A extraordinária Nina | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
32489 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Estratégia Econômica Governo
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A arte como destino do ser
>>> Essa tal de Dança Contemporânea
>>> O soldado absoluto
>>> Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti
>>> Entrevista com Daniel Piza
>>> Aquarius, quebrando as expectativas
>>> Tin-tin!
>>> Cartas, de Antônio Vieira
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> Cartas de Kafka a Felice Bauer, por Elias Canetti
Mais Recentes
>>> Liberdade Sem Medo (Summerhill) de A. S. Neill pela Ibrasa (1980)
>>> Otimismo em Gotas de R. O. Dantas pela Otimismo (1977)
>>> Portugal: Lembranças de uma Vida de Alberto Mosa pela Elevação (1999)
>>> O Quinze de Rachel de Queiroz pela José Olympio (2010)
>>> Não Deixe Para Depois O Que Você Pode Fazer Agora de Rita Emmett pela Sextante (2003)
>>> Não Leve a Vida Tão a Sério de Hugh Prather pela Sextante (2003)
>>> Telensino Inglês Básico I vol. 1 de Suely Mesquita Cossenza pela Ministério do Exército (1997)
>>> Estrutura do Direito Penal de Luiz Vicente Cernicchiaro pela José Buschetsky (1976)
>>> Lineamenti Di Storia e de Letteratura Italiana Ed Europea, 2:... de Sambugar- Ermini pela Nuova Italia, Milano (1997)
>>> Novelas/ Raul Pompeia Obras - Volume I de Raul Pompeias/ (org.: Autografo: Afrânio Coutinho) pela Civilização Brasileira/olac (1981)
>>> A Síntese Organica do Itinerarium Aetheriae de Enio Aloisio Fonda pela Fac. de Filosofia de Assis / S (1966)
>>> O Fundamento de Validade do Direito - Kant e Kelsen de Alexandre Travessione Gomes pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2004)
>>> Aspectos da Higiene Hospitalar de Hélio Lopes (Engenheiro) pela Impr. Oficial/ Belo Horizonte (2019)
>>> Fundamento da Investigação Literaria de Eduardo Portella/ Autografado pela Rosa dos tempos/ RJ. (1974)
>>> A Amazônia Misteriosa (Formato original) de Gastão Cruls pela Organização Simões: Rj. (1953)
>>> Comunicação Alternativa e Movimentos Sociais na Amazonia Ocidental de Pedro Vicente Costa Sobrinho (Autografado) pela Ed. Univ. Ufpb; João Pessoa (2001)
>>> Emoções Amazônicas: Guia Fotográfico-... dos Ecossistemas Amazônicos de Francisco Ritta Bernardino pela Photoamazonica (1998)
>>> Reumatismo e Artrite: Tratamento Médico e Cuidados Caseiros... de John H. Bland pela Ibrasa (1962)
>>> A Invasão Farmacêutica de Dupuy e Karsenty pela Graal/ RJ. (1979)
>>> A Invasão Farmacêutica de Dupuy e Karsenty pela Graal/ RJ. (1979)
>>> Mosaico Crítico: Ensaios Sobre Literatura Contemporânea de Georg Otte - Silvana Pessôa de Oliveira/ Org. pela Autêntica/ Belo Hte. (1999)
>>> A Dança da Serpente: a Revolução Silenciosa de Bárbara Heliodora de Sebastião Martins pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (1996)
>>> A Dança da Serpente: a Revolução Silenciosa de Bárbara Heliodora de Sebastião Martins pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (1996)
>>> Liga da Justiça "A Guerra da Trindade" de Geoff Johns pela Panini Books (2017)
>>> Star Wars "Episódio IV: Uma Nova Esperança" de Disney/ Lucasfilm pela Panini Books (2018)
>>> Terras do Sem Fim de Jorge Amado pela Martins (1964)
>>> Star Wars "Episódio V: O Império Contra-Ataca" de Disney/ Lucasfilm pela Panini Books (2018)
>>> Star Wars: Ascensão da Força Sombria; Trilogia Thrawn Livro 2 de Timothy Zahn pela Panini Books (2018)
>>> Superman "Universo DC Renascimento" Vol. 2 de K. Perkins pela Panini Books (2018)
>>> The Walking Dead: Segurança Atrás das Grades de Robert Kirkman pela Panini Books (2018)
>>> Direito e Relações Internacionais de Vicente Marotta Rangel pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> O Cão: 1000 Perguntas, 1000 Respostas de Théo Gygas pela Discubra (1987)
>>> Follow Up do Recém-Nascido de Alto Risco de Sonia Maria B. Lopes e José Maria de A. Lopes pela Medsi (1999)
>>> The Walking Dead: Os mais íntimos desejos Vol. 4 de Robert Kirkman pela Panini Books (2018)
>>> Torneio de Campeões "Coleção Histórica" de Marvel pela Panini Books (2017)
>>> Escalpo "Edição de Luxo" Livro 2 de Jason; Aaron pela Panini Books/ Vertigo (2018)
>>> Batman "O príncipe encantado das Trevas" Livro 1 de Marini pela Panini Books (2018)
>>> Universo X de Marvel pela Panini Books (2018)
>>> Fábulas 1 - Edição de Luxo de Bill Willinghan pela Panini Books (2018)
>>> O Incrível Hulk - Planeta Hulk de Greg Pak pela Panini Books (2018)
>>> Outra Vez Heidi de Johanna Spyri pela Ediouro (1972)
>>> O Cachorrinho Samba na Floresta de Maria José Dupré pela Ática (1987)
>>> Criando Meninas de Gisela Preuschoff pela Fundamento (2003)
>>> Assistência Integrada ao Recém-Nascido de Cléa Rodrigues Leone e Daisy Maria Rizatto Tronchin pela Atheneu (1996)
>>> Centro Cirúrgico: Aspectos Fundamentais Para Enfermagem de Terezinha Ghellere pela Ufsc (1993)
>>> Técnicas de Pesquisa de Marina de Andrade Marconi e Eva Maria Lakatos pela Atlas (1999)
>>> O Pensamento Vivo de Maquiavel : Edição Ilustrada/ Inclui Poster de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> O Pensamento Vivo de Maquiavel : Edição Ilustrada/ Inclui Poster de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Imensa Asa Sobre o Dia de Antônio Mariano pela Dinâmica (2005)
>>> Este Padre Escapou das Garras do Papa!!! de Aníbal Pereira Reis pela Edições Caminho de Damasco (1976)
COLUNAS

Segunda-feira, 15/11/2004
A extraordinária Nina
Lucas Rodrigues Pires

+ de 5200 Acessos

Antes de falar alguma coisa sobre Nina, devo confessar uma coisa: não li Crime e Castigo, obra no qual o filme de Heitor Dhalia foi livremente inspirado. Dostoiévski é um mundo que ainda não consegui me preparar para encarar. Em relação a Crime e Castigo, que conheço o enredo, tenho uma lembrança de quando ouvi falar nele pela primeira vez. Um amigo meu jornalista dissera que fora o livro que mais chorara lendo. Eis o que me vem à mente quando ouço falar dele. Numa das feiras de livros da USP, comprei o danado de mais de 550 páginas (assim como quase todos os Dostoiévski que tenho comprei nessas feiras de promoções). Certa vez encarei as primeiras páginas, mas não passou disso. Não estava preparado para o drama de Raskólnikov.

Feito esse mea-culpa, entro enfim no filme em questão. Nina foi exibido na Mostra de Cinema de São Paulo, mas só o assisti quando estreou oficialmente, na semana seguinte. Não estava dando muita bola pra ele, pois adaptações - melhor seria dizer atualizações - para o Brasil atual não costumam render grandes obras. Na primeira fala do filme, a protagonista faz a separação dos seres humanos - há aqueles ordinários e aqueles extraordinários. Os primeiros são pessoas que não fazem nada pra mudar sua vida e se acomodam. Os extraordinários são o oposto: não se deixam tomar pela inércia e querem transformar, mudar o que acham que deva ser mudado, coisa que legitimaria até um crime. Pois bem, Nina é um filme extraordinário.

Nina (Guta Stresser, a neurótica Bebel do seriado A Grande Família) é uma jovem estilo clubber e punk que vive sua vida em São Paulo dividida entre festas regadas a drogas e álcool e subempregos que não lhe são mais que exercícios de paciência. Mora numa pensão em que a proprietária, Dona Eulália (Myriam Muniz), cobra-lhe insistentemente que pague o aluguel. Não só isso, mas a velha senhora é uma megera sem igual, cruel, fria, que atua psicologicamente sobre a jovem Nina com tamanha volúpia exatidão que chega a soar torturante os diálogos entre elas. Para quem conhece previamente a história, esperar o desfecho dessa relação é um martírio que o diretor constrói com sólida noção de planos, enquadramentos e iluminação.

Enquanto tenta sobreviver numa cidade em que sua postura de vida é marginal e discriminada, Nina relaciona-se com o mundo urbano paulista tal qual os pássaros, parece não tocar o chão da realidade. Seu mundo é sua mente, seus pensamentos, para onde se refugia constantemente trancada no quarto. Lá, uma metáfora do seu subconsciente, ela escreve uma espécie de diário e desenha, faz muitos desenhos retratando o mundo ao seu redor com um olhar impressionista. Esses desenhos são uma espécie de mangá japonês e em diversos momentos eles tomam a tela e se transformam na própria narrativa. Algo como o que fez Quentin Tarantino em Kill Bill 1. Em duas oportunidades, os desenhos representam o inconsciente de Nina, pois mostram duas formas dela assassinando D. Eulália (uma a machadadas e outra com facadas). Lembremos que o que caracteriza os mangás são a violência e o sangue espirrando.

Esse aspecto dark dos quadrinhos presentes pelos traços feitos por Nina está de acordo com a proposta do filme. O que o filme faz de fato é envolver o espectador no drama de uma jovem atormentada (explorada, torturada psicologicamente) pela dona da pensão em que vive e pressionada pela falta de perspectiva profissional e de toda ordem. Nina, no fundo, não tem perspectiva de nada a não ser morrer. Eis um viés presente, mas pouco explorado no filme. A cidade e a falta de perspectiva dos jovens cedem espaço para o drama interior da personagem, que é exposto incessantemente ao espectador.

O grande diferencial de Nina está na sua concepção visual. Fotografia e iluminação expressionistas e um estilo um tanto gótico fazem dos cômodos da pensão uma espécie de castelo do Conde Drácula. Há uma sensação de mistério e suspense em cada corredor que ela adentra ou cada porta que é aberta ou fechada. As paredes e as portas, estas pela possibilidade do olhar pela olho mágico, apresentam tal grau de importância para o clima tenso que tais objetos, inanimados, chegam a parecer pulsantes e com vida. Mais que isso, adquirem função de espionar, julgar, punir, comprimir fisicamente a protagonista. Tem um quê de Kafka na história, mistura de A Metamorfose com O Processo, e o absurdo da crueldade de D. Eulália chega a ser desumano, surreal (tal qual o pai de Gregor Samsa). A tortura psicológica frente a uma mente frágil como a de Nina é fatal, e essa angústia e culpa que advém de seu interior é transportada e representada na forma do próprio filme. A fotografia, os planos, a deformação das imagens criam um ambiente exterior de insanidade que estaria se movimentando dentro da mente de Nina. Aí a decorrência de vários acontecimentos serem encarados como perseguições. Quando se tem algo a esconder, parece que todo o universo conspira para que a verdade seja revelada. Dentro da inconsciente, isso se transforma numa força pulsante que chega a afetar o que os olhos vêem e o que o corpo sente (pode-se chamar de alucinação, delírio). Nina, tomada pela culpa, pelo medo e ainda a abstenção das drogas, enxerga o mundo pela sua mente atordoada, daí a realidade ser afetada.

Nesse ponto, Nina se aproxima de outro filme recente brasileiro, Estorvo, baseado em Chico Buarque e dirigido por Ruy Guerra. Neste, como naquele, a realidade aparece transformada pelo subconsciente, e o que se vê é reflexo dos delírios dos protagonistas, impossibilitando que saibamos a verdade sobre os fatos (disso que caracteriza a literatura de Kafka, quando nem o personagem nem mesmo o narrador sabem o que de fato ocorre e por quê). Não se pode confiar nem mais nos olhos, somos vítimas do atordoamento do personagem, vivemos o que ele vive, sentimos o que ele sente.

Além do filme, uma coisa chama a atenção: a presença desnecessária de grandes atores nacionais - a nova safra de talentos brasileiros - em participações tão insignificantes em que alguns não dizem uma palavra. Vemos ao longo do filme atores como Renata Sorrah (a puta maltratada), Selton Mello (namorado bêbado e drogado de uma amiga), Wagner Moura (o cego), Lázaro Ramos e Matheus Nachtergaele (pintores da pensão e sem uma fala sequer). O que justificaria tais presenças em papéis tão secundários, quase figurantes?

Apesar disso, Nina já é uma das melhores estréias nacionais do ano. Tem um jeitão pós-moderno, de resgate de filmes da história do cinema, mas tem sua originalidade e, portanto, seu valor. Outro bom autor que nasce no cinema brasileiro.

Como fazer um filme de amor original

Aproveitei e vi também a estréia de outro diretor em longa-metragem, Como Fazer um Filme de Amor, do escritor José Roberto Torero, um manual de como um filme romântico é feito. Todos os clichês são ensinados e seguidos (apresentação dos personagens, o conflito inicial que se transforma em paixão, os obstáculos que virão contra o amor - sempre com um vilão envolvido - e enfim a vitória do amor frente a tudo e todos com o final feliz almejado). A forma que Torero usa é a do narrador cúmplice da platéia (Paulo José), que vai contando e desmontando tudo que acontece, com o poder de parar uma cena e mostrar de outra forma. Fica a sensação de que o diretor de cinema é um deus frente a seus personagens. E de fato é mesmo.

Algumas situações cômicas e outras nem tanto fizeram a crítica se dividir a seu respeito. Mas convém ressaltar o ótimo texto de Torero, que escreveu o roteiro além de dirigir, com sacadas geniais em diversos momentos. Exemplar do cinema (da arte, seria melhor dizer) de Torero é o final do filme, quando os créditos sobem e o narrador ainda está lá apresentando os erros de gravações e dialogando sobre custos, objetivos do filme, que é ganhar dinheiro, e pedindo aos espectadores para indicar o filme aos outros. E ainda dizendo que todo filme de amor é igual, que já vimos dezenas, mas mesmo assim semana que vem estaremos lá vendo outro filme de amor. "O espectador sempre volta. Sempre volta". E não é que ele tem razão?


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 15/11/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As Midias Sociais e a Intimidade Inventada de Noah Mera
02. A esperança segundo a ficção de Rafael Rodrigues
03. Violões do Brasil de Rafael Fernandes
04. A morte do homem comum de Jonas Lopes
05. A Marie Antoinette de Sofia Coppola de David Donato


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2004
01. Olga e a história que não deve ser esquecida - 30/8/2004
02. Os narradores de Eliane Caffé - 5/2/2004
03. Quem tem medo de Glauber Rocha? - 19/7/2004
04. As garotas do Carlão - 13/9/2004
05. Cazuza e o retrato do artista quando jovem - 5/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FERTILIZAÇÃO FUNDAMENTOS DA UTILIZAÇÃO DOS ADUBOS E CORRECTIVOS 2A....
J. QUELHAS DOS SANTOS
EUROPA AMERICA
(1996)
R$ 16,75



LEITURA E SUBJETIVIDADE
SAULO CESAR PAULINO E SILVA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



O PAPAGAIO QUE NÃO GOSTAVA DE MENTIRAS
ADILSON MARTINS; LUCIANA J. HEES
PALLAS
(2012)
R$ 12,00



FAÇA O SEU SEGUNDO CASAMENTO DAR CERTO
ROSAURA RODRÍGUEZ
PLANETA DO BRASIL
(2009)
R$ 9,90



MOTOQUEIROS NO ALÉM
EURÍCLEDES FORMIGA
IDE
(2006)
R$ 5,50



ANGUS LIVRO UM O PRIMEIRO GUERREIRO
ORLANDO PAES FILHO
ARXJOVEM
(2003)
R$ 12,00



NÁUFRAGOS, TRAFICANTES E DEGREDADOS VOL. II 1934
EDUARDO BUENO
OBJETIVA
(1998)
R$ 13,00



CURSO DE DIREITO PROCESSUAL PENAL - VOL. III - 2ª ED.
FRANCISCO DE ASSIS RÊGO MONTEIRO ROCHA
JURUÁ
(2007)
R$ 47,00



TERRA EM TRÂNSITO - 5858
TOM CAPRI
CLIP
(2001)
R$ 10,00



COMO ESCREVER QUALQUER CARTA
OSMAR BARBOSA
DE OURO
R$ 6,00





busca | avançada
32489 visitas/dia
1,0 milhão/mês