O contador | Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida

busca | avançada
37685 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOGS >>> Posts

Domingo, 16/8/2015
O contador
Raul Almeida

+ de 600 Acessos

Naquele fim da tarde mal começando a noite, sentia cansaço e tédio ao refletir sobre a mesmice de sua vida. Diante do espelho do banheiro do escritório examinava a fisionomia e notava os estragos que o tempo havia feito.

Reparava na dentadura, ou melhor, na prótese parcial disfarçando os dentes tortos pela mastigação, nas bolsas embaixo dos olhos, na tênue linha clara em volta das pupilas indicando e sinalizando o começo da catarata e o caminho da senilidade, os vincos na face, a pelanca pendurada entre os baixos do mento e o fim do pescoço formando um papo flácido e deselegante.

Lembrava dos colarinhos absolutamente brancos engomados e firmes que encimavam os laços Windsor, de suas gravatas importadas. Vez por outra, não mais como antigamente, comprava uma nova, invariavelmente italiana ou francesa. Agora, usava camisas menos elegantes e talvez mais confortáveis, com seus colarinhos moles e menos cuidados. Lavou as mãos e voltou para a sala.

Quantas vezes ficara até altas horas da noite, preparando balancetes, fazendo lançamentos nos livros-Razão, conferindo notas, números, valores, estatísticas ou calculando percentuais, descontos e folhas de pagamento.

O contador recordava os bons e maus momentos passados, enquanto se preparava para encerrar mais um dia no escritório.

O trabalho mais que dobrava na época do imposto de renda e os maiores interessados pouco ou nada faziam para facilitar as coisas. Bastava que mandassem os documentos a tempo e não haveria necessidade de grandes esforços. Mas todo ano era a mesma coisa: A declaração estava fechada e pronta para ser entregue e alguém esquecera a venda ou compra de um automóvel, casa ou investimentos financeiros.

De novo sentado à mesa, colocou os óculos e olhou tudo em volta. Lembrou-se quando trocou o velho "birô de sete gavetas" pela escrivaninha com a tampa de subir e descer e de quando comprou o conjunto de jacarandá, igual ao que tinha visto no escritório de um grande advogado. A mesa, as cadeiras de assentos e espaldares de couro, as mesinhas auxiliares, das quais uma servia de base para a maquina Underwood, conservadíssima e ainda ali, com a fita bicolor perfeita.

A poltrona parecia um trono, duro e desconfortável. Observou as duas estantes, e lembrou daquele móvel estranho, parecendo uma cristaleira. O trono demorou pouco. Era cansativo apesar das almofadas de veludo, ou do assento anatômico, além das outras tentativas para mantê-lo em serviço.

Deteve os olhos nas maravilhas modernas: O telefone sem fio, o fax um tanto obsoleto e o computador a ponto de ser modernizado. No principio relutou um pouco em compra-lo, mas percebeu que aquela mistura de maquina de escrever com calculadora e televisão, representava menos cinco empregados, além da melhor qualidade e acabamento em todos documentos produzidos.

Dos registros manuais sobrou muito pouco, apesar da caligrafia ser a melhor forma de exercitar e manter a tradição profissional, tal como herdara desde o bisavô guarda-livros até ao pai, um contador que alcançou a regulamentação da profissão.

Sentia falta do pessoal, principalmente, daqueles dois que se aposentaram por último. Não tinha mais empregados. Precisava de alguém apenas para atender telefones, aliás, um grande problema. As mocinhas começavam bem, mas acabavam dando aborrecimento com os atrasos freqüentes, desatenção, e o tal telefone celular com aquele som espalhafatoso sempre chamando ou os namorados esperando e apressando a saída. Não duravam mais do que seis meses.

Não tinha jeito. Ele precisava ter, pelo menos, uma empregada até o dia que resolvesse fechar o escritório, largar tudo e aproveitar o patrimônio construído com muito trabalho e algum sacrifício, o que não estava muito longe.

Levantou-se, pegou o paletó, apagou as luzes e saiu.

Já na rua lembrou-se do bar onde costumava tomar uma cerveja com os amigos agora aposentados. Fazia tempo que não percorria aquele trajeto. Foi observando as novas lojas e vitrines, o quiosque substituindo a banca de jornal, os novos prédios e as pessoas sisudas e mal encaradas, andando em quase disparada.

Continuou sua caminhada pensando em não mais encontrar o refúgio das antigas conversas.Dobrou a esquina, atravessou a rua, mais uma travessia e lá estava o antigo ponto. Pelo menos isso não tinha mudado. A fachada renovada derramava intensa claridade por um letreiro muito mais vistoso e com a enorme propaganda de quem tinha pagado a reforma.

Entrou, sentou num dos banquinhos e ficou olhando em volta. Tentou reconhecer algum freqüentador e nada. Virou-se para um lado depois para o outro, nada.

Lá no fundo, sentado numa das mesas, tinha alguém sozinho que lhe parecia familiar. Olhou mais uma vez apalpando o paletó e procurando os óculos esquecidos no escritório. Resolveu ir até o banheiro e passar perto para ver quem era. Foi chegando, chegando e ainda sem reconhecer a pessoa, recebeu um cumprimento inesperado:

-Boa noite! O Sr por aqui... Está sozinho? Quer sentar? Tudo de uma só vez. Ficou surpreso, paralisado momentaneamente, sem palavras.

Senta aí! Já pediu? O rapaz do bar traz para cá...

Acomodou-se meio sem graça, buscando o fôlego e olhando aquela figura risonha, simpática, amiga e cordial. Ficou sem saber o que fazer primeiro: Dizer boa noite e pular fora rapidamente, ou agradecer e... Não foi preciso. A criatura começou falando que achava ótimo vê-lo por ali, que sempre pensou em convidá-lo para tomar uma cerveja, mas tinha medo de ser mal interpretada e que ele estava precisando mesmo divertir-se um pouco.

Veio um chope depois mais um e, como num passe de mágica, a conversa ficava cada vez mais interessante e agradável. Eram criaturas de mundos diferentes, com experiências absolutamente distintas e idades muito distantes

Enquanto procurava mais algum motivo para continuar conversando percebeu que ela poderia ser sua filha.

Perguntou pelos seus planos de vida, se tinha tentado a faculdade ou mesmo se já era formada em alguma coisa. Perguntou sobre seus pais, irmãos, algum marido, filhos, o trivial entre desconhecidos

Ela respondeu a tudo e deixou claro ser uma pessoa independente, vinda do interior, com planos muito grandes para o lugar de onde saíra. Não tinha filhos nem arrimos, muito menos ex-maridos.

Ele contou quem era, como tinha feito a sua vida, o que o trabalho representava, da falta de novos desafios, ambições e amigos. Do vazio imposto pela rotina, da solidão em família, todos felizes e vencedores.

Assim foram comentando alguma coisa, quase nada de tudo. Ela falou de arte, de cinema, de viagens com pouco dinheiro, de gente alegre, de musica e de teatro. Ele comentou que fora poucas vezes ao teatro e que gostara muito, mas não tinha tempo para tais coisas.

Estava na hora de parar e ir embora. Pediu a conta e ela insistiu muito para pagar o que tinha consumido. Ele, entre surpreso e admirado pediu que permitisse pagar. Nunca tinha visto aquilo. Uma moça pagando contas. Ela ainda argumentou um pouco, mas viu que a intenção era boa, educada e tradicional.Agradeceu sorrindo e, novamente, surpreendeu com o convite:

- Vamos dar uma esticadinha? Quero que você conheça o meu escritório.

Ele já estava ficando cansado de tanta novidade.
Entendeu diferente e disse que não era bem isso e que, talvez numa outra oportunidade. Ela insistiu tanto que ele se apressou em chamar um táxi. Ela entrou no banco de trás e ele no da frente com visíveis sinais de embaraço e desconforto. O motorista seguiu para o endereço dado e quase não disseram nada dentro do carro.

-Chegamos!

Ele apressou-se em pagar a corrida, saindo rapidamente para abrir a porta do carro, de onde ela já tinha tirado meio corpo.<

-É aqui!

Ele olhou para a fachada iluminada do pequeno teatro e antes que dissesse alguma coisa ela o pegou pelo braço e disse: -Vamos.

Eu também sou contadora. Conto histórias.

Ele, assistindo ao espetáculo da coxia emocionou-se e aplaudiu com força.

No dia seguinte ela chegou e, como de costume, cumprimentou-o respeitosamente, perguntou se tinha algo especial para fazer e foi representar o papel de recepcionista, com a mesma cara, o mesmo jeito e precisão com que contara historias na noite passada.

Ele estava leve, feliz, contente, sonhador e renovado como nunca. Seu mundo havia mudado totalmente, apenas com uma noite de descobertas e de encantamento.

O dia acabou e ele tinha uma nova vida, um motivo para espairecer, para tomar um chope, para reviver tudo o que pensara ter acabado.

Saíram juntos, deram os braços, olharam vitrines, as pessoas sisudas e mal encaradas, os carros, as luzes, e foram combinando as diferenças...



Postado por Raul Almeida
Em 16/8/2015 às 09h41


Mais Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HISTÓRIAS APAIXONADAS
PEDRO BANDEIRA
ÁTICA
(2006)
R$ 24,00



NAS PELE DA CEBOLA
GUNTER GRASS
RECORD
(2007)
R$ 15,00



PAULO E A LUTA PELA LIBERDADE - COLEÇÃO BÍBLIA E CULTURA POPULAR
ANA FLORA ANDERSON E GILBERTO DA SILVA GORGULHO
CEPE
R$ 13,00



LES BERBERES (HISTOIRE ET INSTITUTIONS)
G. H. BOUSQUET
PUF (PARIS)
(1957)
R$ 18,28



MUNDO SEM FRONTEIRAS
KENICHI OHMAE
MAKRON BOOKS
(1974)
R$ 5,50



IMPERIALISMO, FASE SUPERIOR DO CAPITALISMO
LÊNIN
GLOBO LIVROS
(1987)
R$ 50,00



TIENDAS: TOP SHOPS 2
EDUARD BROTO
CHINCHILLA MINGUET
(2007)
R$ 92,70
+ frete grátis



PARA GOSTAR DE LER VOL 15 A CADEIRA DO DENTISTA
CARLOS EDUARDO NOVAES
ATICA
(1995)
R$ 6,00



LOUVEMOS O SENHOR EDIÇÃO 91
NÃO INFORMADO
LOYOLA
R$ 6,00



REUMATISMO: A CAMINHO DA CURA
EVELIN GOLDENBERG
SEGMENTO FARMA
(2011)
R$ 34,69
+ frete grátis





busca | avançada
37685 visitas/dia
1,3 milhão/mês