Meus segredos com Capitu | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (I)
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Procissão
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> A Imitação de Cristo - e a Centralização da Cruz na Luta ... de Thomas à Kempis pela Vida Nova (2001)
>>> Viciado no Perigo de Jim Wickwire pela Manole (2000)
>>> Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei de Paulo Coelho pela Rocco (1994)
>>> Direito Societario - Desafio Atuais de Leandro Santos de Aragao pela Quartier Latin (2008)
>>> Administração Financeira de Antonio Zoratto Sanvicente pela Atlas (2007)
>>> Sem Filtro de Marcela Tavares pela Novas Paginas (2016)
>>> Manual de Obstetrícia Diagnóstico e Tratamento de Kenneth R. Niswander pela Medsi (1985)
>>> De Asas, Espelhos e Princesas de Maria Glória Barbosa pela Do Autor
>>> Centros de Mesa de Josep M. Minguet pela Decorando Con Flores (2003)
>>> Mobilização para Qualidade de Roberto Flávio de Carvalho e Silva pela Qualymark (1992)
>>> Um Coração Que Seja Puro de José Fernandes de Oliveira pela Paulus (1982)
>>> O Menino Narigudo - Sebo Tradição de Walcyr Carrasco pela Moderna (2007)
>>> Inculta & Bela de Pasquale Cipro pela Publifolha
>>> Teoria da Comunicaçao Muito Ou Poucas de Luiz C. Martino pela Atelie Editorial (2007)
>>> Os Miseráveis de Victor Hugo Adap Walcyr Carrasco pela Moderna (2012)
>>> Atherton a Casa do Poder de Patrick Carman pela Galera (2009)
>>> Telaris Biologia Caderno de Atividades 9° Ano de Sergio Linhares Fernando Gewandsznajder pela Atica
>>> Remarkably Uncommon de The Leading Hotels pela The Leading Hotels
>>> Declarnado - Se Culpado de Scott Turow pela Record (1993)
>>> Sookie Stackhouse, V. 7 - All Together Dead de Charlaine Harris pela Berkley Publishing (2008)
>>> Grammar Games de Mario Rinvolucri pela Cambridge do Brasil (1985)
>>> Alienação: Lidando Com o Problema Básico do Homem de Carrol Thompson pela Graça (1998)
>>> Papos de Anjo - 6ª de Sylvia Orthof pela Galera Junior (2014)
>>> Vento Sobre Terra Vermelha de Caio Ritter pela 8 Inverso (2012)
>>> Outros Quinhentos de Bizerril Marcelo pela Saraiva (2009)
COLUNAS >>> Especial Machado de Assis

Sexta-feira, 6/6/2008
Meus segredos com Capitu
Ana Elisa Ribeiro

+ de 7100 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Não me lembro mais quando aconteceu meu primeiro contato com Machado de Assis. É claro que ele já era um livro, mas não sei mais de que cor e nem de que tamanho. Machado, para os íntimos, era sinônimo de livro, para muitos de livro chato. Para mim, era uma tarefa bastante grande que eu deveria cumprir. Mas não desse "cumprir" ruim, da pior obrigação possível. Era um cumprimento curtidor, vontade de saber quem era aquele, como ele escrevia e por que razões era tido em tão alta conta. Vontade de ser um pouquinho que fosse como ele. Desejo de aprender um tantinho de sua sintaxe, nem que ela parecesse anacrônica depois de 1922. Vontade de saber de onde vinha aquela verve.

Meu primeiro Machadinho
Se não foi na estante da minha avó, foi na biblioteca do colégio. Não me lembro de chegar em casa com bilhete da escola para minha mãe. É que era comum os professores adotarem livros e os alunos terem de comprar. E eu comprava todos os que eu podia. Não tinha amarração. Não achava nisso gasto pior do que outros. Um livro me dava tanto gosto quanto uma ida ao cinema. Ou outras idas mais caras, mais alegres. Livro me dava orgulho. E então deve ter sido na escola que alguém me contou de um tal Machado de Assis. Já achava engraçado alguém só ser chamado pelo sobrenome. Esquisito. Mas é assim que é com o Rosa, mesmo bem mais moço. Gente grande, pensava eu.

Então parti para a leitura. Empreitada, diziam uns, em tom maledicente. Outros me davam quase os parabéns pela iniciativa. Acho que foi sem obrigação. Era mesmo a curiosidade boa que me movia. Não sei se foi Dom Casmurro ou Memórias póstumas de Brás Cubas. Deve ter sido um dos dois. Na escola, tenho certeza de que li Encarnação e fiquei com uma impressão toda falsa do Machado. Bom lembrar que ele teve aquela fase chamada romântica (do Romantismo) e depois virou a casaca para os lados do Realismo, muito mais gostoso de ler, penso eu até hoje.

Se li livros do Romantismo, achei Machado lento como os colegas dele. Lembro de ler, ainda antes, toda a coleção do José de Alencar. Eu vivia aí meus 15 ou 16 anos e estava nessa lida. Minha avó era, certamente, a dona da coleção. Livros de capa dura vermelha. Bonitos que só. E eu resolvi que atravessaria as páginas de todos, sem faltar nenhum. Era isso. Meus colegas ficavam intrigados com tanta idéia maluca. Tanta coisa pra fazer: o Atari novinho, o pare-bola na rua e as fofocas sobre nossos primeiros beijos. Mas eu queria saber mais sobre a escrita de uns tantos clássicos que a escola ainda haveria de demandar: Lucíola, que me fascina até hoje, O Guarani, do qual me lembrei outro dia. E depois dele, então, Machado de Assis. Não mais a obra inteira, mas se minha avó a tivesse, eu bem que leria. Com algum gosto até e sem deixar o Atari de lado. Dava para fazer de tudo naquela época.

As obras
Dom Casmurro foi desses livros que li pelo apelo escolar. Não me traumatizei por isso. Bobagem. As pessoas param de gostar de ler porque nunca aprenderam isso direito. Soubessem o que é e fariam mais, como fazem outras coisas no dia-a-dia. Ler não é coisa extraordinária, no sentido de incomum e anormal. Ler é uma coisa alimentícia. Não sei bem se melhora ou piora, se funciona como elixir disto ou daquilo, mas é coisa boa, certamente. E quando for chata, não agradar direito, não tem mistério. É só trocar de livro, como se troca de página na internet. Nada mais.

Li Dom Casmurro atraída pela tal da Capitu. Era uma celebridade a tal moça. Eu nem conseguia ver o rosto dela direito e nem saber a cor dos cabelos, mas já admirava uma personagem fazer tanto estrago na realidade. Tanto vestibular por conta dela. Uma sumidade. Bem que queria eu inventar alguém assim. E daí li querendo mesmo saber daquele mistério batido, meio fofoca, se traiu ou não traiu. Não interessa. O professor vinha com aquelas aulas de estética, linguagem literária. Mas a gente sabe pouco ler as palavras. A gente aprende é a ouvir historinhas. Demorei muito a entender o que significava linguagem e literatura. Ainda hoje tenho medo de dizer que sei sobre isso alguma coisa. Respeito, acho que é. E então a Capitu ficava sendo uma moça atrevida que dava bola pro vizinho. Mas eu nunca ia saber se dava mesmo. Uns tempos depois, meu professor de matemática disse que eu tinha olhos de ressaca. Fico feliz até hoje por conta desse episódio. Ele era tão inteligente, de uma inteligência maciça e estudiosa, e vinha me chamando de "olhos de ressaca". Minha primeira felicidade foi porque entendi a referência, sabia discernir a tal de intertextualidade (outra vedete do colégio). A outra alegria foi ser comparada a uma mulher tão especial. E não estava nem aí se ter olhos de ressaca era ser feia. Não sei. Poderiam ser olheiras, mas eram as da Capitu.

Mais adiante, fui ler Brás Cubas. Que coisa magnífica aquele morto que contava história. Fosse hoje, transformariam em um filme trash, desses de zumbi. Ninguém teve a idéia porque Machado é venerado. Se fosse de menos respeito, teriam feito do roteiro uma noite alucinante. Esplêndido mesmo.

Para não gostar de ler
Toda vez que um papo sobre leitura começa, alguém resolve sair com explicações sobre por que não lê, não gosta de ler, desgostou, deixou de gostar. Ou se não for ele mesmo, o falante desertor, é o sobrinho, o irmão, o amigo. Vai entender. Vem dizendo logo que a culpa é da escola. Sempre é. Ninguém tem família nessas horas e nem muito menos vontade própria. A vida ficou apertada e foram sumindo os espaços de leitura. Vai ler no banheiro, prefere revista, senão a bosta engastalha. E aí dizem que foi a obrigação de fazer tarefa de escola que matou o gosto pela leitura. E logo logo aparece o nome de Machado de Assis. Parou de ler porque Machado era chato. A professora, em vez de começar pela gostosura (e nunca citam qual), meteu logo um Brás Cubas pela goela abaixo. E então deu-se o nojo. Não gostei mais de ler. Mentira deslavada. Será que gostava antes? Então Machado, coitado, tem o poder desmotivador da vida de muita gente. Como se fosse só isso.

Até o fim
Li muito livro ruim até o fim não porque estivesse obrigada a fazer prova, mas para aprender a persistência. Além disso, me dava certo alívio terminar uma tarefa desafiadora. Mesmo que fosse só esta: terminar de ler um livro ruim. Há quem não tenha qualquer pudor em largar a obra em qualquer ponto. Nada contra, claro. Mas eu ia indo, ia indo, na esperança de ver algo melhorar, mudar de rumo, ganhar força. Coisa que não aconteceu a vários livros, inclusive famosos. Não me lembro se pensei assim de Machado. Acho que não. Lembro de gostar bem de O Alienista, obrinha que cheguei a planejar para os meus futuros alunos. Não cheguei a cumprir, nem sei por quê. O fato é que o livro é tão atual que mete medo. Vai discutir a loucura e quem acha que está sempre certo. Pepino, abacaxi, enrosco.

O extraordinário
Depois fui saber mais sobre o próprio Machado, não apenas de sua obra, que ficou, parece, maior do que ele. Assim é que é bom. Acontece com outros, bem poucos. Graças a Deus. E então vim rastreando. Achei lindo que Machado tivesse sido tipógrafo. Tem coisa mais adequada? Mais bonita? Eu queria ter sido tipógrafa, bem antes de o computador aparecer. Só para saber o que é isso. E então depois vieram as mazelas do tipo revista de fofoca: era negro, autodidata, epilético. Já se pensa logo em Machado contorcido no chão, com a língua enrolada. Negro naquela época era outra coisa. As palavras fizeram de Machado um cara muito respeitado, mesmo sendo tudo o que não se podia ser. Casado com Carolina? É isso? E não tiveram filhos. Machado não saía do Rio de Janeiro. Vem logo meu amigo carioca socorrer: e quem precisa sair? Será que eu concordo? Tive que, um dia, ir lá ao Rio ver o que era aquilo. É mesmo sublime. Machado ficava ali, pela cidade aberta, recém-tipográfica. Os livros dele foram os primeiros de um boom de romances que eclodiu no século XIX. O que hoje seria uma "febre". Os primeiros livros brasileiros, das editoras que ainda eram livrarias, francesas, em sua maioria. Os points de escritores. Os primeiros jornalistas, ainda sem formação específica. Todos lá, lançando textos em português brasileiro. Machado idem.

Li Machado para conhecer. Certa vez, a professora fez um julgamento sobre o enredo de Dom Casmurro. Quem é que não passou por isso? Um exercício clássico, escolar até hoje. Uma equipe condena, a outra defende a moça. E me lembro de ter tentando defender já condenando. Eu queria que Capitu tivesse traído Bentinho. Por que será? Acho que era o gosto pelo enredo enrolado. Torci por ela o tempo todo. Fui péssima advogada.

Ler e degustar
Apesar da admiração pelos escritores, fossem eles novecentistas ou geração 00, não cheguei a dar nome de um deles aos meus cachorros. Bruce era dos quadrinhos. Belinda é de desenho animado. Teria tido um PitFall e até um bassê chamado Enduro, se pudesse. Machado nunca foi nome de animal. Ler Machado é um ritual. É necessário para que se crie uma mínima referência. É claro que a linguagem muda. É claro que há obras mais parecidas com clipes e zappings, mas não há mestres como aqueles espalhados pelas ruas. Se não serve para muito da vida prática, serve para seu conhecimento da língua, até da vida no século passado. E para quê saber isso? Para saber que tudo mudou, e como. Em um dos livros de Alencar, lembro da cena dos dois rapazes que chegam à porta da igreja, no horário da missa, a avistam Lucíola. Um deles, o primo vindo da roça, se interessa logo pela bela moça. O outro, urbaninho, vem logo caçoando: moça que nada! Andando sozinha pela rua (sem homem qualquer ao lado), só pode ser quenga. Bom ler esses livros com os olhos de quem assiste às cenas e aos costumes de um tempo que já se foi. Impressionante demais. Há de impressionar aqueles que não percebem que os tempos são outros. Machado é também isto. Machado é uma necessidade, mesmo que interesse mais saber o preço da gasolina. As coisas raramente se excluem. É possível trabalhar muito, ir às festas, estudar os livros técnicos e ler literatura. Que o digam os médicos, que, a despeito de suas conhecidas vidas corridas, são dos melhores alunos, leitores e críticos literários que há.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 6/6/2008


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2008
01. Uísque ruim, degustador incompetente - 8/8/2008
02. Trocar ponto por pinto pode ser um desastre - 3/10/2008
03. Substantivo impróprio - 25/4/2008
04. Minha coleção de relógios - 31/10/2008
05. Mínimas - 25/1/2008


Mais Especial Machado de Assis
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/6/2008
14h04min
Ana, bela explanação sobre o ato de ler e a obra de Machado de Assis.... Quando falamos em leitura, e dos tempos escolares, sempre vem à tona a negação aos livros de Machado de Assis. Mas se perguntarmos à grande maioria: nunca leram quaisquer obras por completo, sempre ficaram "pelo caminho" - nas cinco primeiras páginas, ou já iam atrás de resumos em jornais, do amigo ou em livretos para o vestibular... Os textos de Machado sempre são discutidos e solicitados na escola, entretanto só os professores fingem entenderem e admirá-los, e os alunados ficam só na expectativa dos relatório, fichamento e a prova da leitura cobrada... A falta de interesse e entendimento dos escritos do autor em questão deve-se a falta de leitura de vários tipos de textos e autores anteriores... Para a construção de um conhecimento do ser humano, e da vida, e' preciso ler e reler sempre o novo e o velho. Como dizem os grandes autores: nada e' inventado e em todos os livros encontraremos os primórdios das idéias de Homero...
[Leia outros Comentários de gilson]
6/6/2008
22h41min
É engraçado como quase todas as histórias sobre Machado de Assis têm um começo em comum: o desgosto da obra pelo apelo escolar sem perguntar se alguém quer ou não lê-lo. Como expõe Ana, o anacronismo da obra de Machado com nossos dias atuais é por demais chocante e, sendo assim, traumatizante para aqueles que (o) lêem por obrigação. Acredito que todos têm de ser iniciados na literatura. Mas não importa se lêem gibis, revistas, livros esdruxúlos ou quaisquer palavras escritas em papel de pão. O fato é que é preciso ler. A evolução literária se dará com o tempo. Digo isso por experiência própria. Nunca fui interessado em ler. Como Ana, comecei a ler por curiosidade, isso já saindo da escola, e hoje não vivo sem ter um bom livro nas mãos. Quando evoluímos, vamos renascendo e redescobrindo escritores como Machado, Alencar, Rosa... É aí que ler "por entretenimento" já não satisfaz mais. E tentamos começar a escrever... No meu blog, expresso isso. Estou começando aprender a escrever...
[Leia outros Comentários de Tiago Antunes]
12/6/2008
16h22min
Ana, adorei seu texto, como sempre. Fiquei pensando em o que, além da escola, afasta as pessoas dos livros, da literatura. Tem um aspecto psicológio também nisso tudo, não é? Mas que bom seria se mais pessoas pudessem ter acesso a esse mundo das letras. Para desmistificar um pouco o "Machado", tenho lido o Conto da Escola nas aulas de sociologia da educação e antes anuncio: agora vamos nos transportar para uma sala de aula do século XIX... Acho que é pouco mas já é um toque, uma semente. Abraços com saudade.
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
20/6/2008
14h10min
Obrigado, Ana, por esse excelente texto, agradável e despretensioso, que contrasta violentamente com as imbelicidades que infelizmente te cercam - definitivamente, a idiotice é uma epidemia de proporções mundiais. Resta esperar que textos como o seu sirvam como antídoto. Abs, Paulo
[Leia outros Comentários de Paulo Moreira]
22/8/2009
19h45min
Neste exato dia 22 de agosto de 2009, um sábado, perdi meu trauma de Machado. Comecei por um conto... "Miss Dollar". Mentira. Comecei muito antes. Há quarenta minutos antes, quando li seu belíssimo texto. Tudo porque havia digitado no Google algo parecido com "costumes do século XIX", o que me levou ao link do comentário do sr. Tiago Antunes ao seu texto, que dizia em um trecho: "vamos nos transportar para uma sala de aula do século XIX...". Uma coisa levou a outra e aqui estou, agradecendo imensamente por ter escrito este texto que me levou a viajar à casa de D. Antonia, que me apresentou a cadelinha Miss Dollar, que me fez compartilhar do sofrimento de amor do sr. Mendonça... Obrigada pela inspiração! Agora finalmente vou retomar meu processo de paz com "Brás Cubas"... Nosso conflito começou na oitava série. Deseje-me sorte. Até mais!
[Leia outros Comentários de Luana Diniz]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Friuli Venezia Giulia - Città, Borghi, Paesi
Gianni Daffara e Licio Damiani
Magnus
(1998)



Defensores Indefensáveis 23
Keith Giffen e Outros
Panini Comics
(2015)



Essential Idioms in English
Robert James Dixson
Disal
(2007)



Teoria e Realidade - 1ª Edição - 2ª Reimpressão
Mario Bunge
Perspectiva
(2013)



Manual de Direito Processual Civil
Renato Montans de As
Saraiva
(2016)



David Coperfield
Charles Dickens
Longmans
(1961)



Machado de Assis: crônicas
Eugênio Gomes
Agir
(1963)



Humor em Pílulas
Aziz Lasmar e José Seligman
Revinter
(2001)



Dom Quixote - Livro Primeiro - Edição de Bolso
Miguel de Cervantes
L&pm Pocket
(2005)



O Último dos Moicanos
James F. Cooper
Gênios
(2005)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês