Os benefícios da dúvida | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
>>> ARNS | De ESPERANÇA em ESPERANÇA || MAS/SP
>>> IAE convida Geovanni Lima para conversar sobre bullying, performance e processos de criação
>>> UP CONTEMPORANEA e SP INSPIRA ARTE || Art Lab Gallery
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> Café com crítica cultural
>>> Vagas Llosa no YouTube
>>> A Esfinge do Rock
>>> Publicidade e formação política
>>> A visão certa
>>> Questão de gosto ou de educação?
>>> Matar e morrer pra viver
>>> Sine Papa
>>> Palestra: Marco Antônio Villa
Mais Recentes
>>> Estudos de Psicologia - Volume 31 - nº 2 de Vários autores pela Puc (2014)
>>> 1000 Receitas de Cozinha Portuguesa de Vários autores pela Girassol (1989)
>>> Enciclopédia do Estudante - Ecologia - Ecossistemas e Desenvolvimento Sustentável de Vários autores pela Moderna (2008)
>>> Crianças com Distúrbios de Aprendizagem - Diagnóstico, Medicação, Educação de Lester Tarnopol pela Edart (1980)
>>> A Revolução dos Bichos 9ª edição. série paradidática globo de George Orwell pela Globo (1980)
>>> O Moderno Conto Brasileiro: Antologia Escolar de João Antônio (organização) pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Casa de Pensão Série Bom Livro edição. didática de Aluísio Azevedo pela Ática
>>> O Guarani - Série Bom Livro de José de Alencar pela Ática (1971)
>>> Como Atua o Carma de Rudolf Steiner pela Antroposófica (1998)
>>> Louvores e Preces a Maria, Nossa Mãe de Moisés Viana pela Paulus (2005)
>>> O Outro Lado da Memória de Beatriz Cortes pela Novo Seculo (2014)
>>> Não Sou Este Tipo de Garota de Siobhan Vivian pela Novas Páginas (2011)
>>> Fonoaudiologia e Educação - Um encontro Histórico de Ana Paula Berberian pela Plexus (1995)
>>> Quando a Lua Surgir - Bianca Romances de Lori Handeland pela Nova Cultural (2006)
>>> Ansiedade - Como enfrentar o mal do século de Augusto Cury pela Saraiva (2013)
>>> Superdicas para um Trabalho de Conclusão de Curso Nota 10 de Rachel Polito pela Saraiva (2017)
>>> A Crise de 1929 ( Pocket ) de Bernard Gazier pela L&Pm Editores (2009)
>>> Tudo Depende de Como Você vê as Coisas de Norton Juster pela Companhia Das Letras (2007)
>>> São Bernardo 25ª edição. de Graciliano Ramos pela Record (1975)
>>> Princípios da Filosofia do Direito de Hegel pela Martins Fontes (1976)
>>> O Tronco do Ipê - Clássicos Brasileiros categoria estrela 1227 de José de Alencar (notas de M Cavalcanti Proença) pela Ouro
>>> Violência Contra a Mulher - Aspectos Gerais e Questões Práticas da Lei 11.340/2006 de Dominique de Paula Ribeiro pela Gazeta Jurídica (2013)
>>> A Sabedoria de Gandhi de Richard Attenborough pela Sextante (2008)
>>> Vida de Jesus - Origens do Cristianismo de Ernest Renan pela Martin Claret (2006)
>>> The Landmark Dictionary Para Estudantes Brasileiros de Inglês de Arnon Hollaender; Sidney Sanders pela Richmond (2009)
COLUNAS

Quarta-feira, 13/10/2004
Os benefícios da dúvida
Daniela Sandler

+ de 3000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O segundo debate entre os candidatos à presidência dos Estados Unidos, na sexta-feira passada, repetiu os temas do primeiro encontro e condensou novamente os impasses da campanha de John Kerry e George W. Bush. Kerry e Bush gravitaram em torno da guerra no Iraque, sem, no entanto, acrescentar muito para além da troca de acusações e defesas que vem se tornando a ladainha dos dois candidatos. Bush repete o bordão de que Kerry é indeciso e muda muito de opinião - flip-flopper é o xingamento de ordem. Kerry revida acusando Bush de ter entrado em guerra sem um plano para conquistar a paz. Enquanto os candidatos se entregam, com maior ou menor sucesso, ao argumento vicioso, outros tópicos cruciais escorrem pelas frestas, como saúde, previdência social, recessão econômica, reforma tributária e evasão fiscal, desarmamento e meio-ambiente - para citar apenas alguns.

A perspectiva de Bush, como ele mesmo coloca, é simples: a questão mais importante para os Estados Unidos é se defender de ataques terroristas, e todo o resto é secundário. O "Onze de Setembro", segundo ele, mudou o mundo para sempre. O que antes era uma preocupação de inteligência defensiva agora requer ações militares de ataque. Daí a iniciativa de guerra no Iraque ter rapidamente roubado o foco da caçada à Al Qaeda no Afeganistão. A atitude beligerante de Bush foi acolhida pela população americana graças ao impacto dos aviões suicidas de Osama bin Laden. O maior ataque inimigo em terra americana revolveu as entranhas patrióticas de seu povo, surpreendido pela própria vulnerabilidade e pelo tremendo antiamericanismo no resto do mundo. O misto de medo e orgulho ferido fez a retórica de Bush soar como bom senso, e o ataque ao Iraque entrou para o imaginário popular como parte da necessária guerra ao terror.

Não importa que críticos dentro e fora do país tivessem, mesmo à época do início da guerra, apontado a falta de conexão direta entre Saddam Hussein e Osama bin Laden. Também não importa a ausência de armas de destruição em massa no Iraque, pretexto da invasão armada. Os oponentes de Bush agora insistem nesses pontos para tentar evitar a reeleição do presidente, mas erram no alvo: para boa parte dos norte-americanos, a guerra se justifica pela mera hipótese de perigo. Bush tem um talento imenso para reassegurar seu povo e ganhar sua confiança, falando a língua simples do nacionalismo e dos chavões - "luta pela liberdade", "bastião radiante da democracia." É como um pai que toma atitudes drásticas sem revelar suas razões, dizendo aos filhos apenas que "é para o seu bem". Os bastidores da guerra são coisa secreta, para gente especializada e de alto escalão - essa é a mensagem que Bush manda ao desdenhar das críticas de Kerry com respostas do gênero "Você não sabe como é duro nosso trabalho na Casa Branca", sem se preocupar em explicar como é esse trabalho.

Além disso, a guerra tem efeito catártico. A performance dos soldados americanos, suas proezas de força e tecnologia, afirmam o poderio norte-americano, botando banca no mundo e mostrando quem é que manda. O número de soldados mortos sobe, mas a raiva não se dirige a Bush, e sim aos terroristas do Iraque - alimentando ainda mais a vontade de guerrear. Os soldados entoam o refrão de lutar pela pátria, e em casa seus compatriotas hasteiam bandeiras como gestos de vitória, com a satisfação de quem torce por um time de esporte. O "Onze de Setembro" feriu a nação, mas pouco tempo foi dedicado ao luto: nada como agredir alguém para esquecer a própria dor.

As duas Américas

O problema é que a dor americana é maior que o ataque da Al Qaeda. A destruição foi de fato horrenda, e sem dúvida a ameaça terrorista é real. Mas o país sofre de outros problemas, disfarçados talvez na época de prosperidade econômica de Bill Clinton, e trazidos novamente à tona na recessão dos últimos quatro anos: contrastes sociais, ou o que o senador e candidato à vice-presidência John Edwards chama de "duas Américas." A falta de uma rede de segurança social pública, que ofereça serviços médicos e aposentadoria, faz com que a maioria dos americanos tenha de recorrer a empresas privadas com custos cada vez maiores. Para quem ganha muito dinheiro - no mercado financeiro, nas corporações cada vez maiores, em entretenimento - isso não é problema. Mas para trabalhadores, pequenos agricultores ou desempregados, o custo é proibitivo. O critério para receber ajuda pública (o chamado "Medicare") é tão rígido que exclui boa parte das pessoas que vivem na pobreza.

As disparidades sociais se estendem à educação superior, ao acesso a habitação e a oportunidades de trabalho. Enquanto cidades como Nova York e Los Angeles concentram investimentos e riqueza, regiões inteiras sofrem com estagnação ou depressão econômica, do Deep South a Upstate New York. A indústria engorda os salários no topo dos conglomerados de mídia, de fármacos, de agribusiness, enquanto o trabalho pesado é feito a troco de quase nada por imigrantes ilegais ou em países em desenvolvimento. Desemprego, recessão e alto custo de vida afetaram não só as classes baixas, como também os setores médios.

As contradições não param nos contrastes econômicos. Os Estados Unidos vivem numa esquizofrenia ética e moral. Os conservadores republicanos, representados pelo governo Bush, atacam raivosamente o direito ao aborto, o casamento gay ou a pesquisa científica com células-tronco (técnica ainda experimental que pode usar células embrionárias para tratar males hoje incuráveis como câncer ou lesões neurológicas). Os republicanos justificam esse ataque citando valores religiosos como a defesa da vida. Ao mesmo tempo, defendem a pena de morte e o porte de armas, cujo poder destrutivo e conflito moral representam a destruição (e não a defesa) da vida. A ideologia conservadora se baseia na autonomia individual e na mínima intervenção do governo; no entanto, a liberdade de casar com alguém do mesmo sexo ou eliminar uma gravidez indesejada é tolhida. O "bastião da democracia e da liberdade" vem sendo sufocado por medidas repressivas e invasivas de segurança desde que o "Patriot Act" foi promulgado depois do Onze de Setembro. Para dar uma idéia, um artista plástico foi preso e teve suas obras e materiais confiscados sob a acusação sumária de suspeita de terrorismo. O artista desenvolvia seu trabalho com equipamentos de laboratório, mas daí a prendê-lo sob a acusação de desenvolver armas biológicas é um salto imenso que denota o clima atual do país.

Subterfúgio

Falar de guerra distrai desses assuntos. O primeiro debate, é verdade, foi dedicado a relações internacionais - mas é triste que elas tenham sido reduzidas ao conflito no Iraque e ao papel dos Estados Unidos como polícia do mundo (que tal redefinir o papel do país como força de desenvolvimento, de ajuda humanitária, financeira ou de conquista da paz?). Já o segundo debate foi aberto ao público, livre para perguntar sobre qualquer tema - e não só a maioria das perguntas se concentrou na guerra, como as declarações dos candidatos voltaram ao assunto mesmo quando a questão era diversa. O monopólio do tema extrapola os debates. Não é a primeira vez que governantes usam guerra para desviar a atenção de problemas nacionais internos e congregar a opinião pública em assentimento e aprovação. Essa crítica foi feita em relação à guerra nas Malvinas de Margaret Thatcher, ou mesmo à intervenção de Bill Clinton em Kosovo (na época do escândalo com Monica Lewinski).

Que não se pense, no entanto, que Bush conta com apoio unânime e irrestrito da nação. Essa visão um tanto ingênua tem alimentado os sentimentos antiamericanos no Brasil e na Europa. É preciso repetir que há enorme parcela da população que não apenas se opõe às políticas de Bush, como se engaja concretamente em movimentos e demonstrações de oposição. A eleição promete ser disputada de perto, voto a voto, como em 2000, dando sentido especial à afirmação de Edwards sobre as duas Américas: uma nação profundamente dividida em sua orientação política e ideológica, em que o próximo presidente terá de enfrentar oposição e descontentamento fortes, não importa quem vença.

Realismo em cheque

O desafio de Kerry para conquistar o eleitorado indeciso - que pode definir a eleição - será transformar seu discurso elaborado e complexo em termos simples e bruscos como os do atual presidente. Os argumentos de Kerry são nuançados e sutis demais para o ritmo rápido e superficial dos debates; seu vocabulário e exemplos soam complicados. Por exemplo, Kerry chamou o programa de qualidade do ar de Bush de "Orwelliano" - George Orwell não é exatamente uma referência na boca do povo. Al Gore enfrentou o mesmo problema diante de Bush em 2000 e perdeu. O eleitorado o considerava distante e elitista demais, enquanto Bush - com sua gramática deficiente, pausas constrangedoras e sentenças de três palavras - revelou falar a linguagem das massas.

Por fim, o sucesso de Bush com certa parcela da população se apóia no elogio da certeza: tomar decisões sem hesitar, firmar pé numa posição mesmo quando as circunstâncias se revelam diferentes do imaginado. A idéia é que é melhor agir com determinação, mesmo estando enganado, do que mudar de opinião e revelar incerteza. O ponto fraco de Kerry, cujas votações no Senado revelam mudança de posição e contrastam com suas declarações atuais, é justamente a inconsistência. No entanto, as premissas duvidosas que levaram à guerra no Iraque, e seus atuais reveses, põem em cheque a obstinação intransigente do governo americano e sua inflexibilidade diante dos fatos. Mais que isso: o clima de perseguição e caça-às-bruxas, em que críticas ao governo são interpretadas como antipatrióticas, é um sinal sombrio de autoritarismo e repressão. Na terra que cultua, teoricamente, a liberdade de expressão, talvez seja hora de reconhecer os benefícios da dúvida.


Daniela Sandler
Riverside, 13/10/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O momento do cinema latino-americano de Humberto Pereira da Silva
02. Por que Harry Potter é boa literatura de Fernanda Prates
03. O ódio on-line de Gian Danton


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2004
01. Olá, Lênin! - 10/3/2004
02. Brasil em alemão - 7/7/2004
03. Muros em Berlim, quinze anos depois - 24/11/2004
04. Dia D, lembrança e esquecimento - 9/6/2004
05. Fritas acompanham? - 18/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/10/2004
01h42min
Excelente o artigo a cerca da politica atual americana as vesperas da eleicao para presidente no dia 2 de Novembro entre os 2 candidatos atuais. George W. Bush atual presidente, conservador e representante do partido Republicano, enfrentando John Kerry, senador liberal representando o partido Democrata. Para o leitor que se encontra fora dos EUA esta analise nao poderia ter sido mais clara. Obrigado pela oportunidade. Edson Cadette
[Leia outros Comentários de edson cadette]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Comunicación de Masas e Imperialismo Yanqui
Herbert I. Schiller
Gustavo Gili
(1976)



Amor Numa Rua Escura
Irwin Shaw
Nova Cultural
(1988)



Geração Alpha - Matemática - 8º Ano
Carlos N. C. de Oliveira; Felipe Fugita
Sm Didáticos
(2017)



O Mundo Vai Acabar Em 2012?
Raymond C. Hundley
Thomas Nelson Brasil
(2010)



O eu dividido: estudo existêncial da sanidade e da loucura
R. D. Laing
Vozes
(1987)



Curso de Direito Comercial - Direito de Empresa 3
Fábio Ulhoa Coelho
Saraiva
(2013)



Chico Bento Moço- O Manto Misterioso
Mauricio de Sousa
Panini Comics
(2015)



Globalização, Justiça & Segurança Humana - Capacitação para a compreensão dos grandes desafios do
Robério Nunes Dos Anjos Filho (Org.)
Esmpu - série pós-graduação
(2011)



Cebolinha - Pense Em uma Coisa Bem Boa - Nº 95
Mauricio de Sousa
Panini Comics



Meu Filho é uma Bagunça
Martin L. Kutschere
Harper Collins
(2014)





busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês