Quando se abrem as portas | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> OSC Usina da Imaginação, de SC, apresenta obras de crianças e jovens produzidas na pandemia
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O lado A e o lado B de Durval Discos
>>> Stabat Mater, de Giovanni Battista Pergolesi
>>> Açaí com jabá - curta-metragem
>>> End User: We read the manuals
>>> Vivo
>>> Águas de Março
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
Mais Recentes
>>> O Espetacular Homem-Aranha: Homem-Aranha Nunca Mais! de Stan Lee / John Romita pela Panini Comics (2016)
>>> Imaginários - Volume 1 de Alex Mir pela Draco (2013)
>>> RexMundi : o rio subterrâneo - Livro Dois de Arvid Nelson pela Dark Horse (2008)
>>> Em Chamas - Jogos Vorazes de Suzanne Collins pela Rocco (2011)
>>> A Esperança - Jogos Vorazes de Suzanne Collins pela Rocco (2011)
>>> Livro de receitas para mulheres tristes de Héctor Abad pela Companhia Das Letras (2012)
>>> Bestiarius 1 2 e 3 de Masasumi Kakizaki pela Planet Manga
>>> O labirinto dos ossos 1 de Rick Riordan pela Ática (2009)
>>> Obras Completas de Fiodor Dostoiévski pela José Olympio (1960)
>>> Uma nota errada 2 de Gordon Korman pela Ática (2010)
>>> Dos delitos e das penas de Cesare Beccaria pela Martin Claret (2014)
>>> Não me abandone jamais de Kazuo Ishiguro pela Companhia Das Letras (2016)
>>> O livro dos abraços de Eduardo Galeano pela L&Pm Pocket (2018)
>>> Kyoto de Yasunari Kawabata pela Estação Liberdade (2006)
>>> Minha Luta 1 e 2 de Karl Ove Knausgard pela Companhia Das Letras
>>> Um novo dia para amar de Célia Xavier De Camargo pela Petit (2016)
>>> Nascida à meia-noite de C.C. Hunter pela Jangada (2011)
>>> Levada ao Entardecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> 10 Obras de Machado de Assis pela Edigraf
>>> Super interessante: nazismo-como ele pôde acontecer de Eduardo Szklarz pela Abril (2014)
>>> O livro secreto da maçonaria de Otávio Cohen pela Abril (2015)
>>> Box o Diário da Princesa de Meg Cabot pela Record
>>> Se eu morrer antes de você de Allison Brennan pela Universo Dos Livros (2011)
>>> A ditadura da beleza e a revolução das mulheres de Augusto Cury pela Sextante (2005)
>>> Poemas de alberto caeiro de Fernando Pessoa pela L&Pm Pocket (2015)
COLUNAS

Quinta-feira, 22/4/2010
Quando se abrem as portas
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3300 Acessos
+ 1 Comentário(s)


foto: Sissy Eiko

Num tempo de se discutir educação, aquilo que merece ser ensinado na escola, o que é o conhecimento e como ele pode ser alcançado, eu admiro estas paredes e estes arcos de inspiração greco-romana, esta austeridade escolástica que se esfacela nas propagandas coloridas dos bebedouros. Inclino-me diante das janelas de madeira sólida, toco o puxador de metal trabalhado e, ao apoiar os cotovelos num ato de contemplação, o viaduto Santa Ifigênia se levanta como uma dobradura de um livro que se abre. Há poucos minutos o atravessava e podia observar outros espectadores posicionados onde estou agora, com o conforto da distância que faz dos rostos uma massa indistinta, sem o desafio do tête-à-tête.

As salas de aula, de leitura e os parlatórios são ocupados pelas obras da exposição Arte e religiosidade. É a primeira vez que espaços do Mosteiro e do Colégio de São Bento recebem uma exposição de arte contemporânea. A arte religiosa, abstrata, longe de ser um contraponto complementa os cômodos sem apelar para o óbvio, no entanto se torna obscura diante dos detalhes arquitetônicos que, estes sim, tomam conta de sua própria dimensão.

Subo as escadas apoiando-me no corrimão de madeira gasto, a padronagem geométria do chão vai se alterando a passos largos. A sala de reuniões, de cuja sacada os papas saúdam o povaréu, está aberta à visitação. Flores e frutas incrustadas no teto dão o tom tropical-abrasileirado da decoração. Há uma mesa grande, canapés e cadeiras de madeira estofadas, um piano antigo recostado na parede. O Martinelli nos espia por detrás dos outros prédios do Largo de São Bento, enquanto o Banespa oscila magestosamente a bandeira do Estado de São Paulo. Dali o centro parece uma criança inofensiva, carinhosa até.

Os corredores claros com pé-direito alto convidam meus sentidos a rememorar quantos sóis como o deste sábado matinal já não bateram contra suas paredes e clarearam a passagem dos estudantes e professores, e agora dos meros mortais há muito alfabetizados. Que sensação incerta, entre o vivido e o não vivido, entre o querido e o querer propicia um ambiente escolar ― mesmo que morto, repleto de visitantes curiosos.

A experiência de ter cursado colégios religiosos por vários anos, ouso dizer, propiciou um humanismo e um senso ritualístico imprescindíveis para mim. Seria naquele momento da infância, o da primeira formação, ou nunca mais. As leves arcadas do Liceu Coração de Jesus, sua espetacular igreja (em que eu não me casaria) e todos os mistérios que rondavam a construção centenária e seus padres voltam à tona, como não poderia deixar de ser. Quando se abrem as portas, o tempo já não tem mais aquele viço de pega-pega; preguiçoso, ele se refastela numa busca cega pelos caminhos que o esquecimento confundiu.

Na cantina do Jacaré, a coreana Hanna me disse que não queria rezar. Pois não rezasse. A doçura do padre Milton, o melhor diretor de colégio que já conheci, que passava por todas as salas e caminhava pelas alamedas arborizadas conversando com os alunos. O museu e os bichos empalhados, recantos de descoberta, os diversos pátios e imagens onipresentes de Nossa Senhora e dos santos, o refúgio de orações e contemplação voluntária na terna capelinha subterrânea. Dali haveria uma entrada para o suposto cemitério dos padres? Ao lado, a escadaria de metal que leva ao sino dessa, que é uma das torres mais belas e célebres da cidade, aos poucos se transforma num treme-treme com degraus de madeira. Especulação?

E agora tomba sobre mim um céu de estrelas em descabida geometria: a capela do Colégio de São Bento. Sedes sapientiae Aberta a quem quiser visitá-la, ela perde um pouco de seu ar restrito. Mater divinae gratiae A profusão de vitrais cria tortuosas histórias, enclausura em vez de arejar os horizontes. Simbolismos tomam conta dos sentidos. Rosa mystica Uma serpente abraça o mundo, o cordeiro repousa com olhos meigos, o voo do Espírito Santo. Logo mais estarei de volta aos viadutos do centro da cidade, mergulhada na estiagem, o sagrado coração em chamas. Regina pacis

Desço as escadas e mais uma vez percorro os corredores iluminados. Em minha despedida por esta escola que não frequentei e dificilmente visitarei mais uma vez, retorno aos parlatórios e me encontro refletida no espelho da chapeleira. O círculo que me entorna traça leve, mas obtusa deformidade em meu rosto. Um dia estamos nestes corredores e pátios como alunos, preocupados e imersos em provas, papéis e especulações de um pequeno mundo (não são assim também os outros, os da maioridade?), noutros passamos por lá como eleitores, visitantes, ou para acompanhar a ruína de nossa ausência.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 22/4/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os encontros dos estranhos de Elisa Andrade Buzzo
02. Canadá, de Richard Ford de Celso A. Uequed Pitol
03. Leitura, curadoria e imbecilização de Ana Elisa Ribeiro
04. O romance do 'e se...' de Cassionei Niches Petry
05. Tempo de nebulosas de Elisa Andrade Buzzo


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2010
01. Tempo vida poesia 2/5 - 19/8/2010
02. A arqueologia secreta das coisas - 4/2/2010
03. Sobre jabutis, o amor, a entrega - 2/12/2010
04. Como se enfim flutuasse - 3/6/2010
05. A vida subterrânea que mora em frente - 8/7/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/4/2010
09h26min
A forma como acreditamos em educação nada tem a haver com as diabruras estabelecidas pela juventude, que não respeitam pais, professores, governos e têm a lei de seu lado. Hoje educação é destruir o patrimônio público, é não ser repreendido. E tudo está conforme o estatuto da criança e do adolescente. Uma esculhambação.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Arquitetura Contra o Crime
Marcelo Trevisan Karpinski
Intersaberes
(2016)



Contos de São Paulo
Filippo Garozzo
Cultura
(2004)



Consciência Crítica Diante do Cinema
Luis Espinhal
Lic
(1976)



Getting Started in Batik
Astruth Deyrup
The Bruce Publishing Company
(1971)



Um Certo Dito. Caipira
Elinaldo Meira
Paulus
(2016)



Análise de Balanços ao Alcance de Todos
A Lopes de Sá
Atlas
(1965)



Eu Posso Fazer Você Emagrecer
Paul Mckenna
Sextante
(2012)



Slayers 17
Rui Araizumi
Panini



Evangelho no Lar
Maria T. Compri
Feesp
(1991)



Cadernos do Povo Brasileiro nº 16 (DE QUE morre o nosso Povo?)
Aguinaldo N. Marques
Civilização Brasileira
(1963)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês