Como eu escrevo | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
Mais Recentes
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
>>> O Espião que saiu do Frio de John Le Carré pela Abril cultural (1980)
>>> A Primeira Reportagem de Sylvio Pereira pela Ática (1988)
>>> Distúrbios Psicossomáticos da Criança de Haim Grunspun pela Atheneu
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
COLUNAS >>> Especial Como se escreve

Terça-feira, 28/7/2009
Como eu escrevo
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Desde que me entendo por gente, meu sonho é o de ser escritor. Ser escritor não quer dizer apenas ser autor de romances, contos, poesia, mas de qualquer tipo de texto. Desde que haja interesse sobre determinado assunto, me causa prazer escrever sobre ele. Pode ser sobre filosofia, história, ciência, artes, entretenimento etc. O que me move é o prazer da construção do texto (mesmo que seja, antes, paradoxalmente, determinado pelo interesse que um tema me causa). Ver o texto pronto, acabado, como uma pequena obra de arte é o meu desejo máximo. Mas para ao menos tentar chegar a isso é preciso um conjunto de coisas que relatarei a seguir.

Para querer ser escritor, antes é necessário desejar ser um bom leitor. Se não há leitura, não há nem repertório vocabular para se escrever razoavelmente bem. E muito menos se terá estilo. E ler, não poucas coisas, mas muitas, de várias áreas, desde um livro sobre a Teoria da Relatividade, como outro sobre culinária, sendo que do meu ponto de vista ler romances é imbatível. Não há leitura mais refinada, mais profunda, mais enriquecedora do que a de obras literárias, para quem quer escrever bem. Passar pelos volumes de Em busca do tempo perdido, de Marcel Proust, para ficar apenas num exemplo, é tornar-se outro ser humano não só no sentido da transformação existencial que a arte proporciona, mas é tornar-se vocabularmente e estilisticamente mais sofisticado.

Outra coisa: desconfio que leitores obcecados apenas por poesia e que deixam de lado leituras de romances tornam-se péssimos escritores de textos. Eles acabam escrevendo muito mal, pois lhes falta riqueza vocabular. São, claro, capazes de grandes sínteses, típicas dos poetas, mas para textos longos são um fracasso, como observei em várias pessoas. E leitores de livros científicos, sejam de história, critica literária, sociologia, ciências físicas e biológicas, por não se deixarem contaminar pela estilística sutil dos romances, tornam-se também limitados, com a imaginação quase que castrada por pragmatismos verbais ineficientes. Ler apenas textos científicos, como disse Schopenhauer, é como ler um livro de receitas deliciosas quando se está com fome.

Outro ponto sobre o ato de escrever é que busco fazer do texto uma obra de arquitetura. É claro para mim que escrever é como compor uma sinfonia (agora, se ela é tonal, atonal, minimalista, expressionista, cubista, realista etc., depende do seu estilo ― e "o estilo é o homem", é a soma de tudo que você é). Portanto, variações de humor, pontos de vista próprios e de outros, força ou delicadeza em dizer algo, tudo deve se submeter à ideia de uma pequena estrutura viva. A mente do leitor deve ser movida não só pelo tema, mas pela energia invisível, mas que está ali, das sutilezas estilísticas que traduzem muito do que o autor quer dizer. E é ali que ele diz bem.

Um texto parte de um assunto e o autor deve por ele ser consumido antes de escrever. Faço isso. Procuro saber o máximo sobre o problema antes de escrever sobre ele. Aproximo-me, não servilmente, do que os outros já falaram sobre determinada questão, depois a modifico à luz de interesses absolutamente particulares e muitas vezes inconscientes. Respeito as conclusões dos outros, adoto várias delas, mas tento ao mesmo tempo inserir algo de mim nesse novo ser que vai surgir. Se for escrever sobre música, por exemplo, leio sobre o artista o que puder, de sua biografia a aspectos técnicos de sua arte, para depois mergulhar silenciosamente na própria música e escutar o que ela está dizendo, pois ela diz muito e melhor que qualquer outra pessoa o que ela é. Os melhores comentadores de arte são aqueles que ouvem não somente a tradição crítica, mas que ouvem a obra como a melhor comentadora de si mesma. Ou seja, os que provam do bolo, não apenas os que leem a receita.

Um texto nasce como uma mistura de esboços e achados prontos. Pode-se corrigir algo duramente construído, como pode-se deixar intacto o que nasce como uma ideia perfeita. Ao longo de sua construção uma ideia pronta pode também ser por uma nova removida ou mesmo alterada. O conjunto do texto nos obriga muitas vezes a ceder aqui e ali, alterando, renovando, reforçando, refazendo uma ideia que antes era perfeita mas que tornou-se problemática dentro do contexto total do texto. Ela sofre à torto e direito nas nossas mãos como sofremos nas suas mãos.

No meu caso, quando sento pra escrever, boa parte do texto já está escrita dentro da minha cabeça. Andei pra lá e pra cá, na padaria, no mercado, na sala de aula, no trânsito (poetas são perigosos ao volante por isso), com ele sendo lentamente fabricado ao longo do dia. Tendo boa parte da matéria mastigada, passo a redigir o que a memória computou. Alguns buracos aparecem, mas em geral quase tudo é recuperado. Ao menos a parte essencial, na qual é agregada outros elementos. Mas o grosso está a salvo.

O momento de escrever é interessante. Pode variar a hora. Pela manhã ou pela noite, pois à tarde nada funciona em mim a não ser leitura, ouvir música, ver filmes ou arrumar a casa. Às vezes é preciso um café ou apenas um cigarro para disparar o gatilho da escrita (sou fumante ocasional e odeio beijar bocas com gosto de cigarro, mas respeito o direito dos fumantes e acho estético o ato de se levar um cigarro à boca e ver expelida a fumaça graciosamente). Outras vezes uma provocação me leva a escrever: ler uma frase invejável num livro e dizer para mim mesmo que preciso escrever como esse sujeito ou melhor que ele.

Sempre releio o máximo que posso tudo que escrevo. Daí uma compulsão pela correção. O texto tem que ser escrito como algo que eu gostaria de ler em outros autores. Tenho que sentir prazer na leitura de mim mesmo, senão acho que fracassei.

Um texto sobre cultura tem que ter um valor além do simples fato de informar. Deve ser aquilo que Roland Barthes chamava de "texto de fruição: aquele que põe em estado de perda, que desconforta, faz vacilar as bases culturais, psicológicas, do leitor, a consistência de seus gostos, de seus valores e de suas lembranças, faz entrar em crise sua relação com a linguagem" (O prazer do texto). Toda a movimentação interna dos meus textos, sua composição, está alerta para isso.

Sei que melhoro a minha escrita na medida em que leio mais e mais. Não há melhor escola para escritores, de que gênero for, do que ler excelentes autores de literatura. Desconfio de que Sigmund Freud leu muita literatura, pois seus textos científicos têm uma dose de imaginação que causaria inveja em vários escritores.

Já abandonei alguns textos pelo caminho, pois senti que não me dava o mínimo tesão escrevê-los. Mas já terminei vários textos sem estar sentindo o menor tesão, apenas para provar para mim mesmo que eu podia escrevê-los. Quanto maior o desafio, maior o prazer posterior de tê-lo vencido. Mesmo que o durante tenha sido doloroso.

Adoro dicionários, mas eles não criam um bom escritor. São um auxiliar, pois o que faz um bom escritor é ele ser um bom leitor. E bons leitores têm um vocabulário amplo, que faz o pensamento tornar-se flexível e criativo. Essa é minha tese: quanto maior o vocabulário, maior o pensamento de quem o possui. Mas, registro uma ressalva, que o grande vocabulário seja adquirido com obras cujo pensamento seja grande também. Uma coisa deve acompanhar a outra.

Para escritores ensaísticos, como os do Digestivo, eu indico um texto pouco discutido, mas exemplar. Chama-se "O ensaio como forma", de T. W. Adorno. Depois de ler este texto, duvido que amarras pragmáticas possam encarcerar qualquer imaginação.

Ao contrário da maioria das pessoas, escrever pra mim é um prazer enorme. Não acho doloroso. Divirto-me muito construindo e destruindo proposições, tentando dar vida a elas, fazê-las causar emoção no leitor e em mim mesmo. E ver o texto pronto, como este aqui, me dá a sensação de que gozei gostoso. Aquilo que Roland Barthes chamava de o prazer da leitura eu chamo de o prazer da escrita. E se Barthes estava certo, nós escrevemos para ser amados. Portanto, sejamos ao menos finos, elegantes e perfumados nessa hora.

Para ir além
Sobre o ofício do escritor, Arthur Schopenhauer
Sobre a leitura, Marcel Proust
As palavras, Jean-Paul Sartre
O prazer do texto, Roland Barthes
"O ensaio como forma", em Notas de Literatura I, Theodor. W. Adorno.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 28/7/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um parque de diversões na cabeça de Renato Alessandro dos Santos
02. A imaginação do escritor de Renato Alessandro dos Santos
03. Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
04. Aqui sempre alguém morou de Elisa Andrade Buzzo
05. Afinidade, maestria e demanda de Fabio Gomes


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2009
01. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
02. A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles - 24/11/2009
03. Cigarro, apenas um substituto da masturbação? - 1/9/2009
04. Michael Jackson: a lenda viva - 13/1/2009
05. A poética anárquica de Paulo Leminski - 22/9/2009


Mais Especial Como se escreve
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/7/2009
08h51min
Também sempre tive vontade de ser escritora, mas ainda estou longe de ser uma artista das letras. Seu texto me ajudou bastante a coletar informações para me preparar melhor para essa pretensa atividade. Sabe, o livro "Lendo Imagens", do Alberto Manguel, é uma boa pedida para quem deseja utilizar a criatividade e outras formas menos ortodoxas para elaborar bons textos. "Ler imagens" também pode ser um belo exercício. Parabéns pelo texto!
[Leia outros Comentários de Amábile Grillo]
19/8/2009
17h26min
Belo texto, fino, elegante, perfumado. Com ele você conseguiu ser "amado". Compartilho da ideia de que nosso texto tem que ser escrito como algo que gostaríamos de ler, caso fosse de outro autor. E da necessidade, para não dizer do prazer, de ler, ler, ler para escrever melhor.
[Leia outros Comentários de José Frid]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANOS 60
LUIZ CARLOS MACIEL
LPM
(1987)
R$ 14,00



OS ITALIANOS - 4434
LUIGI BARZINI
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1966)
R$ 15,00



SUAVE É A NOITE
SCOTT FITZGERALD
ABRIL CULTURAL
(1972)
R$ 19,90



TODO MUNDO TEM - AMIGO
ANNA CLAUDIA RAMOS & ANA RAQUEL
FORMATO
(2007)
R$ 12,00



100 ANOS DE CHICO XAVIER FENÔMENO HUMANO E MEDIÚNICO
CARLOS A BACCELLI
LEEPP
R$ 44,98



O NOVIÇO /JUIZ DE PAZ NA ROÇA
MARTINS PENA
SOL
R$ 7,00



A NORMALISTA
ADOLFO CAMINHA
JORNAL DOS LIVROS
R$ 6,00



SUBORDINAÇÃO E COORDENAÇÃO
FLÁVIA DE BARROS CARONE
ATICA
(1988)
R$ 19,90
+ frete grátis



CORAGEM PARA VIVER
MAX LUCADO
THOMAS NELSON BRASIL
(2010)
R$ 19,90



EU ACREDITO EM MILAGRES: A HISTÓRIA DE PADRE JONAS ABIB
GABRIEL CHALITA
CANÇÃO NOVA
(2016)
R$ 9,50





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês