Literatura brasileira hoje | Astolfo Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
39401 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 23/6/2005
Literatura brasileira hoje
Astolfo Lima

+ de 11300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O processo de torpedeamento em cima da nossa literatura já vem de long time, não é novidade, porém agora se acentuou de tal modo que não dá mais para silenciar, sob pena de vermos virar fumaça o Pensamento Nacional Contemporâneo.

Começa quando eliminam o Latim e a Filosofia de todos os currículos escolares e jogam a Literatura como simples apêndice da língua pátria. Beleza. Depois, bastaria minar todos os espaços que ainda estivessem disponíveis nos jornais e revistas de mil novecentos e antigamente, em que se publicavam a literatura propriamente dita em forma de poemas, contos, capítulos de romances etc. Se o texto era de qualidade ou apenas uma farsa, caberia tão somente ao destinatário da escrita fazer a sua avaliação. O mais importante é que se estabelecia ali um elo cultural entre a galera e o artista, ativando aquela chama, propiciando a que se formasse no leitor um acentuado senso crítico, inclusive despertando em alguns o gosto por uma arte sem a qual nenhum país do mundo poderá se dizer civilizado. Se o cara se garantisse, não tinha erro, alçaria vôo rapidamente com a exposição de seus trabalhos nesses tablóides. Tanto isso é vero que foi dessa forma que se viu florescer entre nós duas ou três gerações de escritores que dariam as cartas ao decorrer de todo o século XX.

Agora, lamentavelmente, tudo virou bosta - como diria com muita propriedade a talentosa Rita Lee. É o advento das gerações periquitinho seco e mamãe, esqueci meu trombone. Eles que ditam os rumos da "curtura" nacional, confeccionam as antolorotas e bolam em mesas de bares entre um gole e outro de cerveja os livros-brinquedos que serão vendidos por uma nota preta nos bazares-livrarias dessa terra desvairada. Dominam o pedaço e vão muito bem, obrigado. Dia desses tava um lá em Paris, na madrugada, dando entrevista prum repórter da TV de mentirinha e descendo o malho na "crítica especializada", nos esotéricos e resenhistas oficias; até parecia... Deixa estar! Somos, portanto, não mais que a pátria dos mariquitas de lente grossa, olheiros das grandes editoras e aproveitadores de sacadas não plenamente desenvolvidas por outros escritores em épocas distantes, todos vasculhando códigos, deturpando as obras já em domínio público e imbecilizando cada vez mais a massa consumidora e lerda.

Na mão grande tiraram de cena aquele autor visionário, criativo, baniram o poeta mais lúcido, deletaram o texto inventivo, a poesia, e em seus lugares nos empurraram goela abaixo (ou pelo menos tentaram) os escribas-jornalistas, piadistas medíocres, ébrios e midiáticos, alguns apenas engraçadinhos, meia dúzia de vivandeiras bem remuneradas, todo um disciplinado batalhão de legitimadores da sub-arte, abraçados a seus textos inúteis, pre-formatados, repletos de termos técnicos, chavões, invadindo os espaços na TV, nos jornalões e revistas semanais, emprenhando com abobrinhas o crânio já vulnerável do distinto público consumidor e entupindo de grana os cofres dos felizes proprietários de renomadas casas editoriais.

Para esses famigerados agentes do desmonte a literatura-cabeça é apenas uma excrescência e não a mais importante de todas as artes; única na virtude de fixar um país no mapa cultural da humanidade. Balela. Importante para eles é apenas formar uma colossal legião de criaturas vorazes no gesto de absorver inutilidades. Ignoram ou fingem que tudo aquilo que emana do vivo pensamento de um povo está diretamente relacionado com a Literatura, desde a crônica mais remota, os escritos sagrados, os poemas épicos, as epopéias, tudo, tudo; a bela pintura, os filmes grandiosos, as encenações teatrais, as fantásticas esculturas, os melhores discursos e teses, a música erudita, os grandes concertos... enfim, que a vida flui da literatura e que tentar extingui-la é querer anular-se enquanto indivíduo e negar a própria terra em que fincaríamos nossas raízes.

Para aquilatarmos esse dom prodigioso que a literatura tem (ou teria) de inserir um povo no contexto histórico de seu tempo, basta lembrarmos que se tornou lugar-comum certas afirmações: "a língua de Camões, de Fernando pessoa, ou de Shakespeare, de Goethe ou Cervantes". De tal modo os grandes Mestres da Literatura se incorporaram à nomenclatura das Letras Universais, ao verbo e à própria existência humana, que viraram adjetivos. "Uma situação kafkiana", "Um drama shakespeariano", "Um texto tipicamente borgiano". Jamais se diria: "a terra de Bill Gates", "de George Bush" ou de qualquer outra figura notável no campo do capitalismo ou da política, mas nos expressaríamos com muito gosto sobre a pátria de T. S. Elliot e Edgar Allan Poe.

Nota do Editor
Texto originalmente publicado na nova revista Cronópios e reproduzido aqui com autorização do autor.


Astolfo Lima
São Paulo, 23/6/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As crianças do coração do Brasil de Elisa Andrade Buzzo
02. Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - II de Elisa Andrade Buzzo
03. As histórias magras de Rubem Fonseca de Cassionei Niches Petry
04. Arte que não parece arte de Gian Danton
05. A Conquista de Nenhuma de Marilia Mota Silva


Mais Astolfo Lima
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/10/2007
08h46min
O processo de torpedeamento em cima da nossa literatura já vem de long time, não é novidade, porém agora se acentuou de tal modo que não dá mais para silenciar, sob pena de vermos virar fumaça o Pensamento Nacional Contemporâneo. Começa quando eliminam o Latim e a Filosofia de todos os currículos escolares e jogam a Literatura como simples apêndice da língua pátria. Beleza. Depois, bastaria minar todos os espaços que ainda estivessem disponíveis nos jornais e revistas de mil novecentos e antigamente, em que se publicavam a literatura propriamente dita em forma de poemas, contos, capítulos de romances etc. Se o texto era de qualidade ou apenas uma farsa, caberia tão somente ao destinatário da escrita fazer a sua avaliação. O mais importante é que se estabelecia ali um elo cultural entre a galera e o artista, ativando aquela chama, propiciando a que se formasse no leitor um acentuado senso crítico, inclusive despertando em alguns o gosto por uma arte sem a qual nenhum país do mundo.
[Leia outros Comentários de Weverton]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DOS RELÓGIOS AO CAOS: OS RITMOS DA VIDA
LEON GLASS E MICHAEL C. MACKEY
EDUSP
(1996)
R$ 30,00
+ frete grátis



O LIVRO DOS VELHOS - A CIÊNCIA DE ENVELHECER DEPOIS DE 60 ANOS
MARIO MOURÃO
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1945)
R$ 9,00



BIOLOGIA
CESAR E SEZAR
SARAIVA
(2007)
R$ 50,00



SUPERBOY SUICIDA, GRAÇAS A DEUS!
DC COMICS
ABRIL JOVEM
(1996)
R$ 5,90



CATTURANDI
I. M. D. - TRADUÇÃO: MARCELO LINO
BERTRAND BRASIL
(2012)
R$ 20,52
+ frete grátis



MARVEL HEROES: OS VINGADORES #1 (OS HERÓIS MAIS PODEROSOS DA MARVEL #1
KURT BUSIEK & STAN LEE
PANINI COMICS / SALVAT
(2015)
R$ 50,00



A ESSÊNCIA DO PODER - A ARTE DE VIVER
MARTIN CLARET
MARTIN CLARET
(1997)
R$ 7,11



BON VOYAGE EN FRANCE ! - FRANCÊS PARA QUEM QUER VIAJAR
MARIA HELENA NEGRINI
NOVA ALEXANDRIA
(2001)
R$ 24,00



O PORVIR - DESAFIO DAS LINGUAGENS DO SECULO XXI
PEDRO DEMO
IBPEX
(2007)
R$ 10,00



WILD FIRE
NELSON DEMILLE
WARNER
(2006)
R$ 6,28





busca | avançada
39401 visitas/dia
1,4 milhão/mês