Lembranças do Morrissey | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Umas Palavras: Diogo Mainardi
>>> Parei de fumar
>>> 7 de Setembro
>>> A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón
>>> Amor assassino
>>> Expressar é libertar
>>> Incoerente
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
Mais Recentes
>>> Diário de um banana dias de cão de Jeff Kinney pela V&r (2012)
>>> Os Miseráveis de Miécio Táti pela Edições de Ouro (1970)
>>> Memórias Póstumas, A semana e Correspondência de Machado de Assis pela Linográfica (1980)
>>> Diário de um banana a gota d'água de Jeff Kinney pela V&r (2012)
>>> Engordei ou Minha Roupa Encolheu? de Peter Walsh pela Prumo (2008)
>>> Diário de um banana rodrick é o cara de Jeff Kinney pela V&r (2012)
>>> Helena Wilfuer de Vicki Baum pela José Olympio (1944)
>>> Um Ateu Garante : Deus Existe de Antpny Flew com Roy Abraham Varghese pela Ediouro (2008)
>>> Brincar para aprender de Mara Lúcia Cordeiro pela CBT Brasil (2021)
>>> Fora de controle de Nelson de Mille pela CBT Brasil (2021)
>>> Noite sobre as águas de Ken Follett pela CBT Brasil (2021)
>>> Champagnat Um coração sem Fronteiras de Vários pela CBT Brasil (2021)
>>> Tecnologia mecânica de Vicente Chiaverini pela CBT Brasil (2021)
>>> Ghandi de Ghandi pela CBT Brasil (2021)
>>> O que é isso companheiro de Fernando Gabeira pela CBT Brasil (2021)
>>> O fio da navalha de W. Somerset Maugham pela CBT Brasil (2021)
>>> A estrada do mar de Barbara Delinsky pela CBT Brasil (2021)
>>> Traição em família de David Baldacci pela CBT Brasil (2021)
>>> A herança de John Grisham pela CBT Brasil (2021)
>>> Não brinque com fogo de John Verdon pela CBT Brasil (2021)
>>> Canaã de Graça Aranha pela CBT Brasil (2021)
>>> Arabescos do Viver de Gláucia Galvão pela CBT Brasil (2021)
>>> Malvas, Fáguas e maçanilhas de Walmor Marcelino pela CBT Brasil (2021)
>>> Malagueta, perus e bacanas de João Antônio pela CBT Brasil (2021)
>>> 97 maneiras de fazer o cachorro sorrir de Jenny Langbehn pela CBT Brasil (2021)
COLUNAS

Sexta-feira, 12/11/2004
Lembranças do Morrissey
Julio Daio Borges

+ de 6000 Acessos
+ 7 Comentário(s)


Morrissey & Marr, nos Smiths

Hoje eu sei que os Smiths, junto com o U2 e o The Police, estão para o rock dos anos 80 assim como os Beatles estão para o dos anos 60 e o Led Zeppelin, para o dos anos 70. Mas quanto eu tinha 14 anos, ou antes, nem desconfiava dessa informação e só tinha ouvidos para o Morrissey.

Ele era uma espécie de Cazuza que, alguns anos depois, "após a dissolução dos Smiths" (narrava um locutor), lançava-se em carreira solo com Viva Hate (1988). Então anunciavam-se os versos de "Suedhead", pelas frestas radiofônicas do meu quarto, enquanto um amigo afirmava que meu cabelo (cortado rente, com "máquina") lembrava o do Morrissey: "You had to sneak into my room/ just to read my diary/ Oh, it was just to see, just to see/ All the things you knew I'd written about you/ And oh so many illustrations...".

Eu não tinha um diário ainda mas gostaria de ter tido. Na época, era apaixonado por uma menina que com os olhos perseguia mas com a qual nunca falava. Então, quando ela passava muito perto de mim na escola, ou ameaçava me abordar, os seguintes versos cabiam perfeitamente na situação: "Why do you come here/ When you know it makes things hard for me/ When you know, oh/ Why do you come?".

Eu sabia muito pouco de inglês mas era um consumidor ávido das edições especiais de Letras Traduzidas da Bizz. Foi lá que eu captei todo o niilismo (embora não conhecesse a palavra) de "Everyday is like sunday": "Everyday is silent and gray", pontuava o bardo (outra palavra que eu passaria a adotar). Lembro de uma parte que me impressionou, principalmente pela imagem: "Share some greased tea with me". "Divida comigo uma taça de chá gorduroso" (apenas a visão mental do suposto chá já me embrulhava o estômago).

Obviamente, eu não compreendia tamanho desencanto. Talvez, na minha cabeça, a coisa guardasse um apelo romântico, mais no estilo do spleen, que eu estudaria mais tarde em literatura. E por falar no assunto, anos depois li na mesma Bizz sobre a fixação de Morrissey por Oscar Wilde - e passei a admirar este último, também, como uma herança intelectual transmitida, de fã para fã.

Mas minha saga com o Viva Hate não havia terminado. Cantaria "The ordinary boys" para os playboys do meu outro colégio: "Ordinary boys, happy knowing nothing/ Happy being no-one but themselves". E, também, para uma namorada que eu queria ver longe de uma certa turma: "But you were so different/ You had to say no/ When those empty fools/ Tried to change you, and claim you/ For the lair of their ordinary world...".

Mas a impressão mais forte, depois de me desfazer de Viva Hate e depois de reencontrá-lo em outra década, viria graças a "Little man, what now?" ("An afternoon nostalgia/ Television show..."). No momento exato em que eu trocava o LP do Morrissey por outro desimportante do Black Sabbath (porque eu estava em outra fase), numa loja como a Baratos Afins, eram esses versos que ecoavam proféticos, em fade out: "Oh, but I remember[ed] you/ I remember[ed] you...". A vendedora, como que prevendo o arrependimento, ainda elogiou o Viva Hate e disse qualquer coisa como "clássico" ou "antológico" (acho que era essa a palavra). Eu e aquele mesmo amigo do cabelo rente ainda rimos dela depois, já que estávamos muito convictos das nossas novas preferências musicais...

Então eu atravessaria alguns anos e alguns álbuns sem a companhia do Morrissey. Ele provavelmente voltou a me chamar a atenção ou através da MTV, ou através de um amigo da faculdade que assistia à MTV e me dava as notícias dos clipes, ou através de um outro amigo guitarrista que era um consumidor compulsivo de CDs e de quem devo ter visto Your Arsenal (1992) ou Beethoven Was Deaf (1993) em cima da mesa. Parece que acompanhando a minha "evolução" (rumo ao barulho), Morrissey agora soava pesado e distorcido, como numa versão rockabilly eletrificada. "Day or night/ There is no difference/ You gonna need someone on your side" (alguns anos bombardeado pela explosão hormonal da idade, eu não poderia concordar mais). E quando batia a desesperança, eu cantava choroso, cheio de autocomiseração: "My love, wherever you are/ Don't loose faith/ I know it's gonna happen someday...".

Mas, tirando a agressividade e o sentimentalismo (típicos), o ponto alto era "We hate it when our friends become sucessfull". Outro hino pop, que casaria harmonicamente com a guitarra de Johnny Marr, se os Smiths não tivessem se separado. Como eu desconfiava da inveja, por vezes pronunciada, de um colega de classe, era para ele que eu cantava silencioso o refrão.

E Morrissey entraria estrondoso na minha vida de novo com "Vauxhall And I" (1994), quando eu e ele tivéssemos superado nossa fase de "poluição sonora", avançando para uma outra mais melodiosa e até mais verbal. Tudo começou com "The more you ignore me, the closer I get", em que ele circulava entre luzes de interrogatório, no videoclipe da televisão. E seria uma cantada e tanto, se eu pudesse aplicá-la, ipsis litteris, nas meninas interessantes que encontrava: "When you sleep/ I will creep/ Into your thoughts/ Like a bad debt/ That you can't pay/ Take the easy way/ And give in/ Yeah, and let me in".

Eu guardava uma tremenda frustração na época, por causa de uma colega de faculdade que estupidamente dispensara, e então me consolava com "I am hated for loving": "I still don't belong/ To anyone - I am mine". Eu sabia mas não sei se associava esse trecho à alardeada assexualidade de Morrissey, que tinha toda a pinta de gay mas que - decidindo inovar - rompia logo com a humanidade inteira e reservava sua sexualidade para, quem sabe, uma próxima encarnação.

O Vauxhall, eu devoraria de cabo a rabo. Para mim, ainda é um dos melhores álbuns do Moz solo. Foi um disco que eu primeiro gravei, de uma antiga locadora de CDs, e que depois adquiri, com gosto, nos Estados Unidos. Entre montes de álbuns do Frank Sinatra (minha paixão então), reservei espaço para esse do Morrissey e também para Ten Summoners Tales (1993), do Sting (The Police e The Smiths, nos anos 80... lembra?).

Malajusted (1997), eu também adquiriria nos EUA, mas esse me soaria verboso e difícil, apesar da abertura grandiloqüente: "I wanna start from/ Before the beginning". Era declamatório demais (Morrissey tinha decidido, enfim, ser "poeta"?) e não funcionava como música (outra vez poluída por influência tardia do grunge [?]). Não consigo ouvir até hoje, apesar de bons momentos como "Alma Matters", cujo início iconoclasta me despertava alguma identificação: "So: the choice I have made/ May seem strange to you/ But who asked you, anyway?". E, claro, "Satan rejected my soul", misturando anticlericalismo com a mordacidade autocrítica que sempre foi sua marca registrada: "So I must find/ Somewhere else to go..." (visto que nem o inferno o aceitava mais).

Já nos anos 2000, longe mais uma vez do Morrissey, passaria por uma apresentação sua num canal a cabo, em que ele proclamava, entre guitarras: "Now my heart is full/ Now my heart is full". Meu coração também tinha estado "pleno" nesse tempo e era como se eu não precisasse mais dele.

Mesmo assim, arrastei a Carol para vê-lo ao vivo no Olympia, aqui em São Paulo, e do patamar superior observei o ídolo de tantos anos. Lembro muito pouco das músicas, além da execução, é óbvio, de "Now my heart is full". Lembro, talvez por causa da Carol, que é vegetariana, quando ele provocou o público: "Do you like animals?". Todo mundo respondeu: "Yes!". "So why do you eat them?" - e todo mundo ficou mudo. A expectativa era de que tocasse alguma coisa dos Smiths, mas como eu conhecia muito pouco da banda, fora os hits, não soube reconhecer nada...

Assim, quando, ultimamente, reaparece o velho Moz com batidas eletrônicas e alguns poucos achados verbais de que só ele é capaz, em You Are The Quarry (2004), não posso deixar de evitar um sorrisinho de canto de boca. Ainda assim, Morrissey me parece mais um cinqüentão cansado, tendo quase esgotado seu veio artístico, obrigado pelo trabalho a animar platéias com metade, um terço ou até um quinto da sua idade. Não deve ser fácil e, por consideração aos velhos tempos, não queria que ele mativesse essa aparência de anjo caído, tendo de emular um pessimismo lírico em que ninguém mais acredita (nem ele).

Bem, de minha parte, além de louvar sua importância sentimental nestas lembranças, tratarei de ouvir os discos inteiros dos Smiths, de trás para frente, de Strageways Here We Come (1987) para trás. É uma homenagem e uma forma de aprendizado tardio, já que a música pop não me interessa mais como antes. Mas vamos salvando Morrissey do céu, do inferno e resguardando-o no único lugar em que ele deve estar: no coração de seus fãs.

"He said the wants to befriend me
Which means
He can't possibly know me"

(Morrissey, "How could anybody possibly know how I feel")


Titio Moz, hoje


Julio Daio Borges
São Paulo, 12/11/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As manifestações sobre o transporte público em SP de André Simões


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2004
01. Parati, Flip: escritores, leitores –e contradições - 16/7/2004
02. Mens sana in corpore sano - 14/5/2004
03. Por que a crítica, hoje, não é bem-vinda - 25/6/2004
04. 1964-2004: Da televisão à internet – um balanço - 30/4/2004
05. Ensaio de interpretação do Orkut - 20/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/11/2004
15h58min
Você deveria ter deixado espaço para podermos assinar embaixo. Detesto quando os textos de meus amigos são melhores...
[Leia outros Comentários de André Lima]
12/11/2004
12h10min
smiths, U2 e police? um tem tanto a ver com o outro quanto jota quest e sex pistols. faltou o cure. cure e smiths, smiths e cure, andavam de mãos dadas nos anos 80. noves fora o caju.
[Leia outros Comentários de carl]
12/11/2004
13h56min
Morrissey espezinhava Robert Smith e sua banda sempre que tinha oportunidade, assim como provavelmente desprezava U2 e The Police. The Smiths nunca fez parte de nenhum "movimento" ou panelinha do rock britânico. Em termos estéticos, o único grupo com o qual eles talvez tivessem alguma afinidade era o REM.
[Leia outros Comentários de Flávio]
12/11/2004
22h26min
Apesar de gostar demais do Velho Moz, sempre gostei mais dos Smiths. Tenho duas coletâneas do Moz solo e o Viva Hate, recentemente saído no país, com bonus tracks. Os anos 80 são verdadeiramente The Smiths, The Cure e U2, além de, para mim, não conseguir excluir o REM, nem que eu quisesse. Também tive minha fase heavy metal (AC/DC e Iron Maiden, parando por aqui). Já comentei anteriormente que, aqui no Norte, tudo é muito difícil. Só sabíamos dos discos importados através de revistas especializadas (Bizz, depois Showbizz, Rock Brigade, que eram as que apareciam por aqui). Lembro que ouvia tanto o “Hatful of Hollow” (em vinil) que o coitado chegou a furar. Ainda o tenho e também “The queen is dead”, “The world won’t listen”, “Louder than bombs”, “Rank”, o primeiro Smiths, e dois EPs, tudo em vinil. As duas coletâneas do Moz dão uma idéia do que o bardo de Manchester era capaz sem seus partners na banda: língua afiada, desencanto sem fim, aliados a sua precisa verve oscar-wilderiana. Eu provavelmente não vou ouvir um guitarrista tão virtuosístico e, ao mesmo tempo, tão melódico quanto Johnny Marr. Não lembro de ter ouvido antes dos Smiths e tenho certeza de que até hoje, pós-tudo, não ouvi. De qualquer forma, ressuscitar os bons tempos do rock inglês servem como alento nesta época em que evanescentes bandas pipocam nos hit parades e nossos horizontes musicais se estreitam a ponto de nos credenciarmos a revivals, na esperança de que tais túneis do tempo nos levem para longe de terras de gigantes em sonoras viagens ao fundo do mar.
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
14/11/2004
11h58min
The Smiths foi aquela banda que mudou minha vida. Sem dúvida! O Morrissey, apaixonante, é daqueles homens de frente que fazem toda a diferença numa banda... Os movimentos dele são inimitáveis, assim como também os movimentos do vocalista do REM, que é outra presença, mas as semelhanças param por ai... Ao menos, eu acho.
[Leia outros Comentários de Carolinne Assis]
16/11/2004
22h03min
Vocalistas esquisitões, letras de uma sensibilidade poética raramente vista na música pop, riffs de guitarra simples - mas estranhamente elaborados, ecos do glam rock e da new wave nova-iorquina dos anos 70... Não são poucas as semelhanças entre The Smiths e REM, as duas grandes bandas dos 80, ao lado dos Pixies.
[Leia outros Comentários de Flávio]
15/9/2005
22h03min
Querido Julio, acabo de adquirir uma cópia pirata de "Who´s put M in Manchester" na loja Música Urbana aqui em João Pessoa. Ele ainda consegue me emocionar até as lágrimas. Amei o seu texto restrospectivo sobre a sua relação com o bardo e a sua antiga banda, o The Smiths. O Morrissey salvou a minha vida do ostracismo naqueles difíceis anos 80, quando eu estudava em um colégio militar onde todos os garotos preferiam bandas mais barulhentas e agressivas. O Smiths foi a trilha sonora da minha adolescência. "Hand in glove" me encorajou a dar o meu primeiro beijo em um garoto no vestiário do colégio. Hoje, eu fico pensando o que seria dos garotos gays da minha época sem Morrissey e os seus Smiths. Para finalizar, quero dizer que Moz está na minha seleta lista de pessoas indispensáveis para o século XX junto com Marcel Duchamp, Andy Wharhol, Pasolini, River Phoenix, entre outros.
[Leia outros Comentários de retroboy]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Máxima Mínimas e Outros Textos: um Caminho para Alguns
Suffit Kitab Akenat
Landy
(2003)



Eugene Onegin: a Novel in Verse
Alexander Pushkin
Penguin
(2003)



Educação: Truques Velhos, Palavras Gastas
Antonio Luiz Mendes de Almeida
Quórum
(2004)



Ensaios de Direito Tributário Volume II
Helenilson Cunha Pontes
Mp
(2008)



A Nova Constituição e os Direitos Fundamentais dos Trabalhadores
Julio Cesar do Prado Leite
Edições Trabalhistas (rj)
(1987)



Gestão da Qualidade
Vários Autores
Fgv
(2005)



Voa Comigo!
Maria Teresa Maia Gonzalez
Editorial Presença
(2008)



Doze Visões de Duas Cidades Maravilhosas Rio/são
Nirlando Beirao e Outros
Formarte
(2003)



A Conservação de Energia por Meio da Co-geracao de Energia Eletrica
Luiz Donizeti Clementino
Erica
(2001)



João de Barros: Educador Republicano
Rogério Fernandes
Livros Horizontes (lisboa)





busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês