1964: entre o passado e o futuro | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial 1964-2004

Terça-feira, 13/4/2004
1964: entre o passado e o futuro
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 5800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Brasil, 1° de abril de 1964. Com o exército nas ruas, o País estava prestes a conhecer mais a "página infeliz de nossa História". O desenrolar desse triste enredo todos conhecemos. Após o golpe de 1º de abril, houve o golpe dentro do golpe, em 1968, com o AI-5, que provocou um verdadeiro acinte contra as liberdades civis, com torturas, prisões e mortes dos dissidentes políticos. Quem deseja conhecer esses acontecimentos com detalhes, basta encarar os três volumes da até agora trilogia das Ilusões Armadas, de Elio Gaspari. No entanto, o tema ainda não está completamente esgotado. Não tanto pela perspectiva histórica, mas sim pelo presente, pois, se analisarmos de perto, o golpe de 40 anos atrás deixou marcas que ainda são perenes na nossa sociedade, embora muitos tentem negar isso à exaustão.

Que fique de fora a análise política, assim como qualquer pendenga entre os desenvolvimentistas e os conservadores na seara da economia. Falemos sobre cultura. No Brasil pós-64, a produção cultural ficou, para o bem e para o mal, estigmatizada pela repressão. Mesmo quando o País já vivia sob a ordem democrática, a partir de 1985, todas as artes tinham uma espécie de dever para com o passado. Pior do que isso: esse bloqueio não foi superado. Como conseqüência, volta e meia os sobreviventes dos anos de chumbo sentiam-se, e ainda se sentem, compelidos a externar seu engajamento político nas suas obras.

Assim, mais do que expressar qualquer interesse pelo Belo, os movimentos artísticos subseqüentes ao Golpe de 64 tinham como objetivo denunciar a condição sob a qual o país vivia. Foi assim com as artes visuais, destaque para o movimento conceitual (com suas mostras temáticas e instalações) e para o cenário musical (os festivais ficaram marcados pelas canções de protesto), para citar dois exemplos mais diretos. Contudo, ainda hoje, nota-se uma certa ressonância desse período na literatura, por exemplo, com a predileção dos novos autores em abordar a violência, que era exacerbada no país nos anos mais duros de repressão, como tema principal. Tem-se a impressão que a "estética da violência" tornou-se arquétipo necessário para a descrição de qualquer personagem urbano no Brasil.

Com isso, também a análise teórica (teoria crítica?) teve seu ponto de virada. Aliás, ressalte-se que o mote da vez era ruptura, tanto para os criadores quanto para os críticos. Nada mais valeria a pena ser analisado se não fosse quebrado seu elo para com as vanguardas já estabelecidas. Era "proibido proibir", como dizia a canção. O objetivo era rejeitar tudo aquilo que representava um padrão a ser seguido, pois, segundo essa análise, era um modelo estabelecido de maneira não democrática e que perpetuava, ou reproduzia em outras camadas, um regime ditatorial.

Os intelectuais, por sua vez, a partir desse golpe tiveram sua participação supervalorizada no país, muito graças à perseguição de que muitos (?) foram vítima durante a repressão. Desse modo, qualquer posicionamento, por mais estapafúrdio que seja, tende a ser levado a sério pelo seu séqüito. Exemplo disso foi bem anotado por Eduardo Carvalho, também colunista do Digestivo, a respeito da posição de Emir Sader sobre os atentados terroristas na Espanha em 11 de março. Essa é apenas uma das muitas "teses" produzidas pelos intelectuais bruzundangas, que, no fundo, se mostram muito mais apaixonadas do que fundamentadas em teoria. Nota-se, ainda, que não existe neste cenário um intelectual que não se afirme de esquerda. E, num discurso comum, todos bradam contra "o grande capital, personificado pelo imperialismo ianque."

Enquanto isso, na imprensa, nota-se que, apesar da repressão, sobrou muito jornalista para contar a mesma história da Ditadura. Em certa medida, os leitores percebem um fenômeno comum: os mesmos relatos são recontados ano após ano, mas sem qualquer novidade. Talvez o grande mérito dos livros de Elio Gaspari esteja justamente aí: apresentam um arquivo que era desconhecido do grande público e que, com o auxílio de outros livros, dão outro panorama do período. No mais, nada de novo sob o sol. Os jornais até que tentaram, mas trouxeram novidades velhas, conforme escreveu o jornalista Ricardo Setti no "Nominimo". Afora isso, é preciso lembrar, como disse Mino Carta em entrevista ao site da AOL, que a grande imprensa se mostrava favorável ao golpe militar naquela época. Com efeito, é uma página que os jornais preferem deixar de lado, ressaltando apenas sua oportuna participação nas Diretas-Já.

O Brasil ainda não superou de todo o que aconteceu naquele primeiro de abril. E não é por falta de memória, como gostam de acusar alguns. O grande entrave, ao que parece, é a impossibilidade de pensar no futuro sem se ancorar na mitologia que envolve o Golpe. Um grande passo para mudar esse cenário é ouvir com atenção uma das letras de Chico Buarque, que serve, aliás, até hoje como "canção de protesto". "Apesar de você, amanhã há de ser outro dia".

O amanhã já chegou.


Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 13/4/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crônica em sustenido de Ana Elisa Ribeiro
02. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição de Ana Elisa Ribeiro
03. De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho de Renato Alessandro dos Santos
04. Era uma casa nada engraçada de Cassionei Niches Petry
05. K 466 de Renato Alessandro dos Santos


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2004
01. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
02. Teoria da Conspiração - 10/2/2004
03. Cem anos de música do cinema - 8/6/2004
04. Eleições Americanas – fatos e versões - 9/11/2004
05. Música instrumental brasileira - 12/10/2004


Mais Especial 1964-2004
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/4/2004
10h15min
Belíssimo texto, criticando o periodo da ditadura brasileira. Vou comprar esta trilogia para conhecer um pouco mais e tentar entender este período nefasto da História brasileira. O genial Chico Buarque, além desta música, também é autor de Carolina, meu caro amigo, Cálice e outras perolas da mpb, criticando os uniformizados. Obs: O Digestivo é, sem dúvida, o que nós temos de melhor na net, em todos os seguimentos culturais! Parabéns!!! Um abraco a todos. Milton.
[Leia outros Comentários de Milton Moreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UNIVERSO ELÉTRICO
DAVID BODANIS
RECORD
(2008)
R$ 95,00



INICIAÇÃO À MÚSICA
MAURICE EMMANUEL
GLOBO
(1954)
R$ 15,00



PINTANDO COM AQUARELA - MAGALI E CASCÃO
MAURÍCIO DE SOUSA
ONLINE
(2016)
R$ 22,00



PREPARAÇÃO À LINGUÍSTICA ROMÂNICA
SILVIO ELIA
AO LIVRO TÉCNICO
(1979)
R$ 20,00



CHUTA O JOÃOZINHO PRA CÁ
PEDRO BLOCK
EDIOURO
(1978)
R$ 6,00



TÚNEIS
RODERICK GORDON / BRIAN WILLIAMS
ROCCO
(2008)
R$ 25,32



LAVAGEM DE DINHEIRO
LEVY EMANUEL MAGNO; CASSIO ROBERTO CONSERINO
ATLAS
(2011)
R$ 50,00



VIDA E SEXO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
FEB
(1971)
R$ 10,00



AS ORIGENS DA RELIGIÃO
CHARLES HAINCHELIN
HEMUS
(1971)
R$ 25,82



INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE 5
ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO
FIOCRUZ
(2010)
R$ 9,80





busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês