A beleza nervosa da avenida Paulista | Rodrigo Herrero | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
>>> Viagem Fantástica II - Rumo ao Cérebro de Isaac Asimov pela Best Seller (1987)
>>> Tpm Número 57 Maio 2009 de Caetano Veloso pela Trip (2009)
>>> Incorporações Imobiliárias de J. Nascimento Franco/ Nisske Gondo pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> Cavalo-Marinho no Céu de Edmund Cooper pela Hemus
>>> Suspensão de Liminares e Sentenças Contrárias ao Poder Público de Elton Venturi pela Revista dos Tribunais (2019)
>>> Revista Trip número 184 de Lyoto Machida pela Trip (2009)
>>> Revista Trip número 132 de Melaine, 21, o primeiro ensaio de uma trip girl na cadeia pela Trip (2005)
>>> A Casa do Penhasco de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1996)
>>> A Brasileira de Prazins de Camilo Castelo Branco pela Nova Fronteira (1995)
>>> Seitas e Novos Movimentos Religiosos de Coleção Quinta Conferência pela Paulus (2006)
>>> O Dia da Sua Morte de Neimar de Barros pela Shalom (1987)
>>> A Interpretação Sistemática do Direito de Juarez Freitas pela Malheiros (2002)
>>> Tiras de Letra de Diversos pela Virgo (2003)
>>> O Guia dos Curiosos de Marcelo Duarte pela Cia das letras (2001)
>>> Ensaio sobre a Cegueira de José Saramago pela Cia. das Letras (1998)
>>> Quebrando o Código da Vinci de Darrell L. Bock, Ph.D. pela Novo século (2004)
>>> O Caso dos Irmãos Naves de João Alamy Filho pela Círculo do livro (1978)
>>> Hercólubus ou Planeta Vermelho de V. M. Rabolú pela Milenium Edições do Brasil (2003)
>>> Anjo da Morte de Pedro Bandeira pela Moderna (1996)
>>> História Social da Criança e da Família de Philippe Ariès pela Guanabara (1973)
>>> Homo Loquens - O Homem como Animal Falante de Dennis Fry pela Zahar (1977)
>>> Homem Total e Parapsicologia de Albino Aresi pela Albino Aresi (1982)
>>> Ilusões - As Aventuras de um Messias Indeciso de Richard Bach pela Record (1977)
>>> Buddha de Ordem do Graal na Terra pela Círculo do livro (2002)
>>> Você verdadeiramente nasceu de Novo da Água e do Espírito? de Paul C. Jong pela Hefzibá (2002)
>>> Trip número 139 de Danielli Freitas pela Trip (2005)
>>> 500 Perguntas sobre Sexo de Laura Muller e Nélson Vitiello pela Objetiva (2002)
>>> Direito Eleitoral Brasileiro:... (acompanha Cd) de Thales Tácito Pontes Luz de Pádua Cerqueira pela Del Rey/ Belo Horizonte (2004)
>>> Iniciação à Sociologia de Nelson Dacio Tomazi pela Atual (1993)
>>> Memórias do Armandinho Do Bixiga de Depoimento a Júlio Moreno pela Senac de SP./ SP. (1996)
>>> Convite a filosofia de Marilena Chauí pela Ática (1998)
COLUNAS

Segunda-feira, 28/4/2008
A beleza nervosa da avenida Paulista
Rodrigo Herrero

+ de 2900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Gente, muita gente. Essa é a visão que fica quando caminhamos pela avenida Paulista, o centro financeiro (e nervoso) de São Paulo. Principalmente quando se passa em suas calçadas por volta das seis da tarde, horário em que todos os trabalhadores se esvaem como água da chuva para os coletivos, ônibus fretados e metrô. De forma apressada, dos engravatados aos de roupa comum, andam com pressa. O olhar no relógio, seja o de pulso ou dos que estão espalhados pela avenida, confere a tensão desejosa de chegar em um instante em casa.

Caminhar pela Paulista de dia é interessante, pois, com mais calma, é possível perceber o céu azul escondido pelos arranha-céus, o andar mais tranqüilo de um horário como dez da manhã, por exemplo. O número de carros nas pistas é menor, a corrida desenfreada dá lugar a um meio-termo um tanto esquisito para a capital do estado. Mas é só passar por esses mesmos lugares às oito da manhã ou no fim do dia para perceber que o cenário provocou uma metamorfose absurda: buzinas, faróis altos, corre-corre, engarrafamento, gente demais para poucas calçadas.

Um caso à parte que provoca o caos no trânsito são os ônibus fretados. Coisa de metrópole de um lugar ainda não desenvolvido plenamente, mesmo que grite por isso com urgência. Muitos dos empregados moram em locais distantes do centro, seja ele geográfico (praça da Sé, por exemplo), seja econômico (Paulista ou a emergente Berrini). E para evitar o desconforto de várias conduções, o suor, o empurra-empurra, ou mesmo a falta de transporte até o local do trabalho, diversas empresas fazem contrato com locadoras de ônibus de viagem para fazer uma verdadeira via crucis, de um ponto extremo da cidade até outro. Eu mesmo, quando vivia na região de Itaquera, Zona Leste, e trabalhava em Alphaville, em Barueri (outro município, situado à oeste da cidade), utilizava desse meio de transporte. Podia dormir durante o trânsito. Em outro caso, estaria num metrô, num trem, com o dobro do tempo gasto, sem a menor condição de chegar inteiro e descansado para trabalhar. Era mais fácil chegar estressado e nem um pouco a fim de trabalhar.

Mas voltando à Paulista e a o que esses ônibus causam, o fluxo de veículos na avenida aumenta estrondosamente. E é engraçado ver as pessoas correndo, o motorista buzinando para a mulher que sai esbaforida do prédio, para o homem que está no bar olhando as moças bonitas que passam. Ao mesmo tempo, na estação Brigadeiro do metrô, próximo do início da avenida, a multidão convive entre desvios, "licença", e empurrões, com o vendedor de milho, o garoto que entrega folheto, o outro que vende bolsas, os homens que tomam no bar uma cerveja para esquecer o dia difícil de trabalho. Sem falar nas obras que a prefeitura tem feito para melhorar o acesso, mas que tem dificultado aos montes quem passa todos os dias pelo local. Verdadeiras barricadas foram colocadas, com grades de madeira, fazendo trilhas indicativas de onde se pode andar. É preciso atenção para não trombar com os outros e paciência para andar numa quase fila indiana, um atrás do outro pelo espaço aberto entre tais barreiras.

Mais pra frente, na região da estação Trianon-Masp, o clima é mais executivo. Até as pessoas aparentam estar mais arrumadas. Há menos ambulantes, porém, mais mendigos, com espaço para pedir uma esmola a quem possa dar. Até os edifícios ganham outra conotação, a maioria dos bancos grandes (não só agências) fica nesse pedaço da avenida. Já na região da estação Consolação o tumulto retorna, com pontos de ônibus apinhados e calçadas lotadas. Mesmo assim é possível pintar cenários de beleza. Claro, entendendo o contexto de uma metrópole desorganizada e chamativa, justamente por seu jeito maluco de existir.

E o mais estranho, mas também simbólico, é que a Paulista se encerra com o último prédio da parte transitável mais alta da cidade, que é a região onde está localizada a avenida, com seus 700 metros de altura. E não podia terminar de outra forma: o horizonte com o céu apontando para as árvores do tranqüilo bairro do Pacaembu. Sinal do que ela representa: concreto, janelas, luzes, barulho, velocidade. A avenida Paulista é a síntese da cidade: um verdadeiro caos, organizado. Mais pela sensação de bagunça que fica do que por algo ordenado. Porque fica o pensamento: é tudo tão absurdo que não pode ser normal. Mas o que importa é que ela é bonita mesmo assim. Uma beleza própria, típica das grandes capitais, com suas peculiaridades e esquisitices. Talvez por isso mesmo apaixone tanto os paulistanos.

Nota do Editor
Leia também o "Especial SP 450".


Rodrigo Herrero
São Paulo, 28/4/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Porque ela pode, de Bridie Clark de Rafael Rodrigues
02. Caio Fernando Abreu, um perfil de Rafael Rodrigues
03. Ah sim! Apresentar-se... de Alessandro Silva


Mais Rodrigo Herrero
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/4/2008
19h05min
Conceitos de beleza são sempre complicados e discutíveis. Às vezes tenho uma certa impressão que nós, paulistanos, forçamos um pouco a barra para ver beleza onde ela não existe. Não sei, parece algo ligado a um certo instinto de sobrevivência, algo para não nos deixar enlouquecer neste caos. Acho a Avenida Paulista um dos lugares mais interessantes e atraentes da cidade, com todas essas nuances antropológicas comentadas pelo Rodrigo, mas beleza mesmo, pra mim, é outra coisa. Ela até tem belos pontos, como o Parque Trianon e o MASP, mas, no geral, é um aglomerado de prédios desarmonicamente dispostos, poluição em muitas de suas formas e desrespeito de todos os tipos. E o pior é que a Paulista é um oásis neste deserto de miséria em que vivemos. Mas, no fim de tudo, é justamente essa feiúra que me fascina na minha cidade. Cidade pela qual tenho uma verdadeira e doentia relação de amor e ódio.
[Leia outros Comentários de Fernando Lima]
5/5/2008
13h28min
Eu sou um carioca que amo a Avenida Paulista. É meu centro de referência sempre que vou a SP. É de lá que costumo partir pra tudo. Sem passar pela Paulista me perco, fico sem referencial na cidade. Amo tanto que escolhi uma livraria da Paulista (a Cultura do Conjunto Nacional) pra lançar meu livro "Albatroz, o encontro das tribos", no dia 6 de junho, embora quase todos tenham me recomendado a Livraria da Vila (que teria mais a ver com o tema do livro, o movimento hippie na Califórnia). Mas sei lá! Me sinto melhor na Paulista. Como insinua o texto do Rodrigo: há um mistério! Que, pra mim, envolve prazer, grandiosidade, gente legal e... acolhimento.
[Leia outros Comentários de Joel Macedo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PRIMEROS PASOS EN PINTURA ARTÍSTICA
JOSÉ PARRAMÓN
PARRAMÓN
(1991)
R$ 40,00



GRUPOS FAMILIARES A EXPLOSÃO DA IGREJA NOS LARES
ALUÍZIO ANTONIO SILVA
O FRUTO DA VIDE
(1995)
R$ 20,00



MODIFICAÇÃO DE COMPORTAMENTO PRINCÍPIOS BÁSICOS 2
R. VANCE HALL
EPU
(1975)
R$ 4,40



FANTASMA
LUIZ ALFREDO GARCIA-ROZA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2012)
R$ 24,00



SERENDIPITY NEW TESTAMENT FOR GROUPS
VÁRIOS AUTORES
ZONDERVAN
(1987)
R$ 40,00



CARTWHEELS IN A SARI: A MEMOIR OF GROWING UP CULT
JAYANTI TAMM
BROADWAY BOOKS
(2010)
R$ 19,82



DIÁRIO DE UM ZUMBI DO MINECRAFT: UM DESAFIO ASSUSTADOR
HEROBRINE BOOKS
SEXTANTE
(2015)
R$ 23,86



LIVRO DIDÁTICO EM DEBATE
SUZANNA NEVES FERREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



THE LAST DAYS OF NEWGATE (A PYKE MYSTERY)
ANDREW PEPPER
PHOENIX
(2011)
R$ 19,82



TE CUIDA! GUIA PARA UMA VIDA SAUDÁVEL
DR CLÁUDIO DOMÊNICO
CASA DA PALAVRA
(2012)
R$ 39,00
+ frete grátis





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês