Obrigada, daktaris | Adriana Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Meu beijo gay
>>> A história de Rogério Xavier e da SPX (2023)
>>> Waldstein por Andsnes
>>> Festival de Inverno Ouro Preto
>>> Para gostar de ler
>>> Dos livros que li
>>> O legado de Graciliano Ramos
>>> Mané, Mané
>>> Ele é o Rei
>>> Corpos
Mais Recentes
>>> A arquitectura do universo de Robert Jastrow pela Edições 70 (1971)
>>> Conselho De Amiga de Siobhan Vivian pela Novo Conceito (2012)
>>> As Quatro Leis da Multiplicação Financeira de Arão Henrique Xavier pela Ministerio Prospere (2008)
>>> Focus 2 de Sue Kay, Vaughan Jones, Daniel Brayshaw pela Pearson (2021)
>>> Arcanos e Mitos Herméticos de Vera Facciollo pela Do autor (2006)
>>> Psicologia e Educação de Anna Maria Baeta pela Forma & Ação (2006)
>>> O giz vermelho de Iris Van Der Heide pela Martins Fontes (2006)
>>> Titi E Tati Um Dia Na Escola de Claudia Lins pela Mundo Leitura (2022)
>>> Idéias - Como Usá-las Para Renovar Seus Negócios, Sua Carreira E... de Joey Reiman pela Futura (2004)
>>> O Jardim Das Aflicoes de Olavo De Carvalho pela Vide editorial (2019)
>>> Tecendo A Cidadania de Vera Maria Candau pela Vozes (1995)
>>> Kalki de Gore Vidal pela Rocco (2000)
>>> Tem um monstro no meu jardim de Janaina Tokitaka pela Cata Sonho (2011)
>>> Seu Futuro Astrológico de Linda Goodman pela Record (1993)
>>> The Beautiful and Damned - Penguin Classics (Capa Dura) de F. Scott Fitzgerald pela Penguin Classics (2010)
>>> Washington D.C de Gore Vidal pela Rocco (1993)
>>> Memoria De Mis Putas Tristes de Gabriel García Márquez pela Sudamericana (2004)
>>> Documentário: Contribuilçao à Memória da Comunidade Judaica Brasileira de Samuel Malamud pela Imago (1992)
>>> Cachinhos de Ouro de Robert Southey pela Ftd (2013)
>>> Documentário: Contribuilçao à Memória da Comunidade Judaica Brasileira de Samuel Malamud pela Imago (1992)
>>> O Lobo De Wall Street de Jordan Belfort pela Planeta (2008)
>>> Juliano de Gore Vidal pela Rocco (1986)
>>> Sapo Comilão de Fernando Vilela pela Dcl (2012)
>>> Eu E Você No Fim Do Mundo de Siobhan Vivian pela Intrinseca (2017)
>>> Transitos Astrologicos - Um Caminho Para O Autoconhecimento de Nezilda Passos pela Roca (1994)
COLUNAS >>> Especial 2000 Colunas

Quinta-feira, 30/11/2006
Obrigada, daktaris
Adriana Carvalho
+ de 5200 Acessos
+ 9 Comentário(s)

Quando eu tinha uns catorze anos, eu queria ser veterinária. Depois abandonei a idéia porque percebi que meu negócio não era dar injeção em poodle, embora minha mãe me chamasse de "São Francisco" por levar para casa todos os gatos e cachorros estropiados que encontrava na rua. Eu queria era ir para a África defender os rinocerontes como o Daktari, o veterinário de uma série de TV que passava no século passado.

Alguns anos depois desisti desse projeto e decidi que seria escritora. Gostava de ler e às vezes passava dias trancada no quarto com os livros. Foi assim que devorei alguns poucos clássicos, como O morro dos ventos uivantes - que tinha uma palavra que eu achava muito engraçada (charneca) e uma passagem chocante para uma defensora dos animais em que alguém matava toda uma ninhada de gatinhos recém-nascidos - e uma montanha de volumes da Agatha Christie e do Sherlock Holmes.

Uma vez meu pai me deixou de castigo, nem lembro o motivo, e eu, como qualquer adolescente petulante, falei "não tô nem aí" e me diverti mesmo sem poder sair de casa, escrevendo uma história sobre uma churrascaria onde os garçons se aproximavam dos clientes com aqueles espetos cheios de carne num crescendo de suspense ao som da música do Tubarão.

Meu gosto por leitura me rendeu na rua onde morava o apelido de "esquisita". Acho que era mesmo, porque ao invés de chorar nas cenas de romance no cinema eu segurava as lágrimas na cena que a biblioteca pega fogo em O nome da rosa e ficava catatônica diante da fogueira de livros em Fahrenheit 451.

Quando chegou perto da época do vestibular, eu comecei a pensar: não tem faculdade de escritor, então o que é que eu posso fazer? Jornalismo foi a resposta. Entrei na universidade e, com exceção das aulas de alguns poucos professores, tinha a clara impressão de estar comprando meu diploma a prazo.

Aprendi a profissão na prática e aos poucos fui solidificando na minha mente que ser escritora era uma idéia tola da puberdade. Afinal, quem é que vive de literatura no Brasil e outros chavões do tipo? O tempo passou e o motivo inicial de ter ingressado no jornalismo ficou lá, amarelando, no fundo da cabeça. Fui me apaixonando pela profissão, embora ao mesmo tempo torcesse o nariz para muitos veículos nos quais trabalhei.

Até que um dia eu fui ao médico, ou melhor, médica. Foi a primeira consulta com a santa Dra. Fátima, minha homeopata, que hoje é médica de toda a minha família. Como se sabe, os homeopatas fazem muitas perguntas na primeira consulta, e entre elas a Dra. Fátima me perguntou qual era minha profissão e por que eu a havia escolhido.

Eu respondi que era jornalista e expliquei com um sorriso meio envergonhado: "imagina só que bobagem, comecei nisso porque queria ser escritora". E ela, séria, contestou: "bobagem por quê?". Ora, bobagem porque ninguém vive de literatura neste país e tudo mais. "E o que te impede de trabalhar e nas horas livres escrever o que tem vontade?", perguntou ela. Fiquei sem resposta.

E foi aí que percebi que não precisava ser o Gabriel García Márquez (quem dera!) para escrever ou para sobreviver. Podia ser eu mesma, com meus pequenos contos, minhas crônicas, no tempo (curto, é certo) de que disponho. Mesmo com essa iluminação, eu, capricorniana teimosa, ainda desconfiei. Era uma opinião médica, mas será que era verdade mesmo?

Ainda se passaram mais um par de anos e eu comecei a fazer terapia. E não é que repito com o santo e paciente Waldemar quase que literalmente o mesmo diálogo que tive com a homeopata? "Por quê não escrever?".

Vencida a teimosia, comecei a resgatar os velhos cadernos onde escrevia a mão os meus contos, soprei a poeira das páginas do livreto onde anotava frases interessantes que ouvia na rua, idéias que pretendia encaixar um dia em algum texto. Ensaiei alguns parágrafos novos, desta vez no computador.

Aí veio a segunda iluminação: a internet! Santas editoras, Batman! Então não era preciso necessariamente publicar um livro pra ver os textos divulgados, e ainda dava pra ler muita coisa boa de outros com a mesma paixão que eu!

Fucei sites brasileiros e portugueses de literatura e um dia uma amiga me indicou o Digestivo Cultural. Um amigo dela, que mora em Londres, já escrevia e adorava participar. Vasculhei de alto a baixo e, alguns dias depois, escrevi um texto sobre os produtos absurdos lançados para a Copa do Mundo.

Desde então conheci muita gente legal, mesmo sem nunca ter encontrado pessoalmente. Coisas de internet.

Sempre acho muita coisa boa pra ler, como o ensaio do Irineu Franco Perpetuo (que foi colega de faculdade) publicado recentemente, as entrevistas, as colunas. Até já viajei pelo Digestivo, o que foi uma delícia: um fim de semana em uma cidade linda nas montanhas, ouvindo boa música.

Tento me disciplinar para escrever mais e com mais freqüência, porque me faz um bem danado. Preciso também despistar muito o senhor Superego, que fica censurando o que escrevo, dizendo que é tudo clichê ou que um bom cristão não escreveria isso (e eu nem sou católica).

Enfim, só tenho que agradecer ao Digestivo pela experiência que estou tendo e aos meus daktaris (palavra que quer dizer "doutor" em um dialeto africano) por me ajudarem a resgatar um ideal que eu julgava morto. Daktaris porque afinal, embora eu pertença ao gênero humano, não deixo de ser um animal; e esquisito, ainda por cima.


Adriana Carvalho
São Paulo, 30/11/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A geração que salvou Hollywood de Gian Danton
02. WikiLeaks, o melhor de 2010 de Vicente Escudero
03. Mulher no comando do país! E agora? de Débora Carvalho
04. Digestivo Cultural: 10 anos de autenticidade de Wellington Machado
05. O romance policial e picaresco de Denis Johnson de Luiz Rebinski Junior


Mais Adriana Carvalho
Mais Acessadas de Adriana Carvalho
01. Trabalhar e cantar - 10/1/2008
02. Meta-universo - 16/8/2007
03. Minhas caixas de bombons - 14/6/2007
04. Esses romanos são loucos! - 22/3/2007
05. Práticas inconfessáveis de jornalismo - 12/7/2007


Mais Especial 2000 Colunas
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/11/2006
11h29min
Adriana, nem sei como conheci o Digestivo, realmente, coisas da internet. Tenho grande admiração e respeito por todos vocês, colunistas, colaboradores, enfim, os escritores do Digestivo. Abraços. P.S.: eu também era chamada de esquisita (risos) e acabei fazendo publicidade...
[Leia outros Comentários de Renata Linhares]
29/11/2006
14h33min
Adriana querida, concordo contigo que, de fato, não é preciso necessariamente publicar um livro pra ver nossos textos divulgados, MAS acho que o escritor só sente realmente realizado quando vê seus textos/livros publicados no mundo real.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
29/11/2006
14h51min
Com certeza, Janethe, ter um livro publicado é o sonho de qualquer autor! Mas no meu texto eu quis mostrar que eu mesma semprei coloquei meu ideal de escrever tão lá no alto do armário (achando que precisava só viver disso e publicar) que não percebia que podia começar a escrever e a me relacionar com os leitores de outras formas, como nesse espaço delicioso que é o Digestivo.
[Leia outros Comentários de Adriana Carvalho]
4/12/2006
22h50min
Adriana, quase me reconheci no seu texto. Só sei que não sou eu, pois escolhi Letras. Mas apesar da faculdade, escrevo poesias, crônicas e muita, mas muita bobagem... Muito bom seu texto. Abraços.
[Leia outros Comentários de Deisi Giacomazzi]
6/12/2006
13h23min
Gostei, Adriana. Você fez um texto leve e gostoso de ler. Conseguiu sintetizar grande parte de sua vida em poucas palavras. Você é realmente uma ESCRITORA!
[Leia outros Comentários de Nilmar]
20/12/2006
13h31min
Gostei muito do teu relato. Acho que nasceu mesmo pra ser escritora, rs. Nos faz vivenciar tudo o que passa, se expressa muitíssimo bem. E as propagandas... fantásticas, rs. Digo isso pq escreveu do Digestivo, exatamente o que eu achei dele qdo o conhecí! Parabéns.
[Leia outros Comentários de Míriam]
22/12/2006
21h36min
Muito legal seu texto, Adriana. Até os nossos grandes escritores praticavam sua arte nas horas vagas (lembra de Drummond, Machado, e tantos outros?). O importante é, quando se descobre o que se gosta de fazer e nos faz feliz, não desistir. Seus daktaris estavam certíssimos. Ótima receita. Aliás, seu texto me ajudou a continuar perseguindo o meu sonho. Obrigada.
[Leia outros Comentários de Cristine]
1/1/2007
10h13min
Vou mandar esse teu texto pruma irmã minha. Esquisitices à parte, ela teve seu momento Daktari, mas acho que era uma outra fixação televisiva dela, não lembro qual. De todo modo, ela devorou feito traça todos (acho) os livros da diminuta blblioteca dum Centro Social que ficava em frente à sua casa. Era só ter o trabalho de atravessar a rua. O horror! O horror! pra ela eram os trocentos e grossos livros de Serviço Social e Manuais de Psicologia (7 coleções do primeiro e nãoseiquantas do segundo) da vetusta biblioteca de nossa tia. Agatha Christie, Sherlock Holmes, Harold Robbins, Sidney Sheldon, Morris West dormiam junto com ela, junto com os ralhos da tia e da avó. Hoje ela continua uma traça de biblioteca com o gosto, digamos, mais apurado. Talvez teu texto dê um empurrãozinho para além da vontade de simplesmente a atravessar a rua. Eu também tive meu Daktari, mas era algo mais profundo... Me via um Capitão Lee decifrando os mistérios humanos e não tão humanos...
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
11/1/2007
14h09min
Momento Daktari é ótimo! Já quis até ser astronauta por causa dos infames seriados americanos, ou investigadora no Havaí, salva-vidas numa ensolarada praia da Flórida e até morar no Village e ter mais uns cinco amigos pra dividir o apartamento... mas a literatura me salvou! Leio compulsivamente e de tudo um pouco o que me faz uma especialista em...coisa nenhuma! Já fui rata de biblioteca e sou conhecida como Rose, a Traça, rs... Agora q conheci esse site (através de meu irmão), pretendo escarafunchá-lo de cabo a rabo para conhecer mais gente "esquisita" como você, Adriana! Um abraço.
[Leia outros Comentários de Rose Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Masters of cinema
Steven Spielberg
Cahiers du cinema
(2007)



Livro Esoterismo Feng Shui para Harmonizar Seu Lar a Sua Vida
Pier Campadello
Madras
(1998)



Crônicas de um Intercessor
Paulo Lima
Jocum
(2018)



Livro de Bolso Religião Pílulas de Confiança
Andrei Moreira
Ame



A Filosofia Na Era Trágica Dos Gregos
Friedrich Nietzsche
L&Pm Pocket
(2012)



Morte Dos Reis 06
Bernard Cornwell
Record
(2015)



El Lenguaje Corporal del Niño Preescolar
Perla Jaritonsky Carlos Gianni
Ricordi
(1978)



A Menina Que Brincava Com Fogo
Nd
Companhia das Letras
(2009)



A física e os livros
Wagner Wuo
Fapesp
(2000)
+ frete grátis



O país dos petralhas - 2vols
Reinaldo Azevedo
Record
(2008)





busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês