Canção de som e fúria | Carina Destempero | Digestivo Cultural

busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> A Flip como Ela é... I
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Segunda-feira, 14/10/2013
Canção de som e fúria
Carina Destempero
+ de 4300 Acessos

"A vida é uma história contada por um idiota, cheia de som e fúria, que nada significa."

William Shakespeare

Sempre buscamos uma fórmula qualquer para viver, para fazer tudo certo, de modo que sejamos lembrados quando não mais estivermos aqui. Conformamo-nos até certo ponto com a finitude do corpo, mas não podemos nem pensar em ser esquecidos. Queremos deixar um legado, ser lembrados e, de preferência, reverenciados também. Exaltamos nossos feitos, escondemos os defeitos, manipulamos, escrevemos, apagamos. Alguns dizem que a vida não é literatura, outros que a própria vida daria um livro, e há quem se preocupe mais em escrever uma história do que em vivê-la. Porque viver dá trabalho. Temos que fazer escolhas, assimilar perdas, submetermo-nos ao fato de que há coisas que odiamos e não podemos mudar. E que há coisas que mudam sem nosso consentimento, também.

Acabo de viver algo assim. Pensei em escrever esse texto para falar de um pensamento que já é meu velho conhecido, a oposição entre viver e pensar, mas, ao reler agora a frase de Shakespeare algo novo surge, e uma palavra me toma toda a atenção: "contada". A vida é uma história contada. Tudo que é contado é, também, vivido. Porque o ato de contar implica necessariamente na existência de um outro, alguém que escute, leia, tome parte daquela história e, ao fazê-lo, dê vida a ela. O contar acabou me trazendo também a dimensão da escrita. Escrever é pensar ou viver? Acho que pode ser os dois.

Se você escreve para ser lido, para contar uma história, compartilhar seus pensamentos com o mundo, eu diria que se a escrita se aproxima mais do viver. Mas se é algo isolado, se nada do que você escreve é mostrado ao outro, se é um "prazer solitário" sem consequência alguma, aí seria pensamento. Paralisia. Neurose. Consequência é outra palavra importante nesse assunto. É a consequência, o efeito, que nos mostra que estamos vivos. Só quando algo é compartilhado, quando proporciona interação, novidades. Quer algo mais vivo do que mudar de ideia a partir da opinião de outra pessoa? Ou ainda, ao ouvir alguém repetindo a mesma palavra que você acredita já conhecer tão bem, de repente lhe ocorrer um novo sentido para ela? Por isso contar é viver.

Certa vez escrevi que só no ouvido do outro minhas palavras ganham voz. Talvez seja ainda mais que isso: é só na presença do outro que minhas palavras ganham vida.


Carina Destempero
Rio de Janeiro, 14/10/2013

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Rita Lee Jones (1947-2023) de Julio Daio Borges
02. O Próximo Minuto, por Robson Pinheiro de Ricardo de Mattos
03. O lilás da avenida sou eu de Elisa Andrade Buzzo
04. Não me interrompas, Pilar de Ana Elisa Ribeiro
05. Assim é... de Marta Barcellos


Mais Carina Destempero
Mais Acessadas de Carina Destempero em 2013
01. Senhorita K - 16/12/2013
02. O amor é um jogo que ganha quem se perde - 18/11/2013
03. Canção de som e fúria - 14/10/2013
04. Garanto que você não vai gostar - 6/5/2013
05. Não era pra ser assim - 11/7/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sem Pecado
Ana Miranda
Companhia das Letras
(1993)



Aprendendo o que jamais se ensina- o quê? Como ?
Celso Antunes
Livro Técnico
(2004)



The Open Society and Its Enemies - 2 Volumes
K. R. Popper
Routledge
(1986)



O Natural é Ser Inteligente
Dawna Markova
Summus
(2000)



Tex Desafio de Gigantes
Giannluigi Bonelli
Mythos
(2021)



Canto Para Uma Vida Que Não Faz Sentido
Anasio Silva
Autografia
(2018)



Livro Religião Reparando Erros
Vera Lúcia Marinzeck De Carvalho
Petit
(1998)



O Violoncelista
Kenji Miyazawa
Sm
(2009)



Ensaios do Assombro
Peter Pál Pelbart
N-1
(2019)



A história do futuro de Glory O'Brien
A.S. King
Gutenberg
(2017)





busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês