Repetição: AC/DC, Satriani, Metallica e Extreme | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A escrita boxeur de Marcelo Mirisola
>>> Desorientação vocacional
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Montezano, do BNDES, sobre o marco do saneamento
>>> Leitor bebum começou com um gole
>>> Curtas e Grossas
>>> 12 de Agosto #digestivo10anos
>>> 11 de Fevereiro #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Golem e o Gênio: uma Fábula Eterna de Helene Wecker pela DarkSide (2015)
>>> Os Chakras: e os Campos de Energia Humanos de Shafica Karagulla, M.D. e Dora Van Gelder Kunz pela Pensamento (1991)
>>> O Caminho da Tranquilidade de Dalai Lama pela Sextante (2000)
>>> Perdas & Ganhos de Lya Luft pela Record (2003)
>>> Minecraft Fortaleza Medieval de Mojang pela Abril (1500)
>>> Minecraft Guia de Criação de Mohang pela Abril (2017)
>>> Minecraft Guia de Exploração de Mohang pela Abril (2021)
>>> Salomé de Oscar Wilde pela Principis (2021)
>>> O Mercador de Veneza de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> Do Contrato Social de Jean - Jacques Rousseau pela Principis (2021)
>>> Kilmeny do Pomar de Lucy Maud Montgomery pela Principis (2021)
>>> A Mamãe é Rock de Ana Cardoso pela Principis (2019)
>>> Nos Bastidores Trinta Anos Escrava, Quatro Anos na Casa Branca de Elizabeth Keckley pela Principis (2021)
>>> O Conde de Monte Cristo de Alexandre Dumas pela Principis (2021)
>>> Romeu e Julieta de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> O Condenado de Camilo Castelo Branco pela Principis (2021)
>>> The secret Agent de Joseph Conrad pela Collins Classics (2012)
>>> Vandrad, o Viking a Contenda e o Feitiço de Joseph Storer Clouston pela Principis (2021)
>>> Helena de Machado de Assis pela Principis (2021)
>>> Utopia de Thomas More pela Principis (2021)
>>> Poliana de Eleanor H. Porter pela Tricaju (2021)
>>> Cause of death de Patricia Cornwell pela Warner Books (1997)
>>> Um Inimigo do Povo de Henrik Ibsen pela Principis (2021)
>>> The Da Vinci Code de Dan Brown pela Corgi Books (2004)
>>> Little Woman de Luisa May Alcott pela Signet Classics (2012)
COLUNAS

Quarta-feira, 19/11/2008
Repetição: AC/DC, Satriani, Metallica e Extreme
Rafael Fernandes

+ de 3400 Acessos

O rock certamente não morreu e não acho que deva ser "salvo". E evito, neste texto, discutir se ainda tem ou não a força de outrora. O que me importa é se, mesmo reprisando fórmulas, ainda tem algo a oferecer como sempre teve: bons riffs, solos, instrumental bem feito, união competente entre baixo e bateria e boas canções ― palavras e expressões que vão ser repetidas à exaustão nas próximas linhas. Muitos dos chamados pejorativamente de "dinossauros" mostram trabalhos muito bons; outros se repetem até demais. Mas em ambos os casos aparecem com alguns achados que poderiam virar clássicos. Poderiam, porque não só o mercado não está mais tão propício para alguns eles, com sua saudável e necessária "substituição" por grupos mais novos (não dá pra ficar só no passado). Mas também porque muitas vezes uma parte dos seus admiradores fica mais preguiçosa que seus ídolos e, a qualquer sinal de mudança, histeria; ao menor sinal de novos clássicos, grita para ouvir os antigos. Enfim, esse não é o tema desse texto, que apenas pretende mostrar como há artistas que repetem certas fórmulas (alguns mais, outros menos), eventualmente com alguns achados: AC/DC, com Black Ice; Metallica, com Death Magnetic; Joe Satriani, com Professor Satchafunkilus and the musterion of rock; e Extreme, com Saudades de Rock. Esses discos ficam entre a repetição por vezes maçante e o bom, com alguns momentos ótimos.

AC/DC ― Black Ice


Ouça um trecho de "Skies on fire"

AC/DC é uma banda que nunca mudou ― e nem quis. Seu estilo é o mesmo desde que surgiu e gera, como acontece com os Ramones, o comentário de que tocaria a mesma música sempre. Ironias à parte, da mesma forma que não dá pra esconder que a repetição de fórmulas cansa, é difícil ficar sem reação ao ouvir músicas como "Back in black", "Highway to hell" e "You shook me all night long". Black Ice é um disco de rock consistente e o melhor da banda desde Back In Black. É diversão. Rock sem compromisso ou "conceito". É incrível como a banda, dentro de um restritíssimo universo ainda consegue tirar cartas da manga como "Skies on fire", "Anything goes", "She likes rock n roll" (com uma linha de baixo bem legal), "Smash n grab", "Decibel" e a faixa-título (essas duas com riffs marcantes, mas bem parecidos), que podem tranqüilamente virar novos clássicos. O vigor do disco faz a banda parecer composta por garotos à procura de sucesso. O problema é que quinze faixas do mais do mesmo (como é o caso deste disco) torna a audição por vezes cansativa. Mas isso não parece incomodar os fãs, já que Black Ice vendeu mais de cinco milhões de cópias pelo mundo.

Metallica ― Death Magnetic


Ouça um trecho de "All nightmare long"

Já o Metallica tentou enveredar por outros caminhos com Load e Reload, num rock mais direto, que era um caminho de certa forma natural depois de Metallica (o "álbum preto", que levou a banda de vez ao mainstream). O resultado foi bom, embora não brilhante. Load é um disco que contém ótimos riffs, boas melodias, variações de dinâmicas e arranjos e a pegada característica da banda, mas sem a linha metal, quase "progressiva" em alguns momentos, como em ...And justice for all. Mas é um disco de rock muito bom. É só ouvir a abertura "Ain't my bitch", "2x4", "Until it sleeps", "Hero of the day" e "Wasted my hate". Reload, mais fraco, teve seus bons momentos com "Fuel", "The memory remains" e "Bad seed". Houve chilique por parte dos fãs pela mudança de som e por coisas bobas como cortar cabelo e usar roupas "modernosas". St. Anger foi uma tentativa de volta com algo do trash em novas abordagens. O disco tem boas idéias, mas que mais parecem rascunhos de algo que poderia vir a ser interessante. Death Magnetic é, dentro do proposto, excelente, bem construído (apesar da controvérsia do áudio) e traz músicas que batem de frente com boa parte das antigas. "That was just your life", "Cyanide", "All nightmare long" e "My apocalypse" matam a saudade dos fãs do universo sonoro dos discos iniciais, com músicas longas, solos, riffs bem trabalhados e refrões que conseguem ser pegajosos dentro da brutalidade. E mostram que a banda ainda tem vários cartuchos pra queimar. Mas por vezes esse retorno às origens parece um pouco forçado, quase como covers de si mesmos. Fica uma sensação de que o Metallica, como aconteceu com outras bandas, pode ir a uma prisão de estilo pela resistência de seus fãs ― conservadores, avessos a mudanças.

Joe Satriani ― Professor Satchafunkilus and The musterion of rock


Ouça um trecho de "Out of sunrise"

Sabemos exatamente o que esperar de cada disco lançado por Joe Satriani ― o universo sonoro raramente muda. Satriani é uma espécie de guitarrista rock/pop, que faz músicas com pegada e influência rock e que tem estruturas e algumas melodias que remetem ao pop. E isso não é uma coisa ruim. E, por mais que o tal do "mais do mesmo" enjoe, em cada disco há sempre três ou quatro músicas de boas para ótimas. No disco anterior, Super Colossal, há a faixa título (com jeitão de clássico), "A cool new way" e "The meaning of love", sendo que estas duas últimas se encontram entre as minhas preferidas de toda sua carreira. Apesar disso, o novo disco é o mais fraco dos últimos anos e inferior ao anterior. Mas ainda consegue apresentar boas canções como, por exemplo, "I just wanna rock" e "Out of the sunrise".

Extreme ― Saudades de Rock


Ouça um trecho de "Flower Man"

Dos citados neste texto, creio que o Extreme foi a banda que melhor se saiu com o lançamento mais recente, Saudades de Rock (assim mesmo, em português ― o guitarrista Nuno Bettencourt é de Açores). O disco tem um trabalho de guitarra soberbo ― tanto nas bases como nos solos, fenomenais. Somemos melodias ótimas, peso, suingue e instrumental muito bem amarrado e temos um grande disco. É um hard rock direto, sem grandes inovações, mas que não apresenta tantas repetições. Mostra diversos elementos de seus discos anteriores, mas com certo frescor. E as baladas estão bem menos melosas do que a horrenda "More than words", que fez a banda explodir, ao mesmo tempo em que ficou marcada injustamente como "farofa". Traz músicas muito boas, como "Star", com coros à la Queen; "Learn to love"; "Take us alive"; "Run"; "King of the ladies", com riff bem trabalhado e um solo incendiário; e minha favorita de todas, "Flower man", empolgante, com ótimo refrão.


Rafael Fernandes
Sorocaba, 19/11/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Casa das Aranhas, de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
02. A Vida dos Obscuros de Marilia Mota Silva
03. Precisamos falar sobre Kevin de Renato Alessandro dos Santos
04. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
05. 'A Imaginação Liberal', de Lionel Trilling de Celso A. Uequed Pitol


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2008
01. High School Musical e os tweens - 9/1/2008
02. Tritone: 10 anos de um marco da guitarra rock - 10/9/2008
03. Videogame também é cultura - 10/12/2008
04. Blog precisa ser jornalismo? - 9/4/2008
05. 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1 - 7/5/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




The Students Dictionary of Phrasal Verbs
Nigel D. Turton e Martin H. Manser
Macmillan
(1985)



Danos Extrapatrimoniais Coletivos
Tatiana Magalhães Florence
Safe
(2009)



Lisa in London
Paul Victor
Longman
(1983)



A Pleines Dents
José Luis de Vilalloga
Stock
(1973)



Tênues tensões
Maria Aparecida Saad
Maltese
(1996)



Che Guevara por Ele Mesmo
Manville Avalon
Martin Claret
(2003)



Em Pauta Nº 22 Pensamento e Política na Améria Latina
Vários
Eduerj
(2008)



Como uma Pipa no Ar
Ricardo Viveiros
Clemente e Gramani
(2008)



Introduction to Mathematical Logic
Hans Hermes
Springer-Verlag Berlim
(1973)



Budapeste
Chico Buarque
Companhia das Letras
(2003)





busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês