Meu cânone furado | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Curitiba On-line: atividades culturais disponíveis para fazer em casa
>>> Luis Stuhlberger, um dos maiores gestores de fundos do país, participa do próximo Dilemas Éticos
>>> Cia. Palhadiaço faz temporada online de Depósito acompanhada por oficinas grátis
>>> GRUPO MORPHEUS TEATRO leva obra audiovisual “BERENICES” para teatros públicos do munícipio de São Pa
>>> II Bibliofest debate Agenda 2030 da ONU/IFLA em bate-papos literários e oficinas culturais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Caindo de paraquedas na escrita
>>> Inteligência artificial
>>> Rimbaud, biografia do poeta maldito
>>> 7 de Setembro
>>> Deixa se manifestar
>>> Auctoritas
>>> A arte do cinema imita o caos. Ou vice-versa
>>> Toca Raul!
>>> Seu Mauro
>>> Mamãe
Mais Recentes
>>> 9788522443987 de Michael Porter ( pela Campus (1999)
>>> Renunciando por Amor de Izoldino Rezende pela Cristo Consolador (2012)
>>> Linguagem de Sinais de Vários Autores pela Soc. Torre de Vigilia (1992)
>>> O Golpe de 64 e a Ditadura Militar (colecao Polemica) 5ª de Júlio José Chiavenato pela Moderna (1994)
>>> Guia Ilustrado de Peixes da Bacia do Rio Grande de Org Monica Maria Vaz pela Cetec (2000)
>>> Almas Que Voltam de Fernando do ó pela Feb (1988)
>>> Inculta e Bela V. 2 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2001)
>>> Licitações e Contratos Lei Nº 8666/93 de Varios pela Forum
>>> Livro House Of Night -Coleção Completa V.2 (7 ao 12) Ver Desc. Literatura de P.C. Cast e Kristin Cast pela Novo Seculo (2010)
>>> Luz na Penumbra de Aureliano Alves Neto e Outros pela Do Lar (1986)
>>> Quando Setembro Chegar de Fatima Arnolde pela Lumen (2013)
>>> Educação Pre-escolar de Gilda Rizzo pela Francisco Alves (1988)
>>> Dinamica de Grupo: Jogo da Vida e Didatica do Futuro de Balduino a Andreola pela Vozes (1985)
>>> Pronto Socorro de Plantas-bolso de Yone Fukusima pela Nobel (1989)
>>> O Avesso de Saulo Marden pela Do Autor (2005)
>>> Revista 58-ano I Numero 01-da União Brasileira de Escritores de Vários pela Cepe (1991)
>>> Lei de Licitações e Contratos Administrativos de Renato Geraldo Mendes pela Zenite (2006)
>>> Por Que Não o Melhor? de Jimmy Carter pela José Olympio (1976)
>>> O Branco da Maçã e Outros Lapsos de Luiz Ayrton Santos Junior pela Avant Garde (2015)
>>> Mulheres Em Terapia de Harriet Lerner pela Artes Médicas (1990)
>>> Be-a-bá da Cozinha- o Livro Que Ensina a Cozinhar de Vovó Sinhá pela Nagycolor
>>> Pregão Presencial e Eletronico de Joel de Menezes Niebuhr pela Zenite (2005)
>>> Recordações do Escrivão Isaias Caminha de Lima Barreto pela Folha (1997)
>>> Pensamentos e Emoçoes-bolso de Ana Maria Braga pela Nova Cultural (1998)
>>> Reliquias da Casa Velha de Machado de Assis pela Globo
COLUNAS >>> Especial O que ler

Segunda-feira, 25/6/2007
Meu cânone furado
Verônica Mambrini

+ de 4000 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Um dia, conversando com um amigo meu, ouvi a idéia reveladora: "Ninguém gosta de ler, as pessoas gostam do que lêem". Não concordei, lembrando de que, desde que fui alfabetizada, lia com prazer o que me caísse na mão: romances (bons, ruins e péssimos), revistas (por mais velhas que fossem, e sobre qualquer tema), placas na rua, bula de remédio, manual de instruções, o que aparecesse no meu campo de visão. Desconfio até que ler tenha sido uma terapia involuntária, de tanto que me aliviava nos momentos ruins e me fazia sentir bem nas horas alegres. Ao que meu amigo rebateu: "Mas você não fica lendo aglomerados de palavras jogadas ao acaso, certo? Ou letras combinadas sem sentido. Você gosta de ler palavras formando frases e frases formando textos. No fundo, o que você - e todo mundo - gosta são dos conteúdos, não da leitura". Eu não queria acreditar, porque achava que gostava de ler e ponto final. Mas não é que ele tem razão? Meu amigo, Cadu Elmadjian, é um sábio.

Ler demanda esforço. Toda língua escrita é uma codificação, um sistema de signos. Algumas línguas têm escritas um pouco mais complicadas, como os ideogramas orientais, presentes no mandarim ou no japonês. Imagine o que é aprender a ler em um sistema em que cada idéia tem um signo correspondente! Pode levar toda a vida aprender a ler e escrever. Com todo esse esforço mental que a leitura demanda, reconheço que algumas pessoas serão mais hábeis e rápidas que outras no processo de decodificação. E que quanto menos energia for gasta nele, mais sobra para se gozar do conteúdo. É por isso que se fala da importância do hábito da leitura. Mas duvido que se forme um leitor treinando apenas a habilidade de compreensão da leitura. Isso é apenas uma parte do processo de aprender a ter prazer e dependência dela. Para isso, há que se oferecer o melhor a esse leitor em formação.

Mas o que é o melhor, quando se trata de livros? Há muitas listas "obrigatórias", os chamados cânones. Duvido deles, pelo menos na função de fazer gostar de ler. De que adianta levar os clássicos a leitores que estão a quilômetros de distância da possibilidade de compreensão e entretenimento que eles podem oferecer? Mas listas temáticas podem ser divertidas. Não me atrevo a fazer lista nenhuma, mas convido meu leitor a passear no meio das prateleiras onde estão meus livros mais queridos. Para mim, não há pista melhor de como os livros podem fazer alguém amar a literatura. Vamos lá?

Quando eu era criança - Comecei antes de aprender a ler: minha mãe lia para mim de noite. Olhem só que chique: um dos livrinhos era a Odisséia para crianças, ilustrada, e desde cedo aprendi a conviver com ciclopes gigantescos e mulheres que transformavam homens em porcos, imaginário de que os desenhos de hoje em dia não chegam aos pés. Outro livro muito querido é Longe é um lugar que não existe, de Richard Bach (o mesmo autor de Fernão Capelo Gaivota, vejam só). Esse título é uma frase tão poética que nunca mais desgrudou da minha cabeça, e até hoje acho bonito demais. Depois vieram a Série Vaga-Lume, que li com assiduidade e avidez, e a coleção de Monteiro Lobato. Na primeira, há pérolas, livros para todos os tipos de mini-leitores possíveis. Para citar os mais antigos, O caso da borboleta Atíria e Éramos Seis, que não podiam ser mais diferentes entre si, mas que são ambos livros maravilhosos para descobrir o mundo da leitura. A série existe até hoje, com uma vitalidade impressionante. Um dos últimos lançamentos é Morte no Colégio, do Luis Eduardo Matta, colunista aqui. E Monteiro Lobato, com Reinações de Narizinho e todos os outros livros que vieram na seqüência, que me foram maravilhosos em todos os sentidos. Mas admito que para as crianças de hoje, são chatos e politicamente incorretos. Se você não é mais criança, pode usar essas dicas para adotar um pequeno leitor, dando livros de presente e, o mais importante: lendo junto e tornando isso um momento de prazer.

Leituras de escola - Sempre odiei leituras paradidáticas. Quando você é adolescente, ninguém escolhe por você seus jogos de vídeo-game, seus programas de televisão, suas músicas preferidas e, hoje em dia, nem que roupas você deve usar. Por que, então, a escola se sente no direito de indicar livros? Na maior parte delas, a leitura obrigatória é a mesma para todos os alunos de um determinado ano, mas isso não leva em conta que as pessoas são diferentes e têm gostos diferentes! Isso quando não são livros para o vestibular, em geral muito mal-trabalhados no que se refere a adquirir o hábito de ler e o prazer da leitura. Mas das péssimas escolhas dos meus professores, salvam-se umas pérolas. Uma trilogia é imperdível para adolescentes: A hora do amor, A hora da luta e O diário de Lúcia Helena, do Álvaro Cardoso Gomes,que conseguiu a proeza de fazer livros para adolescentes que não subestimam a inteligência do leitor. A ilha do tesouro e O Médico e o Monstro, de Robert Louis Stevenson, são clássicos e têm tudo o que um adolescente precisa para gostar de lê-los - inclusive versões recontadas com um vocabulário e estrutura de texto mais acessíveis. É o caso também do Frankenstein de Mary Shelley, recontado deliciosamente por Ruy Castro. E já que estamos falando de monstros e piratas, vale lembrar do Drácula de Bram Stoker - esse sim um livro eletrizante (hoje, livros indiscutivelmente soporíferos são assim descritos pela crítica...). Basicamente, esse foi o "lado B" da minha formação, e se você se interessou, recomendo que não deixe de ler a ótima coluna do Guga Schultze sobre o assunto. No "lado A", eu descobri os autores que iam ser importantes alguns anos depois.

Livros de gente grande - Consigo separar muito bem meu julgamento do que é bom e do que me agrada, e vou lendo de tudo um pouquinho. Mas quem não consome produtos culturais profissionalmente deveria se dedicar apenas ao que considerar agradável. Candidato a leitor, não se iluda! Não há bobagem maior do que se forçar a leituras inúteis e arrastadas de algo de que você não está gostando, principalmente se a motivação for a indicação de outra pessoa. Os livros têm o dom mágico de achar seus leitores quando chega a hora. Por isso, garimpe sempre novidades, experimente coisas novas, mas não se obrigue ao tédio. Os autores que me acharam nos últimos anos foram bem óbvios: Clarice Lispector, João Cabral de Melo Neto (um poeta raro e excelente, muito maior do que sua obra mais conhecida, a Morte e vida severina), J.J. Veiga (que merecia ser muito mais lido), Fernando Sabino e tantos outros, amigos que repousam em silêncio nas prateleiras esperando por mim. Mais recentemente, tive uma surpresa maravilhosa chamada Raduan Nassar. Possivelmente você já ouviu falar nas obras dele, que foram parar no cinema: Um copo de cólera e Lavoura Arcaica. Mas foi por um conto muito breve, muito lindo e muito triste que ele me ganhou: "Hoje de noite". Vale a pena procurá-lo na Internet para ler.

Esses são alguns livros que me conquistaram e me abriram o apetite para muitos outros mais. Mas, no fundo, sabe o que eu queria mesmo? Que você ignorasse essa lista e fosse passear em alguma biblioteca ou livraria, descobrindo o seu próprio cânone - os livros fundamentais da sua vida. Eles estão ali, esperando por você.


Verônica Mambrini
São Paulo, 25/6/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 'Eu quero você como eu quero' de Ana Elisa Ribeiro
02. Retrato do Leitor enquanto Anotação de Duanne Ribeiro
03. Lições literárias de Gian Danton
04. Sobre Jobs e Da Vinci de Noah Mera
05. Thor de Guilherme Pontes Coelho


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini em 2007
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. 453 – São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
03. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
04. Insuportavelmente feliz - 17/9/2007
05. A Arte da Entrevista - 8/10/2007


Mais Especial O que ler
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/6/2007
02h35min
Achei ótimas as indicações e ótimo o texto, Verônica. E não se obrigar ao tédio é um dos melhores conselhos que um leitor experiente pode passar para alguém. (E muitíssimo obrigado pela gentileza...) Abraços!
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
26/6/2007
00h36min
Gostei de seu artigo. As indicações feitas merecem atenção. A idéia de seu texto também. Abraço. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
26/6/2007
09h25min
Muito bom seu artigo, Verônica, parece que a idéia do texto estava o tempo todo no meu inconsciente, quando li, deu aquele estalo! Pena que não tivemos os mesmos professores no ensino médio (acho que não) porque não me lembro de nenhum professor pedindo esses livros, mas vou dar uma olhada, preciso voltar a ler alguma coisa (cansei das bulas de remédios hehehe).. bjs
[Leia outros Comentários de Rafael]
27/6/2007
19h44min
Gostei muito de suas indicações no texto acima e gostaria de saber em que livro está o conto de Raduan Nassar, "Hoje de noite" e como conseguir acessá-lo na Internet. Muito Obrigado, Mauro Gorenstein
[Leia outros Comentários de Mauro Gorenstein]
1/7/2007
18h56min
O nome dom conto é Hoje de Madrugada do livro Menina a Caminho e é possível encontra-lo no sítio Releituras. Aproveite Mauro, ele vale a procura.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
2/7/2007
16h49min
Bacana esse texto, não só pelas menções, mas principalmente pela humildade de saber-se não dono da verdade. Estive nesse final de semana na Flap (Festa Literária Alternativa à Parati – nome provisório), e como me assustei com alguns debatedores. Produziam máximas, e acreditavam nelas: “Alguém que começa lendo Paulo Coelho, nunca conseguirá ler algo, sequer, bom!” “Quem não gosta de um Machado, não gosta de ler!” Além dessas, outras que eu precisaria rever anotações para colocá-las de forma fiel. O primeiro livro que consegui levar a cabo foi Falência das Elites, de Adelaide Carraro - nada acadêmico. Depois me apaixonei por Jorge Amado, Cecília Meireles e Chico Anysio. Clarice e Machado só caíram no meu gosto na maturidade, quando já havia decidido viver de escrita. Num país com tantas diferenças culturais e sociais como o nosso, fico estarrecida quando os que talvez possam exercer algum poder, têm uma visão tão pobre das possibilidades que podem vir de nossa pluralidade. Parabéns.
[Leia outros Comentários de Eliana de Freitas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Frommers - Guia Completo de Viagem - Orlando
Rena Bulkin
Julio Louzada
(1995)



A Última Conversão
Art Ayris - Danny Buladani e Outros
100%cristão
(2012)



Gente Catarina Origens e Raízes
Werner Zotz
Letras Brasileiras
(2002)



Bichinho de Estimação - Coleção Eu Gosto Mais Leitura
Alina Perlman
Ibep Geral
(2012)



Le Dernier Jour Dun Condamné
Victor Hugo; Lecture Accompagnée Par Alain T
Gallimard
(2000)



A Lenda do Centauro
Antonio Santos
Record
(1999)



Transformando Suor Em Ouro
Bernardo Rocha de Rezende
Sextante
(2006)



Língua e Estilo Ironia e Humor Nas Crônicas de Veríssimo
Roberto Carlos Borges
Velocípide
(2002)



Und Jetzt Ihr! Basisgrammatik Fur Jugendliche
Christine Schmidte * Marion Kerner
Hueber
(2002)



Nada Melhor Que um Beijo
Carmen Martins
Difusão Cultural do Livro
(2006)





busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês