Questões de Representatividade | Blog do Carvalhal

busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Promessa da Política, de Hannah Arendt
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
>>> Minha casa, minha cama, minha mesa
Mais Recentes
>>> Sade em Sodoma de Flávio Braga pela BestSeller (2008)
>>> Curso de Filosofia em Seis Horas e Quinze Minutos de Witold Gombrowicz pela José Olympio (2011)
>>> O pequeno Principe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> Zoloé e Suas Duas Amantes de Marquês de Sade pela Record (1968)
>>> Expressões Diante do Trono de Ministério de Louvor Diante do Trono pela Diante do Trono (2003)
>>> A separação dos amantes - uma fenomenologia da morte de Igor Caruso pela Cortez (1989)
>>> Os Titãs / A Saga da Família Kent (Volume V) de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> A Universidade em Ritmo de Barbárie de José Arthur Giannotti pela Brasiliense (1986)
>>> A Mulher Só de Harold Robbins/ (Tradução) Nelson Rodrigues pela Record/ RJ.
>>> Dependência e desenvolvimento na América Latina - ensaio de interpretação sociológica de Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto pela Zahar (1970)
>>> Tubarão de Peter Benchley pela Nova Cultural (1987)
>>> O Titã de Fred Mustard Stewart pela Record
>>> O Beijo da Mulher Aranha de Manuel Puig pela Codecri/ RJ. (1981)
>>> A Traição de Rita Hayworth/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1993)
>>> Boquitas Pintadas/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1988)
>>> Kit De Estudo Para Concursos: Só concursos (3 CDs + Folheto) + Guia do Concurseiro + Redação para Concursos de Equipe Mundial Editorial pela DCL - difusão cultural do livro (2016)
>>> Numa Terra Estranha de James Baldwin pela Rio Gráfica (1986)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Rio Gráfica (1986)
>>> Mil Platôs Vol. 1 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca/RJ. (2007)
>>> Mil Platôs Vol. 2 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> Mil Platôs Vol. 3 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2012)
>>> Ajin - Demi-Human #01 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #02 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #03 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Incendio de Troia (capa dura couro) de Marion ZimmerBradley pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Ajin - Demi-Human #04 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #05 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #06 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #07 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #08 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #09 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Ajin - Demi-Human #10 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Ajin - Demi-Human #11 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Estratégia da Decepção de Paul Virilio pela Estação Liberdade (2000)
>>> Ajin - Demi-Human #12 de Gamon Sakurai pela Panini (2019)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1989)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #10 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #09 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #08 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Festa Sob as Bombas - Os Anos Ingleses de Elias Canetti pela Estação Liberdade (2009)
>>> Fort of Apocalypse #07 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #06 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #05 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #04 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Antologia da Poesia Parnasiana Brasileira de João Ribeiro Francisca Júlia/ Alberto Oliveira... pela Cia. Ed. Nacional/ Lazuli (2008)
>>> Antologia Poética de Ernesto Cardenal pela Salamandra (1979)
BLOGS >>> Posts

Quarta-feira, 6/1/2016
Questões de Representatividade
Guilherme Carvalhal

+ de 700 Acessos

Jessica Jones foi abusada pelo vilão da série, confrontou-o ao longo dos episódios e finalmente o derrotou ao final. Em novelas da Globo o tema do beijo gay tem aparecido de maneira mais constante. O visual de personagens como princesa Leia e Lara Croft tem sido a tônica de discussões. Esses assuntos e diversos outros causam impacto sobre o público quando esse assiste temas de seu interesse em produtos midiáticos diversos. Em tempos em que a inclusão de grupos outrora excluídos, esse tipo de presença gera sensações de mudança maior, como se o mundo correspondesse a uma resposta do que aparecesse nos meios de comunicação.

Nessa sociedade fragmentada e midiatizada em que vivemos, é um movimento muito corriqueiro que as pessoas se vejam representadas e atingidas através da comunicação em massa. Militantes feministas enxergam a derrota de Kilgrave diante de Jessica Jones como uma bandeira do fortalecimento feminino e, de igual maneira, tirar da heroína seu aspecto sensual é um símbolo de desconstrução de uma conceituação da mulher enquanto mero elemento sexual. Semelhante a isso, os personagens negros se tornam mais corriqueiros, não apenas incluídos nos papéis que tipicamente caberiam apenas a negros em produções, mas em novas posições dentro da trama. A sugestão de homossexualidade em um filme de 007 foi algo que gerou amplas discussões.

