Revista do Rádio | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (I)
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Procissão
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> Local, Global de Heloisa Buarque de Almeida pela Berlendis & Vertecch (2013)
>>> A Ordem Negra de James Rollins pela Ediouro (2007)
>>> Geometria Analítica Plana de Steinbruch Basso pela Makron Books (1991)
>>> Plano de Negócios de Egoy Walter Wildauer pela Intersaberes (2012)
>>> A Rendeira Borralheira de Socorro Acioli; Alexandre Camanho pela Positivo Livros (2009)
>>> How to Launch a Brazilian Depositary Receipts (bdrs) Program de Vários Autores pela Pwc
>>> Amanhã é outro dia de J.m. Simmel pela Nova Fronteira (1978)
>>> Tempo Bom, Tempo Ruim de Jean Wyllys pela Paralela (2014)
>>> O Fantasma de Canterville de Oscar Wide pela Scpione (2006)
>>> não vi enão gastei - O fenômeno do Prenconceito de Renato da Siva Queiroz pela Moderna (1997)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2016)
>>> Giocondo Dias - a Vida de Revolucionario de João Falçãqo pela Agir (1993)
>>> Passenger to Frankfurt de Agatha Christie pela Harpercollins Uk (2017)
>>> Por Que Sonhei Com Isso? de Evelyn Kay Massaro; Lauri Quinn Lowenberg pela Best Seller (2017)
>>> Born Montoneros - 9 Meses En las Entranãs de Montoneros de María Odonnell pela Sudamericana (2015)
>>> Mesa para Dois de Nora Roberts pela Harlequin Books Br (2007)
>>> Controle o Estresse de Augusto Cury pela Gold
>>> Schwert, Das de Daniel Easterman pela Aufbau Tb (2009)
>>> English in Formation 3rd Edition 8 Teacher Book de Wilson Liberato pela Standfor (2016)
>>> Metade de uma Rosa de Jonas Ribeiro pela Do Brasil (2007)
>>> Alarde Poético de Vários pela Não consta (2006)
>>> Perfume Derramado de Denise Seixas pela Bolabooks (2016)
>>> Evangelho Eterno e Orações Prodigiosas de Osvaldo Polidoro pela Do Autor (2009)
>>> Nao Pergunte Se Ele Estudou de Renato Alves pela Humano (2011)
>>> Habermas e a Dialética de David Igram pela Edunb (1993)
COLUNAS

Sexta-feira, 9/5/2003
Revista do Rádio
Gian Danton

+ de 6100 Acessos

Houve um tempo em que famílias inteiras se postavam na frente do rádio para ouvir músicas, novelas e informações. Para se ter uma idéia da popularidade do rádio na primeira metade do século passado, na virada dos anos 40 para a década de 50, apenas 30% da população brasileira tinha geladeira, mas 70% possuía um rádio. Na verdade, o rádio havia crescido em uma progressão geométrica desde a instalação das primeiras rádios no Brasil, na década de 30 e se firmou definitivamente a partir de 31 de dezembro de 1942, quando a Rádio Nacional passou a ser irradiada do Rio de Janeiro para todo o país.

Nessa época, mágica para muitos, havia uma grande curiosidade sobre as estrelas do rádio (ou cartaz, como se dizia na época). Afinal, os fãs só conheciam a voz dos seus ídolos. Para saciar a curiosidade dos fãs surgiu a Revista do Rádio, durante muito tempo uma das publicações mais famosas do Brasil. Para não deixar essa época se perder no limbo do tempo, a editora Relume Dumará e a Secretaria de Cultura da prefeitura do Rio de Janeiro trazem a público um livro sobre o assunto.

Revista do Rádio, de Rodrigo Faour conta toda a trajetória da publicação desde sua origem até os tempos de decadência, quando o rádio foi suplantado pela televisão. No total foram 22 anos de sucesso. A revista chegou a ficar tão famosa que se tornou marchinha de carnaval, na voz do palhaço Carequinha: "Ela é fã da Emilinha/ Não sai do 'César Alencar'/ Grita o nome do Cauby - Cauby!? E depois de desmaiar/ Pega a revista do Rádio/ E começa a se abanar".

A cabeça por trás da Revista do Rádio era Anselmo Domingos. Homem tímido e educadíssimo, católico apostólico, Anselmo tinha seu nome ligado ao veículo. Desde pequeno ele escrevia programas para a Educadora. Mais tarde, tornou-se diretor artístico da Tamoio, parte do complexo de comunicação de Assis Chateaubriand. Na rádio, ele inovou fazendo novelas religiosas com a vida dos santos que bateram todos os recordes de audiência. Mas seu sonho era fazer uma revista que falasse dos astros e não fosse vinculada a nenhuma emissora. Mas não tinha dinheiro. Todos os antropólogos que se debruçaram sobre a cultura nacional encontraram como traço facilmente reconhecível: o jeitinho. A história da Revista do Rádio comprova isso. Quem acabou arranjando o financiamento para a criação da revista foi um banqueiro, José Batista, conhecido como China da Saúde, que comprava músicas e entrava como co-autor.

O primeiro número da revista saiu em fevereiro de 1948, custava três cruzeiros e foi um sucesso imediato. Em 1949 ela já vendia 50 mil exemplares. Em 1950 já se tornava semanal. A razão disso estava na forma diferenciada como a nova publicação tratava o mundo do rádio. Antes existiam outras publicações sobre o assunto, como A Carioca, A Noite Ilustrada, A Noite e A Manhã, mas todas funcionavam como órgão oficial de divulgação da Rádio Nacional, pertencente ao governo. Ou seja, eram o que se chama no meio jornalístico de revistas de releases. A nova publicação, ao contrário, divulgava todas as rádios e de forma mais autônoma, agradando a um público mais amplo.

Segundo Faour, a revista tinha os ingredientes certos para agradar ao público dos anos 40/50: "Não bastassem as informações em geral sobre a vida pessoal e artística das celebridades do momento, havia 'fuxicos' e um pouco de apelação em suas manchetes para atingir em cheio a curiosidade do povão". As seções da revista comprovam isso. A seção "Ficha completa", por exemplo trazia informações sobre os artistas na forma de pequenas frases. Como exemplo, a ficha (resumida) de Agnaldo Rayol:

"Seu verdadeiro nome é Agnaldo Coniglio Rayol. Usa pasta dental colgate e sabonete cinta azul. Tem a mania de morder os lábios. Seus pratos prediletos: nhoque e vatapá. Dorme de calção. Em casa adora andar de chinelos. Adora o nome Sueli."

Como se vê, as informações (totalmente fúteis) eram organizadas na forma de fichário, daí o nome da seção.

A "Eu sou assim" era dividida em duas colunas: "Eu gosto" e "Eu não gosto". Para uma pergunta dessas, nenhuma resposta poderia ser melhor do que a dada pela cantora Stelinha Egg, especializada em canções folclóricas: "Eu gosto de tudo que é belo e não gosto de tudo que feio".

A seção "Entrevista Teco-teco" trazia um perfil dos artistas, com suas opiniões sobre assuntos recentes. As perguntas eram do tipo: que marca de automóvel você prefere? O que você acha de tal moda? Respostas muito interessantes deu a cantora Dolores Duran em entrevista publicada 15 dias antes de sua morte:

"Que marca prefere: o Cadillac ou o Chevrolet Belair? - Prefiro saber a 'marca' de quem está dirigindo.

"Qual o seu número da sorte? - É exatamente o que vem contido dentro de um certo envelope no fim do mês."

A seção "24 h na vida de um artista" mostrava o dia-a-dia dos artistas, ilustrado com foto. Detalhe: o dia-a-dia muitas vezes era inventado pelos redatores. Exemplo disso foi a matéria dedicada a Ademilde Fonseca. Depois de acordar às 7h30, tomava banho, escovava os dentes. Depois, alegre e jovial, a cantora saía em passeios pelo bairro de Higienópolis. De carro ou de lambreta, Ademilde matava o tempo enquanto aguardava a hora de regressar a casa. Ao lado, uma foto da cantora posando ao lado de uma lambreta.

Entrevistada por Faour, a cantora declarou: "Eu nunca andei de lambreta, mas realmente tomava banho frio todo dia". Outra seção curiosa era a "Minha casa é assim". Nela, os artistas mostravam suas casas, um vexame comparado ao que vemos hoje em revistas como Caras. Mesmo a classe média não tinha um padrão alto de vida e bens de consumo eram pouquíssimos. Quando um artista tinha carro, esse fato era bastante destacado nas matérias como forma de demonstrar o status do mesmo.

Se a seção "Minha casa é assim" revela as diferenças econômicas do Brasil da década de 50 para o atual, a seção "Pergunta da semana" revela as diferenças culturais. Em setembro de 1952, por exemplo, a revista perguntou aos artistas qual a melhor profissão para mulher.

Joana D'Arc, da rádio Tupi, respondeu, "A de esposa, porque é o mais belo cargo e o que a mulher pode exercer com facilidade e segurança".

Saint Clair Lopes (que fazia a voz do personagem Sombra), respondeu: "Qualquer profissão serve para a mulher, desde que ela não abdique de seus direitos de dona do lar, a dona da casa".

Mas o grande sucesso da revista foi a seção "Mexericos da Candinha". A partir dela, Candinha virou sinônimo de fofoqueira. Qualquer coisa era assunto para uma fofoca: o valor gasto por uma cantora no ar-condicionado, uma festa dada por uma celebridade do rádio, a magreza de uma atriz, a suspeita de infidelidade conjugal...

Eis alguns exemplos do veneno da Candinha:

"Esse Humberto Teixeira tem cada uma! A última foi uma festa que ele promoveu lá nos cafundós da Gávea, perto da Vista Chinesa, uma festa de noite, até de madrugada, e onde rolou tudo! Basta dizer que lá pelas tantas a ordem era reviver os tempos de Adão e Eva! E olhem que muita gente boa estava presente... Esse Humberto!

"Vocês já repararam que a Dalva de Oliveira não despreza um crucifixo de ouro que traz sempre ao pescoço? Eu quis saber dela quem deu a linda cruz, Dalva disse que não podia dizer. É um segredo que ela levará para o túmulo - e nada mais adiantou.

"Maysa e Ângela continuam se odiando cordialmente.

"O prato predileto do Cauby é feijoada. Mas nem assim ele engorda. Pesa 60 kg com roupa e tudo!"

Claro que isso eram tempos passados, quando raramente o editor de uma revista ou jornal era processado. Hoje isso seria impossível. Mas os artistas da época tinha outra forma de se vingar: fazendo música. A primeira delas saiu em 1963 e foi gravada pelo comediante Moacyr Franco. A segunda, mais famosa, é de 1965 e foi gravada por Roberto Carlos:

"A Candinha vive a falar de mim em tudo
Diz que sou louco, esquisito e cabeludo
E que eu não ligo para nada
Que dirijo em disparada (...)
Mas a Candinha já está falando até demais
Porém ela no fundo saber que eu sou um bom rapaz
Sabe bem que essa onda é uma coisa natural
E eu digo que viver assim é que é legal
Sei que a Candinha vai comigo concordar
Mas sei que ainda vai falar..."

O autor, Raimundo Faour, é jornalista formado pela PUC/ RJ. Tem trabalhado como critico musical, além de ajudar diversas gravadoras a recuperarem seu acervo. É autor do livro "Bastidores: Cauby Peixoto: 50 anos da voz e do mito". Assina coluna na revista Muito Prazer sobre músicas da MPB que tratam de amor e sexo. Sua especialização em música antiga o faz o autor ideal para o projeto. Além disso, o estilo usado por ele no livro lembra o que era usado na própria Revista do Rádio. Uma das características desse estilo: cada parágrafo termina com uma pergunta retórica ou com uma exclamação, do tipo: "Que mimo!", "Não é mesmo?", "Vocês não concordam?". Ou seja, é como se o leitor estivesse tendo contato com a própria revista.

Revista do Rádio é um bom livro não só para quem é fã da época aura do rádio, como também para os interessados em história das comunicações no Brasil.

Para ir além





Gian Danton
Goiânia, 9/5/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A literatura em transe de Marta Barcellos
02. Thérèse Desqueyroux, de François Mauriac de Ricardo de Mattos


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2003
01. A teoria do jornalismo e a seleção de notícias - 28/2/2003
02. A análise da narrativa - 24/1/2003
03. Os X-men e o fim da infância - 31/1/2003
04. Experiências e Livros - 7/10/2003
05. Demônio maniqueu e demônio agostiniano - 11/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Esboços de Sermões
Luis Roberto Silvado
A. D Santos
(2012)



Outras do Analista de Bagé
Luis Fernando Veríssimo
L pm
(2022)



Boas Maneiras e Sucesso nos Negócios
Celia Ribeiro
L&pm
(1993)



O Perito
Robert Finn
Publicações Europa-américa
(2009)



Au Arquitetura & Urbanismo Nº 155
Pini
Pini



O Estudante
Adelaide Carraro
Global
(2001)



Comunicacao Modernizacao e Difusao de Inovacoes no Brasil
Jose Marques de Melo
Vozes
(1978)



Inteligência - Perspectivas Teóricas
Leandro S. Almeida, Aristides Ferreira
Almedina
(2009)



Wireless Java With J2me - Sams Teach Yourself - in 21 Days.
Michael Morrison
Sams



Historias da Vo Cotinha Vivencias e Virtudes
Lucia Nobrega
Rideel
(2010)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês