Adeus, Orkut | Ana Eliza Nardi | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> lua de Mel em Portugal de Marco Antonio pela Pin
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Nórdica (1970)
>>> Epigramário de J. Dias de Moraes pela O Autor
>>> O livro de Ouro da Poesia Religiosa Brasileira de Jamil Almansur Haddad pela Edições de Ouro (1966)
>>> São José do Rio Preto:1852 / 1894 de Agostinho Brandi pela Rio-Pretense (2002)
>>> A Abertura dos Portos do brasil de Pinto de Aguiar pela Progresso (1960)
>>> Hawaii Açucareiro de Apolonio Sales pela IPA (1937)
>>> Desidério Desiderávi de Frei Carmelo Surian O. F. M. pela Vozes (1957)
>>> Pearl Harbor de H.P. Willmott pela Livro Técnico S/A (1981)
>>> O Orfeão na escola nova de Leonila Linhares Beuttenmuller pela Irmãos Pongetti (1937)
>>> Robson Crusoé de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1988)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Economico do Brasil de José Papa Júnior pela Nacional (1983)
>>> No Hospital das Letras de Afranio Coutinho pela Tempo Brasileiro (1963)
>>> Fim de Primavera de Edvard Camilo pela Globo (1921)
>>> Corpos de Elite do Passado de Dominique Venner pela Ulisseia (1972)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática (1984)
>>> A brigada portyguara 1a Edição de Almicar Salgado dos Santos pela Nacional (1925)
>>> La France en Gènèral de André Frossard pela 'Plon (1975)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Econômico do Brasil de José Papa Júnior pela São Paulo (1983)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry pela Agir (2003)
>>> Alguns Homens me Falaram da Paz de Jorge Maia pela Pan Americana S/A
>>> Menino de Asas de Homero Homem pela Ática (1982)
>>> A Segunda Guerra Mundial ( Em 12 volumes) de Codex pela Edição do Autor (1966)
>>> Moderato Cantabile (Edição Bilíngue) de Marguerite Duras pela José Olympio (1985)
>>> Pai-de-Todos de Ganymédes José pela Brasiliense (1978)
>>> A Liquidez Mundial e o Fundo Monetário Internacional de José Nabantino Ramos pela São Paulo (1964)
>>> Mulheres Entre Linhas - Contos - 1985 de Sec. do Est. da Cultura pela Cultura Já (1985)
>>> Pai, me compra um Amigo? de Pedro Bloch pela Ediouro (2005)
>>> A Vingança de Electra de Luiz Galdino pela Ftd (1998)
>>> Deslumbramento - Dedicatória e Autografado de Aristheu Bulhões pela Santos (1976)
>>> O Rei Cavalleiro de Pedro Calmon pela Nacional (1933)
>>> Paranóia A Síndrome do Medo de Stella Carr pela Ftd (1990)
>>> Revista Pau Brasil 14 - Ano III - Set./out. 1986 de Enio Squeff (editor) pela Daee (1986)
>>> Império Brazileiro de J. M. Pereira da Silva pela Garnier (1865)
>>> Um e Outros.... de Moacyr Chagas pela SP (1922)
>>> Euclides, Capistrano e Araripe de Afranio Coutinho pela Nacional (1959)
>>> Panis Angelicus Ou o Sacramento da Virgindade de Giuseppe M. Petazzi pela Salesianas (1966)
>>> O Alienista de Machado de Assis pela Ática (1971)
>>> O Romance Paulista no Século XX de Zélia Cardoso pela Academia Paulista de letras (1983)
>>> A Terceira Guerra Mundial Agosto de 1985 de General Sir John Hackett pela Circulo do Livro (1985)
>>> As Mulheres o Poder e a Familia de Eni de Mesquita Samara pela Marco Zero (1919)
>>> Eles Sonharam Com a Liberdade de Eudes Barros pela Gráfica Ouvidor (1962)
>>> O Sol da Liberdade de Giselda Laporta Nicolelis pela Atual (1988)
>>> Innovações do Romanismo de Carlos Hastings Collette pela Evangélica (1912)
>>> O Espião Cícero de Elyesa Bazna pela Flamboyant (1965)
>>> Aqui, entre Nós de Ercília F. de Arruda Pollice pela Ftd (2005)
>>> Observations sur la Compétence Des Consells de Guerre de Francis Laloe pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1894)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Scipione (2000)
>>> Diário da Capella de Baptista Pereira pela Saraiva (1933)
>>> Manual de Medicina Veterinária de Dr. Alvaro Penha Sobral pela Rio Médico (1937)
COLUNAS

Quinta-feira, 15/12/2005
Adeus, Orkut
Ana Eliza Nardi

+ de 23400 Acessos
+ 40 Comentário(s)

Consigo lembrar com precisão o dia em que fiz meu perfil do Orkut: 12 de maio de 2004. Um ano e 7 meses me separam desse fatídico dia. Quando cliquei no link do e-mail, aceitei o convite, respondi àquele questionário enorme e escolhi minha foto mais legal, não podia imaginar o que era de fato aquele mundinho azul. Eu só sabia que Orkut era um site com comunidades para todos os gostos, cheio de gente bacana e que era preciso ser convidado por um membro pra entrar. Levei alguns dias pra me situar, achava supimpa reencontrar pessoas e receber scraps e testimonials.

Enquanto eu conhecia o site e reencontrava o passado, me deliciava com álbuns de fotos e scrapbooks alheios. Aquilo foi passando do limite da diversão e se tornou um vício, porém ao meu ver, era algo saudável e controlável. No inicio de setembro de 2004 tive meu primeiro surto contra o Orkut e após o término de um namoro deletei minha conta. Menos de um dia após a crise, lá estava eu com uma conta novinha em folha, adicionando todos meus amigos, entrando nas comunidades, participando dos fóruns, escrevendo e recebendo recadinhos e depoimentos. Nada havia mudado. Olhando pra trás, vejo que nessa época eu ainda não havia sido "tocada" de fato pelo mal que assola o Orkut: a falta de privacidade. Na verdade, aquilo tudo era pra mim uma grande brincadeira e eu não conseguia perceber que era uma diversão perigosa. O Orkut desperta o nosso lado voyeur e só percebemos o quanto isso pode ser ruim quando nos sentimos prejudicados pela superexposição. Justamente por não conhecer o lado ruim do Orkut que eu voltei tão rápido. E ali estava eu, com perfil novo e completinho, com fotos, meus gostos, paixões e o endereço do meu blog (que também já não existe mais).

Nessa nova conta eu conheci muita gente, inclusive o garoto que me alegra os dias. Foi também nessa conta que eu experimentei as primeiras crises causadas pelo meu voyeurismo e pelo dos outros. O que era um site de relacionamentos com comunidades para todos os gostos se tornou uma revista de fofocas. Eu estava em quinhentas comunidades (500 mesmo, não é um exagero nem um número meramente alegórico) e não participava de nenhum fórum, simplesmente minha foto com meu nome embaixo constava nas listas de membros. Mas eu passava horas logada, respondendo scraps, fuçando perfis, tendo pequenas crises (de riso, choro, histeria e coisa e tal).Comecei a sentir ciúme dos scraps deixados por meninas pro meu garoto e, mais de uma vez, interroguei-o a respeito, causando um desconforto desnecessário. Por outro lado, assisti minha vida se tornar de domínio público e mais de uma vez soube que pessoas de que eu não gosto sabiam mais do meu dia-a-dia do que aquelas do meu convívio. Não posso esquecer de citar os perfis falsos, criados sabe-se lá com qual intenção e que insistiam em tentar entrar na minha lista de amigos.

Tentei de tudo para me preservar: deletei fotos, scraps, tirei o link pro blog. Passei a recusar todo e qualquer desconhecido na minha lista e por fim deixei de escrever para os amigos. Enfim, decidi não deixar pistas mais e apagar as existentes. Antes que pensem que sou neurótica, só fiz tudo isso porque realmente a invasão de privacidade foi absurda, encontrei com um desses psicóticos soltos pela Web e quase enlouqueci com isso. Eu, que escrevia blogs há 4 anos, tive medo de ter minha vida exposta e me fechei completamente para o mundo virtual naquele momento. A única solução realmente eficaz seria deletar minha conta e foi o que fiz. Foi definitivo dessa vez e não estou sentindo falta daquele mundo. Lembro que, em dezembro de 2004, numa das minhas idas a Porto Alegre, conheci um garoto que havia acabado de se "suicidar" no Orkut e, enquanto ele falava nos males da superexposição, eu argumentava que não há como ter privacidade total. Realmente, não há e foi por isso que eu saí, se não quero que saibam sobre mim, melhor fazer segredo, certo?!

Esqueci de contar que antes disso tudo tive uma conta "roubada" e ela existe ainda no Orkut, só eu não consigo acessá-la e por causa desse fato tive que mudar de MSN. Sim, eu devo ser a pessoa mais complicada da história de todo o Orkut, e acho que a melhor coisa que fiz foi abandonar o barco. Claro que foi muito divertido, reencontrei velhos amigos, conheci gente bacana, encontrei um amor. Tudo isso assim, gratuito, graças ao Google e seu mundinho azul. Divertidos também foram os e-mails que recebi logo que anunciei meu suicídio orkutiano, em grande parte me parabenizando pela façanha, outros tristes achando que eu ia sumir no mapa e também um do Julio me pedindo pra escrever sobre a minha saída. E eu pensei nesses dezenove meses em que passei brincando ali, lembrei das crises de riso quando achava alguma comunidade nonsense, das crises de ciúme, das vezes em que me comparei a outras garotas. Também lembrei da febre dos scraps coloridos, do ódio que sinto da tal de orkutmania. Foram inúmeras as horas que perdi, ou ganhei, logada e não cabe aqui dizer se valeu ou não a pena, até porque nem eu sei a resposta, mas foi como tudo na minha vida, teve inicio, meio e fim. Sem contar que nada melhor do que terminar algo em dezembro, pra começar o ano novo noutros lugares...


Ana Eliza Nardi
Campinas, 15/12/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cidades do Algarve de Elisa Andrade Buzzo
02. Mais outro cais de Elisa Andrade Buzzo
03. Os sons do 22 de Patrícia Chmielewski
04. Palavra de Honra de Daniel Bushatsky
05. Amar a vida! de Daniel Bushatsky


Mais Ana Eliza Nardi
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/12/2005
01h22min
A Ana Eliza é uma pessoa maravilhosa que eu ainda não tive o prazer de conhecer (pessoalmente) mas que eu pretendo conhecer o mais breve possível, só me falta tempo ($) apesar de morarmos até que perto... desejo a ela tudo de melhor que a vida puder dar, e o que ela não puder dar que ela conquiste com sua força e perseverança!
[Leia outros Comentários de Fábio AngelluS]
15/12/2005
02h30min
Tamanho o colosso desse mundinho azul, esse discurso já me é lugar-comum. Torço pra que você, ao contrário de muitos, lembre da serventia de telefone e MSN. Mas qualquer dia o Orkut será verde como o monstro do Loch Ness. As batatas transgênicas Pringles até adotarão seu nome. O Google comprará o eBay, que por sua vez já é dono do Skype, unificando os três serviços. E de certo haverá contas públicas com micro-câmeras instaladas nas bolas da Copa do Mundo – quem sabe assim as ninfomaníacas vejam o dote do Ronaldo-urina-fenômeno. As passarelas serão dominadas pela grife Orkucci, e os moradores da Barra da Tijuca e Alphaville, alheios à internet em seu "umbiguismo" secular, pensarão tratar-se de mais um italiano, talvez primo do Gucci.
[Leia outros Comentários de Fernando Braz]
15/12/2005
09h28min
Lamentável o comentário. Me cheira a uma tentativa nem pseudo-abstrata, nem pseudo-concreta. Tentativa de quem esteticamente deve parecer a uma nuvem daquelas amorfas onde se busca às vezes encontrar algum formato já conhecido, o que só acontece ás custas de muito adubo imaginativo. Incolocável, por assim dizer, pra subverter de vez a existencia das palavras de uma vez por todas. Lugar-comum, por assim dizer.
[Leia outros Comentários de Nessie]
15/12/2005
19h10min
Me falta coragem para deletar meu perfil do Orkut, lá estão guardadas coisas que me aquecem. Conheci pessoas maravilhosas, mas como tudo em excesso acaba sendo prejudicial, eu já experimentei o lado amargo do Orkut. Então resolvi que aquela superexposição era desnecessária, as comunidades e os "amigos" tinham virado nada mais do que "selos" na minha página e comecei a deletar tudo: amigos que só faziam volume, comunidades inúteis, recados lidos e informações sobre mim. Eu enxergo o Orkut como um meio de comunicação, ninguém precisa saber do que eu gosto ou deixo de gostar, mas podem me deixar recados – eles serão lidos, respondidos e apagados.
[Leia outros Comentários de Pâmella Nogueira]
15/12/2005
19h14min
Eu já tive várias contas no Orkut também e agora tenho poucos amigos, não coloco foto e apago recados que podem me comprometer. É uma faca de dois legumes, né?! Porque assim como eu já tive decepções, eu encontrei amigos especiais e pessoas inesquecíveis!
[Leia outros Comentários de Fernanda]
15/12/2005
19h15min
Eu ainda tenho minha conta lá, sabe? h0h0h0h0h0. Te amo, Aninha!
[Leia outros Comentários de Clem]
15/12/2005
23h01min
Ana, muito interessante seu comentário. Vc foi bastante realista e colocou as situações de uma forma coloquial e muito boa de assimilar. Parabéns! Pepe Chaves
[Leia outros Comentários de Pepe]
16/12/2005
10h22min
Ana, fico feliz de perceber que as pessoas já estão percebendo que ficar se divertindo na internet por muito tempo não está com nada. Eu fiquei sabendo do Orkut desde sua criação, mas consegui segurar a tentação e a pressão dos amigos para entrar. Não sinto falta, e se você quiser falar com alguém peça para um amigo fazer por você! O Orkut tira o fator surpresa e mágico que a vida pode nos oferecer, fora a privacidade e a segurança, claro. E não posso deixar de comentar que sempre foi um grande modismo. A prova é esse debate instalado aqui! Um beijo e boas festas!
[Leia outros Comentários de Ricardo Cabral Jahen]
16/12/2005
12h18min
Nossa, quanto exagero. O Orkut, assim como qualquer coisa na vida, pode ter o lado bom e o ruim. Teu comportamento obsessivo-compulsivo é inato, e poderia ter sido despertado com qualquer outra coisa, qualquer outro "gatilho". Não há como culpar o site! E cuidado, como advogado, essa "anti-propaganda" pode gerar um processo de indenização ou ao menos pedido de resposta – e não me venha falar em liberdade de expressão: o Orkut é uma "empresa" da mesma forma que é o "digestivo", e você o está atacando diretamente e não o gênero "internet".
[Leia outros Comentários de Carlos]
16/12/2005
13h50min
Tudo na vida deve ter um equilibrio. Pelo que notei a Ana ultrapassou seu limite, mas tudo isso que revelou sobre o orkut foi válido e irá ajudar, orientar e alertar muita gente. No entanto, concordo 100% com a opinião do Carlos quando diz ser EXAGERO. Exagero mesmo: para pessoas como nós, que sabem equilibrar e avaliar o que pode ou não nos prejudicar. Bem... parabéns mesmo assim e muito cuidado ao se adentrar em "outros lugares".
[Leia outros Comentários de Célia]
16/12/2005
14h13min
Em momento algum eu fiz "propaganda" contra o Orkut, apenas relatei as minhas experiências pessoais no site e o motivo da minha saída. A proposito, você Carlos, é o advogado do Google no Brasil?! Se for, dê uma busca pelos blogs e publicações de internet sobre o tema privacidade no orkut que verá que o que eu relatei no texto é bem recorrente. No inicio do teu comentário, você diz que como tudo na vida o orkut tem um lado bom e um lado ruim e é exatamente esse o tom do meu texto. Interpretação textual e lógica, deveriam ser pré-requisitos para todo advogado :) Agradeço pelo diagnóstico de TOC ou paranóia, quem sabe esquizofrenia, mas serei obrigada a recusa'-lo e procurar outra opinião profissional, de um médico psiquiatra, já que como eu disse no texto: "Antes que pensem que sou neurótica, só fiz tudo isso porque realmente a invasão de privacidade foi absurda, encontrei com um desses psicóticos soltos pela Web e quase enlouqueci com isso".
[Leia outros Comentários de Ana Eliza Nardi]
16/12/2005
14h14min
Entenda, Carlos: eu fui prejudicada de fato, até poderia te contar o que houve, mas não vale a pena. Por favor, antes de falar em anti-propaganda ou coisa do tipo, me diga onde eu induzo alguém a deletar sua conta ou digo que o orkut é um cancro para a sadia e bela internet?! Nunca fiz isso, nem mesmo em conversas informais, quanto mais nesse texto. Quem quiser, que continue lá, eu saí, cansei, encerrei um ciclo. Eu falo num mal que ASSOLA o site, que é a falta de privacidade e ela é gerada pelos membros e não pela empresa, ou seja, eu reclamo da inabilidade dos usuários, inclusive da minha. Vamos por analogia, se eu digo que "o mal que assola o planeta terra é a poluição", estou afirmando que o Planeta Terra é um mal ou que a Poluição é o mal?!. Foi isso, só isso! Enfim, obrigada por ter lido e comentado, que é o que realmente vale nisso tudo!
[Leia outros Comentários de Ana Eliza Nardi]
18/12/2005
22h18min
Concordo que no Orkut tem muita coisa ruim e outras tantas boas. Não levo tão a sério. Conheci meu ex-namorado lá. O que começou pelo Orkut, por ele terminou. A demanda é grande, há um deslumbre, tem o crush list que facilita tudo, por isso enquanto não me fizer mal continuo, o dia que fizer, saio numa boa. Nunca fui viciada e agora menos ainda. Agora só uma pergunta, o seu namorado se suicidou com vc ou ficou por lá? É só curiosidade, tá? Se achar que não deve responder sem problemas ;) Abrs, Andrea
[Leia outros Comentários de Andrea Augusto]
20/12/2005
10h57min
Olá. Tenho que dizer que acho o Orkut maravilhoso, uma grande invenção. Não, eu não sou um novato no Orkut que estou deslumbrado com a novidade, eu ja' tenho o Orkut faz tempo (ao contrario de vc, não lembro a data exata em que fiz meu perfil), e o fato é que reecontro de amigos do passado, é uma jóia rara e, convenhamos, o Orkut permitiu isso. O Orkut guarda idéias e politicas interressantissimas, temos la' comunidades sobre tudo, onde podemos verificar os mais diversos tipos de pensamento por esse Brasil e mundo afora... Quanto aos defeitos citados por vc... me desculpe a sinceridade, mas achei ridiculo. Basta omitir o q não quer q saibam, e pronto.
[Leia outros Comentários de K k]
24/12/2005
01h56min
Muito bom seu artigo, Ana Elisa. Passei apenas uma semana no Orkut. Não aguentei ficar na vitrine nem encontrar tantas pessoas "maravilhosas", "lindas", "raras", "irmãs do coração"... Enfim, uma afetividade tão melosa, com um sabor de inconsistência que só mesmo a proximidade "virtual" é capaz de produzir. Na vida chamada "real", face à face as pessoas são mais parcimoniosas em seus elogios. Por que será?
[Leia outros Comentários de cecile]
28/12/2005
22h57min
Acho o tal "orkut" uma invenção totalmente sem sentido. Encontrar amigos do passado? Sinceramente, se fossem amigos de verdade não seria preciso usar um localizador para encontrá-los. Amigos de verdade já fazem parte dos nossos contatos e nos acompanham durante a vida. Não precisam ser "caçados". Acho que amizades forçadas pelo orkut não têm sentido. Inventar amigos no orkut para ficar na moda é ridículo. A privacidade é indispensável ao ser humano. Além disso, é um incentivo ao ócio (muito diferente do ócio criativo).
[Leia outros Comentários de Paula]
30/12/2005
13h10min
...também sou um suicida orkutiana; durante cerca de 12 meses, participei dessa maluquice q tenta -e consegue- imitar a vida real, só que amizades de mentirinha podem tanto causar prazer quanto cíume, insegurança etc.
[Leia outros Comentários de laércio saretta]
1/1/2006
17h54min
triste do país que necessita de heróis e salvadores... triste da pessoa que se alimenta da superficilidade do orkut. A proposito, tenho perfil mas nao me incomoda o que escrevem, quem escreve e SE escreve ou nao. Nao sou dono da verdade mas acredito em mim e isto me basta... lá é um mero passatempo, nada alem disso. É necessario que estejamos bem com nossa auto-estima; caso voce estivesse nessa condição, poderiam ter escrito o que fosse sobre seu namorado e isto não te afetaria; eis meus dois centavos. A virtude está no equilibrio!
[Leia outros Comentários de eduardo ]
5/1/2006
12h01min
Ans, há uma significativa frase que diz "Ser casto é conhecer todas as possibilidades e não se perder em nenhuma delas". Decerto que os sites de relacionamento, como toda a Rede, nos dão muitas... possibilidades, mas cabe a nós sucumbir ou não. Assumir nossas fraquezas frente às tentações é um caminho, mas não o único. Abs, Bernardo Carvalho, Goiânia-GO
[Leia outros Comentários de Bernardo B Carvalho]
7/1/2006
20h03min
Também já estive 'a mercê da amabilidade repentina e da afeição instantânea que acabamos tendo pelos indivíduos da esfera virtual. Sinceramente, cheguei 'a conclusão de que confiar em amigos reais já é difícil, imagine nos virtuais. Eu acho que o orkut é um veículo complicado como gerador de relações... Mas já vi algumas comunidades com temática mais acadêmica que fornecem conhecimentos valiosos e um intercambio de idéias, especialmente, com relação a assuntos que, ainda, são pouco estudados.
[Leia outros Comentários de Aloimery A.Cometti ]
8/1/2006
10h40min
Estou impressionada. Parece que fui eu quem escreveu esse texto! Fiquei 1 ano e 2 meses e acabo de terminar um casamento (com filho) em dezembro, entre outros motivos, por causa do ciúme do Orkut. Antes do "suicídio", também deletei todas as postagens, mas nada adianta contra a exposição que se tem ali. Encontrei meia dúzia de amigos "do passado" e as outras centenas me adicionavam pela imagem. Os floods cansaram, enfim, adeus.
[Leia outros Comentários de Solange]
13/1/2006
23h36min
Parece muito com o que eu penso: tb me sinto exposta, e tenho varias crises de ciume por culpa do orkut (ciume sem fundamento), mas não tenho coragem de me desfazer dele, tenho muitas recordações por causa dele. Só me falta coragem!
[Leia outros Comentários de bartira]
15/1/2006
01h54min
Acho que tudo que é exagerado é prejudicial. E o Orkut também. Mas, penso que só se expõe no Orkut quem quer, só coloca foto quem quer e só dá detalhes da sua vida pessoal quem quer. E cada um que arque com as consequências de seus atos, afinal o Orkut foi feito para maiores de 18 anos!
[Leia outros Comentários de Andressa Duarte]
18/1/2006
00h09min
Tive alguns desentendimentos por causa de scraps pro meu amor tb. Sem contar no antigo relacionamento que estava balançando e realmente acabou por isso. O que me fará mta falta se eu sair é a divulgação dos eventos de rock aqui de Campinas, bem como as discussões em cima de um tema que curto, pois frequento bastante as comunidades. Em algum momento passa a ser meio que utilidade pública, uma vez que tive crise de amidalite e me confortava na opinião de outras pessoas também. Resumindo... às vezes dá vontade de sair, outras não... Mas não adianta, é só ter aquilo pra dar a famosa coceirinha de fuçar no profile alheio. Admiro sua atitude e espero um dia fazer o mesmo. E juro que nunca mais brigo por causa de scrap de seja quem for pro meu amor. Ele tá comigo, é o que importa.
[Leia outros Comentários de Aline Arielo]
25/1/2006
22h50min
Carlos: Advogado? Não seria melhor, data venia, se colocar como é: um censor frustrado? Acontece, meu caro, que vivemos numa democracia, tá sabendo? Ou vc é um daqueles saudosistas da ditadura militar? Parece que sim... E tem a ousadia de tentar coagir alguém que escreve sobre os problemas que encontrou por se envolver em sites, ou que nome tenha, onde a privacidade é prejudicada. Creio que vc desconhece o que seja liberdade de expressão. E, quando diz "cuidado", claramente ameaçando a colunista, mostra seu lado truculento e policialesco. Como psiquiatra, dou um conselho: faça uma terapia. Isso pode diminuir sua agressividade e torná-lo mais humano. PS: não conheço, não sei quem é, e nem tenho procuração da Sra.Ana Eliza para defendê-la. Sua postagem, "advogado", foi quem me motivou a escrever esta mensagem.
[Leia outros Comentários de Dalila Flag]
9/3/2006
12h18min
Estou procurando coragem pra deletar o Orkut! A vontade é grande, mas fico com receio de pensar que posso querer fazer outro perfil daqui a um dia, como vc da 1a vez, ou, quem sabe, em um mês... e tb penso nas pessoas q reencontraria...
[Leia outros Comentários de Gabi]
27/4/2006
11h48min
devo considerar todos os comentarios acima como válidos, no sentido de que expressam opinioes, entretanto, possuem o mesmo teor que possuem os comentarios do orkut. la’ se encontram pessoas sensatas e loucos obstinados que perdem tempo pra buscar sei la' o que com ofenças... acontece que o texto da ana reflete sua sinceridade e uma afliçao, a qual muitos dos participantes do orkut compartilham. o site é bom naquilo a que se propoe... juntar gente de todo tipo espelhando uma sociedade que vai desde o neonazismo, passando pela pedofilia e prostituiçao, ate' religiao e comunidades suicidas e científicas... participei de uma dessas comunidades nazistas com uma intençao, digamos, cientifica, pois desenvolvo pesquisa na área... sai’ antes da reportagem do fantastico... e depois de perceber que brigava com amigos pq ñ me deixavam scraps... conclui’ que minha vida possuia um “intermediario”... o sr. orkut... com o cumulo de deixar um recado para a pessoa q estava na mesa ao lado, dizendo que ela era importate...
[Leia outros Comentários de adriano]
2/5/2006
15h26min
O Orkut já tirou "do sério" inúmeras pessoas que conheço. É bem verdade que, vendo-me na condição de amigo (nem um pouco virtual), fiz-me presente da maneira que achei cabível para ajudar na superação de tal "problema". Decepcionante é o observar de pessoas naturalmente felizes sofrendo pelas acusações, agressões e mentiras que esse "mundo virtual" nos é capaz de mostrar. Para quem estudou e trabalha com Informática desde os 13 anos e observou alguns dos importantes "passos" dados pela WEB, ver-se diante do utilizar desta ferramenta sem escrúpulos e qualquer valor moral é uma experiência um tanto quanto frustrante. Lamentável tudo isto.
[Leia outros Comentários de Marcos]
20/9/2006
20h56min
O Orkut é uma ótima forma de fazer amigos e de reencontrar os antigos! Mas as últimas noticias sobre ele não são muito boas! Como muitos já falaram, o fato de o Orkut ser público acaba com a privacidade! Você se vê diante de um "programa" cheio de fraudes. Há pouco tempo atrás, escrevia depoimentos para as minhas amigas distantes, para contar problemas, decepções, segredos. Hoje, descobri que todos os depoimentos podem ser lidos, mesmo depois de apagados! Tirando, também, os vários comentários que surgem sobre você e as muitas vezes que isso acaba interferindo nos seus relacionamentos. Mesmo com tantos pesares, não consigo deletá-lo por receio de perder contato com muita gente, mas já agi tirando fotos e detalhes da minha vida!
[Leia outros Comentários de Aline]
31/10/2006
14h07min
olha, posso ateh ñ te conhecer, mas o que vc fez foi mt bom p/ vc e sua familia tb.
[Leia outros Comentários de Caroline duarte]
29/12/2006
10h39min
Realmente, o Orkut acaba com relacionamentos. Conheci a minha namorada através de bate-papo, peguei o MSN dela (que é outro que acaba com relacionamentos, mas não é o caso falar aqui) e estamos hoje, juntos. Meu namoro está passando por uma turbulência, ela e eu brigamos quase todos os dias, na maioria das vezes, por causa do Orkut. Recados que deixam pra ela que eu não gosto, me expondo ao ridículo e vice-versa. Já conversei com ela, tentando convencê-la de que nós dois devemos apagar nossa conta do Orkut, mas é a mesma coisa de dizer: “Continue com o Orkut, isso vai ajudar nosso namoro.” Certo que reencontrei muita gente que eu nunca mais tinha visto nem falado. Pra ela é ainda mais fácil apagar o Orkut, que fez a pouco tempo, eu já tenho desde 2004, sei que perderei muitos contatos se eu apagar minha conta, mas estou disposto a fazer isso para salvar meu namoro. Resumindo tudo: Orkut é para aqueles que está solteiro, que esteja procurando alguém, encontrou, exclui a conta.
[Leia outros Comentários de Bruno Peralva]
29/12/2006
14h32min
O Orkut é realmente um livro aberto. Poucos meses atrás deletei todas as fotos dos meus filhos. Agora entro uma vez por mês ou a cada dois meses. Somente para deletar mensagens... Realmente ficou tudo sem graça. Ivo Samel
[Leia outros Comentários de Ivo Samel]
22/4/2007
03h16min
Estou fazendo uma pesquisa de quantas pessoas ja' tiveram problemas ou foram prejudicadas pelo orkut, quem puder me mandar um e-mail contando o acontecido... Por causa do orkut eu quase perdi a noiva, o emprego, a minha familia e meus amigos, foi a pior coisa que aconteceu na minha vida. Depois eu conto mais detalhes... OBS: Ana, que bom que vc conseguiu se livrar desse vicio e dessa fantasia maldita que é o orkut!
[Leia outros Comentários de Isaque]
22/8/2007
10h28min
Ás vezes é dífícil falar as coisas que nos magoam, mas desabafar purifica. Conheci uma pessoa há três anos. Um ano e meio de namoro, outro ano e meio de noivado. Ela com orkut, eu sem perfil, mas entrando de vez em quando. Primeiro pela curiosidade, depois por ciúme. Qualquer briga ou desentendimento, a fuga dela era ali, passando os dias no mundo virtual e, através de comunidades, passando para o real. Muito fácil inflar seu ego, muito fácil seduzir e ser seduzido, tudo muito rápido, muito simples, pessoas disponíveis numa vitrine, só pegar. Fim da história, fim de noivado. Ela continua no orkut, eu acordei para a vida.
[Leia outros Comentários de Marcus]
15/2/2008
08h29min
Concordo que as pessoas utilizem o orkut pra "fuçar" na vida dos outros, mas é plenamente aceitável q vc tenha um perfil debilmente cadastrado, principalmente pra poder se comunicar com o mundo, e assim conhecer pessoas que estão distantes de vc, ampliando horizontes, e conhecendo o desconhecido. Ingênuo é aquele que entra no orkut achando que vai ficar no anonimato. Ninguém disse que os sites de relacionamentos são privados... não que eu me lembre. Se quer privacidade, leve seus amigos pra casa e feche as portas. O que as pessoas vêem no meu orkut é o que qualquer pessoa pode saber. Não sou viciado em Orkut e já o tenho há mais de 3 anos. Entro lá, vejo os recados dos amigos, respondo, deleto... e, depois, a vida continua. Se não consegue dominar a si mesmo... aí qualquer coisa que vc fizer será um problema. Abraço a todos
[Leia outros Comentários de Benicio]
22/2/2008
16h58min
Estou passando por um sentimento parecido, estou saturada do Orkut, já tentei sair diversas vezes, mas sempre acabo criando um perfil só para "fuçar". Quero me livrar para sempre desse vício. Quantas horas perdemos nesse site? Espero que um dia esse site perca a popularidade. É um antro de fofoca, falta de privacidade, guerra de egos e crimes. Claro que não 100%, "só" 90%!
[Leia outros Comentários de Kiki]
2/10/2008
21h59min
Uma vez Renato Russo disse, com uma sabedoria ímpar: "Digam o que disserem, o mal do século é a solidão". Pretensiosamente digo que assino embaixo, sem dúvida alguma. É muito fácil colocar a culpa nos sites e nos outros quando as pessoas apresentam dificuldades de se relacionarem com os namorados, noivos, maridos. Ninguém nunca olha para si mesmo e tem a coragem para refletir: pq meu namorado(a) fica tanto no Orkut, Myspace e não me dá atenção? Não tenho uma parcela de culpa nisso? Pq não se faz isso? Pq não gostamos de ver que tb pisamos na bola, e que às vezes sentimos um amor primitivo do tipo dominador, possessivo e obssessivo; queremos controlar nosso suposto amado e não vemos as reais necessidades deles. Entao... continuem colocando culpa na internet e cuidado com seus celulares, hehehehe
[Leia outros Comentários de Genevieve]
17/10/2008
20h20min
Pow! Já tava muito acostumada com o orkut! Vai ser muito dificil deixar o orkut! É uma pagina que reencontramos os velhos amigos! Tô muito triste!
[Leia outros Comentários de Stephanie Fontes]
4/12/2009
14h43min
Ana Elisa, parabéns pelo texto. Basta ir em qualquer lan house que podemos verificar praticamente 90% do jovens acessando o Orkut. São milhões de horas/dia jogadas no lixo. Horas que poderiam ser aplicadas em consultas, estudos etc. Abro o meu 1 ou 2 vezes por semana, por alguns segundos, somente para ver e cumprimentar os aniversariantes. Ivo Samel
[Leia outros Comentários de Ivo Samel]
25/8/2011
16h47min
Quem tem amigos não precisa ser magico, tudo a seu tempo é tudo que vc precisa imaginar e a resposta vc já sabe, pois a sintonia é algo interessante sem segredo, vai logo expondo seus assuntos e pedindo opinião por achar que é importante para os amigos...
[Leia outros Comentários de sebastiao ramiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FALCÃO TRIGOSO A VIDA E A OBRA DO PINTOR
SYLVIA PURWIN DE FIGUEIREDO FALCÃO TRIGOSO
INAPA
(1997)
R$ 39,08



IMPLANTAÇÃO CERTIFICAÇÃO ISO 9001: 2008
FERNANDA FLORES NASCIMENTO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



O MÁGICO DE OZ (TEXTO INTEGRAL)
L. FRANK BAUM
ÁTICA
(1997)
R$ 14,90



CONSELHOS ESCOLARES E RESULTADOS DE AVALIAÇÃO EM LARGA ESCALA(IDEB):
WALDÍSIA RODRIGUES DE LIMA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 272,00



GARCIA D ORTA E AMATO LUSITANO NA CIÊNCIA DO SEU TEMPO
A. J. ANDRADE DE GOUVEIA
BIBLIOTECA BREVE
(1985)
R$ 26,00



REVISTA FLAP INTERNACIONAL Nº 335 - ANO 37 - AGOSTO 2000
CARLOS ANDRÉ SPAGAT DIRETOR
EDITORIAL SPAGAT
(2000)
R$ 7,00



TIPO ASSIM , CLARICE BEAN
LAUREN CHILD
ÁTICA
(2009)
R$ 28,00



1001 PENSAMENTOS
GILBERTO SANTOS
CAMPO DAS LETRAS
(2001)
R$ 41,37



A MULHER EM ISRAEL
ORGANIZAÇÃO DAS PIONEIRAS
ORGANIZAÇÃO DAS PIONEIRAS
(1975)
R$ 5,00



ATLAS FOTOGRÁFICO À CORES DE ANATOMIA MICROSCÓPICA
PIETRO MOTTA
LIVRARIA ATHENEU
(1974)
R$ 29,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês