Como eu escrevo | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> A Ciência Médica de House de Andrew Holtz pela Best Seller (2008)
>>> Três Mistérios de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> Cure Seu Corpo as Causas Mentais dos Males Físicos... de Louise L. Hay pela Best Seller (1988)
>>> Vinho Tinto para Leigos de Ed Maccarthy pela Mandarim (1998)
>>> Os Direitos Humanos na Sala de Aula - a Ética Como Tema Transversal de Ulisses F. Araújo e Júlio Groppa Aquino pela Moderna (2001)
>>> Radiologia Odontologica de Aguinaldo de Freitas e Outros pela Arte Medicas (1984)
>>> Infinity da Scorlatti de John Mcnally pela Irado (2014)
>>> Quero Viver de Fernando Carraro; Lima pela Ftd (2007)
>>> Vale a Pena Esperar de Tim Stafford pela Vida (1992)
>>> Além dos Marimbus de Herberto Sales pela Aché
>>> Conecte Matematica - 1 - Primeira Parte de Osvaldo Dolce; David Degenszajn; Nilze de Almeida pela Atual Didáticos (2014)
>>> Jack Sparrow - a Espada de Cortés Vol 4 de Rob Kidd pela Melhoramentos (2007)
>>> Mwninas e Meninos de Domingos Pellegrini pela Ática (2011)
>>> Out of This Century: Confessions of An Art Addict de Peggy Guggenheim pela Anchor Books (1980)
>>> Padre Germano- Memórias de Amalia Domingo Soler; Germano; Eudaldo Pages pela Instituto Lachatre (2011)
>>> Reflexoes politica-poeticas de Jose Olinto pela marx (2000)
>>> As Mil e uma Noites - as Paixões Viajantes de Rene Khawam pela Brasiliense (1991)
>>> Infância de Graciliano Ramos pela Folha de São Paulo (2008)
>>> Shanghai Girls de Lisa See pela Random House (2010)
>>> Larousse Ortografia de Reglas y 4ejercicios pela Larousse (1996)
>>> O Colecionador de Crespúsculos de Anna Maria cascudo Barreto pela Do Autor (2003)
>>> Law of Attraction de Allison Leotta pela Touchstone Books (2010)
>>> Truques, Trotes, Brincadeiras de Robert Nyberg; Lasse Rade pela Callis (1996)
>>> Sociedade dos Pais Mortos de Matt Haig pela Record (2011)
>>> Biologia para um Planeta Sustentável (em Portuguese do Brasil) de Armênio Uzunian pela Harbra (2016)
COLUNAS >>> Especial Como se escreve

Terça-feira, 28/7/2009
Como eu escrevo
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 6000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Desde que me entendo por gente, meu sonho é o de ser escritor. Ser escritor não quer dizer apenas ser autor de romances, contos, poesia, mas de qualquer tipo de texto. Desde que haja interesse sobre determinado assunto, me causa prazer escrever sobre ele. Pode ser sobre filosofia, história, ciência, artes, entretenimento etc. O que me move é o prazer da construção do texto (mesmo que seja, antes, paradoxalmente, determinado pelo interesse que um tema me causa). Ver o texto pronto, acabado, como uma pequena obra de arte é o meu desejo máximo. Mas para ao menos tentar chegar a isso é preciso um conjunto de coisas que relatarei a seguir.

Para querer ser escritor, antes é necessário desejar ser um bom leitor. Se não há leitura, não há nem repertório vocabular para se escrever razoavelmente bem. E muito menos se terá estilo. E ler, não poucas coisas, mas muitas, de várias áreas, desde um livro sobre a Teoria da Relatividade, como outro sobre culinária, sendo que do meu ponto de vista ler romances é imbatível. Não há leitura mais refinada, mais profunda, mais enriquecedora do que a de obras literárias, para quem quer escrever bem. Passar pelos volumes de Em busca do tempo perdido, de Marcel Proust, para ficar apenas num exemplo, é tornar-se outro ser humano não só no sentido da transformação existencial que a arte proporciona, mas é tornar-se vocabularmente e estilisticamente mais sofisticado.

Outra coisa: desconfio que leitores obcecados apenas por poesia e que deixam de lado leituras de romances tornam-se péssimos escritores de textos. Eles acabam escrevendo muito mal, pois lhes falta riqueza vocabular. São, claro, capazes de grandes sínteses, típicas dos poetas, mas para textos longos são um fracasso, como observei em várias pessoas. E leitores de livros científicos, sejam de história, critica literária, sociologia, ciências físicas e biológicas, por não se deixarem contaminar pela estilística sutil dos romances, tornam-se também limitados, com a imaginação quase que castrada por pragmatismos verbais ineficientes. Ler apenas textos científicos, como disse Schopenhauer, é como ler um livro de receitas deliciosas quando se está com fome.

Outro ponto sobre o ato de escrever é que busco fazer do texto uma obra de arquitetura. É claro para mim que escrever é como compor uma sinfonia (agora, se ela é tonal, atonal, minimalista, expressionista, cubista, realista etc., depende do seu estilo ― e "o estilo é o homem", é a soma de tudo que você é). Portanto, variações de humor, pontos de vista próprios e de outros, força ou delicadeza em dizer algo, tudo deve se submeter à ideia de uma pequena estrutura viva. A mente do leitor deve ser movida não só pelo tema, mas pela energia invisível, mas que está ali, das sutilezas estilísticas que traduzem muito do que o autor quer dizer. E é ali que ele diz bem.

Um texto parte de um assunto e o autor deve por ele ser consumido antes de escrever. Faço isso. Procuro saber o máximo sobre o problema antes de escrever sobre ele. Aproximo-me, não servilmente, do que os outros já falaram sobre determinada questão, depois a modifico à luz de interesses absolutamente particulares e muitas vezes inconscientes. Respeito as conclusões dos outros, adoto várias delas, mas tento ao mesmo tempo inserir algo de mim nesse novo ser que vai surgir. Se for escrever sobre música, por exemplo, leio sobre o artista o que puder, de sua biografia a aspectos técnicos de sua arte, para depois mergulhar silenciosamente na própria música e escutar o que ela está dizendo, pois ela diz muito e melhor que qualquer outra pessoa o que ela é. Os melhores comentadores de arte são aqueles que ouvem não somente a tradição crítica, mas que ouvem a obra como a melhor comentadora de si mesma. Ou seja, os que provam do bolo, não apenas os que leem a receita.

Um texto nasce como uma mistura de esboços e achados prontos. Pode-se corrigir algo duramente construído, como pode-se deixar intacto o que nasce como uma ideia perfeita. Ao longo de sua construção uma ideia pronta pode também ser por uma nova removida ou mesmo alterada. O conjunto do texto nos obriga muitas vezes a ceder aqui e ali, alterando, renovando, reforçando, refazendo uma ideia que antes era perfeita mas que tornou-se problemática dentro do contexto total do texto. Ela sofre à torto e direito nas nossas mãos como sofremos nas suas mãos.

No meu caso, quando sento pra escrever, boa parte do texto já está escrita dentro da minha cabeça. Andei pra lá e pra cá, na padaria, no mercado, na sala de aula, no trânsito (poetas são perigosos ao volante por isso), com ele sendo lentamente fabricado ao longo do dia. Tendo boa parte da matéria mastigada, passo a redigir o que a memória computou. Alguns buracos aparecem, mas em geral quase tudo é recuperado. Ao menos a parte essencial, na qual é agregada outros elementos. Mas o grosso está a salvo.

O momento de escrever é interessante. Pode variar a hora. Pela manhã ou pela noite, pois à tarde nada funciona em mim a não ser leitura, ouvir música, ver filmes ou arrumar a casa. Às vezes é preciso um café ou apenas um cigarro para disparar o gatilho da escrita (sou fumante ocasional e odeio beijar bocas com gosto de cigarro, mas respeito o direito dos fumantes e acho estético o ato de se levar um cigarro à boca e ver expelida a fumaça graciosamente). Outras vezes uma provocação me leva a escrever: ler uma frase invejável num livro e dizer para mim mesmo que preciso escrever como esse sujeito ou melhor que ele.

Sempre releio o máximo que posso tudo que escrevo. Daí uma compulsão pela correção. O texto tem que ser escrito como algo que eu gostaria de ler em outros autores. Tenho que sentir prazer na leitura de mim mesmo, senão acho que fracassei.

Um texto sobre cultura tem que ter um valor além do simples fato de informar. Deve ser aquilo que Roland Barthes chamava de "texto de fruição: aquele que põe em estado de perda, que desconforta, faz vacilar as bases culturais, psicológicas, do leitor, a consistência de seus gostos, de seus valores e de suas lembranças, faz entrar em crise sua relação com a linguagem" (O prazer do texto). Toda a movimentação interna dos meus textos, sua composição, está alerta para isso.

Sei que melhoro a minha escrita na medida em que leio mais e mais. Não há melhor escola para escritores, de que gênero for, do que ler excelentes autores de literatura. Desconfio de que Sigmund Freud leu muita literatura, pois seus textos científicos têm uma dose de imaginação que causaria inveja em vários escritores.

Já abandonei alguns textos pelo caminho, pois senti que não me dava o mínimo tesão escrevê-los. Mas já terminei vários textos sem estar sentindo o menor tesão, apenas para provar para mim mesmo que eu podia escrevê-los. Quanto maior o desafio, maior o prazer posterior de tê-lo vencido. Mesmo que o durante tenha sido doloroso.

Adoro dicionários, mas eles não criam um bom escritor. São um auxiliar, pois o que faz um bom escritor é ele ser um bom leitor. E bons leitores têm um vocabulário amplo, que faz o pensamento tornar-se flexível e criativo. Essa é minha tese: quanto maior o vocabulário, maior o pensamento de quem o possui. Mas, registro uma ressalva, que o grande vocabulário seja adquirido com obras cujo pensamento seja grande também. Uma coisa deve acompanhar a outra.

Para escritores ensaísticos, como os do Digestivo, eu indico um texto pouco discutido, mas exemplar. Chama-se "O ensaio como forma", de T. W. Adorno. Depois de ler este texto, duvido que amarras pragmáticas possam encarcerar qualquer imaginação.

Ao contrário da maioria das pessoas, escrever pra mim é um prazer enorme. Não acho doloroso. Divirto-me muito construindo e destruindo proposições, tentando dar vida a elas, fazê-las causar emoção no leitor e em mim mesmo. E ver o texto pronto, como este aqui, me dá a sensação de que gozei gostoso. Aquilo que Roland Barthes chamava de o prazer da leitura eu chamo de o prazer da escrita. E se Barthes estava certo, nós escrevemos para ser amados. Portanto, sejamos ao menos finos, elegantes e perfumados nessa hora.

Para ir além
Sobre o ofício do escritor, Arthur Schopenhauer
Sobre a leitura, Marcel Proust
As palavras, Jean-Paul Sartre
O prazer do texto, Roland Barthes
"O ensaio como forma", em Notas de Literatura I, Theodor. W. Adorno.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 28/7/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Em Tempos de Eleição de Marilia Mota Silva
02. É, não ser vil, que pena de Guga Schultze


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2009
01. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
02. A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles - 24/11/2009
03. Cigarro, apenas um substituto da masturbação? - 1/9/2009
04. Michael Jackson: a lenda viva - 13/1/2009
05. A poética anárquica de Paulo Leminski - 22/9/2009


Mais Especial Como se escreve
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/7/2009
08h51min
Também sempre tive vontade de ser escritora, mas ainda estou longe de ser uma artista das letras. Seu texto me ajudou bastante a coletar informações para me preparar melhor para essa pretensa atividade. Sabe, o livro "Lendo Imagens", do Alberto Manguel, é uma boa pedida para quem deseja utilizar a criatividade e outras formas menos ortodoxas para elaborar bons textos. "Ler imagens" também pode ser um belo exercício. Parabéns pelo texto!
[Leia outros Comentários de Amábile Grillo]
19/8/2009
17h26min
Belo texto, fino, elegante, perfumado. Com ele você conseguiu ser "amado". Compartilho da ideia de que nosso texto tem que ser escrito como algo que gostaríamos de ler, caso fosse de outro autor. E da necessidade, para não dizer do prazer, de ler, ler, ler para escrever melhor.
[Leia outros Comentários de José Frid]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Diário da Corte - Crônicas do Maior Polemista da Imprensa ...
Paulo Francis
Três Estrelas
(2012)



Pato Donald N 2143
Editora Abril
Abril



Como Se Preparar para o Exame de Ordem - 11 Ambiental
Fernanda Luiza e Marcelo Hugo
Método
(2015)



Au Arquitetura & Urbanismo Nº 214
Pini
Pini



Devaneios Sobre a Atualidade do Capital
Clóvis de Barros Filho, Gustavo F. Dainezi
Sanskrito
(2014)



O que é psicologia
Maria Luiza S. Teles
Brasiliense
(1994)



A Profecia Celestina
James Redfield
Fontanar
(2009)



Dicionário do Antiquariato
Codex
Codex
(1968)



O Sócio
John Grisham
Rocco
(1997)



O Que São Direitos Humanos
João Ricardo W. Dornelles
Brasiliense
(2013)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês