Sou da capital, sou sem-educação | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evoluir celebra o mês das crianças com contação de história
>>> Editora H1 chega com proposta de modelo híbrido de apresentação de conteúdo
>>> CONCERTO OSESP MASP TEM NOVA APRESENTAÇÃO GRATUITA DIA 20 DE OUTUBRO
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> José Moutinho
>>> Palavra na Tela – Crítica
>>> Paternidade
>>> Soul Bossa Nova
>>> Walking Dead - O caminho dos mortos na cultura pop
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Público, massa e multidão
>>> Saints and Sinners
>>> Teledramaturgia ao vivo
>>> Os narradores de Eliane Caffé
Mais Recentes
>>> Contos Sombrios de Gabriel Maia pela Linhas Tortas (2019)
>>> Essentials of Marketing de McCarthy e Perreault pela Sixth Edition
>>> Java como Programar de Deitel pela Prentice Hall (2005)
>>> Leis do Amor de Francisco Candido Xavier pela Feb (1965)
>>> Seara dos Médiuns de Francisco Candido Xavier pela Feb (1985)
>>> Se Eu Não Te Amasse Tanto Assim de Valter Turini pela O Clarim (2009)
>>> Os Segredos do Casarão de Elizabeth Artmann pela Petit (1999)
>>> A Segunda Chance... de Alfredo Pardini pela O Clarim (2009)
>>> O Segredo das Bem Aventuranças de José Lázaro Boberg pela Eme (2009)
>>> Sementes e Contos de Lauro Pereira pela Procriart (1985)
>>> Segue-Me!... de Francisco Cândido Xavier pela O Clarim (1978)
>>> Direito Civil Brasileiro - Direito Família vol. 6 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2013)
>>> A Caçada Ao Lobo de Wall Street de Jordan Belfort pela Planeta (2014)
>>> Direito Civil Brasileiro - Direito das Coisas vol 5 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2007)
>>> Diário do Chaves de Roberto Gomez Bolanos pela Suma (2006)
>>> O Aliciador - Ele está sempre um passo à Frente de Donato Carrisi pela Record (2019)
>>> Isaac Newton e Sua Maçã de Kjartan Poskitt pela Cia. das Letras (2021)
>>> A riqueza da vida simples - Como escolhas mais inteligentes podem antecipar a conquista de seus sonhos de Gustavo Cerbasi pela Sextante (2019)
>>> Fênix: A Ilha - Livro 1 de John Diox pela Novo Conceito (2014)
>>> Direito do Trabalho 23 ª ed. de Sérgio Pinto Martins pela Atlas (2007)
>>> O Sexo das Antas de Kelli Pedroso pela Pergamus (2011)
>>> Direito Administrativo 20ª Ed. de Maria Sylvia Zanella Di Pietro pela Atlas (2007)
>>> Cavalo de Tróia 1 - Jerusalém de J. J. Benitez pela Planeta (2010)
>>> O Desafio da Hiperinflação - em busca da moeda real de Francisco Lopes pela Campus (1989)
>>> Saneamento Ambiental na Baixada Cidadania e Gestao Democrática de Jorge Florêncio e outros pela Fase (1995)
COLUNAS

Quarta-feira, 22/2/2006
Sou da capital, sou sem-educação
Ana Elisa Ribeiro

+ de 6000 Acessos
+ 9 Comentário(s)

Bem que eu gostaria de fazer desta coluna um pequeno documentário. Alguma coisa assim como Sobre café e cigarros, de Jim Jamursch. Ou Janela da alma, de Walter Carvalho. Esse tipo de documentário constituído de vários sets filmados em momentos diferentes, com pessoas diversas, fazendo uma pequena e bem-ajambrada colcha de retalhos. No final, o produto é bacana.

Talvez seja a primeira vez que lamento que a palavra não me pareça o melhor recurso. Uma câmera cairia bem melhor. Mas vou tentar. Vou batizar meus personagens e até arriscar uma direção de cena. Vamos lá.

Cena 1

Jorge chega à padaria às cinco da tarde. O sol está forte, mas o toldo velho e amarelo tenta segurar a luz e refrescar o ambiente. Jorge escolhe pães, sucos e umas samantilhas. É hora do café. Muitas senhoras chegam à padaria no mesmo horário. Muitos garotos. A fila para embrulhar o pão fica maior a cada minuto. Quando vai ao caixa, Jorge espera que a moça lhe faça as contas, registre tudo, dê o preço. Enquanto ela põe tudo numa sacola branca, Jorge tira moedas da carteira. Antes mesmo de efetuar o pagamento ou de pegar suas compras, uma senhora arbustiva empurra, pressiona pelas costas, até que, finalmente, passa os braços por cima de Jorge e coloca os pães na frente dele. Ele retira os pães da mulher, devolve o pacote a ela e pede que aguarde com paciência. E alguma educação.

Cena 2

Cristina dirige. Pega o carro novo e pretende ir até a casa dos avós. Passa por muitas esquinas, devagar, olha para os dois lados antes de atravessar. Pára na esquina movimentada. À sua frente, uma avenida de bairro, mão dupla, muitos carros, trânsito rápido. Enquanto ela espera para atravessar, olha no retrovisor. Nota, estarrecida, que uma mulher num Fiat Uno (muito mal-conservado, por sinal, e não à-toa) tenta ultrapassar pelo canto direito, desesperadamente. O lugar era estreito, não haveria passagem para aquela mulher. De mais a mais, ela chegaria ao lado de Cristina e teria que parar. Ou provavelmente entraria correndo na frente de algum infeliz que estivesse na avenida. Cristina joga o carro um tantinho mais para a direita e fecha o resto de passagem para o Uno. Olha pelo retrovisor. Olha para trás pelo vidro. Olha como quem diz: espere a sua vez. Dá a impressão de que algumas pessoas não conhecem aqueles jogos infantis em que você tem que aprender a aguardar para jogar ou até perde sua vez.

Cena 3

Luiza espera o elevador chegar. Está parada, de braço dado com o namorado, no terceiro andar de um shopping de classe A. Pensa que ali pode ter gente mais bem-educada. Quando a porta do elevador se abre, umas pessoas fecham a passagem de quem está para sair dele. Improvável que consigam. O ascensorista, pouco delicado, pede passagem (o óbvio) para as pessoas que desejam sair. Só então quem esperava pode entrar. Entra um casal. Entra uma adolescente. Entram duas moças conversando. Entra um senhor. Surpreendentemente, ele pára de costas para a porta do elevador. Pára. E fica. Não deixa que outros entrem. Não nota que há mais gente querendo subir ou descer. É necessário que Luiza e o namorado peçam licença ao senhor para entrar no elevador. E o moço ainda faz cara feia, como quem achasse que estava tudo certo.

Cena 4

Marcelo está na direção de um Gol. São 19h e ele está louco para chegar em casa, rever o filho pequeno, tomar um banho, esperar que a esposa também chegue do trabalho, dispensar a babá. Passa pela avenida, pára no sinal, vira à direita, esquerda, mais uma. A rua de casa é movimentada. Ele faz a curva e dá sinal de que vai virar, entrar na garagem da própria casa. Por essa manobra necessária para chegar em casa, Marcelo tem o carro abalroado por uma Kombi e é xingado. Um motorista, aos berros, lança todos os palavrões de que dispõe no momento a Marcelo. Isso tudo porque o homem queria chegar em casa. Isso depois de sinalizar com as setas do carro e com acenos de mão.

Cena 5

Cassiano e Heloísa estão no supermercado. Fazem compras para o mês. Uma listinha, um hipermercado conhecido, horas lá dentro para encher o carrinho. As filas do caixa são grandes. As pessoas têm que ter paciência. Todos estão ali para fazer as mesmas coisas. Enquanto enfrentam a pequena e demorada fila, Cassiano e Heloísa são pressionados pela família (inteira) do carrinho de trás. Eles conversam alto, se escoram no carrinho de Cassiano, empurram a fila com o carrinho deles mesmos.

Cena 6

Gil tem mais de 60 anos e prioridade em todas as filas, do banco ao supermercado. Por uma questão de timidez, prefere entrar na fila e esperar. Naquele dia, ele foi com a filha mais nova à casa lotérica. Uma aposta para o futuro. Quando era a vez dela, um outro senhor maior de 60 anos entrou na fila sem dizer oi, sem pedir licença, sem dirigir aos dois um olhar sequer que significasse um pedido, um gesto micro de educação. Gil e a filha compreenderam, instantaneamente, que o senhor postado ali tinha prioridade no atendimento. Mas Gil também tinha. No entanto queria cobrar não a posição na fila ou a frente diante do caixa. Gil e a filha queriam saber por que certas pessoas confundem direito com truculência, prioridade com falta de educação.

* * *

Essas cenas me deixam tão curiosa! Há alguns anos, lembro de ter lido um texto sobre urbanidade. Era alguém falando sobre a educação no comportamento das pessoas que moram em cidades, especialmente em cidades grandes. O autor daquele texto fazia um constraste entre pessoas que moram em áreas rurais e aquelas que residem em prédios e casas da capital.

As pessoas "da roça" sofrem certo preconceito da parte dos urbaninhos de plantão. São consideradas, mesmo que de maneira não-declarada, os "jecas", menos instruídos, menos interessantes, provincianos, cafonas. Bom mesmo é nascer na cidade, morar em apartamento, andar de carro no trânsito fulminante dessas capitais tão sem glamour. Será?

No interior, testemunhei as maiores demonstrações de civilidade da minha vida. Foi lá que vi uns meninos pedindo desculpas, licença e por favor, coisa que os marmanjos de São Paulo ou de BH se esqueceram de aprender. Também me lembro de ser convidada para entrar, de recusar um café feito na hora, de ir a um banheiro limpo, de comprar pão na porta de casa. Também lá me mostraram com dedicação o caminho que me levaria ao museu, à fazenda ou à loja principal. Não havia gente jogando o carro pra cima de mim e nem buzina desesperada na hora de atravessar a esquina.

Na cidade grande, a gente acha estranho quando alguém dá passagem. Da última vez que um homem puxou uma cadeira pra eu sentar, fiquei sem ação. Pensei que fosse trote. Era gentileza, e eu havia me esquecido de que isso existia.

Minha rua também é movimentada. Liga duas avenidas grandes. Muitos carros passam por aqui. Quando alguém me deixa entrar em minha garagem sem fazer estardalhaço ou me chamar de "filha da p.", agradeço, abano as mãos em sinal de graça, fico surpresa. Penso até que tenha sido distração dos estúpidos de plantão.

Por que será que a gente acha que é melhor e fica tão imbecil? Por que será que a gente acha que os outros são piores e não nota o quanto a gente perdeu o sentido das pessoas? De que adianta ter apenas o sentido das coisas? Quem aí ainda ensina o filho a pedir, em lugar de dar ordem? Quem será que se lembra de pedir licença, mesmo a uma criança, para dar o exemplo? E as desculpas? É alguma vergonha intransponível pedir desculpas? Curioso.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 22/2/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sabemos pensar o diferente? de Guilherme Carvalhal
02. Três Homens Baixos de Rennata Airoldi


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/2/2006
09h18min
Parabéns pelo texto. Nesses tempos quase bárbaros, sonho com uma civilidade mínima. Não há quem, vivendo numa grande cidade, não se identifique com alguma das situações de grosseria que você lista. Sou de uma cidade minúscula do interior de Goiás (Buriti Alegre - me alegra o eco Rosiano em Buriti), mas moro em cidade grande há mais de duas décadas. E me pergunto, numa alusão a um verso de Antônio Cícero: "terei me tornado um mal-educado apenas para atender à demanda do mercado atual?". Abraço!
[Leia outros Comentários de Tarlei]
23/2/2006
15h42min
Educacao se aprende em casa. E em muitas capitais, as pessoas nao tem tempo de educar os filhos. Mas fora isso, tive otimas experiencias no interior tambem. A linguagem e a educacao estao em outro patamar. Em compensacao, o provincianismo e o medo do diferente, tambem... Se voce fala de algo que nao conhece, ja' se assustam. Nao, todos. Mas, em media. E se manter distante do "papo pequeno", e' bem mais dificil :)
[Leia outros Comentários de Ram]
23/2/2006
16h58min
Olá! Outro dia mesmo comentei com o Julio sobre seus textos. São ótimos e esse coroou minha admiração. A vítima mais comum que vejo por aqui é o nordestino. Nessa semana, assisti a duas aulas onde os professores de Psicologia Jurídica e de Biodireito fizeram generalizações preconceituosas. Um classificou os nordestinos como dependentes do sistema assistencial por opção, tendo até dezessete filhos como recurso para aumentar a renda familiar. Outro disse ironicamente que não sabem falar palavras como “registro”, por exemplo. O acelerado avanço científico e tecnológico é surpreendente, mas o atraso humano é lamentável. Gostaria muito de acreditar que ainda veremos neste planeta a predominância do respeito, da gentileza, da humildade, da sensibilidade, da generosidade, da paz e de palavras adjacentes em seu mais amplo sentido. Seremos fortes e perseverantes para mudar esse quadro? De fato, as imagens poderiam mostrar muito bem o que você, com palavras, traduziu com perfeição. Bj
[Leia outros Comentários de Liz]
3/3/2006
11h46min
Sua sensibilidade arrebatadora confirma saudades das páginas de "Minha Vida de Menina", no retorno simples à infãncia mineira do séc. XIX, claro, antagônico se comparado aos bem vendidos "Diarios de Princesa" e cia., de Meg Cabot. Nossa mocidade poderia acessar exemplos assim para melhor compreender as distâncias e angústias de cada diferença, para bem estabelecer um ideal de felicidade. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Marcela Ávila Valle]
18/3/2006
10h29min
É uma bobagem dizer que no interior as pessoas são mais bem educadas e civilizadas do que na capital. Moro no interior. Gente, o interior é a mesma merda! Talvez até pior. Ninguém pode soltar um maldito pum que todo mundo fica sabendo. E a politicagem, então... É só assistencialismo, currais eleitorais, nepotismo escancarado.
[Leia outros Comentários de rogerio]
19/3/2006
10h40min
Um lado perdido (e poético?) de mim até sonha com a educação, civilidade, polidez, cortesia... Mas é impossível. O Homem nasceu para o combate, a guerra, o egoísmo, o salve-se quem puder. É assim. Somente há esperança nos sonhos e na morte. É ostensívo o que acontece no mundo e o que vai acontecer sempre: a luta pela sobrevivência, e aí, sinto muito, as regras da boa educação cedem lugar ao nosso egoísmo, ao desejo de ser grande, de superar a si mesmo. Ando lendo Nietzsche e acho que ele tem razão. Aqueles que não nos matam... nos tornam mais fortes. Se tivéssemos coragem, faríamos como Rimbaud fez: virou ermitão e se encerrou numa caverna. Haveria tempo para pensar... numa solução.
[Leia outros Comentários de rogério silvério]
27/8/2006
22h55min
Acho que quando as pessoas vivem sob pressão elas são mais brutas. Embora educadas didaticamente, elas são mais brutas no sentido de humanismo. Elas esquecem que o mundo pertence aos seres humanos, e que ser bruto significa não estar adequado socialmente para pertencer ao grupo de humanos. Seja numa cidade, seja num sertão. As pessoas devem ser tratadas com dignidade, respeito, e carinho. O resto é brutalidade, e isso causa uma reação violenta na vida dos que participam. Atraímos mais pessoas com mel do que com vinagre. Isso é simples e básico na vida. Eu acho que os brutos deveriam ser enfrentados com uma lição de moral e não com as mesmas baixarias que eles criam. É mais fácil ser mal educado do que ser gentil, principalmente com alguém que nos ofenda. Porém, para que se quebre esta corrente de brutalidades, devemos não mais descontar nos outros aquilo que nós mesmos criamos para nós. Ser mal educado não está na moda. Ser gentil está na moda! "Comece com a pessoa no espelho".
[Leia outros Comentários de Milton Laene Araujo]
18/9/2006
10h59min
Cara Ana Elisa, que bom encontrar alguém que pensa como eu nesse mar de gente que é SP! Não é só o senso de ridículo que nós perdemos (refiro-me ao coletivo de pessoas)... ao nos comportarmos de maneira grosseira, perdemos a noção de civilidade neste Brasil. O outro se julga melhor do que você simplesmente porque dirige um carro novo e/ou possante, ou porque se dispõe a pagar uma fortuna numa blusinha no shopping mais caro da cidade. Nós perdemos a noção do coletivo... de que vivemos em uma cidade e dividimos o espaço com outras pessoas, que também têm direito a ele! Brasileiros em geral não sabem (con)viver em grupo e os que sabem são a exceção... Pobre país este nosso e pobre cidade rica essa São Paulo...!
[Leia outros Comentários de Luciana Rocha]
8/2/2008
00h45min
Com sou oriundo da roça, entendi tudo o que ela falou. E eu que estou há 40 anos na "cidade maravilhosa", o que devo dizer? Parabéns, minha menina. Continue sempre escrevendo bem assim. Paulo, do Rio de Janeiro, capital.
[Leia outros Comentários de Paulo Ferreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Defesa do Alcazar De Toledo - Historia
Angel Palomino
Biblioteca do exercito
(2006)



As Damas do Vento
Bernard Giraudeau
Record
(2008)



A Beleza da Ação Indireta
John Kay
Best Seller
(2011)



Diários de Jack Kerouac
Kerouac, Jack
L& Pm
(2006)



O Mundo em que Eu Vivo
Zíbia M. Gasparetto
Os Caminheiros



Handbook de Relações Interorganizacionais da Oxford
Steve Cropper, Mark Ebers, Chris Huxham
Bookman
(2014)



Positivo:idéias Que Mudaram o Mundo - Geografia Ens. Médio 2ª Série
Vários
Positivo
(2007)



Os Amantes de Minha M?e
Christopher Hope
Record
(2009)



Superdicas para um Trabalho de Conclusão de Curso
Rachel Polito
Saraiva
(2010)



Memórias de um Sargento de Milícias
Manuel Antonio de Almeida
Abril





busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês