Obrigada, daktaris | Adriana Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Breve História do Cinismo Ingênuo
>>> Minha cartomante não curte o Facebook
>>> Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os olhos brancos de Deus
>>> Alívios diamantinos
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Ser intelectual dói
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
Mais Recentes
>>> Cachaça artesanal. Do alambique à mesa de Atenéia Feijó & Engels Maciel pela Senac Nacional (2001)
>>> Pirâmides E Soberanos Do Egito de Sérgio Pereira Couto pela Escala (2015)
>>> O Velho Monge do Castelo de Lauro Trevisan pela Mente (2010)
>>> Dinâmica do Desejo de Frei Carmelo Surian pela Vozes (1982)
>>> Testemunho Sem Medo Como Partilhar sua Fé com Segurança de Bill Bright pela Candeia (1988)
>>> Cachaça. The Authentic Brazilian Drink de Diversos Autores pela Abrabe (2010)
>>> Natal a Humanidade e a Jovialidade de Nosso Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Blitzkrieg 1940 de Ward Rutherford pela Bison (1985)
>>> Cantores do Rádio. A trajetória de Nora Ney e Jorge Goulart e o meio artístico de seu tempo de Alcir Lenharo pela Unicamp (1995)
>>> Titeres y marionetas en alemania de Hans R. Purshke pela Neue Darmstädter Verlagsanstalt Darmstadt (1957)
>>> Aritmética da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Caçadas de Pedrinho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias Diversas de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Emilia no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias de tia Nastácia de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Picapau amarelo de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Só o Amor é Real de Brian Weiss pela Sextante (2012)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Ciranda Cultural (2017)
>>> O clamor do Mundo de Oswaldo Smith pela Vida (2009)
>>> DVD Coleção Mazzaropi Tristeza do Jeca vol. 3 de Direção, Amácio Mazzaropi / Milton Amaral pela Pam filmes (1961)
>>> A Cinco Passos de Você de Rachael Lippincott pela Alt (2019)
>>> O Poço do Visconde de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Peter Pan de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Memórias da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Minotauro de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> História do Mundo para Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Dom Quixote das Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> As Aventuras de Hans Staden de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> A chave do Tamanho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> viagem ao Céu de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Serões de dona Benta de Monteiro Lobato pela Ciranda cultural (2019)
>>> Go Down Together The true Untold story of Bonnie and Clyde de Jeff Guinn pela Simon & Schuster (2009)
>>> Fbi--43--o grande golpe--105--41--67 de Monterrey pela Monterrey
>>> Hh--epopeias de guerra--375--furia e odio--6--160--146--153--158-- 23--141 de Peter kapra pela Monterrey
>>> Rpg--29--anjos e demonios--58--temporada de caça. de Trama pela Trama
>>> Egw--100--call of duty--black ops de Tambor pela Tambor
>>> A Saga dos Cristãos Novos de Joseph Eskenazi Pernidji pela Imago (2005)
>>> Uma Técnica de Viver de Leonard A. Bullen pela Pensamento (1988)
>>> Avaliação de Programas - Concepções e Práticas de Blaine R. Worthen, James R. Sanders e Jody L. Fitzpatrick pela Gente (2004)
>>> Concentração de Mouni Sadhu pela Pensamento (1984)
>>> O Melhor Livro Sobre Nada de Jerry Seinfeld pela Frente (2000)
>>> A República de Platão pela Nova Cultural (2000)
>>> Condenados da Terra de Frantz Fanon pela Edição Popular (1961)
>>> Com Olhos de Criança de Francesco Tonucci pela Instituto Piaget (1988)
>>> Revista Neuro Educação – Nº 4 – Dormir Bem Para Aprender Melhor de Vários Autores pela Segmento (2015)
>>> de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2018)
>>> Revista Ciência & Vida Psique – Ano 1 – Nº 2 – Psicopedagogia Pra Que? de Vários Autores pela Escala
>>> Revista Crescer em Família – Ano 7 – Nº 74 - Primeiro Ano do Bebê de Vários Autores pela Globo (2000)
COLUNAS >>> Especial 2000 Colunas

Quinta-feira, 30/11/2006
Obrigada, daktaris
Adriana Carvalho

+ de 4300 Acessos
+ 9 Comentário(s)

Quando eu tinha uns catorze anos, eu queria ser veterinária. Depois abandonei a idéia porque percebi que meu negócio não era dar injeção em poodle, embora minha mãe me chamasse de "São Francisco" por levar para casa todos os gatos e cachorros estropiados que encontrava na rua. Eu queria era ir para a África defender os rinocerontes como o Daktari, o veterinário de uma série de TV que passava no século passado.

Alguns anos depois desisti desse projeto e decidi que seria escritora. Gostava de ler e às vezes passava dias trancada no quarto com os livros. Foi assim que devorei alguns poucos clássicos, como O morro dos ventos uivantes - que tinha uma palavra que eu achava muito engraçada (charneca) e uma passagem chocante para uma defensora dos animais em que alguém matava toda uma ninhada de gatinhos recém-nascidos - e uma montanha de volumes da Agatha Christie e do Sherlock Holmes.

Uma vez meu pai me deixou de castigo, nem lembro o motivo, e eu, como qualquer adolescente petulante, falei "não tô nem aí" e me diverti mesmo sem poder sair de casa, escrevendo uma história sobre uma churrascaria onde os garçons se aproximavam dos clientes com aqueles espetos cheios de carne num crescendo de suspense ao som da música do Tubarão.

Meu gosto por leitura me rendeu na rua onde morava o apelido de "esquisita". Acho que era mesmo, porque ao invés de chorar nas cenas de romance no cinema eu segurava as lágrimas na cena que a biblioteca pega fogo em O nome da rosa e ficava catatônica diante da fogueira de livros em Fahrenheit 451.

Quando chegou perto da época do vestibular, eu comecei a pensar: não tem faculdade de escritor, então o que é que eu posso fazer? Jornalismo foi a resposta. Entrei na universidade e, com exceção das aulas de alguns poucos professores, tinha a clara impressão de estar comprando meu diploma a prazo.

Aprendi a profissão na prática e aos poucos fui solidificando na minha mente que ser escritora era uma idéia tola da puberdade. Afinal, quem é que vive de literatura no Brasil e outros chavões do tipo? O tempo passou e o motivo inicial de ter ingressado no jornalismo ficou lá, amarelando, no fundo da cabeça. Fui me apaixonando pela profissão, embora ao mesmo tempo torcesse o nariz para muitos veículos nos quais trabalhei.

Até que um dia eu fui ao médico, ou melhor, médica. Foi a primeira consulta com a santa Dra. Fátima, minha homeopata, que hoje é médica de toda a minha família. Como se sabe, os homeopatas fazem muitas perguntas na primeira consulta, e entre elas a Dra. Fátima me perguntou qual era minha profissão e por que eu a havia escolhido.

Eu respondi que era jornalista e expliquei com um sorriso meio envergonhado: "imagina só que bobagem, comecei nisso porque queria ser escritora". E ela, séria, contestou: "bobagem por quê?". Ora, bobagem porque ninguém vive de literatura neste país e tudo mais. "E o que te impede de trabalhar e nas horas livres escrever o que tem vontade?", perguntou ela. Fiquei sem resposta.

E foi aí que percebi que não precisava ser o Gabriel García Márquez (quem dera!) para escrever ou para sobreviver. Podia ser eu mesma, com meus pequenos contos, minhas crônicas, no tempo (curto, é certo) de que disponho. Mesmo com essa iluminação, eu, capricorniana teimosa, ainda desconfiei. Era uma opinião médica, mas será que era verdade mesmo?

Ainda se passaram mais um par de anos e eu comecei a fazer terapia. E não é que repito com o santo e paciente Waldemar quase que literalmente o mesmo diálogo que tive com a homeopata? "Por quê não escrever?".

Vencida a teimosia, comecei a resgatar os velhos cadernos onde escrevia a mão os meus contos, soprei a poeira das páginas do livreto onde anotava frases interessantes que ouvia na rua, idéias que pretendia encaixar um dia em algum texto. Ensaiei alguns parágrafos novos, desta vez no computador.

Aí veio a segunda iluminação: a internet! Santas editoras, Batman! Então não era preciso necessariamente publicar um livro pra ver os textos divulgados, e ainda dava pra ler muita coisa boa de outros com a mesma paixão que eu!

Fucei sites brasileiros e portugueses de literatura e um dia uma amiga me indicou o Digestivo Cultural. Um amigo dela, que mora em Londres, já escrevia e adorava participar. Vasculhei de alto a baixo e, alguns dias depois, escrevi um texto sobre os produtos absurdos lançados para a Copa do Mundo.

Desde então conheci muita gente legal, mesmo sem nunca ter encontrado pessoalmente. Coisas de internet.

Sempre acho muita coisa boa pra ler, como o ensaio do Irineu Franco Perpetuo (que foi colega de faculdade) publicado recentemente, as entrevistas, as colunas. Até já viajei pelo Digestivo, o que foi uma delícia: um fim de semana em uma cidade linda nas montanhas, ouvindo boa música.

Tento me disciplinar para escrever mais e com mais freqüência, porque me faz um bem danado. Preciso também despistar muito o senhor Superego, que fica censurando o que escrevo, dizendo que é tudo clichê ou que um bom cristão não escreveria isso (e eu nem sou católica).

Enfim, só tenho que agradecer ao Digestivo pela experiência que estou tendo e aos meus daktaris (palavra que quer dizer "doutor" em um dialeto africano) por me ajudarem a resgatar um ideal que eu julgava morto. Daktaris porque afinal, embora eu pertença ao gênero humano, não deixo de ser um animal; e esquisito, ainda por cima.


Adriana Carvalho
São Paulo, 30/11/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um estranho chamado Joe Strummer de Celso A. Uequed Pitol
02. Amores, truques e outras versões, de Alex Andrade de Jardel Dias Cavalcanti
03. Contos Gauchescos chega ao cinema de Marcelo Spalding
04. A indigência do rock e a volta dos dinossauros de Diogo Salles
05. Filmes extremos e filmes extremistas de Marcelo Miranda


Mais Adriana Carvalho
Mais Acessadas de Adriana Carvalho
01. Trabalhar e cantar - 10/1/2008
02. Meta-universo - 16/8/2007
03. Minhas caixas de bombons - 14/6/2007
04. Esses romanos são loucos! - 22/3/2007
05. Meditação sobre São Francisco - 19/10/2006


Mais Especial 2000 Colunas
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/11/2006
11h29min
Adriana, nem sei como conheci o Digestivo, realmente, coisas da internet. Tenho grande admiração e respeito por todos vocês, colunistas, colaboradores, enfim, os escritores do Digestivo. Abraços. P.S.: eu também era chamada de esquisita (risos) e acabei fazendo publicidade...
[Leia outros Comentários de Renata Linhares]
29/11/2006
14h33min
Adriana querida, concordo contigo que, de fato, não é preciso necessariamente publicar um livro pra ver nossos textos divulgados, MAS acho que o escritor só sente realmente realizado quando vê seus textos/livros publicados no mundo real.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
29/11/2006
14h51min
Com certeza, Janethe, ter um livro publicado é o sonho de qualquer autor! Mas no meu texto eu quis mostrar que eu mesma semprei coloquei meu ideal de escrever tão lá no alto do armário (achando que precisava só viver disso e publicar) que não percebia que podia começar a escrever e a me relacionar com os leitores de outras formas, como nesse espaço delicioso que é o Digestivo.
[Leia outros Comentários de Adriana Carvalho]
4/12/2006
22h50min
Adriana, quase me reconheci no seu texto. Só sei que não sou eu, pois escolhi Letras. Mas apesar da faculdade, escrevo poesias, crônicas e muita, mas muita bobagem... Muito bom seu texto. Abraços.
[Leia outros Comentários de Deisi Giacomazzi]
6/12/2006
13h23min
Gostei, Adriana. Você fez um texto leve e gostoso de ler. Conseguiu sintetizar grande parte de sua vida em poucas palavras. Você é realmente uma ESCRITORA!
[Leia outros Comentários de Nilmar]
20/12/2006
13h31min
Gostei muito do teu relato. Acho que nasceu mesmo pra ser escritora, rs. Nos faz vivenciar tudo o que passa, se expressa muitíssimo bem. E as propagandas... fantásticas, rs. Digo isso pq escreveu do Digestivo, exatamente o que eu achei dele qdo o conhecí! Parabéns.
[Leia outros Comentários de Míriam]
22/12/2006
21h36min
Muito legal seu texto, Adriana. Até os nossos grandes escritores praticavam sua arte nas horas vagas (lembra de Drummond, Machado, e tantos outros?). O importante é, quando se descobre o que se gosta de fazer e nos faz feliz, não desistir. Seus daktaris estavam certíssimos. Ótima receita. Aliás, seu texto me ajudou a continuar perseguindo o meu sonho. Obrigada.
[Leia outros Comentários de Cristine]
1/1/2007
10h13min
Vou mandar esse teu texto pruma irmã minha. Esquisitices à parte, ela teve seu momento Daktari, mas acho que era uma outra fixação televisiva dela, não lembro qual. De todo modo, ela devorou feito traça todos (acho) os livros da diminuta blblioteca dum Centro Social que ficava em frente à sua casa. Era só ter o trabalho de atravessar a rua. O horror! O horror! pra ela eram os trocentos e grossos livros de Serviço Social e Manuais de Psicologia (7 coleções do primeiro e nãoseiquantas do segundo) da vetusta biblioteca de nossa tia. Agatha Christie, Sherlock Holmes, Harold Robbins, Sidney Sheldon, Morris West dormiam junto com ela, junto com os ralhos da tia e da avó. Hoje ela continua uma traça de biblioteca com o gosto, digamos, mais apurado. Talvez teu texto dê um empurrãozinho para além da vontade de simplesmente a atravessar a rua. Eu também tive meu Daktari, mas era algo mais profundo... Me via um Capitão Lee decifrando os mistérios humanos e não tão humanos...
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
11/1/2007
14h09min
Momento Daktari é ótimo! Já quis até ser astronauta por causa dos infames seriados americanos, ou investigadora no Havaí, salva-vidas numa ensolarada praia da Flórida e até morar no Village e ter mais uns cinco amigos pra dividir o apartamento... mas a literatura me salvou! Leio compulsivamente e de tudo um pouco o que me faz uma especialista em...coisa nenhuma! Já fui rata de biblioteca e sou conhecida como Rose, a Traça, rs... Agora q conheci esse site (através de meu irmão), pretendo escarafunchá-lo de cabo a rabo para conhecer mais gente "esquisita" como você, Adriana! Um abraço.
[Leia outros Comentários de Rose Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A CONSTRUÇÃO DA ESTRUTURA CONCEITUAL DA FÍSICA CLÁSSICA
POLITO, ANTONY M. M.
LIVRARIA DA FÍSICA
(2016)
R$ 50,00



PENSAMENTO ATLÂNTICO, ESTUDOS E ENSAIOS DE PENSAMENTO LUSO-BRASILEIRO
PAULO A. E. BORGES
IMPRENSA NACIONAL
(2002)
R$ 81,58



ARARIBÁ PLUS HISTÓRIA 9º ANO
MARIA RAQUEL APOLINARIO
MODERNA
(2017)
R$ 9,00



AS PARÁBOLAS
IVETE RIBEIRO
VOZES
(1974)
R$ 10,00



CAUSAÇÃO EM PSIQUIATRIA: O ENDOGENO
MARCO AURÉLIO BAGGIO
FOGLIO
(2000)
R$ 5,00



O MAPA DO TESOURO
WALMIR AYALA
FDT
(1988)
R$ 10,00



INTERFACES: LITERATURA, MITO, INCONSCIENTE, COGNIÇÃO
MARIA LUIZA RAMOS
UFMG
(2000)
R$ 33,28



SLANG AND EUPHEMISM: OATHS - CURSES - INSULTS - RACIAL SLURS - SE
RICHARD A. SPEARS
SIGNET
(1981)
R$ 32,28



GUIDE DU MUSÉE RODIN: A L'HÔTEL BIRON
MONIQUE LAURENT
HAZAN
(1992)
R$ 14,00



A ANÁLISE E O ARQUIVO
ELISABETH ROUDINESCO
JORGE ZAHAR
(2006)
R$ 33,00





busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês