Literatura brasileira hoje | Astolfo Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
Mais Recentes
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Astrologia e Fatalismo Magnetismo e Hipnose de Ferni Genevè pela Fase (1983)
>>> Práticas da leitura de Roger Chartier (org.) pela Estação Liberdade (2001)
>>> Universo em Desencanto A Verdadeira Origem da Humanidade Vol 1 de Não Informada pela Mundo Racional
>>> Matemática Financeira de Roberto Zentgraf pela Ztg (2002)
>>> Como Negociar Qualquer Coisa Com Qualquer Pessoa Em Qualquer Lugar do Mundo de Frank L. Acuff pela Senac (1998)
>>> Morte e Vida Severinas: das Ressurreições e Conservações ... Ed. Ltda. de Nelci Tinem e Luizamorim: Organização pela Impre. Univ. J. Pessoa (2012)
>>> Mais Trinta Mulheres que Estão Fazendo a Nova Literatura de Luiz Ruffato pela Record (2005)
>>> Príncipe Sidarta A Fuga do Palácio de Patricia Chendi pela Rocco (2000)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Smart Work Why Organizations Full Of Intelligent People ... de Steven A. Stanton pela Do Autor (2016)
>>> Estatística Objetiva de Roberto Zentgraf pela Ztg (2001)
>>> Diários Messiânicos: uma Experiência de Extensão Universitária de Bruno Cesar Euphrasio de Mello pela Univ. Federal Rgs. (2015)
>>> The Lost Symbol de Dan Brown pela Doubleday (2009)
>>> Dez Dias de Cortiço de Ivan Jaf pela Ática (2009)
>>> Medicina do Além Um Presente de Jesus para a Humanidade de Fabio Alessio Romano Dionisi pela Dionisi (2014)
>>> Energia Renovável de Dme pela Dme
>>> São João Paulo Grande Seus Cinco Amores de Jason Evert pela Quadrante (2018)
>>> At Risk de Patricia Cornwell pela Little Brown And Company (2006)
COLUNAS

Quinta-feira, 23/6/2005
Literatura brasileira hoje
Astolfo Lima

+ de 11200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O processo de torpedeamento em cima da nossa literatura já vem de long time, não é novidade, porém agora se acentuou de tal modo que não dá mais para silenciar, sob pena de vermos virar fumaça o Pensamento Nacional Contemporâneo.

Começa quando eliminam o Latim e a Filosofia de todos os currículos escolares e jogam a Literatura como simples apêndice da língua pátria. Beleza. Depois, bastaria minar todos os espaços que ainda estivessem disponíveis nos jornais e revistas de mil novecentos e antigamente, em que se publicavam a literatura propriamente dita em forma de poemas, contos, capítulos de romances etc. Se o texto era de qualidade ou apenas uma farsa, caberia tão somente ao destinatário da escrita fazer a sua avaliação. O mais importante é que se estabelecia ali um elo cultural entre a galera e o artista, ativando aquela chama, propiciando a que se formasse no leitor um acentuado senso crítico, inclusive despertando em alguns o gosto por uma arte sem a qual nenhum país do mundo poderá se dizer civilizado. Se o cara se garantisse, não tinha erro, alçaria vôo rapidamente com a exposição de seus trabalhos nesses tablóides. Tanto isso é vero que foi dessa forma que se viu florescer entre nós duas ou três gerações de escritores que dariam as cartas ao decorrer de todo o século XX.

Agora, lamentavelmente, tudo virou bosta - como diria com muita propriedade a talentosa Rita Lee. É o advento das gerações periquitinho seco e mamãe, esqueci meu trombone. Eles que ditam os rumos da "curtura" nacional, confeccionam as antolorotas e bolam em mesas de bares entre um gole e outro de cerveja os livros-brinquedos que serão vendidos por uma nota preta nos bazares-livrarias dessa terra desvairada. Dominam o pedaço e vão muito bem, obrigado. Dia desses tava um lá em Paris, na madrugada, dando entrevista prum repórter da TV de mentirinha e descendo o malho na "crítica especializada", nos esotéricos e resenhistas oficias; até parecia... Deixa estar! Somos, portanto, não mais que a pátria dos mariquitas de lente grossa, olheiros das grandes editoras e aproveitadores de sacadas não plenamente desenvolvidas por outros escritores em épocas distantes, todos vasculhando códigos, deturpando as obras já em domínio público e imbecilizando cada vez mais a massa consumidora e lerda.

Na mão grande tiraram de cena aquele autor visionário, criativo, baniram o poeta mais lúcido, deletaram o texto inventivo, a poesia, e em seus lugares nos empurraram goela abaixo (ou pelo menos tentaram) os escribas-jornalistas, piadistas medíocres, ébrios e midiáticos, alguns apenas engraçadinhos, meia dúzia de vivandeiras bem remuneradas, todo um disciplinado batalhão de legitimadores da sub-arte, abraçados a seus textos inúteis, pre-formatados, repletos de termos técnicos, chavões, invadindo os espaços na TV, nos jornalões e revistas semanais, emprenhando com abobrinhas o crânio já vulnerável do distinto público consumidor e entupindo de grana os cofres dos felizes proprietários de renomadas casas editoriais.

Para esses famigerados agentes do desmonte a literatura-cabeça é apenas uma excrescência e não a mais importante de todas as artes; única na virtude de fixar um país no mapa cultural da humanidade. Balela. Importante para eles é apenas formar uma colossal legião de criaturas vorazes no gesto de absorver inutilidades. Ignoram ou fingem que tudo aquilo que emana do vivo pensamento de um povo está diretamente relacionado com a Literatura, desde a crônica mais remota, os escritos sagrados, os poemas épicos, as epopéias, tudo, tudo; a bela pintura, os filmes grandiosos, as encenações teatrais, as fantásticas esculturas, os melhores discursos e teses, a música erudita, os grandes concertos... enfim, que a vida flui da literatura e que tentar extingui-la é querer anular-se enquanto indivíduo e negar a própria terra em que fincaríamos nossas raízes.

Para aquilatarmos esse dom prodigioso que a literatura tem (ou teria) de inserir um povo no contexto histórico de seu tempo, basta lembrarmos que se tornou lugar-comum certas afirmações: "a língua de Camões, de Fernando pessoa, ou de Shakespeare, de Goethe ou Cervantes". De tal modo os grandes Mestres da Literatura se incorporaram à nomenclatura das Letras Universais, ao verbo e à própria existência humana, que viraram adjetivos. "Uma situação kafkiana", "Um drama shakespeariano", "Um texto tipicamente borgiano". Jamais se diria: "a terra de Bill Gates", "de George Bush" ou de qualquer outra figura notável no campo do capitalismo ou da política, mas nos expressaríamos com muito gosto sobre a pátria de T. S. Elliot e Edgar Allan Poe.

Nota do Editor
Texto originalmente publicado na nova revista Cronópios e reproduzido aqui com autorização do autor.


Astolfo Lima
São Paulo, 23/6/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Igual, mas diferente: a Bienal de Minas de Ana Elisa Ribeiro
02. Sonoridade imortal de Mozart de Tais Laporta
03. Fondo de Cultura Económica: 70 anos de uma missão de Celso A. Uequed Pitol
04. Executivos de Rennata Airoldi
05. A felicidade não se compra de Clarissa Kuschnir


Mais Astolfo Lima
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/10/2007
08h46min
O processo de torpedeamento em cima da nossa literatura já vem de long time, não é novidade, porém agora se acentuou de tal modo que não dá mais para silenciar, sob pena de vermos virar fumaça o Pensamento Nacional Contemporâneo. Começa quando eliminam o Latim e a Filosofia de todos os currículos escolares e jogam a Literatura como simples apêndice da língua pátria. Beleza. Depois, bastaria minar todos os espaços que ainda estivessem disponíveis nos jornais e revistas de mil novecentos e antigamente, em que se publicavam a literatura propriamente dita em forma de poemas, contos, capítulos de romances etc. Se o texto era de qualidade ou apenas uma farsa, caberia tão somente ao destinatário da escrita fazer a sua avaliação. O mais importante é que se estabelecia ali um elo cultural entre a galera e o artista, ativando aquela chama, propiciando a que se formasse no leitor um acentuado senso crítico, inclusive despertando em alguns o gosto por uma arte sem a qual nenhum país do mundo.
[Leia outros Comentários de Weverton]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O NOVIÇO
MARTINS PENA
EDIOURO
(2001)
R$ 5,00



DE ISABEL A EUCLIDES
ALAÔR EDUARDO SCISÍNIO
ACHIAMÉ (RJ)
(1986)
R$ 23,82



CONTRA O BRASIL
DIOGO MAINARDI
COMPANHIA DAS LETRAS
(1998)
R$ 10,00



BRASIL ECONOMIA ABERTA OU FECHADA?
ERNANE GALVÊAS (DEDICATÓRIA)
APEC
(1978)
R$ 23,82



CURRÍCULO E IMAGINAÇÃO
JAMES MC KERNAN
ARTMED
(2009)
R$ 75,00



A FALSIFICAÇÃO DO CONSENSO
PABLO GENTILI
VOZES
(1998)
R$ 40,00



GLORINHA E O MAR
ISA SILVEIRA LEAL
BRASILIENSE
R$ 4,00



ASTROLOGIA PARA PRINCIPIANTES
GEOFFREY CORNELIUS, MAGGIE HYDE E CHRIS WEBST
PUBLICAÇÕES DOM QUIXOTE
(1997)
R$ 45,37



O PARADOXO DA FELICIDADE
RENÉ BREUEL
VOX LITTERIS
(2011)
R$ 7,00



ANTOLOGIA POÉTICA
VINÍCIUS DE MORAES
COMPANHIA DAS LETRAS
(2010)
R$ 10,00





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês