Flores Azuis, de Carola Saavedra | Mariana Mendes | Digestivo Cultural

busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o último episódio do Música Fora da Curva
>>> Historiador Russell-Wood mergulha no mundo Atlântico português da Idade Moderna
>>> Livro ensina a lidar com os obstáculos do Transtorno do Déficit de Atenção
>>> 24 e 25/04: últimas apresentações do projeto 48h_48min acontecem neste fim de semana
>>> João Trevisan: Corpo e Alma || Museu de Arte Sacra
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Machado e a AR-15
>>> Notas confessionais de um angustiado (V)
>>> Festival de interatividades
>>> O melhor de Steve Jobs
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
>>> Leituras, leitores e livros – Parte I
>>> Abertura de Guillaume Tell
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Vianinha corpo-a-corpo
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
Mais Recentes
>>> A Mágica de Pensar Grande de David J. Schwartz pela Record (1995)
>>> Abolição: Um Suave Jogo Político? de Leonardo Trevisan pela Moderna (1991)
>>> A Revolução Industrial de Roberto Antonio pela Moderna (2002)
>>> Globalização Estado Nacional e Espaço Mundial de Demétrio Magnoli pela Moderna (1998)
>>> A Marca de Uma Lágrima de Pedro Bandeira pela Moderna (1992)
>>> Evolução Das Espécies de Samuel Murgel Branco pela Moderna (2003)
>>> Plastico Bem Superfluo Ou Mal de Eduardo Leite do Canto pela Moderna (1995)
>>> História da Literatura Brasileira -2ª ed. revista e ampliada de Luciana Stegagno Picchio pela Nova Aguilar- Lacerda- ABL (2004)
>>> O Meio Ambiente em Debate de Samuel Murgel Branco pela Moderna (1998)
>>> Sentidos Da Vida Uma Pausa P Pensar de Flavio Gikovate pela Moderna (1998)
>>> A Industrialização Brasileira - de Sonia Medonças pela Moderna (2000)
>>> Multinacionais Desenvolvimento Ou Exploração? de Paulo Martinez pela Moderna (1987)
>>> Um Amor Alem Do Tempo de Leila R. Iannone pela Moderna (1990)
>>> O Novo Mapa do Mundo de Demétrio Magnoli pela Moderna (1999)
>>> Olhinhos de gato de Cecília Meireles pela Modernao (1983)
>>> As Maiores Historias do Superman de Jerry Siegel e Joe Shuster. Capa: Alex Ross pela Panini Comics (2008)
>>> DC Especial vol.3 - Lanterna Verde de Ben Raab, Charlie Adlard, Tatjana Wood pela Panini Comics (2004)
>>> Superman versus Exterminador do Futuro de Alan Grant (roteiro), Steve Pugh (desenhos, arte-final e capa), Mike Perkins (arte-final) e David Stewart (cores) pela Abril (2000)
>>> X-Men - Filhos do Átomo de Joe Casey, Steve Rude, Esad Ribic pela Abril (2001)
>>> Anjos e Demônios: a primeira aventura de Robert Langdon de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> Ponto de Impacto de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Fortaleza Digital de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Simbad - Uma Historia Das Mil E Uma Noites de Ludmila Zeman pela Projeto (2010)
>>> Geografia Geral e do Brasil. Espaço Geográfico e Globalização de João Carlos Moreira; Eustáquio de Sene pela Scipione (2021)
>>> Você Com Você de Marcos Leão - Calunga pela Casa dos Espíritos (2011)
COLUNAS

Segunda-feira, 22/9/2008
Flores Azuis, de Carola Saavedra
Mariana Mendes

+ de 12100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Logo no início do livro Flores Azuis (Companhia das Letras, 2008, 168 págs.), de Carola Saavedra, uma pergunta me instigou, acompanhando-me até a última linha: é possível afirmar de um livro que ele se dirige e agrada mais ao público feminino do que ao masculino? Não me refiro aqui a uma literatura feminista, engajada e que encampe uma luta por igualdade, e sim a algo muito mais sutil. Uma escrita que, ao retratar e privilegiar o que se convencionou chamar de universo feminino, dialogue diretamente com este público a ponto de excluir outros. E se, por acaso, a resposta for positiva, isso diminuiria de algum modo a qualidade dessa escrita? A pergunta pode parecer complexa e talvez seja possível imaginar, a partir dessa questão, argumentos de autoridade ou teses acadêmicas, mas minha intenção aqui é apenas pensar, levantar e discutir o assunto, tendo como principal guia este novo romance de Saavedra.

Autora jovem ― nasceu no Chile, em 1973, mas reside no Brasil desde os três anos ―, Carola foi uma das finalistas do concurso Contos do Rio em 2005, promovido pelo jornal O Globo. Seu texto impressionou um dos jurados, o renomado e veterano escritor Sergio Sant'Anna. Através desse apadrinhamento, Carola lançou, em 2007, seu primeiro romance, Toda terça, por uma importante editora, a Companhia das Letras, que agora também publica Flores Azuis. Neste que é seu terceiro livro ― o primeiro, Do lado de fora, é uma antologia de contos publicada pela editora carioca 7 Letras ― a escritora se utiliza de um recurso já explorado em Toda terça: a alternância do ponto de vista capítulo a capítulo; além de imprimir extrema agilidade à narrativa com um estilo peculiar.

O livro se inicia com uma carta de amor escrita por um remetente anônimo que assina apenas como "A.", mas que se caracteriza como uma mulher que se separou e digere esse momento através da escrita. O livro é composto por nove dessas cartas, intercaladas com nove capítulos em que elas são lidas por Marcos, um arquiteto recém-separado. Inicialmente, as cartas foram endereçadas corretamente: o nome da rua, número do prédio e do apartamento, tudo confere, mas o destinatário está incorreto. Marcos mora nesse apartamento há apenas um mês e observa que esta primeira carta é dirigida a outro que não ele, mas sua curiosidade o leva a lê-la e, depois desse primeiro contato com essa remetente misteriosa, não consegue mais se distanciar. As cartas são escritas e deixadas em sua caixa de correio diariamente, do dia dezenove de janeiro ao dia 27 do mesmo mês. Marcos se envolve com essas cartas, com o conteúdo da escrita; elas causam um impacto devastador em sua vida, transformam-se em uma obsessão e fazem com que ele enxergue claramente as diferenças entre ele e a ex-mulher e suas idiossincrasias. As cartas o levam também a dispensar Fabiane, candidata à nova namorada e, finalmente, o fazem perceber aspectos importantes da sua personalidade. Através da leitura dessas cartas, Marcos descortina o que gosta e quer de uma mulher.

E onde entra a questão levantada no primeiro parágrafo? Um ponto de vista feminino se alterna com um masculino a cada capítulo, então por que mencionar uma preponderância feminina? A resposta é simples: esse predomínio é intrínseco ao texto, existe um apelo e uma construção temática voltados para o que se convencionou chamar "o típico universo feminino". Desde a primeira carta, o leitor fica exposto a uma enxurrada de idéias comumente associadas a um modo de ser exclusivo das mulheres, como, por exemplo, a idéia de nós mulheres lançarmos mão de um certo exagero ao nos comunicarmos, exagero com o qual os homens não se sentem à vontade: "Talvez você não queira toda essa revelação, toda essa intimidade. Esse excesso de palavras". A verborragia é tipicamente feminina? E uma insegurança que nos leva, diante do outro, a fazer perguntas sem esperar por uma resposta? Perguntar por perguntar é um comportamento tipicamente feminino?

Está claro que são idéias usadas para construir a personagem feminina, pertencem ao registro da ficção e inicialmente não podem ser tomadas como generalidades ditas sobre a mulher e o seu universo. Porém, mesmo sob o domínio do narrador masculino, é possível entrever idéias muito parecidas. Ao receber a primeira carta, Marcos tece conjecturas sobre quem a escreveu: "Quem se daria o trabalho de escrever uma carta nos dias de hoje? Provavelmente uma mulher", ou adiante: "Mas as mulheres só compreendem o que interessa a elas (...)", "As mulheres belas costumam ser as mais complicadas (...)". Ainda que exista uma alternância entre os pontos de vista, eles não diferem entre si quando se trata de compor uma imagem sobre o universo feminino. Nos dois casos, se apóiam em estereótipos.

E ainda que as idéias sejam proferidas ora por "A.", ora por Marcos, elas perpassam a ficção de um modo único e constante. O universo feminino, ou o que se imagina dele caso exista tal qual um consenso, acaba, talvez por um mero acaso, sendo um dos eixos temáticos principais na falta de um sentido mais forte na composição da matéria de Flores Azuis. E por esse viés há uma dissonância entre o tema e a forma. O romance possui um final aberto, o leitor termina sem saber exatamente para quem "A." escreve. É uma estrutura que demonstra o pleno domínio da autora diante da forma, elaborada por um estilo forte e bem trabalhado, mas talvez Carola tenha se preocupado demasiadamente com a estrutura a ponto de negligenciar sua matéria. A não ser que sua intenção tenha sido reproduzir estereótipos à La Bridget Jones.

Para ir além






Mariana Mendes
São Paulo, 22/9/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O fim da revista Bravo! de Rafael Rodrigues


Mais Mariana Mendes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/9/2008
15h56min
Depois de ler o texto de Mariana Mendes certamente buscarei, em Flores Azuis, esses aspectos observados por ela com tanta precisão, sensibilidade e minúcia.
[Leia outros Comentários de Júlia]
23/9/2008
06h59min
Citando "esse exceço de palavras"... Essa verborragia - conforme resenha acima, pois ainda não li o livro - vai modulando o feminino, até alcançar a unidade, isto é, a questão do Desejo, que é da ordem tanto do masculino quanto do feminino. Nesse sentido, penso que no romance de Carola Saavedra existe apenas uma aparente dicotomia.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
23/9/2008
09h51min
Temo que este comentário não passe no crivo do pessoal do site, confesso que pode estar entre os 10 tipos de comentadores de fórum, que o Digestivo se dá o direito de excluir, "o fã incondicional"... (hehehehe) Achei o promeiro livro de Carola dispensável, não tenho interesse no segundo. Já Mariana Mendes, quando lançará ela seu primeiro livro? (Pode ser só de ensaios críticos.) Excelente resenha!
[Leia outros Comentários de Tarcila Lucena]
17/2/2011
14h28min
Ótima crítica. Já o livro... fiquei me perguntando como diabos alguém iria se apaixonar por uma mulher tãããooo chata como a tal "A"! "Me pisa, me chama de lagartixa" tem limite... isso é universo feminino? Socorro! Uma coisa é verossímil: que o tal amante tenha bro(é com ch ou x?)ado e cometido violência contra esse personagem pegajoso. Que mesmo assim continua na cola dele. Horrível! Esse personagem feminino puxa pelos piores aspectos da personalidade de qualquer um. Outra coisa consistente no romance: que o amante tenha corrido tanto do purgante que fugiu do apartamento que alugava sem dar notícias. Rsrsrs Vou ler as outras críticas dessa Mariana, menina inteligente!
[Leia outros Comentários de Marilia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Book One of the Fifty Shades Trilogy
E L James
Vintage Books
(2012)



Mistério na Abadia
Ellis Peters
Record
(1996)



São Paulo Em Vinte Artistas
Alberto Hiar Junior
Imprensa Oficial
(2010)



Administração de Recursos Humanos Fundamentos Basicos
Idalberto Chiavenato
Manole
(2016)



1999
Nova Cultural
Nova Cultural
(1999)



Dicionário de Inglês Corporativo
Adriana Grade Fiori Souza
Disal
(2006)



Feng Shui - Energia e Prosperidade no Trabalho
Roberto Bo Goldkorn
Campus
(1999)



Mulher o Negro do Mundo
Malcolm Montgomery
Gente
(1997)



Minecraft Galaxy Wars 1
Minecraft
Tambor
(2016)



Instrumentos de Deus: um Livro Que Toca
Moraes Moreira e Parceria; Romero Cavalcanti (ilus
José Olympio
(1986)





busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês