Obrigada, daktaris | Adriana Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
29267 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial 2000 Colunas

Quinta-feira, 30/11/2006
Obrigada, daktaris
Adriana Carvalho

+ de 4000 Acessos
+ 9 Comentário(s)

Quando eu tinha uns catorze anos, eu queria ser veterinária. Depois abandonei a idéia porque percebi que meu negócio não era dar injeção em poodle, embora minha mãe me chamasse de "São Francisco" por levar para casa todos os gatos e cachorros estropiados que encontrava na rua. Eu queria era ir para a África defender os rinocerontes como o Daktari, o veterinário de uma série de TV que passava no século passado.

Alguns anos depois desisti desse projeto e decidi que seria escritora. Gostava de ler e às vezes passava dias trancada no quarto com os livros. Foi assim que devorei alguns poucos clássicos, como O morro dos ventos uivantes - que tinha uma palavra que eu achava muito engraçada (charneca) e uma passagem chocante para uma defensora dos animais em que alguém matava toda uma ninhada de gatinhos recém-nascidos - e uma montanha de volumes da Agatha Christie e do Sherlock Holmes.

Uma vez meu pai me deixou de castigo, nem lembro o motivo, e eu, como qualquer adolescente petulante, falei "não tô nem aí" e me diverti mesmo sem poder sair de casa, escrevendo uma história sobre uma churrascaria onde os garçons se aproximavam dos clientes com aqueles espetos cheios de carne num crescendo de suspense ao som da música do Tubarão.

Meu gosto por leitura me rendeu na rua onde morava o apelido de "esquisita". Acho que era mesmo, porque ao invés de chorar nas cenas de romance no cinema eu segurava as lágrimas na cena que a biblioteca pega fogo em O nome da rosa e ficava catatônica diante da fogueira de livros em Fahrenheit 451.

Quando chegou perto da época do vestibular, eu comecei a pensar: não tem faculdade de escritor, então o que é que eu posso fazer? Jornalismo foi a resposta. Entrei na universidade e, com exceção das aulas de alguns poucos professores, tinha a clara impressão de estar comprando meu diploma a prazo.

Aprendi a profissão na prática e aos poucos fui solidificando na minha mente que ser escritora era uma idéia tola da puberdade. Afinal, quem é que vive de literatura no Brasil e outros chavões do tipo? O tempo passou e o motivo inicial de ter ingressado no jornalismo ficou lá, amarelando, no fundo da cabeça. Fui me apaixonando pela profissão, embora ao mesmo tempo torcesse o nariz para muitos veículos nos quais trabalhei.

Até que um dia eu fui ao médico, ou melhor, médica. Foi a primeira consulta com a santa Dra. Fátima, minha homeopata, que hoje é médica de toda a minha família. Como se sabe, os homeopatas fazem muitas perguntas na primeira consulta, e entre elas a Dra. Fátima me perguntou qual era minha profissão e por que eu a havia escolhido.

Eu respondi que era jornalista e expliquei com um sorriso meio envergonhado: "imagina só que bobagem, comecei nisso porque queria ser escritora". E ela, séria, contestou: "bobagem por quê?". Ora, bobagem porque ninguém vive de literatura neste país e tudo mais. "E o que te impede de trabalhar e nas horas livres escrever o que tem vontade?", perguntou ela. Fiquei sem resposta.

E foi aí que percebi que não precisava ser o Gabriel García Márquez (quem dera!) para escrever ou para sobreviver. Podia ser eu mesma, com meus pequenos contos, minhas crônicas, no tempo (curto, é certo) de que disponho. Mesmo com essa iluminação, eu, capricorniana teimosa, ainda desconfiei. Era uma opinião médica, mas será que era verdade mesmo?

Ainda se passaram mais um par de anos e eu comecei a fazer terapia. E não é que repito com o santo e paciente Waldemar quase que literalmente o mesmo diálogo que tive com a homeopata? "Por quê não escrever?".

Vencida a teimosia, comecei a resgatar os velhos cadernos onde escrevia a mão os meus contos, soprei a poeira das páginas do livreto onde anotava frases interessantes que ouvia na rua, idéias que pretendia encaixar um dia em algum texto. Ensaiei alguns parágrafos novos, desta vez no computador.

Aí veio a segunda iluminação: a internet! Santas editoras, Batman! Então não era preciso necessariamente publicar um livro pra ver os textos divulgados, e ainda dava pra ler muita coisa boa de outros com a mesma paixão que eu!

Fucei sites brasileiros e portugueses de literatura e um dia uma amiga me indicou o Digestivo Cultural. Um amigo dela, que mora em Londres, já escrevia e adorava participar. Vasculhei de alto a baixo e, alguns dias depois, escrevi um texto sobre os produtos absurdos lançados para a Copa do Mundo.

Desde então conheci muita gente legal, mesmo sem nunca ter encontrado pessoalmente. Coisas de internet.

Sempre acho muita coisa boa pra ler, como o ensaio do Irineu Franco Perpetuo (que foi colega de faculdade) publicado recentemente, as entrevistas, as colunas. Até já viajei pelo Digestivo, o que foi uma delícia: um fim de semana em uma cidade linda nas montanhas, ouvindo boa música.

Tento me disciplinar para escrever mais e com mais freqüência, porque me faz um bem danado. Preciso também despistar muito o senhor Superego, que fica censurando o que escrevo, dizendo que é tudo clichê ou que um bom cristão não escreveria isso (e eu nem sou católica).

Enfim, só tenho que agradecer ao Digestivo pela experiência que estou tendo e aos meus daktaris (palavra que quer dizer "doutor" em um dialeto africano) por me ajudarem a resgatar um ideal que eu julgava morto. Daktaris porque afinal, embora eu pertença ao gênero humano, não deixo de ser um animal; e esquisito, ainda por cima.


Adriana Carvalho
São Paulo, 30/11/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. E por falar em aposentadoria de Fabio Gomes
02. Os burocratas e a literatura de Celso A. Uequed Pitol
03. A Vida Acontece; ou: A Primeira Vista de Duanne Ribeiro
04. Ainda cheira a espírito adolescente de Luiz Rebinski Junior
05. Fui assaltado de Julio Daio Borges


Mais Adriana Carvalho
Mais Acessadas de Adriana Carvalho
01. Trabalhar e cantar - 10/1/2008
02. Meta-universo - 16/8/2007
03. Minhas caixas de bombons - 14/6/2007
04. Esses romanos são loucos! - 22/3/2007
05. Meditação sobre São Francisco - 19/10/2006


Mais Especial 2000 Colunas
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/11/2006
11h29min
Adriana, nem sei como conheci o Digestivo, realmente, coisas da internet. Tenho grande admiração e respeito por todos vocês, colunistas, colaboradores, enfim, os escritores do Digestivo. Abraços. P.S.: eu também era chamada de esquisita (risos) e acabei fazendo publicidade...
[Leia outros Comentários de Renata Linhares]
29/11/2006
14h33min
Adriana querida, concordo contigo que, de fato, não é preciso necessariamente publicar um livro pra ver nossos textos divulgados, MAS acho que o escritor só sente realmente realizado quando vê seus textos/livros publicados no mundo real.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
29/11/2006
14h51min
Com certeza, Janethe, ter um livro publicado é o sonho de qualquer autor! Mas no meu texto eu quis mostrar que eu mesma semprei coloquei meu ideal de escrever tão lá no alto do armário (achando que precisava só viver disso e publicar) que não percebia que podia começar a escrever e a me relacionar com os leitores de outras formas, como nesse espaço delicioso que é o Digestivo.
[Leia outros Comentários de Adriana Carvalho]
4/12/2006
22h50min
Adriana, quase me reconheci no seu texto. Só sei que não sou eu, pois escolhi Letras. Mas apesar da faculdade, escrevo poesias, crônicas e muita, mas muita bobagem... Muito bom seu texto. Abraços.
[Leia outros Comentários de Deisi Giacomazzi]
6/12/2006
13h23min
Gostei, Adriana. Você fez um texto leve e gostoso de ler. Conseguiu sintetizar grande parte de sua vida em poucas palavras. Você é realmente uma ESCRITORA!
[Leia outros Comentários de Nilmar]
20/12/2006
13h31min
Gostei muito do teu relato. Acho que nasceu mesmo pra ser escritora, rs. Nos faz vivenciar tudo o que passa, se expressa muitíssimo bem. E as propagandas... fantásticas, rs. Digo isso pq escreveu do Digestivo, exatamente o que eu achei dele qdo o conhecí! Parabéns.
[Leia outros Comentários de Míriam]
22/12/2006
21h36min
Muito legal seu texto, Adriana. Até os nossos grandes escritores praticavam sua arte nas horas vagas (lembra de Drummond, Machado, e tantos outros?). O importante é, quando se descobre o que se gosta de fazer e nos faz feliz, não desistir. Seus daktaris estavam certíssimos. Ótima receita. Aliás, seu texto me ajudou a continuar perseguindo o meu sonho. Obrigada.
[Leia outros Comentários de Cristine]
1/1/2007
10h13min
Vou mandar esse teu texto pruma irmã minha. Esquisitices à parte, ela teve seu momento Daktari, mas acho que era uma outra fixação televisiva dela, não lembro qual. De todo modo, ela devorou feito traça todos (acho) os livros da diminuta blblioteca dum Centro Social que ficava em frente à sua casa. Era só ter o trabalho de atravessar a rua. O horror! O horror! pra ela eram os trocentos e grossos livros de Serviço Social e Manuais de Psicologia (7 coleções do primeiro e nãoseiquantas do segundo) da vetusta biblioteca de nossa tia. Agatha Christie, Sherlock Holmes, Harold Robbins, Sidney Sheldon, Morris West dormiam junto com ela, junto com os ralhos da tia e da avó. Hoje ela continua uma traça de biblioteca com o gosto, digamos, mais apurado. Talvez teu texto dê um empurrãozinho para além da vontade de simplesmente a atravessar a rua. Eu também tive meu Daktari, mas era algo mais profundo... Me via um Capitão Lee decifrando os mistérios humanos e não tão humanos...
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
11/1/2007
14h09min
Momento Daktari é ótimo! Já quis até ser astronauta por causa dos infames seriados americanos, ou investigadora no Havaí, salva-vidas numa ensolarada praia da Flórida e até morar no Village e ter mais uns cinco amigos pra dividir o apartamento... mas a literatura me salvou! Leio compulsivamente e de tudo um pouco o que me faz uma especialista em...coisa nenhuma! Já fui rata de biblioteca e sou conhecida como Rose, a Traça, rs... Agora q conheci esse site (através de meu irmão), pretendo escarafunchá-lo de cabo a rabo para conhecer mais gente "esquisita" como você, Adriana! Um abraço.
[Leia outros Comentários de Rose Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PESQUISA DE CONDIÇÕES DE VIDA: CAMPINAS - PRIMEIROS RESULTADOS
NÃO INFORMADO
SEADE
(1995)
R$ 10,00



LIVRE PARA CRESCER - DOCUMENTO FIESP
MARIA HELENA ZOCKUN
CULTURA ASSOCIADOS
(1990)
R$ 10,00



O SEXO ALÉM DA MORTE
R. A. RANIERI
EDIFRATER
(1997)
R$ 20,00



MUSEU DO ESTADO DE PERNAMBUCO
BANCO SAFRA
SAFRA
(2003)
R$ 14,90



HISTÓRIA SUPLEMENTO DE REVISÃO
ALEXANDRE ALVES LETICIA FAGUNDES DE OLIVEIRA
MODERNA PLUS
(2010)
R$ 20,00



VALIENTE MUNDO NUEVO
CARLOS FUENTES
FONDO DE CULTURA ECONOMICA
(1990)
R$ 21,63



LART JAPONAIS 1: LART RELIGIEUX.
ALAIN LEMIERE
FERNAND HAZAN
(1958)
R$ 31,28



EL PAJARO PINTADO
JERZY KOSINSKI
POMAIRE
(1980)
R$ 10,00



A MENOR IMPORTÂNCIA
CÁSSIO ZANATTA
REALEJO
(2016)
R$ 42,00



CORINTHIANS X OUTROS
WASHINGTON OLIVETTO
LEYA
(2009)
R$ 15,00





busca | avançada
29267 visitas/dia
1,1 milhão/mês