Jogando uma pedra no poço sem fundo | Alexandre Soares Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Mulheres detêm o poder do mundo em eletrizante romance de Naomi Alderman
>>> Comédia Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Municipal Paulo Eiró
>>> Ballet Acadêmico da Bahia apresenta STAR DANCE no TCA, dia 07/06 às 20h
>>> Zé Eduardo faz apresentação no Teatro da Rotina, dia 30.05
>>> Revista busca artigos inspirados no trabalho de professores
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Propostas para o nosso milênio (I)
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Primavera para iniciantes
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Meu cinema em 2010 ― 2/2
Mais Recentes
>>> Os donos do poder - 02 vols.
>>> Quem é Você, Alasca?
>>> O Homem do Céu
>>> Lolita
>>> Vida Querida
>>> Paula
>>> Caetés
>>> Sem Marido... E Agora?
>>> Angústia
>>> Gafe não é Pecado
>>> Se Abrindo pra Vida
>>> O Despertar da Águia
>>> Cartas
>>> Linhas Tortas
>>> São Bernardo
>>> A Escrita da História - Novas Perspectivas
>>> O Pensamento de Farias Brito
>>> O Eneagrama no Amor e no Trabalho
>>> História das Literaturas-História Literária de Portugal Volumes 1 e 2
>>> Dicionário Biográfico Musical
>>> Novo Mundo dos Trópicos
>>> Francis Bacon, Descartes e Spinoza
>>> A Verdade como Regra das Ações
>>> A Grande Aventura Masculina
>>> La Dimension Cachée
>>> Segure o grito!
>>> Onde tem bruxa tem fada....
>>> Os bichos que eu tive
>>> Oo empinador de estrelas
>>> D.E.P. - diplomacia, estrategia politica
>>> Mais respeito, eu sou crianca
>>> Escritos dos 15 anos
>>> Droga de Americana
>>> Cecilia Meireles colecao melhores poemas
>>> As confusoes de aninha
>>> A volta do passaro encantado
>>> Os grandes experimentos cientificos
>>> Noçõeds de direito público e privado
>>> Temas de filosofia
>>> Herança
>>> Terra sonambula
>>> Tarsila e o papagaio Juvenal
>>> Sagarana
>>> Sagarana
>>> Quarto de despejo
>>> Petrus Logus os guardiao do tempo
>>> Poemas Negros
>>> Os sofrimentos do jovem werther
>>> O centauro no Jardim
>>> Historia do cerco de Lisboa
COLUNAS

Sexta-feira, 17/8/2001
Jogando uma pedra no poço sem fundo
Alexandre Soares Silva

+ de 3100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Lancei um livro no ano passado. Não importa qual. Meu ponto é o seguinte: que você escreve com toda a excitação de um anarquista do século dezenove preparando uma bomba. Você fica ajustando os fios e sorrindo e pensando na explosão. Nos burgueses de monóculo se transformando num diagrama anatômico (tronco, membros...) sobre o gramado do parque. Nas manchetes indignadas nos jornais. Os editoriais furibundos. Você fica mexendo nos fios e sorrindo distraído com o lírico sonho da destruição (escritores são assim).

Daí você coloca a bomba no parque, perto da confeitaria, no caminho diário do arquiduque (falei de anarquistas, estou visualizando Viena em 1893) e seu grupinho de sicofantas. Daí você corre para a confeitaria, segurando o riso. Pede uma éclair de chocolate. Escolhe uma mesa com vista para o parque, e se esconde atrás do jornal. Seus ombros já estão contraídos esperando pela explosão.

Mas não há explosão.

Há um Pup!

Você pára de fixar estupidamente o anúncio da missa de sétimo dia de Johann Strauss, e dá uma olhada no parque. Três pessoas (o arquiduque, um açougueiro e uma babá com um carrinho) estão olhando o arbusto onde está a sua bomba. Não parecem assustados nem chocados. Estão olhando a sua bomba, digamos, com a curiosidade polida com que se olha uma estátua de argila feita por uma velhinha de ar gentil. Um velhinho chega perto deles e aponta na sua direção.

Você foge? Não, você quer ouvir os protestos indignados do arquiduque. Você fica.

O arquiduque diz:

— Perdão, cavalheiro, mas aquela bomba é sua?

— Sim! — você diz, com um sorriso orgulhoso, que você espera que pareça satânico.

— Ah, formidável... Só queria dizer que achei o sonzinho da bomba deveras encantador... Pup! Ah, muito interessante... Muito saboroso mesmo...

O açougueiro, embaraçado por não ter nada o que dizer, diz:

— Você devia colocar num lugar mais público, para chamar mais atenção...

E a babá diz:

— Gosto muito de bombas. Eu também faço umas bombinhas em casa...

E se afastam.

Bom, vou parar a metáfora por aqui, vocês já perceberam. Poderia também dizer que lançar um livro é como jogar uma pedra num poço sem fundo — ou, para usar a imortal expressão do ator Ted Danson (o de Cheers) falando sobre como era fazer sexo com Whoopy Goldberg — é como jogar um cachorro-quente num corredor.

Comecei este texto querendo reclamar da falta de barulho (atenção, para usar um termo mais delicado) que se segue ao lançamento de um romance; e só agora percebi que, ainda pior do que a falta de atenção, é receber determinado tipo de elogios. "Saboroso", por exemplo. Quem diz isso é sempre algum tipo de cavalheiro barrigudo e satisfeito consigo mesmo (um burguês, como se dizia antigamente), dando risadinhas, e cofiando o bigode.

Ou um certo tipo de interesse fingido. As pessoas sempre chegam perto de mim com um sorriso horrível, e dizem: "Sobre o que é o seu livro?". Quando digo sobre o que o meu livro é — quando digo que não é um romance à clef "muito divertido" sobre políticos corruptos do segundo escalão de Brasília, e que não tem nada de "real" — que é, em suma, sobre anjos decadentes e um espírito que é o único espírito mortal do Universo — essas pessoas imediatamente perdem o interesse e dizem "Que interessante... Olha, boa sorte, viu? Agora com licença que estão me chamando do outro lado da sala".

Mas deixa estar, porque o que essas pessoas não sabem, e eu sei, é que um microscópico estilhaço da minha bomba entrou na circulação do arquiduque, e no momento está viajando artérias acima, em busca do tão almejado coração... E quando chegar lá...


Alexandre Soares Silva
São Paulo, 17/8/2001


Mais Alexandre Soares Silva
Mais Acessadas de Alexandre Soares Silva
01. Polêmicas - 29/11/2002
02. Filhos de Francis - 15/11/2002
03. Defesa dos Rótulos - 30/5/2003
04. Apresentação - 6/11/1968
05. Psiquiatra declara Japão Oficialmente Maluco - 31/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/5/2003
14h15min
Uma pequena sugestao: melhor torcer para que o microscopico estilhaco esteja viajando VEIAS acima, porque, se tiver optado pelas arterias, que, como se sabe, fazem o caminho inverso, devera esbarrar em dificuldades intransponiveis para chegar ao almejado coracao. Abraco e perdoe a falta de acentuacao.
[Leia outros Comentários de Joao]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DESPERTAR DA MEIA NOITE
LARA ADRIAN
UNIVERSO DOS LIVROS
(2011)
R$ 10,00



THE LORD IS MY SHEPHERD AND HE KNOWS IM GAY
CHARLES L. LUCAS
A BANTAM BOOKS
(1978)
R$ 19,90



OS FILHOS DO IMPERADOR
CLAIRE MESSUD
NOVA FRONTEIRA
(2008)
R$ 5,00



DOCES MOMENTOS
DANIELLE STEEL
RECORD
(2008)
R$ 9,90



O SERMÃO DA MONTANHA
GEORGES CHEVROT
ASTER / CASA DO CATELO (PORTUGAL)
(1965)
R$ 8,00



O SEGREDO DE CHIMNEYS
AGATHA CHRISTIE
RECORD
R$ 8,99



MEU PRIMEIRO DICIONARIO OXFORD DE CIÊNCIAS DA NATUREZA
GRAHAM PEACOCK
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(2016)
R$ 20,00



LORD JIM
AUTOR CONRAD
PAN CLASSICS
(1978)
R$ 8,00



SÃO PAULO PARA COLECIONADORES
ALEX XAVIER
PANDA BOOKS
(2003)
R$ 5,00



PUBLICIDADE EM CORDEL: O MOTE DO CONSUMO - GILMAR DE CARVALHO
GILMAR DE CARVALHO
MALTESE
(1994)
R$ 10,00





busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês