Ruy Castro n'O B_arco ― parte 2/2 | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
56914 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A teoria do caos
>>> Ainda o mesmo assunto...
>>> Contradições da 30ª Mostra
>>> Chinese Democracy: grande disco
>>> 50 Anos de Preguiça e Insubmissão
>>> Dos Passos: duplamente grande
>>> 1992 e hoje
>>> 26 de Outubro #digestivo10anos
>>> Sabedoria de vida
>>> A ABSTRATA MARGEM
Mais Recentes
>>> Brasil, Argentina e Israel - Inflação Zero de Persio Arida (org.) pela Paz e Terra (1986)
>>> Microeconomia de Jether Abreu pela Makron Books (1995)
>>> BBC Muzzy Multilínguas de Abril Coleções pela Abril Coleções (2008)
>>> A Sociedade Pós Industrial de Domenico de Masi pela Senac Sp (1999)
>>> O Homem do Braço de Ouro de Nelson Algren pela Rocco (1988)
>>> Cinco por Infinitus Vol. 1 (edição Encadernada do Nº 1 ao 10) de Esteban Maroto pela Ebal (1969)
>>> Perfis Brasileiros Castro Alves de Alberto da Costa e Silva pela Companhia das Letras (2006)
>>> Dicas e Receitas para o Diabético de Maria Emília de Souza Alves pela Podium (1996)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de M. D. Brian L. Weiss pela Salamandra (1991)
>>> Guia de estilo para candidatos ao poder de Luci Molina pela Senac Sp (2012)
>>> Agricultura na Região Metropolitana de Porto Alegre de Marines Zandavali Grando pela Ufrgs (2002)
>>> Única: Estudos Hitchcockianos Volume 1 de Carlos Primati; Beatriz Saldanha (orgs.) pela Clepsidra (2018)
>>> O Brilho de Sua Luz de Danielle Steel pela Record (2001)
>>> Astrologia Real o Que Seu Signo Quer Dizer a Você de Oscar Quiroga pela Rocco (2002)
>>> Insigth de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Turma da Mônica Jovem - Número 19 de Mauricio de Sousa pela Panini / Planet Manga (2010)
>>> A Cabana - Reflexões para Cada Dia do Ano de William P. Young pela Sextante (2012)
>>> Descubra um Novo Autor : Você (manual para Escritores) de Silvio P. Botomé; Célia M. C. Gonçalves pela Brasiliense (1980)
>>> Contos Clássicos de Fantasma de Alexander M. da Silva; Bruno Costa (orgs) pela Sebo Clepsidra / Ex Machina (2020)
>>> Chuva de Lágrimas de Marcos Diego Mogami pela Dekasseki Brasil (2008)
>>> Dumbo de Disney pela Abril Coleções (2008)
>>> Cantando e Conhecendo os Hinos Brasileiros de Varios Autores pela Serasa (2001)
>>> A Ferrovia do Diabo de Manoel Rodrigues Ferreira pela Melhoramentos (2008)
>>> Macabeias da Colônia: Criptojudaísmo Feminino na Bahia de Angelo Adriano Faria de Assis pela Alameda (2012)
>>> 365 graus de Fábio Bitão pela Do Autor (2006)
COLUNAS

Quarta-feira, 23/12/2009
Ruy Castro n'O B_arco ― parte 2/2
Rafael Fernandes

+ de 4900 Acessos

Em julho de 2009 Ruy Castro ministrou um curso sobre biografias no Espaço O B_arco, em São Paulo. O texto com a primeira parte de suas aulas já foi publicado, tendo como foco o seu processo de trabalho. A seguir, a segunda parte, com algumas observações e curiosidades sobre as biografias que escreveu.

Chega de Saudade
Esse foi um livro que Ruy fez porque era algo que queria ler ― uma narrativa sobre como a bossa nova aconteceu. Mas como ninguém se propôs a fazer, Ruy acabou desenvolvendo o projeto. O surgimento da ideia veio de uma sobra de material da entrevista que fez com Tom Jobim para a Playboy. Outro fato que o motivou foi a familiaridade que tinha (e tem) com os dois temas básicos do livro: bossa nova e Rio de Janeiro. Além disso, nos anos setenta e oitenta a bossa era declarada "morta" por todos e havia um estigma contra o estilo. Para conseguir desenvolver o projeto do livro, Ruy "inventava" matérias no Rio (estava morando em São Paulo, na época) para conseguir bancar a passagem e a hospedagem. Durante as pesquisas, um fato curioso: todo mundo queria ser "o pai" da bossa nova. Um letrista falava que começou numa letra sua, um músico numa música que compôs, um ator numa peça etc. Ruy considera que o "começo" do estilo não está numa data ou numa música, mas sim num local: as Lojas Murray, que eram referência e ponto de encontro dos músicos, que iam lá procurar discos. Ele considera que o grupo da bossa nova tinha conhecimento sofisticado e moderno de música ― sabia o que acontecia no mundo. Um fato bastante curioso desse período se refere a Jonas, que era crooner do Garotos da Lua. Antonio Maria disse, na época, que "esse negócio de cantar baixinho não está com nada". Com isso, fez Jonas ser demitido por essa característica, dando lugar a João Gilberto. Justamente ele que, posteriormente, se tornou o ícone do "cantar baixinho".

O Anjo Pornográfico
Em 1991 Nelson Rodrigues parecia esquecido. Não havia nada nas livrarias e os atendentes sequer o conheciam. Nos sebos era raro encontrar exemplares de seus livros, era preciso entrar em longas listas de espera. Ainda assim, Ruy Castro percebeu que havia uma demanda pelo trabalho de Nelson. Mesmo em 1992 a ideia de que a obra dele era "suja" persistia. Mas a partir do lançamento dessa biografia, aos poucos, Nelson foi "ressurgindo". Hoje sabemos de seu valor. Ruy contou que não achava um título para o livro. Lendo uma entrevista do escritor para a revista Manchete, achou uma afirmação do escritor que chamou sua atenção: "sou e sempre fui um anjo pornográfico". Por fim, Ruy considera que a redação de jornal foi o principal "palco" de Nelson Rodrigues.

Estrela Solitária
A primeira ideia foi de fazer um livro sobre alcoolismo, tendo a história de Garrincha como um dos fios condutores. Por coincidência descobriu que o costureiro da Leda Nagle era de Pau Grande. Ele, então, colocou o Ruy dentro da casa de muita gente que conviveu com Garrincha, e que sabia muitas histórias sobre sua vida. Daí, o projeto foi se moldando para uma biografia do boleiro. Um pequeno mito desfeito foi de que os jogadores da seleção brasileira de 58 pressionaram o técnico Feola para uma mudança, com um suposto intuito de barrar Joel. Didi, Bellini e até mesmo próprio Joel desmentiram essa história ― apesar de ela ainda ser aceita. No livro, provavelmente um dos principais mitos jogados para escanteio foi o de que "Elza acabou com Garrincha". Por diversos motivos. Antes de tudo, porque Ruy disse que não se pode atribuir a mais ninguém a culpa do alcoolismo ― só ao próprio dependente. Além disso, eles começaram a namorar em 1962. Nesse momento, Elza já era a Elza ― tão famosa quanto Garrincha. Não faria sentido ela se beneficiar da fama dele. Outro fator é que também nessa época o jogador vivenciava seu último auge, já com problemas crônicos no joelho e com o alcoolismo. No final das contas, a carreira da artista é que foi prejudicada. O ônus foi para ela, o falatório era de que Garrincha casou com Elza, a "cantora puta". E ela ainda abandonou sua carreira no Brasil para ir com ele à Itália. Ruy observou também que por parte de Garrincha houve a ingratidão do dependente de colocar a culpa nos outros. Ele também considera que o lançamento da biografia ajudou Elza a retomar sua carreira.

Carmen
Ruy Castro sempre faz questão de ressaltar que o biografado é a pior fonte de si mesmo. Um belo exemplo é Carmen Miranda, que disse ser uma "mentirosa compulsiva". Nos Estados Unidos ela mentiu sobre início de sua carreira. Afirmara que os pais só descobriram que ela cantava quando foi para os EUA. O que não fazia o menor sentido, já que quando lá chegou ela tinha anos de carreira. Já estava famosa aqui ― já era a Carmen Miranda. O autor também não confia no material oficial de Hollywood, pois foi criada uma biografia artificial para a artista. Era divulgado que ela nasceu em 1914 (foi em 1909) e que fora criada em convento (o que não é verdade). Além disso, maquiaram a origem da família e profissão dos pais com o intuito de facilitar sua aceitação por parte das famílias americanas. Seu pai era barbeiro e sua mãe lavadeira. Ruy Castro colocou no livro e fez questão de ressaltar que Carmen não sofria com sua imagem nem com os papéis oferecidos. Estava satisfeita. Os artistas da época, inclusive, queriam cristalizar uma imagem particular para construir uma carreira em cima disso. Ela só reclamava dos filmes em si, que eram ruins. Outro dos mitos desfeitos foi de que a cantora só fez sucesso nos EUA por causa da política de boa vizinhança. A realidade é que investiram em Carmen por uma questão de indústria, visando o lucro. Simplesmente porque era, como tantos outros, uma artista competente com potencial comercial. Ela até chegou visitar, em 1940, soldados americanos. Mas era artista da Fox em Hollywood e todos os artistas da empresa fizeram o mesmo. Outro mito desvendado: que Carmen "enlameava o nome do Brasil", supostamente por causa do estereótipo. Ruy diz que "só na cabeça de meia dúzia pessoas" como Davi Nássar, porque "Carmen não gravou música dele".


Rafael Fernandes
Sorocaba, 23/12/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Da fatalidade do desejo de Elisa Andrade Buzzo
02. Cuba E O Direito de Amar (2) de Marilia Mota Silva
03. Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg de Jardel Dias Cavalcanti
04. Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
05. Moro no Morumbi, mas voto em Moema de Julio Daio Borges


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2009
01. 10 músicas: Michael Jackson - 22/7/2009
02. A Crise da música ― Parte 1/3 - 25/3/2009
03. A Crise da música ― Parte 2/3 - 29/4/2009
04. Chinese Democracy: grande disco - 25/2/2009
05. A Crise da música ― Parte 3/3 - 8/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Imagens de Magia e de Ciência
Maria Helena Roxo Beltran
Educ
(2000)



As Fogueiras do Rei
Pedro Casals
Record
(1989)



Gestão Tributária
Mario Sebastião de Azevedo Pereira
Iob Sage
(2013)



Radiografia da Alma
Pe. Hewaldo Trevisan
Planeta
(2010)



Diários de Jack Kerouac
Kerouac, Jack
L& Pm
(2006)



Juizado Especial: Criação Instalação, Funcionamento e a ...
Luiciana Gross Cunha
Saraiva
(2008)



As Aventuras de Tintim. a Ousada Fuga de Tintim
Vários Autores
Rai
(2012)



A História é Amarela
Vários Autores
Abril
(2017)



Cálculo Diferencial e Integral 3 - Resumo Teórico Exercícios Resol....
Ana Célia e Outros Autores
Lcte
(2016)



Sobre a psicopatologia da vida cotidiana
Sigmund Freud
Escala





busca | avançada
56914 visitas/dia
1,8 milhão/mês