Gal Costa (1945-2022) | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
51145 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> ANUAL DE ARTE FAAP ABRE AO PÚBLICO NO DIA 30 DE NOVEMBRO
>>> JOSYARA FAZ SHOW NO SESC BELENZINHO
>>> Revista Úrsula na Copa
>>> Mostra Contemporânea de Natal - Vai na Fé - no Museu de Arte Sacra
>>> Feira Criativa Fuzuê será realizada diariamente a partir desta quinta, no Saltare Centro de Dança
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Desapega, só um pouquinho.
>>> Menos, Redentor. Menos
>>> Sou grato a Deus
>>> Água das águas
>>> Súplica
>>> Por que me abandonastes
>>> Política na corda bamba
>>> Aonde anda a liberdade
>>> Calar não é consentir
>>> Eu já morri, de Edyr Augusto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lost
>>> Eles vão invadir seu Orkut!
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
>>> O filósofo da contracultura
>>> Sobre a vida no campo
>>> Orgasmo ao avesso
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Lendo Dom Quixote
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O mundo aos olhos de um pescador
Mais Recentes
>>> Reunião de Família de Lya Luft pela Siciliano (1991)
>>> Blade - A Lâmina Imortal nº 24 de Hiroaki Samura pela Conrad (2005)
>>> Os Homens Que Não Amavam as Mulheres de Stieg Larsson pela Companhia das Letras (2008)
>>> Cidades de Papel de John Green pela Intrínseca (2013)
>>> Anjos e Demônios - Edição Econômica de Dan Brown pela Arqueiro (2012)
>>> Star Wars - The Clone Wars - Abenteuer der Jedi de Simon Beecroft pela Dk (2013)
>>> Fundamentos de Matemática Elementar - Volume 10 - Geometria Espacial de Oswaldo Dolce; José Nicolau Pompeo pela Atual (2013)
>>> O Olho do Furacão de Murillo Nunes de Azevedo pela Civilização Brasileira (1973)
>>> A Pergunta Definitiva 2.0 de Fred Reichheld pela Campus (2011)
>>> She - A Chave do Entendimento da Psicologia Feminina de Robert A. Johson pela Mercuryo (1987)
>>> A Arte de Falar Bem - Retórica, Eloquência, Acadêmica de Silveira Bueno pela Brasilivros (1987)
>>> Confarad II - Congresso Sefaradi de Vários autores pela W-Edith
>>> Física 3 - Eletromagnetismo - Física Moderna - Ensino Médio de Bonjorno; Clinton; Eduardo Prado; Casemiro pela Ftd (2013)
>>> Die Schwarzen Musketiere - Das Buch der Nacht de Oliver Pötzsch pela Bloomoon (2015)
>>> Golfinhos e Tubarões - O Outro Mundo de Tais Cortez pela Chiado (2013)
>>> Meditações Metafísicas de Rene Descartes pela Folha de S.Paulo (2015)
>>> Ponte Para Terabítia de Katherine Paterson pela Salamandra (2006)
>>> Quem Manipula Quem? de Ciro Marcondes Filho pela Vozes (1991)
>>> A Mulher Que Amou Demais de Nelson Rodrigues (Myrna) pela Companhia das Letras (2003)
>>> Die Wörter de Jean-Paul Sartreª pela Rowohlt (1966)
>>> Uma Certa Justiça de P. D. James pela Companhia das Letras (1999)
>>> A Lista Vip de Zoey Dean pela Nova Fronteira (2005)
>>> Mera Fotografia de Magalhães, Carlos Eduard pela Rocco (1998)
>>> Html 5 - Embarque Imediato de Fabio Flatschart pela Brasport (2011)
>>> Seja Foda! de Caio Carneiro pela Buzz (2017)
COLUNAS

Sexta-feira, 11/11/2022
Gal Costa (1945-2022)
Julio Daio Borges

+ de 700 Acessos

“Gal”, a palavra, para quem não sabe, é um equivalente sonoro de “girl”, em inglês. “Gal” Costa, a garota Costa - ainda que seu nome fosse Maria das Graças e o “Gal”, como apelido, viesse a calhar.

Mesmo associada ao Tropicalismo, Gal Costa, quando apareceu, era chamada de “João Gilberto de Saias” - pelo modo de cantar, “para dentro”, supostamente inventado pelo pai da bossa-nova.

Reza a lenda que, quando a conheceu, João Gilberto pediu que Gal o acompanhasse em um série de canções, que entoava com seu violão. Sem falar nada, emendava uma canção na outra, e apenas observava a novata. Depois de um tempo, deu o veredito: “Você é a maior cantora do Brasil”.

A maior cantora brasileira de todos tempos? Teríamos de passar por cima, no mínimo, de Carmen Miranda, que Caetano Veloso considerava tão famosa quanto... Mickey Mouse (sim, numa de suas comparações esdrúxulas).

A maior cantora brasileira de seu tempo? Nesse caso, teríamos de passar por cima de Elis Regina, que, com certeza, disputava o trono - e, antes de morrer, assumira uma espécie de “inveja branca” por Gal ter gravado “Meu bem, meu mal”, do mesmo Caetano, antes dela (Elis).

E Maria Bethânia? Eram duas grandes cantoras baianas praticamente na mesma turma - é difícil escolher uma. Mais engajada, digamos assim, Bethânia resolveu se lançar substituindo Nara Leão no histórico show “Opinião” (1965). Gal era menos politizada, desde o princípio.

Mas não ficou atrás. Sua estreia - com o onipresente irmão de Bethânia - no álbum “Domingo” (1967) é um dos grandes momentos dos dois. Quando Caetano, pré-tropicalista, soava bossa-novista - e Gal, portanto, estava em seu elemento.

“Coração vagabundo”, inclusive, foi gravada pelo próprio João Gilberto, nos anos 90. “Avarandado”, também. “Candeias” é um dos grandes momentos do compositor Edu Lobo, na voz de Gal. Para meu gosto, “Domingo” disputa, cabeça a cabeça, com o “Caetano Veloso” (1967), a estreia solo do baiano.

Assim como Milton Nascimento, Maria Bethânia é acusada de fazer só o que quer - e tem de ser do seu jeito. Quem acusa não sou eu - é o irmã dela... Logo, Gal Costa, apesar da forte personalidade, deve ter parecido menos indócil e mais receptiva a seus apelos do que a própria irmã.

Este texto é mais uma prova de que é muito difícil separar Gal Costa de Caetano Veloso. Praticamente impossível. Talvez ela seja a maior intérprete dele - e “Minha d’água do meu canto” (1995), virtualmente um songbook de Caetano, quase trinta anos depois, é mais uma constatação.

É verdade que o disco alterna canções de Chico Buarque, o grande rival de Caetano, em matéria de composição. De quem, aliás, Bethânia acabou se aproximando - mais notoriamente em álbuns como o “Chico & Bethânia” (1975).

Em meio a tudo isso, a meu ver, os “Doces Bárbaros” (1976). Incluindo uma peça que faltava nesse quebra-cabeça: Gilberto Gil. Como disse Jorge Drexler, um uruguaio falando com propriedade, eram muitos talentos, ao mesmo tempo - e no mesmo país.

Para quem duvida, basta ler “A era dos festivais” (2003), de Zuza Homem de Mello - e constatar que os compositores e intérpretes surgidos nos festivais da canção dos anos 60 e 70 eram páreo para a época de ouro do samba, os anos 30 e 40, para a própria bossa-nova e o samba-canção, nos anos 40 e 50, respectivamente.

Em meados dos anos 80, Gal Costa foi acusada de soar excessivamente pop, como quando, por exemplo, gravou “Um dia de Domingo”, com Tim Maia, sucesso de Sullivan & Massadas. Considero, porém, que voltou à boa forma, nos anos 90 - apesar de ter se perdido ao flertar com a música eletrônica, nos últimos anos.

O grande desafio, para cantoras depois dela, foi, além do desafio vocal, conseguir soar tão pertinentes quanto Gal Costa, que nasceu filha dileta da bossa-nova, e de João Gilberto, participou do Tropicalismo, ainda que fosse uma diluição de Oswald de Andrade, se associando com um dos maiores compositores de sua geração, o inescapável Caetano, conquistando igualmente o respeito de mestres como Tom Jobim e Dorival Caymmi, sem ficar atrás de grandes intérpretes como as mencionadas Bethânia e Elis.

Marisa Monte, para ficar no maior exemplo da geração seguinte, não teve a mesma sorte. Ainda que premiada com a voz, não estava entre movimentos com o Tropicalismo e a bossa-nova (os Tribalistas não são um movimento, são?). E, sem contar com um Caetano para chamar de seu, nem com um Chico para flertar de vez em quando (Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown nem se comparam), Marisa Monte já estava muito distante, cronologicamente, para conquistar o respeito de Caymmi e Jobim (no máximo, de um Nelson Motta e/ou de um Paulinho da Portela).

Enfim, tive a sorte de viver no tempo de Gal Costa e tive o privilégio de assiti-la, no auge, na turnê de “O sorriso do Gato de Alice” (1994). No palco, ainda com afinação perfeita, ela se revelou graciosa e, ao mesmo tempo, deslumbrante. “Brazilian flower from Bahia”, na definição de Tom Jobim.

Dez anos mais tarde, pude assistir ao filme dos “Doces Bárbaros”, um registro imperdível de 1976 - e Gal estava lá, conosco, ao final da projeção, para nos saudar.

Para completar, estive na pousada que foi sua casa, na Bahia, e comprovei seu bom gosto - para além das canções...

Até vi Bethânia, que merece todo o nosso respeito e toda a nossa consideração, mas ouvi muito mais Gal Costa, que me cansava menos, porque fazia menor uso da dramaticidade (o que não deve ser tomado como um juízo estético - apenas pessoal mesmo...).

Infelizmente, não vi Elis Regina ao vivo, que, em disco, considero a maior de todas.

Sendo assim - pelo que vi e ouvi -, João tinha razão: pelo conjunto da obra, Gal Costa foi a nossa maior cantora.

Para ir além
Eclipse oculto e Alto astral, altas transas, lindas canções


Julio Daio Borges
São Paulo, 11/11/2022


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2022
01. 80 anos do Paul McCartney - 18/6/2022
02. Jô Soares (1938-2022) - 12/8/2022
03. Maradona, a série - 1/1/2022
04. As maravilhas do modo avião - 27/5/2022
05. A compra do Twitter por Elon Musk - 26/4/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Magica da Arrumação
Marie Kondo
Sextante
(2015)



O Caminho
Michael Berg
imago
(2003)



As Conexões Ocultas
Fritjof Capra
cultrix
(2005)



Turismo e Ecologia
Sergio Molina E.
Edusc
(2001)



Nosso amigo chico Xavier
Luciano da Costa
eme
(1995)



Chicken Soup For the Teenage Soul (inglês) (2010)
Canfield Jack(editor)
Scholastic Inc
(2010)



O Casarão Solitário
Armando Fernandes de Oliveira
eme
(2001)



Enfermagem Médico-cirurgica - 03 Volumes Enfermagem Pratica
Sonia Regina de Souza ( Revisão Tecnica )
Reichmann & Affonso Editores
(2004)



Clone; os Caminhos para Dolly
Gina Kolata
Campus
(1998)



As Plantas Medicinais e o Coracao
Jaap Huibers
Hemus
(1983)





busca | avançada
51145 visitas/dia
2,0 milhão/mês