Rousseau e a Retórica Moderna | Carlos Eduardo Suprinyak | Digestivo Cultural

busca | avançada
32489 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Estratégia Econômica Governo
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O soldado absoluto
>>> Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti
>>> Entrevista com Daniel Piza
>>> Aquarius, quebrando as expectativas
>>> Tin-tin!
>>> Cartas, de Antônio Vieira
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> Cartas de Kafka a Felice Bauer, por Elias Canetti
>>> Outsiders, de Howard S. Becker
>>> A fila sempre anda
Mais Recentes
>>> Comunicação Alternativa e Movimentos Sociais na Amazonia Ocidental de Pedro Vicente Costa Sobrinho (Autografado) pela Ed. Univ. Ufpb; João Pessoa (2001)
>>> Emoções Amazônicas: Guia Fotográfico-... dos Ecossistemas Amazônicos de Francisco Ritta Bernardino pela Photoamazonica (1998)
>>> Reumatismo e Artrite: Tratamento Médico e Cuidados Caseiros... de John H. Bland pela Ibrasa (1962)
>>> A Invasão Farmacêutica de Dupuy e Karsenty pela Graal/ RJ. (1979)
>>> A Invasão Farmacêutica de Dupuy e Karsenty pela Graal/ RJ. (1979)
>>> Mosaico Crítico: Ensaios Sobre Literatura Contemporânea de Georg Otte - Silvana Pessôa de Oliveira/ Org. pela Autêntica/ Belo Hte. (1999)
>>> A Dança da Serpente: a Revolução Silenciosa de Bárbara Heliodora de Sebastião Martins pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (1996)
>>> A Dança da Serpente: a Revolução Silenciosa de Bárbara Heliodora de Sebastião Martins pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (1996)
>>> Liga da Justiça "A Guerra da Trindade" de Geoff Johns pela Panini Books (2017)
>>> Star Wars "Episódio IV: Uma Nova Esperança" de Disney/ Lucasfilm pela Panini Books (2018)
>>> Terras do Sem Fim de Jorge Amado pela Martins (1964)
>>> Star Wars "Episódio V: O Império Contra-Ataca" de Disney/ Lucasfilm pela Panini Books (2018)
>>> Star Wars: Ascensão da Força Sombria; Trilogia Thrawn Livro 2 de Timothy Zahn pela Panini Books (2018)
>>> Superman "Universo DC Renascimento" Vol. 2 de K. Perkins pela Panini Books (2018)
>>> The Walking Dead: Segurança Atrás das Grades de Robert Kirkman pela Panini Books (2018)
>>> Direito e Relações Internacionais de Vicente Marotta Rangel pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> O Cão: 1000 Perguntas, 1000 Respostas de Théo Gygas pela Discubra (1987)
>>> Follow Up do Recém-Nascido de Alto Risco de Sonia Maria B. Lopes e José Maria de A. Lopes pela Medsi (1999)
>>> The Walking Dead: Os mais íntimos desejos Vol. 4 de Robert Kirkman pela Panini Books (2018)
>>> Torneio de Campeões "Coleção Histórica" de Marvel pela Panini Books (2017)
>>> Escalpo "Edição de Luxo" Livro 2 de Jason; Aaron pela Panini Books/ Vertigo (2018)
>>> Batman "O príncipe encantado das Trevas" Livro 1 de Marini pela Panini Books (2018)
>>> Universo X de Marvel pela Panini Books (2018)
>>> Fábulas 1 - Edição de Luxo de Bill Willinghan pela Panini Books (2018)
>>> O Incrível Hulk - Planeta Hulk de Greg Pak pela Panini Books (2018)
>>> Outra Vez Heidi de Johanna Spyri pela Ediouro (1972)
>>> O Cachorrinho Samba na Floresta de Maria José Dupré pela Ática (1987)
>>> Criando Meninas de Gisela Preuschoff pela Fundamento (2003)
>>> Assistência Integrada ao Recém-Nascido de Cléa Rodrigues Leone e Daisy Maria Rizatto Tronchin pela Atheneu (1996)
>>> Centro Cirúrgico: Aspectos Fundamentais Para Enfermagem de Terezinha Ghellere pela Ufsc (1993)
>>> Técnicas de Pesquisa de Marina de Andrade Marconi e Eva Maria Lakatos pela Atlas (1999)
>>> O Pensamento Vivo de Maquiavel : Edição Ilustrada/ Inclui Poster de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> O Pensamento Vivo de Maquiavel : Edição Ilustrada/ Inclui Poster de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Imensa Asa Sobre o Dia de Antônio Mariano pela Dinâmica (2005)
>>> Este Padre Escapou das Garras do Papa!!! de Aníbal Pereira Reis pela Edições Caminho de Damasco (1976)
>>> O Pensamento Vivo de Marx : Edição Ilustrada de José Geraldo Simões Jr.: Pesquisa/ Tradução pela Martin Claret (1985)
>>> Programado Para Aprender de H. Ronald Pulliam e Christopher Dunford pela Zahar (1982)
>>> O Pensamento Vivo de Marx : Edição Ilustrada de José Geraldo Simões Jr.: Pesquisa/ Tradução pela Martin Claret (1985)
>>> O Pensamento Vivo de Marx : Edição Ilustrada/ Inclui Poster de José Geraldo Simões Jr.: Pesquisa/ Tradução pela Martin Claret (1986)
>>> Didática e Psicologia: Crítica ao Psicologismo na Educação de Maria Mercedes Capelo Alvite pela Edições Loyola
>>> O Pensamento Vivo de Gandhi: Edição Ilustrada de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1985)
>>> Da Sua Vida & dos Seus Negócios de Clóvis Mezzomo pela C. Mezzomo (1998)
>>> As Batalhas do Castelo de Domingos Pellegrini pela Moderna (1991)
>>> O Diário Roubado de Régine Deforges pela Klick (1998)
>>> James Dean por Ele Mesmo - Edição Ilustrada de James Dean/ Estudo: Edgar Morin (e Outros) pela Martin Claret (1994)
>>> Contato Imediato com Criação de Propaganda de Julieta de Godoy Ladeira pela Global (1997)
>>> Vida, Caminho & Destino - Missão Vórium de Edson Luiz Pocahi pela Novo Século (2016)
>>> Relaxe... e Viva Feliz de Núbia Maciel França e Haroldo J. Rahm pela Edições Loyola (1982)
>>> O Pensamento Vivo de Orson Welles : Edição Ilusttrada/ Inclui Poster de Rogério Sganzerla: Organização/ Notas pela Martin Claret (1986)
>>> O Pensamento Vivo de Orson Welles : Edição Ilusttrada/ Inclui Poster de Rogério Sganzerla: Organização/ Notas pela Martin Claret (1986)
COLUNAS

Sexta-feira, 7/12/2001
Rousseau e a Retórica Moderna
Carlos Eduardo Suprinyak

+ de 9100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Um aspecto que sempre atraiu muito minha atenção no Contrato Social foi o caráter semidivino que Rousseau atribui ao conceito de vontade geral, por ele cunhado nesta obra. Todo o discurso do Contrato se desenvolve, creio eu, em torno deste conceito, e Rousseau consegue de uma forma mais do que brilhante conformar toda sua teoria política às implicações do mesmo. Em prol da defesa da vontade geral, Rousseau deixa de lado vários aspectos até certo ponto dogmáticos da vida social e política, visando manter uma coerência e uma fidelidade que são paradigmáticos, ao menos para mim, em se tratando de discurso teórico.

A vontade geral, como desenvolvida por Rousseau, é a verdadeira fonte do poder político, que pode estar representada na figura do monarca, dos aristocratas dominantes ou emergir de uma assembléia geral democrática. O poder político encontra sua justificação na vontade geral, sendo sua única função fazê-la cumprir contra o que quer possa contrapor-se a ela. Desta forma, o poder político que foge a este compromisso primordial é, irremediavelmente, um poder degenerado.

O conceito é bastante amplo, e vai agigantando-se cada vez mais ao longo do livro, transformando-se numa verdadeira entidade. As digressões do autor em torno do tema são numerosas e extremamente interessantes. À guisa de exemplo, há uma passagem em que Rousseau afirma que a vontade geral é, antes de qualquer coisa, a vontade de todos. Eventuais discordâncias entre os cidadãos contratantes políticos não representam uma real discordância quanto ao que seja ou não preferível, e sim um equívoco temporário por parte dos discordantes que representam a minoria, sendo que estes muito em breve perceberão seu erro e verão que a decisão da maioria era, sim, a melhor opção.

O exemplo acima referido é um caso extremo, sem dúvida, mas bastante representativo do espírito de total desprendimento do autor em favor de seus conceitos e elaborações. No entanto, me parece que o exemplo mais contundente de como Rousseau abdica de considerações de ordem ética na construção do Contrato é o tratado dado por ele para a questão da religião. Religioso, porém não adepto de nenhuma igreja particular, Rousseau distingue três tipos de religiosidade. O primeiro deles, a religião do homem, corresponde ao contato direto do indivíduo com seu deus, num foro íntimo. O segundo, a religião do cidadão, é o conjunto de crenças e ritos que serve como fator de coesão social e identificação mútua entre indivíduos de um mesmo grupo. E o terceiro, o único maléfico dentre os três, é a religião dogmática, que apresenta um conjunto de regras a serem seguidas pelo indivíduo, regras estas que podem conflitar, e geralmente conflitam, com as outras regras sociais, as de ordem política estabelecidas no contrato social. Esta terceira forma é maléfica por “submeter o homem a dois senhores”, funcionando como fator de enfraquecimento do poder e da unidade políticos.

No entanto, mesmo entre as duas formas benéficas de religiosidade – benéficas por promoverem o bem-estar do homem consigo mesmo e com o mundo a seu redor –, Rousseau professa preferência por uma delas, qual seja, a religião do cidadão. Para o filósofo, a religião é importante, fora de seu âmbito específico, para promover ou aperfeiçoar a coesão social e política de um povo. E aqui encontramos a implicação extrema do argumento, que Rousseau expõe sem nunca tentar encobrir determinados aspectos ou mesmo maquiar a conclusão como um todo: a religião mais perfeita, do ponto de vista político, é a própria teocracia, onde as figuras dos soberanos político e espiritual estão reunidas numa mesma. É claro que Rousseau, em pleno século das razões e das luzes, não é um adepto da teocracia. Repugna-a, pois a mesma tolhe a liberdade e a tolerância religiosas que, para ele, são fundamentais. Mas leva sua teoria política até às últimas implicações e reconhece-a como ideal de coesão social.

Com vistas ao paralelo que intento traçar neste texto, o ponto mais importante a ser considerado relativamente ao Contrato Social e à vontade geral rousseaunianos é o seguinte: em termos gerais, uma das crenças professadas por Rousseau, mesmo que implicitamente, neste trabalho é que não existe uma regra absoluta de conduta política a ser seguida, e nem mesmo regras que podem ser aplicadas a determinadas situações específicas. A boa solução é a solução que agrada aos interessados. Consequências boas ou ruins, isto não importa, até porque não existem parâmetros concretos para este tipo de avaliação. Uma alternativa consensual, que agrade à comunidade, é sempre a melhor alternativa. E nenhuma outra deve lhe tomar o lugar.

Face à (mais do que tardia) falência dos modelos científicos positivistas das últimas correntes popperianas ocorrida nas últimas décadas, cresceu bastante em vulto e importância o que se convencionou chamar “moderna proposta retórica”. Os teóricos desta corrente propõe-se a resgatar a retórica, como formulada pelos filósofos da Antigüidade Clássica, destituí-la da conotação negativa que acumulou ao longo dos séculos (a retórica como artifício persuasivo voltado para fins escusos), e atribuir-lhe um papel primordial em todos as formas de discurso e comunicação em geral, principalmente no meio científico. A proposta, como pode-se facilmente entrever, gerou e vem gerando grandes celeumas e controvérsias. Seu conteúdo, no entanto, não é tão anárquico quanto poderia parecer à primeira vista, sendo, por outro lado, extremamente instigante e renovador.

A retórica moderna, em ciência, propõe que a evolução e a resolução de controvérsias dá-se não através de métodos falseacionista ou qualquer outro artifício teórico positivista, e sim através de discurso argumentativo, persuasivo e da utilização de recursos retóricos, como os conhecemos. Não convém para os propósitos deste texto uma descrição pormenorizada das críticas e questões levantadas por esta corrente epistemológica, bem como dos argumentos contrários a ela. De forma geral, sob um ponto de vista retórico, uma boa teoria é uma teoria capaz de gerar consenso em torno de si. Os métodos científicos para tanto utilizados são de pouca ou nenhuma relevância.

Há que se prestar atenção, no entanto, para o que está por trás desta definição. O que é, afinal, necessário para que uma teoria forme consenso em torno de si? É claro que belas palavras não formam consenso por si mesmas, ao menos não em todos os casos, e principalmente no meio científico, onde pode-se verificar uma predisposição à não aceitação de argumentos e, consequentemente, à não formação de consenso. Enfim, para formar consenso, a teoria precisará mostrar-se convincente de acordo com seja qual for o parâmetro adotado pela comunidade científica em questão. Formar consenso significa convencer e agradar os envolvidos na discussão.

Ora, o que se pode entrever nisso é, justamente, uma negação de verdades universais e absolutas, da Verdade, professada abertamente pelos teóricos da moderna retórica. O que eu entrevejo nisso é uma sintonia, talvez mesmo involuntária, com o bom e velho Rousseau. A teoria que forma consenso em torno de si, convencendo aos envolvidos na discussão, não é de forma alguma uma Verdade, absoluta, universal e atemporal, mas antes uma verdade conjuntural, contingente, adequada à situação em questão. E esta verdade conjuntural, que aqui forma consenso em torno de si, nada mais é do que a alternativa que lá no Contrato Social era a melhor pois agradava à maior parte da comunidade.

De formas diferentes, sob ângulos diferentes e em épocas diferentes, estas duas manifestações teóricas levantaram uma mesma questão. É necessário preocupar-se com as verdades absolutas, despender nossos esforços intelectuais tentando encontrá-las, ou fazemos melhor atendo-nos aos problemas que se apresentam à nossa frente e que demandam uma solução? A segunda proposta, essencialmente pragmática, torna-se cada vez mais plausível à medida que crescem, dia após dia, os excessos provocados pelo “chauvinismo científico”, como descrito por Feyerabend. O problema, partindo do âmbito científico, pode ser facilmente estendido às mais diversas áreas da vida social, e por isto mesmo a idéia deste texto é estimular uma pequena reflexão acerca do tema. De minha parte, fico com Rousseau e os retóricos.

Para ir além

Cinetc...


Carlos Eduardo Suprinyak
Curitiba, 7/12/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O jornalismo cultural na era das mídias sociais de Fabio Gomes
02. Longa vida à fotografia de Fabio Gomes
03. 50 tons de Anastasia, Ida e outras protagonistas de Elisa Andrade Buzzo
04. A vida do livreiro A.J. Fikry, de Gabrielle Zevin de Ricardo de Mattos
05. Entrevista com Dante Ramon Ledesma de Celso A. Uequed Pitol


Mais Carlos Eduardo Suprinyak
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/12/2001
08h00min
Na minha opinião - não científica - não existe nada absoluto neste universo, tudo á relativo. Verdade idem. Cada um tem a que melhor lhe veste as necessidades, com ou sem Rousseau. Gostei do texto, um bom exercício de racicínio para quem, como eu, não é do ramo. Sonia Pereira.
[Leia outros Comentários de Sonia Pereira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS MANDARINS DA REPUBLICA - ANATOMIA DOS ESCÂNDALOS DA ADMINISTRAÇÃ...
JOSÉ CARLOS DE ASSIS
PAZ E TERRA
(1984)
R$ 11,76



NO VERAO, A PRIMAVERA
LUCILIA DE ALMEIDA PRADO
MELHORAMENTOS
R$ 8,00



MODERNA GRAMÁTICA EXPOSITIVA DA LÍNGUA PORTUGUÊSA
ARTUR DE ALMEIDA TÔRRES
FUNDO DE CULTURA
(1966)
R$ 39,00
+ frete grátis



DIREITO PENAL PARA UNIVERSITÁRIOS E CONCURSANDOS - CONCEITOS, HISTÓRIA
ESTANISLAU FRAGOSO BATISTA
FORENSE
(1996)
R$ 19,28



TESTES PARA ADMISSÃO EM EMPRESAS E EMPREGOS PÚBLICOS
JEAN GOBET
EDIOURO
(1985)
R$ 5,60



JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA -13 EDIÇAO
ATHOS GUSMÃO CARNEIRO
SARAIVA
(2004)
R$ 18,50



O RETORNO DE HOOLIGAN
NORMAN MANEA
AMARILYS
(2012)
R$ 20,00



DIREITO TRIBUTÁRIO E FINANÇAS PÚBLICAS
ARCHÉ INTERDISCIPLINAR Nº 27 VOL. 9 DE 2000
UNIV CÂNDIDO MENDES
(2000)
R$ 18,82



365 BENÇÃOS - TEXTOS BÍBLICOS....
MAX LUCADO
THOMAS NELSON
(2007)
R$ 39,90
+ frete grátis



CRESCER É PERIGOSO
MARCIA KUPSTAS
MODERNA
(1986)
R$ 4,06





busca | avançada
32489 visitas/dia
1,0 milhão/mês