Literatura e o gênero fantasia | Blog do Carvalhal

busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobato e os amigos do Brasil
>>> A Promessa da Política, de Hannah Arendt
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> A Herdeira da Morte de Melinda Salisbury pela Fantastica Rocco (2016)
>>> Uma Gentileza por Dia de Orly Wahba pela Benvira (2017)
>>> Eu sou as Escolhas que Faço de Elle Luna pela Sextante (2016)
>>> Coroa Cruel - Série a Rainha Vermelha de Victoria Aveyard pela Seguinte (2016)
>>> Sade em Sodoma de Flávio Braga pela BestSeller (2008)
>>> Curso de Filosofia em Seis Horas e Quinze Minutos de Witold Gombrowicz pela José Olympio (2011)
>>> O pequeno Principe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> Zoloé e Suas Duas Amantes de Marquês de Sade pela Record (1968)
>>> Expressões Diante do Trono de Ministério de Louvor Diante do Trono pela Diante do Trono (2003)
>>> A separação dos amantes - uma fenomenologia da morte de Igor Caruso pela Cortez (1989)
>>> Os Titãs / A Saga da Família Kent (Volume V) de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> A Universidade em Ritmo de Barbárie de José Arthur Giannotti pela Brasiliense (1986)
>>> A Mulher Só de Harold Robbins/ (Tradução) Nelson Rodrigues pela Record/ RJ.
>>> Dependência e desenvolvimento na América Latina - ensaio de interpretação sociológica de Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto pela Zahar (1970)
>>> Tubarão de Peter Benchley pela Nova Cultural (1987)
>>> O Titã de Fred Mustard Stewart pela Record
>>> O Beijo da Mulher Aranha de Manuel Puig pela Codecri/ RJ. (1981)
>>> A Traição de Rita Hayworth/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1993)
>>> Boquitas Pintadas/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1988)
>>> Kit De Estudo Para Concursos: Só concursos (3 CDs + Folheto) + Guia do Concurseiro + Redação para Concursos de Equipe Mundial Editorial pela DCL - difusão cultural do livro (2016)
>>> Numa Terra Estranha de James Baldwin pela Rio Gráfica (1986)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Rio Gráfica (1986)
>>> Mil Platôs Vol. 1 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca/RJ. (2007)
>>> Mil Platôs Vol. 2 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> Mil Platôs Vol. 3 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2012)
>>> Ajin - Demi-Human #01 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #02 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #03 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Incendio de Troia (capa dura couro) de Marion ZimmerBradley pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Ajin - Demi-Human #04 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #05 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #06 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #07 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #08 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #09 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Ajin - Demi-Human #10 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Ajin - Demi-Human #11 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Estratégia da Decepção de Paul Virilio pela Estação Liberdade (2000)
>>> Ajin - Demi-Human #12 de Gamon Sakurai pela Panini (2019)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1989)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #10 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #09 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #08 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Festa Sob as Bombas - Os Anos Ingleses de Elias Canetti pela Estação Liberdade (2009)
>>> Fort of Apocalypse #07 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #06 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
BLOGS >>> Posts

Domingo, 11/10/2015
Literatura e o gênero fantasia
Guilherme Carvalhal

+ de 600 Acessos

O gênero de fantasia é um dos estilos mais dúbios e duvidosos que existem dentro da literatura. Isso porque aquilo que ela entrega em muitas casos não cumpre aquilo que sua proposta inicial diz, que é a de se aventurar por lugares e roteiros que sejam realmente inovadores e fantásticos.

Por princípio, o gênero fantasia deveria ser aquele que provê maior liberdade criativa ao autor. É quando a inventividade pode falar mais forte do que em qualquer outro, sem medo de atropelos, sem jamais poder ser taxada como exagerada.

Na literatura romântica, erótica ou policial, sempre há determinados elementos que precisam existir. Na romântica, tem que haver um casal apaixonado, na erótica tem que haver cenas picantes, na policial é preciso haver um eixo investigativo que prenda o leitor até a solução dos fatos. Já o gênero de fantasia é livre. Não há nenhuma regra prévia exceto o uso de criatividade. Bem, pelo menos deveria ser assim.

A humanidade contou com umas poucas dúzias de autores que realmente foram criativos nesses gêneros, como Isaac Asimov, J. R. R. Tolkien, Mary Shelley, Lewis Carroll, os irmãos Grimm, Lovecraft, Philip K. Dick, etc. Esses autores criaram esteriótipos narrativos de fantasia que se estabeleceram e se fixaram na mente do público leitor e dos novos autores, entrando de uma maneira tão forte que é pouco possível que se consiga sair dessa lógica.

Por isso que olhar lista de livros do gênero fantasia sempre vai parecer que se assiste a um apêndice de algum clássico da série, alguém que leu O Senhor dos Anéis e pensou "E se na verdade o Frodo fosse um adolescente em uma escola de soldados?", desenvolvendo a trama de um novo livro. Isso então gera uma espécie de paradoxo, pois o estilo literário que deveria ser o mais inovador acaba sendo um pastiche sequente de si mesmo.

O gênero fantasia é um dos que mais se aproximou do conceito de indústria cultural. Nos últimos anos, com o sucesso de adaptações cinematográficas como O Senhor dos Anéis e Harry Potter, além do mais recente fenômeno de Game of Thrones o público para essas narrativas tem aumentado, tanto que histórias desse gênero, principalmente aquelas com temáticas medievais, tem frequentemente entrado para listas de best sellers. Se for temática medieval com um adolescente em formação a chance de sucesso é maior.

É bastante evidente que a produção de histórias assim se adéqua a uma lógica mercadológica e os autores e as editoras pretendem atender a um público específico. Justamente por isso, a literatura de fantasia deixa de ser de fato fantasia, mas apenas retrata uma história de relações humanas que se passa em um território inventado. Não é de fato algo inovador, mas algo banal contando alguns elementos que não encontram apelo no nosso mundo factível.

Podemos pegar alguns clássicos do gênero para avaliar. Em Frankenstein, Mary Shelley promoveu uma avaliação sobre a relação do ser humano com a natureza, questionando se havia limites éticos entre sua capacidade de influenciar e domesticar o mundo querendo imitar Deus. Lewis Carrol em Alice no País das Maravilhas traça uma complexa e criativa fauna de seres que levam o leitor a um longo questionamento. Asimov levantou a relação entre homens e máquinas e levantou a discussão sobre as possibilidades dos homens serem dominados pelas máquinas. Foram autores inovadores e que conseguiram ir além do mero lugar comum.

A literatura de fantasia atual tem se prendido muito a um modelo próprio, focando-se em um público juvenil, muitas vezes com uma proposta de formação de novos leitores. Essa proposta é válida, mas ela não esgota todas as possibilidades, até porque inovação é necessária por mais que seja pouco palatável ao grande público.

Talvez seja esse o ponto em que a literatura de fantasia encontre maior dificuldade: não encontrar um público que consiga aceitar uma literatura que fuja de qualquer tipo de relação com o mundo factível. Uma obra de fantasia precisa de elementos que a aproximem do mundo tangível, até mesmo como forma de situar o leitor. Daí o herói derrotando o vilão, bem versus mal, a mocinha sendo salva e se apaixonando, o ajudante atrapalhado, o mago misterioso e todos os elementos que levam as pessoas a interpretarem aquela história e a tornam algo inteligível.

O gênero fantasia tem produzido quantidades consideráveis de obras. Porém, são livros que tem caráter muito maior de produto de consumo do que de arte propriamente dita. Os fundadores desse estilo conseguiram colocar seu nome na história da literatura. Aos que vieram em seguida, é pouco provável que seus nomes prevaleçam por mais de duas gerações.


Postado por Guilherme Carvalhal
Em 11/10/2015 às 19h14


Mais Blog do Carvalhal
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS PLANTAS MEDICINAIS
ALBANO FERREIRA MARTINS
CABRAL
(1998)
R$ 4,24



A ARTE DA MEDITAÇÃO
DANIEL GOLEMAN
SEXTANTE
(1999)
R$ 10,00



TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO
ELIZABETH M. CHRISTPHER
CLIO
(1996)
R$ 29,90
+ frete grátis



ESQUETES DE NOVA ORLEANS
WILLIAM FAULKNER
JOSÉ OLYMPIO
(2002)
R$ 20,00



ESPERANDO O AMOR CHEGAR
IYANLA VANZANT
SEXTANTE
(2002)
R$ 4,00



O REVÓLVER QUE SEMPRE DISPARA
EMANUEL FERRAZ VESPUCCI E RICARDO VESPUCCI
CASA AMARELA
(2001)
R$ 6,50



GESTÃO DA AÇÃO
STEPHEN REDWOOD/CHARLES GOLDWASSER/SIMON STREET
MAKRON BOOKS
(2000)
R$ 15,00



GUIA PARA O ESTUDANTE E SUA FAMÍLIA - ESPANHA
EMPRESA DAS ARTES / FÁBIO ÁVILA (ED.)
EMPRESA DAS ARTES
(2008)
R$ 22,00



CONVERSA DE AMIGOS CORRESPONDÊNCIA ENTRE OS DOIS
OSCAR NIEMEYER E JOSÉ CARLOS SUSSEKIND
REVAN RIO
(2002)
R$ 50,00



A MÁGICA DA VIDA
THEREZINHA M. L. DA CRUZ
FDT
(2001)
R$ 10,00





busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês