Flores Azuis, de Carola Saavedra | Mariana Mendes | Digestivo Cultural

busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Mostra Primeiros Passos
>>> José Patrício inaugura exposição inédita em Brasília
>>> Livro mostra a ambiguidade entre amor e desamor
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> A luz da alma - Haifa Israel
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A música clássica ensurdece a democracia caótica
>>> Dê-me liberdade e dê-me morte
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Memórias da revista Senhor
>>> É o Fim Do Caminho.
>>> Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
>>> O massacre da primavera
>>> Raio-X do imperialismo
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> O Brasil que eu quero
Mais Recentes
>>> Tomás de Aquino
>>> Minha limpeza corporal - Le grand Ménage
>>> Max Weber e a política alemã
>>> Isaiah Berlin
>>> La Magia en Acción
>>> Introdução à epistemologia
>>> As causas da grandeza do romanos e da sua decadência
>>> Hannah Arendt
>>> Paixão por vencer. A bíblia do sucesso
>>> O Livro Completo de Bruxaria do Buckland
>>> O Escaravelho do Diabo
>>> Llora Herraiz
>>> Festa no Covil
>>> O Fazedor de Velhos
>>> Mentes Tranquilas, Almas Felizes
>>> Contabilidade Pública: da Teoria à Prática
>>> Estudo de Movimentos e Tempos
>>> Cartas Comerciais em Espanhol
>>> Organização , Sistemas e Métodos e As Tecnologias de Gestão Organizacional
>>> Perdas & Ganhos
>>> Dom Casmurro
>>> História da Arte
>>> O sentido da realidade. Estudos das ideias e de sua história
>>> Práticas de Linguagem - Leitura & Produção de Textos
>>> Pássaros Feridos
>>> Geografia do Brasil - Espaço Natural, Territorial e Sócioeconômico brasileiro
>>> Contratos Internacionais do Comércio
>>> Marketing Social: Novos Paradigmas
>>> Gestão Financeira das Empresas: um Modelo Dinâmico
>>> Fundamentos de Economia
>>> Economia Brasileira Contemporânea: Para Cursos de Economia e Administração
>>> À Margem da Linha
>>> Conecte História - 3º Ano - Ensino Médio
>>> Biologia 3 - 3ª edição
>>> Culinária para Bem Estar
>>> A Ilíada e a Odisseia - Coleção Clássicos Em Quadrinhos
>>> Asas do Brasil - Uma História que Voa Pelo Mundo - Em Ótimo Estado
>>> Esquecer o natal
>>> O Mistério dos Sete Candelabros de Ouro
>>> Dom Quichote De La Mancha - Cervantes / Gustavo Doré - Raro
>>> Coleção Fernando Sabino 12 Volumes Editora Record 1984
>>> Livro Curso Prático De Imposto De Renda
>>> O Medo e a Ternura
>>> Liberdade Virtual
>>> A Colina dos Suspiros
>>> Pretinha, eu?
>>> Amor Não Tem Cor
>>> A Morte Tem Sete Herdeiros
>>> Contos Urbanos e Lendas Rurais
>>> Redes de Abuso
COLUNAS

Segunda-feira, 22/9/2008
Flores Azuis, de Carola Saavedra
Mariana Mendes

+ de 9500 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Logo no início do livro Flores Azuis (Companhia das Letras, 2008, 168 págs.), de Carola Saavedra, uma pergunta me instigou, acompanhando-me até a última linha: é possível afirmar de um livro que ele se dirige e agrada mais ao público feminino do que ao masculino? Não me refiro aqui a uma literatura feminista, engajada e que encampe uma luta por igualdade, e sim a algo muito mais sutil. Uma escrita que, ao retratar e privilegiar o que se convencionou chamar de universo feminino, dialogue diretamente com este público a ponto de excluir outros. E se, por acaso, a resposta for positiva, isso diminuiria de algum modo a qualidade dessa escrita? A pergunta pode parecer complexa e talvez seja possível imaginar, a partir dessa questão, argumentos de autoridade ou teses acadêmicas, mas minha intenção aqui é apenas pensar, levantar e discutir o assunto, tendo como principal guia este novo romance de Saavedra.

Autora jovem ― nasceu no Chile, em 1973, mas reside no Brasil desde os três anos ―, Carola foi uma das finalistas do concurso Contos do Rio em 2005, promovido pelo jornal O Globo. Seu texto impressionou um dos jurados, o renomado e veterano escritor Sergio Sant'Anna. Através desse apadrinhamento, Carola lançou, em 2007, seu primeiro romance, Toda terça, por uma importante editora, a Companhia das Letras, que agora também publica Flores Azuis. Neste que é seu terceiro livro ― o primeiro, Do lado de fora, é uma antologia de contos publicada pela editora carioca 7 Letras ― a escritora se utiliza de um recurso já explorado em Toda terça: a alternância do ponto de vista capítulo a capítulo; além de imprimir extrema agilidade à narrativa com um estilo peculiar.

O livro se inicia com uma carta de amor escrita por um remetente anônimo que assina apenas como "A.", mas que se caracteriza como uma mulher que se separou e digere esse momento através da escrita. O livro é composto por nove dessas cartas, intercaladas com nove capítulos em que elas são lidas por Marcos, um arquiteto recém-separado. Inicialmente, as cartas foram endereçadas corretamente: o nome da rua, número do prédio e do apartamento, tudo confere, mas o destinatário está incorreto. Marcos mora nesse apartamento há apenas um mês e observa que esta primeira carta é dirigida a outro que não ele, mas sua curiosidade o leva a lê-la e, depois desse primeiro contato com essa remetente misteriosa, não consegue mais se distanciar. As cartas são escritas e deixadas em sua caixa de correio diariamente, do dia dezenove de janeiro ao dia 27 do mesmo mês. Marcos se envolve com essas cartas, com o conteúdo da escrita; elas causam um impacto devastador em sua vida, transformam-se em uma obsessão e fazem com que ele enxergue claramente as diferenças entre ele e a ex-mulher e suas idiossincrasias. As cartas o levam também a dispensar Fabiane, candidata à nova namorada e, finalmente, o fazem perceber aspectos importantes da sua personalidade. Através da leitura dessas cartas, Marcos descortina o que gosta e quer de uma mulher.

E onde entra a questão levantada no primeiro parágrafo? Um ponto de vista feminino se alterna com um masculino a cada capítulo, então por que mencionar uma preponderância feminina? A resposta é simples: esse predomínio é intrínseco ao texto, existe um apelo e uma construção temática voltados para o que se convencionou chamar "o típico universo feminino". Desde a primeira carta, o leitor fica exposto a uma enxurrada de idéias comumente associadas a um modo de ser exclusivo das mulheres, como, por exemplo, a idéia de nós mulheres lançarmos mão de um certo exagero ao nos comunicarmos, exagero com o qual os homens não se sentem à vontade: "Talvez você não queira toda essa revelação, toda essa intimidade. Esse excesso de palavras". A verborragia é tipicamente feminina? E uma insegurança que nos leva, diante do outro, a fazer perguntas sem esperar por uma resposta? Perguntar por perguntar é um comportamento tipicamente feminino?

Está claro que são idéias usadas para construir a personagem feminina, pertencem ao registro da ficção e inicialmente não podem ser tomadas como generalidades ditas sobre a mulher e o seu universo. Porém, mesmo sob o domínio do narrador masculino, é possível entrever idéias muito parecidas. Ao receber a primeira carta, Marcos tece conjecturas sobre quem a escreveu: "Quem se daria o trabalho de escrever uma carta nos dias de hoje? Provavelmente uma mulher", ou adiante: "Mas as mulheres só compreendem o que interessa a elas (...)", "As mulheres belas costumam ser as mais complicadas (...)". Ainda que exista uma alternância entre os pontos de vista, eles não diferem entre si quando se trata de compor uma imagem sobre o universo feminino. Nos dois casos, se apóiam em estereótipos.

E ainda que as idéias sejam proferidas ora por "A.", ora por Marcos, elas perpassam a ficção de um modo único e constante. O universo feminino, ou o que se imagina dele caso exista tal qual um consenso, acaba, talvez por um mero acaso, sendo um dos eixos temáticos principais na falta de um sentido mais forte na composição da matéria de Flores Azuis. E por esse viés há uma dissonância entre o tema e a forma. O romance possui um final aberto, o leitor termina sem saber exatamente para quem "A." escreve. É uma estrutura que demonstra o pleno domínio da autora diante da forma, elaborada por um estilo forte e bem trabalhado, mas talvez Carola tenha se preocupado demasiadamente com a estrutura a ponto de negligenciar sua matéria. A não ser que sua intenção tenha sido reproduzir estereótipos à La Bridget Jones.

Para ir além






Mariana Mendes
São Paulo, 22/9/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Não há outro como Fraga de José Ricardo Manini


Mais Mariana Mendes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/9/2008
15h56min
Depois de ler o texto de Mariana Mendes certamente buscarei, em Flores Azuis, esses aspectos observados por ela com tanta precisão, sensibilidade e minúcia.
[Leia outros Comentários de Júlia]
23/9/2008
06h59min
Citando "esse exceço de palavras"... Essa verborragia - conforme resenha acima, pois ainda não li o livro - vai modulando o feminino, até alcançar a unidade, isto é, a questão do Desejo, que é da ordem tanto do masculino quanto do feminino. Nesse sentido, penso que no romance de Carola Saavedra existe apenas uma aparente dicotomia.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
23/9/2008
09h51min
Temo que este comentário não passe no crivo do pessoal do site, confesso que pode estar entre os 10 tipos de comentadores de fórum, que o Digestivo se dá o direito de excluir, "o fã incondicional"... (hehehehe) Achei o promeiro livro de Carola dispensável, não tenho interesse no segundo. Já Mariana Mendes, quando lançará ela seu primeiro livro? (Pode ser só de ensaios críticos.) Excelente resenha!
[Leia outros Comentários de Tarcila Lucena]
17/2/2011
14h28min
Ótima crítica. Já o livro... fiquei me perguntando como diabos alguém iria se apaixonar por uma mulher tãããooo chata como a tal "A"! "Me pisa, me chama de lagartixa" tem limite... isso é universo feminino? Socorro! Uma coisa é verossímil: que o tal amante tenha bro(é com ch ou x?)ado e cometido violência contra esse personagem pegajoso. Que mesmo assim continua na cola dele. Horrível! Esse personagem feminino puxa pelos piores aspectos da personalidade de qualquer um. Outra coisa consistente no romance: que o amante tenha corrido tanto do purgante que fugiu do apartamento que alugava sem dar notícias. Rsrsrs Vou ler as outras críticas dessa Mariana, menina inteligente!
[Leia outros Comentários de Marilia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESPAÇO NACIONAL, FRONTEIRAS E DESLOCAMENTOS NA OBRA DE ANTÔNIO TORRES
CLÁUDIO CLEDSON NOVAES, ROBERTO H. SEIDEL (ORG.)
UEFS
(2010)
R$ 25,00



UM LIVRO FORJADO NO INFERNO- O TRATADO ESCANDALOSO DE ESPINOSA E O NASCIMENTO DA ERA SECULAR.
STEVEN NADLER
TRÊS ESTRELAS
(2013)
R$ 29,99



QUINCAS BERRO D'ÁGUA E O GATO MALHADO
JORGE AMADO
RECORD
(1983)
R$ 30,00
+ frete grátis



TUDO É POSSIVEL
ALLAN PERCY
SEXTANTE
(2013)
R$ 10,00



RANGERS: ORDEM DOS ARQUEIROS 1 - RUÍNAS DE GORLAN
JOHN FLANAGAN
FUNDAMENTO
(2009)
R$ 16,90



SCJP SUN CERTIFIED PROGRAMMER FOR JAVA 5 NEW EDITION (SEM CD)
KATHY SIERRA / BERT BATES
MCGRAW HILL
(2006)
R$ 29,00



UM AMOR PARA RECORDAR
NICHOLAS SPARKS
NOVO CONCEITO
(2013)
R$ 6,78



VIAGENS PSÍQUICAS
RUSSEL B. ADAMS
ABRIL LIVROS
(1993)
R$ 10,00



OS JOGOS TEATRAIS DE VIOLA SPOLIN: UMA PEDAGOGIA DA EXPERIÊNCIA
KARINE RAMALDES E ROBSON CORRÊA DE CAMARGO
KELPS
(2017)
R$ 35,00
+ frete grátis



JOSÉ E SEUS FILHOS VOL 8
GORDON LINDSAY
GRAÇA
(2001)
R$ 5,00





busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês