Literatura brasileira hoje | Astolfo Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
>>> Integridade Garantida, peça de Alberto Santoz sobre violência urbana, estreia no Cacilda Becker
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
>>> O Sol é Para Todos
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> De volta às férias I
>>> Píramo e Tisbe
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard
Mais Recentes
>>> Almas de lama e de aço de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> Civilização E Barbárie N'Os Sertões: Entre Domingo Faustino Sarmiento E Euclides Da Cunha de Miriam V Gárate pela Fapesp (2001)
>>> Herois E Bandidos - Os Cangaceiros Do Nordeste de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> O Cabeleira de Franklin Távora pela Abc (2021)
>>> Recados da Vida de Francisco Cândido Xavier - Autores Diversos pela Geem (1983)
>>> O Silêncio das Montanhas de Khaled Hosseini pela Globo Livros (2013)
>>> Novas Mensagens de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1987)
>>> Bellini e o Demônio de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Problema do Ser, do Destino e da Dor de Léon Denis pela Feb (1999)
>>> Energia Elétrica e Integração na América do Sul de Ligia Maria Martins Cabral pela Centro da Memória da Eletric (2004)
>>> Sylvio Pinto. 55 anos de pintura de José Maria Carneiro pela Rbm (1993)
>>> Jornal Nacional - Modo de Fazer de William Bonner pela Globo (2008)
>>> Design sem Fronteiras: a Relação Entre o Nomadismo e a Sustentabilidade de Lara Leite Barbosa pela Edusp (2012)
>>> Dicionário de sociologia: Guia prático da linguagem sociológica de Allan Johnson pela Jorge Zahar (1997)
>>> Quando fui outro de Fernando Pessoa pela Alfaguara (2006)
>>> Neve de Orhan Pamuk pela Companhia das Letras (2006)
>>> Português Alemão Português Vocabulário Básico de Curso de Idiomas Globo pela Globo (1991)
>>> Os espiões de Luis Fernando Verissimo pela Alfaguara (2009)
>>> Minidicionário Alemão Português Portugues Alemão de Erich Ronald Zwickau pela Edelbra
>>> Dicionário Inglês Português - Português Inglês de Liege Maria de Souza Marucci pela Bicho Esperto (2012)
>>> Morrer de Prazer de Ruy Castro pela Foz (2013)
>>> Ponto de Impacto de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Par Ou Ímpar - Vivendo a Matemática de José Jakubovic pela Scipione (1992)
>>> The Brothers Karamazov de Fyodor Dostoyevsky pela University of Chicago (1989)
>>> Capítulos de História Colonial 1500-1800 de J. Capistrano de Abreu pela Publifolha (2000)
COLUNAS

Quinta-feira, 23/6/2005
Literatura brasileira hoje
Astolfo Lima

+ de 12000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O processo de torpedeamento em cima da nossa literatura já vem de long time, não é novidade, porém agora se acentuou de tal modo que não dá mais para silenciar, sob pena de vermos virar fumaça o Pensamento Nacional Contemporâneo.

Começa quando eliminam o Latim e a Filosofia de todos os currículos escolares e jogam a Literatura como simples apêndice da língua pátria. Beleza. Depois, bastaria minar todos os espaços que ainda estivessem disponíveis nos jornais e revistas de mil novecentos e antigamente, em que se publicavam a literatura propriamente dita em forma de poemas, contos, capítulos de romances etc. Se o texto era de qualidade ou apenas uma farsa, caberia tão somente ao destinatário da escrita fazer a sua avaliação. O mais importante é que se estabelecia ali um elo cultural entre a galera e o artista, ativando aquela chama, propiciando a que se formasse no leitor um acentuado senso crítico, inclusive despertando em alguns o gosto por uma arte sem a qual nenhum país do mundo poderá se dizer civilizado. Se o cara se garantisse, não tinha erro, alçaria vôo rapidamente com a exposição de seus trabalhos nesses tablóides. Tanto isso é vero que foi dessa forma que se viu florescer entre nós duas ou três gerações de escritores que dariam as cartas ao decorrer de todo o século XX.

Agora, lamentavelmente, tudo virou bosta - como diria com muita propriedade a talentosa Rita Lee. É o advento das gerações periquitinho seco e mamãe, esqueci meu trombone. Eles que ditam os rumos da "curtura" nacional, confeccionam as antolorotas e bolam em mesas de bares entre um gole e outro de cerveja os livros-brinquedos que serão vendidos por uma nota preta nos bazares-livrarias dessa terra desvairada. Dominam o pedaço e vão muito bem, obrigado. Dia desses tava um lá em Paris, na madrugada, dando entrevista prum repórter da TV de mentirinha e descendo o malho na "crítica especializada", nos esotéricos e resenhistas oficias; até parecia... Deixa estar! Somos, portanto, não mais que a pátria dos mariquitas de lente grossa, olheiros das grandes editoras e aproveitadores de sacadas não plenamente desenvolvidas por outros escritores em épocas distantes, todos vasculhando códigos, deturpando as obras já em domínio público e imbecilizando cada vez mais a massa consumidora e lerda.

Na mão grande tiraram de cena aquele autor visionário, criativo, baniram o poeta mais lúcido, deletaram o texto inventivo, a poesia, e em seus lugares nos empurraram goela abaixo (ou pelo menos tentaram) os escribas-jornalistas, piadistas medíocres, ébrios e midiáticos, alguns apenas engraçadinhos, meia dúzia de vivandeiras bem remuneradas, todo um disciplinado batalhão de legitimadores da sub-arte, abraçados a seus textos inúteis, pre-formatados, repletos de termos técnicos, chavões, invadindo os espaços na TV, nos jornalões e revistas semanais, emprenhando com abobrinhas o crânio já vulnerável do distinto público consumidor e entupindo de grana os cofres dos felizes proprietários de renomadas casas editoriais.

Para esses famigerados agentes do desmonte a literatura-cabeça é apenas uma excrescência e não a mais importante de todas as artes; única na virtude de fixar um país no mapa cultural da humanidade. Balela. Importante para eles é apenas formar uma colossal legião de criaturas vorazes no gesto de absorver inutilidades. Ignoram ou fingem que tudo aquilo que emana do vivo pensamento de um povo está diretamente relacionado com a Literatura, desde a crônica mais remota, os escritos sagrados, os poemas épicos, as epopéias, tudo, tudo; a bela pintura, os filmes grandiosos, as encenações teatrais, as fantásticas esculturas, os melhores discursos e teses, a música erudita, os grandes concertos... enfim, que a vida flui da literatura e que tentar extingui-la é querer anular-se enquanto indivíduo e negar a própria terra em que fincaríamos nossas raízes.

Para aquilatarmos esse dom prodigioso que a literatura tem (ou teria) de inserir um povo no contexto histórico de seu tempo, basta lembrarmos que se tornou lugar-comum certas afirmações: "a língua de Camões, de Fernando pessoa, ou de Shakespeare, de Goethe ou Cervantes". De tal modo os grandes Mestres da Literatura se incorporaram à nomenclatura das Letras Universais, ao verbo e à própria existência humana, que viraram adjetivos. "Uma situação kafkiana", "Um drama shakespeariano", "Um texto tipicamente borgiano". Jamais se diria: "a terra de Bill Gates", "de George Bush" ou de qualquer outra figura notável no campo do capitalismo ou da política, mas nos expressaríamos com muito gosto sobre a pátria de T. S. Elliot e Edgar Allan Poe.

Nota do Editor
Texto originalmente publicado na nova revista Cronópios e reproduzido aqui com autorização do autor.


Astolfo Lima
São Paulo, 23/6/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar de Lucas Carvalho Peto
02. Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim de Ricardo de Mattos
03. Ânsias e náuseas de Elisa Andrade Buzzo


Mais Astolfo Lima
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/10/2007
08h46min
O processo de torpedeamento em cima da nossa literatura já vem de long time, não é novidade, porém agora se acentuou de tal modo que não dá mais para silenciar, sob pena de vermos virar fumaça o Pensamento Nacional Contemporâneo. Começa quando eliminam o Latim e a Filosofia de todos os currículos escolares e jogam a Literatura como simples apêndice da língua pátria. Beleza. Depois, bastaria minar todos os espaços que ainda estivessem disponíveis nos jornais e revistas de mil novecentos e antigamente, em que se publicavam a literatura propriamente dita em forma de poemas, contos, capítulos de romances etc. Se o texto era de qualidade ou apenas uma farsa, caberia tão somente ao destinatário da escrita fazer a sua avaliação. O mais importante é que se estabelecia ali um elo cultural entre a galera e o artista, ativando aquela chama, propiciando a que se formasse no leitor um acentuado senso crítico, inclusive despertando em alguns o gosto por uma arte sem a qual nenhum país do mundo.
[Leia outros Comentários de Weverton]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Aprendiz do Futuro Cidadania Hoje e Amanha
Gilberto Dimenstein
Ática
(1997)



Sonata ao Luar
Álvaro Cardoso Gomes
Quinteto
(1995)



Liberte-se das Velhas Ideias
Patrick Lencioni
Elsevier
(2010)



O Vento e a tempestade - Volume I
Francisco Dirceu Barros
Consullex
(2021)
+ frete grátis



A Questão Nacional em Porto Rico: o Partido Nacionalista 1922-1954
Kátia Gerab Baggio
Anna Blume
(1998)



Não Existe Vitória sem Sacrifício
Diego Hypolito
Benvirá
(2019)



Português e Literatura
Aires da Mata Machado Filho
Santa Maria S/a
(1955)



Francisco de Asís (em Espanhol) - 3 Ex.
João Nunes Maia / pelo Espírito Miramez
Fonte Viva
(1998)



Tenho Diabetes Tipo 1, E Agora
Mark Barone
All Print
(2010)



Conexões: de George Washington a Compadre Washington
George Washington a Compadre / Superinteressante
Abril
(2016)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês