O escritor está nu | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clássico de Charles Dickens retrata as misérias sociais da industrialização inglesa
>>> Clube latino-americano de Jazz por streaming terá transmissão gratuita no Brasil
>>> Fora da Casinha realizará apresentações circenses virtuais voltadas para toda família
>>> As Clês narram as vozes femininas do mundo
>>> Programa DIVERSAS estreia na Rádio USP dia 11 de março
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A melhor versão shakespeariana de Kurosawa
>>> Cultura às moscas
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Sobre A Produção Contemporânea
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
>>> Entrevista com GermanoCWB
>>> A palavra silenciosa
>>> O menino e o Homem Aranha
>>> À beira do caminho
>>> William Faulkner e a aposta de Pascal
Mais Recentes
>>> Pra Que Serve Matemática ? Semelhança de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Pra Que Serve Matemática ? Equação do 2º Grau de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Pra Que Serve Matemática ? Álgebra de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> A Viagem de Uma Alma de Peter Richelieu pela Pensamento (1972)
>>> Harry Potter e a Ordem da Fênix de J. K. Rowling pela Rocco (2003)
>>> O Sorriso do Lagarto de João Ubaldo Ribeiro pela Nova Fronteira (1989)
>>> As 10 Mulheres Que Você Vai Ser Até os 35 de Alison James pela Best Seller (2009)
>>> Histórias Extraordinárias de Edgar Allan Poe pela Martin Claret (2001)
>>> Cascata de Luz de Irene Pacheco Machado pela Recanto
>>> O Amanhã a Deus Pertence de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2006)
>>> A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera pela Rio Gráfica
>>> Sheila Levine Está Morta e Vivendo Em Nova York de Gail Parent pela Bertrand Brasil (2007)
>>> Espelho Meu de Edgar J. Hyde pela Ciranda Cultural (2010)
>>> A 2ª Morte de R a Ranieri pela Edifrater (1997)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2014)
>>> Cem Melhoramentos Crônicas (que, na Verdade, São 129) de Mario Prata pela Planeta (2007)
>>> Pare de Sofrer de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciência (1997)
>>> Harmonização de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Mulheres Alteradas 1 de Maitena pela Rocco
>>> Vernon God Little de Dbc Pierre pela Record (2004)
>>> Seja Líder de Si Mesmo de Augusto Cury pela Sextante (2004)
>>> Crônicas para Gostar de Ler Volume 5 de Carlos Drummond de Andrade pela Atica
>>> As Ilusões Perdidas de Honor é de Balzac pela Victor Civita
>>> O Pequeno Príncipe 25 Edição de Antoine de Saint Exupéry pela Agir (1983)
>>> Autoridade Docente no Ensino Superior: Discussão e Encaminhamentos de Maria Lucia M. Carvalho Vasconcelos pela Intertexto (2006)
COLUNAS

Segunda-feira, 13/10/2008
O escritor está nu
Pilar Fazito

+ de 4000 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Você, leitor, é um imoral. Sei que não deve ser fácil saber disso, ainda mais numa segunda-feira pela manhã, período em que ocorre a maioria dos casos de infarto, mas alguém tinha que alertá-lo. Então, prepare sua sensibilidade porque vou dizer de novo: você, leitor, é um imoral, como todo voyeur. Antes de ser apedrejada, deixe-me dizer que isso não é, propriamente, uma acusação. Afinal, que validade teria uma acusação dessas, vinda de uma desavergonhada?

Numa dessas faxinas radicais operadas, vez por outra, pelo orixá que habita em mim, acabei defenestrando um ótimo texto acadêmico que mudou toda a minha concepção sobre a escrita. Infelizmente, não tive o cuidado de memorizar o título do artigo, o nome dos autores ou qualquer coisa que me fizesse encontrá-lo novamente em meio às tramas da internet. Bem, na falta da referência, recorro à minha memória mambembe, com a esperança de que alguém possa refrescá-la com os dados perdidos.

O artigo, disponibilizado em inglês e em francês, foi escrito por dois psicanalistas que analisavam as implicações da escrita literária. Para eles, escrever é uma atividade que exige um desnudamento de quem a pratica comparável apenas ao dos amantes durante o ato sexual. Resumida desse modo grosseiro, a comparação parece exagerada; mas não é. Segundo os autores, é a falta de pudor na escrita que faz com que um universo de possibilidades ficcionais tome forma e funcione em sua verossimilhança. Se o escritor deixar de escrever o que sente com receio daquilo que os outros pensam dele, a literatura simplesmente não acontece. Do mesmo modo, não pode haver entrega sexual quando ela se preocupa em esconder a celulite e ele, os três fiapos de pêlo que jazem sozinhos na vastidão de um peitoral pouco malhado.

A entrega na escrita literária é evidente quando falamos da forma lírica. Os verdadeiros poetas sabem que a poesia é um reflexo imediato de sua sensibilidade. Foi com a Ana Ê que aprendi uma verdade sutil: poesia pode ser retocada, mas jamais reescrita ou reestruturada. Estrofes e versos são tão delicados que não resistem a uma sova narrativa, como é o caso da prosa literária e, sobretudo, a escrita de roteiros ― um caso à parte. Quando entendi isso, passei a respeitar ainda mais os poetas, que se desnudam por inteiro e nem mesmo recorrem a um photoshopzinho básico antes de ir a público.

Um exemplo da proximidade entre sexo e escrita: pergunte a qualquer escritor quais de seus leitores são os mais temidos por ele. Que leitor crítico, que nada! O mais certo é que a resposta seja: a mãe e/ou o pai. Medo de decepcionar o genitor? Não creio. Talvez a razão da resposta tenha mais a ver com aquele sentimento de aversão que todo ser humano tem quando descobre que os pais não são seres assexuados. Imaginar o que os pais fizeram numa determinada primavera de 1975 é tão constrangedor quanto imaginar o que eles imaginam quando você passa a noite fora de casa. Inhãrk!

O fato é que até mesmo a prosa ficcional requer um despojamento das máscaras que usamos no dia-a-dia e que costumam nos caracterizar conforme o grupo que freqüentamos. Se no cotidiano o autor é conhecido como "o palhaço" por tios e primos, "o reprimido" pelo grupo A de amigos, "o desbocado e tresloucado" no grupo B, "o responsa" no C etc., na narrativa de ficção cada uma dessas facetas dará corpo a um personagem. Por isso, em vez de se esconder atrás de suas criações, na verdade, o que o escritor faz é revelar tudo o que ele é de uma única vez. E isso pode assustar muita gente, ainda mais aqueles conhecidos que não imaginam a natureza doentia dos pensamentos que podem estar escondidos atrás dos olhos do autor.

Coragem, loucura ou sem-vergonhice, o verdadeiro escritor não pode ter pudor; ele tem que dar a cara a tapas, críticas e comentários; e, principalmente, sobreviver a eles. Mas não se iluda. Definitivamente, o autor não é um ser desprotegido. Na verdade, ele é um nudista que não se contenta com a própria nudez e faz questão de despir a realidade à sua volta. E é aí que reside sua capacidade de vingança: o escritor pode e usará nos textos que produzir todos os segredos que você lhe confiar, as expressões e gestos que você deixar escapar e todos os seus medos. É claro que ele pode trocar o nome dos santos, misturar situações, combinar defeitos físicos e manias que coleciona ao longo de suas observações mundanas, enfim, dar uma maquiada nas informações a fim de preservar um pouco a imagem dos conhecidos. Ele pode, mas isso não significa que ele fazer. E mais uma vez voltamos ao sexo: não há nada mais sórdido do que sair por aí divulgando manias, defeitos do ex-amante e segredos que deveriam permanecer entre quatro paredes. Entretanto, a gente sabe que nem todo mundo prima pela discrição.

Sei de um autor potiguar que passou mais de 20 anos sofrendo retaliação de parte da população de sua cidade natal, depois de ter escrito um dos melhores romances contemporâneos do Nordeste. Nesse livro, há tipos tão peculiares, descritos com tanta precisão, que não foram poucas as pessoas que identificaram as fontes de sua criação e reconheceram os próprios defeitos expostos em público.

Sei também de um escritor que guarda histórias para escrever depois que a mãe morrer, só para garantir que não ele será o responsável pela morte dela. Também há o caso da escritora covarde que acabou queimando páginas de um quase-livro porque "depunha muito" contra seu ex-túpido, "por mais que ele merecesse o inferno..."

Como se vê, em meio a esse campo de nudismo literário, não é o autor quem está nas mãos de críticos e leitores, mas a realidade e a sociedade é que estão, literalmente, nas mãos desse sem-vergonha audaz.

Por outro lado, se o escritor é um exibicionista, o leitor é um voyeur. Afinal não é esse o termo que designa aquele que sente prazer em observar a nudez de outrem pela fresta?

Em termos de fetiche literário, graças a Zeus somos todos imorais e ninguém pode falar de ninguém. A entrega não combina com "nove horas"; e tanto na escrita quanto na leitura, mais do que em salas de embarque de aeroportos, vale a máxima da ex-ministra do turismo, Marta Suplicy: "relaxa e goza", cara.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 13/10/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Querido site de compras coletivas de Carla Ceres
02. Sobre o Hino Nacional Brasileiro de Ricardo de Mattos
03. Cinema Latino na Holanda de Tatiana Mota
04. Gênio: apontamentos ensaísticos de Jardel Dias Cavalcanti
05. Dando a Hawthorne seu real valor de Daniel Lopes


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2008
01. Como esquecer um grande amor - 28/7/2008
02. Então, você quer escrever um livro... - 7/1/2008
03. A verdade que as mulheres contam - 17/3/2008
04. Desligando o Cartoon Network - 11/2/2008
05. Os pontos de um crochê - 17/11/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/10/2008
10h10min
Muito interessante, Pilar. Esse texto propõe mais uma boa resposta (são raras) à questão: quem é o verdadeiro autor do texto literário? Como conciliar Shakespeare com o discreto negociante de imóveis que ele foi? Quem era Lewis Carroll? Aquele professorzinho gago? Emily Dickinson era mesmo aquela simples moça doméstica e tímida que não saia de casa? Fernando Pessoa, em pessoa, era mais chato ou menos chato que Álvaro de Campos? Por outro lado também é válido pensar que o escritor está nu, no dia-a-dia, mas veste sua roupa de Batman para escrever. Ou da Mulher Maravilha. Ótimo texto! Abraços
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
7/10/2008
09h32min
Por isso gosto de você, Pilar Fazito, e nem a conheço pessoalmente. Simplesmente admiro o que você pensa, como escreve, mesmo que nem tudo o que escreva seja o que você pensa. E pode crer, são poucas as pessoas que admiro, não que eu seja o máximo, o melhor, e tão pouco sou do contra ou um cara chato, posso ser intransigente com as mediocridades, desconstrutor das beocidades e dos que se acham, alguns ruinzinhos nos seus místeres, mas heróis da moçada... Você parece-me verdadeira, coloca, em parte, seus personagens como seu alter-ego. E todos que escrevem ou tentam escrever, sem dúvida, são os alter-egos dos seus personagens; é dificil separar o real do irreal quando se textua ficção, pelo menos é assim que me sinto ao tentar escrever. Quase sempre o autor derrama no papel o que sente, de fato, intimamente, mesmo que minta no contexto e diga que o personagem é outro, não ele. Como dizer em um texto que sente a maior atração pela amiga, diz que é um amigo que está sentindo...
[Leia outros Comentários de I. Boris Vinha]
7/10/2008
16h38min
Você pegou o espírito da coisa. De uma forma clara e agradável, transmitiu um aspecto dos escritores pouco exposto. Creio que tem razão. Há um certo receio por parte dos escritores em se sentirem descobertos pela família ou conhecidos. Ou vice-versa.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
8/10/2008
11h33min
Querida Pilar, excelente texto. Ele me remeteu imediatamente ao "Dublinenses", de James Joyce. O escritor irlandês "dedurou" (rsrs) toda Dublin por meio da escritura. Isto também é válido no que se refere ao "Ulisses". Abraços do Sílvio Medeiros. Campinas, é primavera de 2008.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
13/10/2008
10h43min
E, de acordo com o que levantas, penso que já esteja mais do que na hora de desconstruir a célebre "o poeta é um fingidor". Ele não é nada disso. O autor é livre, e - se assim não for, não será escritor. A ficção literária, porém, permite-lhe o disfarce, que, por sua vez, possui base real. Mas, ainda que se vista a caráter, não conseguirá ir muito além. A meu ver, estás coberta (mas não disfarçada) de razão. Parabéns pelo belíssimo texto. Um abraço.
[Leia outros Comentários de Américo Leal Viana]
14/11/2010
09h30min
Nada de novo sob o Sol. Será que são necessários dois psicanalistas europeus para saber que o autor não se esconde, mas se desnuda, com seus escritos? Que nova pólvora foi descoberta? Será que esses caras não tinham nada melhor a fazer? Quanto à cronista, poderia ter pelo menos dito quem é o tal escritor potiguar, a única informação interessante na crônica, mas que faltou.
[Leia outros Comentários de Gil Cleber]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Textos Medievais Portuguêses e Seus Problemas
Serafim da Silva Neto
Ministério da Saúde e Educa
(1956)
R$ 24,50



A Linha Amarela - por Onde Passa e Proximidades
Vera Voto
Prefeitura do Rio de Janeiro
(1998)
R$ 9,80



Mr. North
Thornton Wilder
Best Seller
(1985)
R$ 10,00



Contabilidade Rural
Jospe Carlos Marion
Atlas
(2009)
R$ 20,00



Mies Van der Rohe Critical Essays
Vários Autores
Moma
(1990)
R$ 100,00



Histoire de Leurope et de La France - de 1610 a 1789 - 10412
Victor Duruy
Hachette
(1892)
R$ 85,00



Repressão Penal da Greve
Christiano Falk Fragoso
Lumen Juris
(2016)
R$ 115,00



O outro lado do tabuleiro (Literatura Infanto-Juvenil)
Eliane Ganem
Record
(2000)
R$ 10,00



Atenção Plena Mindfulness - Esoterico
Mark Williams E Dany Penman
Sextante
R$ 39,00



Quantificação Em Psicologia
W. L. Hays
Herder
(1970)
R$ 5,00





busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês