Ideologia: você quer uma pra viver? Eu, não | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
35423 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> No cotidiano de alguém
>>> A batalha perdida do pastor
>>> Um governo que nasceu morto
>>> Wikia Search
>>> A difícil arte de viver em sociedade
>>> Ações culturais
>>> A história do amor
>>> Além do Mais
>>> Derrotado
>>> Acabou o governo
Mais Recentes
>>> Aprendendo a terapia cognitivo-comportamental - um guia ilustrado de Jesse H, Wright, Monica R. Basco, Michael E. Thase pela Artmed (2008)
>>> Crítica da Razão Existencial de João Arthur Fortunato pela Autor (1998)
>>> Liderança e Dinâmica de Grupo de George M. Beal e Outros pela Zahar (1972)
>>> Instituições do Processo Civil - Volumes I -ll - Ill de Francesco Carnelutti pela Classic Book (2000)
>>> Perícia Judicial para Fisioterapeutas de José Ronaldo Veronesi Junior pela Andreoli (2013)
>>> A Cruz e o Punhal de David Wilkerson/ John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (1983)
>>> Só para Mulheres de Sonia Hirsch pela Correcotia (2000)
>>> Papai é Pop de Marcos Piangers pela Belas Letras (2015)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Típica Vaticana de Edições Loyola Jesuítas pela Edições Loyola Jesuítas (2000)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Revisada de Acordo Com o Texto... de Loyola pela Loyola (1999)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel Gárcia Marquez pela : Record
>>> Biologia do Desenvolvimento de Scott F. Gilbert pela Sociedade Brasileira de Genéti (1994)
>>> Energia, Ambiente & Mídia - Qual é a Questão de Vânia Mattozo pela Ufsc (2005)
>>> Montando Estórias de Milton Neves pela Ibrasa (1996)
>>> Terra á Vista... e ao Longe de Maria Ignez Silveira Paulilo pela Daufsc (1998)
>>> Conhecendo Sua Coluna - Informações Científicas para o Leigo de Dr. Fernando Schmidt e Dr. Ernani Abreu (org.) pela Conceito (2004)
>>> Modernidade Com Ética de Cristovam Buarque pela Revan (1998)
>>> Metodologia do Ensino de Artes - Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2010)
>>> Vocabulário do Charadista - Volume 1 de Sylvio Alves pela Livraria Acadêmica
>>> Dissolução do Casamento de Valdemar P. da Luz pela Conceito (2007)
>>> Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2008)
>>> Guia Gladiadores 01 de Claudio Blanc (Editorial) pela On Line
>>> As Origens das Civilizações Arqueologia e História de Ruth Whitehouse John Wilkins pela Folio (2007)
>>> The Mobile Wave de Michael Saylor pela Vanguard Press (2012)
>>> Uma Breve História do Cristianismo de Geoffrey Blaine pela Fundamento (2012)
>>> O Livro dos Evangelhos de Emídio Silva Falcão Brasileiro pela Boa Nova (2006)
>>> Pablo Neruda Antologia General Edición Conmemorativa de Pablo Neruda pela Alfaguara (2010)
>>> A Luz da Vida de Dong Yu Lan pela Árvore da Vida (1999)
>>> VI Seminário de Estudos Mineiros A Revolução de 1930 de Bonifácio de Andrada e Outros pela Ufmg Proed (1987)
>>> O Texto na Sala de Aula de João Wanderley Geraldi e Outros pela Ática (2004)
>>> O Quilombismo de Abdias do Nascimento pela Vozes (1980)
>>> História da Burguesia Brasileira de Nelson Werneck Sodré pela Vozes (1983)
>>> O Método Estruturalista de Claude Lévis Strauss e Outros pela Zahar (1967)
>>> Prestes: Lutas e Autocríticas de Dênis de Moraes Francisco Viana pela Vozes (1982)
>>> Os Ratos de Dyonelio Machado pela Ática (1992)
>>> Os Sindicatos e o PTB Estudo de Um Caso em Minas Gerais de Maria Andréa Loyola pela Vozes (1980)
>>> Raças e Classes Sociais no Brasil de Octavio Ianni pela Civilização Brasileira (1972)
>>> Desenvolvimento das Áreas Marginais Latino Americanas de Dalton Daemon pela Vozes (1974)
>>> O Projeto Jari e os Capitais Estrangeiros na Amazônia de Irene Garrido Filha pela Vozes (1980)
>>> Compreensão e Finitude de Ernildo Stein pela Unijuí (2001)
>>> O Prazer da Produção Científica de Israel Belo de Azevedo pela Unimep (1998)
>>> Bumba Meu Boi no Maranhão de Américo Azevedo Neto pela Alumar (1997)
>>> Estudos Italianos no Brasil I de Instituto Italiano di Cultura pela Instituto Italiano di Cultura (1966)
>>> Guia de Viagem Portugal de Fiona Dunlop pela National Geographic (2008)
>>> O Evangelho Secreto da Virgem Maria de Santiago Martín pela Paulus
>>> Yoga da Sabedoria de Jnana Yoga pela Pensamento
>>> A Tomada da Ford O Nascimento de um Sindicato Livre de José Carlos Aguiar Brito pela Vozes (1983)
>>> Sociologia do Turismo de Jost Krippendorf pela Civilização Brasileira (1989)
>>> No Mundo da Lua Perguntas e Respostas de Paulo Mattos pela Lemos (2003)
>>> Rimas Baldias de Antonio Mazzetto pela Livro Azul (1908)
COLUNAS

Sexta-feira, 15/10/2004
Ideologia: você quer uma pra viver? Eu, não
Julio Daio Borges

+ de 10000 Acessos
+ 11 Comentário(s)

A minha geração - que atualmente toma de assalto as letras brasileiras, seja através da literatura, seja através do jornalismo, seja através da internet - cresceu sob a polarização, entre esquerda e direita, a partir dos anos 60. Somos todos, portanto, filhos de uma juventude (em parte no poder) que acreditava num mundo dividido entre bons e maus, entre santos e pecadores, entre progressistas e conservadores (não necessariamente nesta ordem). Ocorre que o muro de Berlim caiu (1989), a URSS se desintegrou (1985-1991) e boa parte das ideologias de esquerda ruiu, para muita gente se convencer, através dos resultados (desastrosos), de que não basta tentar encaixar o homem em algumas abstrações utópicas.

Ao mesmo tempo em que foi uma tomada de consciência, de que o socialismo (ou o comunismo) puro e simples não é a solução, esse movimento se mostrou como uma chance de se banir o idealismo (aquele, pai do totalitarismo) e de se lançar num pragmatismo não-ideológico que poderia inaugurar uma nova era, menos iludida com partidos e salvadores da pátria, e mais ocupada com problemas reais. Afinal, um buraco de rua não é de esquerda nem de direita, tampouco a ameaça do apagão (no planeta inteiro, não só no Brasil), o esgotamento de recursos e de fontes energéticas não-renováveis, a miséria do terceiro e quarto mundos, o terrorismo, as desigualdades sociais, etc. São questões de segurança (inter)nacional, são calamidades mais do que públicas, são ameaças ao status quo (se ainda existe um) - que deveriam despertar a humanidade de sonhos revolucionários e exigir uma ação imediata, técnica e científica, longe do blablablá político. Mas não é assim que tem acontecido.

E o que eu mais lamento não é a geração dos 60 voltar à carga com velhas cartilhas e com velhos slogans, de 40 ou mais anos atrás, mas a minha geração - a primeira que poderia propor um debate longe dos chavões de esquerda e de direita - mais uma vez embarcar, como tantas outras, nas ideologias de tempos passados.

O que me assusta, na verdade, não é o mesmo ramerrão de esquerda, sendo ecoado por bocas que me são próximas, afinal de contas, a ideologia de esquerda sempre esteve subjacente, desde as aulas de História e geografia no primário até o apelo irresistível da rebeldia universitária, contra o "sistema" e contra os "costumes" que nos foram impostos (sic). (Quando se é jovem esse discurso cai como uma luva, e você embarca...) E até porque muitas conquistas, dos discursos de esquerda, são efetivamente razoáveis, pois, por exemplo, não é civilizado bancar o wasp (macho branco adulto) para cima de mulheres, negros e homossexuais. Existem, sim, direitos inalienáveis a todo ser humano e, embora haja exageros acadêmicos e judiciais (principalmente nos EUA), não podemos retroceder hoje em questões tão óbvias.

O que me preocupa então é uma onda fundamentalista, naturalmente de cunho religioso, para quem estamos imersos no "caos" e precisamos urgentemente regressar à "ordem". Essa gente se diz, em princípio, neutra no debate, e chega heroicamente propondo o fim de uma hegemonia (de pensamento) de esquerda, mas também abusa de palavras-chave como "tradição". É um bem-disfarçado discurso, evidentemente ideológico, que remonta à mesma onda conservadora ou neoconservadora dos Estados Unidos da América atual. (Alguns gurus, daqui, acham que descobriram a pólvora, mas, por comparação, vê-se que as idéias já chegaram empacotadas - nem digo impostas - do Tio Sam.)

Assim, é triste assistir à migração de jovens mentes brilhantes para o coro medievalista, que se diz "liberal", mas que acredita em "cura" para homossexuais (via "padres"), que tira sarro das mulheres que trabalham ("lugar de mulher..."), que ataca ferozmente um certo "ceticismo científico" (provavelmente clamando por uma espiritualização forçada e por um dogmatismo pré-Galileu, pré-Copérnico, pré-Kepler, pré-Newton...). O mais absurdo é que, embora alimentem esses pontos de vista, essas pessoas usam a internet (tecnologia) para divulgar suas teorias, não abrem mão de "transar" com suas namoradas (antes do casamento, é claro; não abrindo mão, também, da pílula) e, por último, acreditando-se muito superiores aos que antes cantavam "É proibido proibir", ressuscitando por fim um moralismo antiquado (isso ainda existe?) e defendendo, em público, a ampla e irrestrita liberdade de expressão, mas, em privado, praticando a nefasta censura prévia. (Uma gente que exalta o indivíduo mas que, na hora do aperto, age mesmo é em grupo. E dá-lhe espírito de rebanho...)

No fundo, esse retorno a uma filosofia de sistema revela a incapacidade, que muitos ainda têm, de aceitar o mundo e, em menor escala, a vida em toda sua complexidade. É mais barato comprar algumas crenças bem-justificadas logo ali na esquina e depois se esconder, atrás de escudos retóricos (testados e aprovados para a maior parte dos casos), do que pensar com a própria cabeça e encarar, sozinho, os vazios da alma e da existência humana, em maior escala. A religião, por exemplo, como disse um escritor contemporâneo, é uma providencial muleta coletiva, feita para quem quer se salvar da espiritualidade pessoal, muito mais profunda e complicada do que meia dúzia de conceitos prontos (deus, diabo, céu, inferno, pecado, expiação...), absorvíveis instantaneamente pelas massas. Do mesmo modo, as ideologias: um pacote completo, rotulando a sociedade de cima a baixo, definindo quem é amigo, quem é inimigo, e fornecendo explicações imediatas para dúvidas que, em toda eternidade, talvez não tenham mesmo solução. E esse banzo por uma visão de mundo em que era "fácil" detectar os bons e os maus, adotar comportamentos de torcida e dormir à noite tranqüilo... só pode ser nostalgia do simplismo. Até as crianças sabem que viver é um pouco mais complicado...

Em resumo, eu espero sinceramente estar errado ao supor que o número de compradores dessas "receitas de bolo" intelectuais esteja crescendo a uma taxa alarmante. Claro que sei que vamos ter de sair de alguns "becos sem saída", como o artístico, refém por mais de um século do modernismo e do pós-modernismo, - mas não acredito que a salvação esteja na ideologia e, muito menos, na religião. Não acredito também em Hegel (outro filósofo de sistema), mas quero crer que a História segue andando para frente, irmanada com a ciência, que fez muito mais pela felicidade (objetiva) do homem, em pouco mais de 500 anos, do que muitos milênios de religião. E de ideologia. Precisamos aprender a resistir a essas tentações fora de moda.


Julio Daio Borges
São Paulo, 15/10/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
02. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição de Ana Elisa Ribeiro
03. A cidade e o que se espera dela de Luís Fernando Amâncio
04. Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto de Jardel Dias Cavalcanti
05. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2004
01. Parati, Flip: escritores, leitores –e contradições - 16/7/2004
02. Mens sana in corpore sano - 14/5/2004
03. Por que a crítica, hoje, não é bem-vinda - 25/6/2004
04. Ensaio de interpretação do Orkut - 20/8/2004
05. 1964-2004: Da televisão à internet – um balanço - 30/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/10/2004
20h59min
Fantástico! Não o conhecia. Vou ler os seus textos anteriores. Obrigado. By the way, de qual planeta você veio? Abraço, Cartaxo
[Leia outros Comentários de José R. Cartaxo]
15/10/2004
11h22min
Caro Julio, li seu artigo sobre ideologia e quero lhe dizer que assino embaixo. Tenho 55 anos, fui ativista de esquerda e continuo comprometido com os ideais de justiça social e liberdade. Porém não aceito mais a patrulha ideológica que os dinossauros frustrados ainda insistem em praticar. A vida é muito mais complexa e sutil do que pode possa dar conta uma simples ideologia reducionista. Parabéns pela lucidez e coragem de dizer o que precisa ser dito. Abraço. José Diney.
[Leia outros Comentários de José Diney Matos]
15/10/2004
13h07min
Olá, Julio! Grata surpresa reler o Digestivo Cultural! Não o lia desde os tempos que saimos da Poli. Parabéns pela abordagem do texto, muito bem conduzida! Como ressalva, acrescentaria que o debate Religião x Ciência é problemático pois ambas carregam preconceitos e dogmas que impedem a troca de informações. Torço para que a Religião, a Ciência e a Arte dialogarem francamente para melhor compreendermos as grandes questões da vida.
[Leia outros Comentários de Rogério Cisi]
15/10/2004
21h31min
Prezado Julio, apesar de não possuir tamanha erudição antropológica, histórica etc. asseguro-lhe (modestamente é claro) que muito do que vivemos nos dias de hoje é mero reflexo do que ainda pode vir! Nossa geração, como você mesmo disse, agarrou-se aos velhos dogmas que se arrastaram (e sobreviveram, miraculosamente) por séculos. Vivemos a nostalgia do que não fomos. Não tivemos a coragem de capitular e cuspir no prato da História. É mais seguro caminhar pela sombra. E como isso tudo me aborrece, continuo me esmerando na fina arte de chutar tampinhas! Grande abraço, Gui.
[Leia outros Comentários de Gui]
17/10/2004
22h39min
Meu prezado, sobre sua oferta de ideologia (?) nesta sexta 15, estou digitando uma matéria - na verdade, uma carta solidária, dirigida a você mesmo... - refletindo, como um sobrevivente dos anos 60..., sobre bestidades inventadas por alguns colegas nossos (refiro-me ao bicho dito humano...) Por ora, meu abraço, assinando (sem sua autorização...) quase tudo que você refletiu escrevendo.
[Leia outros Comentários de JGCosta]
18/10/2004
16h50min
Caro Julio, parabéns novamente. O vale tudo pós-modernista, segundo o qual não há verdade absoluta, mas discursos culturalmente construídos, provoca estragos. Também considero essa visão relativista crescente nos dias atuais – se alguém duvida, que busque a bibliografia dos nossos cursos acadêmicos nas ciências sociais, repleta de "desconstrutivismo", ausente de qualquer referência às ciências naturais. Há, ali, o elogio do misticismo ideológico (precisamos de um Alan Sokal brasleiro, quem sabe você, Julio?) e o combate ao "discurso" científico. A ciência, de fato, cometeu equívocos, mas quase sempre quando deixou de lado os instrumentos que devem marcar seu trabalho – caso contrário, não é ciência. O principal deles é a PROVA, tão negligenciada, infelizmente, nos estudos atuais de História, Filosofia, Comunicação etc.
[Leia outros Comentários de Heberth Xavier]
20/10/2004
09h41min
Neste início de milênio, o que se vê é um retrocesso a um “medievalismo” aliado à preguiça das pessoas em criar uma consciência crítica sobre tudo o que as rodeia. E então, como citado em seu artigo, se apegam nesses “pacotes” ou “receitas de bolo” que lhes sacia a fome de “andar no caminho certo” (já que são incapazes de fazê-lo por si mesmos) ou trazem dicas, sugestões, injeções de ânimo e afins que lhes fazem pensar que o “sucesso” é possível desde que se sujeite a sacrifícios de toda ordem. A religião (ou espiritualidade, como dizem os que não fazem parte das religiões ditas oficiais ou coisa parecida) se encarrega de arrebanhar grande parte dos iludidos e desamparados. São os que não acreditam nos estudos científicos e se prestam a ler somente o que suas igrejas lhes ordenam, tapando-lhes a mente e tornando seu coração presa fácil para o apelo insaciável dos sacerdotes “que falam pela boca do todo-poderoso”. Vez ou outra surge nova corrente naturalista que prega substituição radical de carne bovina por toneladas de vegetais, na esperança de se prolongar o tempo de vida útil das pessoas. Qualidade de vida não vem em pacotes “milagrosos”, nem está na busca esquizofrênica por um corpo de atleta ou de “top model” da hora. Mais vale ser o que se é, com todas as imperfeições e virtudes, desejos e frustrações, sabendo aproveitar o que a vida tem de melhor. E, para essa juventude que aí está, basta botar a cuca para funcionar, ler mais (ou simplesmente ler), exigir mais qualidade no ensino, deixar os modismos de lado, enfim, fazer acontecer, porque senão a máquina rosa dos “shopping centers” ilusórios podem seduzi-los tal qual sereias com seus cantos enfeitiçadores.
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
21/10/2004
14h27min
Eu acho que está cada vez mais difícil as pessoas conseguirem chegar a denominadores comuns, justamente por que ainda temos esse habito de adotar sistemas e padroes para tudo. E sao tantas ideologias distribuidas na vitrine da vida que todos tentam convencer-se de que aquela que escolheu é a melhor, é a verdadeira. E assim até falar de música pode se tornar um grande problema... E eu que um tempo atrás achava que a gente só discutia por religião e política. Adorei seu texto, Julio, gostei tanto que eu queria tê-lo escrito. Um grande abraço.
[Leia outros Comentários de Carolinne]
25/10/2004
19h52min
os jovens vem p/ a coletividade do homo "sapiens sapiens" com direcionamentos pré moldados a interesses que certamente nao se procupam realmente com eles como seres humanos, senao como mao de obra, mercado consumidor e estatísticas. é extremamente mais difícil conseguir emergir nessa realidade, constituir prismas próprios. E está tudo já tão organizado para a manutençao desse cenário que, infelizmente, os jovens estao presos em círculo vicioso. Talvez até se utilizem da expressao "nao de pérolas aos porcos" para se justificarem, e quem define quem serão os porcos? Gostei muito do texto, mesmo discordando parcialmente dele. Já que acredito que construçao de uma ideologia individual possua grande importancia. Somos seres Políticos, lembrando Platão. podemos deixar nosso natural egoísmo e fazer parte de algo maior. Toda a história é marcada por uma série de revoluçoes, de correntes que se formam, pela urgencia de mudanças na sociedade. Gandhi ousou falar pessoalmente aos chefes políticos britanicos que mais cedo ou mais tarde sariam da India (nao que a trajetoria da descolonizao tenha sido feito de discursos e flores). Mas há a necessidade de mudanças, quais serao as revoluçoes desse novo século. Quem ditará seu ideais? Que escola estamos construindo para nossos filhos? Ainda quero lembrar de Emmanuel Kant "ninguem poderá obrigar-me a ser feliz à sua maneira" estao longe das minhas inteções querer fazer algo assim, porém não podemos cruzar os braços e resguardarmos a solucionarmos nosso caos interno, nao estamos sós...
[Leia outros Comentários de Beatriz]
30/10/2004
18h44min
Uma das consequências da liberdade de expressão é justamente a polarização das idéias. Afinal, para ser notado, para ter um perfil, um ideal, não se tem receita pronta, devemos escolher um polo. É melhor deixar cada um escrever como quer, pois a ideologia é somente uma faceta da realidade. A menos significante. Quantos destes "conversores de homossexuais" estarão dispostos a levar um padre a um homossexual? O que falta mesmo na sociedade brasileira são pessoas que transformem palavras em ações. Ou que ao menos usem as palavras não para ditar ordens sociais, mas como forma de entretenimento, ou, mais importante, de inspiração. Quantos romances e histórias bonitas não me inspiraram ou me levaram a horas mágicas? PS: Acho que mais um fator que influi é que a sociedade brasileira é dominada em todos níveis por um pensamento reciclado da geração pós-ditadura... Naturalmente, daí os jovens irem para a direção contrária. Sucesso com sua jornada das palavras para a ação!
[Leia outros Comentários de Ram]
26/6/2012
18h53min
Que maravilha! Tocou no cerne do problema. Temos uma classe de intelectuais presos no século passado, usando o velhíssimo jargão, jumentícios, apaixonados, agarrados no atraso - não dá para entender. Quando vejo isso perco a esperança.
[Leia outros Comentários de Marilia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EL TERRADO
MAXX FIGUEIREDO
BC GRÁFICA
(2009)
R$ 4,90



STATIK GESCHLOSSENER KREISRINGBAUTEILE
RAINER STURMATH
VDI-VERLAG
(1988)
R$ 180,00



PARTICIPAÇÃO NA UNIVERSIDADE - RETRATO EM PRETO E BRANCO
SÍLVIA ÂNGELA TEIXEIRA PENTEADO
PIONEIRA
(1991)
R$ 12,00



TEATRO FLUTUANTE 2
EDNA FERBER
SARAIVA
R$ 6,00



INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LINGUÍSTICOS
FRANCISCO DA SILVA BORBA
NACIONAL
(1984)
R$ 10,00



MINIATURES DES PREMIERS SIÈCLES DU MOYEN-AGE
JEAN PORCHER
PARIS
(1951)
R$ 90,00



PROJETO GEOMÉTRICO DE RODOVIAS
CARLOS R. T. PIMENTA - MÁRCIO P. OLIVEIRA
RIMA
(2001)
R$ 80,00



A ILUSTRE CASA DE RAMIRES
EÇA DE QUEIRÓS
ESTADÃO/ KILCK
(1999)
R$ 5,99



SUDOKU
COQUETEL
COQUETEL
(2013)
R$ 10,50



JOY
JOY LAUREY
CIRCULO DO LIVRO
R$ 6,00





busca | avançada
35423 visitas/dia
1,3 milhão/mês