John Lennon, o homem | Marco Antonio Santos Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Waldstein por Andsnes
>>> Festival de Inverno Ouro Preto
>>> Para gostar de ler
>>> Dos livros que li
>>> O legado de Graciliano Ramos
>>> Mané, Mané
>>> Ele é o Rei
>>> Corpos
>>> Dialogando com o público leitor
>>> O fim do futebol-arte?
Mais Recentes
>>> Textos Escolhidos de Condillac pela Abril Cultural (1979)
>>> Abragencia Dos Voos Poeticos De Avoante Do Cariri de Roberto Boaventura Da Silva pela Edufmt (2014)
>>> Sobre o infinito o universo e os mundos de Giordano Bruno pela Abril Cultural (1978)
>>> Dominando As Técnicas De Ensino de Joseph Lowman pela Atlas (2004)
>>> Curso de filosofia positiva de Auguste Comte pela Abril Cultural (1978)
>>> Investigações filosóficas de Ludwig Wittgenstein pela Abril Cultural (1979)
>>> Seu Madruga - Vila e Obra de Pablo Kaschner pela Mirabolante (2010)
>>> Mar Morto de Jorge Amado pela Círculo do Livro (1988)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros: Estática de Ferdinand P. Beer; E. Russell Johnston Jr. pela Makron Books (1991)
>>> Marketing Global de Charles David Forte pela Copidart (2004)
>>> Escritos Políticos de Thomas Jefferson pela Abril Cultural (1979)
>>> O Que Todo Cidadão Precisa Saber Sobre Ideologia de Ciro Marcondes Filho pela Global (1985)
>>> Feng Shui Harmonia Dos Espacos de Nancy Santopietro pela Nova Era (2004)
>>> Não Sou Este Tipo De Garota de Siobhan Vivian pela Novo Conceito (2011)
>>> Guia da Vida do Yin-Yang no Universo 1 de Toru Lida pela Yacon (2002)
>>> Manual dos Escoteiros Mirins de Abril pela Abril (2016)
>>> Ocultismo Prático de H. P. Blavatsky pela Pensamento
>>> A Yoga da Disciplina de Swami Chidvilasananda pela Sem (2001)
>>> 20 Lições Essenciais Para Ganhar no Mercado de Ações de Vários Autores pela Saraiva (2007)
>>> Sete Contos De Fúria de António Bracinha Vieira pela Globo (2002)
>>> Tocaia de Amil Alves pela Do autor (1979)
>>> Yoga Prático Yoga Sádhana de Pedro Kupfer pela Sem (2000)
>>> Feng Shui Para Mudar a sua Vida de Nancilee Wydra pela Pensamento (2010)
>>> Arquivo Pessoal de Nelson de Senna de Nelson Coelho de Senna pela Apcbh (2000)
>>> Duluth de Gore Vidal pela Rocco (1987)
COLUNAS

Terça-feira, 2/11/2010
John Lennon, o homem
Marco Antonio Santos Silva
+ de 10700 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Demorei um certo tempo para aceitar que os Beatles foram a maior força criadora da música pop. Não que eu não goste do quarteto de Liverpool ― muito pelo contrário ―, mas muita gente boa não teve o devido reconhecimento, em particular os Kinks. Os singles lançados por estes últimos na década de 60 são pérolas do mesmo quilate de algumas canções da fábrica Lennon/McCartney. Em termos de álbuns, com certeza os Beatles são imbatíveis até hoje. E fariam, com certeza, durante todos esses anos, álbuns maravilhosos, se Mark Chapman não tivesse resolvido dar cabo da vida de Lennon. Talvez Chapman não tivesse gostado muito da ideia do fim dos Beatles, ou do discurso político de Lennon enquanto andava de Rolls-Royce, ou fosse mesmo só um louco. Mas tudo o que disse foi para chegar ao ponto em que os Beatles terminaram.

Como todas as pessoas do planeta, sempre acreditei que John Lennon era a mente e a alma do grupo, ignorando por vezes as preciosas contribuições de Paul, George e Ringo. A mim bastava o mito que havia sido criado em torno do líder dos Beatles. Só que, há uns dois meses, li a biografia definitiva de Lennon, John Lennon ― A vida (Companhia das Letras, 2009, 840 págs.), escrita por Philip Norman. E aquela imagem intocável de deus que se criou de John começou a ser desfeita em mim após algumas reflexões sobre o livro. O valor da obra é inquestionável, mas Philip Norman me lembrou o Capachão da TV Colosso, a cada capítulo puxando o saco do falecido beatle. Qualquer coisa que ele tenha feito, Norman tenta mostrar algum traço de genialidade. Não estou contestando a mente iluminada de Lennon, mas em alguns momentos a rasgação de seda toma conta do livro. O autor parece achar normal a aversão que John tinha a aleijados, a arrogância com que tratava os próximos, enfim, qualquer frase que ele dissesse. Na tentativa de traçar um retrato fiel do beatle, Norman conseguiu ― não sei se era essa a intenção ― desconstruir o mito e mostrar o homem, sendo este o grande mérito de seu trabalho.

A arrogância e a personalidade forte de John, pelo que se pode constatar se lido com crítica, era na verdade só um disfarce para sua insegurança, assim como Nixon fez na sua entrevista com David Frost, retratada nas telas no filme Frost/Nixon. Uma pessoa cheia de traumas, que não teve convívio com seus genitores, criado por uma tia conservadora que o paparicava, que não tinha certeza se suas canções eram melhores que as de seu eterno parceiro, Paul, que se deixou dominar por uma mulher controladora, que não tinha pudores em humilhar publicamente pessoas que trabalhavam com ele. Mas que tinha realmente um enorme talento para lapidar pérolas pop. E com fama e fortuna. Certa vez, li numa revista Bizz uma matéria sobre o Los Hermanos (de quem eu sou fã incondicional) que os "excêntricos é como chamamos os chatos bem-sucedidos" e associei imediatamente esse raciocínio ao beatle. Fiquei um tanto decepcionado com o Lennon homem, porque quando ele precisou ser homem de verdade quem o fez por ele foi Yoko Ono. Essa baboseira de não usar palavras para se comunicar, de pedir palpites a uma artista que estava aquém da grandeza dos Beatles e a vontade de se deixar controlar e, principalmente, não reconhecer seus erros quando utilizava suas famosas frases de efeito, tudo isso culminou no fim da mais brilhante formação que o universo conheceu.

Observando com atenção, cheguei à conclusão de que John se reportava sempre à Yoko porque ela era sua esposa e, por mais que ela tentasse ser imparcial na crítica da construção das canções do grupo, sua opinião sempre seria a favor do marido, e este, por sua vez, sempre acataria o que ela dissesse. Mesmo que isso resultasse numa das muitas brigas com os companheiros. Ringo e George se acostumaram a ficar à margem, para evitar os conflitos, mas Paul, perfeccionista que é, não concordava, embora tenha algumas vezes aceito a situação para manter a unidade do grupo. Pelo menos isso Philip Norman deixa claro: o baixista foi o pilar que sustentou a banda o máximo que pôde. Na minha modesta opinião, Paul sempre foi o líder, a força criadora que inspirava ― e por vezes frustrava ― seu parceiro John. Infelizmente a mídia encarregou-se de transformar Lennon no "líder", justamente o mais fraco dos Beatles.

Pode ser que o fim não tenha sido o objetivo de Lennon, mas sua arrogância, insegurança e Yoko Ono tornaram a situação insustentável para todos os outros. Os resultados de menosprezar seus companheiros e a própria obra da banda foram três: All the things must pass, de George; Sentimental journey, de Ringo e, sobretudo, Band on the run, de Paul. Se em vez de pôr Yoko para berrar nas suas canções tivesse reconhecido o valor de seus companheiros, aceitado as diferenças entre eles e juntado suas canções com as deles, com certeza teríamos mais um disco não menos que genial. Infelizmente não foi assim. Eu não gostei de como as coisas acabaram. E parece que Mark Chapman também não.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no site Helvetica12. Leia também "Despindo o Sargento Pimenta".

Para ir além






Marco Antonio Santos Silva
Teresina, 2/11/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Para que serve a poesia? de Ana Elisa Ribeiro
02. Lear e Potter de Ricardo de Mattos
03. Quem tem medo da Rio+20? de Marilia Mota Silva
04. Um Oscar para Christopher Nolan de Rafael Rodrigues
05. Argentinos: a gente detesta, mas somos parecidos de Adriana Baggio


Mais Marco Antonio Santos Silva
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/11/2010
06h21min
Aquele que na vida teve uma simples interrompida merece ser lembrado na história, mesmo que esta não tenha sido de glória. Ao menos teve uma obra, embora um cobra dentro da própria atualidade. Uma obra que merece ser preservada como aguar a roseira e na vida inteira manter vidas de Rosa. Lennon lutou pela paz, mas foi morto por um fã incapaz, que com certeza achou correto ter matado, dando continuidade à violência essa indecência que é presença em nosso dia a dia. Por isso, o recado para Yoko é que ela lute pela paz e harmonia. Se ela conseguir ouvir, ler o recado digestivamente, agradecemos.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
12/11/2010
10h35min
Ainda não li a biografia, por isso não sei o quanto "a arrogância e a personalidade forte de John era na verdade só um disfarce para sua insegurança" é só um clichê, porque, afinal, esse é o pensamento imediato para qualquer pessoa arrogante e/ou de personalidade forte ("precisa se afirmar"). Ou "discurso político de Lennon enquanto andava de Rolls-Royce", porque não consta que Lennon fosse contra a riqueza, mas a favor da paz - aí está outro clichê: se é político, não pode ter dinheiro. E há mais outro problema: na sua crítica você cita os trabalhos solos dos outros beatles e esquece de "Plastic Ono Band", que é um álbum fabuloso, e estou para ver qualquer letra do Paul ser pelo menos tão genial quanto a de "God". Essa é a música em que John disse: "I don't believe in Beatles". Isto é, vocês estão em lados diferentes. Você acredita nas "boas" canções, no perfeccionismo de Paul (manter a banda, ter o sucesso), mas John estava dizendo: "I just believe in me, Yoko and me".
[Leia outros Comentários de Duanne Ribeiro]
28/2/2011
07h24min
Anteriormente li outras biografias dos Beatles e também do John Lennon. O que o difere dos demais é o seu protagonismo, a sua atuação enquanto sujeito político, mesmo estando, algumas vezes, equivocado. Contudo, sua participação nas causas do seu tempo fez dele um beatle diferenciado. Enquanto Paul sempre conservou a imagem ensimesmada de bom mocinho, Lennon contrariou e, no seu arraigado criticismo, demarcou um digno lugar na história.
[Leia outros Comentários de Antonio P. Andrade]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Capa Dura Literatura Estrangeira Postscript to the Name of the Rose
Umberto Eco
Harcourt
(1984)



Livro Gibis Cavaleiros do Zodíaco 29
Masami Kurumada
Conrad
(2003)



Eu Adoro Meu Irmãozinho!
Jean Ormerod
Fundamento Educacional
(2016)



Antigos Manifestos Rosacruzes
Joel Disher
Amorc
(1982)



Geografia do Desenvolvimento no Brasil Problemas Brasileiros Segundo G
Carlos Cesar Guterres Taveira
Lisa



A Cidade em Obras - Imaginar - Ocupar - Redesenhar
Daniele Machado (Org.)
Ufrj
(2015)



A Universidade Impossível
Jacques Marcovitch
Futura
(1998)



Deixe os homens aos seus pés: Como se tornar uma mulher poderosa e irresistível
Marie Forleo
Universo dos Livros
(2009)



O Grande Conflito 386
Ellen G. White
Casa Publicadora Brasileira
(2007)



Gouda in Fotos
Martin Droog / Theo de Jong
N/c





busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês