O amor e o amor plagiado | Alexandre Inagaki | Digestivo Cultural

busca | avançada
51145 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> ANUAL DE ARTE FAAP ABRE AO PÚBLICO NO DIA 30 DE NOVEMBRO
>>> JOSYARA FAZ SHOW NO SESC BELENZINHO
>>> Revista Úrsula na Copa
>>> Mostra Contemporânea de Natal - Vai na Fé - no Museu de Arte Sacra
>>> Feira Criativa Fuzuê será realizada diariamente a partir desta quinta, no Saltare Centro de Dança
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Desapega, só um pouquinho.
>>> Menos, Redentor. Menos
>>> Sou grato a Deus
>>> Água das águas
>>> Súplica
>>> Por que me abandonastes
>>> Política na corda bamba
>>> Aonde anda a liberdade
>>> Calar não é consentir
>>> Eu já morri, de Edyr Augusto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lost
>>> Eles vão invadir seu Orkut!
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
>>> O filósofo da contracultura
>>> Sobre a vida no campo
>>> Orgasmo ao avesso
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Lendo Dom Quixote
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O mundo aos olhos de um pescador
Mais Recentes
>>> Minecraft em Busca da Maçã Durada de Cara J. Stevens pela Ciranda Cultural (2016)
>>> Introdução à Lógica Matemática de Cristina Hundertmarh; Sérgio Tadeu Lopes pela Átomo (1986)
>>> Código Civil e cidadania de Keila Grinberg pela Jorge Zahar (2002)
>>> Angélica e a estrela mágica 340 de Anne e Serge Golon pela Abril Cultural
>>> Re - Significando A Parentalidade Os Desafios De Ser Pai Na Atualidade de Berthoud pela Cabral (2003)
>>> O salto Para a Vida A História de Léa Mamber de Célia Valente pela Ftd (2008)
>>> Os amores de Angélica 340 de Anne e Serge Golon pela Abril Cultural
>>> Fração de Segundo de Alex Kava pela Harlequin Books (2006)
>>> Estados Unidos de Fernando Portela; João Rua pela Ática (2008)
>>> Angélica , rainha de quebec 340 de Anne e Serge Golon pela Abril Cultural
>>> Angélica e o perdão do rei 340 de Anne e Serge Golon pela Abril Cultural
>>> Fazendo Modelo Novela Pecuária 340 de Chico Buarque pela Civilização Brasileira (1974)
>>> Rei Artur de Paul C. Doherty pela Nova Cultural (1987)
>>> Édipo Rei 340 de Didier Lamaison pela Moderna (2001)
>>> Mulheres às Avessas 340 de Lígia Guerra pela Sextante (2013)
>>> Física Vol 1 de Rocco Lence B2 pela Érica (1986)
>>> Administração de sistemas hoteleiros 340 de Vladir Vieira Duarte pela Senac Sp (2005)
>>> O Caso da Borboleta Atíria de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (2006)
>>> O Livro dos Jovens 340 de Masaharu Taniguchi pela Seicho NO IE (2012)
>>> Múltipla Escolha de Lya Luft pela Record (2010)
>>> Inglês método prático de conversação 340 de Jill Norman pela Martins Fontes (1980)
>>> Pessoal e Intransferível de Sylvia Leal; Regina Protasio pela Record (2004)
>>> As grandes receitas de Ofélia de Diversos autores B10 pela Modelo
>>> A Festa da Cumeeira Um Guia Prático da Construção para Leigos de Rosilene Fraga pela Florianópolis (2005)
>>> Felicidade uma Investigação de Rogerio Mainardes; Daviane Chemin pela Inventa (2019)
COLUNAS

Quarta-feira, 8/12/2004
O amor e o amor plagiado
Alexandre Inagaki

+ de 16600 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Todos os dias morre um amor. Quase nunca percebemos, mas todos os dias morre um amor. Às vezes de forma lenta e gradativa, quase indolor, após anos e anos de rotina. Às vezes melodramaticamente, como nas piores novelas mexicanas, com direito a bate-bocas vexaminosos, capazes de acordar o mais surdo dos vizinhos. Morre em uma cama de motel ou em frente à televisão de domingo. Morre sem beijo antes de dormir, sem mãos dadas, sem olhares compreensivos, com gosto de lágrima nos lábios. Morre depois de telefonemas cada vez mais espaçados, cartas cada vez mais concisas, beijos que esfriam aos poucos. Morre da mais completa e letal inanição.

Todos os dias morre um amor. Às vezes com uma explosão, quase sempre com um suspiro. Todos os dias morre um amor, embora nós, românticos mais na teoria do que na prática, relutemos em admitir. Porque nada é mais dolorido do que a constatação de um fracasso. De saber que, mais uma vez, um amor morreu. Porque, por mais que não queiramos aprender, a vida sempre nos ensina alguma coisa. E esta é a lição: amores morrem.

Todos os dias um amor é assassinado. Com a adaga do tédio, a cicuta da indiferença, a forca do escárnio, a metralhadora da traição. A sacola de presentes devolvidos, os ponteiros tiquetaqueando no relógio, o silêncio ensurdecedor depois de uma discussão: todo crime deixa evidências.

Todos nós fomos assassinos um dia. Há aqueles que, feito Lee Harvey Oswald, se refugiam em salas de cinema vazias. Ou preferem se esconder debaixo da cama, ao lado do bicho-papão. Outros confessam sua culpa em altos brados, fazendo de penico os ouvidos de infelizes garçons. Há aqueles que negam, veementemente, participação no crime, e buscam por novas vítimas em salas de chat ou pistas de danceteria, sem dor ou remorso. Os mais periculosos aproveitam sua experiência de criminosos para escrever livros de auto-ajuda com nomes paradoxais como O Amor Inteligente ou romances açucarados de banca de jornal, do tipo A Paixão Tem Olhos Azuis, difundindo ao mundo ilusões fatais aos corações sem cicatrizes.

Existem os amores que clamam por um tiro de misericórdia: corcéis feridos.

Existem os amores-zumbis, aqueles que se recusam a admitir que morreram. São capazes de perdurar anos, mortos-vivos sobre a Terra teimando em resistir à base de camas separadas, beijos burocráticos, sexo sem tesão. Estes não querem ser sacrificados, e, à semelhança dos zumbis hollywoodianos, também se alimentam de cérebros humanos, definhando paulatinamente até se tornarem laranjas chupadas.

Existem os amores-vegetais, aqueles que vivem em permanente estado de letargia, comuns principalmente entre os amantes platônicos que recordarão até o fim de seus dias o sorriso daquela ruivinha da 4ª série, ou entre fãs que ainda suspiram em frente a um pôster do Elvis Presley (e, pior, da fase havaiana). Mas titubeio em dizer que isso possa ser classificado como amor (bah, isso não é amor; amor vivido só do pescoço pra cima não é amor).

Existem, por fim, os amores-fênix. Aqueles que, apesar da luta diária pela sobrevivência, das contas a pagar, da paixão que escasseia com o decorrer dos anos, da TV ligada na mesa-redonda ao final do domingo, das calcinhas penduradas no chuveiro e das brigas que não levam a nada, ressuscitam das cinzas a cada fim de dia e perduram - teimosos, e belos, e cegos, e intensos. Mas estes são raríssimos, e há quem duvide de sua existência. Alguns os chamam de amores-unicórnio, porque são de uma beleza tão pura e rara que jamais poderiam ter existido, a não ser como lendas. Mas não quero acreditar nisso.

Um dia vou colocar um anúncio, bem espalhafatoso, no jornal.

PROCURA-SE: AMOR-FÊNIX
(oferece-se generosa recompensa)

Agora como me tornei um autor (des)conhecido
e fui parar em um anexo de PowerPoint


Há tempos não publico ficções no meu blog, optando por deixá-las guardadas em uma gaveta nada virtual, por dois motivos principais. O primeiro é o fato de que há na blogosfera diversos escritores mais inspirados do que eu (dois bons exemplos: Fabio Danesi Rossi e Dennis D.). O segundo é a praga virtual que infesta há tempos a Internet: a mania que certas pessoas têm de se apropriar de textos alheios. Enquanto alguns acrescentam sua assinatura a textos que jamais escreveram (e nem seriam capazes de), outros atribuem a escritores conhecidos a autoria de versos e prosas alheios.

Tão inacreditável quanto a conduta daqueles que adulteram a autoria de textos é tentar entender como é que existem pessoas que crêem piamente que um escritor como Luis Fernando Veríssimo teria sido capaz de escrever uma crônica com o sutilíssimo título "Um Dia de Merda". Enfim, coisas de uma nação de analfabetos funcionais, que lêem e interpretam textos com neurônios apáticos e apaziguados. Acham um artigo bonitinho ou engraçadinho, decidem reencaminhá-lo via e-mail para sua lista de contatos ou copiá-lo em seus blogs e mal se preocupam com detalhes "secundários" como dar os devidos créditos do texto que tanto apreciaram.

Tempos estranhos. Fama virtual é escrever um texto e vê-lo atribuído a Clarice Lispector, Arnaldo Jabor ou Herbert Vianna, isso quando você não se torna o tal do "autor desconhecido". Eu, por exemplo, já perdi a conta de quantas vezes vi contos, crônicas, artigos e poemas meus sendo publicados em sites como se fossem escritos por outros. São situações pra lá de chatas, que no entanto são inevitáveis a qualquer um que se disponha a usar a Internet como meio de publicação.

Semanas atrás, por exemplo, fui surpreendido ao receber o forward de um arquivo de PowerPoint baseado em minha crônica "Pequeno Tratado sobre a Mortalidade do Amor" (texto acima), publicada pela primeira vez em novembro de 2000. Além do choque que sofri ao ver palavras transpostas para esta que é a mais infame das interfaces de um texto, ainda tive o desprazer de constatar que o zé mané que manipulou minha crônica adulterou-a completamente, mudando ou acrescentando sentenças inteiras ao seu bel-prazer. Os trechos mais irônicos, a discreta citação a um poema de T. S. Eliot, a piada sobre "amores inteligentes" ou a referência à fase decadente de Elvis Presley foram tolhidos, e em seu lugar foram incluídas frases típicas de livrecos de auto-ajuda, do tipo "o amor é simplesmente o resultado concreto de um relacionamento maduro e crescente entre duas pessoas". Mas, pior do que ver meu texto retalhado e deturpado, foi encontrar essa versão apócrifa reproduzida na Web em sites entuchados com gifs animados e arquivos mid: de que desgosto.

O que fazer para atenuar os danos causados por tais aberrações? Antes de mais nada, é bom saber que os direitos autorais são regulados no Brasil pela Lei 9.610/98, que afirma: "É expressamente vedada, sob pena de serem tomadas as medidas judiciais cabíveis, a reprodução, publicação, distribuição e/ou o uso indevido de qualquer dos textos ora em questão, seja na íntegra ou em partes, sem o expresso consentimento e concordância por escrito dos respectivos autores". Mas só o conhecimento da lei não basta: a fim de resguardar seus direitos, todo autor deve registrar oficialmente suas criações na Biblioteca Nacional (clique aqui para saber como fazer isso).

Vale a pena registrar ainda a observação da jornalista e professora Tina Andrade, que em seu artigo "Copy-paste: na web plágio (ainda) é muito relativo", escreve: "O poder das networks está disparando e, na minha modestíssima opinião, a melhor maneira de evitar o plágio ainda é, foi e sempre será tornar a sua obra pública para o maior número de pessoas possível! Basta saber transformar internautas-de-carteirinha, 'listeiros', leitores assíduos, formadores de opinião em fiéis escudeiros... Como? Relacionamento: transparente, bem-humorado, interessante. Porque o bom quando se fala em web é mesmo saber lidar com gente". Outra dica é aproveitar os recursos do Copyscape, site que dedura plagiadores de textos. Seu funcionamento é simples: você acessa a página, digita a URL de seu blog ou site e inicia a busca. Em poucos segundos o Copyscape rastreará a Internet em busca de outros sites que tenham copiado excertos de seus escritos.

A propósito: se você gostou de algum texto que escrevi e deseja republicá-lo em algum site, sinta-se à vontade para reproduzi-lo, desde que respeitando as normas do Creative Commons. Last, but not least: e nada de anexos e de PowerPoint, por favor...

Nota do Editor
Texto originalmente publicado no blog Pensar Enlouquece, Pense Nisso, de Alexandre Inagaki. E reproduzido, aqui, obviamente, com autorização do autor.


Alexandre Inagaki
São Paulo, 8/12/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Devaneios sobre Copa do Mundo de Rafael Fernandes
02. Stela Adler Sobre Ibsen, Strindberg e Chekhov de Ricardo de Mattos


Mais Alexandre Inagaki
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/12/2004
11h50min
Depois que descobrimos um professor que copiou uma idéia que conversamos com ele numa visita (paga) a nossa empresa, o matemático que fez a pesquisa comigo fez um bom comentário sobre cópia, plágio, etc... Eu perguntei a ele se não estava posesso como eu estava, e ele respondeu que não. E eu retruquei, por quê? Ele me disse, e não esqueço disso, que fazia pesquisa e matemática por prazer. O prazer que ele teve, o plagiarista jamais teria. Ele também disse que quem cria pode criar inúmeras vezes, e profetizou que logo iriamos inventar algo diferente para o mesmo problema. Um ano depois, escrevemos 4 publicações sobre o assunto... Mas realmente, apresentar os artigos, e ser reconhecido pelos professores de algum assunto perdeu muito o valor, depois que reparei que 70% do que se escreve é por necessidade de fama/tenure/etc... O prazer é mesmo fazer a pesquisa. Quem sabe, o prazer não seja mesmo escrever?
[Leia outros Comentários de Ram]
2/1/2005
17h49min
É impossível não ficar pê da vida com esses babacas plagiadores e retalhadores de textos alheios. E também não dá pra não sofrer com a morte de um amor que, como tudo na vida, parece ser finito. Abraços da neusa
[Leia outros Comentários de neusa]
5/10/2005
14h55min
Não é por nada não, mas a idéia de seu texto lembra muito o Morre Lentamente, de Martha Medeiros, que circulou pela net atribuído a Gabriel Garcia Marquez.
[Leia outros Comentários de Roberta]
18/10/2006
17h43min
Plagiar é a arte daqueles que por incapacidade criativa não são capazes de imaginar o sonho e a fantasia, mas são inteligentes o suficiente para não deixar vestígios da obra plagiada.
[Leia outros Comentários de Don Juan]
11/4/2007
11h17min
Acabei de receber esse belissimo texto por e-mail e sem o crédito necessário. Já ia colocar ele no meu blog e dizendo - Autor Desconhecido - mas resolvi seguir minha intuição e pesquisar no bendito Google... e cá estou ... parabenizando o autor. Vou colocar no blog e dar credito ao autor e a sua página virtual. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Elizabeth ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Cortiço
Aluísio Azevedo
Martin Claret
(2007)



Pensamento e Linguagem - Curso Básico de Psicologia
Judith Greene
zahar
(1976)



Le Mariage de Benjamin Blue Bird
Christophe Izard
Du Chat Perché
(1980)



Antigamente era janeiro
Humberto Mariotti
A girafa
(2005)



Livro - Os 10 Mandamentos da Inovação Estratégica
Vijay Govindarajan
Campus
(2006)



E melhor Colher Flores....
Jose Antonio Castilho
Eme
(1995)



Coleção Folha - Grandes Biografias no Cinema - 14 Volumes
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
(2016)



Hospital dor e Morte como Ofício
Ana Pitta
hucitec
(1994)



Ação e reação pelo espírito André luiz
Francisco Cãndido Xavier
feb
(1993)



Anunnakis - Os Deuses Astronautas
Annabel Sampaio
Madras
(2013)





busca | avançada
51145 visitas/dia
2,0 milhão/mês