Fui demitida, e agora? | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
Mais Recentes
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
>>> O Espião que saiu do Frio de John Le Carré pela Abril cultural (1980)
>>> A Primeira Reportagem de Sylvio Pereira pela Ática (1988)
>>> Distúrbios Psicossomáticos da Criança de Haim Grunspun pela Atheneu
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
COLUNAS

Quinta-feira, 31/8/2006
Fui demitida, e agora?
Adriana Baggio

+ de 8100 Acessos
+ 9 Comentário(s)

Esses dias, uma notícia causou bafafá na internet. Um dos integrantes do hilário O Aprendiz 3, contrariando a lógica do programa, acabou se demitindo. Provavelmente, ficou de saco cheio do pastiche de CEO que Roberto Justus faz na televisão. Ao invés de esperar o veredicto com cara de boi prestes a ser abatido, decidiu ser dono do próprio destino e deu o bilhete azul para o publicitário topetudo.

Os telespectadores sentiram-se vingados. Quantas pessoas não gostariam de ter a coragem e/ou a possibilidade de mandar o chefe catar coquinho na ladeira? Eu adoraria! Mas não cheguei a ter esta oportunidade: fui demitida antes.

Ficar sem emprego é ruim, claro. Principalmente para quem não trabalha por esporte, como é o caso da maioria de nós. E esse ruim vai desde o principal - a falta de grana - até aspectos de identidade e socialização. Pois bem, se você trabalha em um lugar legal, uma empresa respeitada no seu segmento, cuja marca você tem orgulho de apresentar no cartão de visita e que vence o bloqueio das mais rígidas secretárias e recepcionistas, vai ser difícil ficar sem essa identidade corporativa.

Depois de perder o emprego, experimente ligar para outra empresa e tentar falar com alguém mais graúdo. A pessoa que atender a ligação vai perguntar seu nome. Você vai dizer. E aí vem a segunda pergunta, fatídica: "Fulano de onde?". Você vai gaguejar antes de explicar que "é particular" ou que a pessoa está esperando a sua ligação. Mas a telefonista (elas sempre são cruéis nesses momentos) vai perceber que faltou algo: seu sobrenome corporativo, o que lhe dá uma identidade profissional. Se você for uma pessoa espirituosa e de pensamento rápido, talvez diga algo como "sou da minha casa" ou "sou da Escola de Balé", etc. Na maioria dos casos, porém, é aquele constrangimento.

Já fui demitida umas duas ou três vezes. As anteriores foram mais dolorosas. Surpreendentemente, esta última foi um alívio. Claro, tirando aquele desespero básico que a perspectiva de falta de salário causa na gente, o resto foi tranqüilo. Ficava me imaginando desempregada, para ver se caía a ficha, mas nada. No dia seguinte, lá estava eu: serena, de bem com a vida, acordando mais cedo que o de costume para ir à yoga. E olhe que eu odeio acordar cedo.

A yoga ajuda, mas ainda não desenvolvi o desapego a ponto de me conformar desse jeito com as injustiças da vida. O que me deixou bem foram algumas circunstâncias, que eu gostaria de dividir com vocês, porque talvez ajude quem está na mesma situação.

1) A empresa da qual saí não era a mesma em que eu entrei. Não que a razão social tenha mudado. O que mudou foram as pessoas, foi o estilo de trabalho, o peso que a minha área tinha no conjunto. Nós não tínhamos mais as mesmas afinidades profissionais e nem de valores. Quando isso acontece, não espere: é melhor começar a buscar outras oportunidades.

2) Toda a equipe da qual eu fazia parte foi demitida junta. Nós, seres humanos, somos gregários. Sentimo-nos bem em grupo, mesmo que seja um de desempregados. No dia seguinte, fomos todos tomar café no meio da tarde, comentar sobre a cena da demissão e especular como a empresa iria sobreviver sem a gente. Se já éramos amigos antes, nos tornamos mais ainda, unidos pela injustiça e pelo infortúnio.

3) Tenho uma boa relação de amigos e muitas vezes já indiquei pessoas para vagas de emprego. Essa network, como se diz no jargão corporativo, é preciosíssima quando quem leva o pé no derrière é você. Mandei um e-mail explicando a situação, atualizando meus contatos e pedindo indicações. Aliás, indicação na minha profissão é fundamental. Poucas vezes se contrata através de anúncio em jornal ou agências de RH.

4) Circular pelos eventos da sua área de atuação, sejam eles sociais ou profissionais, também ajuda as pessoas a lembrarem de você. Dar palestras, manter um vínculo com a universidade e participar de associações de classe é recomendável. Neste ano, acabei realizando várias dessas atividades, o que é excelente para a visibilidade no mercado.

Estas atitudes foram responsáveis, em grande parte, por eu estar sendo chamada para vários trabalhos free lancers e para assumir a disciplina de Marketing de Varejo em uma faculdade. Portanto, trabalho é o que não falta. Emprego mesmo, com um salário legal e vale refeição no final do mês, ainda não apareceu. A graninha dos freelas permite que eu me dê ao luxo de não aceitar qualquer coisa, pelo menos por enquanto. E assim, posso "me demitir" de propostas absurdas que eu nem imagino como algumas empresas têm coragem de fazer para a gente...

Para ir além
Adriana Baggio [criação e redação publicitária]


Adriana Baggio
Curitiba, 31/8/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Do canto ao silêncio das sereias de Cassionei Niches Petry
02. Não quero ser Capitu de Cassionei Niches Petry
03. A biografia possível de Marta Barcellos
04. iPad pra todo mundo de Ana Elisa Ribeiro
05. O show do Pearl Jam e a Pedreira de Adriana Baggio


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2006
01. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
02. Eles vão invadir seu Orkut! - 9/2/2006
03. Cruzeiro marítimo: um espetáculo meio mambembe - 23/2/2006
04. O amor e as mulheres pelas letras de Carpinejar - 20/7/2006
05. Breve reflexão cultural sobre gaúchos e lagostas - 12/1/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/8/2006
23h44min
Adriana, me identifiquei bastante com esse seu texto. Sobretudo porque fui eu quem decidiu quando sair do meu primeiro e único emprego. Se já não é fácil ver gente menos capacitada do que você conseguir promoções só porque é o puxa-saco do chefinho, imagine ter o tapete puxado, justamente por seu superior? A pessoa fica sem tesão algum pelo trabalho, e foi o que aconteceu comigo. O problema é que o mar não está pra peixe, e não consegui outro emprego ainda. Mas enfim, tenho a sorte de poder contar com meus pais. Mas a situação de desempregado incomoda. Fico imaginando pais de família, sem emprego, como devem se sentir. O sentimento de impotência deve ser extremo e muito ruim. Terrível essa situação do Brasil, onde sobra - demais da conta - mão-de-obra, e falta - e muito - emprego.
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
31/8/2006
09h17min
É isso: quando a corda vai ao ponto do esgarçar-se, o melhor é subir no banquinho e olhar por cima do horizonte da mediocridade, além das cabeças da patuléia. Um abraço!
[Leia outros Comentários de Boris Cunha]
31/8/2006
14h35min
Adriana, já passei por situação semelhante e, pode ter certeza, lá na frente, a gente vai descobrir que algo mais precioso estava reservado para a nossa vida. Confie no seu talento e boa sorte!!!
[Leia outros Comentários de Rose Peixer]
31/8/2006
16h08min
Há onze anos, em 1995, eu tive meu último emprego. É isso que diz a minha carteira de trabalho. Abri uma empresa - da qual saí há um ano e meio - e parti para vôo solo. Não me arrependo. Tem altos e baixos, às vezes a grana é curta - mas tem uma liberdade maravilhosa de não ter dono, nem horário, de poder escrever, ler, viajar, ir ao cinema, namorar... viver! Viver na hora que eu quiser e não na hora que me disserem que eu posso. Acho que você vai gostar da sua nova fase.
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
31/8/2006
23h09min
Daniela, trabalho como vc, sem horário, sem vínculo, emendando feriados, abrindo a porta da minha casa numa tarde de terça e, graças a Deus, me sustentando legal. Mas... não gosto do meu trabalho (gosto das pessoas e do ambiente, não do ofício). É aí que pega!
[Leia outros Comentários de juliana]
1/9/2006
08h10min
Com o potencial e a enorme capacidade que você tem, Adriana, realmente não tem por que temer. Espero que esta demissão seja uma oportunidade de crescimento profissional, porque, muitas vezes quando estamos empregados vamos nos acomodando com o trabalho e o com o empregador, mesmo quando estes não nos satisfazem mais. Boa sorte!
[Leia outros Comentários de Ana Cirne]
8/9/2006
22h29min
Adriana, seu texto está SOBERBO e quem já esteve desempregado sabe se reconhecer nestas linhas. Desejo que você arrume um emprego que te faça feliz, ok? Um abraço.
[Leia outros Comentários de Denise Bellesia]
9/9/2006
22h28min
Já repararam no prazer quase sexual das empresas quando demitem alguém? Eu já. Só se equipara ao nosso prazer quase sexual quando podemos pedir demissão de um emprego que já chegou ao fim da linha. O problema é que nem sempre podemos ($$) e aí passamos, infelizmente, essa mensagem para o empregador que a capta na hora e fica com a faca e o queijo na mão para gozar fazendo aquilo que nós adoraríamos poder fazer mas por uma circunstância da vida não pudemos.
[Leia outros Comentários de Joel Macedo]
17/11/2006
14h33min
Como tanta gente me deu apoio em forma de comentários, gostaria de compartilhar com vocês que estou "recolocada" novamente. O período como free lancer foi bem legal, eu aprendi bastante e conheci muitas pessoas. Apesar das preocupações, foi um tempo de boas experiências. Brigada!
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O INTÉRPRETE EM GLENN GOULD
ROBERTA FARACO SANTOLIN
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



O HOMEM NA HORA H
LEDA FLORA
LPM
(1995)
R$ 10,00



PERELANDRA
C. S. LEWIS
WMF MARTINS FONTES
(2011)
R$ 25,00



HUMOR CERRADO - 9323
TERESINHA PANTOJA
A3 GRÁFICA
(2006)
R$ 15,00



O DRAGAO DOURADO
ELIZABETH LOWELL
NOVA CULTURAL
R$ 6,00



NOIVA IRRESISTIVEL
CHRISTINA LAUREN
UNIVERSO DOS LIVROS
(2014)
R$ 9,90



ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING
PHILIP KOTLER
ATLAS
(1998)
R$ 10,00



LE URSS EN GUERRE (1939-1946) TOME 3
JEAN ELLEINSTEIN
SOCIALES (PARIS)
(1974)
R$ 31,28



A TRILHA DA CAVERNA ESQUECIDA
ENIO CHIESA
DO BRASIL
R$ 4,00



AGÊNCIA DE NOTÍCIAS 2ª EDIÇÃO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
GRUPO ESPÍRITA EMMANUEL
(2007)
R$ 22,82





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês