... E o verão acabou | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Jingle Bells
>>> Mano Juan, de Marcos Rey
>>> Relationships Matter
>>> Apesar da democracia
>>> Onze pontos sobre literatura
>>> A maçã de Isaac Newton
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Lucas vs. Spielberg
>>> Morando sozinha II
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> O Maior Homem que já viveu de Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados pela Sociedade Torre de Vigia (2020)
>>> Pequot de Vitor Ramil pela Artes e Ofícios (1995)
>>> Quando o espiritual domina de Simone de Beauvoir pela Record (1979)
>>> O resto é silêncio de Érico Veríssimo pela Globo (1998)
>>> Angústia de Graciliano Ramos pela Globo (2013)
>>> O Recurso de John Grisham pela Rocco (2015)
>>> Os doze mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2020)
>>> Direito Ambiental Positivo de Fabrício Gaspar Rodrigues pela Campus (2012)
>>> Mandado de Segurança de Luiz Fux pela Dir (2011)
>>> Lula: A opção mais que o voto de Cândido Mendes pela Garamond (2006)
>>> Latinomérica de Marcus Accioly pela Topbooks (2015)
>>> Levando a vida leve de Laura Medioli pela Justo Junior (2005)
>>> Les Filles du Feu / Les Chimères de Gérard de Nerval pela Garnier-Flammarion (1965)
>>> Revolucione sua qualidade de vida - Navegando nas ondas da emoção de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Mulheres certas que amam homens errados de Kristina Grish pela Gente (2007)
>>> Pequenos Poemas em Prosa de Charles Baudelaire pela Nova Fronteira (1981)
>>> E de Evidência de Sue Grafton pela Ediouro (1999)
>>> M - O Homem Sensual de Record pela Record (1997)
>>> Verdura? Não! de Claire Llewellyn; Mike Gordon pela Scipione (2011)
>>> @s [email protected] de [email protected] York - as Senhoritas de Nova York de Daniel Piza pela Ftd (1999)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 10 Anos Brasil MTV de MTV pela Mtv
>>> 10 Contos de Natal de Gilberto de Nichile pela Scortecci (2015)
>>> 100 Jogos para Grupos de Ronaldo Yudi K. Yozo pela Agora (1996)
>>> 100 Magias para Aumentar Sua Autoconfiança - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2004)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Segredos das Pessoas de Sucesso de David Niven pela Sextante (2002)
>>> 1000 Formas de Interpretar o Seu Horoscopo de Girassol Edicoes pela Girassol (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Melhores Segredos Rapidos e Faceis para Voce de Jamie Novak pela Arx (2007)
>>> 1001 E-mails de Cynthia Dornelles pela Record (2003)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 101 Brasileiros Que Fizeram História de Jorge Caldeira pela Estação Brasil (2016)
>>> 101 Experiências de Filosofia Cotidiana de Roger Pol Droit pela Sextante (2002)
>>> 101 Livros Que Mudaram a Humanidade - Coleção Super Essencial de Superinteressante pela Superinteressante (2005)
>>> 101 Lugares para Fazer Sexo Antes de Morrer de Marsha Normandy; Joseph St. James; Alexandre Rosas pela Best Seller (2010)
>>> 102 Minutos: a História Inédita da Luta de Outros; Jim Dwyer pela Jorge Zahar (2005)
>>> 111 Poemas para Crianças de Sérgio Capparelli pela L&pm (2009)
>>> 117 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Margot Saint-loup pela Ediouro (2005)
>>> 12 Anos de Escravidão de Solomon Northup pela Lafonte (2019)
>>> 12 Fábulas de Esopo de Fernanda Lopes de Almeida; Hans Gartner; pela Atica (2000)
>>> 12 Horas de Terror de Marcos Rey pela Global (2012)
>>> 12 Lições para Ser o Pai Ideal de Kevin Leman pela Portico (2015)
COLUNAS

Terça-feira, 26/3/2002
... E o verão acabou
Rafael Lima

+ de 3100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Michael Palin's Hemingway Adventure
Ernest Hemingway Um dos grandes programas exibidos na televisão à cabo chama-se Hemingway por Michael Palin (Michael Palin's Hemingway Adventure), no canal People + Arts. Se o segundo nome não te diz nada, aqui vai um refresco: Michael Palin é um dos fundadores da trupe britânica conhecida como Monty Phyton, junto de atores como John Cleese ou Terry Gilliam, ainda na ativa, mesmo em Hollywood. Hoje, cinquentões, não há mais chance deles se juntarem para fazer as gracinhas que os tornaram famosos na década de 70 - beeeem... Cleese volta e meia faz papel de palhaço em um filme - já que, pelo menos cronologicamente, ultrapassaram a meia idade e não precisam mais ficar pagando micos para ganhar dinheiro. É comum o gosto de artistas mudar com a idade; membros de uma banda de rock passam a dedicar mais tempo a seus projetos ditos pessoais, como aquela banda de jazz paralela, ou outro hobby que tenham mantido ao longo da vida, de fotografia até gastronomia. Como Palin é inglês, podia-se esperar algo mais do que de um roqueiro californiano, e aqui entra a BBC, rede de televisão estatal inglesa, a lhe prover um programa sobre... literatura? Pesado demais. Deixe isso para escritores brincalhões ou professores. Por que não um programa centrado num único escritor, de biografia tão empolgante quanto seus livros, comentando, à moda de turismo, sua intensa mobilidade pelo mundo?
Enquanto Michael Palin passa por lugares tão distintos como o extremo sul da Flórida, Paris, as planícies do Serengetti, na África; Veneza e Havana, vai destrinchando períodos da vida de Ernest Hemingway, conversando com pessoas que o conheceram, do semi-selvagem africano que viu o aeroplano dele cair em uma colina ao filho do nobre que o hospedou num palacete; tomando drinques que foram preparados especialmente para ele, em bares que ganharam fama em seus livros, como o Sloppy Joe's ou o Harry's; citando trechos adequados às situações e colecionando memorabilia genérica sobre Hem: do número e tipos de ferimentos que sofreu em uma temporada na França a um esquisitíssimo concurso de sósias anual realizado na Flórida, que teria sido melhor apresentado por Jack Palance. Como se não bastasse a saudável aliança entre viagens, cultura e curiosidades, há o engraçadíssimo humor involuntário - nunca se deve esquecer a origem de Palin - que o apresentador britanicamente arranca de seus entrevistados, submetendo-se a situações que beiram o absurdo: ao ilustrar a descrição de caça aos patos, Palin reproduz ao seu modo todos os hábitos típicos de um caçador: madruga, reclamando horrivelmente do frio; carrega todos os paramentos, de patos de madeira (as iscas) a munição para espingardas, se perguntando para que cada um serve; leva um livro para passar o tempo, e fica enrolando seu parceiro com tudo que é pergunta possível enquanto os patos não chegam. Mas nada se compara à sua cara de espanto ao ver o parceiro usando os diversos tipos de pio para chamar pato, ainda com alguma esperança, depois de 3 horas de absolutamente nenhum pato na área...

The California Sunshine Golden Drop Trip Band
"Ela é tão antiga aqui na empresa que, quando entrou, não fez psicotécnico - fez exame psicodélico."

Mr. Nomono está entre nós! Espalhe por aí
Mr. Nomono vem para nos redimir a todos!

Até morrer
Foi capa de todos os jornais no Rio: torcedores do Flamengo invadem treino e atacam jogadores. "Quanto vandalismo!", horrorizaram-se as senhoras da Liga dos Quitutes Mineiros, "Que baixaria!", bradaram os doutores da Associação dos Jogadores de Dominó Sábado à Tarde. Colocando pingos nos jotas, que os is já acabaram há muito: mais do que um esporte popular e jogado a cada esquina, o futebol se presta a manifestações populares há muito banidas de outros palcos - como já foi bem colocado, mais do que ver futebol, brasileiro gosta é de torcer para futebol. Ver o seu último motivo inconteste de orgulho internacional (eu não esqueci do Guga, mas Guga é um só), seu último bastião de talento inato, seu mais forte elo de união coletiva (acima de política, ali ali com religião) aviltado, degradado, desmontado, humilhado é algo de extremo pesar para o torcedor. Um time que concentra mais da metade da torcida do país só vai ser mais visado por seus torcedores, e ter mais exposição. O que choca nessa história toda não é nem o ataque violento, é que o motivo capaz de detonar esse barril de pólvora tenha sido o futebol. Reações em outros campos podem apenas ser imaginadas: "Populares invadem rampa da Alvorada depois que presidente anuncia aumento do mínimo em 6 reais"? "Sessão extraordinária da Câmara é interrompida quando invasores protestam contra votação de aumento do salário dos deputados"? Dá para ir embora com variações nesse sentido. Isso se ficar só nas manifestações espontâneas, não organizadas...

Balanço do verão
Eu estava morrendo de vontade de fazer um balanço do verão, de louvar os baratos do Piscinão de Ramos (que o ex-governador Brizola apelidou com muita picardia de Pinicão) que o governador Garotinho inventou, falar da clorofila que andam adicionando aos sucos de frutas, mas desisti: não dá para competir com esses dois caras.

À propósito
"Garotinho é uma mistura de Mussolini, Mao, Jimmy Swaggart e Carequinha" (aspas para meu amigo crítico de cinema João Marcelo, a.k.a. O Mestre, brilhante em seu retorno à nobre arte das frases de efeito)

Sem vocação para a mediocridade
Lucio Costa Apesar de ter criado, do zero, o projeto inteiro de uma cidade, e não uma cidade qualquer, mas aquela que seria destinada a abrigar a capital da república, o nome de Lúcio Costa não é lembrado com a mesma freqüência nem com a mesma relevância que o de Oscar Niemeyer, projetista dos principais prédios públicos daquela capital. Talvez o motivo tenha sido mais a atenção que o engajamento político atrai - Niemeyer arruma um jeito de colocar foices estilizadas em quase todo monumento, enquanto Lúcio Costa ficou conhecido por dizer "não sou capitalista nem socialista, não sou religioso nem ateu" - do que o talento exemplar. Nesse ano em que completaria o centenário, uma exposição percorrendo a vida de Lúcio Costa ocupa várias salas do Paço Imperial, no Rio de Janeiro, cidade à qual dedicou muitos anos de vida. uma das 'casas sem dono' Conhecê-la é restaurar o senso de proporção, é ver o excepcional talento de Costa para o desenho (particularmente em aquarela), que o fez respeitado na faculdade de Belas Artes apesar de ter ingressado lá adolescente; é descobrir que ele chegou a mandar para as bancas projetos prontos de "casas sem dono", no afã de romper com o estilo Neo-Colonial, apresentando projetos arquitetônicos a preços acessíveis; é se maravilhar com seu tratado sobre o mobiliário colonial - texto & desenhos dele. Outra frase de Lúcio Costa ilustra as paredes do Paço: "O Brasil vai dar o seu recado no tempo certo; é um país que não tem vocação para a mediocridade." Também é reviver um pouco de História, em meio aos milhares de documentos que deixou, da carta original de Gustavo Capanema encomendando o prédio do Ministério de Educação às missivas trocadas com Le Corbusier e Walter Gropius (tem uma foto de fazer estudante de arquitetura lamber os beiços: Costa, Gropius, Corbusier e mais alguns luminares discutindo em um Rascunho do Plano Piloto restaurante - em Paris!); dos originais do projeto do prédio brasileiro na Exposição Internacional de 1939 ao memorial descritivo de Brasília completo, incluindo rascunhos – onde se pode ver que a idéia inicial do Plano Piloto foi um banal X, uma cruz, a maneira mais óbvia de se marcar um terreno, nada a ver com aquele papo de forma de um avião que os professores empurravam para cima da gente na escola. E mais, móveis criados nas horas vagas: uma poltrona que depois veio a ser vendida na Oca, loja de Sérgio Rodrigues, ao lado da célebre poltrona mole e desta cadeira; pareceres sobre questões urbanísticas e até uma brilhante solução para desobstruir o trânsito. Talvez a peça mais preciosa seja um raro storyboard para filme mudo, legendado em francês e que nunca chegou às mãos de quem lücio pretendia que filmasse - Charles Chaplin.
Coincidentemente – ou não – uma exposição fotográfica da obra de Oscar Niemeyer foi agendada para outro espaço do Paço Imperial, simultaneamente à obra de Lúcio Costa. E quem quiser que enxergue significados esotéricos no fato da mostra de Niemeyer ter ocupado um antigo aposento de criados, enquanto a de Costa, entre outros cômodos do segundo andar, tomou a sala onde foi assinada a Lei Áurea.


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 26/3/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A última discoteca básica de Wellington Machado


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2002
01. Coisas nossas - 23/4/2002
02. Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa - 25/6/2002
03. Ar do palco, ou o xadrez nos tempos da Guerra Fria - 16/4/2002
04. Quando éramos reis, bispos, cavalos... - 9/4/2002
05. Quebrar pratos com Afrodite - 14/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/3/2002
13h16min
Rafael Ouvi não sei onde e gostaria de confirmar. Lucio teria previsto no seu projeto áreas específicas para o proletariado (algo assim como favelas urbanizadas!). Sua idéia teria sido vetada por "socialistas utópicos"(atualmente todos), poderosos na época. Moral da história: as famosas cidades satélites poderiam não ser o q são se tivessem seguido o projeto original do criador. "Se non e vero é bene trovato!", não?
[Leia outros Comentários de pedroservio]
26/3/2002
14h02min
Pedro, em um dos muitos documentos da mostra existe uma declaração do Lucio Costa exatamente sobre esse espaço reservado para o proletariado. Não há na exposição, que eu me lembre, nenhuma informação sobre que fim teria levado essa idéia, ou como ela teria sido abortada. Pessoalmente, acho que mesmo que as tais "áreas específicias" saíssem do papel, isso não impediria o surgimento nem o crescimento das cidades satélites de Brasília.
[Leia outros Comentários de Rafael Lima]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMPÊNDIO MÉDICO - DICIONÁRIO BRASILEIRO DE MEDICAMENTOS
ANDREI
ANDREI
(1959)
R$ 6,90



PATOLOGIA DA GESTAÇÃO
RAUL BRIQUET
RENASCENÇA
(1948)
R$ 68,00



A FARMACOLOGIA EM NOSSA VIDA
JANETTI NOGUEIRA DE FRANCISCHI
UFMG
(2005)
R$ 27,00



A MULHER DO FUZILEIRO E OUTRAS QUASE HISTORIAS
ALVARO MARINS
LÍNGUA GERAL
(2016)
R$ 29,00



NAO FAÇA TEMPESTADE EM COPO DAGUA PARA HOMENS
RICHARD CARLSON; JOANA MOZELA
ROCCO
(2002)
R$ 7,00



JOSEF HOFFMANN: EM EL UNIVERSO DE LA BELLEZA
AUGUST SARNITZ
TASCHEN
(2007)
R$ 11,00



FISICA 2 - TERMOLOGIA - ÓPTICA - ONDULATÓRIA - ENSINO MÉDIO
JOSÉ ROBERTO BONJORNO - REGINA DE FÁTIMA
FTD
(2013)
R$ 15,00



UM CERTO JESUS DA SILVA
PE. ZEZINHO
PAULINAS
(1973)
R$ 6,90



PRELEÇÕES DE MEDICINA LEGAL
A. F. DE ALMEIDA JUNIOR
FACULDADE DE DIREITO DE SÃO
(1941)
R$ 44,36



REVISTA DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE PSICODRAMA VOL 4
ANTÓNIO ROMA TORRES
AFRONTAMENTO
(1996)
R$ 15,63





busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês