Eric Clapton ― envelhecendo como um bluesman | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
27806 visitas/dia
737 mil/mês
Mais Recentes
>>> CONVITE, 14/08, 19h || Querido Embaixador, exibição especial seguida de debate
>>> Kyungso Park se apresenta dia 15 na Caixa Cultural Brasília
>>> Dia Mundial da Fotografia no Museu da República (RJ)
>>> SHOW SPYAIR
>>> Mariana Xavier fala sobre o canal Mundo Gordelícia no Viralizando
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Não sei se você já deitou em estrelas.
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE I)
>>> Globo News: entrevista candidatos
>>> Corpo e alma
>>> Cada poesia a seu tempo
>>> De Repente 30! Qual o Tabu Atual de Ter Essa Idade
>>> Uma jornada Musical
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES V
>>> A passos de peregrinos lll - Epílogo
>>> Jeferson De, Spike Lee e o novo Cinema Negro
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Arrington pós-TechCrunch
>>> Como se vive uma vida vazia?
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> Mário Faustino e a poesia
>>> Mário Faustino e a poesia
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Autobiografia teológica
>>> Tumblr: a renovação dos blogs
>>> 10 grandes
>>> O Brasil que eu quero
Mais Recentes
>>> O Homem dos Dados de Luke Rhinehart/ Trad.: Eliana Sabino... pela Imago (1974)
>>> O Homem dos Dados de Luke Rhinehart/ Trad.: Eliana Sabino... pela Imago (1974)
>>> O Homem dos Dados de Luke Rhinehart/ Trad.: Eliana Sabino... pela Imago (1974)
>>> A Hora de Cinquenta Minutos de Robert Lindner pela Imago/ RJ. (1972)
>>> A Hora de Cinquenta Minutos de Robert Lindner pela Imago/ RJ. (1972)
>>> Mutações de Liv Ullmann/ Tradução: Sônia Coutinho pela circulo do Livro (1981)
>>> Mutações de Liv Ullmann/ Tradução: Sônia Coutinho pela Editorial Nórdica (1978)
>>> Mutações de Liv Ullmann/ Tradução: Sônia Coutinho pela Editorial Nórdica (1979)
>>> Um Tesouro de Contos de Fadas de Vários (Clássicos Recontados) pela Ds max
>>> Histórias das Raças Humanas - Raças Mistas da Oceania de Prof. Gilberto Galvão pela Iracema
>>> Histórias das Raças Humanas - Raças Mistas das Américas de Prof. Gilberto Galvão pela Iracema
>>> Arcanjo Zadkiel e os Anos dos Milagres de Elizabeth Clare Prophet pela Nova Era (2009)
>>> Obras Escogidas: los Buddenbrook/ Alteza Real/ Señor y Perros de Thomas Mann/ (prêmio Nobel- 1929) pela Aguilar, Madrid (1956)
>>> Obras Escogidas (tomo Ii): Bajo las Estrellas de Otoño... de Knut Hamsun (prêmio Nobel- 1920) pela Aguilar, Madrid (1958)
>>> Maçonaria Religião e Simbolismo de Samuel Nogueira Filho pela Traço (1984)
>>> Comedias Escogidas: El Nido Ajeno/ La Noche del Sábado... de Jacinto Benavente (prêmio Nobel/ 1922) pela Aguilar, Madrid (1958)
>>> Obras Escogidas: Mirèio/ Calendau/ Las Islas di Oro... de Frédéric Mistral pela Aguilar, Madrid (1955)
>>> Os Bruxos de Machu Picchu - Os Cinco Degraus do Conhecimento de Padma Patra pela Madras (1997)
>>> Comedias Escogidas/ Héroes/ Cándida/; Trata de Blancas/ Fascinación... de Bernard Shaw (premio Nobel 1925) pela Aguilar, Madrid (1957)
>>> Obras Ecogidas : una Aldea/ El Amor de Mitia y Otros Cuentos... de Iván Bunin/ (prêmio Nobel- 1933) pela Aguilar, Madrid (1957)
>>> Obra Escojida: Lírica Breve/ Teatro/ Cuento/ Aforismo... de Rabindranaz Tagore (premio Nobel 1913) pela Aguilar, Madrid (1955)
>>> A língua de eulália de Marcos Bagno pela Editora Contexto (2014)
>>> Um dia de David Nicholls pela Intrínseca (2012)
>>> A maldição do Titã de Rick Riordan pela Intrínseca (2009)
>>> O Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intrínseca (2010)
>>> A culpa é das estrelas de John Green pela Intrínseca (2012)
>>> Os dois ou o inglês maquinista de Martins Pena pela Ibep Jovem (2013)
>>> O herói perdido de Rick Riordan pela Intrínseca (2011)
>>> O filho de Netuno de Rick Riordan pela Intrínseca (2012)
>>> Cinco Minutos de José de Alencar pela L&PM Pocket (2011)
>>> O doente imaginário de Molière pela Editora 34 (2011)
>>> Iracema / Cinco Minutos de José de Alencar pela Martin Claret (2010)
>>> Bruxaria Contemporânea de Luciana Pereira Machado pela Pallotti (2008)
>>> O médico e o monstro de Robert Louis Stevenson pela Martin Claret (2013)
>>> Isaac Newton e sua maçã de Kjartan Poskitt pela Companhia das Letras (2011)
>>> Inocência de Visconde de Taunay pela Editora Ática (2011)
>>> A Verdade sobre o Sudário de Kenneth E. Stevenson e Gary R. Habermas pela Paulinas (1983)
>>> A pirâmide vermelha de Rick Riordan pela Intrínseca (2010)
>>> O lado bom da vida de Matthew Quick pela Intrínseca (2013)
>>> Espumas Flutuantes de Catro Alves pela Editora Escala (2018)
>>> Os cientistas e seus experimentos de arromba de Dr. Mike Goldsmith pela Companhia das Letras (2011)
>>> Um certo capitão Rodrigo de Erico Verissimo pela Companhia das Letras (2010)
>>> O poeta do exílio de Marisa Lajolo pela FTD (2011)
>>> Cromo-Cristal-Terapia na Apometria de Elizabeth Monteiro Schreiner pela Kuarup (1999)
>>> Uma Ideia Solta no Ar/ Girassol de Pedro Bandeira/ Ilustrações: Rogério Borges pela Moderna/ SP. (1991)
>>> Um Anjo no Jardim/ Veredas de Lino de Albergaria/ Ilustr. Nélson Cru pela Moderna/ SP. (1993)
>>> O Senhor dos Pesadelos de Elisabeth Maggio pela Moderna/ SP. (1991)
>>> Iniciação ao Tarô de Pedro Camargo pela Nova Era (1996)
>>> Sopa de Letrinhas de Teresa Noronha pela Moderna/ SP. (1991)
>>> Sai pra Lá, Dedo-duro de Fanny Abramovich pela Moderna/ SP. (1994)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2000-2009

Terça-feira, 9/2/2010
Eric Clapton ― envelhecendo como um bluesman
Diogo Salles

+ de 17700 Acessos
+ 3 Comentário(s)


Muro perto da estação Islington ― Londres, 1966

Falar em "melhores da década" é um tema amplo demais. Como não quero ficar atirando para todos os lados, prefiro colocar essa pauta num plano mais fechado. Em diversos textos que escrevi aqui, procurei analisar o cenário musical de diferentes maneiras, mas todos eles tinham um ponto de convergência: essa primeira década do milênio foi de uma pobreza musical quase inverossímil. Pelo menos no que tange o mainstream. Em minhas intermináveis discussões musicais com Rafael Fernandes, vivo insistindo que não houve renovação no rock desde a derrocada do grunge. Parece ter se segmentando ainda mais e formado novos guetos no heavy metal para os xiitas se acotovelarem. Já o pop nem se fala: parece ter morrido antes mesmo de Michael Jackson ― e do que restou, só o resto mesmo: a mesma porcaria venal e pasteurizada de sempre. No rock clássico, alguns se reciclaram, outros seguiram adiante e boa parte se aposentou (embora a maioria ainda não saiba disso). Entre mortos e feridos, eis o que eu queria dizer: para mim, Eric Clapton foi o músico da década. Músico e guitarrista.

Tudo bem, sei que é fácil ser o melhor músico numa década em que qualquer sinal de virtuosismo é visto como "ultrapassado" e ser medíocre é "cool". Mais fácil ainda é ser o maior guitarrista numa década em que Jack White é ovacionado como o guitar hero dessa geração. Pode funcionar para quem só quer pagar de "descolado", mas a crítica musical, que disseminou esse espírito de manada pró-Jack White, parece ignorar que Clapton ― além de ser infinitamente mais importante ― foi o artista mais prolífico dos últimos dez anos. Não é só a maneira de tocar, é o timbre, é a voz (cada vez mais rouca), são os shows, as parcerias, é o partido artístico de uma forma geral. Eric Clapton parece ser uma espécie de Clint Eastwood do blues-rock: quanto mais velho, melhor fica. Parece envelhecer como os bluseiros que tanto o inspiraram. Ícone musical e guitarrista prodígio dos anos 1960, ele se afogou no álcool e nas drogas nas décadas seguintes, até ressurgir sóbrio no excelente álbum Journeyman (1989) e explodir comercialmente com Unplugged (1992). Chegados os anos 2000 ― e já não tendo de provar mais nada a ninguém ―, Clapton resolveu fazer um mergulho profundo em si mesmo, realizando todos os seus sonhos musicais, indo buscar suas raízes e, de quebra, reconstruindo sua vida pessoal. Então vamos deixar a crítica lá, jogando capim para os búfalos. Aqui, vamos reconstituir o caminho do Slowhand nos últimos dez anos.

2000 ― Para começar a década, nada como tocar com B.B. King, que dispensa apresentações. O sonho era antigo (de ambas as partes), o repertório escolhido para o álbum foi muito bem selecionado e o time de músicos que os acompanharam é fantástico. Entre standards do lendário Blues Boy King, como "Three O'Clock Blues", e "Ten long years", adicionados a rocks suingados e músicas novas, Riding With the King já nasceu clássico e rapidamente se tornou multi-platinado, além de arrebanhar o Grammy de melhor álbum de blues. Outros destaques ficam para a faixa-título, "Marry You", "Hold on, I'm comin'" e "I wanna be". O diálogo de guitarras é um deleite, com Clapton e seu freaseado característico em sua Fender Statocaster e B.B. King fazendo sua Lucille chorar. Pura magia, do começo ao fim.

2001 ― Tempo de lançar um disco de inéditas, coisa que não acontecia desde o ótimo (e triste) Pilgrim (1998). Assim, Reptile nasceu de uma evolução de Riding With the King, mas com um outro conceito. Mais variado, ainda trazia elementos de blues ("Got you on my mind"), mas também mesclava rock ("Travellin' light"), pop ("Believe in life") e até uma pegada meio bossa (na faixa-título). A subsequente turnê foi a última que passou pelo Brasil. Graças a deus, ou melhor, graças a Clapton, estive lá para presenciar. Muitas críticas que ouvi na época dão conta de que ele não "agitou" muito no show. Quanta bobagem. O público não vai a um show do Eric Clapton para vê-lo "agitar", e sim, para vê-lo tocar. Sua música não é de arena e ele nem faz pose de guitar hero (não precisa disso). O anticlímax do início, com um set acústico, foi intencional, servindo de contraponto a todos os clichês do gênero. Agora, com o perdão da rabugice: quem procura "agito", que vá a um bloco de axé e não encha o saco.

2002 e 2003 ― Os dois anos seguintes foram de descanso e dedicação à família, que continuava aumentando. Mesmo assim, Clapton participou de alguns shows como convidado especial e organizou o concerto em memória ao amigo George Harrison. E a turnê de Reptile rendeu o registro ao vivo (em CD e DVD) One More Car, One More Rider, mais um item que foi direto para a coleção dos "claptomaníacos" (sem trocadilho, por favor).

2004 ― De volta à labuta, Clapton queria lançar um álbum tendo a família como temática. As primeiras seções não se mostraram muito animadoras e, diante da falta de inspiração, perambularam pelo repertório de Robert Johnson. Me and Mr. Johnson nasceu assim mesmo, despretensioso. Além de preencher a lacuna, serviu como tributo prestado a um de seus maiores heróis. Algumas versões soaram repaginadas, como em "Milkcow calf blues" e "Travelling riverside blues". Outras se aproximaram um pouco mais da atmosfera original, caso de "Little queen os spades" e "Me and the devil blues". Na estrada, além da turnê, foi realizado também o Festival Crossroads, que trazia guitarristas do quilate de B.B. King, Buddy Guy, Jimmie Vaughan e Jeff Beck.

2005 ― Num ano de intenso trabalho, eis que o tal "álbum da família" finalmente saiu. Back home é talvez seu melhor disco de inéditas desde Journeyman. Equilibrando todas as suas influências, o álbum traz o que ele sempre fez de melhor em sua carreira: da levada pop de "So tired" e "Piece of my heart" à leveza soul de "One day" e "I'm going left". Já "Revolution" traz ecos de Bob Marley, lembrando os tempos em que "I shot the sheriff" explodiu comercialmente nas mãos de Clapton e apresentou o rei do reggae ao mundo. "Lost and found", música de Doyle Bramhall II, é um blues-rock classudo que só poderia soar tão bem (como soou) nas mãos do Slowhand. E nesse mesmo ano, ele ainda encontraria tempo para reunir seus antigos companheiros Jack Bruce e Ginger Baker e remontar o Cream para uma série de apresentações em Londres e Nova York. Nos shows, registrados no DVD Royal Albert Hall London May 2-3-5-6 2005, clássicos obrigatórios como "Badge", "White Room" e "Sunshine Of Your Love".

2006 ― JJ Cale sempre foi um grande colaborador da carreira de Clapton, seja como guitarrista, seja como compositor. A ideia inicial seria mais um álbum de inéditas, mas em Road to Escondido a longa parceria foi finalmente celebrada ― e os créditos exaltados, com JJ à frente. Influências de country predominam no repertório, destaque para "When this war is over" e "Last will and testament". Mas há também espaço para o blues, com "Sporting life blues" e para músicas lentas, como a belíssima "Heads in Georgia" e a climática "Hard to thrill". O ano foi marcado também por uma massiva turnê mundial que, infelizmente, não chegou à América Latina.

2007 ― Ano de dar uma parada e se recuperar da extenuante turnê que passou. Tempo de lançar a tão aguardada autobiografia, que traz relatos "dolorosamente honestos", como explica o texto da orelha. Uma história que, em alguns momentos, beira o surreal. Nada escapa de sua memória: o vício em heroína (e depois em álcool), o tumultuado triângulo amoroso com Pattie Boyd e George Harrison, a trágica morte de seu filho Conor... E toda a história é costurada pela pungente lembrança do abandono de seus verdadeiros pais na infância, fato que constantemente voltava para assombrá-lo. Leitura vertiginosa e obrigatória para qualquer musicólogo que se preze. Para acompanhar esse lançamento, saiu também o CD duplo Complete Clapton, que reúne o guitarrista em todas as suas fases e talvez seja sua coletânea mais enxuta e bem editada. O combo CD+livro fica como um importante porta-retrato de sua carreira e se torna a compra mais indicada para os não iniciados.

2008 e 2009 ― No ano seguinte, era hora de ressuscitar mais uma grande parceria nos anos 60. Eric Clapton e Steve Winwood já vinham discutindo a possibilidade dessa reunião há algum tempo e ela finalmente aconteceu. O que seriam apenas algumas apresentações em Nova York acabou se tornando uma turnê (que rende shows até hoje) e gerou o CD e DVD Eric Clapton and Steve Winwood ― Live from Madison Square Garden. Nele, além dos clássicos das duas carreiras solo, foi passada a limpo a curta vida do Blind Faith, banda que só durou um disco (autointitulado, lançado em 1969). Clássicos não faltaram, como "Had to cry today" e "Presence of the lord", além de uma sublime versão de "Can't find my way home".

Bom, precisa falar mais? Uma década que começou com B.B. King e terminou com Steve Winwood não podia ser menos do que brilhante para Eric Clapton. São em tempos como esses que a famosa pixação "Clapton is God" nos muros de Londres ganha outra conotação. O próprio Clapton pode até ter rejeitado o título nos anos 60. Agora, não pode mais. Um cara que foi fã de Robert Johnson, aprendiz de Muddy Waters, admirador de John Lee Hooker, seguidor de Buddy Guy, parceiro de John Mayall, contemporâneo de Jimi Hendrix, rival de Jeff Beck, amigo de George Harrison, companheiro de reabilitação de Stevie Ray Vaughan, ídolo de Eddie Van Halen (e de uma miríade de grandes guitarristas)... É uma história que se confunde com a própria evolução do rock ― e de como a guitarra se tornaria seu objeto de culto. Além de já ter tocado com os músicos mais importantes e respeitados do mundo, ele transitou pelos mais variados gêneros, sem medo de explorá-los: blues, rock, pop, jazz, soul, country, reggae. Não sendo um virtuose (ele é o Slowhand, lembram?) e passando ao largo de toda essa mediocridade pseudo-cool (em voga hoje), ele subverte a dicotomia do "atitude x velocidade", tão cara aos guitarristas. Clapton já seria um gênio pelo simples fato de usar basicamente escala pentatônica do blues e nela colocar a sua marca, conferindo-lhe conceito, sofisticação e complexidade. Mas foi além. Se você for um purista e quiser cavar fundo para descobrir todas as ramificações na árvore genealógica dos grandes guitarristas, invariavelmente passará por Eric Clapton. E descobrirá que, realmente, Clapton é Deus.

Para ir além






Diogo Salles
São Paulo, 9/2/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos
02. Reflexões sobre o ato de fotografar de Celso A. Uequed Pitol
03. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
04. Precisamos falar sobre Kevin de Renato Alessandro dos Santos
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2010
01. Eric Clapton ― envelhecendo como um bluesman - 9/2/2010
02. Arte e liberdade - 23/7/2010
03. O filme do Lula e os dois lados da arquibancada - 19/1/2010
04. Shows da década (parte 1) - 16/3/2010
05. Shows da década (parte 2) - 20/4/2010


Mais Especial Melhores de 2000-2009
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/3/2010
16h07min
"Eric Clapton não sabe tocar guitarra". Frase do genial guitarrista do Deep Purple, que nem preciso falar o nome.
[Leia outros Comentários de jardel dias cavalcan]
19/4/2010
14h00min
Genial! Concordo em gênero, número e grau... Clapton is (definitly) God!!!
[Leia outros Comentários de Daniela]
16/5/2014
22h26min
Esse texto fez meu dia mais feliz!!!Viva Clapton, viva a boa música!!!
[Leia outros Comentários de Daniela Bartelli ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ACCIÓN Y SÍMBOLO EN MIGUEL DE CERVANTES SAAVEDRA - BRAULIO SÁNCHEZ-SAEZ (LITERATURA ESPANHOLA)
BRAULIO SÁNCHEZ-SAEZ
USP - FACULDADE DE DIREITO
(1940)
R$ 50,00



INSTABILIDADE DO CANTO
HENRIQUE SIMAS
JOSÉ OLYMPIO
(1963)
R$ 8,97



DICIONÁRIOS BERTRAND FRANCÊS - PORTUGUÊS
JEAN ROUSÉ
BERTRAND
(1986)
R$ 8,00



CASTRO ALVES- IMAGENS FRAGMENTADAS DE UM MITO
EDILENE MATOS
EUC- FAPESP
(2001)
R$ 24,90



MICHELANGELO - A RENASCENÇA - GRANDES ARTISTAS
DAVID SPENCE
MELHORAMENTOS
(1998)
R$ 6,00



OS GRANDES PINTORES DA HISTÓRIA QUERO SABER POCKET
CONSTANTINO KOUZMIN-KOROVAEFF (TRADUÇÃO)
ESCALA
(2007)
R$ 8,00



TRÈS SAGE HÉLOISE - ROMAN
JEANNE BOURIN
LA TABLE RONDE
(1966)
R$ 14,90



GUIA PRÁTICO DE INVESTIMENTOS DAS BEARDSTOWN LADIES
BEARDSTOWN LADIES
SALAMANDRA
(1994)
R$ 20,00



MARIA NO NOVO TESTAMENTO
R.E. BROWN, K.P. DONFRIED, J.A. FITZMYER, J. REUMANN (ORG)
EP
(1986)
R$ 79,90
+ frete grátis



ANTOLOGIA POETICA
MANUAL BANDEIRA
NOVA FRONTEIRA
(2001)
R$ 10,00





busca | avançada
27806 visitas/dia
737 mil/mês