Made in China | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
Mais Recentes
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
>>> O Espião que saiu do Frio de John Le Carré pela Abril cultural (1980)
>>> A Primeira Reportagem de Sylvio Pereira pela Ática (1988)
>>> Distúrbios Psicossomáticos da Criança de Haim Grunspun pela Atheneu
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
>>> Viagem Fantástica II - Rumo ao Cérebro de Isaac Asimov pela Best Seller (1987)
>>> Tpm Número 57 Maio 2009 de Caetano Veloso pela Trip (2009)
>>> Incorporações Imobiliárias de J. Nascimento Franco/ Nisske Gondo pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> Cavalo-Marinho no Céu de Edmund Cooper pela Hemus
COLUNAS >>> Especial Olimpíadas e China

Segunda-feira, 1/9/2008
Made in China
Pilar Fazito

+ de 4100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O que eu sei da China? Nada. Ou quase nada, o que dá no mesmo. Mas acredito que eu não esteja em desvantagem em relação à maior parte dos ocidentais, exceto aqueles que tiveram a oportunidade de conferir as Olimpíadas de perto na terra de Mao.

A China, até bem pouco tempo, era apenas um grande estereótipo estampado em desenhos animados, filmes de kung fu e propagandas do China in Box. Um território amarelo como o restante da Ásia e que sempre me pareceu existir apenas no tabuleiro do War. Um lugar tão mítico que ninguém tinha a certeza de que existia, mas cuja localização é um senso comum: a China fica do outro lado do mundo, se cavarmos um buraco bem fundo na Afonso Pena, invariavelmente, chegaremos à Beijing.

Lembro que na década de 1980 meu pai fez uma viagem ao país e na volta nos trouxe penhoir de seda, vasos de porcelana, fitas cassete com músicas tradicionais, calendários com imagens de flores e esculturas em jade, além de fotos e mais fotos. O que se via era algo bastante diverso do que as transmissões televisivas das Olimpíadas mostraram, o que só reforça a minha teoria de que a China é uma terra mítica e não existe de fato, embora produza calças jeans, sapatos e produtos eletrônicos.


Obra de Johanne 8

Segundo a lenda, esse "Eldorado oriental" abrigaria um quarto da população mundial, ou seja, mais de 1 bilhão de seres viventes, todos clones de si mesmos, que se resolvessem saltar juntos seriam capazes de alterar o eixo de rotação terrestre.

A história da China é nebulosa para todo estudante ocidental e qualquer coisa que tenha acontecido por lá antes da guerra civil de 1949 é resumida pelos livros didáticos como uma espécie de mercado das pulgas: seda, porcelana, chá, ópio, papel, pólvora e macarrão. Quem tem um pouco mais de curiosidade e se lança às bancas de jornais e revistas acaba encontrando o zodíaco chinês; ou um especial da Super Interessante sobre Gengis Khan ― o grande estrategista que dividiu a China em 12 províncias, dando início à dominação mongol. E se os livros mencionam a guerra civil, a posterior ascensão do comunismo de Mao Tsé-Tung e a instauração da chamada Revolução Cultural, a história chinesa para nós ocidentais acabava aí. Durante muitos anos ninguém soube o que estava acontecendo dentro daquele país, nem mesmo seus habitantes.

Na última década, entretanto, a China começou a dar o ar da graça ao Ocidente. E tudo começou com a aceleração da economia, que vem emplacando uma taxa de crescimento anual superior a 10% ao longo de cinco translações consecutivas. Nessa Olimpíada capitalista, a pátria de Mao está em quarto lugar, atrás apenas dos Estados Unidos, Japão e Alemanha.

Em tempos de crescimento econômico em âmbito internacional, a abertura política e cultural acaba sendo inevitável. E, nessa modalidade, a China ainda é um país incipiente, embora o fato de ter sediado as Olimpíadas possa contribuir para acelerar o processo. Desde o registro memorável do manifestante solitário diante de tanques de guerra na Praça da Paz Celestial, o que se observa aqui e ali é que o mundo começa a se interessar pelo que os chineses andam fazendo. E aí começa o maior desafio dessa abertura política e cultural: como conciliar hábitos e tradições milenares com as exigências da modernidade?

O que mais atraiu os turistas olímpicos às compras não foi a seda, a jade, o chá ou a porcelana, mas uma parafernália de produtos eletrônicos e roupas de marca pirateados ― objetos que podem ser facilmente encontrados em qualquer lugar, do Paraguaizinho, em Brasília, ao Shopping Oi de Belo Horizonte.


Clique na imagem para ampliar.

A influência e o interesse ocidental fazem com que os jovens chineses assimilem estilos de vida bastante diferentes daqueles a que seus pais estavam acostumados. Alguém poderia dizer que isso também ocorre no Ocidente. De fato, o choque de gerações independe da nação. No caso da China, entretanto, esse processo tem se dado num espaço de tempo muito curto e sob um governo tão repressor quanto boa parte da própria sociedade. A situação é nova para os chineses, mas eles não têm muito tempo para assimilar as implicações que isso terá no futuro.

Um exemplo desse choque pode ser visto no primeiro livro da jornalista chinesa Xinran Hue, As boas mulheres da China. Publicado em 2002, traz relatos de algumas ouvintes de seu programa de rádio chamado Palavras na brisa noturna, direcionado ao público feminino. Traduzido para diversos idiomas, As boas mulheres... vendeu mais de 40 mil exemplares só no Brasil e permaneceu por um bom tempo na lista de mais vendidos, em 2006. No livro, Xinran apresenta histórias de quinze chinesas, de ricas a pobres, jovens a velhas, que compartilham a terrível sentença do sofrimento certo para quem tem o azar de nascer mulher na China.

Esses relatos foram obtidos entre 1989 e 1997. Depois disso, a jornalista mudou-se para Londres e, finalmente, pôde publicá-los. De lá para cá, as coisas mudaram muito e possibilitaram o surgimento de uma nova geração de jovens chinesas, tão ousadas e astutas quanto as ocidentais. Mas é como Xinran resume: "A apenas duas horas de carro de uma grande cidade como Xangai, a vida chinesa segue como há 500 anos".

O rap chegou às boates da capital, muitas garotas já não dão a menor bola para a eclesiástica questão da virgindade e a cada dia surgem bandas que tentam conciliar a pipa chinesa à pegada pop de instrumentos elétricos. Ao lado disso, os casos de violência doméstica continuam tão alarmantes quanto antes, assim como os altos índices de suicídio, rapto e infanticídio feminino.

A idéia de que um filho vale mais do que uma menina faz com que a China ainda seja conhecida por escabrosas histórias de agressão, desrespeito e abuso contra as mulheres, às vezes perpetradas por elas mesmas. Nos casos de violência doméstica daquele país não apenas o marido aparece como agressor da esposa, mas também a sogra. Além disso, as mulheres que geram meninos têm um tratamento privilegiado e gozam de um status que elas aceitam com orgulho, sendo incapazes de criticar ou denunciar.

Aparentemente, a China esboça sinais de que vem aí uma revolução sexual, de costumes e valores como a que o Ocidente viu nos anos 1960. Mas além de quase cinco décadas de diferença entre essas duas situações, o país terá que vencer a censura dos meios de comunicação e a resistência de uma tradição milenar que divide sua população. Encontrar o equilíbrio dessa transição vai ser mais difícil do que ganhar o ouro nos exercícios de trave na ginástica olímpica.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 1/9/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De volta às férias I de Eduardo Carvalho


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2008
01. Como esquecer um grande amor - 28/7/2008
02. Então, você quer escrever um livro... - 7/1/2008
03. A verdade que as mulheres contam - 17/3/2008
04. Desligando o Cartoon Network - 11/2/2008
05. Os pontos de um crochê - 17/11/2008


Mais Especial Olimpíadas e China
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/9/2008
23h56min
Pós graduação em Publicidade em Oxford? Não vamos valorizar produtos de fora. Propaganda eficiente precisa de recursos para maquiar um produto, precisa de idéias atraentes, além de criar a necessidade do consumo aos futuros consumidores. Para ser mais eficiente, a qualidade do produto ñ pode ser questionada. Por isso, em termos de propaganda, ninguém foi mais revolucionário que os ditadores. Recursos nunca lhes faltaram, bastava assaltar o cofrinho doméstico. Quanto a maquiar o produto, vide as Olimpíadas de Beijing, um show de fogos de artifício. Idéias atraentes sempre existiram e a ingenuidade humana se incumbiu de inventar uma: a mudança do mundo de um dia para o outro. E os pessimistas se encarregam diariamente de criar os consumidores em potencial para esta idéia. Então,para que ir até a velha Grã Bretanha? Os diretórios de certos partidos políticos daqui mesmo estão aceitando vagas p/ o curso de publicidade. Para mestrado, vamos aprender com os mestres e entender q a China é produto made in China.
[Leia outros Comentários de mauro judice]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROSPECÇÃO DE JAZIDAS LÍTICAS EM ARQUEOLOGIA: PROPOSTA METODOLÓGICA
ULISSES CYRINO PENHA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 321,00



ASSISTENTES VIRTUAIS INTELIGENTES E CHATBOTS
LEÔNCIO TEIXEIRA CRUZ, ANTONIO JUAREZ ALENCAR, EBER ASSIS SCHMITZ
BRASPORT
R$ 80,00



O EVANGELHO SEGUNDO O FILHO
NORMAN MAILER
RECORD
(1998)
R$ 13,39



ATUALIDADES VESTIBULAR GUIA DO ESTUDANTE
GUIA DO ESTUDANTE - VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2009)
R$ 5,00



A QUESTÃO AMBIENTAL E AS CIÊNCIAS SOCIAIS
IDÉIAS ANO 8 (2) DE 2001
UNICAMP (CAMPINAS SP)
(2001)
R$ 26,82



MÁRIO DE ANDRADE - LITERATURA COMENTADA
JOÃO LUIZ LAFETA
NOVA CULTURAL
(1990)
R$ 5,00



CADERNO DE APOIO ESTATÍSTICA APLICADA À GESTÃO
CRISTINA VILHENA DE MENDONÇA J. CALDEIRA
UNIVERSIDADE ABERTA
(1997)
R$ 73,64



GUIA COMPLETO DO FUNCION DE UMA EMPRESA : MICRO MÉDIA E GRANDE 7239
ROGR BARKI JOSY ALZOGARAY
VOZES
(1985)
R$ 11,00



SEM TEMPO PARA CHORAR
MARILUSA MOREIRA VASCONCELLOS
RADHU
R$ 28,00



RAIO X DO LIVRO ESPIRITA
EURÍPEDES KUHL
ALIANÇA
(2003)
R$ 5,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês