puc (2006)
>>> Solanin 1 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket Manga (2006)
>>> 25 Anos do Menino Maluquinho - Já? Nem Parece! de Ziraldo pela Globinho (2006)
>>> Todos os Milhões do Tio Patinhas - Volume 1 de Vitaliano; Fausto pela Panini Comics (2020)
>>> Chavez Nuestro de Rosa Miriam Elizalde e Luis Báez pela Abril
>>> Nos labirintos da moral de Mario Sergio Cortella e Yves de La Taille pela Nos labirintos da moral (2005)
>>> Minha Imagem -Romance Espirita de Schellida / Eliana Machado Coelho pela Lumen (2013)
BLOGS >>> Posts

Sexta-feira, 14/8/2015
Publicidade e formação política
Guilherme Carvalhal

+ de 2000 Acessos

Recentemente temos notado um fenômeno interessante na comunicação, a relevância do discurso publicitário dentro de uma proposta distinta da sua, que é sua participação em debates sobre questões públicas e até mesmo na formação de engajamento político. Uma propaganda da Boticário levantou um debate sobre homossexualidade e outra do Bombril levantou um sobre feminismo/machismo, mostrando como essa tendência é corrente nos tempos atuais.

Se voltarmos algumas décadas no tempo e perguntarmos a qualquer um, ouviremos que noticiar e gerar discussões é fruto do jornalismo e que a publicidade tem por meta vender o peixe dela, sendo que a última é o sustentáculo financeiro da primeira. Porém, as mudanças na sociedade tem dado uma conotação diferente a esse modelo.

Por princípio básico, a publicidade tem o objetivo de vender um produto, sendo que existe uma variedade imensa de técnicas para levar o consumidor a escolher entre X ou Y. Pode-se tentar gerar um vínculo afetivo, valorizar a marca e não necessariamente o produto (uma estratégia comum em bancos), mostrar ações de responsabilidade social, e segue uma lista infinita de possibilidades.

Compreender o discurso publicitário significa compreender a evolução do capitalismo ao longo do século XX. Podemos dividir esse processo histórico em três partes. No primeiro, remetemos à Segunda Revolução Industrial e aos processos que deram origem à produção em massa. Nesse momento, a publicidade é fria, porque os produtos não tem nenhuma customização e seguem um modelo plenamente padronizado. O carro é para andar, a roupa para vestir, sapato para calçar e ponto final.

O segundo momento remete a quando a ampla concorrência gera a necessidade de diferenciar os produtos para conquistar clientes. O carro ganha cor, a indústria da moda se desenvolve, a poltrona reclina. A empresas tentam ganhar um diferencial no mercado e a publicidade se torna fundamental ao gerar novos valores ao produto.

O terceiro momento é fruto das mudanças sociais que recebem nomes como pós-modernidade ou pós-industrialismo. É um momento muito próximo ao da Terceira Revolução Industrial, com a informatização e as novas tecnologias de comunicação inserindo-se no ambiente empresarial, quando a informação passou a se tornar um fator de produção tão importante - ou até mais importante - que o capital em si.

Esse processo industrial surgiu simultaneamente a uma maior fragmentação social, quando a sociedade se tornou mais heterogênea e grupos sem expressão começaram a ganhar voz ativa. Hoje em dia alguém pode se definir como hippie, hipster, surfista, vegan, patricinha. 100 anos atrás é pouco provável que tal pulverização de gostos e costumes ocorresse.

Nesse terceiro momento, o discurso publicitário se associou a uma estratégia de marketing que visa pulverizar os produtos conforme os muitos tipos de consumidores existentes. Tanto é que hoje é possível achar turismo para terceira idade, salão de cabeleireiro apenas para crianças, xampu para cabelos crespos, crédito para microempresários. Uma mesma empresa produz produtos e serviços diversificados conforme for a diversificação de seu público.

Junto a esse processo, a necessidade da publicidade em agregar valor aos produtos criou modelos variados de trabalho. São os slogans do tipo "Vende mais porque é fresquinho ou é fresquinho porque vende mais?", que não geram nenhum valor objetivo a respeito do produto, mas criam um valor subjetivo. As empresas tentam agradar a seu público, chamar sua atenção, e muitas vezes é preciso um verdadeiro engajamento na causa para poder aumentar as vendas.

As empresas afetarem o comportamento das pessoas não é nenhuma novidade. A pílula anticoncepcional é um caso de produto que influenciou a revolução sexual. Os meios de transporte afetaram a relação das pessoas com tempo e espaço. Se há um século o trabalho precisava ser próximo devido às dificuldades de locomoção, hoje em dia um único funcionário pode percorrer várias cidades em uma única jornada. A indústria fonográfica e o cinema mexeram com o comportamento juvenil. Produtos como macarrão instantâneo, caneta esferográfica, celular, liquidificador e panela elétrica provocam pequenas mudanças que, somadas, geram uma total revolução no dia a dia.

A novidade nos tempos atuais é como o discurso publicitário tem se tornado não apenas uma ferramenta de vendas, mas também um formador de opiniões. Suas mensagens tem atravessado o mero intuito de vender e agregar valor e tem se misturado em debates públicos, como questões sociais e políticas.

O caso do Boticário recentemente foi exemplar. A propaganda faz referência a casais homossexuais e as discussões atravessaram a mera questão do produto e atingiram patamares mais altos, como o pensamento conservador que prefere não ver um casal de mesmo sexo encenando momentos de romance na TV. Obviamente que a intenção do Boticário foi atingir esse público LGBT, mas a repercussão atravessou a expectativa. Houve até lideranças religiosas sugerindo que os fiéis não deveriam comprar produtos dessa marca, sendo que a propaganda não afeta em nada o perfume em si, não havendo uma justificativa racional para comprar ou deixar de comprar mediante essa peça publicitária. Há mais de três milhões de visualizações do vídeo no Youtube, então é bem provável que a campanha seja considerada um sucesso.

Um caso bastante singular foi nas manifestações de 2013, nas quais adotaram-se as frases Vem Pra Rua e O Gigante Acordou como lemas. Essas duas frases são de propagandas, um marketing massivo que atingiu a muitas pessoas. Ou seja, uma expressão cunhada por uma equipe de publicidade para alavancar uma marca acaba se tornando lema para uma série de processos envolvendo a administração pública do país, algo completamente destoante da origem do texto.

O caso da Bombril é igualmente exemplar. Na propaganda, aquele púlpito clássico que é marca registrada de suas propagandas conta com a presença de Ivete Sangalo, Dani Calabresa e Mônica Iozzi. Elas falam sobre as mulheres serem divas, pois além de trabalhar elas também cuidam da casa, o que as difere dos homens, que são "devagar". Um grupo de homens entrou com uma representação no Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária) por considerá-la misógina e a internet virou palco de discussões. Algo que visava oferecer o produto às mulheres (aparentemente são quem majoritariamente definem quais produtos de limpeza devem ser comprados, então o lógico é direcionar a elas a publicidade) também ganha ares de discussão pública.

Esse efeito é fruto de uma sociedade cada vez mais conectada onde o mundo virtual se torna palco para discussões. Cabe aqui também uma citação de Hannah Arendt ao falar do homo faber, o homem fruto de um longo processo de construção do capitalismo que trabalha e produz (em oposição ao homo politicus, o ideal grego que se dedica à contemplação, à filosofia e à política e é avesso ao trabalho). Para ela, o homo politicus tem a ágora como seu espaço social. Já para o homo faber, o espaço social é o consumo de massa.

Quando falamos de politização nos tempos atuais, um ponto importante é pensar se os indivíduos são cidadãos ou se são consumidores. No Brasil essa discussão remete a Getúlio Vargas, que criou a ideia do Trabalhismo, associando as relações da pessoas com o poder público mediante o trabalho (no economês, trabalho=consumo), sendo que essa relação do indivíduo deveria se dar através da cidadania, que é o gozo de seus direitos e o que insere cada um no espaço público.

Ao ver o discurso publicitário formar o posicionamento político e alavancar discussões que tangem à sociedade, notamos como os conceitos se misturam. O discurso publicitário ganhou um espaço maior dentro da sociedade e virou um mobilizador social, mostrando como temos uma nova maneira de formar opiniões e conceitos sobre assuntos públicos. É uma mostra do quanto as ações empresariais influenciam as pessoas e leva à conclusão de que somos mais consumidores do que cidadãos.


Postado por Guilherme Carvalhal
Em 14/8/2015 às 13h45


Mais Blog do Carvalhal
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Veado e a Onça
Elza Fiuza
Moderna
(1995)



A Pequena Sofia
Els Pelgrom
Martins Fontes
(1999)



Aventuras na História 02 Junho 2004 Ed. Extra - II Guerra Mundial
Equipe Abril
Abril
(2004)



Nada é Como Parece
Marcelo Rezar
Vida e Consciência



Principios de Politica Aplicáveis a Todos os Governos
Benjamin Constant
Topbooks
(2007)



Socorro!
Guillaume Musso
Nova Fronteira
(2006)



Águas Doces no Brasil Capital Ecológico, Uso e Conservação
Aldo da C. Rebouças
Escrituras
(2006)



Um mundo esperando para nascer
M. Scott Peck
Rocco
(1995)



Segredos Em Terapia Intensiva
Polly E. Parsons
Artes Medicas



Café Preto
Agatha Christie
Record
(1999)





busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês