Siga em frente, não siga ninguém | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
Mais Recentes
>>> México em Transe de Igor Fuser pela Scritta (1996)
>>> Sociologia Política da Guerra camponesa de Canudos - Da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST de Clóvis Moura pela Expressão Popular (2000)
>>> Exclusão Escolar Racializada - Implicações do Racismo na Trajetória de Educandos da EJA de Tayná Victória de Lima Mesquita pela Paco Editorial (2019)
>>> Crítica da Razão Negra de Achille Mbembe pela N-1 Edições (2018)
>>> Esferas da Insurreição - Notas para uma vida não cafetinada de Suely Rolnik pela N-1 Edições (2013)
>>> Arqueofeminismo - Mulheres filósofas e filósofos feministas – Séculos XVII-XVIII de Maxime Rovere (Org.) pela N-1 Edições (2019)
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
COLUNAS >>> Especial Quem vale a pena seguir

Sexta-feira, 22/5/2009
Siga em frente, não siga ninguém
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5400 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Essa metáfora do "seguidor" vem me incomodando faz tempo. Embora eu saiba (eu e a torcida do Cruzeiro) que as metáforas são absolutamente necessárias à comunicação e que as utilizamos o tempo todo, algumas me deixam com uma pulga imensa atrás da orelha.

Na Web, quase tudo ainda é metáfora. O "ainda" é medida de segurança. Pode ser que um dia as coisas tomem corpo próprio, personalidade, jeitão. Por enquanto, tudo soa simulação, simulacro, arremedo ou seja lá o nome que isso tenha. A começar pelo nome dela, "Web", que é "teia" ou algo assim, à semelhança de certas redinhas pegajosas que a gente encontra por aí no mundo. "Navegar" e "surfar" estão ali pelos arredores do mar, das ondas e das bússolas (ou da falta delas). Há um texto acadêmico que trata disso, se não me engano da Lúcia Santaella. A ideia é que "navegar" é algo muito mais planejado e preciso do que a maior parte das ações que executamos na Web.

Metáforas, no entanto, não são exclusividade da rede (olha aí a "rede"!). Quando um jornalista diz que a criança caiu de uma altura que corresponde a um prédio de seis andares, pronto, você entende melhor. Quando alguém diz que a moça se parece com um avestruz, você visualiza. Quando alguém diz que os rins têm a forma de um feijão, qualquer criança imagina. A ideia é aproximar, mais do que precisar. Estou chamando tudo de metáfora, embora, tecnicamente, nem tudo aí seja exatamente isso. Essa necessidade de aproximar as pessoas dos conceitos tem nome. Para Fauconnier, importante pesquisador na Califórnia, isso se chama "escala humana", ou seja, a gente traz as coisas para uma escala que possa ajudar o outro a entender do que se fala.

A metáfora da "rede" é a última vedete do palavreado internacional. Tudo é rede, todo mundo está em rede, até quem não quer ou não sabe. A rede é bacana, é inteligente, é cooperativa. Acho curiosíssimo que justamente algumas pessoas que trabalham com a rede e até a pesquisam com "seriedade" sejam justamente as primeiras a não colaborar fora dela. Muito recentemente vivi algo assim quando convidei dois pesquisadores importantes da rede para um congresso sobre um tema afim. O que eles disseram, para minha surpresa? "Quanto paga?". Uau, é a rede, mas só se for com cachê.

Para o sociólogo Dominique Wolton, "rede" era uma palavra que tinha sentido de coisa ruim, faz pouco tempo. De repente, ela ganhou ares de coisa chique e pronto. Todo mundo está enredado. Será? E que "enredamento" é esse? Quando um figurão espalha por aí que você só é gente se estiver na rede, o que mais ele está dizendo, por trás dessas linhas? Que o resto da galera é um bando de ignorantes sem rede? É preciso ter cuidado.

Quase nada na linguagem é ingênuo. Quase nenhuma metáfora é por acaso. Quando se afirma alguma coisa, há chances grandes de algo ficar entredito e outro algo ficar interdito (ou interditado mesmo). Daí que fico pensando por que essa metáfora do seguidor me deixa meio cabreira. Paranoia? Deve ser.

Eu não sigo ninguém. Tenho amigos, colegas, além das pessoas que admiro bastante. Vou, no entanto, seguindo meu caminho, meu rumo, uma espécie de proposta que a gente se faz. Tive imensa preguiça do Orkut quando ele apareceu. Não aguentei dez dias com aquela conta aberta e tive de fechá-la. O Twitter só entrou na minha vida de forma mais direta recentemente, quando abri uma conta para divulgar um evento sobre tecnologia, educação e linguagem. No entanto, várias pessoas começaram a "seguir" o seminário e eu me vi puxando um cortejo. Em todo caso, as pessoas querem saber quem são os convidados, quando se abrem as inscrições, quanto custam e outros detalhes sobre o festejo. Vá lá. Mas aí, aproveitei para "dar uma volta pela vizinhança" e o que vi? Nada. É mais ou menos como se eu passeasse por um desses condomínios em que os primeiros apartamentos são térreos e você escuta fragmentos de conversas em todas as janelas. É o zapping. É o sampler do bate-papo, em que apenas eventualmente se ouve algo interessante. Não posso parar, sigo em frente pela caminhada, e vou sabendo que alguém disse isto ou aquilo, na maior parte das vezes, algo irrelevante. Mas, para que não digam que sou tão detestável assim, admito: a parafernália tecnológica serve para manter as pessoas em contato frequente. Oh, yeah.

Não posso dizer que "sigo", mas prezo meu contato com algumas pessoas que valem a pena. Chovem e-mails para Ana Elisa Novais, que sabe muito sobre a inclusão digital das escolas estaduais em Minas Gerais; troco correspondência inteligente com Marcelo Buzato, que sabe um tantão sobre inclusão também, só que de outro jeito, e que delirou quando anunciei que talvez Colin Lankshear venha ao Brasil este ano; Carla Coscarelli está sempre ali, em e-mails curtinhos e afetuosos, falando sobre linguagem e tecnologia, mas não apenas disso. E vou deixar de citar muita gente bacana porque, talvez, o contato seja mais espaçado um pouco. Mas ninguém aí me segue e nem é seguido. Nós andamos lado a lado, nos atendemos solicitamente, nos gostamos e nos admiramos. Passamos longe de uma rede dessas em que há um cacique que se acha diferenciado porque sabe clicar melhor do que os outros.

Minha gente, a vaidade e a competição também assolam a Web, na mesma medida que outros espaços, menos ou mais eletrônicos. Ou não? Será que a febre colaborativa virá junto com as redes sociotécnicas? Estou ansiosamente aguardando por isso. De vez em quando eu perco a fé, mas Nossa Senhora Desatadora dos Nós não me deixa cair.

Ser importante é algo muito complexo, não é mesmo? Em geral, nosso alcance é ínfimo, mesmo quando a gente se ilude e acha que atravessou o portão de casa. Quem se importa? Os seguidores? Para viver do trabalho para casa e vice-versa basta morar em qualquer roça. Não se pode aproveitar além do que o corpo permite. E se a mente puder alcançar um pouco mais, terá sido uma dádiva. O problema é que, em geral, as mentes continuam enredadas numa teiazinha de canto de parede, ou estou falando mentira?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 22/5/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O naufrágio é do escritor de Vicente Escudero


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Eu + Você = ? - 27/2/2009
05. Cupido era o nickname dele - 1/5/2009


Mais Especial Quem vale a pena seguir
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/5/2009
15h58min
Ana Elisa começou bem o seu texto falando da "rede" que nos interessa. No entanto, passou a escrever sobre coisas que acontecem no mundo social e do trabalho que já sabemos. Contudo, comecei a ler pelo título "Não sigo ninguém...", que também é a minha filosofia desde adolescente. Sobre a "rede", eu diria que existe uma preocupação por parte dos pais que têm adolescentes e jovens desempregados em casa. Eles ficam no computador até a madrugada e no dia seguinte está tudo perdido. Como professora, leciono de manhã e vejo os alunos com dificuldades de concentração. Ler um livro? "Para quê, professora, se temos a internet para pegar o resumo?" Em suma, o tempo dirá o total dos prejuízos da "rede" para a sociedade e vamos acreditar no bom senso dos usuários...
[Leia outros Comentários de Gelza Reis Cristo]
23/5/2009
06h42min
Palavra Prima/ Uma palavra/ Só a crua palavra/ Que quer dizer/ Tudo/ Anterior ao entendimento/Palavra! Desde esse Ponto de Início, que precede a Razão, Eu não sou eu/ Você não é você/ Somos apenas nós/ Já nem somos/ Fomos/ Ou talvez/ Seremos.

Cada vez que se escreve qualquer coisa está se seguindo algo ou alguém, que se tranformará em algo ou alguém a ser lido ou escrito. A vida é a arte de olhar o que se foi para se supor pra onde ir, mas vá em frente, aliás, vá ao lado, já que qualquer referência anterior ou vindoura inexistem. Juro que a invejo, Ana.
[Leia outros Comentários de Dalton]
24/5/2009
15h57min
Outro dia vi um filme sobre estudantes de literatura em Paris. Não sei o nome, começei do meio. Uma coisa ficou na minha cabeça: "Porque as pessoas escrevem? Porque não têm personalidade o bastante para não escrever". Adorei. Acho que quem vai na onda das novidades tem um pouco dessa falta de "personalidade". Quando uma coisa aparece como novidade, mas traz junto a sensação de que aquilo poderia ser resolvido muito bem de outra forma, não é lá uma grande coisa.
[Leia outros Comentários de Ana Elisa Novais]
29/5/2009
20h23min
Ana Elisa, texto bacana este, viu?! Não seguir ninguém é não cair na rede nem virar peixe (que morre pela boca, né?). Mas, antes, é traçar outros rumos e os seus me parecem coletivos, o que é muito legal! Gosto da palavra Kumpania!, que com certeza significa muito dentro das suas metáforas. Ah!, o evento já aconteceu? Se ainda não, quando e onde será?
[Leia outros Comentários de Bete Salgado]
30/5/2009
11h17min
Perfeito!
[Leia outros Comentários de Irineu Tolentino]
11/6/2009
05h53min
O pior da "teia" é que, mediante à previsível gratuidade que ela oferece ao peregrino incauto, nem sempre se pode assegurar de que não será surpreendido por uma informação falsa, uma aranha. Ela é conflitante, paradoxal, diria.
[Leia outros Comentários de Antonio P. Andrade]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CUPIDO E PSIQUE E OUTRAS NARRATIVAS DA LITERATURA MUNDIAL
PAULO SERGIO DE VASCONCELLOS (ORG)
OBJETIVO
R$ 6,00



TRABALHO VOCÊ E SUAS RELAÇÕES PROFISSIONAIS
BRUNO PORTO E OUTROS
SENAC
(2014)
R$ 10,00



FIND FENÔMENO INTERVENIENTE DE NATUREZA DESCONHECIDA
J. KAUFFMANN
NOVA ERA
(2003)
R$ 58,00



OS NÚMEROS NA HISTÓRIA DA CIVILIZAÇÃO - VIVENDO A MATEMÁTICA
LUIZ MÁRCIO IMENES MARCELO LELLIS
SCIPIONE
(2006)
R$ 12,00



INFÂNCIA DOS MORTOS
JOSÉ LOUZEIRO
CÍRCULO DO LIVRO
(1977)
R$ 20,97



DESENVOLVIMENTO DA METODOLOGIA LOPA-BAYESIANA EM DOIS ESTÁGIOS
EDLAINE CORREIA SINÉZIO MARTINS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



100 DÚVIDAS DE CARREIRA PARA EXECUTIVOS DE FINANÇAS
JOSÉ CLÁUDIO SECURATO / LUIZ ROBERTO CALADO
SAINT PAUL
(2009)
R$ 5,00



LA CRISIS DE LA INVESTIGACION EN EL CAMPO DE LA DIALÉCTICA MATERI
MAURO OLMEDA
VILLALAR
(1977)
R$ 28,28



OS 55 MAIORES JOGOS DAS COPAS DO MUNDO
PAULO VINICIUS COELHO
PANDA BOOKS
(2010)
R$ 19,90



STALINE: LE DERNIER DES TSARS
PIERRE NOUAILLE, CLAUDE GUILLAUMIN, A MANEVY
FAMOT (GENEVE)
(1974)
R$ 19,82





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês