Relativismo e Fundamentalismo Midiático | Jonas Medeiros | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As mulheres e o futebol
>>> São Luiz do Paraitinga
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
Mais Recentes
>>> O menino do pijama listrado de John Boyne pela Companhia Das Letras (2010)
>>> Assassinatos na rua Morgue e outras historias de Edgar Allan Poe pela Saraiva (2008)
>>> Vidas secas de Graciliano Ramos pela Record (2011)
>>> Os contos de Beedle o Bardo de J K Rowling pela Rocco (2008)
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 43 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 44 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 47 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 48 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 45 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 4 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 46 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cavaleiros do Zodíaco volume 22 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Notas sobre a pandemia de Yuval Noah Harari pela Companhia Das Letras (2020)
>>> Agora e sempre de Danielle Steel pela Record (1966)
>>> The Legend of Zelda Four Swords Perfect 5 de Akira Himekawa pela Panini Brasil (2018)
>>> O Pêndulo de Foucault de Umberto Eco (1932-2016) pela Record (1989)
>>> Rebolo de Centro de Artes Novo Mundo pela Centro de Artes Novo mundo (1973)
>>> Atos de fé de Erich Segal pela Record (1994)
>>> The Legend of Zelda The Minish Cap 4 de Akira Himekawa pela Panini Brasil (2018)
>>> Capitães da areia de Jorge Amado pela Companhia Das Letras (2009)
>>> Um estudo em vermelho de Arthur Conan Doyle pela Lpm (2017)
>>> Técnica Alexander de Michele Mac Donnell pela Estampa (2000)
>>> A cidade do sol de Campanella pela Edições de Ouro
>>> Bruxos e bruxas de James Patterson pela Novo Conceito (2013)
>>> A breve segunda vida de Bree Tanner de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2010)
COLUNAS

Segunda-feira, 15/10/2001
Relativismo e Fundamentalismo Midiático
Jonas Medeiros

+ de 16400 Acessos
+ 4 Comentário(s)

A revista Veja (n.║ 1.721, de 10/10/01) escreve na reportagem intitulada ‘O que querem os fundamentalistas’: "[o fundamentalismo] está entranhado no próprio código genético do Islã, religião que tem uma visão totalizante do mundo e apresenta um modelo para tudo o que se faz em qualquer das esferas da vida, públicas ou privadas".

Há um enorme esforço da mídia e dos governos que têm manifestado apoio à coalizão militar liderada pelos EUA de afirmar que a guerra está sendo travada contra o terror (Bin Laden e o Taleban) e não contra o povo afegão ou o Islã. Veja, inesperadamente, coloca toda a religião islâmica como responsável pelo aparecimento de práticas radicais.

A revista insiste em apontar a religião muçulmana como primitiva. Primeiramente em 26/11/01, Veja entrevista o historiador inglês Paul Johnson que diz: "Já o islamismo [em oposição ao judaísmo e o cristianismo] não passou por um correspondente período de modernização. Permaneceu uma religião de feições medievais e gerou Estados de feições medievais, nos quais religião e política não se separaram uma da outra".

Duas semanas depois a revista retoma este discurso: "Uma comparação que ajuda a entender a mentalidade fundamentalista é com a Igreja Católica na fase em que se encontrava quando tinham a mesma "idade" do Islã hoje". Incapaz de pensar a história de diferentes religiões como o cristianismo e o islamismo de forma separada, Veja faz uma interpretação positivista, pois pensa ser necessário que o desenvolvimento das religiões passe pelas mesmas fases. A revista não consegue ver as duas religiões de maneira separada, como processos que tem um desenvolvimento próprio e não necessariamente paralelo.

Contra o relativismo cultural

Este fato demonstra uma coerência com os repetidos ataques ao ‘relativismo cultural’. Em 19/09/2001, Veja escreve: "O relativismo cultural, teoria formulada na década de 30 pelo antropólogo americano Melville Jean Herskovitz, preconiza que nenhuma cultura é superior a outra. Que cada uma deve ser entendida dentro de seu próprio contexto (...) Com os atentados, o relativismo sofreu um abalo: por: alguns dias, pelo menos, o mundo voltou a ser dividido entre países civilizados e nações bárbaras. E, contra os bárbaros, políticos e analistas pediram ‘vingança’".

Qualquer semelhança com o discurso do premiê italiano Silvio Berlusconi não é mera coincidência (para quem não se lembra ele fala da superioridade da civilização ocidental frente à religião islâmica).

Antes da entrevista com Paul Johnson, Veja enaltece certa característica do historiador: "O inglês Paul Johnson é um homem sem meias palavras. Enquanto boa parte dos intelectuais do Ocidente lança mão de eufemismos e procura relativizar a responsabilidade das nações islâmicas nos atentados terroristas aos Estados Unidos, Johnson ataca de frente".

Contra os ativistas anti-globalização

Veja manipula os fatos para mostrar ao seu leitor o que é de seu bom grado. A revista comemora o nascimento de uma nova geração. Estudantes de grandes universidades americanas que, contrariando a tradição, deixaram de ser "críticos implacáveis do sistema e do governo dos Estados Unidos" e organizam manifestações de pesar e de orações pelas vítimas do atentado.

Os jovens seriam a favor de uma retaliação e até estariam dispostos a se alistarem em uma unidade militar caso fosse preciso.

Depois de uma campanha contra o relativismo cultural, Veja escreve: "Com o fim da guerra [do Vietnã] a rebeldia se transformou em muitas universidades num esquerdismo acadêmico. Antes redutos da contracultura, muitas universidades como Stanford e Berkeley, se tornaram campeãs do relativismo cultural. Mais recentemente, elas também alimentaram os protestos de rua contra a globalização".

Após os atentados o tom teria mudado: "Depois de 11 de setembro nós amadurecemos como geração. Temos o mesmo inimigo. E agora o governo está nos chamando. Precisamos atender a esse chamado – porque, se não formos nós, quem irá?" diz um jornal estudantil.

Veja comemora que não há mais queimas de bandeiras estadunidenses e que agora os jovens gritam nos campus universitários ‘USA! USA!’. E diminui as manifestações pela paz, críticas à posição americana de retaliação. A revista compara os números das manifestações: 12 mil estudantes em Berkeley condenando os ataques terroristas e 2500 manifestantes em defesa da paz (o local não é dado). Veja simplesmente ignora os cerca de 300 mil ativistas que foram as ruas contra a guerra e a retaliação dos quais pelo menos 60 mil eram americanos.

A revista divulga apenas os fatos que lhe interessam para construir uma certa imagem para seus leitores. Esta nova geração da qual Veja fala é, de fato, uma minoria, como pode ser visto pelas inúmeras manifestações nos EUA e ao redor do mundo contra a globalização, o capitalismo e a guerra.

Contra Chomski

Como Veja não vê razão em criticar o capitalismo (é o sistema social e econômico "mais justo e livre que a humanidade conseguiu fazer funcionar ininterruptamente até hoje", como foi dito na Carta ao Leitor, de 19/09/01), quem o faz é duramente repreendido pela revista.

Na última semana (03/10/01), Veja já tinha dito que o anti-americanismo (ou qualquer posição que vá contra a política americana) é hipócrita, tolo, oportunista, primitivo, lunático, irracional, ignorante ou invejoso. Nesta edição (10/10/01), a revista caracteriza os opositores como lentos, cretinos, masoquistas, estúpidos e preguiçosos, às vezes usando as palavras do jornalista inglês Christopher Hitchens.

Veja fala no "embate de idéias, natural nos ambientes intelectuais", mas esquece na possibilidade e, inclusive, na necessidade da discussão e do pluralismo de idéias na mídia. A revista claramente apóia o lado de Hitchens que discutia com o lingüista americano Noam Chomski. O primeiro é descrito como "o mais vistoso combatente da turma dos rápidos" enquanto que o segundo é caracterizado como "ícone de esquerda e último refúgio dos preguiçosos", ficando "patentemente do lado dos lentos".

A revista, certa de que há uma nova ordem mundial, acha necessário que se mude de discurso, que o mundo mudou e que todos têm de rever suas posições. Por isso, intelectuais e estudantes que mudem de opinião e agora defendam ardentemente os EUA estão certos e aqueles que não deixaram de ser críticos à política americana estão errados.

Aparentes mudanças na diplomacia americana, como falar na criação de um Estado palestino e doar 320 milhões de dólares para os afegãos, são ressaltadas e são usados como argumentos da revista para justificar a impossibilidade de crítica aos EUA. Quem o fizer, estará errado.

As saídas para o mundo

Como não poderia deixar de ser, Veja vê com otimismo o que vem pela frente. "Embora seja natural imaginar que as medidas de segurança vão dificultar o trânsito de pessoas, bens e dinheiro pelo mundo, o processo de globalização vai ser aprimorado"

Para se chegar à conclusão de que "Chegou o momento de os países pobres realmente se aproveitarem dos benefícios da globalização" são ouvidos:

- James Wolfensohn, presidente do Banco Mundial, autor da frase acima;
- Paul Krugman (inclusive, já ouvido na última edição, 03/10/01), economista americano;
- Allan Meltzer, professor de economia na Universidade Carnegie Mellon, ligado à equipe de Bush;
- James P. Moran, congressista democrata e
- Robert Zoellick, secretário de Comércio americano

Não foram ouvidos especialistas, políticos ou cidadãos comuns que vivam nos tais "países pobres". A revista não consultar nenhuma destas pessoas mostra que: 1- Veja assume o discurso dos países ricos; 2- Ao fazer isso, impõe a concepção vinda de fora de que os problemas sociais serão resolvidos pelo livre mercado; 3- Não há discussão desta concepção: os verdadeiros interessados nesta empreitada são os países pobres, que não são ouvidos; 4- A conclusão é que não há opção a não ser se abrir ao "livre comércio".

Além de não se demonstrar democrática, Veja mostra uma visão economicista, mais preocupada com as finanças do que com o social. O esforço dos países ricos não visa de imediato reduzir a pobreza e, sim, "[arregaçar] as mangas para mostrar que estão dispostos a evitar maiores sustos no mercado". Não se trata de resolver os problemas sociais mas de que "As crises financeiras serão mortas no nascedouro, antes que contagiem outros países", segundo Allan Meltzer. E a saída para todos os problemas é dada por James P. Moran: "A arma mais poderosa de que dispomos para combater esse inimigo [a pobreza] é um mercado livre e aberto".

Outros fundamentalismos

Veja escreve na sua capa: "Os fundamentalistas querem dominar o mundo em nome de Alá". E depois escreve no final da matéria ‘O que querem os fundamentalistas’: "Como se diria no jargão de uma doutrina fundamentalista, já extinta, eles se afastaram das bases – e por isso estão condenados ao fracasso"

Considerando que a revista tomou a liberdade de falar em outro fundamentalismo (o socialismo visto por Veja), o melhor seria abrir a discussão para todos os tipos. E o primeiro a ser lembrado deveria ser aquele que já dominou o mundo em nome do dinheiro: o fundamentalismo econômico. Se estamos falando em formas de dominação mundial, por que o capitalismo não é lembrado pela revista? Porque na concepção de Veja o capitalismo não é uma dominação, é o sinônimo de liberdade, igualdade e fraternidade.

Clube da Luta

Apenas para mostrar como a concepção ideológica de Veja invade toda a cobertura jornalística da revista, retomo a matéria ‘A cultura do apocalipse’, de 19/09/01 em que se lê: "O polêmico Clube da Luta é outra produção que aborda o inimigo interno. O filme acerta em cheio ao mostrar a mistura altamente volátil de frustração, vazio, fanatismo e revolta mal dirigida que compõe a personalidade dos terroristas. Os personagens interpretados por Edward Norton e Brad Pitt acham que a esterilidade de suas vidas é uma decorrência do consumismo – e que a culpa, portanto, não é deles, mas do "sistema". Por isso criam uma seita neofascista e vingam-se com uma escalada de atos de vandalismo, que culmina no bombardeio de prédios ligados a companhias de crédito e congêneres".

Ao interpretar um filme, uma manifestação artística, através da sua concepção de mundo, Veja cai no erro de analisá-lo literalmente (quando é, na verdade, uma metáfora). Como o capitalismo é, segundo a Veja, livre de ataques, um filme que faça uma crítica ferrenha a ele será tido como errado e ‘neofascista’.

A palavra ‘sistema’, colocada entre aspas mostra uma certa ironia da revista, que considera impossível o indivíduo ser sujeitado por sistemas, como a sociedade. Enfim, através de sua ótica, Veja deturpa o filme e transforma a destruição dos prédios de empresas de crédito em vingança, quando representam a libertação da exploração dos juros que tais empresas impõe aos cidadãos.

A marcha pela educação

Em 3 de outubro, trabalhadores, professores, estudantes e políticos marcharam em Brasília, na Esplanada dos Ministérios, pela defesa da qualidade da educação pública. No mínimo 22 mil pessoas (segundo a polícia) se manifestaram e, no máximo 60 mil (segundo os organizadores).

Em nenhuma matéria, em nenhuma nota foi citada a marcha pela educação. Veja simplesmente ignorou este fato que foi, sem dúvida, um dos mais importantes da semana.

Pequena observação: os manifestantes queimaram um boneco do ministro da Educação Paulo Renato. Será que motivos políticos (campanha presidencial) interferiram na não cobertura da revista?

O Governador do ES

Em 10/10/01, Veja dá uma pequena nota na seção Sobe-Desce: "José Ignácio Ferreira – Atolado em denúncias de corrupção, o governador do Espírito Santo sofreu novo golpe: o PMDB recusou sua ficha de filiação".

Há dois anos, em 27/01/99, a revista fazia uma matéria de três páginas intitulada ‘A lição de Ignácio aos sete de BH’. Este chamado G7, eram os governadores estaduais de oposição (dos estados de MG, RS, RJ, MS, AC, AP e AL, preocupados com a discussão da renegociação da dívida).

O governador do ES é descrito como grande político que "conseguiu colocar o Espírito Santo no mapa do Brasil". Preocupado com o equilíbrio das finanças, demitiu 21 mil servidores temporários e reduziu a jornada e o salário dos funcionários do executivo.

"José Ignácio não só apertou o cinto. Ele está brandindo o chicote da moralização administrativa". Dois anos depois, expulso do partido governista PSDB, o governador mal é lembrado pela revista. Por que será está diferença de espaço (uma matéria de três páginas vs. uma nota de três linhas)?

Para finalizar

A insistência em atacar o relativismo se deve a incapacidade de Veja mostrar aos seus leitores diversos pontos de vista. Luiz Antônio Magalhães escreveu no Observatório da Imprensa em 19/09/2001 sobre a editorialização da revista, que "É preciso convencer o público de que Veja tem razão. Sempre". Negando a possibilidade de relativizar, a imposição da versão da revista fica justificada. E frases como "Ou estão do nosso lado ou do lado dos terroristas" podem ser aceitas sem contestação.

De fato, me parece que ser contra o relativismo cultural nada mais é que um tipo de fundamentalismo, de caráter midiático. Uma revista democrática aceitaria o relativismo como maneira de apresentar fatos de diferentes pontos de vista, uma forma pluralista que demonstraria múltiplas interpretações deixando o leitor pensar e decidir a melhor, não impondo a visão que o meio de comunicação tem.


Jonas Medeiros
São Paulo, 15/10/2001


Mais Jonas Medeiros
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/10/2001
00h00min
Quando Gamal A. Nasser expulsou os fundamentalistas do Egito, refugiram-se estes na Arabia Saudita. A familia real saudita reconhece hoje que ao tê-los acolhido e propiciado emprego de professores , instilaram o virus da intolerância, que eclodiria (eclodiu) no terror, pura e simplesmente. Olho por olho e dente por dente, poderia ser eficiente ao tempo das tábuas religiosas - mas hoje ? (roubou ? corte-se lhe a mão ) Cylene
[Leia outros Comentários de Cylene Gama]
31/1/2002
17h34min
A REPORTAGEM É BASTANTE INTERESSANTE. ESTAVA FAZENDO UM TRABALHO DE PESQUISA E LI COM BASTANTE ATENÇÃO E EXTRAÍ ALGUMAS CONTRIBUIÇÕES PARA A MINHA PESQUISA.
[Leia outros Comentários de ROSEANE MELO]
2/4/2002
20h56min
Muito boa esta reportagem! Sou estudante de comunicação e tenho lido bastante textos sobre relativismo e etnocentrismo. A visão comum das pessoas é etnocêntrica. Cada um acha sua cultura melhor, superior e mais lógica. Como estudante do primeiro período da Puc-Rio, já aprendi a relativizar.O que me espanta é o fato de jornalistas da Veja, formados em universidades de nome (como se é esperado) terem a visão etnocêntrica do mundo. E o pior: não têm a visão de que a sua cultura é a melhor, mas a cultura dos EUA. Estes, por sua vez, pelo que chamam de globalização estão fazendo uma estadosunidação, impondo seus valores às sociedades do "resto" do mundo
[Leia outros Comentários de Taís Moraes]
3/4/2002
14h54min
Acho saudável que a nossa mídia tenha um ponto de vista. Ninguém escapa. E, tão saudável, é o fato de que haja artigos claros e elucidativos como o de Jonas Medeiros, mas que peca por acusar a revista Veja de praticar fundamentalismo midiático. Se a Veja deseja ser pró-americana, que o seja. É apenas um veículo emitindo um ponto de vista, dentre vários outros que estão no mercado. Não chega a ser criminoso ser favorável aos EUA, pois lá há valores defendidos pela sociedade americana que são válidos e que merecem ser considerados. A questão aqui, acho eu, é a reclamar do estilo quase caricatural da Veja defender valores norte-americanos, mitificando uma sociedade que é tão vulnerável, mortal e sujeita a errar quanto qualquer outra. Mas isso é fundamentalismo midiático? Acho que isso é imprensa ruim, justamente por não ter "fundamentos". É por causa de afirmações com a pobreza intelectual como as citadas no artigo de Jonas Medeiros que ninguém rotula a Veja como sendo uma revista inteligente ou para intelectuais. Eu não cito Veja para nada... Acho, pelo contrário, tratar-se de leitura "light", que não se deve levar muito a sério. A imprensa é considerada um poder (o quarto, se não me engano), mas que somente é efetivo se conseguir argumentar razoavelmente, caso contrário, torna-se ridícula e perde a credibilidade de seu público. Acho que a Veja deveria atentar mais para esse aspecto se não quiser parecer uma instituição doutrinada, tentando doutrinar. Agora, se a Veja é doutrinada e quer doutrinar... aí temos outro problema, que é a questão de um veículo da mídia nacional ser instrumentalizado ideologicamente por um Governo ou grupo estrangeiro. Aí, sim, gostaria de ler mais um artigo do Jonas Medeiros sobre essa hipótese.
[Leia outros Comentários de Antonio Oliveira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Evolução Histórica do Liberalismo
Antônio Paim
Itatiaia
(1987)



People of the Book
Geraldine Brooks
Penguin
(2008)



Conexões Em Língua Portuguesa Produção de Texto - Único 1ª Ed.
Wilton Ormundo
Moderna
(2013)



Eu no Universo
Silva Mello
record
(1972)



Mensagens do Palavra de Paz
Anthony Garotinho
Palavra de Paz
(2012)



Paradoxo Sobre o Comediante - Coleção Grandes Obras do Pens. 54
Diderot
Escala
(2006)



O Mestre dos Mestres
Augusto Cury
Sextante
(2006)



Segredos do Mar - Raspe e Descubra as Maravilhosas Imagens Escondidas
Dinara Mirtalipova
Catapulta
(2017)



O Acordo de Leniência na Lei Anticorrupção
Valdir Moysés Simão / Marcelo Pontes Vianna
Trevisan
(2017)



Iniciação INKA
Marisa Varela
nova fronteira
(1993)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês