O desespero de Bush | Marcelo Barbão | Digestivo Cultural

busca | avançada
80910 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Trauma a ser evitado
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> 28 de Abril #digestivo10anos
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O jornalismo que dá nojo
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Útil paisagem
>>> O Brasil da inovação
>>> A terra das oportunidades
Mais Recentes
>>> Palavras que Curam - A força terapêutica das hist. bíblicas de Walther H, Lechler/Alfred Meier pela Prestígio (2006)
>>> A História da Primeira Guerra Mundial. 1914-1918 - Com 4 Volumes de David Stevenson pela Novo Século (2018)
>>> Wild Cards: Ases Nas Alturas - Livro 2 de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Wild Cards: Guerra aos Curingas - Livro 9 de George R. R. Martin pela Leya (2018)
>>> Wild Cards: Luta de Valetes - Livro 8 de George R. R. Martin pela Leya (2017)
>>> Wild Cards: Ás na Manga: Livro 6 de George R. R. Martin pela Leya (2017)
>>> Pense e Enriqueça - para Mulheres Texto Completo de Sharon Lechter pela CDG Grupo Editorial (2017)
>>> Atitude Mental Positiva de Napoleon Hill pela CDG Grupo Editorial (2015)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Círculo do Livro (1975)
>>> Mistério no Caribe de Agatha Christie pela Nova Cultural (1964)
>>> Sebastiana Quebra Galho Guia Prático das donas de casa 16ªed. de Nenzinha Machado Salles pela Civilização Brasileira (1994)
>>> Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel García Marquez pela Sabiá (1971)
>>> Melhor que comprar sapatos de Cristiane Cardoso pela Unipro (2015)
>>> Imposto sobre a propriedade territorial rural de Dejalma de Campos pela Atlas (1993)
>>> Archi de soleil de Patrick Bardou e Varoujan Arzoumanian pela Parenthèses (1978)
>>> Passo a passos de Ioberto Tatsch Banunas pela Sulina (1997)
>>> A máquina de fazer espanhóis- 2ª ed. de Valter Hugo Mãe pela BIblioteca Azul- Globo (2016)
>>> Memórias 2º volume - A Aliança Liberal e a Revolução de 1930 de João Neves da Fontoura pela Globo (1963)
>>> Sofrimento como lidar? de Adriano Rocha pela Conselho (2014)
>>> Manuscrito revista de Filosofia Volume II No 2 abril 1979 de Gérard Lebrun, Herman Parret, Yuval Lurie e outros pela Unicamp (1979)
>>> Ele ela 71 março 1975 de Diversos autores pela Bloch (1975)
>>> Tex especial de férias 10 de Mythos editora pela Mythos (2011)
>>> Novo Vocabulário Político Volume Um - Hegemonia e Pluralismo de Pedro Claudio Cunca Bocayuva; Sandra Mayrink Veiga pela Fase-Vozes (1992)
>>> Costos sociales de las reformas neoliberales en America Latina de Anita Kon / Catalina Banko / Dorothea Melcher / Maria Cristina pela Miguel Á. Garcia / Venezuela (2000)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1997)
>>> Câes de guerra de Frederick Forsyth pela Circulo do Livro (1974)
>>> Gre-nalzinho é sempre gre-nalzinho de Kalunga pela Maneco (2011)
>>> Receitas Comemorativas de Rede feminina de combate ao cancer pela Do autor (1999)
>>> Sob Pressão de Bruce Hoverd pela Gente (2015)
>>> Ai comprei um bode e um bezerro de Nilton Ferreira pela Kirios (2013)
>>> Casa de vó é sempre domingo de Marina Martinez pela Nova Fronteira (2014)
>>> O mundo de Sofia de Jostein Gaarder pela Jostein Gaarder (1996)
>>> Introdução à psicologia vol. 100 de Ernest R. Hilgard / ///Richard C. Atkinson pela Nacional (1979)
>>> Teologia do Antigo Testamemto de Eugene H. Merriell pela Shedd (2009)
>>> Scientia et Virtus Julho 1956 de Colegio Estadoal Lemos Junior pela Do autor (1956)
>>> La guerra de Matisse de Peter Everett pela Circe (1998)
>>> Compêndio de Teologia Apologética de François Turretine pela Cultura Cristã (2011)
>>> Alergia na infância de Maria Candida Faria Rizzo pela Lemos (2002)
>>> Archivos de la universidad de Buenos Aires año 26 n 1 de Diversos autores pela Meuba (1951)
>>> Anais do Primeiro congresso de câmaras Municipais do estado de São Paulo 1° volume de Diversos autores pela Ibge (1948)
>>> Os filhos da África em Portugal: Antropologia, multiculturalidade e educação (2ªed.) de Neusa Maria Mendes de Gusmão pela Autêntica (2006)
>>> A arte de desenhar Perspectiva 14 de Renato Silva pela Conquista
>>> Almanaque do tchê! de Diversos autores pela Tchê (1984)
>>> Cinderela - coleção fantasminha de Cordélia Dias D'Aguiar pela Ediouro (1975)
>>> Signale der Sinnlichkeit erotik de Wolf Donner pela Whilhelm heyne (1989)
>>> King's English 3ª série Ginasial de Harold Howard Binns pela Companhia Nacional (1944)
>>> Ele Ela 70 Rosemary de Bloch editora pela Bloch (1975)
>>> O clube do filme de David Gilmour pela Intrínseca (2020)
>>> Les Deux Nigauds de La condesse de Segur pela Hachette
COLUNAS >>> Especial Guerra no Iraque

Terça-feira, 1/4/2003
O desespero de Bush
Marcelo Barbão

+ de 3900 Acessos

A nova guerra do Iraque suscitou a maior onda de artigos, emails, correntes, trocas de arquivos da história da Internet. Pode ser considerada a primeira guerra da Era da Internet. Eu li uma boa parte de todas essas trocas de mensagens (e desaforos) e até participei de muitas. Mas, uma coisa é certa, ninguém realmente chegou a compreender os motivos da guerra.

Alguns por motivos espúrios como a direita aculturada que aceita qualquer explicação feita pelo Pentágono por mais absurda que ela seja. Outros por "inocentismo utilíssimo" como os que tentam comparar os regimes de Saddam e Bush, esquecendo que sem as bênçãos de Washington, Bagdá não seria o que é, nem faria o que fez. Um erro de simplismo agudo.

Mas, essa é a direita de um lado e as pessoas que não acompanham a política de outro, não poderíamos esperar grandes coisas desses setores mesmo. É com a esquerda que eu me preocupo, com a falta de compreensão do que está acontecendo.

Não estou querendo aqui afirmar que tenho todas as respostas, que sou o ser superior que entendeu tudo enquanto a corja de ignorantes... Estou querendo única e exclusivamente ajudar no debate e na compreensão. Espero conseguir.

Mudanças no imperialismo

As análises sobre o papel do imperialismo no mundo são vastas e muito importantes para compreender essa guerra, suas causas e conseqüências. Depois da grave crise dos anos 70, onde começou a decadência das potências capitalistas (na verdade, começou a decadência da Velha Ordem Mundial, o acordo de convivência entre EUA e URSS, que levou à destruição desta), o capitalismo precisou rever suas políticas para conseguir sobreviver. É por isso que, desde os anos 80, começaram a entender que Marx estava correto, que as fronteiras nacionais eram um fator que impedia o crescimento econômico.

Foi por isso que desde o final dos anos 70, a política geral dos imperialismos foi a de suprimir as fronteiras nacionais. Claro que essa política não tem nada a ver com a irmandade entre os povos que defendiam Marx e Bakunin na época da I Internacional. Afinal, a NAFTA não significa que os mexicanos terão um nível de vida parecido com o dos norte-americanos mas que as fábricas "maquiladoras" na fronteira dos dois países podem pagar salários baixíssimos para seus trabalhadores (aliás, talvez eu tenha errado, com o nível de vida baixando assustadoramente nos EUA, com o desemprego, sub-emprego, etc, talvez os dois lados cheguem a ter um nível de vida parecido).

A idéia central era: caiam as fronteiras, destruam as barreiras alfandegárias, livre comércio mas tudo unilateral. É só ver as exigências do governo dos EUA para os países que irão formar a Alca e entenderemos que tipo de abertura eles querem.

Da mesma forma, na União Européia, é importante a entrada dos paíes do leste europeu. Afinal, são eles que serão o mercado interno e os fornecedores de mão-de-obra barata para Alemanha e França. O mesmo movimento pode ser encontrado na Ásia, capitaneado pelo Japão (mas com uma forte concorrência do próprio EUA, China e da Austrália).

Para qualquer pessoa, é fácil entender que isso é um tiro no pé no médio prazo. A situação calamitosa da Argentina é um exemplo concreto disso. A destruição das indústrias nacionais, imperativo para que os produtos norte-americanos, europeus e japoneses dominem o mercado, só leva à diminuição ou virtual inexistência de consumidores capazes de comprar esses próprios produtos. Na Argentina, hoje, as companhias de telefonia privatizadas estão caminhando para ter mais prejuízos do que a velha estatal (contando toda a corrupção instalada pelos governos da UCR e dos peronistas), simplesmente porque as pessoas não tem mais dinheiro para pagar suas contas. A quantidade de pessoas que tem telefone em casa mas só podem receber ligação é gigantesca.

Além do que temos uma situação onde uma boa parte das classes superiores argentinas foi embora do país. E tudo isso por ter seguido ao pé da letra todas as determinações feitas pelo FMI e pelo Banco Mundial, organismos dominados completamente pelos EUA. Ou seja, por seguir a política ditada pelos EUA, a Argentina transformou-se num país que causa mais prejuízos do que lucros para as próprias empresas norte-americanas. E se seguirmos todas as determinações do governo norte-americano para chegar à Alca? O que poderá acontecer?

Novos rumos

A disputa entre os imperialismos (EUA, UE, Japão, a emergente China) tinha acontecido até o governo Clinton no âmbito da diplomacia. A OMC nasceu com dois objetivos: garantir os privilégios dos países imperialistas e organizar a partilha do mundo entre eles. Não é à toa que todos relutaram em permitir que a China entrasse no bolo.

Nos anos 90, tudo era sorriso em Washington. Afinal, a tal nova economia ponto-com parecia ser a solução, a Ideologia Californiana ia de vento em popa. Esses "ideólogos" falavam (e comprovavam) exatamente o que todo mundo queria ouvir: que o Estado era dispensável, que as novas tecnologias iam garantir anos de prosperidade, que os velhos dogmas da economia estavam ultrapassados. Bill Clinton tinha até tempo para namorar com as estagiárias da Casa Branca!

Mas, tudo desmoronou com o estouro da bolha. Empresas que valiam milhões de dólares simplesmente desapareceram da noite para o dia (junto com os empregos que criavam), executivos foram presos por fraude, a fila do seguro-desemprego aumentou e, o pior, começou a aparecer o que estava por trás das fortunas ponto-com: milhares de sub-empregos, imigrantes ilegais trabalhando nas empresas de alta tecnologia do Vale do Silício em troca de salários baixíssimos. Da mesma forma, as denúncias contra a globalização atacaram as principais empresas do mundo, mostrando de onde saem seus lucros: de fábricas no sudeste asiático onde crianças chegam a trabalhar 16 horas por dia em troca de centavos de dólar.

Com o fim da bolha, os EUA estavam no mesmo nível da Europa e do Japão, por isso era hora de mudar de política. É hora de usar as vantagens que o imperialismo norte-americano tem e os outros não têm: o predomínio militar. Na tentativa de salvar uma economia que está afundando, vale qualquer coisa. Inclusive ocupar um país para loteá-lo entre empresas norte-americanas, como os EUA estão fazendo no Iraque.

Assim, tudo começou com a semi-ocupação de países como o cinturão de ex-repúblicas soviéticas. Hoje, em muitas os militares dos EUA no país excedem as forças armadas próprias. Depois, a dominação do Afeganistão e agora o Iraque. Com isso, garantem o abastecimento de gás, petróleo e outros produtos básicos para sua economia funcionar.

Mas, isto ainda não é suficiente, é preciso ter gente comprando os produtos, é preciso mercados, é preciso países com governos submissos. Por isso, achar que essa investida vai parar por aqui é ingenuidade ou pior, cumplicidade.

Disputa mortal

Essa nova política do imperialismo de Washington ficou evidente quando a Alemanha e a França colocaram-se contra a guerra, junto com o sócio menor, a Rússia. E nessa disputa, os EUA conseguiram ganhar o primeiro round ao dividir a UE e jogar os candidatos a europeus do Leste contra os chefões da Europa ocidental (a Inglaterra não conta porque sempre teve uma atitude ambígua em relação à União Européia). Mas, por outro lado, a doutrina Rumsfeld aproximou ainda mais o núcleo central que é formado pela França e Alemanha. E pode até ter aproximado a Rússia, que é o "sonho de consumo" de todos os principais defensores da UE alemães e franceses.

Por enquanto, somente os EUA assumiram esta política de conquista, mas não podemos descartar que outros países façam o mesmo. Afinal, uma unidade França-Alemanha-Rússia resulta em um exército poderosíssimo, ainda mais se convencerem a China que a aliança seria benéfica para ela.

Não estou prevendo aqui que a guerra do Iraque levará à III Guerra Mundial. Mas, estamos revivendo o final do século XIX, início do XX, onde os militares é que dominavam a cena internacional. A I e a II guerra mundiais foram resultado de uma disputa furibunda entre os imperialismos em ascensão e decadência. Depois dos acordos de Ialta, a diplomacia foi mais forte, as guerras ocorreram de forma localizada, nas periferias do mundo. O medo da capacidade do inimigo impediu que confrontos mais fortes entre as potências acontecessem. Além disso, todos estavam crescendo. A URSS cresceu muito nos anos do pós-guerra da mesma forma que os EUA.

Agora, quem poderá prever para onde nos levará essa mudança de estratégia dos EUA? Só uma coisa é certa: para as massas que saem às ruas do mundo inteiro, nenhum benefício advirá de qualquer um dos lados em disputa.

Força ou fraqueza?

Fica mais do que evidente que a invasão e a ocupação do Iraque é uma mostra da fraqueza do capitalismo norte-americano, é uma mostra do desespero a que chegaram os "donos do mundo" que são capazes de qualquer coisa para manter seus lucros e a exploração dos trabalhadores. Não se confundam, leitores, o que estamos vendo é a derrocada do império americano. Os documentos que são a base da doutrina de Washington que podem ser encontrados no site Project for the New American Century não irá acontecer.

Ainda mais com a incapacidade já demonstrada pelos "senhores da guerra" de Washington que cometeram erros primários nestes primeiros dias de guerra, o que poderá custar, com certeza o apoio dos eleitores norte-americanos que Bush conseguiu através das mentiras e manipulações costumeiras. Mas, tudo isso mostra, pelo menos, como é o jeito conservador de governar o mundo.


Marcelo Barbão
São Paulo, 1/4/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Filmes de guerra, de outro jeito de Ana Elisa Ribeiro
02. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
03. As pedras de Estevão Azevedo de Wellington Machado
04. Estevão Azevedo e os homens em seus limites de Guilherme Carvalhal
05. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marcelo Barbão
Mais Acessadas de Marcelo Barbão em 2003
01. Literatura e cinema na obra de Skármeta - 13/5/2003
02. Biblioteca básica latino-americana - 22/10/2003
03. Outro fim de mundo é possível - 11/2/2003
04. Os cyberpunks e o futuro - 9/9/2003
05. Marcos Rey e a Idade de Ouro - 15/7/2003


Mais Especial Guerra no Iraque
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO - POR QUE O COMO FAZER ALGO SIGNIFICA TUDO.. 8891
DOV SEIDMAN
D V S
(2011)
R$ 10,00



SANDMAN APRESENTA N° 7 - LUCIFER - CRIANÇAS MONSTROS PARTE 2 DE 4
DC COMICS / VERTIGO
BRAIN STORE
(2003)
R$ 9,87



PLANTAS PARA ADUBAÇÃO VERDE DE INVERNO
ROLF DERPSCH / ADEMIR CALEGARI
IAPAR
(1992)
R$ 40,00



SUBLIME
CHRSITINA HOBBS / LAUREN BILLINGS
UNIVERSO DOS LIVROS
(2015)
R$ 15,00



POR UM SIMPLES PEDAÇO DE CERÂMICA
LINDA SUE PARK
MARTINS FONTES
(2016)
R$ 19,00



FÍSICA PARA O 2º GRAU - VOLUMEÚNICO - CURSO COMPLETO
MARCOS JOSÉ CHIQUETTO
SCIPIONE
(1993)
R$ 12,00



TOMÁS ANTÔNIO GONZAGA - LITERATURA COMENTADA
EDITORA ABRIL
ABRIL
(1980)
R$ 7,00



PRÉCIS DE BACTERIOLOGIE VOL 2 - BIBLIOTHÈQUE DU DOCTORAT EN MÉDICINE
A GILBERT FOURNIER CH. DOPTER E. SACQUÉPÉE
J B BAILLIÈRE
R$ 65,71



PRÉCIS DE CHIRURGIE JOUNALIERE - COLLECTION TESTUT
MAURICE PATEL
OCTAVE DOIN
(1913)
R$ 65,15



HOMEM ANIMAL - NASCIDO PARA SER SELVAGEM PARTE 1 DE 2
PETER MILLIGAN & CHAS TROUG
METAL PESADO
(1997)
R$ 15,00





busca | avançada
80910 visitas/dia
2,2 milhões/mês