A problemática está justamente nos aspectos da sociedade em que ela se vê fragmentada e muitas vezes em contato com a realidade apenas à distância, recebida pela TV ou pela internet. Para a classe média, pobreza e miséria são conteúdos midiatizados ou no máximo fruto de passeio antropológico. De igual maneira para pessoas brancas o racismo é algo distante. O conhecimento da desigualdade e da exclusão chega menos pelo contato direto do que pelos meios de comunicação. Além disso, falamos de públicos diferentes, que apesar de se crerem militantes ou engajados, o são pela ótica capitalista, meros consumidores contabilizados na audiência. Ou seja, acredita-se em uma representação midiática fomentada por um discurso autoral ou mobilizador quando na verdade o que se tem é o envolvimento de um cliente com um determinado produto feito com o intuito de gerar lucro.

Quando falamos da representação de um determinado grupo social, falamos de um grupo que dentro de si mesmo é multiplamente fragmentado. Se falarmos em mulheres, podemos dividir por faixa etária, renda, escolaridade, cor, etc. Com negros ou quaisquer outro tipo de grupo, o mesmo ocorre. No modelo atual do capitalismo, vivemos um modelo de marketing focado em uma sociedade cada vez mais fragmentada em nichos específicos. E é para esses nichos mais específicos que os produtos tendem a ser desenvolvidos. TV por assinatura tem um conteúdo mais focado em pessoas com renda mais alta, enquanto a TV aberta tem conteúdo mais popular. Questões de marketing.

Ao observarmos a produção de conteúdo televiso, aberta e por assinatura, nitidamente podemos perceber como ao longo dos anos temos conteúdo cada vez mais picotado, de reality show de surfe a programa de culinária indiana. De tal maneira, a abrangência de senso de representação tende a aumentar cada vez mais por parte dos diferentes públicos. Basta ver como a novela Babilônia conseguiu chamar a atenção de um determinado nicho de público (apesar de sofrer críticas de outra parte).

Esse senso de representação acaba criando distorções de percepção, fruto do entendimento de que a mensagem passada é o correspondente fiel da realidade. Isso é tema de discussões filosóficas na área de semiótica. O conteúdo midiático é um signo, uma mensagem repassada. É apenas uma comunicação que representa algo e atinge o receptor. Porém, em tempos de alta mediação, quando os valores transmitidos assim possuem valor maior que aqueles mais tradicionais (família, escola, igreja), quando alguém se vê mais inteirado com uma TV do que com o vizinho, essa mensagem atinge um significado maior.

Imagine uma produtora de filmes ou de programas de TV. Um grupo roteiriza, outro produz, outro atua, e isso tudo é embalado e entregue ao espectador. É fruto de uma indústria de produção, algo nem tanto artístico, focado no mero entretenimento. Sua capilaridade consegue atingir níveis muito altos de público, levando ideias, conceitos e valores que interagem com essa sociedade. Podemos dizer que algo realizado dessa forma constitui de fato uma mediação entre o indivíduo e a realidade? Quando um roteiro sobre criminalidade é filmado, nós temos um retrato da violência como ela é ou a maneira como o roteirista a enxerga, dentro de sua realidade e de sua visão de mundo? O mesmo pode valer para qualquer outro tipo de temática.

Edward Said em seu livro Orientalismo fala sobre como a população do Oriente Médio nunca se representou, mas sempre foi representada por outros povos. Então a construção de sua imagem passa pelo crivo das pessoas que se envolvem na elaboração da mensagem. Quando um filme sobre romance que tem por base atingir o público feminino é exibido, a figura masculina é mostrada como doce, atenciosa, um modelo de príncipe de contos de fadas. Quando se fala em um filme focado para público masculino, a figura feminina é desprotegida e busca o homem para defendê-la. Meras adaptações conforme o interesse de um público em encontrar histórias que agradem ao seu estereótipo de realidade.

Portanto, é complexo afirmar que alguma produção massiva possa ser taxada como a realidade em si. Seu enfoque sempre estará na mera representatividade de alguma ideia ou valor, levando em consideração aspectos múltiplos como os perfis de públicos a serem atingidos em sua transmissão e a própria relação dos produtores com aquilo que se propõem a abordar. O efeito pode se notar mais enquanto representatividade do que como uma apresentação de realidade.

Quando falamos em protagonista negro ou lésbica, o efeito sobre o público será no âmbito de como se vê a representação desses grupos de pessoas na sociedade. No caso do negro, historicamente sua representação sempre foi limitada a conceitos determinados de seu papel na sociedade. É a figura do escravo em filmes de época, a do favelado, do jogador de futebol, do malandro, do sambista. Nas produções estrangeiras, é a figura do morador de periferia, de alguém inserido na cultura do hip hop. O negro enquanto protagonista heroico é algo pouco explorado, fruto das relações capitalistas, pois sempre será preferível o branco aos olhos do público. Olhando os negros que ganharam Oscar, temos uma percepção bem abrangente disso. Forest Whitaker ganhou por representar Idi Amin Dada, ditador de Uganda. Octavia Spencer ganhou em Histórias Cruzadas representando uma empregada negra nos Estados Unidos em uma época de forte preconceito racial. Ou seja, é uma representação categoricamente estereotipada. Tanto que produções como Shaft e a figura de Sidney Poitier foram emblemáticas na indústria do entretenimento, ao aparecer o negro heroico, ativo e defensor dos bons valores - fruto muito forte do movimento negro nesse país, que primou em colocar o negro como figura ativa e preponderante da sociedade.

Quando falamos de heroísmo, falamos de algo fruto da fantasia. Mas podemos colocar um paralelo disso dentro da sociedade. Como é nos múltiplos nichos da sociedade deparar-se com um policial negro que enfrenta os bandidos? Será que há um reconhecimento disso enquanto algo palpável? Ou temos uma representação, como por exemplo, pessoas que passam a se orgulhar de sua raça ao vê-la exposta dessa maneira em um veículo de comunicação? Mais ainda, podemos dizer que o efeito dessas produções podem ser positivos dentro da sociedade, funcionando como um fomento do orgulho para grupos que sempre se viram excluídos? Outro ponto é pensar que junto à representação vem juntamente o nicho de mercado. A inclusão do negro nas produções carrega também a formação de novos públicos consumidores, tanto é que junto a esse movimento veio junto um mercado de produtos para público negro.

McLuhan cunhou o termo aldeia global, referindo-se ao senso de proximidade que os tempos modernos propiciaram. A menina correndo após bombardeios no Vietnã ou o rapaz que parou uma fila de tanques na China são memórias emblemáticas pelo furor causado. É basicamente sobre isso que a representação midiática tange. Temos um sofrimento ou um ato heroico que simbolicamente comove o mundo inteiro. Ao mesmo tempo há muitos outros fatos semelhantes que não recebem o mesmo destaque. O 11 de setembro e a imagem das torres caindo geram um impacto muito forte, apesar de que mundo afora tragédias humanitárias de maior gravidade não atinjam com tal impacto o imaginário coletivo, efeito semelhante ao dos recentes ataques em Paris. Ou seja, a figura expressa em uma produção talvez não seja um correspondente social, mas gera essa sensação de que sim. Uma figura feminina forte à frente de uma produção pode dar a mulheres de classe média (essas menos atingidas pela exclusão do que mulheres de renda mais baixa) um senso de autoconhecimento, de se refletir nela, apesar de não ser esse o panorama geral, em que mulheres estarão em um patamar de emprego e renda abaixo dos homens.

É difícil traçar um panorama de como produções em massa podem promover mudanças na sociedade. O que se pode com maior facilidade notar - fenômeno impulsionado em tempos de web 2.0 - é o reverberar dessas produções através do reconhecimento do público por elas. Essa relação não é necessariamente de realidade, mas encarada enquanto tal.


Postado por Guilherme Carvalhal
Em 6/1/2016 às 23h23


Mais Blog do Carvalhal
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESPAÑOL LENGUA VIVA 4 LIBRO DEL ALUMNO
SANTILLANA
SANTILLANA ESPAÑOL
(2013)
R$ 23,95



DICIONÁRIO PRÁTICO DE LITERATURA BRASILEIRA
ASSIS BRASIL
EDIÇÕES DE OURO
(1979)
R$ 20,00



PAGOS A DOBRAR
JAMES M. CAIN
LIVROS HORIZONTE
(1985)
R$ 17,70



GUIA PRÁTICO DO PORTUGUÊS CORRETO
CLÁUDIO MORENO
L&PM POCKET
(2006)
R$ 9,90



O ENIGMA DAS LETRAS VERDES
STELLA CARR
MODERNA
(2000)
R$ 4,90



A CAUSA DA SUPRESSÃO
L. RON HUBBARD
BRIDGE
(2005)
R$ 16,00



DEUS - UM DELÍRIO
RICHARD DAWKINS
CIA DAS LETRAS
(2007)
R$ 47,70



ALQUIMISTAS E QUÍMICOS -O PASSADO, O PRESENTE E O FUTURO
JOSÉ ATÍLIO VANIN
MODERNA
(1994)
R$ 4,30



ZEICHNEN IM KONSTRUKTIVEN INGENIEURBAU
RICHARD GOLDAU
BAUVERLAG
(1978)
R$ 250,00



DIREITO ELETRONICO
RENATO OPICE BLUM
EDIPRO
(2001)
R$ 33,76





busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês