Amor e dor para crianças em três passos | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
Mais Recentes
>>> Perestroika: Novas Idéias para o Meu País e o Mundo de Mikhail Gorbachev pela Best Seller
>>> Professor e o Louco, o - Livro de Bolso de Simon Winchester; Flavia Villas Boas pela Companhia de Bolso (2009)
>>> Etica e Responsabilidade Social de Patricia Almeida e Varios Autores pela Saraiva (2002)
>>> O Carma da rerra no Brasil de Xico Graziano pela A girafa (2004)
>>> Policiamento Inteligente de Aderivaldo Martins Cardoso pela Mg (2011)
>>> A Bolsa Ou a Vida de Eric Tousaint pela Fundação Perseu Abramo (2012)
>>> Itaipu - Integrção em concreto ou uma pedra no caminho de Tão Gomes Pinto pela Amarilys (2009)
>>> Serviço Social e a Organizaçâo da Cultura de Marina Maciel Abreu pela Cortez (2011)
>>> Rasgando o Ingresso - Viver Bem sem Regras de Ligia Gueiros pela Companhia Nacional (2004)
>>> Prourgem - Ciclo 4, Módulo 3 de Antonio Carlos Lopes pela Artmed (2007)
>>> Poder Sobrenatural da Fe, O: a Maneira Mais Eficaz de Vencer de Edir Macedo pela Unipro (2007)
>>> Budapeste: Romance (portuguese Edition) de Chico Buarque pela Companhia das Letras (2004)
>>> Bisbilhotices - Segredos e Curiosidades das Celebridades de Amaury Jr pela Joboticaba (2005)
>>> Plano de Negócios - Estraéegia para Micro e Pequena Empresas de Luiz Arnaldo Biagio e Antonio Botocchio pela Manole (2012)
>>> Histórias do Rio Negro de Vera do Val pela Martins Fontes (2007)
>>> Seculo de um Liberal de Athayde pela Agir (2009)
>>> Destino de Ally Condie; Livia Almeida pela Suma de Letras Brasi (2011)
>>> The Complete Finance Companion de The Wharton School pela Pitman Publishing (1998)
>>> Pátria Amada de J. M. Simmel pela Círculo do Livro (1965)
>>> Memórias de um Sargento de Melícis de Manuel Antônio de Almeida pela Àtica (2014)
>>> Dicionário Houaiss Ilustrado de Vários Autores pela Moderna
>>> Contratos Internacionais de Luiz Olavo Baptista pela Lex Magister (2011)
>>> Monstramigas Quem é essa Monstrinha? de Gitty Daneshvari pela Salamandra
>>> Educação e Formação Profissional de Olgamir Francisco de Carvalho pela Piano (2003)
>>> O Livro dos Cocktails de L R Dauven e Jacques Morlaine pela Presença (1980)
COLUNAS

Segunda-feira, 30/7/2007
Amor e dor para crianças em três passos
Verônica Mambrini

+ de 4100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

É duro para os pais pensarem isso, mas os pequenos rebentos cedo ou tarde atravessarão a aridez da rejeição. O desamor faz parte da vida e é mais constante talvez do que o amor no mundo individualista em que vivemos. Habituar-se com ele é estar apto para uma sobrevivência mais indolor. Esse panorama sombrio é o cenário psicológico do livro infantil de Tim Burton, O triste fim do pequeno menino ostra e outras histórias (Girafinha, 2007, 124 págs.), que a editora Girafinha acaba de lançar, com competente tradução de Márcio Suzuki.

O cineasta Tim Burton é adorado e odiado pelos mesmos motivos. Seu mundo de fantasia seduz e causa repulsa ou tédio - mas dificilmente deixa indiferente. O protagonista de Edward, mãos de tesoura traz uma característica em comum com todos os personagens de O triste fim...: são inadequados por sua natureza, e portanto não há redenção possível para eles. A inadequação em nada representa falha de caráter, e se prejudica os outros é por fatalidade. Quem não se lembra da cena em que Edward tenta tocar o rosto da menina, filha da família que o acolheu, e as lâminas que tem no lugar dos dedos cortam a pele da face? O gesto de ternura ressalta a aberração, e com a turba que o rejeita e se enfurece, Edward se torna subitamente de ameaça a ameaçado. A temática desse exílio vai passar pelos poemas e aqui e ali, o leitor fã vai ver ecos do cineasta no poeta-ilustrador.

Animador extremamente competente (começou a carreira nos estúdios Disney), Burton empresta a assinatura do traço de A noiva cadáver para os pequenos seres infelizes que habitam seu mundo poético. Muitas vezes, o abandono vem pelos próprios pais, tão entretidos consigo próprios ou com a vida de casal, que tratam o filho como estorvo, em um tom triste mas delicado. O amor é amargo mas possível, como no poema "Garota Vodu", sobre uma menina de pano, cheia de alfinetes, que tem "Olhos que giram como discos/ Ela possui dos belos pares/ Olhos de poderes hipnóticos:/ Olhos de apaixonar os rapazes.". Esse mesmo poder de fascínio vem com uma maldição: "Mas ela também tem uma sina/ Que jamais pode ser quebrada:/ Se alguém dela se aproxima/ Seu coração sente as espetadas."

A sinceridade em que a visão de mundo do autor se revela é chocante, destacada pelo meio em que surge, o livro infantil. O tema de como tratar o diferente tem uma abordagem livre e artística, politicamente incorretíssima, mas muito rica e imaginativa. Burton já afirmou que sua infância foi peculiar e solitária; se seus personagens refletirem esse dado biográfico está explicado porquê parecem tão humanos e espontâneos. O dom de sensibilizar a quem não faz parte de um status quo é a grande virtude dos poemas, embora não seja uma leitura leve, ou para qualquer tipo de pai.

A nova cria de Índigo
A maldição da moleira é o novo livro de Índigo, blogueira que também publica em papel. Apesar do título tétrico, a história é sobre os primeiros meses da vida de Heitor. O bebê tem uma particularidade: a avó lhe fecha a moleira antes do tempo normal. Bebês começariam a ficar mais espertinhos quando a moleira (parte superior do crânio que é mole no nascimento) começa a fechar. E Heitor, em vez de ser um bebê comum, passa a ter um discernimento natural a uma criança mais velha ou um pré-adolescente. Mas a graça do livro são mesmo as piadas para os pais, excelentes. Sim, porque o livro tem todo o jeito de feito para ser lido pelos pais para os rebentos. Teletubbies e outros programas de tevê estão lá, indefectíveis. E pais que precisam eventualmente apelar à telinha para acalmar os filhotes vão dar boas risadas, lendo com as crianças (e achando um bom pretexto para fugir da programação televisiva).

Na Internet, Índigo tem um senso de humor afiado, ácido. Por ser um livro infantil, está mais contido (apesar de, no fundo, ela não estar muito ligando o tal do politicamente correto, a julgar pela expressão "cagar" que aparece no meio do livro). O livro cumpre com a função de entreter e divertir, mas a aposta nas piadinhas para os pais funcionou tão bem que haveria espaço para mais, uma vez que a narrativa segura as crianças por si só. Índigo já publicou os infantis Como casar com André Martins, Caixinha de madeira, com a correspondência secreta entre as heroínas Branca de Neve, Cinderela e Bela Adormecida, Saga animal: muita batalha por um bicho de estimação!, entre outros. Literatura para gente pequena é coisa séria, e a Índigo sabe disso.

Versinhos caprichados
"Felicidade é improviso". Esse é só um dos achados de Os bichos e seus caprichos, livro de poesia escrito por Fabiano Onça ("Quando era criança e estava sozinho,/ Brincava de rima, fazia versinho. Brincar terminou virando livrinho.") e ilustrado por Tatiana Paiva ("Ela sempre brincou com cor./ Hoje ainda desenha e cola,/ No papel e no computador.").

O tema é o mesmo de Tim Burton, a alteridade. Mas a visão de mundo é totalmente diferente, terna e bem-aventurada, sem precisar de conflitos para mover os personagens. Os bichos, cada um com seu talento, com seu jeito e seus desejos, encontram seu cantinho no mundo e se realizam cumprindo sua vocação. O texto não subestima a inteligência dos pequenos leitores com lições edificantes e chatas, contadas de força maçante; livros moralistas geram imbecis fascistóides... O design de Tatiana torna o livro delicioso de folhear e viajar na poesia visual que completa a das palavras, trabalhadas com cuidado e cheias de interessantes jogos poéticos.

Para ir além






Verônica Mambrini
São Paulo, 30/7/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Reminiscências de Rafael Lima


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini em 2007
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. 453 – São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
03. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
04. A Arte da Entrevista - 8/10/2007
05. Insuportavelmente feliz - 17/9/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/7/2007
16h13min
Os adultos costumam subestimar as crianças e sua capacidade de compreensão e interpretação. Os adultos apenas esqueceram que no mundo da fantasia vale tudo, não só coisas boas e cor-de-rosas. É bom ver um livro de Tim Burton sendo lançado no país, ainda mais sendo um livro de poesias. Se despertar o gosto dos pequenos pela leitura já é um desafio, este o é ainda mais no campo da poesia. A Índigo é mesmo um frescor na literatura infantil, sinto nela a mesma falta de medo que há em Lygia Bojunga. Escrevem para crianças sem pensá-las exclusivamente como crianças, mas sim como leitores, que merecem boas tramas e histórias sem fingimentos.
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Anuário Brasileiro de Artes Plásticas Vol VII
Helder Fazilari
Roma



Biblioteca de Arte os Impressionistas - Lautrec
Luis Carta et Al (editores)
Três
(1973)



Abandono Sonetos Inéditos
Gioconda Labecca
São Paulo
(1986)



O Peixinho Azul e Outras Histórias
Roque Jacintho
Feb
(1990)



Minissaia Batom e Futebol
Sardenberg Leticia
Zit
(2011)



Aspectos Biológicos da Flora Brasileira
João Decker
Rotermund
(1936)



Os Cavaleiros de Cristo - Coleção Verdades Ocultas
Edgar Melo
Escala
(2015)



O Marido Perigoso
Jane Shapiro
Record
(2002)



Poemas Em Autoplágio
Wilson Caritta
Patuá
(2013)



La Nostra Lotta Dall Opposizione Verso Il Governo
Enrico Berlinguer
Riuniti
(1979)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês