Trabalhar e cantar | Adriana Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Festa da Itália em BH
>>> Comentaristas de Seriados
>>> O NAVEGANTE DO TEMPO
>>> Meu amigo Paulo Francis
>>> Grandes Entrevistas do Milênio
>>> 15 de Novembro #digestivo10anos
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
Mais Recentes
>>> Shakti Número 2 - Maio de 1992 de Sri Aurobindo e Outros pela Sociedade Sri Aurobindo Brasil
>>> Hansel and Gretel and the Other Stories By the Brothers Grimm de Brothers Grimm pela Omega (1985)
>>> Momentos de Reflexão ( Com Afirmações de Louise L. Hay) de John Columbus Taylor pela Best Seller
>>> Gonçalves Crespo Poesia de Rolando Morel Pinto pela Agir (1967)
>>> Poemas da Juventude de João Cirino dos Santos pela Do Autor
>>> Gradig-gorm de Martina Selway pela Sesam (1990)
>>> Gossip Girl - Because Im Worth It de Cecily Von Ziegesar pela Bloomsbury
>>> Geomorfologia de Antonio Christofoleti pela Usp (1974)
>>> Das Stranggiessen Von Stahl Von - Stahleisen-schriften de Jobst Thomas Wasmuht pela Stahleisen (1975)
>>> The Knot Little Books of Big Wedding Ideas de Carley Roney pela Potter Style (2014)
>>> Taxi Driver Wisdom de Risa Mickenberg pela Chronicle Books (1996)
>>> O Moderno Conto Brasileiro - Antologia Escolar de Vários Autores pela Civilização Brasileira (1978)
>>> Drogas, Eu Venci! de Fredson Miranda pela Livre Expressão (2011)
>>> Vi Elsker Mere de Christian Kampmann pela Gyldendals Traneboger (1977)
>>> Reflexões Sobre o Exemplo de Nelson Savioli pela Qualitymark (2005)
>>> Unison: a Rede Social do Futuro de Andy Marino pela Jangada (2012)
>>> Caderno Seminal Nº 10 Ano 2001 de Darcilia Simões pela Digraf
>>> Erva Daninha 1 de Agnes Laury pela Edições Paulinas (1986)
>>> O Código Atlântico de Leonardo da Vinci de N/d pela Anubis
>>> Paisagismo e Jardinagem Edição 116 de N/d pela Casa Dois (2012)
>>> Princípios do Evangelho de Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias pela N/d
>>> O Noviço de Martins Pena pela Ediouro (2000)
>>> Solo de Clarineta - Memórias Primeiro Volume de Érico Veríssimo pela Globo (1973)
>>> Rich - the Life of Richard Burton de Melvyn Bragg pela Coronet (1988)
>>> Outras Palavras para o Amor de Lorraine Zago Rosenthal pela Galera Record (2013)
COLUNAS

Quinta-feira, 10/1/2008
Trabalhar e cantar
Adriana Carvalho

+ de 12100 Acessos

Atirei no sofrê
No pendão do milho
Atirei, mas não matei
No pendão do milho

(cantiga das trabalhadoras de Serrinha, Bahia)

Destalar o fumo significa retirar o veio principal da planta, que é aproveitado industrialmente. Hoje há máquinas que fazem esse serviço, mas décadas atrás era nos chamados salões de fumo que os trabalhadores rurais, principalmente mulheres, se reuniam para fazê-lo manualmente. Os movimentos das mãos, cadenciados, se repetiam por horas a fio, muitas vezes invadiam a madrugada. E a única certeza é que no dia seguinte seria tudo igual. E assim também no próximo. E no próximo.

Mas o sertanejo é, antes de tudo, um forte, escreveu Euclides da Cunha. Forte, criativo e solidário. Por meio do canto e do trabalho em mutirão, as destaladeiras de fumo de Arapiraca, em Alagoas, tornavam a lida menos dura.



Também faziam assim as mulheres que trabalhavam na colheita de cacau em Ilhéus e as descacadeiras de mandioca de Barrocas, na Bahia; as plantadeiras de arroz de Propiá, em Sergipe; as fiandeiras de algodão de Francisco Badaró, em Minas Gerais.

E tantas outras, agora já senhoras que trancaram as músicas no baú da memória desde que o patrão ligou o rádio no pátio de trabalho, desde que a TV chegou e que as crianças foram deixando de ser embaladas pelas cantigas de suas mães.

O resgate e o registro dessas memórias foi o objetivo do trabalho da musicista Renata Mattar que há mais de dez anos percorre o Brasil visitando comunidades em que havia a cultura de cantar durante o trabalho. O resultado pode ser visto no CD Cantos de Trabalho, lançado pelo selo Sesc, do Sesc de São Paulo e que tem a participação das destaladeiras de fumo de Arapiraca, da Cia. Cabelo de Maria e da cantora Ceumar. O repertório foi apresentado no palco do Sesc Pompéia, no começo de dezembro. "Eu viajava e ia perguntando quem conhecia uma comunidade em que as pessoas cantavam na hora do trabalho. Vi que essa cultura estava se perdendo. Em alguns vilarejos, ficávamos horas, com muito jeito, tentando estimular as mulheres a lembrar das músicas", conta Renata. Mas quando uma puxava o canto, o fio das lembranças ia se desenrolando e as outras adicionavam as vozes.

Em 2003, com o apoio do Ministério do Desenvolvimento Agrário, Renata conseguiu viajar pelo país com mais estrutura para gravar os cantos de trabalho. Focou sua pesquisa nos cantos das mulheres, embora haja também aqueles entoados pelos homens, que ela pretende registrar no futuro. Conheceu 19 comunidades em vários estados do Nordeste, Sudeste e Sul do País. "No Sul, talvez por ser uma região onde a industrialização chegou mais cedo, a cultura dos cantos de trabalho já estava muito descaracterizada. No Nordeste encontramos material mais autêntico. Na Bahia ainda havia algumas casas de farinha muito artesanais, como em São Nicolau, onde encontramos um material fantástico", diz Renata.

Foi durante essas viagens que ela conheceu as mulheres destaladeiras de fumo de Arapiraca. Lá as cantigas estavam mais preservadas por obra do mestre Nelson Rosa, que aos 74 anos é "coordenador de grupos de canto, poeta popular e patrimônio vivo do estado", em suas próprias e justas palavras. Ele as incentiva a continuar cantando e se apresentando na região. Há décadas luta para preservar as tradições locais, como o coco de roda, cantado em outra ocasião em que o trabalho em mutirão se fazia necessário: para bater o chão das casas de taipa. Chegou a dar aulas de coco na escola da região. Uma das alunas, agora com seus 40 anos, apresentou-se com ele e as destaladeiras de fumo no palco do Sesc Pompéia.

Os cantos não têm como único papel amenizar o duro trabalho diário, conforme explica Renata. Unem as comunidades. "Em uma das comunidades que visitamos, um senhor me disse assim: aqui, se um passa fome, todos passam. Se um come, todos comem", diz Renata. Quando cantam, ninguém é mais do que ninguém. "Notei que nas comunidades que utilizam o canto no trabalho uma harmonia maior em relação a outras comunidades. Eles também têm seus problemas e picuinhas humanas, mas mostram uma união maior", diz Renata.

As letras das cantigas falam da lida, mas também têm como temas o amor, a saudade, o sofrer. Algumas são engraçadas. Umas são muito dançantes. Outras embalam como cantigas de roda ou de ninar, tanto que eram também cantadas pelas mães para suas crianças. A maior parte tem poucos versos e melodia curta, repetida muitas vezes, como um mantra.

As mudanças que houve na agropecuária nas últimas décadas, o aumento do uso da tecnologia e a industrialização, são processos inevitáveis, é verdade. Mas a dinâmica de trabalho das mulheres com seus cantos é ainda de uma vanguarda que nenhum grande produtor, empresa ou gestor de recursos humanos teve a capacidade de compreender. Se a cultura do trabalho de mutirão, a música e a espontaneidade estivessem mais presentes na lida contemporânea não seria necessário gastar tanto tempo, dinheiro e saliva com palestras e treinamentos sobre "motivação" e "trabalho em equipe". Repetir o velho e demagógico bordão "nossa empresa é como uma família" também seria dispensável.

Como diz o etnomusicólogo Paulo Dias no livreto do CD Cantos de Trabalho, "o sentido da palavra 'trabalho', nos dias de hoje, parece cada vez mais recuar às origens, à raiz etimológica: 'trabalhar', segundo o Aurélio, vem do latim 'tripaliare - martirizar com o tripaliu (instrumento de tortura)'. É como (...) realizar gestos mecânicos, os mesmos de ontem e anteontem, em ambientes onde a solidariedade entre as pessoas cede lugar à competição por produtividade, com intervalo para a marmita".

Os frutos do trabalho de Renata, por sua vez, têm sido bem mais doces e nutritivos do que o do martírio descrito por Dias. "O interesse de pessoas de fora pelos cantos das comunidades está fazendo com que as crianças e adolescentes valorizem mais sua cultura. Antes eles menosprezavam as senhoras que cantavam essas músicas, hoje já se interessam em aprender as canções", diz Renata, acrescentando que na pequena escola de Arapiraca, hoje os cantos de trabalho são ensinados em sala de aula. É um reconhecimento que, assim como os aplausos da platéia lotada no Sesc Pompéia, as destaladeiras de fumo não esperavam a essa altura da vida. Ao final da apresentação, vou cumprimentar dona Rosália Gomes dos Santos, 63 anos, que trabalhou na roça de fumo desde pequena e é, segundo Renata "um verdadeiro baú de músicas". Ela me abraça como se me conhecesse há muitos anos e não me visse há muito tempo. Enche-me de beijos maternais. "Eu antes olhava um avião passar no céu e dizia que nunca que ia entrar num bicho daqueles. Mas foi como se eu tivesse nascido num avião, não tive medo nenhum. É muito bom viajar e se apresentar", conta ela. Que bom tê-la conosco, para nos embalar com refrões centenários, mesmo já sendo crescidos e em pleno século XXI.

Para ir além
Cantos de Trabalho


Adriana Carvalho
São Paulo, 10/1/2008


Mais Adriana Carvalho
Mais Acessadas de Adriana Carvalho
01. Trabalhar e cantar - 10/1/2008
02. Meta-universo - 16/8/2007
03. Minhas caixas de bombons - 14/6/2007
04. Esses romanos são loucos! - 22/3/2007
05. Meditação sobre São Francisco - 19/10/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Escritos Revolucionarios -Ciencias Politicas
Errico Malatesta
Novos Tempos
(1989)



The Case For Easter: a Journalist Investigates the Evidence
Lee Strobel
Zondervan
(2014)



Uma introdução ao Pert
Federal Eletronic Corporation
Pioneira
(1968)



Brida
Paulo Coelho
Klick
(1990)



Paulo, o Montanhês
Arnaldo Gama
Imprensa Nacional
(1981)



Tráfico de Anjos
Luiz Puntel
Ática
(1992)



Champanhe - edição de bolso
Adriano Aragão
Lge
(2007)



Cinco Dias de Sagração
Cunha de Leiradella
Record
(1993)



A Casa Torta
Agatha Christie
Círculo do Livro



Meu corpo minha casa
Planeta
Planeta
(2021)





busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês