Flores Azuis, de Carola Saavedra | Mariana Mendes | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Nós que Amávamos tanto a Revolução de Dany Cohn Bendit pela Brasiliense (1987)
>>> Sterminateli! de Christian Bernadac pela Fratelli Melita (1991)
>>> Hitler Il Figlio della Germania de Antonio Spinosa pela Oscar Mondadori (1993)
>>> Operación Peter Pan ( Un caso de Guerra Psicológica Contra Cuba) de Ramón Torreira Crespo pela Política /La Habana (2000)
>>> Quem Sequestrou Marta Jane? de Isabel Vieira pela Ftd (1995)
>>> Mort Du Général de Gaulle de Jean Mauriac pela Grasset (1972)
>>> O Burrinho Pedrês de João Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (1995)
>>> Ao vivo do campo de batalha ( Do Vietnã a Bagdá 35 anos em Zonas de Combate de Todo o Mundo) de Peter Arnett pela Rocco (1994)
>>> Os Cavalos da República de Moacyr Scliar pela Ática (2005)
>>> Os Últimos 100 dias (02 Volumes) de John Toland pela Nova Fronteira (1966)
>>> Dengos e Carrancas de um Pasto de Jorge Miguel Marinho pela Ftd (1987)
>>> Le Crime L' Invasion Irakienne Du Koweit de Badr Jassem Al Yacoub pela C.i.k.c (1991)
>>> Éramos Seis de Maria José Dupre pela Ática (1991)
>>> A Menina que fez a América de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2002)
>>> Praga Quando os Tanques Avançaram de Pierre Desgraupes pela Expressão e Cultura (1968)
>>> O Feijão e o Sonho de Orígenes Lessa pela Ática (1991)
>>> Pearl Harbor de A. J. Barker pela Renes (1973)
>>> A Flauta do Sótão de Lúcia Pimentel Góes pela Paulus (2003)
>>> USA Em Perigo de General Curtis E. Le May e Major General Dale O. Smith pela Biblioteca do Exército (1970)
>>> Sem Medo de Viver de Zíbia Gasparetto pela Vida&consciência (2007)
>>> Caça ao Cometa Halley de Roberto Pereira de Andrade pela Traco (1985)
>>> Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher e de Nancy Chodorow pela Rosa dos Tempos (1999)
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
COLUNAS

Segunda-feira, 22/9/2008
Flores Azuis, de Carola Saavedra
Mariana Mendes

+ de 10500 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Logo no início do livro Flores Azuis (Companhia das Letras, 2008, 168 págs.), de Carola Saavedra, uma pergunta me instigou, acompanhando-me até a última linha: é possível afirmar de um livro que ele se dirige e agrada mais ao público feminino do que ao masculino? Não me refiro aqui a uma literatura feminista, engajada e que encampe uma luta por igualdade, e sim a algo muito mais sutil. Uma escrita que, ao retratar e privilegiar o que se convencionou chamar de universo feminino, dialogue diretamente com este público a ponto de excluir outros. E se, por acaso, a resposta for positiva, isso diminuiria de algum modo a qualidade dessa escrita? A pergunta pode parecer complexa e talvez seja possível imaginar, a partir dessa questão, argumentos de autoridade ou teses acadêmicas, mas minha intenção aqui é apenas pensar, levantar e discutir o assunto, tendo como principal guia este novo romance de Saavedra.

Autora jovem ― nasceu no Chile, em 1973, mas reside no Brasil desde os três anos ―, Carola foi uma das finalistas do concurso Contos do Rio em 2005, promovido pelo jornal O Globo. Seu texto impressionou um dos jurados, o renomado e veterano escritor Sergio Sant'Anna. Através desse apadrinhamento, Carola lançou, em 2007, seu primeiro romance, Toda terça, por uma importante editora, a Companhia das Letras, que agora também publica Flores Azuis. Neste que é seu terceiro livro ― o primeiro, Do lado de fora, é uma antologia de contos publicada pela editora carioca 7 Letras ― a escritora se utiliza de um recurso já explorado em Toda terça: a alternância do ponto de vista capítulo a capítulo; além de imprimir extrema agilidade à narrativa com um estilo peculiar.

O livro se inicia com uma carta de amor escrita por um remetente anônimo que assina apenas como "A.", mas que se caracteriza como uma mulher que se separou e digere esse momento através da escrita. O livro é composto por nove dessas cartas, intercaladas com nove capítulos em que elas são lidas por Marcos, um arquiteto recém-separado. Inicialmente, as cartas foram endereçadas corretamente: o nome da rua, número do prédio e do apartamento, tudo confere, mas o destinatário está incorreto. Marcos mora nesse apartamento há apenas um mês e observa que esta primeira carta é dirigida a outro que não ele, mas sua curiosidade o leva a lê-la e, depois desse primeiro contato com essa remetente misteriosa, não consegue mais se distanciar. As cartas são escritas e deixadas em sua caixa de correio diariamente, do dia dezenove de janeiro ao dia 27 do mesmo mês. Marcos se envolve com essas cartas, com o conteúdo da escrita; elas causam um impacto devastador em sua vida, transformam-se em uma obsessão e fazem com que ele enxergue claramente as diferenças entre ele e a ex-mulher e suas idiossincrasias. As cartas o levam também a dispensar Fabiane, candidata à nova namorada e, finalmente, o fazem perceber aspectos importantes da sua personalidade. Através da leitura dessas cartas, Marcos descortina o que gosta e quer de uma mulher.

E onde entra a questão levantada no primeiro parágrafo? Um ponto de vista feminino se alterna com um masculino a cada capítulo, então por que mencionar uma preponderância feminina? A resposta é simples: esse predomínio é intrínseco ao texto, existe um apelo e uma construção temática voltados para o que se convencionou chamar "o típico universo feminino". Desde a primeira carta, o leitor fica exposto a uma enxurrada de idéias comumente associadas a um modo de ser exclusivo das mulheres, como, por exemplo, a idéia de nós mulheres lançarmos mão de um certo exagero ao nos comunicarmos, exagero com o qual os homens não se sentem à vontade: "Talvez você não queira toda essa revelação, toda essa intimidade. Esse excesso de palavras". A verborragia é tipicamente feminina? E uma insegurança que nos leva, diante do outro, a fazer perguntas sem esperar por uma resposta? Perguntar por perguntar é um comportamento tipicamente feminino?

Está claro que são idéias usadas para construir a personagem feminina, pertencem ao registro da ficção e inicialmente não podem ser tomadas como generalidades ditas sobre a mulher e o seu universo. Porém, mesmo sob o domínio do narrador masculino, é possível entrever idéias muito parecidas. Ao receber a primeira carta, Marcos tece conjecturas sobre quem a escreveu: "Quem se daria o trabalho de escrever uma carta nos dias de hoje? Provavelmente uma mulher", ou adiante: "Mas as mulheres só compreendem o que interessa a elas (...)", "As mulheres belas costumam ser as mais complicadas (...)". Ainda que exista uma alternância entre os pontos de vista, eles não diferem entre si quando se trata de compor uma imagem sobre o universo feminino. Nos dois casos, se apóiam em estereótipos.

E ainda que as idéias sejam proferidas ora por "A.", ora por Marcos, elas perpassam a ficção de um modo único e constante. O universo feminino, ou o que se imagina dele caso exista tal qual um consenso, acaba, talvez por um mero acaso, sendo um dos eixos temáticos principais na falta de um sentido mais forte na composição da matéria de Flores Azuis. E por esse viés há uma dissonância entre o tema e a forma. O romance possui um final aberto, o leitor termina sem saber exatamente para quem "A." escreve. É uma estrutura que demonstra o pleno domínio da autora diante da forma, elaborada por um estilo forte e bem trabalhado, mas talvez Carola tenha se preocupado demasiadamente com a estrutura a ponto de negligenciar sua matéria. A não ser que sua intenção tenha sido reproduzir estereótipos à La Bridget Jones.

Para ir além






Mariana Mendes
São Paulo, 22/9/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Do canto ao silêncio das sereias de Cassionei Niches Petry
02. Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto de Jardel Dias Cavalcanti
03. O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim de Julio Daio Borges
04. Três filmes sobre juventude no novo século de Guilherme Carvalhal
05. Transformação de Lúcifer, obra de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Mariana Mendes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/9/2008
15h56min
Depois de ler o texto de Mariana Mendes certamente buscarei, em Flores Azuis, esses aspectos observados por ela com tanta precisão, sensibilidade e minúcia.
[Leia outros Comentários de Júlia]
23/9/2008
06h59min
Citando "esse exceço de palavras"... Essa verborragia - conforme resenha acima, pois ainda não li o livro - vai modulando o feminino, até alcançar a unidade, isto é, a questão do Desejo, que é da ordem tanto do masculino quanto do feminino. Nesse sentido, penso que no romance de Carola Saavedra existe apenas uma aparente dicotomia.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
23/9/2008
09h51min
Temo que este comentário não passe no crivo do pessoal do site, confesso que pode estar entre os 10 tipos de comentadores de fórum, que o Digestivo se dá o direito de excluir, "o fã incondicional"... (hehehehe) Achei o promeiro livro de Carola dispensável, não tenho interesse no segundo. Já Mariana Mendes, quando lançará ela seu primeiro livro? (Pode ser só de ensaios críticos.) Excelente resenha!
[Leia outros Comentários de Tarcila Lucena]
17/2/2011
14h28min
Ótima crítica. Já o livro... fiquei me perguntando como diabos alguém iria se apaixonar por uma mulher tãããooo chata como a tal "A"! "Me pisa, me chama de lagartixa" tem limite... isso é universo feminino? Socorro! Uma coisa é verossímil: que o tal amante tenha bro(é com ch ou x?)ado e cometido violência contra esse personagem pegajoso. Que mesmo assim continua na cola dele. Horrível! Esse personagem feminino puxa pelos piores aspectos da personalidade de qualquer um. Outra coisa consistente no romance: que o amante tenha corrido tanto do purgante que fugiu do apartamento que alugava sem dar notícias. Rsrsrs Vou ler as outras críticas dessa Mariana, menina inteligente!
[Leia outros Comentários de Marilia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UNESP CIÊNCIA Nº 43 CAATINGA REDESCOBERTA
VÁRIOS AUTORES
UNESP
(2013)
R$ 45,00



A GAROTA NO TREM
PAULA HAWKINS; SIMONE CAMPOS
RECORD
(2015)
R$ 25,90



A CULPA É DAS ESTRELAS
JOHN GREEN
INSTRINSECA
(2012)
R$ 5,00



EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO
ALLAN KARDEC
LAKE
(2007)
R$ 13,00



TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA
LIMA BARRETO
KLICK
(1997)
R$ 4,60



PETRUS LOGOS - O GUARDIÃO DO TEMPO
AUGUSTO CURY
SARAIVA
(2014)
R$ 10,00



FAZENDA: QUE SOM É ESSE?
YOYO BOOKS
YOYO BOOKS - SELO NOBEL
(2014)
R$ 35,83



O SOCIO
JOHN GRISHHAM
ROCCO
(1997)
R$ 17,85



RUMO À LIBERDADE
GISELDA LAPORTA NICOLELIS
MODERNA
(1989)
R$ 5,90



RODEIO A CÉU ABERTO
AUGUSTO CÉSAR PROENÇA
LIFE
R$ 15,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês