Um tiro no sonho americano | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 18/4/2005
Um tiro no sonho americano
Marcelo Miranda

+ de 8300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A primeira constatação após assistir a O Aviador, de Martin Scorsese, e ler a biografia homônima escrita por Charles Higham e lançada pela primeira vez em 1993 (agora ganhando oportuna reedição pela Record) é de que o Howard Hughes de cada obra não pode ser a mesma pessoa. Scorsese, grande mestre do cinema que é, parece ter escolhido retratar essa figura mítica do imaginário americano mais por conseguir fazê-la se encaixar às suas obsessões como cineasta do que efetivamente registrar em película a vida desse personagem estranho e cheio de ambigüidades. O realizador de obras-primas como Taxi Driver, Touro Indomável e Os Bons Companheiros deve ter encontrado em Hughes, nas suas obsessões, nas suas paixões, no sua ânsia ao isolamento e sentimento de "único no mundo", todas as características de um personagem no estilo do taxista Travis Bickle, do boxeador Jake LaMotta e de tantas outras gentes perturbadas que marcam sua filmografia. Não interessava o Hughes real, e sim o Hughes utópico. O resultado é uma epopéia de glamour e dor como poucas vezes o cinema americano conseguiu fazer numa produção desse porte.

Já o livro de Higham sobre Howard Hughes, que supostamente inspirou o épico de Scorsese, cava fundo para tentar entender quem era, afinal, esse texano surgido do nada no universo de estrelas da Hollywood dos anos 20. Pode-se até dizer que Higham dá uma visão particular sobre a vida do milionário, mas o autor tem a seu favor catorze páginas detalhadamente explicativas sobre as fontes para cada informação do livro, incluindo nomes de entrevistados, documentos e datas. Parece mera obrigação de escritor, mas em se tratando da biografia de uma personalidade tão estranha, misteriosa e polêmica como Hughes, faz toda a diferença na hora de tentar se buscar o quanto de realmente verdadeiro há naqueles dezenove capítulos.

Não é à toa que o livro tenha como subtítulo A Vida Secreta de Howard Hughes. Se a fase do biografado no mundo do cinema e da aviação quase não é segredo algum, o trunfo está em Higham dissecar praticamente dia a dia o cotidiano corrupto e mesquinho de Hughes no final da vida. Uma fase marcada pela nebulosidade, quando muita gente pensava que ele era apenas um vegetal deitado numa cama, tomando drogas contra dores no corpo, escondido do mundo por medo de germes e bactérias, sendo controlado pelos funcionários. O autor desmistifica essa faceta e apresenta um Hughes calculista, no auge da canalhice e das manobras para conseguir lucros e driblar o imposto de renda. O homem que surge entre os dezoito anos que vão de 1958 a 1976 é dos mais próximos aos conceitos de canalha e maldoso que a história dos EUA concebeu.

A gênese dessa vilania típica de produções do cinema-lixo que surgem aos montes pode estar ainda na juventude de Hughes. Ou não. Difícil encontrar a chave para o que ele se tornaria. Howard Hughes nasceu em 24 de setembro de 1905 (sendo registrado exatos três meses depois, o que sempre gerou confusão sobre sua idade). O pai era dono de uma empresa de perfuração de petróleo, e logo tornou-se endinheirado. Quando ficou órfão, aos 18 anos, Hughes já era rico o suficiente para fazer as excentricidades que lhe conviessem. Possivelmente traumatizado por ter sido molestado pelo tio, um pouco surdo, paranóico como a mãe por limpeza e doenças, Hughes jamais conseguiu permanecer estável na vida. Nunca estava satisfeito, querendo mais e mais. Assim foi parar em Los Angeles, em meados da década de 20, interessado em se envolver no mundo mágico do cinema, arte pela qual era apaixonado. Em Hollywood encontrou o "sustento" que tanto almejava: produções cheias de atores famosos e lindas mulheres aos montes. Tornou-se o playboy preferido das colunas sociais e das camas de homens e mulheres. Teve casos com uma galeria de estrelas impressionante, beirando o inacreditável: Carole Lombard, Bette Davis, Ginger Rogers, Katherine Hepburn, Fay Wray, Rita Hayworth, Marlene Dietrich, Ava Gardner, Jean Peters. Na sua verve homossexual, Hughes se envolveu com, entre outros, Tyrone Power e Cary Grant, este talvez seu romance mais extenso, entre idas e vindas. Engravidou Hayworth e Peters, mas ambas abortaram, fosse por problemas naturais (a primeira) ou por manipulações do próprio Hughes (no caso de Peters). Ele odiava crianças e faria tudo para interromper uma gravidez.

É no que se refere aos romances de Hughes que O Aviador de Charles Higham exagera na dose. Existe grande significado no envolvimento do biografado com tantas personalidades, é parte de sua essência. Mas Higham por vezes extrapola o limite do bom senso, explicitando algumas situações que beiram o mau gosto, na tentativa de dar ao leitor visão abrangente das perversões de Hughes na cama. Por vezes soa dispensável e maçante, tirando a atenção de temas mais relevantes e dignos de serem tratados. O leitor interessado em determinadas manias sexuais pode ler algo mais especializado, como o curioso A Vida Sexual dos Ídolos de Hollywood, de Nigel Cawthorne (que tem, inclusive, um capítulo dedicado a Cary Grant). Tenho minhas dúvidas se uma biografia que se preste a radiografar uma personalidade deva especular excessivamente sobre as formas prediletas do protagonista na hora do amor.

A persona de aviador de Hughes também é fartamente registrada por Higham. Os principais momentos são o recorde de velocidade em vôos sobre terra firme, que ele atingiu em 1935; e, principalmente, a volta ao mundo em três dias, dezenove horas e dezessete minutos, a bordo de um L-14, em 1938. Essa proeza deu a Hughes celebridade nacional, tornando-o o herói exemplar de toda uma época. Mal sabiam as pessoas que o exaltavam o quanto de egoísmo se escondia ali. Da época de aviador em diante, as negociatas de Hughes como empresário da indústria de aviação foram aumentando e aumentando, inclusive no nível de ilegalidades. Contratos com o governo, desperdício de dinheiro público, sonegação de impostos, fuga de fiscais. Todo tipo de coisa errada, Hughes e seus asseclas experimentaram.

Principalmente naqueles tais últimos vinte anos de vida. Corroído pela síndrome obsessivo-compulsiva e pelos dolorosos sintomas de uma doença jamais diagnosticada (Higham levanta a hipótese de ser AIDS), Hughes parece ter perdido as estribeiras e dado consciência de que, sendo o homem mais rico dos EUA, em tese não precisaria se privar de nada que lhe favorecesse. Isolando-se em quartos fechados, marcado pela falta de higiene (algo paradoxal à sua mania de limpeza), cabelos grandes, unhas colossais, dentes podres, hemorróidas, tumor na cabeça e vários outros problemas, Hughes se manteve ativo, dando golpes e financiando atividades escusas do governo de Richard Nixon - incluindo participação fundamental no escândalo Watergate. Virou o maior investidor da jogatina de Las Vegas, envolveu-se com gângsteres e atentados à vida de Fidel Castro, deu dinheiro para a Casa Branca interromper testes nucleares (não por preocupação ao bem-estar mundial, mas pelo pavor de ser contaminado pela radiação), vendeu armamentos militares que foram usados na 2a Guerra e no Vietnã, manteve contratos secretos com a CIA, pelos quais fornecia equipamentos de espionagem, satélites, lasers e grampos, em troca do não pagamento de impostos.

Estas são apenas pinceladas num poço de sujeira. À medida que O Aviador vai avançando, a sensação é de que Howard Hughes era um incompetente megalômano, que se aproveitava da esperteza de quem trabalhava para ele em vez de se envolver diretamente nas ações. Sua utilidade era apenas ordenar e dar ou não aval às maquinações. Incompetente para gerir, jamais para gerar dinheiro a si mesmo, que fique bem claro. Faz sentido Martin Scorsese ter ignorado o "lado negro" de Howard Hughes. Na vontade de adequar o homem aos seus personagens, a melhor decisão era mesmo não mexer em vespeiro. Mas fica difícil apreciar com mais vontade o filme de Scorsese após conhecer o livro de Charles Higham, um tiro na idéia simplista de que o sonho americano pode ser construído honestamente e de que os EUA de outrora sejam o patamar da decência. O "sonho" de Hughes foi montado à base de muita infelicidade e prejuízo. Dos outros.

Para ir além






Marcelo Miranda
Juiz de Fora, 18/4/2005


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2005
01. O enigma de Michael Jackson - 26/9/2005
02. 24 Horas: os medos e a fragilidade da América - 4/7/2005
03. Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo - 10/1/2005
04. O faroeste não morreu. Está hibernando - 1/8/2005
05. Filmes maduros e filmes imaturos - 24/10/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/9/2006
22h37min
Muito interessante esse texto. Marcelo, está de parabéns. Estou prestes a apresentar uma biografia do Howard Hughes e além do filme queria ter uma segunda visão, e esta foi a mais direta, sincera e clara. Valeu!
[Leia outros Comentários de Ronan]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIÇÕES DE DIREITO PARA PROFISSIONAIS E ESTUDANTES DE ADMINISTRAÇÃO
JOÃO BAPTISTA HERKENHOFF
FUNDO DE CULTURA
(2006)
R$ 45,00



NOVA ESCOLA Nº 216 EFEITO DOMINÓ
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2008)
R$ 5,90



E-MAIL - A COMÉDIA DOS SEM-CARÁCTER...
MATT BEAUMONT
BERTRAND BRASIL
(2005)
R$ 10,00



LAÇOS DE AMOR
ANDREIE BAKRI
MADRAS
(2001)
R$ 20,00



CENTURION
SIMON SCARROW
HEADLINE
(2007)
R$ 20,00



PARTIDO REPUBLICANO FEDERAL 1893-1897
JOSÉ S. WITTER
BRASILIENSE
(1987)
R$ 7,00



100 SEGREDOS DAS PESSOAS DE SUCESSO
DAVID NIVEN
SEXTANTE
(2002)
R$ 10,00



O MANUAL DA FELICIDADE O SERMAO DA MONTANHA
PE ALBERTO LUIZ GAMBARINI
LOYOLA
R$ 6,00



O VERDE VIOLENTOU O MURO
IGNÁCIO LOYOLA BRANDÃO
GLOBAL
(1984)
R$ 4,00



CADERNO PEDAGÓGICO 3º TEMA GERADOR: O SENTIDO DA VIDA
PROJETO PARA O ENSINO RELIGIOSO ESCOLAS PÚBLICAS
PAULUS (SP)
(1995)
R$ 31,28





busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês