Eles – os artistas medíocres | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vivo
>>> Assange: efeitos da internet em nosso cotidiano
>>> Nuvem Negra*
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Os Incríveis
>>> Erik Satie
>>> Ronnie James Dio em 1983
>>> O Leão e o Unicórnio
>>> O outro Carpeaux
>>> Something that grows
Mais Recentes
>>> Livro - Não Verás País Nenhum de Ignácio de Loyola Brandão pela Global (2000)
>>> Redes Ou Paredes a Escola Em Tempos de Dispersão de Paula Sibilia pela Contraponto (2012)
>>> Práticas Corporais - V. 2 Trilhando e Compar(trilhando) as Ações de Ana Márcia Silva / Iara Regina Damiani Orgs. pela Nauemblu Ciencia & Arte (2005)
>>> Termodinâmica de Gilberto Ieno pela N/d
>>> Nelson Rodrigues - Série Encanto Radical de Carlos Vogt pela Brasiliense (1985)
>>> Diário de um Banana 7 - Segurando Vela de Jeff Kinney pela V&r (2013)
>>> Palabras Compartidas. Español - Volume Único de Henrique Romanos pela Ftd (2014)
>>> A Lei do Trabalho de Percy Rubens Mello pela Universalista (1997)
>>> Princípios da Transmissão de Calor de Frank Kreith pela Edgard Blücher Ltda (1969)
>>> Livro - Sereias na Lua de Elizabeth Stuckey French pela Best Seller (2003)
>>> A Revolução Burguesa no Brasil: Ensaio de Interpretação Sociológica de Florstan Fernandes pela Kotter (2020)
>>> Livro - A Torre Negra - Traição de Stephen King pela Suma (2012)
>>> Fragmentos Históricos da Regulamentação da Profissão de Educação de Américo Valdanha Netto e Outros pela Cref4/sp (2019)
>>> O Mago de Fernando Morais pela Planeta (2008)
>>> A Família Substituta no Estatuto da Criança e do Adolescente de José Luiz Mônica da Silva pela Saraiva (1995)
>>> A revolução dos bichos em de George Orwell pela Do Brasil (2021)
>>> Da Importância de Criar Mancuspias de Amilcar Neves pela Garapuvu (2005)
>>> Olga de Fernando Morais pela Alfa-Omega (1985)
>>> Olga de Fernando Morais pela Alfa-Omega (1985)
>>> Georg Büchner - Série encanto radical de Fernando Peixoto pela Brasiliense (1983)
>>> Pato Donald: O Segredo do Castelo de Carl Barks pela Abril (2016)
>>> Livro - Os Trabalhos de Hércules de Agatha Christie pela Circulo do Livro (1997)
>>> A Terapia do Abraço de Kathleen Keating pela Pensamento (1987)
>>> Livro - A Torre Negra - o Longo Caminho para Casa de Stephen King pela Stephen King (2011)
>>> Combateremos a Sombra de Lídia Jorge pela Leya (2014)
COLUNAS

Sexta-feira, 22/10/2004
Eles – os artistas medíocres
Julio Daio Borges

+ de 12100 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Quase que por costume, você tem me visto aqui a falar de pseudojornalistas e de pretensos escritores. É natural: como um hábito, aprendi a distinguir um colunista com possibilidades de um verdadeiro embuste ou até de uma vocação insinuada mas não plena ainda; e aprendi, creio, a sentir uma voz literária de longe - de modo que algumas páginas já me bastam para apontar um potencial ou rechaçar um calhamaço logo de cara. Não imagino que seja um dom; é um fato que vem com a prática e cada editor tende a desenvolver essa habilidade mais e mais, dentro da sua especialidade.

Mas minha idéia, hoje, não é abordar os escrevinhadores de ocasião, mas sim falar de uma categoria mais ampla - tão ampla que engloba praticamente todos os artistas que encontramos na chamada "vida real", a categoria dos artistas que não saíram da mediocridade. Esta reflexão me ocorreu por causa de uma apresentação amadora a que compareci e que era toda alicerçada nesse tipo de pessoa. Não vou, obviamente, citar nomes.

Em princípio, direi que não tenho nada contra artistas amadores. Todos são, de início, amadores; ninguém nasce profissional. Então reforço que respeito e até encorajo artistas mais jovens que ainda não tiveram direito às luzes da ribalta. Muitas vezes, esses se revelam, ao menos, mais vigorosos que seus antecessores consagrados. A minha crítica se dirige aos acomodados, àqueles que não ultrapassaram uma certa faixa - seja por conformismo, seja por mera falta de talento ou sorte.

Oh, como são numerosos esses tais! Desde o vendedor de poesia na porta do cinema até o violonista animador de bar de shopping, existe toda uma gama de incapacitados para as artes. Vale frisar que considero a arte "um direito de todos" (como é moda hoje, cidadão). Senão, como se opor à aprendizagem de instrumentos musicais, ao frenesi dos atuais fotógrafos digitais, à fúria dos caraoquês domésticos e comerciais? Não há como negar ao sujeito a chance de se expressar, seja de qual jeito for - até porque, geralmente, ele não tem ambições que transcendam, por exemplo, seu círculo íntimo ou suas relações pessoais. Não é esse, mais uma vez, o meu alvo.

E eu não quero ser cruel e condenar peremptoriamente o artista que pertence à esfera da mediocridade. Tenho pena dele. Primeiro, porque vai passar por privações materiais à toa - já que não vai, nunca, se consagrar. Depois, porque é eminentemente um chato, coitado. Em terceiro, porque, na maioria dos casos, não tem nem consciência de suas naturais limitações - embora seja um acomodado -, fazendo sofrer assim, inconscientemente, aqueles desafortunados ao seu redor. Portanto, quando me deparo com um exemplo prático e encaro aquele ar de "inocência despreocupada", não sei o que é melhor: se desencorajar o tipo desde já, sem nenhuma apelação; ou se mantê-lo nessa ilusão confortável, dar de ombros e ir embora (afinal, "vai ser feliz - e já é - mesmo na desgraça"...).

Pobres almas! Não me incomodam. A não ser quando me fazem perder tempo ou quando me incitam mentalmente a enviar ondas de "correções" cerebrais e "comentários" (edificantes) que eles nunca captam. Provavelmente, os artistas habitantes do reino da mediocridade são inaptos para o aprendizado. Alguns se esmeram em matéria de técnica e tornam-se grandes ases - mas puramente maquinais e sem nenhuma arte. Tive professores que alcançaram níveis, para mim, inalcançáveis, de complexidade - mas eram estéreis e sempre ensaiavam uma "estréia" indefinidamente postergada. Talvez a mediocridade em termos de artista seja, no fundo, uma mistura de medo e de covardia pessoal; um impulso sempre adiado para o futuro - que, jamais realizado, vai até o fim da vida bojudo de possibilidades. Como é livre quem nunca fez nada!

E a dúvida é natural em todo mundo, em determinada fase: "Serei eu (também) uma mediocridade artística ou uma artística mediocridade?". É melhor acreditar que não (é melhor acreditar que nenhuma das duas hipóteses). Pois, pior que o artista condenado à aurea mediocritas, é o artista que se conforma com a sua sorte - de palhaço sem graça de bufê infantil; de pianista de praça de alimentação; de piadista e de "musicista" de cursinho; de fazedor de jingles para políticos; e de promotor de outras mediocridades alheias (esse é o "artista" mais danoso).

Sei que todo mundo vai pensar nos falsos artistas, espalhados por aí aos montes. Seria fácil descer-lhes o sarrafo, são mediocridades expostas e não raro televisivas, de modo que sobra munição e argumentação para atacá-las. Falta-me porém ânimo para assunto tão batido e sem novidades. Todo mundo, também, já sabe quem são as "falsidades" do mundo artístico - mesmo as mais sutis (que, se não são hoje, serão amanhã desmascaradas). Enfim. A meu ver, e isso me interessa aqui, o artista medíocre dista do falso artista por um simples e crucial motivo: falta-lhe o convencimento, o vigor - se preferirem, a auto-estima - e, sobretudo, a cara-de-pau. O medíocre é humilde, enquanto que o falso é altivo e orgulhoso (embora seja a mesma droga, ou até uma droga mais perigosa, pois inflada e dada a seduzir os incautos...). O medíocre não polui, enquanto que o falso sufoca - e, às vezes, mata.

Outra subdivisão ou variante é a do medíocre de situação, que, antes de sê-lo, estacou. Outro dia assistia à entrevista de alguém que admirava mas que trocou a antiga posição por uma de clown, em busca de conforto material. Então, estreitou os seus horizontes e jogou fora uma porção de projetos para se confinar numa atividade lucrativa, porém mesquinha em termos de realização artística. Diria que esse tipo está medíocre, mas sua própria função - como que escapando-lhe ao controle - o trai e revela que ele não é medíocre, afinal. É uma forma de derrotismo, na verdade; ou de dizer, como muitos dizem, que "foi cuidar da vida". Muitos (outros) deveriam cuidar mesmo - e desistir desse negócio de arte. Mas outros (outros ainda) não deveriam entregar assim os pontos; ou deveriam até entregar parcialmente, num país como o Brasil - empenhando ainda que uma pequena parte de seu talento em coisas maiores...

"Mas, no fim das contas, quem é você para tecer essas considerações infundadas, baseadas, unica e exclusivamente, na experiência pessoal?" - o leitor pode justamente perguntar. E eu respondo: porque como crítico, mais do que como artista frustrado, tenho o direito de saber o caminho - embora não tenha como conduzir o carro. Sou, na metáfora de Sócrates, a "parteira" estéril, mas que sabe trazer à luz uma boa idéia. E quem disse que Mencken não tinha razão quando viu, na atividade crítica, um certo pendor artístico? Porque meter o pau, todo mundo mete, mas poucos de maneira olímpica, com estilo e classe. Os medíocres que me perdoem, mas um pouco de gênio - mesmo que do mal - é fundamental.


Julio Daio Borges
São Paulo, 22/10/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo de Heloisa Pait
02. Como ser um Medina de Ana Elisa Ribeiro
03. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery de Jardel Dias Cavalcanti
04. Feminista? Eu? Claro que sim! de Marta Barcellos
05. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro de Duanne Ribeiro


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2004
01. Parati, Flip: escritores, leitores –e contradições - 16/7/2004
02. Mens sana in corpore sano - 14/5/2004
03. 1964-2004: Da televisão à internet – um balanço - 30/4/2004
04. Por que a crítica, hoje, não é bem-vinda - 25/6/2004
05. Ensaio de interpretação do Orkut - 20/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/10/2004
00h40min
Engraçado, é a segunda vez que venho aqui ler um artigo e a segunda vez que também me acontece de encontrar algo pensado por mim, escrito. E pela segunda vez de novo cheguei a conclusão também já desgastada de que "nada é novo debaixo do sol". Este artigo vem repleto de idéias que eu tinha em mente pra escrever no meu blog, mas não cheguei a escrever. Talvez eu não escrevesse com tão boa argumentação, é claro, mas a idéia central era a mesma: artistas medíocres e uma retórica sobre "existe mesmo mediocridade ou é só uma questão de gosto?". Entende? Eu estava mesmo levando em conta todos esses artistas "medíocres" que aparecem na mídia, enfim... Às vezes penso que não existe mesmo mediocridade e que é infantilidade orgulhosa achar que nosso gosto que é aprimorado. Isso me lembra esses jovens pertencentes a grupinhos (eu também sou adolescente, eu também tenho meu grupo) que falam com toda a certeza que Led Zepelin é bom, gostar de Evanescence, por exemplo, é ruim. Porque no fim das contas, é tudo uma questão de bom/ruim, certo/errado, e eu não acredito nisso.
[Leia outros Comentários de Marcely]
22/10/2004
01h36min
Sinceramente, eu prefito artistas amadores a pessoas que se consideram gênios do mal.
[Leia outros Comentários de Balthazar]
22/10/2004
11h21min
Alô Julio, adorei o texto, foi a primeira vez que li algo seu. Foi hilário, o estilo é cruel e mordaz, tratando o fato com dignidade e realidade. Desnudou a hipocrisia, estou rindo até agora!
[Leia outros Comentários de Túlio de Carvalho]
25/10/2004
07h43min
Prezado Julio, bem legal o seu texto, mas você não poderia ter dado nome aos bois para facilitar a vida de muita gente? Grato, Aurélio Prieto, São Paulo Capital
[Leia outros Comentários de Aurélio Prieto]
28/10/2004
22h23min
Excelente. Oportuno. Na hora certa, o tiro certo. De espingarda que não nega fogo. Parabéns. Esdras
[Leia outros Comentários de Esdras do Nascimento]
4/11/2004
10h47min
Sobre medíocres, pouca sutileza significa a verdade, doa a quem doer. Parabéns, Daio! Seja esse o nosso código universal de ética (e respeito) aos que nada lêem, pouco ouvem e muito assistem, engrossando pesquisas e enriquecendo piratas.
[Leia outros Comentários de Marcela Valle]
17/11/2004
15h55min
Encantador; acho que é a única palavra que me vem à mente ao pensar em seu texto. Estou aqui, rindo, achando graça, pois é tudo tão real, tão palpável que chega a ser engraçado. Acho que as pessoas não notam sua mediocridade, elas são como crianças que não entendem a hora de ficar caladas. "Os medíocres que me perdoem, mas um pouco de gênio – mesmo que do mal – é fundamental." Achei perfeita sua frase. Em poucas palavras você disse todo o necessário; basta ler isso e se encorajar para não ser mais um medíocre.
[Leia outros Comentários de Carol Patrocinio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - na Boca do Leão
Anne Holt
Fundamento
(2019)



Alex e Eu: Como a Relação de Amor Entre uma Cientista e um Papagaio...
Márcia Frazão, Irene Maxine Pepperberg
Record
(2009)



Poluentes Atmosfericos Col. Ponto de Apoio ( Livro + Encarte )
M. Elisa Marcondes Hekene e Outros
Scipione
(2009)



No Tempo de Picasso - Col. Arte ao Redor do Mundo
Antony Mason
Callis
(2007)



Cristãos que se beijam e o Crepúsculo dos deuses
João Paulo dos Reis Velloso
Civilização Brasileira
(2011)



Sem Sal - Coma Bem e Viva Melhor
Gisellle Manuela da Silva Prado
Melhoramentos
(1981)



Cidade de Luz
Jacob D`Ancona
imago
(2001)



A Saga de Siloé: Jesus e a Festa das Tendas (joão 7, 1-10, 21)
Luc Devillers
Paulinas
(2015)



Ensaios Reunidos
Samuel Rawet
civilização brasileira
(2008)



História de Pobres Amantes - Coleção Grandes Sucessos
Vasco Pratolini
Abril
(1983)





busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês