... E o verão acabou | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Two lost souls living in a fish bowl
>>> Brochadas, romance inquietante de Jacques Fux
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> A agonia das semanais nos EUA
>>> Entre a simulação e a brincadeira
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Iron Maiden com Clive Burr
Mais Recentes
>>> Downbeat Magazine April 2020 de Gregory Porter pela Db (2020)
>>> Le Coté de Guermantes de Marcel Proust pela Gllimard (1945)
>>> House & Garden July/August 2020 de Where the Hearts pela Condé Nast (2020)
>>> Uncut Magazine July 2020 de Bob Marley pela Bandlab (2020)
>>> Drogas e Álcool no Local de Trabalho de Drusilla Campbell e Marilyn Graham pela Nórdica (1991)
>>> Uncut Magazine June 2020 de Prnce pela Bandlab (2020)
>>> Uncut Magazine May 2020 de George Harrison pela Bandlab (2020)
>>> Os Deuses subterrâneos de Cristovam Buarque pela Record (2005)
>>> Uncut Magazine December 2019 de Bob Dylan pela Bandlab (2019)
>>> O livro da sabedoria dos pais de Edward Holffman pela Dcl (2010)
>>> O prazer da produção científica de Israel Belo de Azevedo pela Unimep (1998)
>>> O leque de Oxum de Vasconcelos Maia pela Ponte da Memória (2006)
>>> O mar, o Marujo de Mauro a. L. Hespanhol pela Chiado (2012)
>>> Os 4 pilares da lucratividade de Leslie H. Moeller; Edward C. Landry pela Campus (2010)
>>> A fuga de João Goulart de Hélio Silva pela Três (1998)
>>> A Majestade do Xingu de Moacyr Scliar pela Deagostini (2004)
>>> Memórias Sentimentais de João Miramar de Oswald de Andrade pela José Olympio (1973)
>>> Noventa e Três de Victor Hugo pela Otto (1980)
>>> A Queda de Albert Camus pela Circulo do Livro (1986)
>>> Você - A idéia mais fantástica de Deus de Max Lucado pela Thomas Nilson (2007)
>>> The abolition of the Brazilian slave trade de Leslie Bethell pela Cambridge University Press (2009)
>>> O processo de Franz Kafka pela Globo (1997)
>>> A brincadeira de Milan Kundera pela Circulo do Livro (1967)
>>> Vôo Noturno de A. de Saint - Exupery pela Circulo do Livro (1985)
>>> A Segunda Dama de Irving Wallace pela Circulo do Livro (1980)
>>> O RETRATO DE dORIAN gray de Oscar Wilde pela Circulo do Livro (1975)
>>> Os Condenados da Terra de Frantz Fanon pela Ufjf (2006)
>>> Imaginologia e radiologia odontológica - 4D de Plauto Watanabe pela GEN Guanabara Koogan (2013)
>>> Ten Cate Histologia oral - 4D de Antonio Nanci pela Elsevier (2013)
>>> sturdevant arte e ciência da dentística operatória - 4C de Harald pela Elsevier (2013)
>>> O Folclore da Caixa = Contos de Gil Gouvêa Macieira pela Dupligráfica (1984)
>>> Craig Materiais Dentários Restauradores - 3C de Ronald L. Powers, John M.^Sakaguchi pela Elsevier (2012)
>>> Curso de Folclore Musical Brasileiro de José Teixeira D'Assumpção pela Livraria Freitas Bastos (1967)
>>> Como Desenhar Mangá Método Profissional de Produção Nobu Chinen / Daniel de Rosa pela Escala (2009)
>>> Danças Folclóricas da Europa de Maria Amalia Corrêa Giffoni pela Melhoramentos (1974)
>>> A Linguagem Secreta dos Relacionamentos de Gary Goldschneider; Joost Elffers pela Elsevier (2000)
>>> Aquela Canção de Vários autores pela Publifolha (2005)
>>> Histologia veterinária de Dellmann - 3C de Jo Ann Eurell pela Manole (2012)
>>> Terapia assistida por animais - 3D de Marie Odile Monier Chelini pela Manole (2015)
>>> Manual Saunders Terapia Veterinaria - Pequenos E Grandes Animais - 6B de Mark G. Papich pela Elsevier (2012)
>>> Comportamento e bem-estar de animais domésticos - 6D de D. M. Broom pela Manole (2010)
>>> Cirurgia de Pequenos Animais - 7C de Theresa Theresa Fossum pela GEN Guanabara Koogan (2014)
>>> ...E Nossos Filhos Cantam as Mesmas Canções 8800 de Malcolm Montgomery pela Integrare (2008)
>>> ...E o Mundo Silenciou de Ben Abraham pela Wg Comunicações (1972)
>>> ...E Quem Quiser Que Conte Outra de Tatiana Belinky pela Imprensa Oficial (2007)
>>> ...Uma Proposta Irrecusável de Jill Manselll pela Novo Conceito (2011)
>>> 1, 2... Feijão Com Arroz - Educação Alimentar de Maria José Paes Leme & Maria da Luz F. Perim pela Mercado das Letras (1997)
>>> 1. 000 Perguntas e Respostas de Direito Internacional Público e Privad de José Cretella Júnior / José Cretella Neto pela Forense (2002)
>>> 1° Festival Internacional de Humor do Rio de Janeiro 2008 de Vários Autores pela Gráfica Minister (2008)
>>> 10 Minutos de Exercício por Dia - 10385 de Jacqueline Lysycia pela Texto Editores (2005)
COLUNAS

Terça-feira, 26/3/2002
... E o verão acabou
Rafael Lima

+ de 3100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Michael Palin's Hemingway Adventure
Ernest Hemingway Um dos grandes programas exibidos na televisão à cabo chama-se Hemingway por Michael Palin (Michael Palin's Hemingway Adventure), no canal People + Arts. Se o segundo nome não te diz nada, aqui vai um refresco: Michael Palin é um dos fundadores da trupe britânica conhecida como Monty Phyton, junto de atores como John Cleese ou Terry Gilliam, ainda na ativa, mesmo em Hollywood. Hoje, cinquentões, não há mais chance deles se juntarem para fazer as gracinhas que os tornaram famosos na década de 70 - beeeem... Cleese volta e meia faz papel de palhaço em um filme - já que, pelo menos cronologicamente, ultrapassaram a meia idade e não precisam mais ficar pagando micos para ganhar dinheiro. É comum o gosto de artistas mudar com a idade; membros de uma banda de rock passam a dedicar mais tempo a seus projetos ditos pessoais, como aquela banda de jazz paralela, ou outro hobby que tenham mantido ao longo da vida, de fotografia até gastronomia. Como Palin é inglês, podia-se esperar algo mais do que de um roqueiro californiano, e aqui entra a BBC, rede de televisão estatal inglesa, a lhe prover um programa sobre... literatura? Pesado demais. Deixe isso para escritores brincalhões ou professores. Por que não um programa centrado num único escritor, de biografia tão empolgante quanto seus livros, comentando, à moda de turismo, sua intensa mobilidade pelo mundo?
Enquanto Michael Palin passa por lugares tão distintos como o extremo sul da Flórida, Paris, as planícies do Serengetti, na África; Veneza e Havana, vai destrinchando períodos da vida de Ernest Hemingway, conversando com pessoas que o conheceram, do semi-selvagem africano que viu o aeroplano dele cair em uma colina ao filho do nobre que o hospedou num palacete; tomando drinques que foram preparados especialmente para ele, em bares que ganharam fama em seus livros, como o Sloppy Joe's ou o Harry's; citando trechos adequados às situações e colecionando memorabilia genérica sobre Hem: do número e tipos de ferimentos que sofreu em uma temporada na França a um esquisitíssimo concurso de sósias anual realizado na Flórida, que teria sido melhor apresentado por Jack Palance. Como se não bastasse a saudável aliança entre viagens, cultura e curiosidades, há o engraçadíssimo humor involuntário - nunca se deve esquecer a origem de Palin - que o apresentador britanicamente arranca de seus entrevistados, submetendo-se a situações que beiram o absurdo: ao ilustrar a descrição de caça aos patos, Palin reproduz ao seu modo todos os hábitos típicos de um caçador: madruga, reclamando horrivelmente do frio; carrega todos os paramentos, de patos de madeira (as iscas) a munição para espingardas, se perguntando para que cada um serve; leva um livro para passar o tempo, e fica enrolando seu parceiro com tudo que é pergunta possível enquanto os patos não chegam. Mas nada se compara à sua cara de espanto ao ver o parceiro usando os diversos tipos de pio para chamar pato, ainda com alguma esperança, depois de 3 horas de absolutamente nenhum pato na área...

The California Sunshine Golden Drop Trip Band
"Ela é tão antiga aqui na empresa que, quando entrou, não fez psicotécnico - fez exame psicodélico."

Mr. Nomono está entre nós! Espalhe por aí
Mr. Nomono vem para nos redimir a todos!

Até morrer
Foi capa de todos os jornais no Rio: torcedores do Flamengo invadem treino e atacam jogadores. "Quanto vandalismo!", horrorizaram-se as senhoras da Liga dos Quitutes Mineiros, "Que baixaria!", bradaram os doutores da Associação dos Jogadores de Dominó Sábado à Tarde. Colocando pingos nos jotas, que os is já acabaram há muito: mais do que um esporte popular e jogado a cada esquina, o futebol se presta a manifestações populares há muito banidas de outros palcos - como já foi bem colocado, mais do que ver futebol, brasileiro gosta é de torcer para futebol. Ver o seu último motivo inconteste de orgulho internacional (eu não esqueci do Guga, mas Guga é um só), seu último bastião de talento inato, seu mais forte elo de união coletiva (acima de política, ali ali com religião) aviltado, degradado, desmontado, humilhado é algo de extremo pesar para o torcedor. Um time que concentra mais da metade da torcida do país só vai ser mais visado por seus torcedores, e ter mais exposição. O que choca nessa história toda não é nem o ataque violento, é que o motivo capaz de detonar esse barril de pólvora tenha sido o futebol. Reações em outros campos podem apenas ser imaginadas: "Populares invadem rampa da Alvorada depois que presidente anuncia aumento do mínimo em 6 reais"? "Sessão extraordinária da Câmara é interrompida quando invasores protestam contra votação de aumento do salário dos deputados"? Dá para ir embora com variações nesse sentido. Isso se ficar só nas manifestações espontâneas, não organizadas...

Balanço do verão
Eu estava morrendo de vontade de fazer um balanço do verão, de louvar os baratos do Piscinão de Ramos (que o ex-governador Brizola apelidou com muita picardia de Pinicão) que o governador Garotinho inventou, falar da clorofila que andam adicionando aos sucos de frutas, mas desisti: não dá para competir com esses dois caras.

À propósito
"Garotinho é uma mistura de Mussolini, Mao, Jimmy Swaggart e Carequinha" (aspas para meu amigo crítico de cinema João Marcelo, a.k.a. O Mestre, brilhante em seu retorno à nobre arte das frases de efeito)

Sem vocação para a mediocridade
Lucio Costa Apesar de ter criado, do zero, o projeto inteiro de uma cidade, e não uma cidade qualquer, mas aquela que seria destinada a abrigar a capital da república, o nome de Lúcio Costa não é lembrado com a mesma freqüência nem com a mesma relevância que o de Oscar Niemeyer, projetista dos principais prédios públicos daquela capital. Talvez o motivo tenha sido mais a atenção que o engajamento político atrai - Niemeyer arruma um jeito de colocar foices estilizadas em quase todo monumento, enquanto Lúcio Costa ficou conhecido por dizer "não sou capitalista nem socialista, não sou religioso nem ateu" - do que o talento exemplar. Nesse ano em que completaria o centenário, uma exposição percorrendo a vida de Lúcio Costa ocupa várias salas do Paço Imperial, no Rio de Janeiro, cidade à qual dedicou muitos anos de vida. uma das 'casas sem dono' Conhecê-la é restaurar o senso de proporção, é ver o excepcional talento de Costa para o desenho (particularmente em aquarela), que o fez respeitado na faculdade de Belas Artes apesar de ter ingressado lá adolescente; é descobrir que ele chegou a mandar para as bancas projetos prontos de "casas sem dono", no afã de romper com o estilo Neo-Colonial, apresentando projetos arquitetônicos a preços acessíveis; é se maravilhar com seu tratado sobre o mobiliário colonial - texto & desenhos dele. Outra frase de Lúcio Costa ilustra as paredes do Paço: "O Brasil vai dar o seu recado no tempo certo; é um país que não tem vocação para a mediocridade." Também é reviver um pouco de História, em meio aos milhares de documentos que deixou, da carta original de Gustavo Capanema encomendando o prédio do Ministério de Educação às missivas trocadas com Le Corbusier e Walter Gropius (tem uma foto de fazer estudante de arquitetura lamber os beiços: Costa, Gropius, Corbusier e mais alguns luminares discutindo em um Rascunho do Plano Piloto restaurante - em Paris!); dos originais do projeto do prédio brasileiro na Exposição Internacional de 1939 ao memorial descritivo de Brasília completo, incluindo rascunhos – onde se pode ver que a idéia inicial do Plano Piloto foi um banal X, uma cruz, a maneira mais óbvia de se marcar um terreno, nada a ver com aquele papo de forma de um avião que os professores empurravam para cima da gente na escola. E mais, móveis criados nas horas vagas: uma poltrona que depois veio a ser vendida na Oca, loja de Sérgio Rodrigues, ao lado da célebre poltrona mole e desta cadeira; pareceres sobre questões urbanísticas e até uma brilhante solução para desobstruir o trânsito. Talvez a peça mais preciosa seja um raro storyboard para filme mudo, legendado em francês e que nunca chegou às mãos de quem lücio pretendia que filmasse - Charles Chaplin.
Coincidentemente – ou não – uma exposição fotográfica da obra de Oscar Niemeyer foi agendada para outro espaço do Paço Imperial, simultaneamente à obra de Lúcio Costa. E quem quiser que enxergue significados esotéricos no fato da mostra de Niemeyer ter ocupado um antigo aposento de criados, enquanto a de Costa, entre outros cômodos do segundo andar, tomou a sala onde foi assinada a Lei Áurea.


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 26/3/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Wilhelm Reich, éter, deus e o diabo (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
02. A poesia de pedra de Beatriz Luz de Jardel Dias Cavalcanti
03. Literatura e infância de Pilar Fazito
04. Sobre o Digestivo, minhas colunas e nossa história de Lucas Rodrigues Pires
05. Internet 10 anos - 1995 de Julio Daio Borges


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2002
01. Coisas nossas - 23/4/2002
02. Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa - 25/6/2002
03. Ar do palco, ou o xadrez nos tempos da Guerra Fria - 16/4/2002
04. Quando éramos reis, bispos, cavalos... - 9/4/2002
05. Quebrar pratos com Afrodite - 14/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/3/2002
13h16min
Rafael Ouvi não sei onde e gostaria de confirmar. Lucio teria previsto no seu projeto áreas específicas para o proletariado (algo assim como favelas urbanizadas!). Sua idéia teria sido vetada por "socialistas utópicos"(atualmente todos), poderosos na época. Moral da história: as famosas cidades satélites poderiam não ser o q são se tivessem seguido o projeto original do criador. "Se non e vero é bene trovato!", não?
[Leia outros Comentários de pedroservio]
26/3/2002
14h02min
Pedro, em um dos muitos documentos da mostra existe uma declaração do Lucio Costa exatamente sobre esse espaço reservado para o proletariado. Não há na exposição, que eu me lembre, nenhuma informação sobre que fim teria levado essa idéia, ou como ela teria sido abortada. Pessoalmente, acho que mesmo que as tais "áreas específicias" saíssem do papel, isso não impediria o surgimento nem o crescimento das cidades satélites de Brasília.
[Leia outros Comentários de Rafael Lima]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONFLITOS E EMOÇÕES - CONQUISTE O BEM-ESTAR
MARIA INÊS FELIPPE
QUALITYMARK
(1997)
R$ 32,00



O MULATO
ALUÍSIO AZEVEDO
ÁTICA
(1981)
R$ 5,00



O LEOPARDO
TOMASI DI LAMPEDUSA
DIFUSÃO EUROPÉIA
(1960)
R$ 22,44



DIVIRTA-SE SAIBA TORNAR SEU AMBIENTE DE TRABALHO AGRADÁVEL E DIVERTIDO
DAVE HEMSATH & LESLIE YERKES
FUTURA
(1998)
R$ 7,50



DIREITO E INTERNET
LILIANA MINARDI PAESANI
ATLAS
(2008)
R$ 35,90



PSICOLOGIA INDUSTRIAL I
JOSEPH TIFFIN ERNEST J. MCCORMICK
HERDER
(1969)
R$ 12,00



PALAVRAS DE UM DIA E DE OUTRO
ALOYSIO DE CASTRO
MONTEIRO LOBATO
(1922)
R$ 29,40



PRINCÍPIOS DE ANÁLISE E PROJETO BASEADOS EM OBJETOS
JAMES MARTINS
CAMPUS
(1994)
R$ 30,00



ANTROPOFAGIA: PALIMPSESTO SELVAGEM
BEATRIZ AZEVEDO
SESI-SP
(2018)
R$ 49,89



O DESPERTAR DA GUILLENT
JULIANA VELONESSI
NETBOOKS
(2012)
R$ 15,71





busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês