Trinca de livros e um bate-papo | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A internet e a arte marginal
>>> As redes sociais como filtros
>>> Aberta a temporada de caça
>>> As várias faces de Al Pacino
>>> Quando o autor é protagonista do próprio romance
>>> Minha finada TV analógica
>>> Ser intelectual dói
>>> Entrevista com Ron Bumblefoot Thal
>>> Francis e o jornalismo
>>> Um Daumier no MASP
Mais Recentes
>>> História da marinha de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> História do armamento de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> Classicos Inesqueciveis - O Rei Leão de Disney pela Pixel (2021)
>>> Las Aventuras de Tom Sawyer de Mark Twain pela Never Land (2016)
>>> O Gene Egoísta de Richard Dawkins pela Itatiaia (2001)
>>> Branca de neve e os setes anões de Disney pela Pixel (2021)
>>> Cuentos de Pio Baroja pela Alianza (1978)
>>> 3 Palavrinhas: Brincando, aprendendo e cantando de Pixel pela Pixel (2021)
>>> Uma aventura na era dos dinossauros de Picolé pela Picolé (2021)
>>> 100 Viagens Que Toda Mulher Precisa Fazer de Stephanie Elizondo Griest pela Novo Conceito (2011)
>>> Aqueles que me desejam a morte de Michael Koryta pela Trama (2021)
>>> A cor da pele de John Vercher pela Trama (2021)
>>> Tempo: o de dentro e o de fora de Luiz Arraes pela Cepe (2007)
>>> Contos africanos dos países de língua portuguesa de Vários autores pela Ática (2009)
>>> Into the Wild (Na Natureza Selvagem) de Jon Krakauer pela Anchor Books (1996)
>>> A Cidade do Sol de Khaled Hosseini pela Agir (2012)
>>> Contos Brasileiros I de Vários autores pela Ática (2008)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1997)
>>> Enciclopédie pratique du batiment et des travaux publics vol. 1, 2 e 3 de Vários Autores pela Quillet (1970)
>>> Dicionário Internacional de Biografias vol. 1, 2, 3 e 4 de George Thompson Antunes pela Nobel (1998)
>>> Nariz de Angelo Machado, Lor & Thalma pela Nova Fronteira (2021)
>>> Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa vol. 1, 2 e 3 de Caldas Aulete pela Delta (1964)
>>> Design para Crescer Aprenda Com a Coca-cola Sobre Escala e Agilidade de David Butler e Linda Tischler pela Campus (2015)
>>> Delito por Dançar o Chá-chá-chá de Guillermo Cabrera Infante pela Ediouro (1998)
>>> Histórias da Noite de Rafk Schami pela Novo Século (2013)
COLUNAS

Sexta-feira, 13/2/2009
Trinca de livros e um bate-papo
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5000 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Saí de casa, muitas vezes, disposta a desembarcar em uma livraria e cometer o haraquiri da conta corrente. Certa vez, mais do que isso, despenquei uma grana da poupança para a conta corrente da loja, via débito instantâneo, por causa de uma compra meio inflada em uma rede de livrarias aqui de Belo Horizonte. Sempre que vou a São Paulo, planejo um dia da agenda de visitante à Livraria Cultura, no Conjunto Nacional (isto não é jabá nem merchan ou o nome que tenha), já pensando em tirar a barriga da miséria (não sei se é bem a barriga). De vez em quando tenho pena de não existir Livraria Cultura ou FNAC em Minas; em outros momentos, dou graças a Deus por elas estarem bem longe.

No entanto, mesmo quando não planejo, pode calhar de me deparar com uma livraria, mesmo essas disfarçadas de papelaria (que por aqui sobram) e eu fazer uma compra meio além do que podem as finanças. E numa esbarradinha dessas eu achei uma série de livros que me divertiu no primeiro mês de férias, em dezembro de 2008.

Fui ao shopping mais próximo fazer nem sei o quê e, na hora de liberar o carro do estacionamento, resolvemos comprar qualquer coisa na loja de revistas, uma dessas cheias de DVDs, revistas especializadas, todos os jornais do país, bibelôs e uma arara da L&PM. Aí é que mora o perigo. A editora gaúcha teve a boa sacada de investir na produção de livros de bolso, há alguns anos. Lembro-me ainda do prazer de ver livros a dois reais. Sim, era esse o preço de vários títulos. Depois dos clássicos de domínio público, com textos integrais, vieram os autores contemporâneos, os Verissimos, o Millôr, o Scliar etc. O precinho foi subindo. Não se encontra mais livro por dois reais, mas os volumes continuam a bons preços, ao menos abaixo da média do mercado. Incluindo as tirinhas, coletâneas do Adão Iturrusgarai, do Garfield, do Hagar (tenho um tantão), do Laerte e por aí vai.

Enquanto o marido foi pegar revista e DVD de filme de zumbi, corri para mexer na arara da L&PM. Os títulos clássicos se misturavam com manuais de culinária e coletâneas estranhas, mas o importante é que topei com um título assim: Viver & Escrever (L&PM, 2008, 256 págs.), cuja capa preta apresentava uma lista sedutora com nomes de pelo menos uma dezena de escritores brasileiros. De relance, achei que fosse mais uma coletânea temática, mas não era. Eram entrevistas, looooooongas entrevistas que a editora Edla van Steen fez com uma turma enorme de figuras representativas de nossa literatura (grande parte deles mortos).

Peguei logo o livro e enfiei embaixo do braço, com medo de que alguém mais ali viesse disputá-lo comigo (aff... vê se pode?). No entanto, meus olhos deram com mais um deles: o número 2. Santa Maria, Nossa Senhora, são dois? Sim, com mais uma lista de uns dez nomões. Não, espera, atrás dele tem outro. Certifiquei-me de que eram trigêmeos e os enfiei todos embaixo do braço. (Minha irmã, quando queria garantir os salgadinhos da bandeja na festa, lambia um por um e ninguém mais pegava.)

1, 2, 3, Viver & Escrever, organizado por Edla van Steen, com depoimentos de Mario Quintana, Orígenes Lessa, Ricardo Ramos, Nélida Piñon, Dias Gomes, Jorge Amado, Edilberto Coutinho, Ary Quintella, Ignácio de Loyola Brandão, João Antônio, Lêdo Ivo, Octávio de Faria, Menotti del Picchia (todos no volume 1); João Cabral de Melo Neto, Dyonélio Machado, Maria de Lourdes Teixeira, Plínio Marcos, Geraldo Ferraz, Raduan Nassar, Cyro dos Anjos, Luiz Vilela, J. J. Veiga, Osman Lins, Ivan Ângelo, Fernando Sabino, Décio Pignatari (volume 2); Vinicius de Moraes, Herberto Sales, Marcos Rey, Nelson Rodrigues, Luis Martins, Rachel de Queiroz, Otto Lara Resende, Jorge Andrade, Lygia Fagundes Telles, Adonias Filho, Autran Dourado, Moacyr Scliar e Henriqueta Lisboa. E meu fôlego já estava indo pras cucuias.

A lista está completa? Claro que não. Fiquei curiosa por saber dos depoimentos de outros tantos autores de nossas letras. Conheço todos os escritores que estão aí? Também não. Vários deles só conheci de nome. Alguns poucos conheci quase por acidente, quando algum livro me veio parar nas mãos. Vários deles, no entanto, povoam minha memória adolescente. Outra penca faz parte das minhas estantes até hoje. E há até os autores de alguns de meus livros de cabeceira. Importante mesmo era saber o que cada um deles pensava (ao menos na época das entrevistas) sobre a literatura, o ato de criação, o escrever & viver. Interessante comparar nosso círculo literário hoje com o de ontem (às vezes, de anteontem). Sentir o clima de cada autor, saber seus processos de trabalho.

Deu para experimentar um pouco de tudo nesta leitura. Fui voraz. Ataquei os três livros quase de uma sentada. Carreguei os volumes para cima e para baixo, para todo canto da casa. Ri e tive nojo. Fiquei incomodada com algumas coisinhas, mas o plano geral das obras deixa um gosto bom na boca.

São 39 depoimentos, organizados não sei ao certo com que critério, a não ser que cada livrinho tem 13 entrevistas. Os tamanhos delas devem ter ajudado a fazer a distribuição, já que todos os volumes têm aproximadamente 200 páginas (naquele tamanho pocket, 10,5 x 18 cm). As perguntas de Edla van Steen são mais ou menos as mesmas para todos os autores, o que dá ao livro uma previsibilidade que incomoda. No entanto, logo transformei isso em pesquisa: dá para comparar os mesmos aspectos em relação a todos os entrevistados. Os processos de trabalho, por exemplo, são divertidíssimos. Lá estão desde Nelson Rodrigues, que diz escrever de estalo, de supetão, quase sem revisão, até Ignácio de Loyola Brandão, que descreve um longo ritual de anotações e pesquisas até o início da escrita. A maior parte dos escritores afirma a dificuldade de se chegar ao texto simples, exato, justo. A reescrita é apontada por todos como necessária e trabalhosa. Autran Dourado é taquígrafo, então taquigrafa as idéias antes que elas se percam e depois bate à máquina para fazer releitura e correção. E assim vão mostrando que cada artista acha lá seu modo de operar, sempre em busca da expressão apropriada. Em muitos casos, os depoimentos são verdadeiras aulas de redação, especialmente para aqueles que pensam que o "lance" do escritor é ter facilidade para escrever. Errou. O negócio é gostar e ter ímpeto para perseguir uma expressão literária que dá muito, muito, muito trabalho.

Os climas das conversas também variam. A maior parte delas parece não ter acontecido tête-à-tête. Devem ter sido entrevistas respondidas por escrito, muito bem-pensadas, com jeito de escrita. Isso não desmerece o livro, nem a concepção do projeto, mas dá um arzinho preparado demais para algumas respostas, a depender do autor. Vários depoimentos são atravessados pela antipatia ostensiva do respondente. Cruz-credo, escritor afetado é dureza. Bem que na apresentação a organizadora alerta para a proeza de ter conseguido respostas nem sempre modestas. É comum que o autor se compare a escritores da literatura universal, faça afirmações curiosas e dê a si mesmo um tratamento que o distancia das pessoas comuns. Nhaco. Também é possível se apaixonar pela espontaneidade de uns e detestar a má vontade de outros para responder às questões propostas por Edla van Steen. A leveza de João Antônio e a surpreendente agilidade de Orígenes Lessa contrastam com a secura de Luiz Vilela e com a pompa blasé de Nélida Piñon.

Os casos que cada um dos autores conta também valem a compra dos três volumes. Os amigos, os inícios de carreira, a denúncia da podridão do meio literário, tecnologias, impressões sobre o mundo. Gratíssima surpresa ler as gentilezas de que era capaz João Cabral de Melo Neto. Reconfortante contar quantos autores importantes bancaram dos próprios bolsos seus primeiros (segundos e até terceiros) livros. Desmistificar a aura de artistas que não trabalham, não têm empregos e vidas comuns. Também é preciso ter estômago para ouvir aqueles casos de velho que, quando jovem, era o garanhão da vila. Que preguiça saber das prostitutas e das traições, sem ninguém ter feito a pergunta. Por outro lado, simpáticas as histórias de amor com esposas eternamente parceiras, às vezes também na escrita, não raro são as primeiras leitoras críticas do trabalho recém-feito.

Ao ler os três volumes de Viver & Escrever, é bom ter um lápis à mão. Frases lapidares acontecem aqui e ali. Verdadeiras máximas do que seja escrever "de verdade", viver disso, para isso e por isso. Não foi à-toa que a palavra "angústia" pipocou na obra. Escrever é uma necessidade, uma pulsão, não um plano. Só quem vive com escritor pode experimentar esses momentos de "idéia súbita". A escrita corre junto com o sangue, não é um elemento vinculado à admiração do ato de escrever ou à grelha dos horários do dia a dia. Quanta coisa pode emperrar a escrita... E quanto jeito os autores dão de libertá-la. Viver & Escrever merecem (os três) ser lidos em mesa de boteco. Se o leitor quiser, dá para se sentir parte do bate-papo, sem grandes esforços.

Para ir além












Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 13/2/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Velhice de Marilia Mota Silva
02. Nem tudo o que é neo é clássico de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Eu + Você = ? - 27/2/2009
05. Cupido era o nickname dele - 1/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/2/2009
07h12min
Quando se compra livros, há um investimento pessoal. A leitura com certeza é um alicerce do conhecimento, embora não seja o único. A leitura possibilita um olhar de quem consegue codificar a realidade através dos signos.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
13/2/2009
09h59min
Ana, adorei seu artigo. Também não temos a Cultura no Rio, mas a internet é igualmente uma tentação. Invejei o shopping que você frequenta, que lhe exime do estacionamento por qualquer compra. Aqui, alguns só liberam se a compra for no supermercado. Bem, voltando ao assunto principal, muito boa a sua dica. A coleção já estava na minha fila do "a comprar", e vai ganhar uma estrelinha de prioridade a partir de agora. Mas talvez tenha uma coisa boa em não se ter uma livraria maravilhosa à mão e uma conta bancária solidária com os esbanjamentos culturais: não haveria tempo para ler todos os livros comprados. ;)
[Leia outros Comentários de Ana Cristina Melo]
13/2/2009
12h22min
Estes livros foram minha oficina de literatura no início dos anos 90, quando comecei a conhecer melhor cada escritor, sua rotina de trabalho etc. Se não me engano eram 2 vol. em tamanho normal. Que bom que foram reeditados.
[Leia outros Comentários de Cassionei]
14/2/2009
02h13min
Ana!, são 2h10; droga, vai demorar pra amanhecer! Vou correndo comprar! Durante esta semana, eu conferi rapidamente algumas araras, contudo ainda não vi a sagrada tríade: AMO LEITURA DESTE GÊNERO! Obrigado pela dica, abraços do Sílvio. Campinas, é verão de 2009.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
16/2/2009
19h12min
Ana, adoro ler estes livros da L&PM. Já comprei muitos deles. Mas não vi estes por aqui nas araras de supermercados e nem nas livrarias daqui. Mas o mome está anotado. Minha próxima compra.
[Leia outros Comentários de Anna (Anny)]
27/2/2009
09h43min
Tive a mesma emoção que você ao garimpar em sebos, anos atrás, o livro "Escritores em ação", de Malcolm Cowley - entrevistas com Capote, Pound, Moravia, Miller, Faulkner, Sagan etc., editado pela Paz e Terra. São entrevistas à revista "Paris Review". Depois consegui localizar um segundo volume dessas entrevistas "Os escritores, 2", editado pela Companhia das Letras, contendo Nabokov, Kerouac, Roth, Garcia Márquez, Blaise Cendras etc. Consegui, por fim, um livro editado pela Secretaria da Cultura de São Paulo - "Falam os escritores" - segundo volume, contendo entrevistas com autores brasileiros anteriores aos citados por você: Mário de Andrade, Tristão de Ataíde, Magalhães Junior etc. Conclusão: vou às livrarias comprar os três volumes citados por você agora. Sugestão: economize visitando sebos!
[Leia outros Comentários de José Frid]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Colunáveis
Dominick Dunne
Record
(1994)



José e Maria - as Mais Famosas Histórias da Bíblia
Cedic
Cedic
(2013)



O Fluminense Me Domina!
Heitor Dalincourt
Leitura
(2009)



Administração: Oportunidades, Desafios e Ameaças
Wagner Siqueira
Reichmann & Affonso
(2002)



The Uses of Science in the Age of Newton
John G. Burke (edited)
University of California Press
(1983)



Dialogue Avec Mon Psychanalyste
Simone Korff Sausse
Hachette
(2001)



Tiradentes o Herói Que Inventou a Pátria
Vários Autores
Lições de Minas



As Religiões na História: Judaísmo Dispersão e Unidade
Moacyr Scliar
Atica
(1994)



Brussels, Bruges, Ghent& Antwerp Eyewitness Top 10
Antony Mason
Dk Travel Guides
(2010)



Controle do Uso do Solo Urbano
Serfhau
Min Interior; Serfhau
(1974)





busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês