Siga em frente, não siga ninguém | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Erik Satie
>>> Ronnie James Dio em 1983
>>> O Leão e o Unicórnio
>>> O outro Carpeaux
>>> Something that grows
>>> Façam suas apostas
>>> Tempo de aspargos
>>> No caso de a Dilma sair, quem assume?
>>> Return to the Little Kingdom, by Michael Moritz
>>> O que mais falta acontecer?
Mais Recentes
>>> Contabilidade Avançada - 5° Edição de Ricardo J. Ferreira pela Ferreira (2012)
>>> Perspectiva Ano 2 Nº 4 de Centro de Ciências da Educação Ufsc pela Ufsc (1985)
>>> Meu Cliente Meu Amigo de Silvio Luzardo pela Pallotti (2004)
>>> Autoconhecimento e Empoderamento de José Roberto Marques pela Ibc (2019)
>>> Bossa Nova: Songbook - Volume 1 de Almir Chediak pela Irmãos Vitale (2009)
>>> Quem Não Se Comunica Se Trumbica de Florinda Barbosa e Lucia Rito pela Globo (1996)
>>> Pequeña Historia de Gaudí de Jordi Oliveiras pela Mediterranea (2012)
>>> Algo Mais de Isabela M. B. David pela Insular (2006)
>>> Buscas e Encontros de Ilcéia Heidescheidt pela Do Autor
>>> Network Administration With Freebsd 7 de Babak Farrokhi pela Packt Publishing (2008)
>>> Histórias Extraordinárias de Edgar Allan Poe pela Clube do Livro (1988)
>>> A Megera Domada de William Shakespeare pela Objetiva (2004)
>>> Receitas de Botequim 2 de Solange Couto pela Melhoramentos (2002)
>>> Intercâmbio Coisas Que Todo Jovem Precisa Saber de João Marcelo de Melo Teles pela Melhoramento (2004)
>>> Dc Comics Coleção de Graphic Novels - um Milhão: Parte 2 de Varios Autores pela Dc Comics
>>> Cantiga para Todos de Osmar Jacinto pela Edeme (1992)
>>> Amar Pode Dar Certo de Roberto Shinyashiki / Eliana Bittencourt Dumet pela Gente (1988)
>>> The Secret - o Segredo de Rhonda Byrne pela Ediouro (2007)
>>> O 8º Hábito - da Eficácia à Grandeza de Stephen R. Covey pela Campus (2005)
>>> Entre os Muros do Inferno de Rosa Maria Credidio pela All Print (2016)
>>> Princípios de Economia de Otto Nogami/ Carlos Roberto Martins Passos pela Cengage (2016)
>>> Labirintos da Memoria Quem Sou de Vera Maria Antonieta Tordinho Brandão pela Portal Edicoes (2016)
>>> Som do Nosso Coração de Emma Cooper pela Record (2020)
>>> O Pequeno Planeta Perdido de Ziraldo pela Melhoramentos (2010)
>>> Conclusões 11 de Ivaldo Lopes pela Do Auto
COLUNAS >>> Especial Quem vale a pena seguir

Sexta-feira, 22/5/2009
Siga em frente, não siga ninguém
Ana Elisa Ribeiro

+ de 6300 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Essa metáfora do "seguidor" vem me incomodando faz tempo. Embora eu saiba (eu e a torcida do Cruzeiro) que as metáforas são absolutamente necessárias à comunicação e que as utilizamos o tempo todo, algumas me deixam com uma pulga imensa atrás da orelha.

Na Web, quase tudo ainda é metáfora. O "ainda" é medida de segurança. Pode ser que um dia as coisas tomem corpo próprio, personalidade, jeitão. Por enquanto, tudo soa simulação, simulacro, arremedo ou seja lá o nome que isso tenha. A começar pelo nome dela, "Web", que é "teia" ou algo assim, à semelhança de certas redinhas pegajosas que a gente encontra por aí no mundo. "Navegar" e "surfar" estão ali pelos arredores do mar, das ondas e das bússolas (ou da falta delas). Há um texto acadêmico que trata disso, se não me engano da Lúcia Santaella. A ideia é que "navegar" é algo muito mais planejado e preciso do que a maior parte das ações que executamos na Web.

Metáforas, no entanto, não são exclusividade da rede (olha aí a "rede"!). Quando um jornalista diz que a criança caiu de uma altura que corresponde a um prédio de seis andares, pronto, você entende melhor. Quando alguém diz que a moça se parece com um avestruz, você visualiza. Quando alguém diz que os rins têm a forma de um feijão, qualquer criança imagina. A ideia é aproximar, mais do que precisar. Estou chamando tudo de metáfora, embora, tecnicamente, nem tudo aí seja exatamente isso. Essa necessidade de aproximar as pessoas dos conceitos tem nome. Para Fauconnier, importante pesquisador na Califórnia, isso se chama "escala humana", ou seja, a gente traz as coisas para uma escala que possa ajudar o outro a entender do que se fala.

A metáfora da "rede" é a última vedete do palavreado internacional. Tudo é rede, todo mundo está em rede, até quem não quer ou não sabe. A rede é bacana, é inteligente, é cooperativa. Acho curiosíssimo que justamente algumas pessoas que trabalham com a rede e até a pesquisam com "seriedade" sejam justamente as primeiras a não colaborar fora dela. Muito recentemente vivi algo assim quando convidei dois pesquisadores importantes da rede para um congresso sobre um tema afim. O que eles disseram, para minha surpresa? "Quanto paga?". Uau, é a rede, mas só se for com cachê.

Para o sociólogo Dominique Wolton, "rede" era uma palavra que tinha sentido de coisa ruim, faz pouco tempo. De repente, ela ganhou ares de coisa chique e pronto. Todo mundo está enredado. Será? E que "enredamento" é esse? Quando um figurão espalha por aí que você só é gente se estiver na rede, o que mais ele está dizendo, por trás dessas linhas? Que o resto da galera é um bando de ignorantes sem rede? É preciso ter cuidado.

Quase nada na linguagem é ingênuo. Quase nenhuma metáfora é por acaso. Quando se afirma alguma coisa, há chances grandes de algo ficar entredito e outro algo ficar interdito (ou interditado mesmo). Daí que fico pensando por que essa metáfora do seguidor me deixa meio cabreira. Paranoia? Deve ser.

Eu não sigo ninguém. Tenho amigos, colegas, além das pessoas que admiro bastante. Vou, no entanto, seguindo meu caminho, meu rumo, uma espécie de proposta que a gente se faz. Tive imensa preguiça do Orkut quando ele apareceu. Não aguentei dez dias com aquela conta aberta e tive de fechá-la. O Twitter só entrou na minha vida de forma mais direta recentemente, quando abri uma conta para divulgar um evento sobre tecnologia, educação e linguagem. No entanto, várias pessoas começaram a "seguir" o seminário e eu me vi puxando um cortejo. Em todo caso, as pessoas querem saber quem são os convidados, quando se abrem as inscrições, quanto custam e outros detalhes sobre o festejo. Vá lá. Mas aí, aproveitei para "dar uma volta pela vizinhança" e o que vi? Nada. É mais ou menos como se eu passeasse por um desses condomínios em que os primeiros apartamentos são térreos e você escuta fragmentos de conversas em todas as janelas. É o zapping. É o sampler do bate-papo, em que apenas eventualmente se ouve algo interessante. Não posso parar, sigo em frente pela caminhada, e vou sabendo que alguém disse isto ou aquilo, na maior parte das vezes, algo irrelevante. Mas, para que não digam que sou tão detestável assim, admito: a parafernália tecnológica serve para manter as pessoas em contato frequente. Oh, yeah.

Não posso dizer que "sigo", mas prezo meu contato com algumas pessoas que valem a pena. Chovem e-mails para Ana Elisa Novais, que sabe muito sobre a inclusão digital das escolas estaduais em Minas Gerais; troco correspondência inteligente com Marcelo Buzato, que sabe um tantão sobre inclusão também, só que de outro jeito, e que delirou quando anunciei que talvez Colin Lankshear venha ao Brasil este ano; Carla Coscarelli está sempre ali, em e-mails curtinhos e afetuosos, falando sobre linguagem e tecnologia, mas não apenas disso. E vou deixar de citar muita gente bacana porque, talvez, o contato seja mais espaçado um pouco. Mas ninguém aí me segue e nem é seguido. Nós andamos lado a lado, nos atendemos solicitamente, nos gostamos e nos admiramos. Passamos longe de uma rede dessas em que há um cacique que se acha diferenciado porque sabe clicar melhor do que os outros.

Minha gente, a vaidade e a competição também assolam a Web, na mesma medida que outros espaços, menos ou mais eletrônicos. Ou não? Será que a febre colaborativa virá junto com as redes sociotécnicas? Estou ansiosamente aguardando por isso. De vez em quando eu perco a fé, mas Nossa Senhora Desatadora dos Nós não me deixa cair.

Ser importante é algo muito complexo, não é mesmo? Em geral, nosso alcance é ínfimo, mesmo quando a gente se ilude e acha que atravessou o portão de casa. Quem se importa? Os seguidores? Para viver do trabalho para casa e vice-versa basta morar em qualquer roça. Não se pode aproveitar além do que o corpo permite. E se a mente puder alcançar um pouco mais, terá sido uma dádiva. O problema é que, em geral, as mentes continuam enredadas numa teiazinha de canto de parede, ou estou falando mentira?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 22/5/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Via Láctea de Lina Chamie de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Cupido era o nickname dele - 1/5/2009
05. Eu + Você = ? - 27/2/2009


Mais Especial Quem vale a pena seguir
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/5/2009
15h58min
Ana Elisa começou bem o seu texto falando da "rede" que nos interessa. No entanto, passou a escrever sobre coisas que acontecem no mundo social e do trabalho que já sabemos. Contudo, comecei a ler pelo título "Não sigo ninguém...", que também é a minha filosofia desde adolescente. Sobre a "rede", eu diria que existe uma preocupação por parte dos pais que têm adolescentes e jovens desempregados em casa. Eles ficam no computador até a madrugada e no dia seguinte está tudo perdido. Como professora, leciono de manhã e vejo os alunos com dificuldades de concentração. Ler um livro? "Para quê, professora, se temos a internet para pegar o resumo?" Em suma, o tempo dirá o total dos prejuízos da "rede" para a sociedade e vamos acreditar no bom senso dos usuários...
[Leia outros Comentários de Gelza Reis Cristo]
23/5/2009
06h42min
Palavra Prima/ Uma palavra/ Só a crua palavra/ Que quer dizer/ Tudo/ Anterior ao entendimento/Palavra! Desde esse Ponto de Início, que precede a Razão, Eu não sou eu/ Você não é você/ Somos apenas nós/ Já nem somos/ Fomos/ Ou talvez/ Seremos.

Cada vez que se escreve qualquer coisa está se seguindo algo ou alguém, que se tranformará em algo ou alguém a ser lido ou escrito. A vida é a arte de olhar o que se foi para se supor pra onde ir, mas vá em frente, aliás, vá ao lado, já que qualquer referência anterior ou vindoura inexistem. Juro que a invejo, Ana.
[Leia outros Comentários de Dalton]
24/5/2009
15h57min
Outro dia vi um filme sobre estudantes de literatura em Paris. Não sei o nome, começei do meio. Uma coisa ficou na minha cabeça: "Porque as pessoas escrevem? Porque não têm personalidade o bastante para não escrever". Adorei. Acho que quem vai na onda das novidades tem um pouco dessa falta de "personalidade". Quando uma coisa aparece como novidade, mas traz junto a sensação de que aquilo poderia ser resolvido muito bem de outra forma, não é lá uma grande coisa.
[Leia outros Comentários de Ana Elisa Novais]
29/5/2009
20h23min
Ana Elisa, texto bacana este, viu?! Não seguir ninguém é não cair na rede nem virar peixe (que morre pela boca, né?). Mas, antes, é traçar outros rumos e os seus me parecem coletivos, o que é muito legal! Gosto da palavra Kumpania!, que com certeza significa muito dentro das suas metáforas. Ah!, o evento já aconteceu? Se ainda não, quando e onde será?
[Leia outros Comentários de Bete Salgado]
30/5/2009
11h17min
Perfeito!
[Leia outros Comentários de Irineu Tolentino]
11/6/2009
05h53min
O pior da "teia" é que, mediante à previsível gratuidade que ela oferece ao peregrino incauto, nem sempre se pode assegurar de que não será surpreendido por uma informação falsa, uma aranha. Ela é conflitante, paradoxal, diria.
[Leia outros Comentários de Antonio P. Andrade]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Guinness World Records 2010 - o Livro da Década
Guiness World Records
Ediouro
(2009)



Mar Morto 1980
Jorge Amado
Record
(1980)



Astronomie Générale - (capa Dura)
P. Bakouline e E. Kononovitch E
Éditions Mir - Moscou
(1974)



Cidade dos Etéreos Livro II da Série Orfanato da Srta Peregrine
Ransom Riggs
Intrínseca
(2016)



O Psiquismo Experimental
Alfred Erny
feb
(1995)



Mente Magra, Corpo Magro
Melinda Boyd, Larissa Wostog Ono, Michele Noonan
Universo dos Livros
(2014)



O Nada Cotidiano
Zoé Valdés
record
(1997)



Política Linguística na América Latina: Linguagem/crítica - Confira !!
Eni Pulcinelli Orlandi
Pontes
(1988)



As grandes questões sobre a fé
Jonathan Hill
thomas nelson
(2008)



Espumas Flutuantes / os Escravos
Castro Alves
Martins Fontes
(2010)





busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês