A Má Semente | Rafael Azevedo | Digestivo Cultural

busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> OBA HORTIFRUTI INAUGURA 25ª LOJA EM SÃO PAULO
>>> Bienal On-line promove studio visit com artista argentina Inés Raiteri
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
Últimos Posts
>>> Fiel escudeiro
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Imperial March por Darth Vader
>>> Habemus Blog
>>> 3 de Fevereiro #digestivo10anos
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR II
>>> Um Furto
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Raduan Nassar
>>> Cacá Diegues e os jornalistas
>>> A Casa é de Daniela Escobar
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
Mais Recentes
>>> História da II Guerra Mundial (1939-1945) de Edgar Mc Innis pela Globo (1956)
>>> Serie Literária I Conto Frederico Paciência de Mário de Andrade pela Companhia editoria nacional (1978)
>>> Viagem ao Rio Grande do Sul de Auguste de Saint-Hilaire pela Ariel (1935)
>>> Español sin fronteras: curso de lengua española, volume 1 de Maria de Los Ángeles J. García, Josephine Sánchez Hernández pela Scipione (2002)
>>> Do Parapeito Vital de Vania Clares pela Autor (1996)
>>> Ensaios Céticos - Prêmios Nobel de Literatura de Bertrand Russell pela Opera (1970)
>>> Enciclopédia do Homem - No tempo dos primeiros automóveis (1900) de Pierre Miquel pela Lutécia (1977)
>>> Teatro - Coleção dos Prêmios Nobel de Literatura de William Butler Yeats pela Delta (1963)
>>> A História da Filosofia de James Garvey, Jeremy Stangroom pela Octavio (2013)
>>> La Argentina y Europa (1950 - 1970) de Vários autores pela Universidad Nacional del Sur (1999)
>>> A Luz Que Se Apagou de Rudyard Kipling pela Delta (1962)
>>> La Batalla en el frente social de Israel en los años 1970 de Vários autores pela Oficina para investigaciones economicas y sociales (1970)
>>> Prêmio Nobel de Literatura - Adeus ás Armas de Ernest Hemingway pela Delta (1969)
>>> Quenco, o Pato de Ana Maria Machado e Alcy pela Ática (2016)
>>> O Sapo que Virou Príncipe: Continuação de Jon Scieszka ( pela Companhia das Letrinhas (2010)
>>> Português : linguagens, 6ª. Série : língua portuguesa de William Roberto Cereja, Thereza Cochar Magalhães pela Atual (2006)
>>> Em busca do eu interior. Histórias e parábolas para aquecer seu coração de Osho pela Cultrix (2019)
>>> Quero um Gato de Tony Ross pela Martins Fontes (1998)
>>> Gente da França de Alcantara Silveira pela Grd (1991)
>>> Amanhã É Outro Dia de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1978)
>>> O Máscara de Ferro de Alexandre Dumas / Francisco Messejana (Adaptação ) pela Abril Cultural (1973)
>>> A Cura Através da Terapia de Vidas Passadas de Brian L. Weiss pela Sextante (2001)
>>> Obazine de Pierre Bergounioux pela Le Lieu de l (2021)
>>> A Estratégia do Olho de Tigre de Renato Grinberg pela Gente (2011)
>>> A Casa Sonolenta - 16ª Edição - 29ª reimpressão de Audrey Wood e Don Wood pela Ática (2012)
COLUNAS

Segunda-feira, 19/2/2001
A Má Semente
Rafael Azevedo

+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Constato, logo sou
Viver já é absurdo o suficiente; nada que possa acontecer, então, me choca ou espanta - estou preparado e aberto a tudo. Nada pode surpreender quem já analisou sua condição de ser vivo, animal, humano e mortal.

A Má Semente
Não sei o que deu em mim; mas ando me interessando, sabe-se lá por quê, pela história dessa pátria tão pouco amada chamada Bananão (Banana Mecânica, vi estampado na manchete dum jornal argentino depois da vitória sobre a Holanda na Copa de 98). Li tudo que encontrei, desde Alcântara Machado até Eduardo Bueno, passando por sites na internet e coleções daquelas de fascículos comprados em bancas de jornal. Li mesmo a carta do Caminha, relato até que divertido, ainda que inocentemente propagandista, dum momento que seguramente pertenceu àqueles únicos na história do homem - por mais piegas que isso soe - o encontro de duas civilizações estranhas entre si. Episódio que, aliás, oferece um enorme potencial para cinema ou mesmo literatura e que creio nunca ter sido realizado competentemente. As pessoas que fizeram esse primitivo início da América foram figuras interessantíssimas, ainda que repulsivas; é verdade, muito mais por terem tomado parte no fato em si que por seus próprios méritos, mas ainda assim seus papéis na história foram únicos. E nos relatos primordiais dos portugueses, encontram-se diversos fatos dignos de alguma menção pois, quando colocados lado a lado com nossa realidade cotidiana, revelam-se extremamente divertidos (deixo outros adjetivos para o leitor que quiser interpretá-los).

Os primeiros habitantes não-índios do Brasil foram exatamente quatro portugueses que ficaram depois que o senhor Pedro Álvares de Gouveia Cabral, capitão-mor da expedição, zarpou daqui rumo às Índias. Dois deles eram degredados que haviam sido mandados embora pelo rei; recusados pelos índios, ficaram na praia aos prantos assistindo os navios se afastarem. Os outros dois eram dois navegadores que fugiram durante a noite - saíram em busca das índias, era o que se comentava.

Logo após o achamento(?), o recém-batizado Brasil teve um dono. O fidalgo Fernão de Noronha, arrendou-o d'El-Rey por 3 anos em 1502, à frente dum consórcio de cristãos-novos. Suas obrigações com o território: explorar o pau-brasil, defender a terra dos espanhóis e franceses, estabelecer uma feitoria e explorar a costa, revertendo um quinto de seu lucro à Sua Majestade. Armador asturiano dono duma rede de comércio com sede em Londres, Fernão ou Fernando atuava como agente dos judeus alemães Fugger, monopolistas de cobre, e liderou a expedição que, em 1503, descobriu a ilha que leva hoje seu nome.

Brasileiros, a propósito, nestes primeiros anos de nossa história, era o nome dado pelos portugueses aos traficantes de pau-brasil.

Até nossos amigos portugas, gloriosos, porém pouco privilegiados, segundo consta, no que se poderia chamar de rapidez de espírito, anteviam o que se sucederia aqui na Terra Brasilis; logo de cara a nobreza lusa esnobou a terra, muito quente e pouco rentável, liberando-a para quem se habilitasse, ou seja, burgueses, escravos e burocratas ansiosos por um lucro rápido (e a qualquer preço) cuja mentalidade permanece nos "coronéis" do nordeste, ou degredados, párias, e criminosos de toda espécie, que vieram se instalar ao sul do país para caçar índios e acabaram glorificados como "bandeirantes", os famosos "paulistas" (que até meados de 1800 andavam descalços e falavam tupi). Tomé de Souza, primeiro governador-geral do Brasil e primeiro a tentar botar alguma ordem no bacanal sem lei de selvagens e criminosos que era o local até então, foi embora depois de dez anos dum governo até razoavelmente bem-sucedido, onde ele fundou a cidade de Salvador, capital na época, e implantou alguma ordem. Ele achava, no entanto, que fundar uma nação com degredados era "jogar na terra a má semente."

Erlkönig
Coisa fantástica é o "Erlkönig", Lied de Schubert, com letra baseada num poema de Goethe. Quando, a um certo ponto, um acorde explode em nossos ouvidos, após o crescendo em que o filho choroso conta ao pai que o rei dos elfos (Erlen), ou seja, a morte, lhe machucara - este acorde traz consigo toda a inevitabilidade do fim, a aterrorizante e palpável sensação de que algo muito grave e irreversível aconteceu, ou está para acontecer. É emoção em estado puro, o mais alto grau da música. Apesar de percebermos, na letra de Goethe e na música de Schubert o sofrimento e a angústia cada vez maior do menino ante o mal que o pai não vê e do qual não lhe pode portanto salvar, expressa pela voz desesperada do tenor, que se divide em malabarismos vocais na voz dos três personagens (pai, filho, e o Erlkönig que chama docemente o garoto para vir brincar com suas filhas) - apesar de percebermos tudo isso no desespero do filho, somente tomamos consciência, junto com o pai, do que está acontecendo, do que acabamos de ouvir, com aquele baque estrondoso em que a orquestra que Schubert colocou num piano explode. "Erlkönig hat mir ein Leids getan..."


Rafael Azevedo
São Paulo, 19/2/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Alameda de água e lava de Elisa Andrade Buzzo
02. O pai tá on: um ano de paternidade de Luís Fernando Amâncio
03. Seis meses em 1945 de Celso A. Uequed Pitol
04. E Foram Felizes Para Sempre de Marilia Mota Silva
05. E não sobrou nenhum (o caso dos dez negrinhos) de Gian Danton


Mais Rafael Azevedo
Mais Acessadas de Rafael Azevedo em 2001
01. A TV é uma droga - 23/11/2001
02. Os males da TV - 6/7/2001
03. A primeira batalha do resto da guerra - 30/11/2001
04. Só existe um Deus, e Bach é seu único profeta - 2/11/2001
05. La Guerra del Fin del Mundo - 16/11/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/8/2004
15h52min
Correção: os Fugger nunca foram judeus, mas sim católicos. Minha bisavó foi uma Fugger e eu cresci num castelo dos Fugger na Alemanha. Atenciosamente, Isabel Gardemann
[Leia outros Comentários de Isabel Gardemann]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Calligraphy (guide Diagrama Brockhampton)
The Diagram Group (capa Dura)
Brockhampton Press (londres)
(1997)



Manual de Quimioterapia Antineoplástica
Selma Montosa da Fonseca e Outros
Reichmann e Autores Editores
(2000)



Franz Schubert the Ariel of Music
Robert Haven Schauffler (capa Dura)
Franklin Classics
(1949)



The Mechanism of Conscious Life
Carlos Bernardo Gonzalez (raumsol) Pecotche
Logosofica
(1997)



The Joy of Sex - a Gourmet Guide to Love Makink
Alex Comfort
A Fireside Book
(1972)



Código Comercial Brasileiro e Legislação Complementar
Wille Duarte Costa
Forense
(1988)



Portugal Inesquecível
Guias Visão
Guias Visão



Ao Entardecer de uma Existência
Alceu Costa Filho
Petit
(2002)



Veronika Decide Morrer
Paulo Coelho
Objetiva
(1998)



Inocente
Fernando Niembro y Julio Llinás
Grijalbo Mondadori (buenos Air
(1995)





busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês