Sou da capital, sou sem-educação | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Google em crise de meia-idade
>>> Meu cinema em 2010 ― 1/2
>>> Paulo Francis não morreu
>>> Levy Fidelix sobre o LGBT
>>> Adaptação: direito ou dever da criança?
>>> Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> A quem interessa uma sociedade alienada?
Mais Recentes
>>> A Vida é Sonho de Pedro Calderón De Lá Barca pela Scritta (1992)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2009)
>>> Mercadão Municipal - O Mundo e seus Sabores de Vários Autores pela Map (2004)
>>> Revista da Biblioteca Mário de Andrade de Boris Schnaiderman pela Imprensa Oficial (2012)
>>> Minidicionário Saraiva Informatica de Maria Cristina Gennari pela Saraiva (2001)
>>> Baia Da Esperanca de Jojo Moyes pela Bertrand (2015)
>>> Manual de Organização do Lactário de Maria Antônia Ribeiro Gobbo / Janete Maculevicius pela Atheneu (1985)
>>> Brinquedos da Noite: manual do primeiro livro 12ª edição. de Ieda Dias da Silva pela Vigília (1990)
>>> Pró-Posições de Vários Autores Unicamp pela Unicamp (2008)
>>> De Crianças e Juvenis Ensinando a Verdade de Modo Criativi de Márcia Silva pela Videira (2012)
>>> O Cinema Vai Mesa de Rubens Ewald Filho / Nilu Lebert pela Melhoramentos (2007)
>>> Guia das Bibliotecas Públicas do Brasil de Vários Autores pela Fundação Biblioteca Nacional 1994/95 (1994)
>>> Puxa, Que Bruxa! - O Sumiço - Livro 2 de Sibéal Pounder pela Ciranda Cultural (2019)
>>> IV 4D Artes Computacional Interativa de Centro Cultural Banco do Brasil pela Centro Cultural Banco do Brasil (2004)
>>> Psicologia da Educação - Revista do Programa de Estudos pós-graduados PUC-Sp de Vários Autores pela Puc-sp (2006)
>>> Cavalgando o Arco-Iris de Pedro Bandeira pela Moderna (1999)
>>> Mordidas que Podem ser Beijos 1ª edição. de Walcyr Carrasco pela Moderna (1997)
>>> Eu e Você, vamos Brincar? de Vários Autores pela Poliedro (2019)
>>> Convite à filosofia de Marilena Chauí pela Ática (1999)
>>> Pippi Meialonga. de Astrid Lindgren pela Companhia Das Letrinhas (2019)
>>> O Direito de Aprender - Potencializar avanços e reduzir desigualdades de Unicef pela Unicef (2009)
>>> O Fantástico Mistério de Feiurinha 4ª edição. de Pedro Bandeira pela Ftd (1989)
>>> Pedagogia Cidadã UNESP de Vários Autores pela Unesp (2006)
>>> Estranho, mas Verdadeiro - Perguntas e Respostas de Michele Gerlack / Marschalek Nascimento pela TodoLivre
>>> Que História É Essa? de Flávio de Souza pela Companhia Das Letrinhas (2008)
COLUNAS

Quarta-feira, 22/2/2006
Sou da capital, sou sem-educação
Ana Elisa Ribeiro
+ de 6900 Acessos
+ 9 Comentário(s)

Bem que eu gostaria de fazer desta coluna um pequeno documentário. Alguma coisa assim como Sobre café e cigarros, de Jim Jamursch. Ou Janela da alma, de Walter Carvalho. Esse tipo de documentário constituído de vários sets filmados em momentos diferentes, com pessoas diversas, fazendo uma pequena e bem-ajambrada colcha de retalhos. No final, o produto é bacana.

Talvez seja a primeira vez que lamento que a palavra não me pareça o melhor recurso. Uma câmera cairia bem melhor. Mas vou tentar. Vou batizar meus personagens e até arriscar uma direção de cena. Vamos lá.

Cena 1

Jorge chega à padaria às cinco da tarde. O sol está forte, mas o toldo velho e amarelo tenta segurar a luz e refrescar o ambiente. Jorge escolhe pães, sucos e umas samantilhas. É hora do café. Muitas senhoras chegam à padaria no mesmo horário. Muitos garotos. A fila para embrulhar o pão fica maior a cada minuto. Quando vai ao caixa, Jorge espera que a moça lhe faça as contas, registre tudo, dê o preço. Enquanto ela põe tudo numa sacola branca, Jorge tira moedas da carteira. Antes mesmo de efetuar o pagamento ou de pegar suas compras, uma senhora arbustiva empurra, pressiona pelas costas, até que, finalmente, passa os braços por cima de Jorge e coloca os pães na frente dele. Ele retira os pães da mulher, devolve o pacote a ela e pede que aguarde com paciência. E alguma educação.

Cena 2

Cristina dirige. Pega o carro novo e pretende ir até a casa dos avós. Passa por muitas esquinas, devagar, olha para os dois lados antes de atravessar. Pára na esquina movimentada. À sua frente, uma avenida de bairro, mão dupla, muitos carros, trânsito rápido. Enquanto ela espera para atravessar, olha no retrovisor. Nota, estarrecida, que uma mulher num Fiat Uno (muito mal-conservado, por sinal, e não à-toa) tenta ultrapassar pelo canto direito, desesperadamente. O lugar era estreito, não haveria passagem para aquela mulher. De mais a mais, ela chegaria ao lado de Cristina e teria que parar. Ou provavelmente entraria correndo na frente de algum infeliz que estivesse na avenida. Cristina joga o carro um tantinho mais para a direita e fecha o resto de passagem para o Uno. Olha pelo retrovisor. Olha para trás pelo vidro. Olha como quem diz: espere a sua vez. Dá a impressão de que algumas pessoas não conhecem aqueles jogos infantis em que você tem que aprender a aguardar para jogar ou até perde sua vez.

Cena 3

Luiza espera o elevador chegar. Está parada, de braço dado com o namorado, no terceiro andar de um shopping de classe A. Pensa que ali pode ter gente mais bem-educada. Quando a porta do elevador se abre, umas pessoas fecham a passagem de quem está para sair dele. Improvável que consigam. O ascensorista, pouco delicado, pede passagem (o óbvio) para as pessoas que desejam sair. Só então quem esperava pode entrar. Entra um casal. Entra uma adolescente. Entram duas moças conversando. Entra um senhor. Surpreendentemente, ele pára de costas para a porta do elevador. Pára. E fica. Não deixa que outros entrem. Não nota que há mais gente querendo subir ou descer. É necessário que Luiza e o namorado peçam licença ao senhor para entrar no elevador. E o moço ainda faz cara feia, como quem achasse que estava tudo certo.

Cena 4

Marcelo está na direção de um Gol. São 19h e ele está louco para chegar em casa, rever o filho pequeno, tomar um banho, esperar que a esposa também chegue do trabalho, dispensar a babá. Passa pela avenida, pára no sinal, vira à direita, esquerda, mais uma. A rua de casa é movimentada. Ele faz a curva e dá sinal de que vai virar, entrar na garagem da própria casa. Por essa manobra necessária para chegar em casa, Marcelo tem o carro abalroado por uma Kombi e é xingado. Um motorista, aos berros, lança todos os palavrões de que dispõe no momento a Marcelo. Isso tudo porque o homem queria chegar em casa. Isso depois de sinalizar com as setas do carro e com acenos de mão.

Cena 5

Cassiano e Heloísa estão no supermercado. Fazem compras para o mês. Uma listinha, um hipermercado conhecido, horas lá dentro para encher o carrinho. As filas do caixa são grandes. As pessoas têm que ter paciência. Todos estão ali para fazer as mesmas coisas. Enquanto enfrentam a pequena e demorada fila, Cassiano e Heloísa são pressionados pela família (inteira) do carrinho de trás. Eles conversam alto, se escoram no carrinho de Cassiano, empurram a fila com o carrinho deles mesmos.

Cena 6

Gil tem mais de 60 anos e prioridade em todas as filas, do banco ao supermercado. Por uma questão de timidez, prefere entrar na fila e esperar. Naquele dia, ele foi com a filha mais nova à casa lotérica. Uma aposta para o futuro. Quando era a vez dela, um outro senhor maior de 60 anos entrou na fila sem dizer oi, sem pedir licença, sem dirigir aos dois um olhar sequer que significasse um pedido, um gesto micro de educação. Gil e a filha compreenderam, instantaneamente, que o senhor postado ali tinha prioridade no atendimento. Mas Gil também tinha. No entanto queria cobrar não a posição na fila ou a frente diante do caixa. Gil e a filha queriam saber por que certas pessoas confundem direito com truculência, prioridade com falta de educação.

* * *

Essas cenas me deixam tão curiosa! Há alguns anos, lembro de ter lido um texto sobre urbanidade. Era alguém falando sobre a educação no comportamento das pessoas que moram em cidades, especialmente em cidades grandes. O autor daquele texto fazia um constraste entre pessoas que moram em áreas rurais e aquelas que residem em prédios e casas da capital.

As pessoas "da roça" sofrem certo preconceito da parte dos urbaninhos de plantão. São consideradas, mesmo que de maneira não-declarada, os "jecas", menos instruídos, menos interessantes, provincianos, cafonas. Bom mesmo é nascer na cidade, morar em apartamento, andar de carro no trânsito fulminante dessas capitais tão sem glamour. Será?

No interior, testemunhei as maiores demonstrações de civilidade da minha vida. Foi lá que vi uns meninos pedindo desculpas, licença e por favor, coisa que os marmanjos de São Paulo ou de BH se esqueceram de aprender. Também me lembro de ser convidada para entrar, de recusar um café feito na hora, de ir a um banheiro limpo, de comprar pão na porta de casa. Também lá me mostraram com dedicação o caminho que me levaria ao museu, à fazenda ou à loja principal. Não havia gente jogando o carro pra cima de mim e nem buzina desesperada na hora de atravessar a esquina.

Na cidade grande, a gente acha estranho quando alguém dá passagem. Da última vez que um homem puxou uma cadeira pra eu sentar, fiquei sem ação. Pensei que fosse trote. Era gentileza, e eu havia me esquecido de que isso existia.

Minha rua também é movimentada. Liga duas avenidas grandes. Muitos carros passam por aqui. Quando alguém me deixa entrar em minha garagem sem fazer estardalhaço ou me chamar de "filha da p.", agradeço, abano as mãos em sinal de graça, fico surpresa. Penso até que tenha sido distração dos estúpidos de plantão.

Por que será que a gente acha que é melhor e fica tão imbecil? Por que será que a gente acha que os outros são piores e não nota o quanto a gente perdeu o sentido das pessoas? De que adianta ter apenas o sentido das coisas? Quem aí ainda ensina o filho a pedir, em lugar de dar ordem? Quem será que se lembra de pedir licença, mesmo a uma criança, para dar o exemplo? E as desculpas? É alguma vergonha intransponível pedir desculpas? Curioso.


Ana Elisa Ribeiro
São João Del-Rei, 22/2/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo de Jardel Dias Cavalcanti
02. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
03. Senhor Amadeu de Ana Elisa Ribeiro
04. Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
05. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão de Luís Fernando Amâncio


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/2/2006
09h18min
Parabéns pelo texto. Nesses tempos quase bárbaros, sonho com uma civilidade mínima. Não há quem, vivendo numa grande cidade, não se identifique com alguma das situações de grosseria que você lista. Sou de uma cidade minúscula do interior de Goiás (Buriti Alegre - me alegra o eco Rosiano em Buriti), mas moro em cidade grande há mais de duas décadas. E me pergunto, numa alusão a um verso de Antônio Cícero: "terei me tornado um mal-educado apenas para atender à demanda do mercado atual?". Abraço!
[Leia outros Comentários de Tarlei]
23/2/2006
15h42min
Educacao se aprende em casa. E em muitas capitais, as pessoas nao tem tempo de educar os filhos. Mas fora isso, tive otimas experiencias no interior tambem. A linguagem e a educacao estao em outro patamar. Em compensacao, o provincianismo e o medo do diferente, tambem... Se voce fala de algo que nao conhece, ja' se assustam. Nao, todos. Mas, em media. E se manter distante do "papo pequeno", e' bem mais dificil :)
[Leia outros Comentários de Ram]
23/2/2006
16h58min
Olá! Outro dia mesmo comentei com o Julio sobre seus textos. São ótimos e esse coroou minha admiração. A vítima mais comum que vejo por aqui é o nordestino. Nessa semana, assisti a duas aulas onde os professores de Psicologia Jurídica e de Biodireito fizeram generalizações preconceituosas. Um classificou os nordestinos como dependentes do sistema assistencial por opção, tendo até dezessete filhos como recurso para aumentar a renda familiar. Outro disse ironicamente que não sabem falar palavras como “registro”, por exemplo. O acelerado avanço científico e tecnológico é surpreendente, mas o atraso humano é lamentável. Gostaria muito de acreditar que ainda veremos neste planeta a predominância do respeito, da gentileza, da humildade, da sensibilidade, da generosidade, da paz e de palavras adjacentes em seu mais amplo sentido. Seremos fortes e perseverantes para mudar esse quadro? De fato, as imagens poderiam mostrar muito bem o que você, com palavras, traduziu com perfeição. Bj
[Leia outros Comentários de Liz]
3/3/2006
11h46min
Sua sensibilidade arrebatadora confirma saudades das páginas de "Minha Vida de Menina", no retorno simples à infãncia mineira do séc. XIX, claro, antagônico se comparado aos bem vendidos "Diarios de Princesa" e cia., de Meg Cabot. Nossa mocidade poderia acessar exemplos assim para melhor compreender as distâncias e angústias de cada diferença, para bem estabelecer um ideal de felicidade. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Marcela Ávila Valle]
18/3/2006
10h29min
É uma bobagem dizer que no interior as pessoas são mais bem educadas e civilizadas do que na capital. Moro no interior. Gente, o interior é a mesma merda! Talvez até pior. Ninguém pode soltar um maldito pum que todo mundo fica sabendo. E a politicagem, então... É só assistencialismo, currais eleitorais, nepotismo escancarado.
[Leia outros Comentários de rogerio]
19/3/2006
10h40min
Um lado perdido (e poético?) de mim até sonha com a educação, civilidade, polidez, cortesia... Mas é impossível. O Homem nasceu para o combate, a guerra, o egoísmo, o salve-se quem puder. É assim. Somente há esperança nos sonhos e na morte. É ostensívo o que acontece no mundo e o que vai acontecer sempre: a luta pela sobrevivência, e aí, sinto muito, as regras da boa educação cedem lugar ao nosso egoísmo, ao desejo de ser grande, de superar a si mesmo. Ando lendo Nietzsche e acho que ele tem razão. Aqueles que não nos matam... nos tornam mais fortes. Se tivéssemos coragem, faríamos como Rimbaud fez: virou ermitão e se encerrou numa caverna. Haveria tempo para pensar... numa solução.
[Leia outros Comentários de rogério silvério]
27/8/2006
22h55min
Acho que quando as pessoas vivem sob pressão elas são mais brutas. Embora educadas didaticamente, elas são mais brutas no sentido de humanismo. Elas esquecem que o mundo pertence aos seres humanos, e que ser bruto significa não estar adequado socialmente para pertencer ao grupo de humanos. Seja numa cidade, seja num sertão. As pessoas devem ser tratadas com dignidade, respeito, e carinho. O resto é brutalidade, e isso causa uma reação violenta na vida dos que participam. Atraímos mais pessoas com mel do que com vinagre. Isso é simples e básico na vida. Eu acho que os brutos deveriam ser enfrentados com uma lição de moral e não com as mesmas baixarias que eles criam. É mais fácil ser mal educado do que ser gentil, principalmente com alguém que nos ofenda. Porém, para que se quebre esta corrente de brutalidades, devemos não mais descontar nos outros aquilo que nós mesmos criamos para nós. Ser mal educado não está na moda. Ser gentil está na moda! "Comece com a pessoa no espelho".
[Leia outros Comentários de Milton Laene Araujo]
18/9/2006
10h59min
Cara Ana Elisa, que bom encontrar alguém que pensa como eu nesse mar de gente que é SP! Não é só o senso de ridículo que nós perdemos (refiro-me ao coletivo de pessoas)... ao nos comportarmos de maneira grosseira, perdemos a noção de civilidade neste Brasil. O outro se julga melhor do que você simplesmente porque dirige um carro novo e/ou possante, ou porque se dispõe a pagar uma fortuna numa blusinha no shopping mais caro da cidade. Nós perdemos a noção do coletivo... de que vivemos em uma cidade e dividimos o espaço com outras pessoas, que também têm direito a ele! Brasileiros em geral não sabem (con)viver em grupo e os que sabem são a exceção... Pobre país este nosso e pobre cidade rica essa São Paulo...!
[Leia outros Comentários de Luciana Rocha]
8/2/2008
00h45min
Com sou oriundo da roça, entendi tudo o que ela falou. E eu que estou há 40 anos na "cidade maravilhosa", o que devo dizer? Parabéns, minha menina. Continue sempre escrevendo bem assim. Paulo, do Rio de Janeiro, capital.
[Leia outros Comentários de Paulo Ferreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Lord Jim
Joseph Conrad
Abril
(1980)



Bellini e a esfinge
Tony Bellotto
Companhia das Letras
(1995)



Chuva Pesada
Janwillem Van de Wetering
Jorge Zahar Editor
(1987)



Determinação do Montante do Tributo - Quantificação, Fixação e Avaliaç
Valdir de Oliveira Rocha
Dialética
(1995)



Lições de Direito Econômico
Leonardo Vizeu Figueiredo
Forense
(2012)



A História Não Contada Dos EUA
Peter Kuznick
Faro Editorial
(2015)



As leis secretas do poder
Alla Svirinskaya
Prumo
(2008)



Raul da Ferrugem Azul
Ana Maria Machado
Salamandra
(2003)



Por Que os Homens Se Casam Com as Manipuladoras
Sherry Argov
Best Seller
(2009)



O Despertar da Nova Era - Antologia Poética
Ida Katzap
Do Autor
(1998)





busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês