A voz de uma geração perdida e abandonada | Tatiana Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
34463 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial 20 anos do Dois

Segunda-feira, 7/8/2006
A voz de uma geração perdida e abandonada
Tatiana Cavalcanti

+ de 4100 Acessos

Não sou fã da Legião Urbana, sinto muito. Sou quase uma exceção, eu sei. Não faço parte da Geração Coca-Cola. Por ser leiga no assunto e estar interessada em conhecer melhor o álbum, liguei para minha amiga, fanática pela banda, para pedir sua ajuda neste artigo. "Sharon, você tem um álbum da Legião Urbana, um tal de Dois?". A resposta dela foi imediata: "Um tal de Dois? Mas este é simplesmente o melhor álbum da Legião Urbana!". Bom, isso eu não sabia, queria a ajuda dela para conhecer melhor o segundo álbum da banda de Renato Russo, que comemora 20 anos desde seu lançamento.

A Legião Urbana tem um significado muito especial para a maioria dos adolescentes dos anos 1980. Era a voz de uma geração que nasceu em plena ditadura ferrenha, e que obtinha recentemente a tal liberdade de expressão. Pais que lutaram pela liberdade política eram, em grande parte, conservadores em casa, segundo Sharon Sevilha, minha amiga. "Minha mãe é jornalista, tinha participação ativa na política do país, mas era rígida comigo e com minha irmã dentro de casa. O Renato Russo soube traduzir esse sentimento através da música, e o Dois é um LP (porque foi lançado em long play) cheio de mensagens que tocavam a todos nós, jovens da época".

A primeira vez que o vocalista se referiu a homossexualidade não foi em Dois, entretanto uma música deste álbum deixava bem clara a sua opção sexual. "Daniel na Cova dos Leões" tem trechos provocativos e explícitos: "Aquele gosto amargo do teu corpo ficou na minha boca por mais tempo, de amargo então salgado ficou doce..." e "teu corpo é meu espelho e em ti navego". Renato Russo até ai não havia assumido ser homossexual, simplesmente por não terem lhe perguntado. É uma música revolucionária e livre de preconceitos, numa época pós-ditadura e democracia recém conquistada.

"Tempo Perdido" era, segundo Sharon, o hino da geração dos anos 1980. A música descrevia o que o adolescente sentia naqueles tempos. Ouvindo o CD, eu achei a música meio parada, entretanto é inteligente e realista. Sempre pensamos que temos todo o tempo do mundo, mas não temos. Só que o vocalista e compositor mostrava que isso não era uma verdade absoluta, que devemos saber aproveitar a vida intensamente, por mais curta que ela seja. Que seja eterna enquanto dure. No caso dele, caiu como uma luva.

Renato morreria exatos 10 anos após o lançamento de Dois, em outubro de 1996, segundo alguns fãs, de depressão. Ele teria desistido de viver. A versão oficial anunciou que ele faleceu de AIDS, e reza a lenda que ele foi contaminado por Robert Scott, norte-americano que ele conheceu num pub em Nova Iorque, e que tinha o tipo físico daquele rapaz da propaganda de uma marca de cigarros, em que ele se vestia de cowboy.

Sharon relatou o que ela considera a melhor experiência de sua vida. Em turnê por São Paulo, a Legião Urbana se hospedou em um hotel, e lá estava ela na porta, chorando compulsivamente e perguntando por Renato Russo. Obviamente disseram que ela não poderia invadir sua privacidade. Inconformada, ela chamou a irmã, minha grande amiga Bárbara, que fingiu ser uma jornalista. Ela pediu para falar com Renato Manfredini Júnior, que atendeu ao telefone e mandou as duas subirem por cinco minutos apenas, para lhes dar um autógrafo. Ele mostrou os livros que estava lendo e também a foto de um belo homem que ele disse ser seu grande amor. O nome dele, Robert Scott.

Enquanto isso, minha amiga e eu prosseguíamos tomando uma coca-cola, conversando e ouvindo aquele álbum que era interessante, mas não mexia comigo, não no sentido musical. Até que uma música chamou a atenção, um blues que eu conhecia na voz de Cássia Eller. Música Urbana, que na verdade pertence ao Aborto Elétrico, banda de Renato Russo anterior à Legião Urbana, retrata a vida nas grandes metrópoles do país, mas para mim fala dos problemas da cidade que mais amo neste planeta, São Paulo. Ali eu senti que ele conversava comigo.

Sharon prosseguiu dizendo que Renato Russo sabia as respostas antes que se fizessem as perguntas. "Ele cantava pra cada um de nós, dizia o que a gente precisava ouvir, e sempre tinha a resposta. Ele indicava o caminho a seguir e era o único que me entendia do princípio ao fim, como em "'Índios'".

No dia da gravação do álbum Dois, perceberam que faltava um espaço no disco, na época não existiam os CDs. Renato Russo abaixou a cabeça e em alguns minutos escreveu "'Índios'", que veio a se tornar um dos maiores clássicos da banda. Tudo para cobrir o buraco no disco. Nos shows ele não gostava quando a platéia pulava nesta música, porque ele a considerava de uma letra inteligente, era uma conversa que ele queria ter, mas ninguém estaria prestando atenção, pois estavam ocupados pulando.

Não falarei de todas as faixas do disco porque não caberia neste artigo, só citarei mais duas. "Quase Sem Querer" transmite esperança de um dia melhor. "Tenho andado distraído, impaciente e indeciso, e ainda estou confuso, só que agora é diferente: Estou tão tranqüilo e tão contente". É o retrato sempre atual das nossas vidas. Outra música interessante é "Eduardo e Mônica", que narra a relação de um casal, que na verdade é a reunião de várias histórias de amigos do vocalista.

Honestamente, não me tornei fã da banda Legião Urbana. Apesar de o álbum Dois merecer todo o respeito pela qualidade musical e pela mensagem nas letras, é deprimente e chega a ser mais pop do que rock. A banda não fez parte da minha adolescência, apesar de todos os meus amigos da mesma faixa etária a idolatrarem, entretanto me tornei admiradora do vocalista, de Renato Russo, por ser uma pessoa inteligente, sensível, politizada e, essencialmente, bom de coração. Ele sabia traduzir as agonias e indecisões de milhares de jovens, conseguia tocar seus corações somente com o poder da música, uma pena que não viveu mais tempo. Talvez estivesse aqui trazendo esperança num mundo tão cheio de hipocrisia e desvalorização humana.

"O Renato representa o melhor e pior na minha vida: o melhor porque tive a oportunidade de conhecer um cara extraordinário, não só pessoalmente, mas especialmente sua alma; e foi o pior porque ele me abandonou muito cedo. Foi uma das maiores dores na minha vida. Até hoje penso nisso. Eu perdi um de meus entes mais queridos e mais próximos. O Dois é a história da minha vida", finaliza Sharon com pesar e tristeza.


Tatiana Cavalcanti
São Paulo, 7/8/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição de Ana Elisa Ribeiro
02. De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho de Renato Alessandro dos Santos
03. Era uma casa nada engraçada de Cassionei Niches Petry
04. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
05. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos


Mais Tatiana Cavalcanti
Mais Especial 20 anos do Dois
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REVISTA DE EDUCAÇÃO- Nº24 - NOVA
AUTOR COGEIME
COGEIME
(2004)
R$ 12,04



VOANDO NAS ALTURAS - 10 PRINCÍPIOS PARA UMA VIDA BEM SUCEDIDA
HERNANDES DIAS LOPES
HAGNOS
(2015)
R$ 23,00



CAÇA AO TESOURO
SARA SHEPARD
ROCCO
(2015)
R$ 24,00



OS GNORKS: A HISTÓRIA DE OMUR
ELEANOR BEATY
FLUX
(1990)
R$ 15,00



HERANÇA
LAN SAMANTHA CHANG
OBJETIVA
(2005)
R$ 13,00



ELEMENTOS DE MECÂNICA DOS FLUIDOS
LUCAS NOGUEIRA GARCEZ
EDGARD BLUCHER
R$ 15,00



VIVER E APRENDER MATEMÁTICA 4
IRACEMA MORI
SARAIVA
(1999)
R$ 6,00



FILOSOFIA
GILBERTO COTRIM
SARAIVA
(2010)
R$ 10,00



LENDAS DO CÉU E DA TERRA ...
MALBA TAHAN
CONQUISTA
(1960)
R$ 7,00



SEMPRE É TEMPO
WANDA A. CANUTTI
EME
(2007)
R$ 25,00
+ frete grátis





busca | avançada
34463 visitas/dia
1,3 milhão/mês