Bob Dylan ganhando o Nobel de Literatura | Julio Daio Bløg

busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
>>> ARNS | De ESPERANÇA em ESPERANÇA || MAS/SP
>>> IAE convida Geovanni Lima para conversar sobre bullying, performance e processos de criação
>>> UP CONTEMPORANEA e SP INSPIRA ARTE || Art Lab Gallery
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> Café com crítica cultural
>>> Vagas Llosa no YouTube
>>> A Esfinge do Rock
>>> Publicidade e formação política
>>> A visão certa
>>> Questão de gosto ou de educação?
>>> Matar e morrer pra viver
>>> Sine Papa
>>> Palestra: Marco Antônio Villa
Mais Recentes
>>> Estudos de Psicologia - Volume 31 - nº 2 de Vários autores pela Puc (2014)
>>> 1000 Receitas de Cozinha Portuguesa de Vários autores pela Girassol (1989)
>>> Enciclopédia do Estudante - Ecologia - Ecossistemas e Desenvolvimento Sustentável de Vários autores pela Moderna (2008)
>>> Crianças com Distúrbios de Aprendizagem - Diagnóstico, Medicação, Educação de Lester Tarnopol pela Edart (1980)
>>> A Revolução dos Bichos 9ª edição. série paradidática globo de George Orwell pela Globo (1980)
>>> O Moderno Conto Brasileiro: Antologia Escolar de João Antônio (organização) pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Casa de Pensão Série Bom Livro edição. didática de Aluísio Azevedo pela Ática
>>> O Guarani - Série Bom Livro de José de Alencar pela Ática (1971)
>>> Como Atua o Carma de Rudolf Steiner pela Antroposófica (1998)
>>> Louvores e Preces a Maria, Nossa Mãe de Moisés Viana pela Paulus (2005)
>>> O Outro Lado da Memória de Beatriz Cortes pela Novo Seculo (2014)
>>> Não Sou Este Tipo de Garota de Siobhan Vivian pela Novas Páginas (2011)
>>> Fonoaudiologia e Educação - Um encontro Histórico de Ana Paula Berberian pela Plexus (1995)
>>> Quando a Lua Surgir - Bianca Romances de Lori Handeland pela Nova Cultural (2006)
>>> Ansiedade - Como enfrentar o mal do século de Augusto Cury pela Saraiva (2013)
>>> Superdicas para um Trabalho de Conclusão de Curso Nota 10 de Rachel Polito pela Saraiva (2017)
>>> A Crise de 1929 ( Pocket ) de Bernard Gazier pela L&Pm Editores (2009)
>>> Tudo Depende de Como Você vê as Coisas de Norton Juster pela Companhia Das Letras (2007)
>>> São Bernardo 25ª edição. de Graciliano Ramos pela Record (1975)
>>> Princípios da Filosofia do Direito de Hegel pela Martins Fontes (1976)
>>> O Tronco do Ipê - Clássicos Brasileiros categoria estrela 1227 de José de Alencar (notas de M Cavalcanti Proença) pela Ouro
>>> Violência Contra a Mulher - Aspectos Gerais e Questões Práticas da Lei 11.340/2006 de Dominique de Paula Ribeiro pela Gazeta Jurídica (2013)
>>> A Sabedoria de Gandhi de Richard Attenborough pela Sextante (2008)
>>> Vida de Jesus - Origens do Cristianismo de Ernest Renan pela Martin Claret (2006)
>>> The Landmark Dictionary Para Estudantes Brasileiros de Inglês de Arnon Hollaender; Sidney Sanders pela Richmond (2009)
BLOGS >>> Posts

Quinta-feira, 13/10/2016
Bob Dylan ganhando o Nobel de Literatura
Julio Daio Borges

+ de 1300 Acessos

Não é nova a incursão da poesia na música popular. O principal exemplo, no Brasil, é o de Vinicius de Moraes, que foi poeta de verdade antes de ser compositor popular. João Cabral de Melo Neto, que foi um dos maiores poetas do século passado, disse que Vinicius poderia ter sido o maior, se quisesse. E Carlos Drummond de Andrade, outro dos grandes do século XX, disse que Vinicius foi o único poeta que teve a coragem de viver como poeta.

Já a partir dos anos 60, podemos considerar que os "poetas" - ou "os que poderiam ter sido" - optaram, diretamente, por fazer letras de música. E o principal exemplo, no Brasil, é o de Chico Buarque de Hollanda, o letrista que está mais próximo da poesia desde Vinicius (apesar de seus romances tardios).

Ninguém nega a importância cultural - e até social, nos anos 60 - de Bob Dylan. Havia duas pessoas que os Beatles queriam conhecer quando se tornaram famosos. A primeira era Elvis Presley e a segunda era Bob Dylan. Zimmerman, seu sobrenome original, foi a grande influência de George Harrison, a ponto de John Lennon reclamar da idolatria em entrevistas.

No filme "Não estou lá", em que vários atores encarnam o multifacetado Dylan, fica registrada a sua aproximação com Allen Ginsberg, o poeta beat. Considerando que os beatniks foram os pais intelectuais dos hippies - e, por conseguinte, de todos os anos 60 como nós os conhecemos -, é significativo o respeito que Ginsberg dedicava a Zimmerman.

Bob Dylan compôs verdadeiros hinos - que embalaram a juventude sessentista. E sua passagem do "folk", do violão, para o rock, da guitarra, é considerada, culturalmente, revolucionária. Repercutindo, também, no Brasil: quando Caetano Veloso chamou Os Mutantes para "eletrificar" Alegria, Alegria, originalmente uma marcha-rancho.

Se tivesse morrido nos anos 60, 70, ou até 80, Dylan teria se transformado num mito da cultura popular, como John Lennon, James Dean e Marylin Monroe. Mas preferiu sobreviver - e é óbvio que a mesma intensidade não teria como se manter: Bob Dylan se diluiu.

Caetano Veloso, contudo, nos mostrou que Zimmerman continuava fértil, quando fez a sua versão para Jokerman, de 1983, ainda uma grande letra.

Até Steve Jobs - um hippie tardio, que misturou contracultura com business, e que namorou Joan Baez, a grande intérprete de Dylan - se gabava de conhecê-lo e de poder convidá-lo para jantar. (Tentou imiscuí-lo nos eventos da Apple, sem muito sucesso.)

Tudo isso para dizer que Bob Dylan é uma grande figura, no melhor sentido do termo, e que tem uma importância, para a música popular, e para a *cultura* popular, inquestionável.

Agora: Prêmio Nobel de Literatura, não acho que seja o caso...

Sei que a academia sueca tem lá as suas idiossincrasias - e já premiou figuras muitos menos significativas, inclusive escritores, com o Prêmio Nobel.

Mesmo assim, considero premiar Dylan, com o Nobel de Literatura, um erro e uma injustiça.

Primeiro porque Bob Dylan não precisa. É suficientemente conhecido. E, ainda mais, rico. Como enumerei, foi reverenciado desde Harrison até Jobs. E é difícil uma pessoa na Terra que, mesmo indiretamente, não tenha sofrido influência sua. Já teve fama e gloria. Sem falar em poder e dinheiro.

Já os escritores, como bem sabemos, precisam. E a literatura, de verdade, também precisa. Um exemplo é Philip Roth, outro dos cotados para o Prêmio. Roth, também judeu, foi muito lido nos Estados Unidos, OK (é o maior escritor norte-americano vivo) - mas não dá para comparar onde a música de Dylan chegou com onde a literatura de Roth chegou. Se alguém precisa de reconhecimento, é a alta literatura. E se alguém precisa de dinheiro, *não é* a música pop.

No Brasil, é lembrado, nessas horas, Ferreira Gullar. É difícil comparar sua literatura - ele escreveu poesia de verdade - com a "literatura" de Bob Dylan. Mas podemos comparar com a "poesia" de Chico Buarque: como "poeta", Chico pode ser mais popular, mas Gullar - poeta de verdade - é maior. E se você tentar comparar as letras breves de Chico com o "Poema sujo", de Gullar, não vai conseguir - porque não há comparação.

Por fim: se essa moda pegar, e se forem premiar todos os grandes letristas dos anos 60 pra cá - com o Nobel de Literatura -, os escritores nunca mais vão ganhar.

E olha que eu gosto de música de música popular... Mas literatura - alta literatura - é outra coisa. (Quem leu, sabe.)

Para ir além
Compartilhar


Postado por Julio Daio Borges
Em 13/10/2016 às 11h33


Mais Julio Daio Bløg
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Comunicación de Masas e Imperialismo Yanqui
Herbert I. Schiller
Gustavo Gili
(1976)



Amor Numa Rua Escura
Irwin Shaw
Nova Cultural
(1988)



Geração Alpha - Matemática - 8º Ano
Carlos N. C. de Oliveira; Felipe Fugita
Sm Didáticos
(2017)



O Mundo Vai Acabar Em 2012?
Raymond C. Hundley
Thomas Nelson Brasil
(2010)



O eu dividido: estudo existêncial da sanidade e da loucura
R. D. Laing
Vozes
(1987)



Curso de Direito Comercial - Direito de Empresa 3
Fábio Ulhoa Coelho
Saraiva
(2013)



Chico Bento Moço- O Manto Misterioso
Mauricio de Sousa
Panini Comics
(2015)



Globalização, Justiça & Segurança Humana - Capacitação para a compreensão dos grandes desafios do
Robério Nunes Dos Anjos Filho (Org.)
Esmpu - série pós-graduação
(2011)



Cebolinha - Pense Em uma Coisa Bem Boa - Nº 95
Mauricio de Sousa
Panini Comics



Meu Filho é uma Bagunça
Martin L. Kutschere
Harper Collins
(2014)





busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês