Bienal do Livro em Minas e o acesso à cultura | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 26/5/2008
Bienal do Livro em Minas e o acesso à cultura
Pilar Fazito

+ de 2400 Acessos

É caro. Ainda é muito caro usufruir de bons programas culturais no Brasil. Às vezes esse preço afugenta as pessoas de salas de teatro, de cinema e livrarias, e costumamos a confundir essa proteção do orçamento doméstico com a falta de interesse ou, até mesmo, com um gosto duvidoso da população. Não é bem assim... Quando há bons programas culturais de graça ou a um preço camarada, a massa comparece. O povo também gosta de cultura e isso se vê nas apresentações de música clássica em parques, nos festivais de teatro de rua, nas campanhas de popularização do teatro, nos cinemas em praça pública e em muitas feiras de livros.

Mesmo não sendo tão barato assim, houve quem deixou de emendar o feriadão e partir para o litoral para andar em meio aos livros na capital mineira. É que, de 15 a 25 de maio, ocorreu em Belo Horizonte a primeira Bienal do Livro de Minas e, embora estivesse espremida entre um feriado e um fim-de-semana, a sexta-feira, 23, foi um sucesso de público.

Andar pela Bienal é uma coisa, comprar livros já são, literalmente, outros quinhentos. Ali mesmo foi possível ver que a pechincha faz toda a diferença. Os estandes que mais atraíram o público foram os que ofereceram livros a quatro reais, mega promoções com descontos de até 70%, ou ainda os livros de bolso, que costumam ser bem mais baratos que outras edições. Ainda bem que esses estandes existiram porque, a julgar pela entrada de seis reais mais o estacionamento de sete e o capuccino de cinco no Café Literário, a Bienal, definitivamente, não pode ser considerada um programa barato para toda a família.

Quanto ao estacionamento, é caro, mas vá lá... Com essa onda de compra de carros que assola as ruas e avenidas das grandes capitais, o negócio é cobrar caro mesmo. Mas se o evento tem a intenção de fomentar o estímulo e o interesse à leitura e querer que as pessoas comprem livros, seis reais de entrada pode ser um gasto bastante relevante.

É bem verdade que a estrutura física da Bienal é muito melhor do que a do ex-Salão do Livro — evento anual promovido pela Fundação Municipal de Cultura e que, a partir de agora, terá o nome de Encontro das Literaturas. A praça de alimentação é bem espaçosa e arejada, e os estandes contemplam uma boa gama de editoras e livrarias, além de apresentar projetos locais bem interessantes. Por outro lado, deu para perceber que a Bienal não gosta dos sebos. Tudo ali cheira a novo e esse aconchego que vem impregnado nos livros usados, junto com ácaros e traças, foi mesmo deixado de lado.

De todo modo, o sujeito pagou pelo direito de entrar, circular pelos corredores da Bienal, contar as migalhas para comprar os livros que queria (afinal, nem todas as pechinchas se revelavam vantajosas em termos qualitativos) e esperar mais de uma hora na fila para ser um dos sortudos que assistiria aos diálogos no Café Literário.

Sorte. Além de dinheiro e boa vontade, foi preciso sair de casa com uma boa dose de sorte e paciência. Uma das grandes dificuldades de eventos como esse são os debates e as apresentações de escritores. No último Salão do Livro, as salas destinadas à interlocução de autores e público ficavam tão escondidas que intimidavam muitas pessoas. Não parecia uma apresentação, mas uma reunião a portas fechadas. Infelizmente, isso afugentou muita gente na época. Entretanto, como a estrutura do Salão é bem mais modesta, já era de se esperar que isso acontecesse. Por outro lado, a estrutura da Bienal do Livro em Minas é assombrosa e não há justificativa para o confinamento de poucas pessoas dentro de uma saleta de vidro, restrita a poucos. Em meio a tantos estandes, auditórios e arenas amplas, a organização do evento resolveu destinar uma espécie de aquário minúsculo para os debates entre autores. O que era para ser um encontro charmoso, regado a café, com os escritores papeando no sofá, virou uma bolha de vidro VIP.

Na quarta-feira, 21, uma verdadeira turba de leitores do Rubem Alves chegou a protestar contra a exclusão cultural. O fato é que cabiam pouco mais de cem pessoas ali e as portas foram fechadas tão logo a capacidade foi atingida. Não adiantou chegar na hora, ou meia-hora antes. Quem não conseguiu lugar cativo dentro da vitrine teria que se contentar em admirar o debate do lado de fora por meio de um telão. Admirar, já que o som estava tão ruim que nem leitura de lábios conseguiria aplacar a curiosidade dos fãs do autor.

Ora, qualquer produtor em sã consciência sabe que o público de um Rubem Alves lota auditórios em qualquer lugar aonde ele vá. Não deu outra. Os excluídos culturais fizeram um protesto do lado de fora chamando a atenção de quem passava. Mais tarde, e visivelmente cansado, Rubem Alves encontrou os manifestantes num auditório maior e respondeu às perguntas daqueles que só estavam ali para ouvi-lo.

Na sexta-feira, 23, não chegou a haver o mesmo tumulto, mas o constrangimento de enfrentar uma fila e pegar senhas, que se esgotaram uma hora antes, para assistir aos debates com o Moacyr Scliar e, mais tarde, com a Martha Medeiros, reforçam como o Café Literário foi mal organizado. Ou subestimado. A certa altura, só entrava no aquário se alguém saísse antes.

Transmissões em telões para outros auditórios não é a mesma coisa. O público quer ouvir de perto e ter a oportunidade de interagir, de perguntar algo para o escritor, mesmo que acabe não perguntando, e de pegar autógrafos no fim.

Além da falta de espaço dentro do caixote de vidro, o Café Literário pôs, no mesmo sofá, escritores que não tinham nada a ver uns com os outros, a exemplo de Rubem Alves e Zeca Camargo ou Heloísa Seixas e Ivo Pitanguy.

E os puseram para debater temas bizarros ou insossos, como a Literatura Feminina, que girou em torno da pergunta de sempre: a escrita feminina é diferente da masculina? Nesse dia, o trio Maria Esther Maciel, Martha Medeiros e Malu Praxedes parecia tão integrado quanto uma mistura de óleo e água. E fora a presença de palco, a sensatez e a notória aproximação da Martha com o público, o debate foi meio truncado. O academicismo exagerado de Maria Esther a deixava além do público e o deslumbramento de Malu a deixava aquém. Martha foi a medida certa da noite, deixando claro que o tema da mesa era tão relevante quanto a cor do cavalo branco de Napoleão Bonaparte.

Para muita gente, pode ser interessante comparecer a esses eventos apenas para estar mais perto do escritor, de uma "celebridade." Mas para quem nutre um olhar mais apurado em relação à escrita e à leitura, é preciso haver debates realmente substanciais, que justifiquem a saída de casa para ouvir o que os autores têm a dizer.

Não é mesmo fácil estruturar mesas de debates e entrevistas com escritores sem cair em obviedades ou assuntos recorrentes. Por isso mesmo, o melhor é quando não há tema sugerido. Os melhores debates entre escritores são aqueles em que eles se sentem à vontade e "papeiam" entre si no palco ou na mesa de bar. Esse formato deu tão certo no I Encontro Nacional de Escritores de Natal, em 2006, que os autores continuavam a conversa após o término formal da sessão, sentados do lado de fora da tenda principal do evento. E o público que quisesse podia acompanhar a informalidade.

Mas esse formato dificilmente será "importado" para Minas Gerais. Aqui, ainda temos a mania besta de endeusar personalidades e acreditar que são seres inacessíveis. Não adianta o artista vir para onde o povo está se os organizadores do evento os põem dentro de bolhas e os impedem de se aproximar do público. O acesso à cultura depende de muitas coisas, dentre elas, simplicidade.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 26/5/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De onde vem a carne que você come? de Wellington Machado
02. Lobo branco em selva de pedra: Eduardo Semerjian de Elisa Andrade Buzzo
03. Faxina de Ano Novo: também no Facebook de Adriana Baggio
04. Livros e Saúde de Ricardo de Mattos
05. O ponto final da escrita cursiva de Vicente Escudero


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2008
01. Como esquecer um grande amor - 28/7/2008
02. Então, você quer escrever um livro... - 7/1/2008
03. A verdade que as mulheres contam - 17/3/2008
04. Desligando o Cartoon Network - 11/2/2008
05. Os pontos de um crochê - 17/11/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EPIDEMIOLOGIA
SILVIA MEIRELLES BELLUSCI
SENAC
(2013)
R$ 4,00



A GAROTA COM TATUAGEM DE DRAGÂO E A FILOSOFIA
WILLIAM IRWIN
MADRAS
(2012)
R$ 36,99



UMA AVENTURA DE ASTERIX O CALDEIRÃO
GOSCINNY
BRUGUERA
(1970)
R$ 25,00



CAMINHANDO
CELSO DE ALMEIDA AFONSO / PELO ESPÍRITO ADELINO D
ELCEAA
(1994)
R$ 8,00



CANDOMBLÉ DE KETO - ( ALAKETO ) - 6ª EDIÇÃO
BABALORIXÁ OMINARÊ
PALLAS
(2007)
R$ 22,95



EDUCAÇÃO E TRANSIÇÃO DEMOCRÁTICA
GUIOMAR N. MELLO
CORTEZ
R$ 5,00



UNIVERSO EM DESENCANTO - VOLUME 13
MUNDO RACIONAL
MUNDO RACIONAL
R$ 10,00



FATOS E HOMENS DA SEGUNDA GUERRA
CAIO DE FREITAS E OUTROS
BLOCH
(1967)
R$ 19,00



LA CREATIVIDAD EN LA EDUCACION
RICARDO MARIN IBANEZ
KAPELUSZ
(1974)
R$ 25,00



POESIA PARA QUÊ? A FUNÇÃO SOCIAL DA POESIA E DO POETA
CARLOS FELIPE MOISÉS
UNESP
(2019)
R$ 38,90





busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês