Rousseau e a Retórica Moderna | Carlos Eduardo Suprinyak | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
Mais Recentes
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Astrologia e Fatalismo Magnetismo e Hipnose de Ferni Genevè pela Fase (1983)
>>> Práticas da leitura de Roger Chartier (org.) pela Estação Liberdade (2001)
>>> Universo em Desencanto A Verdadeira Origem da Humanidade Vol 1 de Não Informada pela Mundo Racional
>>> Matemática Financeira de Roberto Zentgraf pela Ztg (2002)
>>> Como Negociar Qualquer Coisa Com Qualquer Pessoa Em Qualquer Lugar do Mundo de Frank L. Acuff pela Senac (1998)
>>> Morte e Vida Severinas: das Ressurreições e Conservações ... Ed. Ltda. de Nelci Tinem e Luizamorim: Organização pela Impre. Univ. J. Pessoa (2012)
>>> Mais Trinta Mulheres que Estão Fazendo a Nova Literatura de Luiz Ruffato pela Record (2005)
>>> Príncipe Sidarta A Fuga do Palácio de Patricia Chendi pela Rocco (2000)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Smart Work Why Organizations Full Of Intelligent People ... de Steven A. Stanton pela Do Autor (2016)
>>> Estatística Objetiva de Roberto Zentgraf pela Ztg (2001)
>>> Diários Messiânicos: uma Experiência de Extensão Universitária de Bruno Cesar Euphrasio de Mello pela Univ. Federal Rgs. (2015)
>>> The Lost Symbol de Dan Brown pela Doubleday (2009)
>>> Dez Dias de Cortiço de Ivan Jaf pela Ática (2009)
>>> Medicina do Além Um Presente de Jesus para a Humanidade de Fabio Alessio Romano Dionisi pela Dionisi (2014)
>>> Energia Renovável de Dme pela Dme
>>> São João Paulo Grande Seus Cinco Amores de Jason Evert pela Quadrante (2018)
>>> At Risk de Patricia Cornwell pela Little Brown And Company (2006)
COLUNAS

Sexta-feira, 7/12/2001
Rousseau e a Retórica Moderna
Carlos Eduardo Suprinyak

+ de 9200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Um aspecto que sempre atraiu muito minha atenção no Contrato Social foi o caráter semidivino que Rousseau atribui ao conceito de vontade geral, por ele cunhado nesta obra. Todo o discurso do Contrato se desenvolve, creio eu, em torno deste conceito, e Rousseau consegue de uma forma mais do que brilhante conformar toda sua teoria política às implicações do mesmo. Em prol da defesa da vontade geral, Rousseau deixa de lado vários aspectos até certo ponto dogmáticos da vida social e política, visando manter uma coerência e uma fidelidade que são paradigmáticos, ao menos para mim, em se tratando de discurso teórico.

A vontade geral, como desenvolvida por Rousseau, é a verdadeira fonte do poder político, que pode estar representada na figura do monarca, dos aristocratas dominantes ou emergir de uma assembléia geral democrática. O poder político encontra sua justificação na vontade geral, sendo sua única função fazê-la cumprir contra o que quer possa contrapor-se a ela. Desta forma, o poder político que foge a este compromisso primordial é, irremediavelmente, um poder degenerado.

O conceito é bastante amplo, e vai agigantando-se cada vez mais ao longo do livro, transformando-se numa verdadeira entidade. As digressões do autor em torno do tema são numerosas e extremamente interessantes. À guisa de exemplo, há uma passagem em que Rousseau afirma que a vontade geral é, antes de qualquer coisa, a vontade de todos. Eventuais discordâncias entre os cidadãos contratantes políticos não representam uma real discordância quanto ao que seja ou não preferível, e sim um equívoco temporário por parte dos discordantes que representam a minoria, sendo que estes muito em breve perceberão seu erro e verão que a decisão da maioria era, sim, a melhor opção.

O exemplo acima referido é um caso extremo, sem dúvida, mas bastante representativo do espírito de total desprendimento do autor em favor de seus conceitos e elaborações. No entanto, me parece que o exemplo mais contundente de como Rousseau abdica de considerações de ordem ética na construção do Contrato é o tratado dado por ele para a questão da religião. Religioso, porém não adepto de nenhuma igreja particular, Rousseau distingue três tipos de religiosidade. O primeiro deles, a religião do homem, corresponde ao contato direto do indivíduo com seu deus, num foro íntimo. O segundo, a religião do cidadão, é o conjunto de crenças e ritos que serve como fator de coesão social e identificação mútua entre indivíduos de um mesmo grupo. E o terceiro, o único maléfico dentre os três, é a religião dogmática, que apresenta um conjunto de regras a serem seguidas pelo indivíduo, regras estas que podem conflitar, e geralmente conflitam, com as outras regras sociais, as de ordem política estabelecidas no contrato social. Esta terceira forma é maléfica por “submeter o homem a dois senhores”, funcionando como fator de enfraquecimento do poder e da unidade políticos.

No entanto, mesmo entre as duas formas benéficas de religiosidade – benéficas por promoverem o bem-estar do homem consigo mesmo e com o mundo a seu redor –, Rousseau professa preferência por uma delas, qual seja, a religião do cidadão. Para o filósofo, a religião é importante, fora de seu âmbito específico, para promover ou aperfeiçoar a coesão social e política de um povo. E aqui encontramos a implicação extrema do argumento, que Rousseau expõe sem nunca tentar encobrir determinados aspectos ou mesmo maquiar a conclusão como um todo: a religião mais perfeita, do ponto de vista político, é a própria teocracia, onde as figuras dos soberanos político e espiritual estão reunidas numa mesma. É claro que Rousseau, em pleno século das razões e das luzes, não é um adepto da teocracia. Repugna-a, pois a mesma tolhe a liberdade e a tolerância religiosas que, para ele, são fundamentais. Mas leva sua teoria política até às últimas implicações e reconhece-a como ideal de coesão social.

Com vistas ao paralelo que intento traçar neste texto, o ponto mais importante a ser considerado relativamente ao Contrato Social e à vontade geral rousseaunianos é o seguinte: em termos gerais, uma das crenças professadas por Rousseau, mesmo que implicitamente, neste trabalho é que não existe uma regra absoluta de conduta política a ser seguida, e nem mesmo regras que podem ser aplicadas a determinadas situações específicas. A boa solução é a solução que agrada aos interessados. Consequências boas ou ruins, isto não importa, até porque não existem parâmetros concretos para este tipo de avaliação. Uma alternativa consensual, que agrade à comunidade, é sempre a melhor alternativa. E nenhuma outra deve lhe tomar o lugar.

Face à (mais do que tardia) falência dos modelos científicos positivistas das últimas correntes popperianas ocorrida nas últimas décadas, cresceu bastante em vulto e importância o que se convencionou chamar “moderna proposta retórica”. Os teóricos desta corrente propõe-se a resgatar a retórica, como formulada pelos filósofos da Antigüidade Clássica, destituí-la da conotação negativa que acumulou ao longo dos séculos (a retórica como artifício persuasivo voltado para fins escusos), e atribuir-lhe um papel primordial em todos as formas de discurso e comunicação em geral, principalmente no meio científico. A proposta, como pode-se facilmente entrever, gerou e vem gerando grandes celeumas e controvérsias. Seu conteúdo, no entanto, não é tão anárquico quanto poderia parecer à primeira vista, sendo, por outro lado, extremamente instigante e renovador.

A retórica moderna, em ciência, propõe que a evolução e a resolução de controvérsias dá-se não através de métodos falseacionista ou qualquer outro artifício teórico positivista, e sim através de discurso argumentativo, persuasivo e da utilização de recursos retóricos, como os conhecemos. Não convém para os propósitos deste texto uma descrição pormenorizada das críticas e questões levantadas por esta corrente epistemológica, bem como dos argumentos contrários a ela. De forma geral, sob um ponto de vista retórico, uma boa teoria é uma teoria capaz de gerar consenso em torno de si. Os métodos científicos para tanto utilizados são de pouca ou nenhuma relevância.

Há que se prestar atenção, no entanto, para o que está por trás desta definição. O que é, afinal, necessário para que uma teoria forme consenso em torno de si? É claro que belas palavras não formam consenso por si mesmas, ao menos não em todos os casos, e principalmente no meio científico, onde pode-se verificar uma predisposição à não aceitação de argumentos e, consequentemente, à não formação de consenso. Enfim, para formar consenso, a teoria precisará mostrar-se convincente de acordo com seja qual for o parâmetro adotado pela comunidade científica em questão. Formar consenso significa convencer e agradar os envolvidos na discussão.

Ora, o que se pode entrever nisso é, justamente, uma negação de verdades universais e absolutas, da Verdade, professada abertamente pelos teóricos da moderna retórica. O que eu entrevejo nisso é uma sintonia, talvez mesmo involuntária, com o bom e velho Rousseau. A teoria que forma consenso em torno de si, convencendo aos envolvidos na discussão, não é de forma alguma uma Verdade, absoluta, universal e atemporal, mas antes uma verdade conjuntural, contingente, adequada à situação em questão. E esta verdade conjuntural, que aqui forma consenso em torno de si, nada mais é do que a alternativa que lá no Contrato Social era a melhor pois agradava à maior parte da comunidade.

De formas diferentes, sob ângulos diferentes e em épocas diferentes, estas duas manifestações teóricas levantaram uma mesma questão. É necessário preocupar-se com as verdades absolutas, despender nossos esforços intelectuais tentando encontrá-las, ou fazemos melhor atendo-nos aos problemas que se apresentam à nossa frente e que demandam uma solução? A segunda proposta, essencialmente pragmática, torna-se cada vez mais plausível à medida que crescem, dia após dia, os excessos provocados pelo “chauvinismo científico”, como descrito por Feyerabend. O problema, partindo do âmbito científico, pode ser facilmente estendido às mais diversas áreas da vida social, e por isto mesmo a idéia deste texto é estimular uma pequena reflexão acerca do tema. De minha parte, fico com Rousseau e os retóricos.

Para ir além

Cinetc...


Carlos Eduardo Suprinyak
Curitiba, 7/12/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti
02. Minha Terra Tem Palmeiras de Marilia Mota Silva
03. Ossos, mulheres e lobos de Eugenia Zerbini
04. Quatro autores e um sentimento do mundo de Marilia Mota Silva
05. Sobre o ensaio de Gao Xingjian de Ricardo de Mattos


Mais Carlos Eduardo Suprinyak
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/12/2001
08h00min
Na minha opinião - não científica - não existe nada absoluto neste universo, tudo á relativo. Verdade idem. Cada um tem a que melhor lhe veste as necessidades, com ou sem Rousseau. Gostei do texto, um bom exercício de racicínio para quem, como eu, não é do ramo. Sonia Pereira.
[Leia outros Comentários de Sonia Pereira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DESASTRES NATURAIS
ROSANGELA DO AMARAL
SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE
(2012)
R$ 8,25



OS ALICERCES DA FÍSICA
KAZUHITO- FUKE- CARLOS
SARAIVA
(1998)
R$ 45,90
+ frete grátis



O REI - IRMANDADE DA ADAGA NEGRA VOL 12
J. R. WARD
UNIVERSO DOS LIVROS
(2014)
R$ 30,00



CAPITALISMO: MODO DE USAR
FABIO GIAMBIAGI
CAMPUS - GRUPO ELSEVIER
(2015)
R$ 76,61



SS - GB
LEN DEIGHTON
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1979)
R$ 4,50



AVALIAÇÃO DO EFEITO DA SOLDAGEM A ARCO SOBRE A QUALIDADE DA ENERGIA
EZIO SILVA, AMÉRICO SCOTTI UND JOSÉ CARLOS DE OLIVEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 363,00



SOL DA LIBERDADE
ÍRIS PAULA ROCHA
BOA NOVA
(2000)
R$ 10,00



HISTÓRIA ESSENCIAL DA FILOSOFIA VOL 5
PAULO GHIRALDELLI JR
UNIVERSO DO LIVRO
(2010)
R$ 15,00



ENTRE REAL E SURREAL: ANTOLOGIA DA LITERATURA BELGA DE LÍNGUA FRANCESA
MARC QUAGHEBEUR, ZILÁ BERND, LEONOR LOURENÇO DE ABREU, ROBERT PONGE
TOMO EDITORIAL
(2009)
R$ 47,00



CINE Y COMUNICACION VISUAL
ANDREW TUDOR
GUSTAVO GILI
(1975)
R$ 16,28





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês