Os benefícios da dúvida | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Someone On Your Side
>>> No cotidiano de alguém
>>> A batalha perdida do pastor
>>> Um governo que nasceu morto
>>> Wikia Search
>>> A difícil arte de viver em sociedade
>>> Ações culturais
>>> A história do amor
>>> Além do Mais
>>> Derrotado
Mais Recentes
>>> O filósofo e sua história de Michael B. Wringley (org.) pela Fapesp (2003)
>>> Cadernos de Tradução de Núcleo de Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina (1999)
>>> Afro Ásia 41 de Centro de Estudos Afro Orientais pela Universiadade Federal da Bahia (2011)
>>> A democracia ameaçada: o MST, o teológico político e a liberdade de Denis Lerrer Rosenfield pela Top books (2006)
>>> Onde existe amor, Deus aí está de Tolstói pela Versus (2001)
>>> Unidos pelo casamento de Rinaldo Seixas pela Mundo Cristão (2014)
>>> Sempre, às vezes, nunca de Fábio Arruda pela Arx (2003)
>>> Educação Geográfica em movimento de Larissa Corrêa Firmino (org.) pela Fapesc (2010)
>>> Sobre moeda, método e Keynes de Victoria Chick pela Unicamp (2010)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 04 de Ufsc pela Cidade Futura (2004)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 04 de Ufsc pela Cidade Futura (2004)
>>> A Trama da Privatização - a Reestruturação Neoliberal do Estado de Waldir J. Rampinelli pela Insular (2001)
>>> A Trama da Privatização - a Reestruturação Neoliberal do Estado de Waldir J. Rampinelli pela Insular (2001)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 12 de Ufsc pela Cidade Futura (2008)
>>> O Bom Ladrão de Hannah Tinti pela Rocco (2011)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 03 de Ufsc pela Cidade Futura (2003)
>>> Um Grapiúna Em Frankfurt de Cyro de Mattos pela Dobra (2019)
>>> Biblioteca Universitária da Ufsc: Memória Oral e Documental de Ieda Maria de Souza / Joseane Chagas e Outros pela Ufsc (2002)
>>> Grávida Com Estilo: um Manual Como Se Vestir - de Christiana Francini pela Alegro (2004)
>>> Arte Contemporânea Em Santa Catarina de João Evangelista de Andrade Fo - Organizador pela Museu de Arte de Santa Catarin (2001)
>>> O Peru Indutivista Temas de Filosofia de Marconi Oliveira da Silva pela Ufpe (2014)
>>> Terceiro Setor: um Estudo Comparado Entre Brasil e Eua de Simone de Castro Tavares Coelho pela Senac (2002)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Dores Ocultas de Juliana Bueno pela Outras Linhas (2012)
>>> Silêncios de Paz e Guerra de Conrrado Balduccini pela Autor (2013)
>>> A Prática da Conversão Pastoral de Heije Faber e Ebel Van Der Schoot pela Sinodal (1973)
>>> Aprendendo a terapia cognitivo-comportamental - um guia ilustrado de Jesse H, Wright, Monica R. Basco, Michael E. Thase pela Artmed (2008)
>>> Crítica da Razão Existencial de João Arthur Fortunato pela Autor (1998)
>>> Liderança e Dinâmica de Grupo de George M. Beal e Outros pela Zahar (1972)
>>> Instituições do Processo Civil - Volumes I -ll - Ill de Francesco Carnelutti pela Classic Book (2000)
>>> Perícia Judicial para Fisioterapeutas de José Ronaldo Veronesi Junior pela Andreoli (2013)
>>> A Cruz e o Punhal de David Wilkerson/ John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (1983)
>>> Só para Mulheres de Sonia Hirsch pela Correcotia (2000)
>>> Papai é Pop de Marcos Piangers pela Belas Letras (2015)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Típica Vaticana de Edições Loyola Jesuítas pela Edições Loyola Jesuítas (2000)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Revisada de Acordo Com o Texto... de Loyola pela Loyola (1999)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel Gárcia Marquez pela : Record
>>> Biologia do Desenvolvimento de Scott F. Gilbert pela Sociedade Brasileira de Genéti (1994)
>>> Energia, Ambiente & Mídia - Qual é a Questão de Vânia Mattozo pela Ufsc (2005)
>>> Montando Estórias de Milton Neves pela Ibrasa (1996)
>>> Terra á Vista... e ao Longe de Maria Ignez Silveira Paulilo pela Daufsc (1998)
>>> Conhecendo Sua Coluna - Informações Científicas para o Leigo de Dr. Fernando Schmidt e Dr. Ernani Abreu (org.) pela Conceito (2004)
>>> Modernidade Com Ética de Cristovam Buarque pela Revan (1998)
>>> Metodologia do Ensino de Artes - Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2010)
>>> Vocabulário do Charadista - Volume 1 de Sylvio Alves pela Livraria Acadêmica
>>> Dissolução do Casamento de Valdemar P. da Luz pela Conceito (2007)
>>> Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2008)
>>> Guia Gladiadores 01 de Claudio Blanc (Editorial) pela On Line
COLUNAS

Quarta-feira, 13/10/2004
Os benefícios da dúvida
Daniela Sandler

+ de 2400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O segundo debate entre os candidatos à presidência dos Estados Unidos, na sexta-feira passada, repetiu os temas do primeiro encontro e condensou novamente os impasses da campanha de John Kerry e George W. Bush. Kerry e Bush gravitaram em torno da guerra no Iraque, sem, no entanto, acrescentar muito para além da troca de acusações e defesas que vem se tornando a ladainha dos dois candidatos. Bush repete o bordão de que Kerry é indeciso e muda muito de opinião - flip-flopper é o xingamento de ordem. Kerry revida acusando Bush de ter entrado em guerra sem um plano para conquistar a paz. Enquanto os candidatos se entregam, com maior ou menor sucesso, ao argumento vicioso, outros tópicos cruciais escorrem pelas frestas, como saúde, previdência social, recessão econômica, reforma tributária e evasão fiscal, desarmamento e meio-ambiente - para citar apenas alguns.

A perspectiva de Bush, como ele mesmo coloca, é simples: a questão mais importante para os Estados Unidos é se defender de ataques terroristas, e todo o resto é secundário. O "Onze de Setembro", segundo ele, mudou o mundo para sempre. O que antes era uma preocupação de inteligência defensiva agora requer ações militares de ataque. Daí a iniciativa de guerra no Iraque ter rapidamente roubado o foco da caçada à Al Qaeda no Afeganistão. A atitude beligerante de Bush foi acolhida pela população americana graças ao impacto dos aviões suicidas de Osama bin Laden. O maior ataque inimigo em terra americana revolveu as entranhas patrióticas de seu povo, surpreendido pela própria vulnerabilidade e pelo tremendo antiamericanismo no resto do mundo. O misto de medo e orgulho ferido fez a retórica de Bush soar como bom senso, e o ataque ao Iraque entrou para o imaginário popular como parte da necessária guerra ao terror.

Não importa que críticos dentro e fora do país tivessem, mesmo à época do início da guerra, apontado a falta de conexão direta entre Saddam Hussein e Osama bin Laden. Também não importa a ausência de armas de destruição em massa no Iraque, pretexto da invasão armada. Os oponentes de Bush agora insistem nesses pontos para tentar evitar a reeleição do presidente, mas erram no alvo: para boa parte dos norte-americanos, a guerra se justifica pela mera hipótese de perigo. Bush tem um talento imenso para reassegurar seu povo e ganhar sua confiança, falando a língua simples do nacionalismo e dos chavões - "luta pela liberdade", "bastião radiante da democracia." É como um pai que toma atitudes drásticas sem revelar suas razões, dizendo aos filhos apenas que "é para o seu bem". Os bastidores da guerra são coisa secreta, para gente especializada e de alto escalão - essa é a mensagem que Bush manda ao desdenhar das críticas de Kerry com respostas do gênero "Você não sabe como é duro nosso trabalho na Casa Branca", sem se preocupar em explicar como é esse trabalho.

Além disso, a guerra tem efeito catártico. A performance dos soldados americanos, suas proezas de força e tecnologia, afirmam o poderio norte-americano, botando banca no mundo e mostrando quem é que manda. O número de soldados mortos sobe, mas a raiva não se dirige a Bush, e sim aos terroristas do Iraque - alimentando ainda mais a vontade de guerrear. Os soldados entoam o refrão de lutar pela pátria, e em casa seus compatriotas hasteiam bandeiras como gestos de vitória, com a satisfação de quem torce por um time de esporte. O "Onze de Setembro" feriu a nação, mas pouco tempo foi dedicado ao luto: nada como agredir alguém para esquecer a própria dor.

As duas Américas

O problema é que a dor americana é maior que o ataque da Al Qaeda. A destruição foi de fato horrenda, e sem dúvida a ameaça terrorista é real. Mas o país sofre de outros problemas, disfarçados talvez na época de prosperidade econômica de Bill Clinton, e trazidos novamente à tona na recessão dos últimos quatro anos: contrastes sociais, ou o que o senador e candidato à vice-presidência John Edwards chama de "duas Américas." A falta de uma rede de segurança social pública, que ofereça serviços médicos e aposentadoria, faz com que a maioria dos americanos tenha de recorrer a empresas privadas com custos cada vez maiores. Para quem ganha muito dinheiro - no mercado financeiro, nas corporações cada vez maiores, em entretenimento - isso não é problema. Mas para trabalhadores, pequenos agricultores ou desempregados, o custo é proibitivo. O critério para receber ajuda pública (o chamado "Medicare") é tão rígido que exclui boa parte das pessoas que vivem na pobreza.

As disparidades sociais se estendem à educação superior, ao acesso a habitação e a oportunidades de trabalho. Enquanto cidades como Nova York e Los Angeles concentram investimentos e riqueza, regiões inteiras sofrem com estagnação ou depressão econômica, do Deep South a Upstate New York. A indústria engorda os salários no topo dos conglomerados de mídia, de fármacos, de agribusiness, enquanto o trabalho pesado é feito a troco de quase nada por imigrantes ilegais ou em países em desenvolvimento. Desemprego, recessão e alto custo de vida afetaram não só as classes baixas, como também os setores médios.

As contradições não param nos contrastes econômicos. Os Estados Unidos vivem numa esquizofrenia ética e moral. Os conservadores republicanos, representados pelo governo Bush, atacam raivosamente o direito ao aborto, o casamento gay ou a pesquisa científica com células-tronco (técnica ainda experimental que pode usar células embrionárias para tratar males hoje incuráveis como câncer ou lesões neurológicas). Os republicanos justificam esse ataque citando valores religiosos como a defesa da vida. Ao mesmo tempo, defendem a pena de morte e o porte de armas, cujo poder destrutivo e conflito moral representam a destruição (e não a defesa) da vida. A ideologia conservadora se baseia na autonomia individual e na mínima intervenção do governo; no entanto, a liberdade de casar com alguém do mesmo sexo ou eliminar uma gravidez indesejada é tolhida. O "bastião da democracia e da liberdade" vem sendo sufocado por medidas repressivas e invasivas de segurança desde que o "Patriot Act" foi promulgado depois do Onze de Setembro. Para dar uma idéia, um artista plástico foi preso e teve suas obras e materiais confiscados sob a acusação sumária de suspeita de terrorismo. O artista desenvolvia seu trabalho com equipamentos de laboratório, mas daí a prendê-lo sob a acusação de desenvolver armas biológicas é um salto imenso que denota o clima atual do país.

Subterfúgio

Falar de guerra distrai desses assuntos. O primeiro debate, é verdade, foi dedicado a relações internacionais - mas é triste que elas tenham sido reduzidas ao conflito no Iraque e ao papel dos Estados Unidos como polícia do mundo (que tal redefinir o papel do país como força de desenvolvimento, de ajuda humanitária, financeira ou de conquista da paz?). Já o segundo debate foi aberto ao público, livre para perguntar sobre qualquer tema - e não só a maioria das perguntas se concentrou na guerra, como as declarações dos candidatos voltaram ao assunto mesmo quando a questão era diversa. O monopólio do tema extrapola os debates. Não é a primeira vez que governantes usam guerra para desviar a atenção de problemas nacionais internos e congregar a opinião pública em assentimento e aprovação. Essa crítica foi feita em relação à guerra nas Malvinas de Margaret Thatcher, ou mesmo à intervenção de Bill Clinton em Kosovo (na época do escândalo com Monica Lewinski).

Que não se pense, no entanto, que Bush conta com apoio unânime e irrestrito da nação. Essa visão um tanto ingênua tem alimentado os sentimentos antiamericanos no Brasil e na Europa. É preciso repetir que há enorme parcela da população que não apenas se opõe às políticas de Bush, como se engaja concretamente em movimentos e demonstrações de oposição. A eleição promete ser disputada de perto, voto a voto, como em 2000, dando sentido especial à afirmação de Edwards sobre as duas Américas: uma nação profundamente dividida em sua orientação política e ideológica, em que o próximo presidente terá de enfrentar oposição e descontentamento fortes, não importa quem vença.

Realismo em cheque

O desafio de Kerry para conquistar o eleitorado indeciso - que pode definir a eleição - será transformar seu discurso elaborado e complexo em termos simples e bruscos como os do atual presidente. Os argumentos de Kerry são nuançados e sutis demais para o ritmo rápido e superficial dos debates; seu vocabulário e exemplos soam complicados. Por exemplo, Kerry chamou o programa de qualidade do ar de Bush de "Orwelliano" - George Orwell não é exatamente uma referência na boca do povo. Al Gore enfrentou o mesmo problema diante de Bush em 2000 e perdeu. O eleitorado o considerava distante e elitista demais, enquanto Bush - com sua gramática deficiente, pausas constrangedoras e sentenças de três palavras - revelou falar a linguagem das massas.

Por fim, o sucesso de Bush com certa parcela da população se apóia no elogio da certeza: tomar decisões sem hesitar, firmar pé numa posição mesmo quando as circunstâncias se revelam diferentes do imaginado. A idéia é que é melhor agir com determinação, mesmo estando enganado, do que mudar de opinião e revelar incerteza. O ponto fraco de Kerry, cujas votações no Senado revelam mudança de posição e contrastam com suas declarações atuais, é justamente a inconsistência. No entanto, as premissas duvidosas que levaram à guerra no Iraque, e seus atuais reveses, põem em cheque a obstinação intransigente do governo americano e sua inflexibilidade diante dos fatos. Mais que isso: o clima de perseguição e caça-às-bruxas, em que críticas ao governo são interpretadas como antipatrióticas, é um sinal sombrio de autoritarismo e repressão. Na terra que cultua, teoricamente, a liberdade de expressão, talvez seja hora de reconhecer os benefícios da dúvida.


Daniela Sandler
Riverside, 13/10/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dois em um de Rennata Airoldi


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2004
01. Olá, Lênin! - 10/3/2004
02. Brasil em alemão - 7/7/2004
03. Muros em Berlim, quinze anos depois - 24/11/2004
04. Fritas acompanham? - 18/8/2004
05. Dia D, lembrança e esquecimento - 9/6/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/10/2004
01h42min
Excelente o artigo a cerca da politica atual americana as vesperas da eleicao para presidente no dia 2 de Novembro entre os 2 candidatos atuais. George W. Bush atual presidente, conservador e representante do partido Republicano, enfrentando John Kerry, senador liberal representando o partido Democrata. Para o leitor que se encontra fora dos EUA esta analise nao poderia ter sido mais clara. Obrigado pela oportunidade. Edson Cadette
[Leia outros Comentários de edson cadette]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PASSAGEM PARA RAVENA
JOSE RICARDO MOREIRA
FORMATO
(2004)
R$ 12,00



INFORMÁTICA CESPE UNB
MANUEL MARTINS FILHO
CESPE
(2009)
R$ 23,00



POESIA & UTOPIA
MOISÉS, CARLOS FELIPE
ESCRITURAS
R$ 9,90



CASAS MINIMALISTAS (EDIÇÃO TRILÍNGUE: PORTUGUÊS, ESPANHOL E ITALIANO)
SIMONE SCHLEIFER
EVERGREEN
(2006)
R$ 130,00



FLASH 8 - GUIA AUTORIZADO MACROMEDIA
JAMES ENGLISH
CAMPUS
(2006)
R$ 18,00



CRIMES DE SONEGAÇÃO FISCAL
CLÁUDIO COSTA
REVAN
(2003)
R$ 18,00



SEU PASSAPORTE PARA O SUCESSO
F. ARTHUR CLARK
RECORD
(1984)
R$ 19,90
+ frete grátis



POR QUÊ ADOECEMOS - PRINCÍPIOS PARA A MEDICINA DA ALMA
VÁRIOS AUTORES
AME
(2012)
R$ 50,00



BRASIL ANO 2000 O FUTURO SEM FANTASIA
JOSÉ ITAMAR DE FREITAS
ED. MONTERREY
(1969)
R$ 4,90



TANTOS ANOS
RACHEL DE QUEIROZ / MARIA LUÍZA DE QUEIROZ
INTRÍNSECA
(1998)
R$ 10,00





busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês