Nota Bene | Alessandro Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Vendedor de Passados
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
Mais Recentes
>>> O Espiritismo Aplicado de Eliseu Rigonatti pela Pensamento (2006)
>>> Luz no lar de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1968)
>>> O Evangelho segundo o espiritismo de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (1997)
>>> Sobrevivência E comunicabilidade dos Espíritos de Hermínio C. Miranda pela Federação Espírita Brasileira (1975)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (1944)
>>> História das Religiões de Ivan Ap. Manoel e Nainora M.B. de Freitas pela Paulinas (2006)
>>> O Brilho dos pássaros de Carlos Luz pela Nova Era (1996)
>>> Prosperidade fazendo amizade com o dinheiro de Lair Ribeiro pela Objetiva (1992)
>>> Sessões Prática e Doutrinárias do Espiritismo de Aurélio A. Valente pela Federação Espírita Brasileira (1990)
>>> 100 Impulsos positivos para viver melhor de Eduardo Criado pela Folio (1996)
>>> O Avesso de um Balzac Contemporâneo de Osmar Ramos Filho pela Lachârtre (1995)
>>> O Ser Integral o despertar de uma nova era de Orlando Santos Junior pela Royal Court (1996)
>>> A fé crista Normal de Watchman nee pela Living Stream Ministry
>>> Sementes de vida Eterna de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> Vencendo os Limites de Elaine de Melo pela Qualitymark (2000)
>>> Ala Sombra de los Monasterios Tibetanos de Jean M. Riviére pela Kier (1986)
>>> A vida Normal da Igreja Crista de Watchman nee pela Living Stream Ministry
>>> Esclarecendo os Jovens de Umberto Ferreira pela Goiânia (1993)
>>> O Vôo mais Alto de Luiz Sérgio pela Edição do Autor (1983)
>>> Evolução Espiritual de Narcí Castro de Souza pela Madras
>>> Copos que Andam de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Petit (1994)
>>> O Mistério do Sobrado de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Petit (2001)
>>> Imagem do eterno de Carmen Cinira Macedo pela Moderna (1989)
>>> A Gêneses de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (2000)
>>> Manual de Boas Práticas em Ensaios Clínicos de Conceição Accetturi, David Salomão Lewi e Greyce Balthazar Lousana pela Usp (1997)
>>> Filho do Sol de Savitri Devi pela Renes (1981)
>>> Encontros com o Insólito de Raymond Bernard, F. R. C. pela Renes (1970)
>>> Introdução à Filosofia da Rosacruz Áurea de J. van Rijckenborgh pela Escola Espiritual da Rosacruz Áurea (1982)
>>> Biografias de Personalidades Célebres de Prof. Carolina Rennó Ribeiro de Oliveira pela do Mestre (1970)
>>> As Últimas Horas de Gibran de Kahlil Gibran pela Nova época (1980)
>>> El Misterio De Los Templarios de Louis Charpentier pela Bruguera (1970)
>>> Valongo Arte e Devoção de Ana Maria C. Silva De Biasi, Elias Jorge Tambur e Maria Rabello da Motta pela A Tribuna (1995)
>>> Eu, Detetive O Caso do Sumiço de Stella Carr e Laís Carr Ribeiro pela Moderna (2003)
>>> Dinheiro Público e Cidadania de Silvia Cintra Franco pela Moderna (1998)
>>> Quando o espiritual domina de Simone de Beauvoir pela Nova Fronteira (1980)
>>> Coração de Vidro de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramentos (1972)
>>> Transformadores de Alfonso Martignoni pela Globo (1981)
>>> Guia Técnico do Alumínio - Extrusão de Associação Brasileira do Alumínio pela Tecnica (1990)
>>> História da Literatura em Santo André de Tarso M. de Melo pela Fundo de cultura de santo andré (2000)
>>> Cinco Minutos - A Viuvinha de José de Alencar pela Ática (2001)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 4 de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Amo Poesia de J. Dellova pela Do escritor (1989)
>>> Folhas aos Ventos Maçônicos de Breno Trautwein pela A Trolha (2000)
>>> Os Segredos dos Construtores de Maurice Vieux pela Difel (1977)
>>> Antigos Manifestos Rosacruzes de Joel Disher pela Amorc (1982)
>>> Breve História da Maçonaria de Rubens Barbosa de Mattos pela A Trolha (1997)
>>> Por Mares há Muito Navegados de Álvaro Cardoso Gomes pela Ática (2002)
>>> Isso Ninguém me Tira de Ana Maria Machado pela Ática (1996)
>>> Um Dono para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1996)
>>> Encontro com os Deuses de Jaime Guedes pela Mandála (1978)
COLUNAS

Quarta-feira, 29/10/2003
Nota Bene
Alessandro Silva

+ de 4600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A exposição de arte do artista eslavo Samson Flexor também prova que os níveis de aceitação do termo “arte” caíram muito.

Não se trata de questionar o cunho geométrico de sua arte. Mas sabemos que debaixo de cada tela ali presente, seja sua representação abstrata ou figurativa, há um laivo de amadorismo, de uma arte simpática, de um tipo de arte que, portanto, busca granjear-nos para ser aceita.

Picasso: o belo é para os amadores.

Acredito que essa degeneração dos padrões referenciais da arte deva-se a dois fatos:

a) A palavra é muito ambígua; b) Há desconhecimento da natureza da arte.

Exalta-se demasiado o artista pelo conjunto de sua obra ( e a tal ponto que depois de vinte anos de prática, você pode ter praticado a arte mais deslavada e cara de pau em honra de sua época ou de teu país cujo governo sequer te deu oportunidade de aprender uma língua estrangeira que terá o bom senso e o reconhecimento público a seu lado ).

E tudo que arte autêntica não é é bom senso e reconhecimento público.

Não é à toa que Alfred Jarry ( de quem Picasso herdou um dos revólveres ) ao menor riscado mandava bala pro alto; não é destituído do fardo que Breton, o líder da vanguarda surrealista, alardeava aos quatro ventos que o ato mais livre era simplesmente mandar bala sobre os pedestres.

Arte não é flor que se cheire.

Por isso mesmo que a primeira pessoa de quem desconfiaremos quando formos chamados a separar o joio do trigo, os autênticos dos falsos, identificaremos estes aos artistas que não zombam de seus mestres — por que não compreenderam sua natureza malévola e gatuna.

Depois de passar por Paris e por Genebra, o senhor Samson concluiu que sua arte devia honrar o racional. E a honrou em seu mais alto grau praticando-a como um instrumento religiosamente matemático, ou seja, em sua forma geométrica.

A sua assepsia deriva do seguinte: ele está preocupado em organizar o mundo; enquanto quem entende a verdadeira natureza da arte, entende que o artista tem a obrigação de desorganizar o mundo e destruir a beleza que o cerca. Por quê?

Por que a vida é assim. Porque, en passant lembrando Nietzsche, o racionalismo e a ordem nos torna medrosos.

Não há teoria que racionalize a espiral de um búzio e no entanto este contém a força inteira das ondas.

A arte ruim não tem força; a arte ruim organiza; o senhor Samson Flexor é um artista ruim.

A arte autêntica explica-se por si: é de nervos e tensão.

A tal ponto que nos perguntamos: seria a identificação de caras como Picasso, Pound ou Hemingway com as touradas e com o boxe apenas coincidência?

Urinóis, peças de madeira, vídeos, instalações, acessórios e bugigangas: efemerités.

A arte conceitual, que é a forma paroxística do racionalismo, da domesticação dos sentidos, da racionalização frente a coisas que não se deixam racionalizar, que é a forma violenta do medo acuado é um tipo de arte que não pode se sustentar senão por alguns anos, porque é uma arte que se explica, é uma arte sem coragem ( a tragédia grega passou ao controle sutil do Estado assim que os coros em sua expressão mais poderosamente dionisíaca, em sua voz profética e titânica, decaiu em “tentativas de explicar” a sorte feroz dos mortais.)

A verdadeira arte é aquela que não tenta justificar o mau, que não encontra catarse na prisão dos assassinos: a arte autêntica é terrível.

Arte de circunstância?

Beat generation. O que puderam fazer de mais nobre que não descartar a cartilha crítica de T.S. Eliot, portanto agindo sob a sombra de um mestre?

Quem são hoje Allen Ginsberg, Bukowski ou Jack Kerouac diante de Wallace Stevens ou diante de Hart Crane? Abortos degenerados.

Até mesmo um poeta moralista como W.H. Auden irá perdurar e isso porque nunca se preocupou com efemérites: do interior de seus sonetos ecoa a voz de Shakespeare.

Os artistas não deveriam ser divididos entre os que fazem sua obra e deixam que elas falem por si mesmas e os que fazem algo e tentam justificá-lo por meio de teorias; deveriam ser divididos entre homens e ratos.

É extremamente salutar para a humanidade que os artistas retornem a Cézanne. Porque — e essa é uma qualidade de todos os grandes talentos franceses — sua sinceridade no infortúnio é assombrosa. Em a “Dúvida de Cézanne” Merleau-Ponty torna patente a vida de um homem excessivamente tímido e atormentado. Ser atormentado e tímido era condição sine qua nom para se ser Cézanne. Intempestividade e timidez são características de seu estilo, sem os quais, sem sua sinceridade no estilo, não há autenticidade, não existe Cezanné.

As dúvidas e a natureza violenta do ser humano são exploradas ad nauseam por Francis Bacon; sua patogenia o levava a aceitar a destruição e a natureza de cupim do ser humano no seguinte grau: “gostaria de ter uma relação com um outro pintor como a de T.S. Eliot com Ezra Pound; que houvesse crítica e até mesmo destrutiva à minha arte”.

Mas o que acontece com esses nossos insetos metidos a artistas? Porque não podem se desgarrar para uma arte autêntica e sincera?

E nos vêem com esse papo de que brasileiro é criativo? Só se for para pedir esmola no farol. Criatividade sem nobreza, sem sinceridade, é como bunda de prostituta; beleza sem substância.

É uma pena que ao artista caiba passar fome e manter-se sob o chicote de um certo gosto oficial que é uma espécie de opinião democrática: a democracia faz mal ao caráter; a democracia aniquila o individual e, por extensão, o “genial”.

O bom gosto diz a que veio: tudo muito bem asseado, tudo muito bem decorativo e brilhante, com uma visibilidade quase angelical da matéria, permeado pela influência de todas as micro-idéias possíveis e aceitáveis e, é claro, pela política.

W.B. Yeats solicitado em época de guerra não deu sequer três versos à política; somente um imbecil para acreditar que um artista que se proclama filiado a um certo partido não está usando essa condição para se promover; somente uma crassa ingenuidade para acreditar que a arte de Brecht fosse mais do que mote para discussões, que sua pessoa tinha reais intenções éticas.

Outrora visitei a exposição Francis Bacon e saí com vontade de vomitar. A mostra foi em São Paulo, mas em São Paulo nós temos medo de dizer que nossa vida é cheia de tédio. Em São Paulo, na “Casa das Rosas”, onde outrora se deu uma mostra dos “nossos” artistas em homenagem ao povo mexicano, uma homenagem tão rasteira que saí envergonhado.

Lá estavam obras de gente como Siron franco e, chegando ao extremo, Belchior! ( Aquele que, até ontem, sabe-se ou imagina-se, que limitava-se a sua viola ) cuja chef d’ouvre jazia sob este título verborrágico: “porque os colecionadores pagam tão caro por isso?”.

Belchior, você quer se divertir? Então vá se divertir no inferno.

Artista é quem tem ataque epiléptico no meio da calçada e depois zomba de suas convulsões, porque devemos dormir com essa: arte é tudo aquilo que não quer ser arte, que não quer, portanto, ter um nome, que não quer ser reconhecida, tudo que é estranho e destituído de sentido, tudo aquilo que é o contrário do que é hoje.

Marcel Duchamp? Aquele que tem um nome? Marcel Duchamp está morto.


Alessandro Silva
São Paulo, 29/10/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A firma como ela é de Adriane Pasa
02. Mamilos de Adriane Pasa
03. A grama do vizinho de Adriane Pasa
04. Entrelinhas de Guga Schultze
05. 20 anos de Trapo de Daniel Lopes


Mais Alessandro Silva
Mais Acessadas de Alessandro Silva em 2003
01. O Apanhador no Campo de Centeio - 23/4/2003
02. O Príncipe Maquiavel - 7/2/2003
03. A bunda do Gerald Thomas - 3/9/2003
04. O Telhado de Vidro - 9/7/2003
05. Até tu, Raquel! - 12/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/10/2003
10h47min
Penso que a música começa no silêncio, que o movimento começa na quietude e o caos só existe se existir uma ordem preestabelecida. A obra de Samson Flexor é obra de arte de qualidade, tanto é que gerou vários contrapontos de argumentos contrários à arte. Não apenas por isso, mas não se esqueça que a arte indigêna é baseada na geometria. A geometria não é uma cópia da natureza, e o homem não copiando a natureza começou a criar e dar novos significados à vida. Não se esqueça que Mondrian e Malevitch reformularam os conceitos artísticos com obras totalmente geometricas e racionais. A emoção não existe sem a razão e vice-versa. O Tao já ensinou isso há muito tempo.
[Leia outros Comentários de Diuk Mourao]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DUELO FINAL
ELMORE LEONARD
CIRCULO DO LIVRO
(1980)
R$ 7,00



DESTINOS CRUZADOS
WARREN ADLER
RECORD
(2000)
R$ 4,00



PARE DE ACREDITAR NO GOVERNO - POR QUE OS BRASILEIROS NÃO CONFIAM NOS
BRUNO GARSCHAGEN
RECORD
(2015)
R$ 40,90



UM DIA NA VIDA DO SÉCULO XXI - 1654
ARTHUR C. CLARKE
NOVA FRONTEIRA
(1989)
R$ 10,00



A ECONOMIA DE DEUS
JOÃO CÉSAR DAS NEVES
PRINCIPIA
(2001)
R$ 37,00



COMO OBTER RESPOSTA DA SUA ORAÇÃO
ROZANE CUNHA
BELLO PUBLICACOES
(2010)
R$ 16,99



A MORENINHA - 11ª EDIÇÃO
JOAQUIM MANUEL DE MACEDO
MELHORAMENTOS
(1965)
R$ 7,00



CINEASTAS, DO NOSSO TEMPO
PATRÍCIA MOURÃO E PEDRO M GUIMARÃES (ORGS)
AROEIRA (SP)
(2012)
R$ 17,28



REI MOCHO, O - VOL.1 - COLEÇÃO CONTOS DE MOÇAMBIQUE
UNGULANI BA KA KHOSA
KAPULANA
(2016)
R$ 23,86



OS DIREITOS DAS MULHERES
VICTORIA PARKER ILUSTRADO POR ANDREW MCINTYRE
GRADIVA
(1996)
R$ 34,70





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês