A internet e o cinema | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
47718 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo teatral Odila chega ao interior de Caxias do Sul
>>> Empresário caxiense que instalou complexo de energia em aldeia indígena no Acre lança documentário
>>> Fernanda Porto lança música e videoclipe em homenagem a Gal Costa
>>> 75% dos líderes de marketing veem a IA generativa como ferramenta criativa essencial
>>> Printed Editions Online Print Fair
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
>>> Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto
>>> Ultratumba
>>> The Player at Paramount Pictures
>>> Do chão não passa
>>> Nasce uma grande pintora: Glória Nogueira
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
Colunistas
Últimos Posts
>>> Como enriquecer, segundo @naval (2019)
>>> Walter Isaacson sobre Elon Musk (2023)
>>> Uma história da Salon, da Slate e da Wired (2014)
>>> Uma história do Stratechery (2022)
>>> Uma história da Nvidia (2023)
>>> Daniel Mazini, country manager da Amazon no Brasil
>>> Paulo Guedes fala pela primeira vez (2023)
>>> Eric Santos sobre Lean Startup (2011)
>>> Ira! no Perdidos na Noite (1988)
>>> Legião Urbana no Perdidos na Noite (1988)
Últimos Posts
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
>>> AMULETO
>>> Oppenheimer: política, dever e culpa
>>> Geraldo Boi
>>> Dê tempo ao tempo
>>> Olá, professor Lúcio Flávio Pinto
>>> Jazz: 10 músicas para começar II
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Acho que entendi o Roberto Setubal
>>> Flip 2005
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Arte sem limites
>>> BBB, 1984 e FEBEAPÁ
>>> Costume Bárbaro
>>> Infinitely Fascinating People
>>> Era uma vez um inverno
>>> A Auto-desajuda de Nietzsche
Mais Recentes
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Martin Claret (2008)
>>> The Landmark Dictionary - para estudantes brasileiros de inglês de Richmond pela Richmond (2008)
>>> Sherlock Holmes: Um Estudo em Vermelho de Sir Arthur Conan Doyle pela Melhoramentos (2011)
>>> Sherlock Holmes: O Signo dos Quatro de Sir Arthur Conan Doyle pela Melhoramentos (2011)
>>> Bíblia Sagrada - Ed. de Promessas de Vários pela King's Cross
>>> O Menino do Dedo Verde de Maurice Druon pela José Olympio (2016)
>>> A Casa 7ª edição. de Ronald Claver pela Ed Lê (1998)
>>> Oferenda Lírica - Gitanjali de Rabindranath Tagore pela Coordenada (1969)
>>> Glands Our Invisible Guardians de Glands Our Invisible Guardians M. W. Kapp pela a: Grand Lodge Amorc (1954)
>>> Death in the Afternoon de Ernest Hemingway pela Scribner (2003)
>>> Look at it This Way Capa dura de Justin Cartwright pela McMillan (1990)
>>> Banguê de José Lins do Rego pela José Olympio (2011)
>>> O Espantalho - coleção festa do livro de Luciana Maria Marinho Passos pela Scipione (1995)
>>> Borges em diálogo de Jorge Luis Borges; Osvaldo Ferrari pela Rocco (1986)
>>> Oréstia; Agamêmnon; Coéforas; Eumênides de Ésquilo pela Zahar (1991)
>>> Film Stars Don't Die in Liverpool de Peter Turner pela Penguin (1988)
>>> Théatre - Tango de Slawomir Mrozek pela Albin Michel (1966)
>>> O Cinema Americano dos Anos Cinquenta de Olivier-rené Veillon pela Martins Fontes (1993)
>>> O Cinema de Hollywood de Philippe Paraire pela Martins Fontes (1994)
>>> Cinema e Humanismo de Alberto Silva pela Pallas (1975)
>>> Estudo dirigido agtravés de metodos ativos - Geografia do Brasil de Celso Antunes pela Do Brasil
>>> Manifesto verde de Ignácio e Loyola Brandão pela Global (2014)
>>> Competência - Repertório de jurisprudência e doutrina de Arruda Alvim pela Revista dos Tribunais (1986)
>>> Regras oficiais de atletismo 1985-1988 de Confederação Brasileira de Atletismo pela Sprint (1985)
>>> A questão do indio de Fernando Portela pela Ática (1995)
COLUNAS >>> Especial Internet 10 anos

Segunda-feira, 7/11/2005
A internet e o cinema
Marcelo Miranda
+ de 4100 Acessos

A proposta do momento por aqui é escrever sobre os 10 anos de internet comercial no Brasil. O editor deste Digestivo, Julio Borges, já fez um trabalho de mestre ao reconstituir, na sua visão pessoal, como se deu a chegada das modernidades virtuais nas nossas terras. Pensei em copiar um pouco a idéia e trazê-la para as epifanias que a internet me proporcionou. A maior diferença de mim para o Julio é que ele começou nos primórdios e pegou praticamente todas as fases. Eu, não. A internet, na minha vida, só passou a existir no começo de 2000 - e, como quem me acompanha aqui deve imaginar, se deveu muito ao meu interesse e relação com o cinema.

Em 2000, saí da minha cidade-natal para estudar Jornalismo em Juiz de Fora (MG). Meu contato com computadores, até então, se resumia a processadores de texto e programas de desenho (alguém lembra do Paintbrush?). Ao entrar na faculdade, fiquei maravilhado com a sala de informática, mais ainda ao saber que teria acesso ao famoso troço chamado internet, que era a moda entre os amigos. Logo ao descobrir do que aquilo era capaz, tratei de procurar tudo relacionado ao assunto que mais me interessava: cinema. Só que eu não sabia como ou o que procurar. Imagine uma criança de frente para o maior de todos os brinquedos da sua vida, mas sem consciência da capacidade embutida nele. Era eu de frente ao computador da sala de informática da faculdade.

Nesse momento de tensão, uma amiga chegou para mim e disse que conhecia um site muito legal que falava... de filmes! Tratei de anotar o nome do danado e fiquei estupefato quando o conheci. Era o hoje praticamente finado e-Pipoca - à época, no auge de notícias, comentários, debates, fichas das produções, críticas. Se eu já estava encantado com os recursos do e-Pipoca, enlouqueci quando me tornei um "usuário VIP" (alcunha que era dada a qualquer leitor que se dispusesse a se cadastrar na página). Tirava sarro como moleque mimado: "sou VIP no e-Pipoca, sou VIP no e-Pipoca", até descobrir não haver nada demais nisso.

Daí para frente, um pulo. Afinal, como todos os "surfistas" da internet sabem, chegar a uma página é chegar a milhares. E dá-lhe dezenas de outros sites de cinema que fui conhecendo, alguns os quais sigo freqüentando, como o Cinema em Cena, o Adoro Cinema, o Cinemascópio e o maior de todos, o já mítico IMDb. Fui aprendendo onde procurar exatamente informações de filmes, fichas técnicas, análises, resenhas, fotos, notícias e uma infinidade de outras coisas que me mostraram o quanto o universo de conhecimento cinematográfico não se resumia à revista Set, como eu pensava. De rato virtual, fui me especializando e descobrindo outros sites que davam um passo além do informativo - casos da Contracampo e do Críticos.com, que se preocupam em, acima de tudo, pensar o cinema, algo que sempre me fascinou e me levou a querer trabalhar com isso vida afora.

Também através da internet, conheci outras pessoas que queriam aprender cinema de verdade - não necessariamente fazendo, mas lendo, estudando, refletindo, escrevendo. Gente da minha idade, gente muito mais velha, gente muito mais nova. Gente de Minas, do Rio, Recife, Brasília, Natal. Gente de tudo quanto é profissão que se encontrava em espaços para falarem de um amor em comum - a imagem em movimento do cinema. Os fóruns de discussão me ensinaram muito mais do que as aulas que tive na faculdade sobre o assunto. Foi com eles que descobri vários livros fundamentais, troquei idéias e experiências, soube de filmes, diretores, tendências básicas do cinema que, de outra forma, nas condições em que eu vivia em Juiz de Fora (poucas locadoras com acervo realmente significativo, salas de exibição extremamente comerciais e quase nenhuma mostra), não saberia.

Graças à internet, fundei com um amigo o Cinefilia, meu próprio site de cinema. Projeto independente, inicialmente inventado na molecagem, mas que me deu muitas alegrias e aflições nesses quatro anos de existência. Tornou-se uma revista eletrônica sem periodicidade: novos textos dependiam dos filmes vistos e analisados pelos "palpiteiros". Fizemos algumas parcerias com redes e distribuidoras, chegávamos a publicar quatro ou cinco longos textos por semana (éramos todos estudantes universitários e tínhamos bastante tempo), ganhamos leitores fiéis. Mas assim como o fervor de um começo de namoro, logo o calor se estabilizou, num patamar razoavelmente positivo. Atualmente mantenho o site junto com colaboradores e tentamos viabilizar sempre os "palpites", por mais que as circunstâncias não permitam da mesma forma que antes.

Meu próximo passo foi na era dos blogs. O que para mim era simplesmente um diário virtual teve toda a concepção modificada e questionada quando visitei a página do Carlão Reichenbach, grande diretor brasileiro, autor de, entre outros, Anjos do Arrabalde, Alma Corsária e dos mais recentes Dois Córregos e Garotas do ABC. Ali estavam comentários instigantes e inteligentes sobre filmes obscuros. Percebi que não necessariamente os blogs deveriam servir de depositário de experiências pessoais. Do Carlão, tive contato com uma galera incrivelmente entendida de cinema e, mais uma vez, meus horizontes aumentaram de forma assombrosa (vale dar uma checada numa coluna que escrevi sobre alguns desses blogs).

E por fim, atingi o estágio dos polêmicos downloads. Não, leitor, não sou um pirata de filmes. Apenas me dei conta do quanto programas como o eMule poderiam ser de extrema valia para se ter contato com cinematografias inexistentes no Brasil, filmes jamais exibidos por aqui, nomes quase nunca escritos ou pronunciados nessa terrinha mas devidamente reconhecidos e consagrados em outros lugares (raramente nos EUA). Muito do cinema asiático, em especial, eu tomei conhecimento baixando os filmes - geralmente em versões não muito boas e com legendas em inglês ou espanhol. Quem se dispõe a falar e escrever de cinema, quem pretende levar o trabalho a sério e não está bem localizado geograficamente (leia-se: não mora no Rio ou em São Paulo), precisa se virar com outros recursos. Somando tudo isso, a internet vem sendo a grande ferramenta para que eu tente, diariamente, me tornar um profissional melhor. Se ela não servisse para mais nada, só essa função (a de qualificar os usuários naquilo que eles se interessam) já justificaria sua existência.


Marcelo Miranda
Juiz de Fora, 7/11/2005

Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2005
01. O enigma de Michael Jackson - 26/9/2005
02. 24 Horas: os medos e a fragilidade da América - 4/7/2005
03. Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo - 10/1/2005
04. O faroeste não morreu. Está hibernando - 1/8/2005
05. Filmes maduros e filmes imaturos - 24/10/2005


Mais Especial Internet 10 anos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Fundamentos de Nutricion En El Deporte
Marcia Onzari
Grupo Ilhsa Sa
(2004)



La Corza Blanca 289
Gustavo Adolfo Bécquer
Moderna



A Interpretação dos sonhos 1 e 2
Freud
Imago
(2023)



Normas da Abnt Comentadas para Trabalhos Cientìficos
Jamil Ibrahim Iskandar
Jurua
(2010)



Programa 5s
Reginaldo Pedreira Lapa
Qualitymark
(1997)



Pequena História do Mundo Contemporâneo
David Thomson
Zahar
(1971)



Repensar os Estados Unidos
Daniel Lins
Papirus
(2003)



Ariel Ou La Vie de Shelley
André Maurois
Calmann-levy
(1923)



Os Funerais da Mamãe Grande
Gabriel García Márquez
Record
(2014)



Terra Formars 2
Yu Sasuga
JBc
(2015)





busca | avançada
47718 visitas/dia
1,7 milhão/mês